Para aqueles que conhecem o acanhado Estádio Figueira de Melo, de propriedade do São Cristóvão F.R., nem imaginam que o anterior era puro charme. Inaugurado no domingo, no dia 23 de abril de 1916, no empate entre São Cristóvão e Santos em 1 a 1 (cerca de 6 mil pessoas estiveram presentes), o antigo campo da Rua Figueira de Melo, fora construído com arquibancadas de madeira em torno e que com o passar dos anos foi sendo edificado em cimento.

Durante muito tempo, a partir desta data, o Santos pintou o escudo do São Cristóvão nos muros da Vila Belmiro e associados destes dois clubes podiam usufruir das respectivas sedes, mutuamente. Em 1943, por determinação legal, após incidentes de superlotação na partida envolvendo a partida entre o time da casa e o Flamengo, o São Cristóvão teve que demolir as arquibancadas com estrutura de madeira.

Consequentemente foram feitas obras. Uma das mudanças, pela vista da ponte (última foto), foi o campo que antes ficava na horizontal passou para a vertical, descaracterizando o antigo estádio. A sua reinauguração aconteceu no dia 29 de junho de 1946, quando a equipe Cadete acabou derrotada pelo Vasco da Gama, pelo placar de 5 a 3.

No passado recente o estádio do clube alvo já teve capacidade para oito mil pessoas, recebendo com frequência públicos entre 10 mil e 20 mil na década de 1930, mas com a demolição de parte das arquibancadas, inclusive parte das antigas arquibancadas de cimento, perdendo capacidade de público e o charme.

O estádio atual é visto na vertical, quando o antigo ficava na horizontal

Fontes: Site do São Cristõvão F.R. – Wikipédia -  Revista A Cigarra 

 

 

   
© 2019 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha