FONTE: Site Terceiro tempo.

 

 

Esta foi uma das boas formações cruzmaltinas de 1934, com Domingos da Guia (quarto em pé, da esquerda para a direita) e Gradim (quarto agachado, na mesma ordem), que foi o treinador do time campeão carioca e do Torneio Rio-São Paulo-1958. Dele, também, fez parte, o lateral-esquerdo Roque Calocero, o segundo piloto do “Expresso da Vitória”, em 1946, quando o montador uruguaio Ondino Vieira pegou o boné e se mandou. Depois, Calocero passou o volante para Flávio Costa.

Em 1957, quando Martim Francisco treinava a rapaziada, o convidou a cuidar dos times de baixo. Por aquele tempo, ele já era empregado do clube em outro setor, administrando o estádio de São Januário, desde 1946.

Roque Calocero, filho de Carlos e de Inês Maria, nasceu no bairro de Caballitos, em Buenos Aires (14.09.1908), tendo iniciado a carreira pelo Ferro Carril Oeste. Em seguida, foi para um time de segunda divisão, onde o Vasco foi buscá-lo.

Campeão carioca, em 1934, parou, em 1940, para dirigir juvenis e aspirantes, entre 1941 e 1946. Uma de suas maiores satisfações era contar que levara o Vasco ao seu primeiro título na categoria juvenil.

Nesta foto reproduzida da Revista do Esporte, Calocero segura a bola, em pé.

 Fonte: Revista do Esporte e blog kike da bola

 

 

 

 

Fonte: Site do Clube.

 

 

Foi no dia 5 de dezembro de 1971 que o Zeca, até então em uma parceria com o clube Barroso, subiu a Serra para garantir o título da Copa Governador do Estado, até hoje a mais importante conquista estadual do clube.

Entre os destaques do time estavam o lateral Carlos Miguel – pai do jogador que se consagrou os anos 1990 com a camisa do Grêmio – e o meia Vasques. Na final, contra o Flamengo, depois transformado em SER Caxias, o São José aplicou 2 a 0 no Passo d’Areia, com gols de Carlos Miguel e Adilson.

Em Caxias do Sul, um 0 a 0 garantiu a taça.

O Zeca entrou em campo naquele dia com: Valdeci; Carlos Miguel, Paulinho, Adilson e Renato; Frazão e Gilnei; Carlos Castro, Vasques, João Alberto (Paulo Nascimento) e Reginaldo (Cará).

FONTE: Site do clube

 

 

O Spartanos Football Club foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O time Alvinegro foi Fundado na quinta-feira, do o dia 1º de Janeiro de 1914. A sua Sede e o campo ficavam no Bairro da Penha – Zona Leste de capital Paulistana.

O seu grande feito aconteceu no Torneio Paulista da Divisão Municipal de 1921 (os jogos, no entanto, foram realizados no ano seguinte: 1922), quando faturou o título. Na 1ª Fase, em jogo único, no domingo, do dia 12 de fevereiro de 1922, derrotou o Brasil Sport Club por 4 a 2.  Na 2ª Fase, também em jogo único, no domingo, do dia 05 de março de 1922, venceu o Busiris Football Club por 1 a 0. Pela 3ª Fase, também em jogo único, no domingo, do dia 19 de março de 1922, bateu a Associação Athletica Ordem e Progresso por 3 a 1.

Na fase semifinal, no domingo, do dia 26 de março de 1922, enfrentou a Associação Athletica Sul América. Num jogo equilibrado, a partida terminou empatada em 1 a 1. Com o resultado, foi necessário um jogo-extra. Então, no domingo, do dia 02 de abril de 1922, as duas equipes voltaram a se enfrentar. Desta vez, o Spartanos superou o adversário pelo marcador de 2 a 1.

Na grande final, no domingo, do dia 09 de abril de 1922, o adversário foi o Oriente Football Club. Numa partida disputada, o Spartanos venceu apertado por 2 a 1, fincando com o inédito título. A campanha do Spartanos Football Club: foram seis jogos, com cinco vitórias e um empate; marcando 13 gols, sofrendo seis, com um saldo positivo de sete tentos.

Time-base de 1915: Ferraz; Toledo e Miranda (Cap.); Wenceslau, Orlando e Cesário; Benjamin, Eurípedes, Maneco, Vieira e Josias.

 

FONTES: A Gazeta (SP) – Correio Paulistano – Livro “Os esquecidos – Arquivo de Futebol Paulista”, da editora Datatoro, de autoria do amigo e membro Rodolfo Kussarev – Waldomiro Junho

 

No final de 1947, a Federação Mineira de Futebol organizou o Campeonato de Futebol do Interior, disputado entre as seleções municipais de várias cidades do interior mineiro. A rodada inaugural apresentou uma partida entre as seleções de Araguari e Uberaba, que faziam parte da chamada “7a Zona”.

As fotos a seguir, gentilmente cedidas pelo Arquivo Público Municipal de Araguari, fazem parte de um acervo doado pela família do tradicional esportista araguarino Mário Nunes, e foram tiradas antes do confronto, retratando com perfeição esse momento histórico.

SELEÇÃO DE ARAGUARI – 1947

Em pé: Paulo Flores (Técnico), Macaquita, Paulo Tavares, Dé, João Pequeno, Manoel Preto e Marim; Sentados: Mário Nunes, Patesko, Paulo Borges, Renato e Hélio Pelegrini.

Ficha Técnica:

SELEÇÃO DE UBERABA 4×2 SELEÇÃO DE ARAGUARI
Motivo: Campeonato Mineiro do Interior, 7a zona, 1a Rodada,  Jogo de ida
Local: Estádio Boulanger Pucci, Uberaba – MG
Renda: Cr$ 6.500,00
Árbitro: Idalírio Braga (LAF – Liga Araguarina de Futebol)
S. UBERABA: Veríssimo, Vinícius e Djalma; Tercílio, Abeia e Velho; Ticrila, Ditinho, Anísio, Brandão e Helinho.
S. ARAGUARI: Dé, Tavares e Marim; Macaquita, João Pequeno e Manoel Preto; Mário Nunes, Patesko, Paulo Borges, Renato e Hélio Pelegrini. Técnico: Paulo Flores
Gols: Brandão (1′ do 1ºT, 1×0), Anísio (2 gols antes dos 20′ do 1ºT, 2×0 e 3×0) e Helinho (2ºT, 4×1); Paulo Borges (1ºT, 3×1) e Renato (2ºT, 4×2)

Atletas perfilados para a execução do Hino Nacional.

A foto a seguir evoca tristes lembranças no povo de Uberaba. Afinal, o estádio Boulanger Pucci, palco das grandes jornadas do Uberaba Sport Club, hoje não existe mais, demolido na última década, após conturbado leilão judicial para pagamento das dívidas do clube.

Com os times perfilados, destaque para a bela arquibancada do Estádio Boulanger Pucci, em Uberaba, hoje completamente demolido.

Fontes:
- Jornal Lavoura e Comércio (Uberaba), 06/10/1947, pág. 03
- Acervo do Arquivo Público Municipal de Araguari – MG (Acervo Mário Nunes)
 

Esses são todos os escudos do Paissandu que já encontrei em pesquisas:

1) O único documento timbrado que já vi do Paysandu Cricket Club tinha um desenho estilizado de sua bandeira como o símbolo. Considero esse o escudo do Paysandu Cricket Club. (Na internet circula um escudo de três pontas com um monograma dentro, mas nunca vi esse escdudo fora da internet. Contudo, não o descarto).

2) O mesmo escudo foi usado pelo clube, mudando apenas as iniciais, quando este mudou de nome para Paysandu Athletic Club / Paissandu Atlético Clube. Já vi esse escudo sendo usado até em documentos bem mais recentes, quando o clube já usava o distintivo atual.

3) Esse escudo vi em foto dos anos 40. E tem um azulejo no clube com esse escudo que, contudo, é datado dos anos 90, talvez seja homenagem a um escudo antigo.

4) Escudo usado em algumas camisas sociais do clube em fotos dos anos 60 e 70

5) Esse escudo com as palmeiras (referência às palmeiras da Rua Paissandu, de onde o clube ganhou o nome) aparece a partir dos anos 70

6) Escudo atual. Esse estilo é usado no mínimo desde os anos 90. Por vezes o fundo do escudo é em degradê, ou tem a metade superior em azul claro e a inferior em azul escuro, como no escudo (5). O azul claro pode ser apenas uma referência ao primeiro uniforme do clube – listrado azul celeste e branco. Apenas em 1911 o clube adotou o uniforme em metades azul escuro e branco. Mas as cores oficiais do clube, na bandeira, sempre foram apenas azul escuro e branco.

 

A Associação Atlética Luziânia é uma agremiação da cidade de Luziânia (GO). A sua Sede fica na Rua Doutor João Teixeira, Q. 02 Lote. 06 / Sl. 7/8, no Centro de Santa Luzia (Atual Luziânia). Seu Estádio é o Serra do Lago, em Luziânia, com Capacidade para 5,564 pessoas. Fundado no dia 13 de Dezembro de 1926, como Associação Athletica Luziana pelo mineiro de Rio Pomba, Manoel Gonçalves da Cruz, um grande desportista, comerciante, professor e pioneiro do automobilismo.

Constituiu a 1ª Diretoria do clube, tendo como Presidente Carlos Machado de Araújo e membros Delfino Meireles e Paulino Lobo Filho. Nesse período, a cidade de Luziânia chamava-se Santa Luzia.

1945: cidade troca de nome

A mudança de nome da cidade de Santa Luzia para Luziânia aconteceu no dia 13 de dezembro de 1945, através da Lei Estadual nº 8.305. No dia 25 de março de 1945, o clube foi reorganizado por Arione Correia de Morais. Para não desagradar os torcedores dos times do eixo Rio – São Paulo as cores do uniforme antes azul e branca para vermelha e branca, semelhantes às do América, do Rio de Janeiro, que tinha a simpatia da maioria dos torcedores e seu nome também foi mudado, passando a ser denominado: Associação Atlética Luziânia.

 

Foto de 1964

1959: clube muda o nome e as cores

Em reunião realizada no Clube Recreativo e Cultural de Luziânia, no dia 26 de julho de 1959, foi eleita a nova diretoria do Luziânia, tendo como presidente Francisco das Chagas Rocha. O presidente eleito mudou novamente a denominação do clube passando a se chamar Luziânia Esporte Clube e alterando o seu uniforme para as cores preta e branca e o escudo semelhante ao do Santos Futebol Clube.

 

Início dos Anos 60: clube entra num processo de crise financeira

O 1º estatuto do Luziânia foi publicado no dia 10 de abril de 1960 sob essa nova direção. O clube passou por um grande declínio. Passou a sofrer com os interesses duvidosos dos políticos. Com essa nova atmosfera rondando o time, criaram pretextos, dividiram a equipe em duas, com a fundação do Fluminense, como se não soubessem que toda divisão é prejudicial, inventaram a tristemente famosa desapropriação da área do Estádio Rochão.

Processos surgiram, a desavença foi implantada e tudo foi destruído. Por muito tempo usaram e abusaram do clube. Mesmo assim, está viva na lembrança dos torcedores apaixonados, fanáticos, pessoas que realmente amam o seu time e estimulam em tudo que se faz, não arredam o pé do Estádio, investem tempo e dinheiro para fazer o clube crescer.

Meados dos Anos 60: Luziânia consegue se reerguer e passa a disputar as competições no novo Estado brasileiro, o Distrito Federal

Uma pessoa deixou seu nome escrito nos anais do futebol de Luziânia: Francisco das Chagas Rocha. Eleito Presidente, quase desconhecido da totalidade da população, resolveu deixar no clube a marca do seu dinamismo, de sua personalidade empreendedora. Já contava com um pequeno grupo de sócios e torcedores dedicados, mas precisava despertar o entusiasmo da cidade toda.

Contava com uma equipe razoável, onde despontavam as estrelas da casa, mas precisava reforçar o time, pois pretendia fazê-lo brilhar nas cidades vizinhas, mormente na recém-nascida Brasília.

Dispunha de um campo típico interiorano, medíocre, desconfortável, sem grama, arquibancadas, muros e vestiários. A Câmara Municipal aprovou e a Prefeitura doou a área do campo de futebol ao clube. Desmembrada parte desta área, loteada e vendida, juntando-se ao dinheiro de que já dispunha, conseguiu construir algo que poderia chamar de seu estádio.

Era o único clube no Distrito Federal que possuía o seu próprio estádio e não parou aí, dispondo de uma sede respeitável e na época invejada até por Brasília. O incansável presidente promoveu o engrandecimento da equipe. Inscreveu o clube na então Federação Desportiva de Brasília, com a permissão da CBD (Confederação Brasileira de Desportos).

Luziânia chegou a ficar 50 jogos sem derrota

Contratou jogadores de outros estados e profissionalizou o clube. O Luziânia tornou-se conhecido, temido e quase imbatível, pois em 1962 esteve invicto em 50 e duas partidas. Clubes poderosos de Brasília e Goiás, além da seleção profissional de Brasília, estiveram atuando em Luziânia e amargaram derrotas ou tiveram que se desdobrar para vencer.

O povo vibrava, iam ao estádio, falavam com carinho de sua equipe. Compravam ingressos, rifas, bingos, pagavam votos à candidata a rainha, porque estavam ajudando uma equipe de valor. No mês de julho de 1965, o Presidente Rocha se afastou.

 

1981: clube muda de nome outra vez

Em reunião, no Colégio Santa Luzia, no dia 9 de novembro de 1981, a denominação do clube foi alterada novamente, passando a se chamar Luziânia Futebol Clube.

Os dirigentes resolveram se aventurar em participar do futebol goiano após a empolgação pelo acesso à primeira divisão em 1992. No entanto, teve fraco desempenho na Primeira Divisão. O time caiu para a Divisão Intermediária e desistiu de participar do campeonato goiano pelas dificuldades financeiras das longas viagens e hospedagens.

Em 1995, após a aventura no futebol goiano, com a queda para a Divisão Intermediária e com o acúmulo de dívidas, o Luziânia solicitou autorização a CBF para retornar ao futebol brasiliense. Os desportistas se uniram e perceberam que seria mais viável disputar o campeonato brasiliense.

1995: nova mudança de nome e das cores

A única exigência da Federação Goiana de Futebol era de que o Luziânia Futebol Clube efetuasse a quitação de todos os débitos perante a entidade. No dia 20 de janeiro de 1995 o presidente Cecílio Sepúlveda Monteiro, protocolou a nova filiação do clube junto a Federação Metropolitana de Futebol, presidida por Tadeu Roriz.

Ao optar pelo retorno ao futebol brasiliense, o clube voltou à sua denominação de fundação, Associação Atlética Luziânia, adotando um novo escudo: a igreja do Rosário, numa sugestão do desportista Albino Inácio Soares e voltando a usar as cores originais no uniforme do clube, a azul celeste e a branca.

Durante o período de retorno ao futebol brasiliense, o Luziânia caiu algumas vezes para a segunda divisão, o clube esteve em alguns momentos para deixar de existir, ninguém queria assumi-lo sem apoio. O Luziânia passou por grandes turbulências, contornadas quase sempre pelos dirigentes Albino Inácio e José Egídio, os quais corriam atrás das pessoas para assumir a diretoria, cobrando junto à imprensa posição das autoridades locais.

 

O Título Inédito de 2014 e o Bi em 2016

O técnico Ricardo Antônio trabalhou nas categorias de base de grandes clubes brasileiros como Cruzeiro, Atlético Mineiro, Vitória, da Bahia e Atlético Goianense. Foi auxiliar de treinadores como Toninho Cerezo e Mauro Fernandes, dentre outros.

Em Brasília trabalhou na base do Ceilândia. O técnico foi o responsável pela montagem do elenco juntamente com o presidente Daniel Vasconcelos, que está no clube desde 2006. Foram contratados o experiente Lúcio Bala (ex-Goiás, Flamengo, Botafogo, Atlético-MG e Santos), Max Pardalzinho (ex-Palmeiras, Goiás, Vila Nova e Guarani) e Vaguinho (ex-Portuguesa de Desportos e Ponte Preta).

Juntaram-se ao goleiro Edmar Sucuri e os experientes Zé Ricarte, Rodriguinho, Chefe, Carlão e Perivaldo, os líderes do grupo. O atual prefeito Cristóvão Tormin foi um dos responsáveis pela conquista, trabalhando na captação de patrocínios e literalmente vestindo a camisa do time.

 

Campanha

Acompanhava treinos e jogos. Na fase classificatória, o Luziânia teve a melhor campanha entre os 12 participantes (com o mesmo número de pontos ganhos do Brasiliense), em 2014. Nos 11 jogos que disputou, venceu sete, empatou dois e perdeu dois. Marcou 11 gols e sofreu cinco.

Nas quartas-de-final, passou pelo Santa Maria, com uma vitória e um empate. Na semifinal, usou do direito de jogar pelo empate por ter a melhor campanha, obtendo dois resultados iguais diante do Sobradinho. E, na grande final, contra o Brasília, também jogou com o regulamento debaixo do braço, ao vencer a primeira partida por 3 x 2 e perder a segunda por 1 x 0.

A torcida acompanhou os jogos sempre com muita dedicação. Depois da final do campeonato, onde os luzianienses lotaram Mané Garrincha, houve um longo congestionamento na BR-040 sentido Luziânia devido uma enorme carreata de torcedores, contendo mais de mil automóveis, com festa madrugada adentro, só terminando na chácara do antigo presidente Remi Sorgatto.

A formação do Luziânia nos dois jogos finais foi a seguinte: Edmar Sucuri, Thompson, Carlão, Perivaldo e Rafinha; Lucas Garcia (Thiago Eciene), Pixote (Aldo), David (Vaguinho), Rodriguinho e Max Pardalzinho (Danilo); Chefe.

Foi a terceira vez que o Luziânia chegou à final do campeonato brasiliense. A 1ª aconteceu em e 1966, quando foi superado pelo Rabello a 2ª em 2012, quando foi superado pelo Ceilândia, que jogava por dois resultados iguais.

 

Rodriguinho chegou ao 10º título do Distrito Federal

Com o título inédito conquistado pelo Luziânia, o meia Rodriguinho passou a ser o segundo jogador a conquistar dez títulos de campeão brasiliense (o outro é o volante Deda). Foram cinco pelo Gama (1997, 1998, 1999, 2000 e 2001), quatro pelo Brasiliense (2006, 2007, 2008 e 2009) e 2014, pelo Luziânia.

Além disso, Rodriguinho foi o principal artilheiro da equipe, com 6 gols marcados. O atacante Chefe foi o vice-artilheiro, com 5 gols. E o que o futebol de uma pequena cidade do Entorno de Brasília pode esperar após a inédita conquista do título de campeão brasiliense?

Primeiramente, torcer para que, com a conquista do título, o Luziânia deixe de ser apenas um time de futebol e passe a ser um clube. Já há a disposição da nova diretoria e do prefeito da cidade para que seja construído um Centro de Treinamento para valorizar as categorias de base e se tornar uma grande força no futebol do Distrito Federal. Em 2016, o Luziânia chegou ao Bicampeonato Candango!

FONTES: Site do clube – Correio Brasiliense – Blog Edição dos Campeões – José Ricardo Almeida – José Egídio Pereira

 

OBS: a história do clube já está inserida neste blog.

Fontes: álbum de figurinhas “Varzeana Paulista” dos anos 50/60 e o historiador Waldevir Bernardo (Vie).

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 
GE FORÇA E LUZ (PORTO ALEGRE – RS)

1

SC INTERNACIONAL (PORTO ALEGRE – RS)

0

Data: 20 de julho de 1946 Local: Porto Alegre – RS
Juiz: Osvaldo Rola Caráter: Campeonato de Porto Alegre – 1946
Gol: Nadir
Força e Luz(RS): Claudio; Hugo e Wichnewsky; Romeum Armando e Durvalino; Darcy, Orlando, Iturralbe, Ariovaldo e Nadir.
Internacional(RS): Ivo; Castrinho e Nena; Viana, Avila e Ilmo; Eliseu, Rui, Adãozinho, Rebolo e Carlito.

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 

 

A Sociedade Esportiva e Recreativa São Gabriel foi uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). O ressurgimento do futebol profissional em São Gabriel, aconteceu sob a liderança do radialista e jornalista Domingos Olímpio Rivas, quando foi Fundado na terça-feira, do dia 1º de Maio de 1979, as suas cores era o verde, vermelho e branco.

Ao todo, o SER São Gabriel participou uma vez do Campeonatos Gaúcho da 1ª Divisão, em 1981; já no Campeonatos Gaúcho da 2ª Divisão, foram 10 participações: 1979, 1980, 1982, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990 e 1992; e uma vez no Campeonatos Gaúcho da 3ª Divisão, em 2000.

Em 1980, um ano após ser fundada a S.E.R. São Gabriel conseguiu o grande feito de subir para a Elite do Futebol Gaúcho. No dia 29 de novembro, no Estádio Silvio de Faria Corrêa derrotou o F.B.C. Rio-Grandense, de Rio Grande por 2 a 0, gols de Cigano e Duira. Antes, havia perdido em Rio Grande por 1 a 0.

Com isso a decisão foi para os pênaltis, com vitória da S.E.R São Gabriel e a conseqüente classificação junto com o Armour F.C., de Santana do Livramento, para o Campeonato Gaúcho da Divisão Principal de 1981.

Pena que o time não correspondeu, chegando ao fim do campeonato com a ingrata tarefa de decidir com o Juventude, de Caxias do Sul, quem cairia para a “Segundona” do ano seguinte. A S.E.R. São Gabriel chegou a essa situação depois de ter escalado de forma irregular o jogador Saraco, numa partida contra o São Borja e ter perdido os pontos.

Em jogo extra, realizado no Estádio dos Plátanos, em Santa Cruz do Sul, o Juventude venceu por 3 a 1 e se manteve na Divisão Principal.

A S.E.R. São Gabriel começou o campeonato com este time: Ricardo, Sérgio Vieira, Serginho, Caio Rocha e Miralha. Caio Flávio, Júnior (Paulo Molina) e Saraco. Batista, Cigano e Betinho.

As boas atuações do centroavante Cigano chamaram a atenção de vários clubes. Além de Internacional, Caxias e São Paulo, o Palmeiras também mostrou interesse em contar com o goleador. O clube paulista estaria disposto a pagar Cr$ 15 milhões por seu passe. Quem acabou ficando com Cigano foi o Internacional, de Porto Alegre.

Depois disso a S.E.R. São Gabriel nunca mais disputou a Divisão Principal do Campeonato Gaúcho. Andou sempre nas divisões inferiores e parando em determinados momentos. O retorno a elite gaúcha só aconteceu em 2001 já com a denominação de São Gabriel F.C.

Em 1988 os desportistas Rudyar Guarani de Bem e José Boneval Nunes, tentaram levantar novamente o E.C. Cruzeiro. A intenção inicial era disputar como amador, para depois de consolidado se tornar de novo profissional.

Mas não deu certo. Chegou a participar do Campeonato Estadual da categoria em 1988, tendo se sagrado campeão da Chave Fronteira. No ano seguinte em razão de dificuldades financeiras, encerrou definitivamente as atividades.

No dia 26 de abril de 1992, num jogo entre S.E.R. São Gabriel versus Guarany, de Bagé, o hino do Rio Grande do Sul foi tocado pela primeira vez num estádio de futebol.

O que poucas pessoas sabem é que a primeira pessoa a defender a execução do Hino do Rio Grande do Sul, em jogos de futebol foi o tradicionalista Gabrielense, João Carlos Fagundes Cardoso, de saudosa memória. Ele apresentou essa sugestão durante o 37º Congresso Tradicionalista, realizado na cidade de Pelotas.

Em 1998, algumas semanas antes do início do campeonato assumiu a presidência da S.E.R São Gabriel o coronel reformado do Exército, Pedro Martino, que conseguiu apoio da prefeitura para cobrir os gastos com as viagens.

No dia 13 de Outubro de 1998, depois de ficar inativo o G.E. Gabrielense oficializou seu retorno aos gramados. Participou do Campeonato da Segunda Divisão de 1999.

O time contratou jogadores experientes como o goleiro Jairo, ex-14 de Julho, de Livramento e Penãrol, de Montevidéu, Ronaldo Martins, também vindo de Livramento, Luís Carlos Gaúcho, que brilhou no E.C. Pelotas e Márcio Ferreira, vindo do próprio São Gabriel. Ao fim do campeonato o clube se licenciou e não voltou mais as disputas oficiais.

No dia 13 de fevereiro de 1999 morreu o coronel Pedro Marins Martino, presidente da S.E.R. São Gabriel. Com isso assumiu a presidência do clube o desportista Roque Oscar Hermes.

Na tarde de 6 de novembro de 1999 a tragédia abateu o principal jogador da S.E.R. São Gabriel. O atacante Ademir Vega, que teve uma breve passagem pelo Internacional, de Porto Alegre, foi morto aos 25 anos com um tiro no peito, desferido pelo policial militar José Henrique Siqueira de Oliveira, com quem tinha uma rixa.

Nascido e criado em São Gabriel, Ademir Antunes dos Santos, nome de batismo do jogador, era o craque do time e ídolo em sua terra natal. Era filho de um ex-goleiro do futebol amador gabrielense, de apelido “Cabo Velho”, já falecido.

O crime chocou e comoveu a comunidade gabrielense. O caso repercutiu também em Bagé, onde o jogador era benquisto desde que atuou pelo Grêmio Bagé.

Ao final de 2000 a S.E.R. São Gabriel mudou a denominação para São Gabriel F.C. E com a desistência da S.E.R.C. Brasil, da cidade de Farroupilha, ganhou o direito de disputar em 2001 a Série “B” do Campeonato Gaúcho, denominada “Taça Doutor James Vidal”.

 

FONTES: Wikipédia – N1 Notícia – Times do RS – Camisas Gaúchas

 
SELEÇÃO CARIOCA

8

SELEÇÃO MINEIRA

3

Data: 01 de dezembro de 1946 Local: Campo do Botafogo, no Rio de Janeiro – RJ
Juiz: Osvaldo Rola Caráter: Campeonato Brasileiro – 1946
Gols:  Chico (4),  Isaias, Jair, Lelé e Djalma – Paulinho (2) e Cecy
Seleção Carioca: Barbosa; Augusto e Mundinho; Eli, Danilo e Jorge; Djalma, Lelé, Isaias, Jair e Chico.
Seleção Mineira: Kafunga; Pescoço e Canhoto; Mexicano, Carango e Silva; Lucas, Ismael, Cecy, Paulinho e Niveo.

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

Seleção Carioca - 1946

Seleção Mineira - 1946

 
CR FLAMENGO (RIO DE JANEIRO – RJ)

8

BANGU AC (RIO DE JANEIRO – RJ)

5

Data: 22 de junho de 1947 Local: Laranjeiras, no Rio de Janeiro – RJ
Juiz: Lazaro dos Santos Caráter: Torneio Municipal – 1947
Gols: Perácio (5) e Pirilo (3) – Sonô (2), Ubirajara, Calixto e Moacir
Flamengo(RJ): Doli; Alcides e Norival; Biguá, Bria e Farah; Adilson, Zizinho, Pirilo, Perácio e Vevé.
Bangu(RJ): Rosarez; Hermogenes e Bilú; Sula, Haroldo e Mauricio; Sonô, Ubirajara, Calixto, Moacir e Sá Pinto.

 

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 
CR VASCO DA GAMA (RIO DE JANEIRO – RJ)

14

CANTO DO RIO FC (NITERÓI – RJ)

1

Data: 07 de setembro de 1947 Local: São Januário, no Rio de Janeiro – RJ
Juiz: Alberto Malcher Caráter: Campeonato Carioca – 1947
Gols: Maneca (5), Ismael (4), Dimas (3), Nestor e Chico – Heitor
Vasco da Gama(RJ): Barbosa; Augusto e Rafanelli; Eli, Danilo e Jorge; Nestor, Maneca, Dimas, Ismael e Chico.
Canto do Rio(RJ): Odair (Raimundo); Borracha e Lamparina; Carango, Bonifácio e Canelinha; Heitor, Waldemar, Raimundo, Didi e Noronha.

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 
CRUZEIRO EC (BELO HORIZONTE – MG)

7

FORMIGA EC (FORMIGA – MG)

2

Data: 07 de setembro de 1947 Local: Formiga – MG
Juiz: Raimundo Sampaio Caráter: Amistoso Nacional
Gols: Albelardo (3), Renato, Nilton, Alvinho e Velho – Miltinho (2)
Cruzeiro(MG): Geraldo (Sinval); Duque e Bituca; Adelino, Nominho (Jambo) e Ceci; Renato, Velho, Albelardo, Alvinho e Nilton (Gereba).
Formiga(MG): Marandula; Lulu e Marico; Carlos, Nanzer (Peba) e Zezé; Tita, Miltinho (Chico), Machado, Airton e Petito.

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 
SE PALMEIRAS (SÃO PAULO – SP)

10

CR OPERÁRIO (LONDRINAS – PR)

0

Data: 07 de setembro de 1947 Local: Londrina – PR
Juiz: Vicente Gengo Caráter: Amistoso Nacional
Gols: Osvaldinho (3), Bovio (2), Lula (2), Mário Miranda, Arturzinho e Mantovani
Palmeiras(SP): Oberdan (Lourenço); Osvaldo II e Turcão; Zezé, Tulio e Fiume (Gengo); Lula, Arturzinho (Renato II), Osvaldinho (Bovio), Canhotinho e Mário Miranda (Mantovani).
Operário(PR): Julio (Moacir); Gouveia (Nilo) e Rubens; Gilberto (Noronha), Baianinho e Oscar; Boanerges (Albertinho), Albertinho (Olavo), Leonidas, Fagundes e Canhoto.

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 

Fonte: Blog Escarafunchando

 

NOME: Associação Atlética Ferroviária
CIDADE: Mairinque – SP
FUNDAÇÃO: 19 de março de 1951
HISTÓRICO: Um das equipes mais tradicionais do futebol amador da cidade. Atualmente se dedica as categorias de base.

Equipe de 1979

Fonte: Blog de Vander Luiz

 

O Esporte Clube Coronel Fulgêncio de Almeida foi uma agremiação da cidade de Franca, localizado no Interior Paulista. Fundado às 12 horas, da quinta-feira, no dia 23 de Abril de 1914, como Football Club Coronel Fulgêncio de Almeida.

Reuniram-se na sua Sede à Praça João Mendes, no Centro de Franca (Posteriormente a Sede passou para a Avenida Major Nicácio, s/n, no Centro da Cidade), as diretorias dos clubes Coronel Fulgêncio de Almeida e Quinze de Novembro, grande massa popular, as bandas de música do Grêmio S. Benedicto e Eduardo Nunes.

Ali formou-se uma extensa comitiva que se dirigiu a casa da Sra. D. Amabile Braczak, a fim de receber um lindo estandarte que essa senhora confeccionou e gentilmente ofereceu ao clube.

Após entrega, falou o Sr. Homero Alves, orador oficial do clube, agradecendo o valioso donativo. O préstito dirigiu-se então para a Sede da Associação Athletica Francana, que incorporou, indo todos cumprimentar as redações dos jornais locais.

O préstito seguiu para a Sede do Club onde foi servido a todos um copo de cereja, havendo por essa ocasião, diversos brindes. Às 16 horas e meia, houve no campo do Club Coronel Fulgêncio de Almeida, um jogo amistoso entre esse Club e a Associação Athletica Francana. No final, os visitantes venceram pelo placar de 2 a 0.

Às 20 horas, grande e compacta massa popular, precedida das as bandas de música do Grêmio S. Benedicto, foi na casa do Professor David Carneiro, presidente da Associação Athletica Francana, cumprimentado-o pela vitória alcançada. O Coronel Fulgêncio de Almeida foi aclamado de forma unânime com o presidente honorário do clube.

Conquistas do Fulgêncio de Almeida 

O clube foi vice-campeão do Campeonato Citadino de Franca, em 1921, somando oito pontos (foram oito jogos, com três vitórias, dois empates e três derrotas). A AA Francana foi a campeã com 10 pontos (foram oito jogos, com quatro vitórias, dois empates e duas derrotas; marcando 11 gols e sofrendo quatro).

Em 1942, o Esporte Clube Coronel Fulgêncio de Almeida participou do Campeonato Paulista do Interior daquele ano. A competição contou com a presença dos 24 clubes campeões municipais. O Rubro-negro Francano entrou como o campeão da 8ª Região (Franca).

No entanto, o Coronel Fulgêncio de Almeida não foi e acabou eliminado. No domingo, do dia 04 de Outubro de 1942, foi até Ribeirão Preto e não se deu bem. O Botafogo venceu por 3 a 0, avançando na competição.

 

Time-base de 1932: Bahiano; Bruza e Arnaldo; Mezolino, Nenê e Jeronymo; Xaleira, Paulo, Azul, Franklin e Durval.

Nesta foto (acima), da década de 50, o Esporte Clube Coronel Fulgêncio de Almeida no seu campo (atualmente no local fica a Prefeitura de Franca, na Cidade Nova). O que sobrou do patrimônio do extinto Fulgêncio de Almeida ninguém sabe ao certo.

A equipe posada do Fulgêncio de Almeida. EM PÉ: (da esquerda para a direita): Sebastião Furini, Déco, Ivo Finardi, Agostinho, Pacífico e Katira. AGACHADOS: (da esquerda para a direita): Zezinho Geron, Nêgo Oreia, Peres, Giba e Aroeira.

FONTES & FOTO: Rsssf Brasil – O Combate – Correio Paulistano – Diário Nacional – GCN.net.br – Livro “Os esquecidos – Arquivo de Futebol Paulista”, da editora Datatoro, de autoria do amigo e membro Rodolfo Kussarev – Acervo de Élison Fernandes - Waldomiro Junho

 

 
NAJÁ FC (ARAXÁ – MG)

4

UBERLÂNDIA EC (UBERLÂNDIA – MG)

2

Data: 26 de maio de 1946 Local: Araxá – MG
Juiz: Caráter: Amistoso Nacional
Gols: Afranio (2), Walter e Viotti – os gols do Uberlândia não foram divulgados
Najá(MG): Dario; Covanca e Negrinho; Bastinho (Geraldo), Chico Preto e Jamati; Paulinho, Nivaldo, Walter, AFranio e Viotti.
Uberlândia(MG): Décio; Canário e Nenem; Eduardo, Soninho e Carim; Ico, Elio, Osvaldo, Zé Martins e Pinhal.

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 
EC PELOTAS (PELOTAS – RS)

5

CLUB GIMNASIA Y ESGRIMA (ARGENTINA)

1

Data: 25 de janeiro de 1958 Local: Estádio Boca do Lobo, em Pelotas – RS
Juiz: Miguel Matos Caráter: Amistoso Internacional
Gols: Nei Silva, Dirceu, Jarí, Deraldo e Galeano (contra) – Diego Bayo.
Pelotas(RS): Oscar, Getúlio (Edemar), Duarte, Nascimento (Cascudo), Jari, Polaco, Cléo (Galeguinho), Dirceu, Deraldo, Pacheco e Nei Silva.
Gimnasia y Esgrima(ARG): Gerônimo, Ambrosi, Galeano, Novarini, Schadley (Romero), Smargiassi, Stelman, Villegas (Eduardo Dominguez), Maravilla, Diego Bayo e Noack.

 

Foto: Gelcy dos Santos e Colaboração: Paulo Ventura

Fonte: Fred Mendes (Arquivo Lobão)

 

 

Fechando a lista dos novos clubes registrados na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) e que podem aparecer no Campeonato Carioca da Série C (equivale a Quarta Divisão), em junho deste ano (2017).

Trata-se do Esporte Clube Porto Real. É uma agremiação do Município de Porto Real, localizado na Região Sul Fluminense do estado do Rio de Janeiro. Com uma população de 18.552 habitantes, segundo o Censo IBGE/2016, Porto Real fica a 123 km da capital do Rio. A condição de município é algo relativamente novo, uma vez que a emancipação aconteceu em 05 de Novembro de 1995.

O neo clube Porto Realense foi Fundado no Sábado, do dia 05 de Novembro de 2016, e escolheu as cores da bandeira do município: vermelho, verde e branco. A sua Sede administrativa está situado no Avenida Geraldo Ribas, nº 1853, no Centro de Porto Real.

Após 17 anos, o município de Porto Real terá um time para torcer e incentivar, no futebol profissional. Após o Porto Real Country Club se desfiliar da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), Porto Real ficou órfão de um clube na esfera profissional.

No entanto, esse ano a história será diferente, pois o Esporte Clube Porto Real busca participar do Campeonato Carioca da Série C (de fato, a Quarta Divisão). A equipe disputava competições amadoras na cidade, oferecidas pela liga municipal da cidade, mas a diretoria resolveu em 2017 buscar vôos mais altos, e profissionalizar o clube.

Com a possível profissionalização, seria preciso pessoas de confiança no clube, o diretor Gabriel Almeida fez o convite para Nelson Pernasetti e Sérgio Luiz para somar forças e conquistar o primeiro passo, o CNPJ. Atualmente o clube já vem treinando e fazendo peneiras, esperando apenas o cumprimento de todas as exigências e buscando patrocinadores para poder disputar campeonatos estaduais.

No plantel do time possuí jogadores experientes no futebol carioca como: Cassiano Carvalho, ex-América e Audax, Wesley Coutinho, ex-América, Caio Fábio, ex-Madureira, Guilherme Souza, ex-Duque de Caxias, Heider Fidélis, ex-Botafogo e Seleção Militar Brasileira, além de jovens jogadores da cidade.

FONTES & FOTOS: Wikipédia - Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – Blog Futebol Sport Rio – Página do clube no Google+   

 

Clube Atlético Parque da Moóca (São Paulo-SP) - 1946

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Alguns novos clubes estão registrados na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) e podem aparecer no Campeonato Carioca da Série C (equivale a Quarta Divisão), em junho deste ano (2017).

O CIG (Centro de Integração Geracional) 7 de Abril é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na terça-feira, do dia 22 de Agosto de 2006. A sua Sede fica localizado na Rua Engenheiro Gastão Rangel, nº 126, no Bairro de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio.

Atualmente a CIG desenvolve dois projetos na área de esporte e capacitação profissional; o Projeto Pé na Bola e cabeça na escola que atua com meninos adolescentes em atividades esportivas nos períodos em que não estão na escola e o projeto Espaço Cuidar que capacita pessoas familiares ou não no cuidado à pessoa idosa.

FONTES: Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – Página do clube no Facebook

 

Alguns novos clubes estão registrados na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) e podem aparecer no Campeonato Carioca da Série C (equivale a Quarta Divisão), em junho deste ano (2017). O Estrela do Norte Esporte Clube é uma agremiação da cidade de São Fidélis (RJ). Fundado no Domingo, do dia 13 de Julho de 1952. A sua Sede fica localizada na Rua Otr Ipuca, s/n, no Distrito de Ipuca, em São Fidélis.

FONTES: Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – Página do clube no Facebook

 

Alguns novos clubes estão registrados na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) e podem aparecer no Campeonato Carioca da Série C (equivale a Quarta Divisão), em junho deste ano (2017).

Começamos pelo IQSL Brasileirinho Clube Social. É uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 12 de Julho de 2007. A sua Sede fica localizada na Rua José Marcelino de Vasconcelos, nº 252, no Bairro de Anchieta, na Zona Norte do Rio.

FONTES: Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – YouTube – André Luiz Pereira Nunes

 

Na data de 6 de julho de 1932, quando se iniciava a Revolução Constitucionalista de 1932, a Associação Athletica Alpargatas trocou seu nome para Clube Atlético Albion,  sendo certo que este clube desligou-se por completo da fábrica que lhe emprestava o nome.

Com a revolução, as atividades futebolísticas de todos os clubes paulistas sofreram um recesso, somente retomadas no final daquele ano.

E no início do ano de 1933, o Clube Atlético Albion disputou com o Luzitano Futebol Clube, numa melhor de duas partidas, o título de campeão da Primeira Divisão do futebol de São Paulo.

Na primeira partida aconteceu um empate por um ponto.

E na data de 15 de janeiro de 1933, no campo do Sport Club Internacional, o Clube Atlético Albion venceu o Luzitano Futebol Clube pelo placar de 4 a 1, sagrando-se o campeão de 1932, título esse que lhe garantiu o acesso a Divisão de elite de São Paulo.

Nessa partida final, as equipes assim alinharam:

ALBION: Rêde, Batata e Cachimbo. Sebastião, Nino e Moura. Frederico, Imparato, Celeste, Renato e Rolando.

LUZITANO: Rodrigues, Alfredo e Roxo. Accacio, Nobre e Accacio II. Paulo, Tatu, Toneco, Bianchini e Serrone.

 

Fonte: A Gazeta.

 

 

O Esporte Clube Cruzeiro foi uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). O Áureo-anil foi Fundado na segunda-feira, do 31 de Dezembro de 1951, a partir do clube amador Esporte Clube Manivela de São Gabriel. Mandava os seus jogos no Estádio Municipal Sílvio de Faria Corrêa, com capacidade para 8.500 pessoas. Localiza-se ao lado da rodoviária municipal, no Bairro Capiotti.

Profissionalizado, o Cruzeiro de São Gabriel passou a participar do Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão, tendo sido 3º colocado em 1955 e repetindo a mesma posição no ano seguinte (1956). Foi Campeão da Zona Sudoeste de 1956. Com isso, superou o feito do seu rival local, o Grêmio Esportivo Gabrielense, que havia conquistado a quarta colocação do Gauchão de 1954.

No final da década de 1950, o dinheiro começou a escassear. Após uma má campanha no Campeonato Gaúcho, o Cruzeiro fechou seu departamento de futebol em 1959, sendo logo seguido pelo rival Gabrielense.

O Cruzeiro ainda voltou a disputar o campeonato em 1962, mas fechou novamente no ano seguinte. Em 1966, uma fusão dos dois antigos rivais resultou na criação do Esporte Clube Cruzeiro-Gabrielense, que durou até 1968. Participou da 1ª Divisão em 1955, 1956 e 1959; na Segundona esteve presente nos anos de 1962, 1965, 1966 e 1968.

FONTES & FOTO: Wikipédia – Times do RS – Memória do Futebol de São Gabriel

 

O Esporte Clube São Gabriel é uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). O ‘Sanga’ foi Fundado na segunda-feira, do dia 23 de Setembro de 2013, a fim de preencher o vazio deixado pela extinção do São Gabriel Futebol Clube, meses antes. A equipe Gabrielense manda os seus jogos no Estádio Municipal Sílvio de Faria Corrêa, com capacidade para 8.500 pessoas. O campo está localizado ao lado da rodoviária municipal, no Bairro Capiotti, em São Gabriel.

De cara, o acesso para a Segundona

A sua primeira competição aconteceu em 2014, quando debutou no Campeonato Gaúcho da Série B (que na prática equivalia a Terceira Divisão), organizado pela Federação Gaúcha de Futebol (FGF).

De cara, o EC São Gabriel terminou na 3ª colocação, o que lhe rendeu o acesso para disputar o Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão de 2015. A equipe Gabrielense seguiu bem e terminou na 4ª posição da Segundona, e por pouco não obteve o acesso para a Elite do Futebol Gaúcho.

Maior Goleada

Ainda em 2015, na fase de preparação, o Esporte Clube São Gabriel comandado por Gelson Conte aplicou a sua maior goleada no curto período de existência ao derrotar o Milan, de Porto Alegre pelo elástico placar de 9 a 0, no domingo, do dia 1º de fevereiro de 2015, no Estádio Municipal Silvio de Faria Corrêa. Os gols da partida foi marcados pelo atacante Bahia (três vezes); Jean e Rafael Paraíba, duas vezes cada um; o lateral esquerdo Stanley, de pênalti, e Edu, em cobrança de falta; um tento cada.

A luta para seguir na Segundona

Em 2016, outra boa campanha, no qual terminou em 6º lugar.  Em 2017, o São Gabriel não faz boa campanha na Divisão de Acesso (Segundona). Restando um jogo para o fim da fase de classificação, o Esporte Clube São Gabriel recebe a visita do Guarany, de Bagé, neste sábado (06 de Maio de 2017), no Estádio Municipal Sílvio de Faria Corrêa, em São Gabriel, precisando de um empate para permanecer na Segundona.

Neste momento, o São Gabriel ocupa a 7ª e penúltima colocação no Grupo A, com 12 pontos (13 jogos, com três vitórias, três empates e sete derrotas; marcando 15 gols, sofrendo 25, com saldo negativo de 10).

Já o Guarany, de Bagé está na última colocação no Grupo A, com 11 pontos (13 jogos, com três vitórias, dois empates e oito derrotas; marcando 11 gols, sofrendo 17, com saldo de menos seis). O último colocado do Grupo A será rebaixado juntamente com o lanterna da chave B para o Campeonato Gaúcho da 3ª Divisão em 2018.

HINO Oficial do Esporte Clube São Gabriel (divulgado na página oficial do clube no Facebook, no dia 10 de março de 2016)

(Compositores: Alex Silveira, André Teixeira, Marcel da Cohab e Rogério Melo. Intérpretes: André Teixeira e Rogério Melo)

“Os clarins anunciam tua chegada
Paixão que move uma cidade inteira
E o amor desta torcida apaixonada
Emociona ao desfraldar nossa bandeira
És o retrato de um povo valente

Que da luta não desiste jamais
A cada grito de gol da nossa gente
Canta vibrante a “Terra dos Marechais”

Avante, sempre avante, São Gabriel
Honrando tua camisa e este chão
Avante, sempre avante, São Gabriel
Com força, garra e coração (2x)

És o glorioso baluarte do Rio Grande
Com a identidade dos que fizeram tua história
Traz a fibra pampiana dos teus filhos
Que já nasceram com sede de vitória

Avante, sempre avante, São Gabriel
Honrando tua camisa e este chão
Avante, sempre avante, São Gabriel
Com força, garra e coração (2x)”

 

YouTube:  https://www.youtube.com/watch?v=VGezkNh43xw

 

FONTES & FOTO: Site Caderno 7 – Wikipédia – YouTube – Página do Clube no Facebook –  Site N1 Notícia “A Notícia On Line” – Federação Gaúcha de Futebol (FGF)

 

Em um trabalho a quatro mãos, temos o prazer de anunciar o lançamento do Almanaque do Mixto Esporte Clube de Cuiabá-MT. Trabalho histórico e estatístico do clube mais tradicional do futebol matogrossense. Os interessados em adquirir um exemplar entrem em contato: juliodiogo@litoral.com.br

 

Fonte: Diário da Tarde / PR

 

Fonte: Diário da Tarde / PR

 

 

O São Gabriel Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). Fundado no ano de 2000, resultante da fusão da Sociedade Esportiva e Recreativa São Gabriel com o Grêmio Esportivo Gabrielense.

A melhor colocação do clube no campeonato estadual foi o 4º lugar dois anos consecutivos (2002 e 2003). A colocação no campeonato de 2003 deu ao time uma vaga na Copa do Brasil de 2004.

Na primeira fase o clube eliminou o Figueirense em Santa Catarina. Na segunda fase, enfrentou o Palmeiras. No primeiro jogo em casa venceu por 2 a 1, mas, no jogo da volta, em São Paulo, perdeu por 4 a 0 e foi eliminado.

O São Gabriel foi rebaixado para o Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão em 2005. Em 2009 se licenciou e em 2013 foi extinto. Mandava os seus jogos no Estádio Municipal Sílvio de Faria Corrêa, com capacidade para 8.500 pessoas. Localiza-se ao lado da rodoviária municipal, no Bairro Capiotti.

 

FONTES: Wikipédia – Página do Facebook: “Memória do Futebol de São Gabriel” – Show de Camisas

 

Na programação do inauguração do estádio municipal da Ponte Grande, atual Vidal Ramos Junior, foi realizado um torneio quadrangular em Lages. Participaram três clubes lageanos (Internacional,  Aliados, Lages FC) e o Cruzeiro de Porto Alegre (RS).

Primeira Fase

7/9/1954 – Lages 2 x 1 Internacional (1º gol de Alemão, do Lages)

7/9/1954 – Aliados 1 x 4 Cruzeiro (RS)

Decisão

11/9/1954 – Lages 0 x 2 Cruzeiro (RS)

Campeão: Cruzeiro

 

Fonte: Correio Lageano / Mauricio Neves

 

 

Fonte: site do clube

 

 

 HISTÓRIA

Segundo relatos históricos de Jacomo Alves com 84 anos de idade.

O Vasco começou com a junção de Sacadura Cabral e Gago Coutinho e foi batizado de Grêmio Dramático Recreativo Vasco da Gama por Antônio Borges, aonde o Dramático origina-se de que o clube realizava peças dramáticas antecipando os bailes.

O primeiro campo do Vasco foi na Rua Padre Caldas Barbosa na década de 20 e teve passagem de grandes jogadores, dando ênfase ao time tri-campeão da liga de Santana (João Xatulé, Brasílio, Pereirinha, Filhote, Toninho da Chácara, China, Olívio, Diamantino, Angé, Ulisses, Tatu, Agostinho, De Maria etc…). Foi com esse time em que o clube ficou conhecido, aonde até as mulheres e crianças ocupavam os caminhões que acompanhavam o clube em suas disputas.

Dentre as grandes figuras destaca-se a Dona Antonia Castino considerada a maior torcedora do clube, chegando a brigar com árbitros nos jogos e Oswaldo Monteiro Brandão, nosso massagista, que trabalhou 35 anos da federação universitária de esportes (FUPE) e foi massagista da seleção brasileira de volley.

A origem do mascote Galo Azul foi criada por Adolfo, que pintou um galo de azul para soltar no campo do Flamengo da Vila Maria.

O Vasco teve vários times, dentre os quais se destaca o time da década de 60, composto por: Soares, Octavio Solto, Zé Colméia, Nardão, João XXI, Lagartixa, Carlinhos, Lingüiça, Zé Mau, Pinga e Walter.

A primeira sede social foi situada na esquina da Avenida Joaquina Ramalho com a Rua João Ventura Baptista.

Nessa época fazia-se muitos bailes animados por Jacomo e sua orquestra, porém o melhor da época eram os bailes de carnaval.

Em 1968, o Vasco comprou a sua sede atual, na Rua José Bernardo Pinto, 486 na Vila Guilherme, onde está situado um ginásio de esportes com uma quadra de Futsal e um campo de Bocha Sintético com um time que participava de campeonatos, sendo presidente Dionízio Lopes Martins, 1º Vice-Presidente Carlos Alberto Reimão, 2º Vice-Presidente Antônio Francisco dos Santos.

Após estes, tivemos vários presidentes: Carlos Alberto Reimão, Eleotério Herrera, Jadir Silvestre, José dos Santos Estevão, Lúcio Martins, Luiz Henrique Gobby, Osvaldo Reimão, Raul Vilar, Vitorino Augusto Nascimento Morgado, Wolney Reimão, José Soares…
E foi na gestão de Carlos Alberto Reimão que o Vasco comprou um terreno e ampliou nosso clube com um lindo salão social de 374m².

A diretoria atual, trabalha para desenvolver um projeto social para crianças, jovens, adultos e idosos com arte marcial, escolinha de futebol e ginástica.

Fontes: álbum de figurinhas “Varzeana Paulista” dos anos 50/60, o historiador Waldevir Bernardo, o “Vie”, site “Vila Guilherme, a Pérola da Zona Norte” e site do clube (de onde foi retirada sua história).

Especiais agradecimentos ao ex-arqueiro José Soares.

 

O Grêmio Esportivo Militar foi uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). O Alvianil Celeste foi Fundado no Sábado, do dia 18 de Outubro de 1924, como Grêmio Sportivo Militar.

Em 1935, o G.S. Militar de São Gabriel filiou-se à Federação Rio-Grandense de Desportos (FRGD) e disputou o Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão daquele ano. O clube Gabrielense na chave Zona Sul, da 9ª Região, juntamente com o Grêmio Esportivo Duque de Caxias, de Dom Pedrito.

Time posado de 1945

No ano seguinte (em 13 de Maio de 1936) se fundiu com o Cavalaria Foot-Ball Club, dando origem ao Botafogo Foot-Ball Club. Ainda naquele ano disputou o Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão. Pouco depois a fusão foi desfeita.

O Grêmio Esportivo Militar seguiu participando do Campeonato Citadino de São Gabriel, onde ficou com o vice-campeonato de 1945. O clube seguiu até o dia 1º de Outubro de 1947, quando mudou de nome, passando a se chamar: Grêmio Esportivo Minuano.

 

FONTES & FOTO: Site N1 Notícia – Página no Facebook: “Memória do Futebol de São Gabriel” – Jornal A Federação 

 

 

Estrela do Mar: o clube campeão paraibano de futebol em 1959 surgiu aproximadamente em 1953. 

A matriz do Rosário mais o Convento São José possuía agremiações religiosas como a Cruzada (Liga Infanto-Juvenil) e a Congregação Mariana. A primeira era composta por meninos que ajudavam nos ofícios religiosos, além de se reunirem para assistirem palestras e ensinamentos relativos à fé católica.  A segunda –  a Congregação Mariana – compunha-se de jovens adolescentes e adultos que assistiam e participavam das missas, novenas, etc. e, também se reuniam em grêmios literários que promoviam encontros e palestras.Como diversão eles tinham a prática do futebol campinho que ficava atrás da Igreja. Esse campinho tinha uma trave junto ao muro que dá para a Avenida Vasco da Gama e, a outra ficava colada à parede da marcenaria da igreja. Depois que o campo mudou sua posição, e ficou maior, junto àquela parede foi construída uma quadra de futebol de salão. Várias equipes se revezaram naquele pequeno espaço, sob o comando de Frei Albino. (…)

Os mais velhos tinham os “bate-bolas” nos sábados à tarde. Dessas peladas, e de jogos contra equipes visitantes, surgiu a ideia de se formar uma equipe a fim de pelejar com outras dos bairros vizinhos, e do próprio bairro de Jaguaribe. Assim apareceu o Estrela do Mar Esporte Clube, nome originário de uma revista religiosa que circulava entre os paroquianos. A denominação do clube foi sugerida por um componente de grupo que se reuniu para discutir qual o nome da que daria a nova agremiação futebolística. “Baú”, apelido do irmão do excelente jogador do Botafogo e Seleçao Paraibana de nome Eugênio, foi a pessoa que apresentou o nome ESTRELA DO MAR e que logo recebeu a aprovação de todos.

 

As cores do novo clube foram com base nas vestes da Virgem Maria – o azul celeste e o branco – , que ainda hoje continuam inalteradas, mas na lembrança dos apaixonados pelo clube. Frei Albino, um dos fundadores e incentivadores da prática desse esporte, era a mola-mestra, o esteio que sustentava a agremiação. De um pequeníssimo campo e uma sede precária, o frade conseguiu transformar tudo aquilo. Com esforço e dedicação conseguiu verbas na Alemanha, destinadas à agremiação para construir o prédio que serviu de sede do clube e, também, autorização para ampliar a área esportiva (como esteve por muitos anos à vista de todos).

 

Em 1956 o clube participou do campeonato de amadores promovido pela Federação (não havia segunda divisão naquela época), sendo campeão invicto da temporada. Dessa jornada participaram: Brandão, André, Pinheiro, Hélio, Breno Formiga, Gilberto Cara de Gato, Hermes Taurino, Caju, J. Heráclito, Roberto Biribita, Izinho, Valdecir Pereira, Adjamir, Carrinho e Lauro Almeida.

 

O Estrela do Mar foi tri-campeão aspirante nos anos 58/59/60. No ano de 1957 o clube passou a disputar o Campeonato Paraibano de Profissionais. Foi vice-campeão paraibano em 1958, e, em 1959, sagrou-se campeão estadual (Imagem 1), utilizando nessa temporada os seguintes atletas: Jola, Carrinho, Davi, – Gilberto Cara de Gato, Tem. Gilberto e Aderbal Pitombeira (goleiros), Hermes Taurino e Teófilo Luna, Coelhinho, Caju, Lúcio Câmara, Izinho (Antenor Pereira), Emilson Adjamir, Valdecir Pereira, Celso Piaba (Imagem 2). Os diretores: Severino Holanda, mais conhecido por “Viu” e Lucemar Navarro; Pedro Gomes; Rômulo Camboin, a que todos o chamavam Senhor Pila e João Batista Cruz, foram os colaboradores eficientes na vida do clube. Depois deles, os antigos pupilos – “as crias de casa” -, conduziram, bem ou mal, os destinos do clube até o ano de 2003 quando foi extinto.

 

Imagem 1. Notícia publicada no jornal “A União” em 1959

Imagem 2. Atletas que faziam parte do time campeão paraibano de futebol de 1959

O clube, desde a morte de Frei Albino, passou a ser dirigido por sócios-atletas, isto é, pelos jovens de antigamente, a exemplo de Marcos Macena, de José Freire, de Carlos Pereira (Carrinho), de Emilson, de Roberto Oliveira, de Jobério Martins, de Gladston Castro (Estaca) que foi o último presidente. *[1]

 

* Trecho retirado do livro  “Retratos De Jaguaribe: Um Passeio Histórico” de autoria de Emilson Ponce de Leon Ribeiro.

[1] RIBEIRO, E. P. L.  Retratos De Jaguaribe: Um Passeio Histórico. 2ed. João Pessoa: Mídia Gráfica e Editora, 2012, v.1, 350 p.

 

Fonte: Estrela do Mar Esporte Clube e Jornal “A União”.

 

O Heliópolis Atlético Clube é uma agremiação da Cidade de Belford Roxo, situado na Baixada Fluminense do estado do Rio de Janeiro. Fundado na segunda-feira, do dia 1º de Maio de 1950, sob denominação de Heliópolis Futebol Clube. No domingo, do dia 20 de Março de 1955, foi alterado para a nomenclatura atual. A sua Sede está localizada na Rua Londres, nº 345, no Bairro São Francisco de Assis, em Belford Roxo. O clube é proprietário do Estádio José de Alvarenga, também conhecido por ‘Alvarengão’, com capacidade para 4 mil pessoas.

Em 1976, o Alvianil se sagrou campeão do Campeonato Citadino de Nova Iguaçu, organizado pela Liga de Desportos de Nova Iguaçu (LDNI). Profissionalizou-se em 1983 e estreou no Campeonato Carioca da 3ª Divisão. A equipe ficou em 6º lugar do seu grupo na fase inicial, não se classificando assim para a fase final. No ano seguinte fica em quinto da sua chave e novamente não se classifica para a fase final.

Em 1985 se classifica pela primeira vez para a fase final, ficando em terceiro lugar do seu grupo. Acabou terminando em sexto lugar geral do torneio. Em 1986 se licencia do torneio pela primeira vez. Retorna em 1987 e fica em 3º lugar de seu grupo se classifica assim para a segunda fase. Na segunda fase fica em quarto lugar e não se classifica para a fase final. Em 1988 novamente fica em terceiro e passa para a segunda fase, na qual fica em terceiro e é eliminado. Em 1989 se licencia pela segunda vez.

Retorna novamente em 1990, ficando apenas em sexto na sua chave, e não se classificando para a fase final. Em 1991 se licencia pela terceira vez. No Campeonato Carioca da 3ª Divisão de 1992 faz a sua melhor campanha. Fica em quarto lugar no seu grupo, se classificando para a fase seguinte, na qual fica em primeiro na chave “A”. Na fase final fica em segundo no seu grupo, perdendo a vaga para o Serrano Football Club, que vai para a final contra o Esporte Clube Barreira, e se sagra campeão.

Em 1993 fica em terceiro na sua chave no primeiro turno. No segundo, é o quinto. Acaba sendo penalizado com a perda dos pontos em uma partida, à qual não compareceu contra o Barra Mansa Futebol Clube. Em 1994 fica em primeiro lugar em seu grupo, se classificando para a fase final, na qual fica em quinto lugar. O campeão e vice foram respectivamente Goytacaz Futebol Clube e Nova Iguaçu Futebol Clube.

Em 995, na então Segunda Divisão (na prática, a Terceirona) ganha o nome de Módulo Intermediário em 1995. O clube Alvianil de Belford Roxo, é apenas o oitavo em seu grupo. Participa da Copa Rio, Grupo 4, seção Interior, mas é eliminado na primeira fase ao ficar na quarta colocação, última, na sua chave, atrás de Barra Mansa Futebol Clube, Nova Iguaçu Futebol Clube e Mesquita Futebol Clube.

Em 1996 disputa novamente a Divisão Intermediária. Fica em oitavo no primeiro turno e em segundo lugar no returno, não se classificando para a final. Em 1997 é convidado a disputar a Divisão Especial, na prática a Segunda Divisão de Profissionais, o módulo abaixo da divisão de elite.

Pela primeira vez em sua história o clube se aproxima da divisão principal do futebol do Rio de Janeiro. A campanha, porém, é ruim e o Alvianil é o último em sua chave no término da primeira fase do campeonato, sendo logo eliminado da competição. Participa da Copa Rio, mas é eliminado na primeira fase ao ficar em quarto na sua chave, atrás dos classificados Duquecaxiense Futebol Clube e Rodoviário Piraí Futebol Clube, além do eliminado União Esportiva Coelho da Rocha. Entre 1998 e 1999 se licencia pela quarta vez.

Retorna em 2000 com uma campanha ruim. Fica em último na sua chave, sendo eliminado na primeira fase da competição. Em 2001, no Módulo Extra – Série A2, fica em segundo em sua chave, se classificando para a fase seguinte, na qual fica em sétimo, não chegando às finais.

Em 2002 houve uma diminuição no número de participantes da Segunda Divisão e o Heliópolis voltou para a Terceirona. Nesse ano faz uma péssima campanha, ficando em último em sua chave, na primeira fase, sendo logo eliminado da competição. Em 2003 se licencia pela quinta vez.

Retorna em 2004 e fica em quinto na sua chave, sendo eliminado da competição. Em 2005 se licencia pela sexta vez. Retorna em 2006 e é o segundo em sua chave, atrás somente do Esporte Clube Nova Cidade. Na fase seguinte é eliminado em jogos de ida e volta pelo Resende Futebol Clube, que começava a sua trajetória vitoriosa rumo à Primeira Divisão. Entre 2007 e 2008 se licencia pela sétima vez.

Em 2009 disputa o Campeonato Carioca da 3ª Divisão de Juniores, competição à qual não consegue a classificação para a segunda fase. Participa da categoria profissional da Terceirona, conseguindo a classificação para a segunda fase, ao se habilitar em seu grupo na segunda colocação, atrás somente do Clube Atlético Castelo Branco, superando Rubro Social Esporte Clube, Clube de Futebol Rio de Janeiro e o estreante Esporte Clube Marinho.

Na segunda fase, faz campanha irregular e não consegue marcar um único gol, empatando três partidas seguidas em 0 a 0. Se classificam, nessa fase, Santa Cruz Futebol Clube e Leme Futebol Clube Zona Sul, ficando o Heliópolis e o Bela Vista Futebol Clube eliminados da competição.

Em 2010 disputa o Campeonato Carioca da 3ª Divisão, onde é eliminado na primeira fase, na qual fica em último atrás do primeiro colocado, Associação Desportiva Itaboraí, do segundo, Esporte Clube São João da Barra, do terceiro, Serra Macaense Futebol Clube e do também eliminado Canto do Rio Football Club.

Desiste, já com a tabela montada, de disputar a categoria de Juniores do Campeonato Estadual da Série C. Entre 2011 e 2012 se licencia pela oitava vez. Na Terceirona de 2013 é eliminado na primeira fase, ao ficar em terceiro no seu grupo, que classificava dois times para a segunda fase. Fica em terceiro em seu grupo da Terceira Divisão do Rio de Janeiro e não se classifica para a segunda fase.

Em 26 de julho de 2014, com o empate sem gols diante do Ginga Brasil, o Heliópolis conquistou o titulo de campeão da Taça Cidade de Nova Iguaçu, categoria Sub 20, competição promovida pela Liga de Desportos de Nova Iguaçu (LDNI).

A partida de volta da final aconteceu no Estádio José de Alvarenga, em Belford Roxo. Apesar da chuva, um bom público compareceu ao Alvarengão. A vitória conquistada no jogo de ida pelo placar de 2 a 1 deixou o Heliópolis bem à vontade e com a vantagem do empate para ser campeão.

FONTES & FOTOS: Site e Estatuto do Clube – Wikipédia – Página do clube no Facebook

 

O União Central Futebol Clube é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na segunda-feira, do dia 14 de Abril de 1986, por camelôs da Central do Brasil. A sua Sede está localizado na Rua Feliciano Penha, nº 110 – Bairro Vila da Penha – Zona Norte do Rio.

Foi campeão em 1992, Taça Francisco Assis de Lima, do Departamento de Futebol Amador da Capital, categoria adultos, promovido pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), ao vencer o Esporte Clube Lucas.

Em 1994, repete o feito ao bater o Esporte Clube Dourados, no Estádio Mourão Filho, na Rua Bariri. Vence também a Taça Disciplina. Estreou na esfera profissional em 1995 no Campeonato Carioca da 3ª Divisão.

No primeiro turno, em sua chave, termina em sétimo lugar (penúltimo), à frente apenas do Sport Club União de Marechal Hermes. No segundo turno, é o lanterna da chave, não passando à segunda fase. No ano seguinte se licencia do campeonato.

Em 1997, é penúltimo colocado, à frente do Bela Vista Futebol Clube, na disputa da Quarta Divisão de Profissionais, chamada à época de Segunda Divisão, visto que a Terceira se intitulada Módulo Intermediário e a Segunda se chamava Divisão Especial.

Em 1999, não passa da primeira fase na Terceira Divisão de Profissionais, ficando em último lugar, atrás dos classificados Centro Esportivo Arraial do Cabo, Raiz da Gávea Esporte Clube e Esporte Clube Taquaral.

Em 2000, participa da Quarta Divisão de Profissionais, chamada de Série A-3, ficando com o vice-campeonato da competição, vencida pelo Casimiro de Abreu Esporte Clube. Em 2001, é o penúltimo colocado da Terceira Divisão (Módulo Especial), à frente apenas do Centro de Futebol Miguel de Vassouras Sociedade Esportiva.

Em 2002, não passa da primeira fase da Terceira Divisão (Módulo Especial), ficando em último, atrás dos classificados Unidos do IV Centenário Futebol Clube e União de Marechal Hermes Futebol Clube. Em 2003, participa novamente da Terceira Divisão (Série B-2), ficando em quinto (penúltimo) na sua chave e não se classificando para a seguinte, à frente apenas do Esporte Clube Taquaral.

Em 2004, o União Central fica em 1º lugar no seu grupo, se classificando à segunda fase com o Atlético Rio Futebol Clube. Na segunda fase, é eliminado ao ficar em terceiro lugar em seu grupo, à frente do Campo Grande Atlético Clube. Somente o líder Artsul Futebol Clube se habilitou à terceira fase.

Em 2006, é convidado a jogar uma fase preliminar da Segunda Divisão de Profissionais, na qual os primeiros colocados seriam convidados a jogar a mesma divisão no ano seguinte, mas o clube faz uma péssima campanha, voltando a disputar a Terceira Divisão no mesmo ano.

Nesta, classifica-se em primeiro lugar no seu grupo na primeira fase. Mas, na segunda fase, de caráter eliminatório, acaba eliminado em dois jogos pelo Condor Atlético Clube.

Em 2007, se licencia novamente do campeonato. Volta em 2008 na mesma Terceira Divisão, mas não consegue passar da primeira fase. A agremiação era presidida por João Antonio de Souza, presidente do Uni-Souza Futebol Clube.

Em 2009, o clube é comprado por um novo grupo, cujos homens-fortes são Ward de Souza Gusmão e o presidente José Renato de Oliveira, que prometem futuramente investir na construção de um estádio e levar a agremiação para a Primeira Divisão.

Participa da Terceira Divisão de Profissionais do estado do Rio de Janeiro na categoria Juniores e Profissional. Na ocasião, o clube passa a mandar os seus jogos no Estádio Municipal Hermenegildo Barcelos, numa parceria com a Prefeitura de Arraial do Cabo, que também se estende na utilização de jogadores da cidade.

A campanha em 2009 é bastante satisfatória sob a batuta do novo grupo que assumiu o clube. O União Central se classifica na primeira fase por índice técnico. Na segunda fase, é o segundo colocado, atrás somente do Fênix 2005 Futebol Clube, chegando à terceira fase, à qual fica em último, atrás dos classificados Rio das Ostras Futebol Clube e Sampaio Corrêa Futebol e Esporte, além do também eliminado Leme Futebol Clube Zona Sul, não conseguindo chegar às semifinais do certame.

Em 2010, o time não consegue passar da primeira fase em seu grupo no Campeonato Estadual da Terceira Divisão, apesar de contar com um elenco forte que tinha no meio-campo o habilidoso Dedeco, formado pelo Clube de Regatas Flamengo.

Em 2013, o União Central terminou na 2ª colocação no Grupo F, avançando para a segunda fase. Porém, na seqüência acabou terminando na última colocação do Grupo H, dando adeus ao sonho do acesso.

Em 2014, não fez boa campanha caindo na primeira fase, ao ficar na 3ª colocado do Grupo E (somente os dois primeiros se classificaram). Após essa temporada o clube se licenciou, mas prometendo retornar em breve.

FONTES & FOTO: Wikipédia – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ)

 

Fonte: Jornal A Noticia / Artigo: Foto Rara, de 1954: Madureira Atlético Clube – Rio de Janeiro (RJ) de Sergio Mello.

 

O Japeri Esporte Clube é uma agremiação do Município de Japeri, situado na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro. A equipe Áureo-anil foi Fundado na quarta-feira, do dia 23 de Agosto de 2006. A sua Sede está localizada na Rua Mario Antônio, nº 36, do Bairro da Vila Carmelita, em Japeri. Já o seu campo (Estádio Eduardo Viana), no bairro Cidade Jardim Marajoara, também em Japeri.

O Japeri debutou na esfera profissional em 2006, no  Campeonato Estadual da Terceira Divisão como um clube-empresa apoiado pela prefeitura local. A campanha foi excelente. Quase conseguiu o acesso para a Segunda Divisão. Terminou a primeira fase como líder do Grupo E. Foram cinco vitórias e um empate, marcando 15 gols e sofrendo apenas dois.

Mas, na segunda acabou sendo eliminado, terminando entre os oito primeiros do campeonato. Os cinco mais bem colocados foram promovidos à Segunda Divisão. O Japeri Esporte Clube encerrou logo as atividades por conta de uma mudança política na cidade. O novo prefeito que assumiu não quis continuar com o projeto do antecessor. Por conta disso, a agremiação não pôde mais continuar

PS: Não confundir o Japeri Esporte Clube com o Japeri Futebol Clube, clube antigo da cidade que só disputou o amadorismo da liga local. Importante informar que o Japeri EC ainda existe, onde participa das competições do Campeonato Citadino de Japeri.

FONTES: Wikipédia – “Implantação do futebol Profissional no Estado do Rio de Janeiro”, de autoria de Eduardo Viana, da Editora Cátedra, s/d. – Página do Clube no Facebook

FOTOS: Paulo Roberto Rodrigues

 

As bandeiras abaixo foram feitas com base nas descrições dos estatutos dos clubes, e correpondem às utilizadas na época da competição. Observações:

- Fluminense e Rio Cricket conservam a mesma bandeira até hoje
- O Botafogo só adotou a Estrela Solitária em 1942, ano da fusão com o Club de Regatas Botafogo que resultou no atual Botafogo de Futebol e Regatas
- As iniciais do Bangu Athletic Club (atual Bangu Atlético Clube) na bandeira eram realmente pintadas de azul na época, segundo os estatutos
- A bandeira do atual Paissandu Atlético Clube, ex-Paysandu Cricket Club, é a mesma, mudando apenas as iniciais.

 

 
HELENICO AC (RIO DE JANEIRO – RJ)

7

TUPY FC (JUIZ DE FORA – MG)

5

Data: 14 de março de 1920 Local: Juiz de Fora – MG
Juiz: Ilo Madureira Caráter:
Gols: Elviro (3), Milton (2), Jaime e Edison / Bacuri (2), Acyr, Parizzi e Lainho
Helenico(RJ): Bailly; Cardolino e Alvim; Oscar, Cioclano e Artur; Jaime, Arantes, Milton, Edison e Elviro.
Tupy(MG): Mario; Raul e Paranhos; Acyr, Ernani e Humberto; Januário, Bacuri, Lalinho, Parizzi e Dario.

 

Fonte: A Noite / RJ

 

No dia 25 de abril de 1965, o Olímpico de Blumenau derrotou o Internacional de Lages em um jogo marcado por polêmicas e conquistou o título estadual de 1964. O jogo foi no estádio da Baixada.

OLÍMPICO:  Barreira; Paraguaio, Orlando, Nilson e Jurandir;  Mauro, Paraná e Lila (Quatorze); Rodrigues, Joca e Ronald. Técnico: Aducci Vidal.

INTERNACIONAL: João Batista; Nicodemus, Airton, De Paula e Carlinhos, Roberto, Dair e Puskas; Jóia, Sérgio (Pedro) e Anacleto.

FONTE & FOTO: Site Notícia do Dia - Acervo Roberto P. Nascimento

 

No dia 24 de abril de 1960, o Paula Ramos derrotou o Carlos Renaux por 2 x 0  e conquistou o campeonato estadual de 1959. O time vermelho, branco e preto da capital do estado disputou oito estaduais tornando-se depois apenas um clube social.

PAULA RAMOS: Gainete; Marreco e Neri; Manoel, Zilton e Nelinho; Helinho, Valério, Oscar, Sombra e Zachi. Técnico: Hélio Rosa.

CARLOS RENAUX: Adalberto; Merísio e Afonsinho; Simplício (Cambinha), Zen e Sardo; Miltinho, Petrusky, Alcinho, Teixeirinha e Aducci. Técnico: Leleco.

FONTE & FOTO: Site Notícia do Dia

 

FONTE: Correio Brasiliense (DF)

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

Campeão da Divisão Intermediária de 1939

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

O Nilópolis Futebol Clube é uma agremiação esportiva da cidade de Nilópolis, situado na Baixada Fluminense do estado do Rio de Janeiro. O clube foi Fundado na sexta-feira, do dia 11 de Novembro de 1977. A sua Sede fica na Rua José Couto Guimarães, nº 64, no Bairro de Olinda, em Nilópolis.

Estréia no Campeonato Estadual da Terceira Divisão, em 1991, ficando na 8ª colocação entre onze agremiações. O Esporte Clube Barreira e o Porto Real Country Club foram promovidos. Bayer Esporte Clube, Everest Atlético Clube, Opção Futebol Clube, Grêmio Olímpico Mangaratiba e Portela Atlético Clube foram os outros colocados à frente da equipe Nilopolitana. Bela Vista Futebol Clube e Associação Atlética Colúmbia ficaram nas últimas colocações.

Em 1992, disputa novamente a mesma divisão. Nessa ocasião, perde quinze pontos pela utilização de jogadores em condição irregular, ficando na última posição na classificação geral. Esporte Clube Anchieta e São Paulo Futebol Clube são promovidos. Itapeba Atlético Clube, Grêmio Esportivo Km 49, Everest Atlético Clube, Bela Vista Futebol Clube, Sport Club União e Associação Atlética Colúmbia são os outros colocados.

Em 1993, termina em 10º lugar no primeiro turno, e em 9º no segundo, não conseguindo a classificação para a fase final. Atlético Clube Apollo e Esporte Clube Lucas são os clubes contemplados com o acesso.

Em 1994, passa a integrar a Segunda Divisão, na prática uma Terceirona, juntamente com os times do mesmo módulo, uma vez que a verdadeira Segunda Divisão virara Intermediária. O Nilópolis fica em 9º lugar na sua chave na fase inicial, não conseguindo a classificação para a fase seguinte.

O Heliópolis Atlético Clube ficou na liderança dessa fase seguido de Everest Atlético Clube, Associação Atlética Colúmbia, Esporte Clube Lucas, Barra da Tijuca Futebol Clube, União Esportiva Coelho da Rocha, Ceres Futebol Clube, Colégio Futebol Clube e Esporte Clube Nova Cidade. Os promovidos foram Nova Iguaçu Futebol Clube e Goytacaz Futebol Clube.

Em 1995, disputa a Terceira Divisão, na prática a Quarta, ficando em segundo lugar no primeiro turno, atrás do Belford Roxo Futebol Clube. No segundo turno, é penúltimo colocado, à frente apenas do União Central Futebol Clube, ficando eliminado da segunda fase. Tio Sam Esporte Clube e Belford Roxo Futebol Clube foram os promovidos.

Em 1996, se licencia dos campeonatos profissionais promovidos pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ). Advém um longo período de licenciamento que perdura por oito anos. Em 2004, é o penúltimo em seu grupo. Acaba eliminado da fase seguinte do campeonato.

Em 2005, na Terceira Divisão, fica em último na sua chave e é eliminado da competição na primeira fase. Após essa competição, licencia-se novamente das competições de âmbito profissional.

Volta em 2009 para a disputa do Campeonato Estadual da Terceira Divisão de Profissionais. No entanto a campanha foi aquém terminando na lanterna do Grupo E, com apenas sete pontos, em oito jogos. Em 2010, o Nilópolis melhorou um pouco, mas insuficiente para avançar de fase. Ficou na 5ª colocação no Grupo C, num total de seis clubes. Foram dez jogos, com três vitórias e sete derrotas, marcando 11 gols e sofrendo 18.

Na Terceirona de 2011, novamente o clube parou na primeira fase. Terminou em 5º lugar, no Grupo B, com dois pontos em 10 partidas. Após se ausentar na temporada seguinte, retornou no do Campeonato Estadual da Terceira Divisão de 2013. A campanha foi modesta ficando na 4ª colocação, no Grupo E, com oito pontos em 10 jogos. Os dois primeiros avançaram: Esporte Clube Miguel Couto e Centro Esportivo Arraial do Cabo. Após esse ano o Nilópolis se ausentou até o presente momento.

 

FONTES & FOTO: Wikipédia – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ)

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

O Deportivo La Coruña Brasil Futebol Clube é uma agremiação esportiva da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na terça-feira, no dia 15 de Novembro de 1994. A sua Sede fica localizada na Rua Iguaba Grande, nº 486 / Bloco 03 / Aptº. 403 – Bairro da Pavuna – Zona Norte do Rio.

História

Em 1993, a enfermeira Maria Geralda dos Santos, então com 56 anos, levava o seu neto Mike para os treinos da Escolhinha do Vasco da Gama, quando foi convidada a ser madrinha do time de um campeonato interno. Este fato este que mudou a vida de D. Geralda, pois depois em julho daquele ano, ela e um grupo de amigos e pais de alunos da mesma escolhinha fundaram a Escolhinha de Futebol no Bairro de Irajá, treinando na Quinta da Boa Vista.

A escolhinha atendia a meninos de 9 a 17 anos e recebeu o nome de Deportivo La Coruna Brasil F.C., em homenagem não só ao Clube Espanhol, mas principalmente ao Jogador Bebeto, Ídolo de D. Geralda.

Em 1995, o clube passou a disputar o Campeonato Carioca, do Departamento Amador da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ). O seu melhor resultado aconteceu em 2002, quando terminou com o vice-campeonato  ao perder a final para o Onze Unidos Atlético Clube, de Vila Kennedy.

Time posado de 2007

Após jogar por sete anos, onde em seu elenco teve como técnico o ex-jogador do Flamengo campeão mundial Manguito, debutou na esfera profissional, ao participar do Campeonato da Terceira Divisão de 2003. Acabou ficando na 1ª fase. No ano seguinte (2004) a campanha é igualmente fraca.

Em 2005, se licencia das competições profissionais. Voltando em 2007 na disputa no Campeonato da Terceira Divisão, quando também não consegue passar da primeira fase.Em 2008, faz sua melhor campanha chegando à 3ª fase do campeonato.

Se ausentou por quatro temporadas até a sua última participação na Terceirona aconteceu em 2013, quando ficou na 1ª Fase ao terminar na 5ª colocação no Grupo E. Nos últimos anos, a presidente do clube, D. Geralda, atualmente com 80 anos, tem tentado parcerias para recolocar o clube de volta para o Estadual de 2017. Fez uma tentativa junto a secretaria de Esportes e Lazer, a Prefeitura do Rio de Janeiro, e a vários empresários, mas até agora nada.

Impedido de participar do Campeonato da Terceira Divisão por falta de Verbas e pendências administrativas na Federação tem ido a luta todos os dias para manter a chama e a esperança dos atletas em alta.

Ação Social

Atualmente, o clube desempenha ação social com intuito de tirar das ruas meninos e jovens sem ocupação. O Clube realizava treinos no DNER aos domingos e passou desenvolvendo seu trabalho em lugares ora emprestados e hora alugados com a pouca ajuda dos pais, como na Fabrica da Muller em Guadalupe; nos Filhos de Irajá na N.Sra. da Apresentação no Irajá; em Paciência, em Cabuçu; em Realengo.

FONTES: Wikipédia – Blog do Deportivo La Coruña do Brasil Futebol Clube – Sportv

FOTO: Paulo Roberto Rodrigues

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 

 

 

 

Matéria do Jornal do Dia Esportivo (Ano II – Porto Alegre, Sexta-feira, 5 de Novembro de 1948), tratando da disputa entre Grêmio e Cruzeiro valendo a Taça Cidade de Porto Alegre de 1948, a partida foi marcada para o Estádio Tiradentes (G. E. Renner) para o dia 07 de novembro de 1948, Seguem abaixo os recortes que promoviam esta partida e destacavam alguns jogadores das duas equipes.

Fontes: Jornal Dia Esportivo

 

 

 

Na terra alencarina a realização de TORNEIO INÍCIO também se dava com grande expectativa e sucesso. Desde a vitória do Bangu (CE) em 1920 até a última conquista, no caso a do Ceará Sporting em 1978, foram realizados 53 ‘Torneios Inícios’, sendo que ao logo de sua existência foram 14 os clubes cearenses que conquistaram títulos em tais competições.

Segue abaixo um resumo ano a ano:

ANO CAMPEÃO
1920 Bangu;
1922 Ceará;
1923 Ceará;
1924 América;
1925 Fortaleza;
1926 Ceará;
1927 Fortaleza;
1928 Fortaleza;
1929 MAGUARY;
1930 Orion;
1931 Orion;
1932 Ceará;
1933 Fortaleza;
1934 Liceu;
1935 Fortaleza;
1936 Ceará;
1937 Ceará;
1938 Carioca;
1939 Penarol;
1940 Ferroviário;
1941 Ferroviário;
1942 MAGUARY;
1943 Ceará;
1944 MAGUARY;
1945 MAGUARY;
1946 Ferroviário;
1947 Ceará;
1948 Fortaleza;
1949 Ferroviário;
1950 América;
1950 Nacional;
1951 Nacional;
1952 Ceará;
1953 Ceará;
1954 Usina Ceará;
1955 Calouros do Ar;
1956 América;
1957 América;
1958 Calouros do Ar;
1959 Gentilândia;
1960 Fortaleza;
1961 Fortaleza;
1962 Fortaleza;
1963 América;
1964 Fortaleza;
1965 Fortaleza;
1966 Ferroviário;
1967 Ceará;
1968 Calouros do Ar;
1970 América;
1971 Calouros do Ar;
1977 Fortaleza;
1978 Ceará.

NÚMEROS DE TÍTULOS RELACIONADOS POR CLUBES:

12 – Ceará (1922, 1923, 1926, 1932, 1936, 1937, 1943, 1947, 1952, 1953, 1967 e 1978);
12 – Fortaleza (1925, 1927, 1928, 1933, 1935, 1948, 1960, 1961, 1962, 1964, 1965 e 1977);

06 – América (1924, 1950, 1956, 1957, 1963 e 1970);

0 5 – Ferroviário (1940, 1941, 1946, 1949 e 1966);

04 – MAGUARY (1929, 1942, 1944 e 1945);
04 – Calouros do Ar (1955, 1958, 1968 e 1971);

02 – Orion (1930 e 1931);
02 – Nacional (1950 e 1951);

01 – Bangu (1920);
01 – Liceu (1934);
01 – Carioca (1938);
01 – Penarol (1939);
01 – Usina Ceará (1954);
01 – Gentilândia (1959);

Relação dos múltiplos campeões sequenciais do TORNEIO INÍCIO CEARENSE e os respectivos ANOS:

TRI-CAMPEÃO:
Fortaleza em 1960/1961/1962.

BI-CAMPEÕES:
Ceará em 1922/1923;
Fortaleza em 1927/1928;
Orion em 1930/1931;
Ceará em 1936/1937;
Ferroviário em 1940/1941;
MAGUARY em 1944/1945;
Nacional em 1950/1951;
Ceará em 1952/1953;
América em 1956/1957;
Fortaleza em 1964/1965.

FONTES:

Jornal ‘Correio do Ceará’;
Jornal ‘Unitário’;

Livro ‘História do Campeonato Cearense de Futebol – 1903 a 2001’ (Autor: Nirez de Azevedo. Equatorial Produções/2002. Impressão: TIPROGRESSO);

Livro ‘Almanaque do Ferrão’ (Autor: Evandro Ferreira Gomes. Tatics Comunicação e Marketing Esportivo/2013. Impressão: Gráfica Pouchain Ramos).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 

 

CAMPEONATO DO INTERIOR – 1947

1ª ZONA

SETOR 1
ESPORTE CLUBE PARAIBÚNA (PARAIBÚNA)
ESPORTE CLUBE PEDRA SANTA (JACAREÍ)
ESPORTE CLUBE SÃO JOSÉ (SÃO JOSÉ DOS CAMPOS)
ESPORTE CLUBE ELVIRA (JACAREÍ)
PONTE PRETA FUTEBOL CLUBE (JACAREÍ)
UNIÃO FUTEBOL CLUBE (MOGI DAS CRUZES)
SETOR 2

ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA GUARATINGUETÁ (GUARATINGUETÁ)
ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA INDUSTRIAL (PINDAMONHANGABA)
ESPORTE CLUBE TAUBATÉ (TAUBATÉ)
TECIGUARÁ FUTEBOL CLUBE (TECIGUARÁ)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FERROVIÁRIA (PINDAMONHANGABA)
CLUBE ATLÉTICO TREMEMBÉ (TREMEMBÉ)

SETOR 3

FRIGORÍFICO ATLÉTICO CLUBE (CRUZEIRO)
BRASIL FUTEBOL CLUBE (CRUZEIRO)
ESPORTE CLUBE ESTRELA (PIQUETE)
CRUZEIRO FUTEBOL CLUBE (CRUZEIRO)
ESPORTE CLUBE HEPACARÉ (LORENA)
CACHOEIRA FUTEBOL CLUBE (CACHOEIRA PAULISTA)

SETOR 4

CLUBE ATLÉTICO RHODIA (SANTO ANDRÉ)
UNIÃO TIETÊ FUTEBOL CLUBE (GUARULHOS)
ESPORTE CLUBE PAULISTA (TIETÊ)
SÃO CAETANO ESPORTE CLUBE (SÃO CAETANO DO SUL)

2ª ZONA

SETOR 5

SÃO JOÃO FUTEBOL CLUBE (JUNDIAÍ)
CLUBE ATLÉTICO BRAGANTINO (BRAGANÇA PAULISTA)
BRAGANÇA FUTEBOL CLUBE (BRAGANÇA PAULISTA)
CORINTHIANS FUTEBOL CLUBE (CAMPINAS)

SETOR 6
CLUBE ATLÉTICO EXPEDICIONÁRIOS (FRANCO DA ROCHA)
COUROS E CURTUME PAULISTA ATLÉTICO CLUBE (ITATIBA)
MORUNGABA FUTEBOL CLUBE (MORUNGABA)
ITATIBA ESPORTE CLUBE (ITATIBA)
CLUBE RECREATIVO MELHORAMENTOS (CAIEIRAS)

SETOR 7
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SOCORRENSE (SOCORRO)
AMPARO ATLÉTICO CLUBE (AMPARO)
FLORESTA ATLÉTICO CLUBE (AMPARO)
CORINTHIANS ESPORTE CLUBE (PEDREIRA)
ESPORTE CLUBE CORINTHIANS (PEDREIRA)
ESPORTE CLUBE SANTA SOFIA (PEDREIRA)

SETOR 8

CLUBE ATLÉTICO USINA SANTA BÁRBARA (SANTA BÁRBASRA DO OESTE)
UNIÃO AGRÍCOLA BARBARENSE FUTEBOL CLUBE (SANTA BÁRBASRA DO OESTE)
CLUBE RECREATIVO E ESPORTIVO CARIOBA (AMERICANA)
RIO BRANCO ESPORTE CLUBE (AMERICANA)

SETOR 9
MATARAZZO FUTEBOL CLUBE (RIO CLARO)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ARARENSE (ARARAS)
COMERCIAL FUTEBOL CLUBE (ARARAS)
ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA VELO CLUBE RIOCLARENSE (RIO CLARO)
RIO CLARO FUTEBOL CLUBE (RIO CLARO)
CLUBE ATLÉTICO PIRACICABANO (PIRACICABA)

3ª ZONA

SETOR 10
ROSÁRIO FUTEBOL CLUBE (SÃO JOÃO DA BOA VISTA)
COMERCIAL FUTEBOL CLUBE (SÃO JOÃO DA BOA VISTA)
CLUBE ATLÉTICO PRATA (SÃO JOÃO DA BOA VISTA)
PALMEIRAS FUTEBOL CLUBE (SÃO JOÃO DA BOA VISTA)
SOCIEDADE ESPORTIVA SANJOANENSE (SÃO JOÃO DA BOA VISTA)

SETOR 11

ESPORTE CLUBE UNIÃO (PIRASSUNUNGA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ANALANDENSE (ANALÂNDIA)
PORTO FERREIRA FUTEBOL CLUBE (PORTO FERREIRA)
CLUBE ATLÉTICO PIRASSUNUNGUENSE (PIRASSUNUNGA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SANTARRITENSE (SANTA RITA DO PASSA QUATRO)
INDEPENDENTE FUTEBOL CLUBE (PIRASSUNUNGA)

SETOR 12
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA VARGEANA (VARGEM GRANDE DO SUL)
ESPORTE CLUBE IPIRANGA (ESPÍRITO SANTO DO PINHAL)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA RIOPARDENSE (SÃO JOSÉ DO RIO PARDO)
RADIUM FUTEBOL CLUBE (MOCOCA)
COMERCIAL FUTEBOL CLUBE (ESPÍRITO SANTO DO PINHAL)
GINÁSIO PINHALENSE DE ESPORTES ATLÉTICOS (ESPÍRITO SANTO DO PINHAL)
RIO PARDO FUTEBOL CLUBE (SÃO JOSÉ DO RIO PARDO)

SETOR 13

ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA SÃO SIMÃO (SÃO SIMÃO)
ASSOCIAÇÃO AMÁLIA ESPORTES ATLÉTICOS (SANTA ROSA DO VITERBO)
SERTÃOZINHO FUTEBOL CLUBE (SERTÃOZINHO)
BARBACENA FUTEBOL CLUBE (PONTAL)
SÃO JOAQUIM FUTEBOL CLUBE (SÃO JOAQUIM DA BARRA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA JOAQUINENSE (SÃO JOAQUIM DA BARRA)
BATATAIS FUTEBOL CLUBE (BATATAIS)

4º ZONA

SETOR 14

COMERCIAL FUTEBOL CLUBE (TIETÊ)
CAPIVARIANO FUTEBOL CLUBE (CAPIVARI)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA JUVENTUS (CAPIVARI)
ESPORTE CLUBE PRIMAVERA (INDAIATUBA)

SETOR 15

GUARANI SALTENSE ATLÉTICO CLUBE (SALTO)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SALTENSE (SALTO)
ESPORTE CLUBE OFICINA GAZOLA (ITU)
ESPORTE CLUBE UNIÃO (PORTO FELIZ)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PORTOFELICENSE (PORTO FELIZ)

SETOR 16
ESPORTE CLUBE SANTANA (ITAPEVA)
CLUBE ATLÉTICO SOROCABANA (ITAPETININGA)
BANDEIRANTES FUTEBOL CLUBE (BURI)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ITAPETININGA (ITAPETININGA)

SETOR 17
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA XI DE AGOSTO (TATUÍ)
ESPORTE CLUBE SÃO MARTINHO (TATUÍ)
SANTA CRUZ FUTEBOL CLUBE (TATUÍ)
PIEDADE FUTEBOL CLUBE (PIEDADE)
CLUBE ATTLÉTICO VOTORANTIM (SOROCABA)

5ª ZONA

SETOR 18

BANDEIRANTES FUTEBOL CLUBE (BOTUCATU)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA AVAREENSE (AVARÉ)
SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE (AVARÉ)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BOTUCATUENSE (BOTUCATU)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FERROVIÁRIA (BOTUCATU)

SETOR 19

ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA SANTACRUZENSE (SANTA CRUZ DO RIO PARDO)
CLUBE ATLÉTICO IPAUÇUENSE (IPAUÇU)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SANTACRUZENSE (SANTA CRUZ DO RIO PARDO)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BERNARDINENSE (BERNARDINO DE CAMPOS)
ESPORTE CLUBE OLÍMPICO (OURINHOS)
ESPORTE CLUBE ITAIENSE (ITAÍ)

SETOR 20
ATLÉTICO BRASIL CLUBE (ARAGUAÇU)
CANDIDO MOTA FUTEBOL CLUBE (CANDIDO MOTA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FERROVIÁRIA (ASSIS)
CLUBE ATLÉTICO ASSISENSE (ASSIS)
ESPORTE CLUBE 1º DE MAIO (ARAGUAÇU)
CLUBE ATLÉTICO FERROVIÁRIO (CANDIDO MOTA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ARAGUAÇUENSE (ARAGUAÇU)

SETOR 21

MARTINS ESPORTE CLUBE (MARTINÓPOLIS)
ESPORTE CLUBE REGENTE FEIJÓ (REGENTE FEIJÓ)
ASSOCIAÇÃO PRUDENTINA DE ESPORTES ATLÉTICOS (PRESIDENTE PRUDENTE)
ESPORTE CLUBE CORINTHIANS (PRESIDENTE PRUDENTE)

SETOR 22
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA VENCESLAUENSE (PRESIDENTE VENCESLAU)
PAULISTA FUTEBOL CLUBE (ÁLVARES MACHADO)
FADA FUTEBOL CLUBE (SANTO ANASTÁCIO)
ESPORTE CLUBE BANDEIRANTES (ÁLVARES MACHADO)

6ª ZONA

SETOR 23
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PEDERNEIRAS (PEDERNEIRAS)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA MOCOEMBU (DOIS CÓRREGOS)
CLUBE ATLÉTICO BROTENSE (BROTAS)
PAULISTA ESPORTE CLUBE (SÃO CARLOS)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BARRA BONITA (BARRA BONITA)

SETOR 24

ESPORTE CLUBE XV DE NOVEMBRO (JAÚ)
BOCAINA FUTEBOL CLUBE (BOCAINA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ITAPUÍ (ITAPUí)
UNIÃO FUTEBOL CLUBE (BARIRI)
ESPORTE CLUBE AMÉRICA (JAÚ)
ESPORTE CLUBE FERROVIÁRIO DOURADENSE (DOURADO)

SETOR 25

ATLÉTICO MONTE AZUL (MONTE AZUL PAULISTA)
JABOTICABAL ATLÉTICO (JABOTICABAL)
ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA BANCÁRIOS (OLÍMPIA)
CLUBE ATLÉTICO TAQUARITINGA (TAQUARITINGA)

SETOR 26

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA INTERNACIONAL (BEBEDOURO)
ESPORTE CLUBE PAULISTA (BEBEDOURO)
ESPORTE CLUBE SÃO PAULO GOYAZ (BEBEDOURO)
CLUBE ATLÉTICO VASCO DA GAMA (BEBEDOURO)
BARRETOS FUTEBOL CLUBE (BARRETOS)

7ª ZONA

SETOR 27

AGUDOS FUTEBOL CLUBE (AGUDOS)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SAÕMANOELENSE (SÃO MANOEL)
ESPORTE CLUBE BANDEIRANTES (SÃO MANOEL)
BAURU ATLÉTICO CLUBE (BAURU)
ESPORTE CLUBE NOROESTE (BAURU)
CLUBE ATLÉTICO LENÇOENSE (LENÇOIS PAULISTA)

SETOR 28
ESPORTE CLUBE MUNICIPAL (VERA CRUZ)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SÃO BENTO (MARÍLIA)
BRASIL BANDEIRANTES ESPORTE CLUBE (MARÍLIA)
ESPORTE CLUBE COMERCIAL (MARÍLIA)
GARÇA FUTEBOL CLUBE (GARÇA)

SETOR 29
ORIENTE FUTEBOL CLUBE (ORIENTE)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA POMPEIANA (POMPÉIA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA QUINTANA (QUINTANA)
TUPÃ FUTEBOL CLUBE (TUPÃ)
OURO BRANCO FUTEBOL CLUBE (TUPÃ)

SETOR 30
GLÓRIA FUTEBOL CLUBE (CAFELÂNDIA)
PIRAJUÍ ATLÉTICO CLUBE (PIRAJUÍ)
CAFELÂNDIA FUTEBOL CLUBE (CAFELÂNDIA)
CLUBE ATLÉTICO PRESIDENTE ALVES (PRESIDENTE ALVES)
COQUEIRÃO FUTEBOL CLUBE (PIRAJUÍ)

SETOR 31
PAULISTA FUTEBOL CLUBE (GUAIÇARA)
BANDEIRANTE ESPORTE CLUBE (BIRIGUI)
CLUBE ATLÉTICO COMERCIAL (LINS)
SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE (ARAÇATUBA)
CLUBE ATLÉTICO LINENSE (LINS)

8ª ZONA

SETOR 32

UCHOA FUTEBOL CLUBE (UCHOA)
GUARANI FUTEBOL CLUBE (CATANDUVA)
ESPORTE CLUBE RIO BRANCO (IBITINGA)
COMERCIAL FUTEBOL CLUBE (CATANDUVA)
ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA UCHOENSE (UCHOA)
CLUBE ATLÉTICO NOVO HORIZONTE (NOVO HORIZONTE)
PAULISTA FUTEBOL CLUBE (ARARAQUARA)

SETOR 33

MIRASSOL FUTEBOL CLUBE (MIRASSOL)
CAFÉ FUTEBOL CLUBE (SÃO JOSÉ DO RIO PRETO)
ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA JOSÉ BONIFÁCIO (JOSÉ BONIFÁCIO)
TANABI ESPORTE CLUBE (TANABI)
RIO PRETO ESPORTE CLUBE (SÃO JOSÉ DO RIO PRETO)
PALESTRA FUTEBOL CLUBE (SÃO JOSÉ DO RIO PRETO)
AMÉRICA FUTEBOL CLUBE (SÃO JOSÉ DO RIO PRETO)

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

O Rolândia Esporte Clube é uma agremiação esportiva fundada em 1973 na cidade de Rolândia, no norte do Estado Paraná. Apesar de mais de quatro décadas de existência apenas em 2017 se filiou a federação paranaense. Tem a intenção de disputar o campeonato paranaense da terceira divisão de profissionais que será jogado a partir de agosto. Para este primeiro semestre a equipe disputará o Campeonato paranaense sub-17. Mandará seus jogos no Estádio Erich George com capacidade para 2.200 pessoas.

Equipe do REC em campeonato amador em 2016 (Fonte: Jornal de Rolândia)

Partida de 2016 contra a equipe de Florestópolis. (Fonte: Jornal de Rolândia)

Uniformes para a temporada 2017 – Cores da bandeira alemã. (A cidade de Rolândia foi colonizada por alemães).

Fonte: Facebook de Sebastião Vieira Soares.

Uma das primeira formações da equipe. Ano desconhecido. Fonte: Facebook de Mauro Roberto Souza.

Em pé: Arthur Altino, Orlandino, Rubinho, Mauro Roberto Souza, Lincoln, Cosmos, Zé polaco, Leusemar( Corintiano), Geraldinho, Domigos Pantarotto, Odair Mendonça, Rosquinha e Ademar. Agachados: Luiz de Paula, Dercides, Odir Soller, Pingo, Gilmar, João Maria e Alan Pantarotto.

 

Fontes:

- Site da Federação Paranaense de Futebol
- Facebook.
 

Associação Portuguesa de Desportos - Campeã do Torneio Início

 

 

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 

 

 

 

 

Copa do Nordeste/2017 – 3ª Fase – Semifinal – Volta
Bahia/BA 2×0 Vitória/BA

Campeonato Carioca/2017 – 4ª Fase – Final – Ida
Fluminense 0×1 Flamengo

Campeonato Paulista/2017 – 4ª Fase – Final – Ida
Ponte Preta 0×3 Corinthians

Campeonato Mineiro/2017 – 3ª Fase – Final – Ida
Cruzeiro 0×0 Atlético

Campeonato Gaúcho/2017 – 4ª Etapa – Final – Ida
Internacional 2×2 Novo Hamburgo

Campeonato Cearense/2017 – Final – Ida
Ferroviário 0×1 Ceará

Campeonato Catarinense/2017 – Final – Ida
Avaí 0×1 Chapecoense

Campeonato Goiano/2017 – 3ª Fase – Final – Ida
Vila Nova 0×3 Goiás

Campeonato Paraense/2017 – 3ª Fase – Final – Ida
Paysandu 1×1 Remo

Campeonato Paranaense/2017 – 4ª Fase – Final – Ida
Atlético 0×3 Coritiba

Campeonato Paranaense/2017 – 4ª Fase – Decisão do Interior – Ida
Londrina 4×1 Cianorte

Campeonato Paraibano/2017 – 3ª Fase – Final – Ida
Treze 2×3 Botafogo

Campeonato Alagoano/2017 – 4ª Fase – Final – Ida
CRB 1×0 CSA

Campeonato Sul-Matogrossense/2017 – 4ª Fase – Final – Ida
Novoperário 1×1 Corumbaense

Campeonato Matogrossense/2017 – 3ª Fase – Final – Ida
Cuiabá 2×1 Sinop

Campeonato Acreano/2017 – 2º Turno – 5ª Rodada
Plácido de Castro 3×2 Vasco da Gama
Rio Branco 0×2 Atlético [Atlético campeão do 2º Turno]
Galvez 5×0 Humaitá

[Rio Branco e Atlético fazem a Final do campeonato]

Campeonato Rondoniense/2017 – 2º Turno – 1ª Rodada
Genus 2×1 Ji-Paraná
Real Desportivo 1×0 Vilhena
Barcelona 2×1 Ariquemes
Guajará 1×1 Rondoniense

Campeonato Mineiro – 2ª Divisão/2017 – 2ª Fase – Hexagonal Final – 6ª Rodada
Nacional(M) 1×2 Boa Esporte

Campeonato Gaúcho – 2ª Divisão/2017 – 1ª Fase – Classificatória – 13ª Rodada
Guarany(B) 0×1 Internacional(SM)

Campeonato Baiano – 2ª Divisão/2017 – 1ª Fase – 3ª Rodada
Jequié 3×0 Teixeira de Freitas

Campeonato Cearense – 2ª Divisão/2017 – 1ª Fase – 7ª Rodada
Icasa 1×4 Iguatu
Floresta 5×0 Aliança
Tianguá 0×3 Maracanã

[Floresta, Maacanã, Iguatu e Aliança classificados para as Semifinais]

Campeonato Paranaense – 2ª Divisão/2017 – 2ª Fase – 2ª Rodada
Andraus 0×1 Paranavaí
Cascavel CR 0×1 Maringá

[Os jogos do outro grupo estão suspensos pelo TJD]

Campeonato Paulista – 3ª Divisão/2017 – 2ª Fase – Volta
Olímpia 3×1 Portuguesa Santista
[Olímpia classificado para a Semifinal]

Campeonato Gaúcho – 3ª Divisão/2017 – 1ª Etapa – Classificatória – 8ª Rodada
Farroupilha 1×3 Internacional B
Gaúcho 0×0 Elite

Campeonato Paulista – 4ª Divisão/2017 – 1ª Fase – 4ª Rodada
Jaguariúna 1×2 Internacional(B)
VOCEM 1×0 José Bonifácio
Itararé 1×3 Guarulhos
Osvaldo Cruz 3×0 Grêmio Prudente
Amparo 0×0 Taquaritinga
Real Cubatense 2×0 Atlético Mogi
XV de Jaú 3×0 Francana

Campeonato Espanhol/2016-2017 – Fase Única – 35ª Rodada
Betis 1×4 Alavés
Eibar 2×0 Leganés
Celta 0×3 Athletic Bilbao
Osasuna 2×2 La Coruña

Campeonato Alemão/2016-2017 – Fase Única – 31ª Rodada
Hoffenheim 1×0 Eintracht Frankfurt
Augsburg 4×0 Hamburgo

Campeonato Italiano/2016-2017 – Fase Única – 34ª Rodada
Cagliari 1×0 Pescara
Internazionale 0×1 Napoli
Crotone 1×1 Milan
Genoa 1×2 Chievo
Palermo 2×0 Fiorentina
Bologna 4×0 Udinese
Roma 1×3 Lazio
Empoli 1×3 Sassuolo

Campeonato Inglês/2016-2017 – Fase Única – 35ª Rodada
Tottenham 2×0 Arsenal
Middlesbrough 2×2 Manchester City
Everton 0×3 Chelsea
Manchester United 1×1 Swansea

Campeonato Francês/2016-2017 – Fase Única – 35ª Rodada
Nice 3×1 Paris Saint-Germain
Dijon 0×0 Bordeaux
Caen 1×5 Olympique de Marseille

Campeonato Argentino/2016-2017 – 1ª Fase – 22ª Rodada
Olimpo 1×2 Atlético de Rafaela
Rosario Central 2×0 Aldosivi
Godoy Cruz 0×0 San Martin
Atlético Tucumán x River Plate [Adiado]
Boca Juniors 3×0 Arsenal

Campeonato Português/2016-2017 – Fase Única – 31ª Rodada
Braga 2×3 Sporting
Feirense 2×1 Marítimo
Belenenses 1×2 Paços Ferreira
Arouca 2×2 Moreirense

Liga dos Campeões da Oceania/2017 – Final – Ida
Auckland City [NZL] 3×0 Team Wellington [NZL]

Fonte: www.futebolnacional.com.br

 

Pelo Citadino de Porto Alegre de 1947, vitória do Força e Luz sobre o Internacional por 3-2. A partida foi válida pelo segundo turno do certame, o resultado atrapalhou os planos do Internacional e forçou a disputa de um Terceiro Turno. Acompanhe agora a matéria e as fotos publicadas no Jornal Folha da Tarde, do dia 13/10/1947.

Ficha do Jogo

FORÇA E LUZ 3 2 INTERNACIONAL
Data: 12/10/1947 [Domingo], Local: Timbaúva (Porto Alegre, RS), Público: 5.496 (2.211 pagantes), Renda: Cr$ 17.316, Juiz: Homero Carvalho (BRA), Gols: Tesourinha (I) aos 27′, Detefon (FL) aos 33′, Dorvalino (FL) aos 40′, Villalba (I) aos 56′, Nadir (FL) aos 97′.
Força e Luz (Porto Alegre, RS) Cláudio, Hugo, Sordi, Povonovo, Ernesto, Alegreti, Jerônimo, Dorvalino, Detefon, Nino, Nadir.
Internacional (Porto Alegre, RS) Ivo, Nena, Ilmo, Alfeu, Viana, Abigail, Bóris, Tesourinha, Villalba, Fandiño e Carlitos.

 

Fonte: Folha da Tarde e Site Súmulas-Tchê.

 
EQUIPES PARTICIPANTES:
A.D.E.S.G. ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE SENADOR GUIOMARD SENADOR GUIOMARD
A.M.A.X. ASSOCIAÇÃO DOS MILITARES E AMIGOS DE XAPURI ESPORTE CLUBE XAPURI
ABUNÃ ABUNÃ ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
ACRE - RIO BRANCO
ACREANA ASSOCIAÇÃO ATHLÉTICA ACREANA RIO BRANCO
ACREANO ACREANO SPORTING CLUB RIO BRANCO
ALTO ACRE ALTO ACRE FUTEBOL CLUB EPITACIOLÂNDIA
ALVORADA ALVORADA FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
AMAPÁ AMAPÁ FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
AMÉRICA AMÉRICA ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
ANDIRÁ ANDIRÁ ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
ATLÉTICO ATLÉTICO ACREANO RIO BRANCO
BOTAFOGO BOTAFOGO FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
BOULEVARD BOULEVARD FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
BRASIL BRASIL ESPORTE ATHLÉTIC RIO BRANCO
CATUABA CATUABA FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
COMERCIAL COMERCIAL SPORT CLUB RIO BRANCO
COMERCIÁRIOS ASSOCIAÇÃO DOS COMERCIÁRIOS ACREANOS RIO BRANCO
DUQUE DE CAXIAS DUQUE DE CAXIAS SPORT CLUB RIO BRANCO
EPAMINONDAS JÁCOME GRÊMIO ESTUDANTIL EPAMINONDAS JÁCOME RIO BRANCO
FLORESTA FLORESTA FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
FORTALEZA FORTALEZA FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
GALVEZ GALVEZ ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
GRÊMIO ACREANO GRÊMIO ESPORTIVO ACREANO SENA MADUREIRA
GRÊMIO SAMPAIO GRÊMIO ATLÉTICO SAMPAIO RIO BRANCO
GUARANI GUARANI ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
HUMAITÁ SPORT CLUBE HUMAITÁ PORTO ACRE
IMPERIAL IMPERIAL FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
INDEPENDÊNCIA INDEPENDÊNCIA ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
INDEPENDÊNCIA INDEPENDÊNCIA FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
INTERNACIONAL SPORT CLUB INTERNACIONAL RIO BRANCO
IPIRANGA IPIRANGA FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
JUVENTUS ATLÉTICO CLUBE JUVENTUS RIO BRANCO
MILITAR ASSOCIAÇÃO ATHLÉTICA MILITAR RIO BRANCO
MILITAR MILITAR FOOTBALL CLUB RIO BRANCO
NAUÁS NAUÁS ESPORTE CLUBE CRUZEIRO DO SUL
PENÁPOLIS PENÁPOLIS ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
PLÁCIDO DE CASTRO PLÁCIDO DE CASTRO FUTEBOL CLUBE PLÁCIDO DE CASTRO
RIO BRANCO RIO BRANCO FOOTBALL CLUB RIO BRANCO
SÃO FRANCISCO SÃO FRANCISCO FUTEBOL CLUBE RIO BRANCO
SATÉLITE SATÉLITE CLUBE RIO BRANCO
UNIÃO UNIÃO ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
VASCO DA GAMA ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA VASCO DA GAMA RIO BRANCO
VETERANOS VETERANOS ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
VILA IVONETE VILA IVONETE ESPORTE CLUBE RIO BRANCO
YPIRANGA YPIRANGA SPORT CLUB RIO BRANCO
FONTES: FUTEBOL ACREANO EM REVISTA, RSSSF BRASIL e BLOG HISTÓRIA DO FUTEBOL
 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha