Eis como se apresentava a biografia de cada jogador que formava o elenco do Vasco da Gama, campeão carioca de 1952:

BARBOSA – Moacir Barbosa Nascimento nasceu em Campinas, São Paulo, em 27 de março de 1921. É casado, mede 1,74 e pesa 70 quilos. Iniciou sua carreira como infantil do Almirante Tamandaré, aos 12 anos. Mais tarde, de 37 a 41, atuou no A.C.E.A. de L.P.B. Em 1941 e 42 jogou pelo Ipiranga, para em 1944 ingressar no Vasco. Títulos conquistados: Campeão carioca em 45, 47, 49, 50 e 52. Diversas vezes campeão brasileiro; campeão sul-americano de 1949; vice-campeão do mundo de 1950.

AUGUSTO – Augusto da Costa é carioca, tendo nascido em 22 de outubro de 1920. Mede 1,77 e pesa 71 quilos. Começou no São Cristóvão, em 1935, como juvenil; permaneceu no clube alvo até 1944, quando se transferiu para São Januário. É funcionário do D.F.S.P., servindo na Polícia Especial. Títulos conquistados: campeão carioca, pelo Vasco, nos anos de 45, 47, 49, 50 e 52. Campeão dos Campeões, tri-campeão brasileiro pela F.M.F.; campeão sul-americano de 1949 e vice-campeão do mundo de 1950.

HAROLDO – Haroldo de Magalhães Castro nasceu no Distrito Federal, em 20 de dezembro de 1931. Mede 1,78 e pesa 72 quilos. Em 1947 foi para General Severiano, não podendo jogar devido à idade. Começou realmente em 1948, no quadro de juvenis. Em 1951 passou a integrar a equipe de aspirantes. Na excursão que o Botafogo empreendeu à Venezuela e Colômbia atuou pela primeira vez no time principal. No Vasco, estreou contra o Bangu, conseguindo uma espetacular vitória por 6 a 2, tornando-se, daí por diante, efetivo. Títulos conquistados: bicampeão do Torneio Paulo Goulart de Oliveira, pelo Distrito Federal. Campeão Sul-Americano de Amadores de 1949. Campeão brasileiro de juvenis em 1951.

ERNANI – Ernani Ribeiro Guimarães nasceu no Distrito Federal, em 24 de outubro de 1928. Iniciou a sua carreira jogando pelo São Bento, e no mesmo ano passou a integrar a equipe de juvenis do Vasco, tendo conquistado o título da categoria. Jogou apenas uma vez mas está satisfeito por ter podido colaborar para o grande feito dos vascaínos.

ELI – Eli do Amparo nasceu eu Paracambi, no Estado do Rio, em 14 de maio de 1921. Mede 1,80 e pesa 82 quilos. É casado. Começou como juvenil do América, com 17 anos, permanecendo entre os rubros nos anos de 39 e 40. Neste ano foi para o Canto do Rio, de onde saiu em 45 para o Vasco. Títulos conquistados: campeão carioca de 45, 47, 49, 50 e 52. Campeão dos campeões de 48; campeão sul-americano de 1949. Vice-campeão do mundo de 1950.

DANILO – Danilo Alvim é natural do Distrito Federal, tendo nascido em 3 de dezembro de 1921. Começou a sua carreira em 1939, no América, onde ficou durante 4 anos. Em 1943 transferiu-se para o Canto do Rio, retornando um ano depois a Campos Sales. Finalmente ingressou no Vasco em 1946. Títulos já conquistados: campeão juvenil-amador de 39-40; campeão dos campeões de 48; campeão sul-americano de 49; campeão da cidade em 47, 49, 50 e 52 e vice-campeão do mundo de 1950.

JORGE – Jorge Dias Sacramento nasceu eu Recife, em 22 de março de 1924. Mede 1,75 e pesa 68 quilos, é casado e tem dois filhos. Deu início à sua carreira jogando como infantil do Primeiro de Maio, clube da várzea pernambucana. Em 40, ingressou no Íris F.C., onde permaneceu até 43, quando transferiu-se para o Portela F.C., já como profissional. Em 1945 veio para o Vasco da Gama. Já foi zagueiro e centro-médio. Títulos já conquistados: campeão carioca p-elo Vasco da Gama, nos anos de 47, 49, 50 e 52. Campeão de reservas e aspirantes de 45; campeão dos campeões de 48, título alcançado no Chile, e campeão brasileiro de 46.

BELINI – Hideraldo Luís Belini é natural de Itapira, São Paulo, e nasceu aos 7 de junho de 1930. Mede 1,81 e pesa 81 quilos. Começou em 43 em Itapira, na categoria de juvenil. Em 1949 foi para o Sãojoanense, de São João da Boa Vista, para integrar o primeiro quadro. Este quadro disputava o Campeonato da Divisão de Acesso da Federação Paulista. Em 1952, ingressou no Vasco da Gama, e por três vezes atuou pela equipe titular, tendo enfrentado o Madureira, Canto do Rio e Bonsucesso. Este é o seu primeiro título.

SABARÁ – Onofre de Souza é paulista, tendo nascido em Campinas, aos 18 de junho de 1931. Começou no juvenil da Ponte Preta, em 1942, tendo neste mesmo ano conquistado o título de campeão estadual da categoria. Em 1948, ascendeu ao quadro principal, assinando o seu primeiro contrato, com Cr$ 800,00 mensais e Cr$ 10.000,00 de “luvas”. Mede 1,66 e pesa 72 quilos. Pretendido por vários grandes clubes bandeirantes, acabou vindo para o Vasco, no transcurso deste certame. Custou perto de Cr$ 800.000,00, afora a cessão de mais três jogadores do plantel vascaíno. No Vasco percebe, atualmente, 7.000 cruzeiros de ordenado mensal. Títulos conquistados: Campeão estadual juvenil, em 42; campeão da cidade de Campinas, de 51 e campeão carioca de 52.

MANECA – Manoel Marinho Alves é baiano, tendo nascido em Salvador, no dia 20 de janeiro de 1925. É solteiro; mede 1,75 e pesa 65 quilos. Iniciou sua carreira futebolística em 1943, atuando pelo juvenil do Galícia, da capital baiana. Em 45 e 46 jogou pelo S.C. Bahia, de onde saiu para ingressar no C.R. Vasco da Gama. No grêmio da Cruz de Malta, já jogou em todas as posições do ataque. Títulos já conquistados: bicampeão juvenil pela Galícia; campeão baiano pelo Bahia; campeão carioca de 45, 47, 49, 50 e 52, pelo Vasco; campeão dos campeões de 48 e vice-campeão do mundo de 50.

IPOJUCAN – Ipojucan Lins de Araújo nasceu em Maceió, Alagoas, em 3 de junho de 1926. Mede 1,85 e pesa 78 quilos. Ensaiou os primeiro chutes nos Unidos de Cachambi, onde permaneceu até 1940. Nos anos de 41 e 42, jogou pelo River, tendo se transferido para o Vasco em fins de 42. É um autêntico malabarista da pelota, usando e abusando do extraordinário controle de bola que possui. Títulos conquistados: Campeão juvenil de 44; tricampeão de aspirantes (45, 46 e 47); campeão de reservas de 48 e campeão de profissionais de 49, 50 e 52, todos estes títulos conseguidos pelo Vasco.

ADEMIR – Ademir Marques de Menezes é pernambucano, natural de Recife, tendo nascido em 8 de novembro de 1922. É casado, mede 1.72 e pesa 70 quilos. Iniciou-se no futebol em 1938, jogando pelo S.C. Recife. Em 41, veio para São Januário, atuando pelo Vasco até 1945, transferindo-se neste mesmo ano para o Fluminense, disputando o certame de 46, pelo tricolor das Laranjeiras, para retornar em 47 ao Vasco. Títulos conquistados: Campeão infantil e juvenil pelo S.C. Recife; campeão carioca pelo Vasco em 45, 49, 50 e 52, e pelo Fluminense, em 46. Tricampeão brasileiro; campeão sul-americano de 49.

EDMUR – Edmur Pinto Ribeiro nasceu em Saquarema, Estado do Rio, em 9 de setembro de 1929. Mede 1,76 e pesa 70 quilos. Apareceu com destaque no Fonseca, de São Gonçalo. Transferiu-se em 1948 para o Flamengo, onde ficou até 1949. Neste ano foi para o Canto do Rio e devido às suas boas atuações foi contratado pelo Vasco em 51. Neste campeonato jogou dez vezes na ponta direita e duas como “in sider” direito. O Campeonato de 1952 é o seu primeiro título oficial.

ALFREDO – Alfredo dos Santos é natural do Distrito Federal, tendo nascido em 1º de janeiro de 1920. Mede 1,76 e pesa 73 quilos. Começou sua carreira em 1935, jogando pelo Costa Lobo F.C., onde permaneceu até 37, quando foi para São Januário. Estreou na equipe principal em 39, frente ao poderoso quadro argentino do Independiente, com um espetacular triunfo por 5 a 2. Já jogou em todas as posições, exceto de arqueiro – é o homem dos sete instrumentos. Títulos conquistados: campeão carioca de 45, 47, 49, 50 e 52; vice-campeão do mundo e sul-americano.

CHICO – Francisco Aramburu nasceu em Uruguaiana, Rio Grande do Sul, em 7 de janeiro de 1923. Mede 1,70 e pesa 68 quilos. Começou atuando pelo Grêmio Porto-Alegrense, de Porto Alegre. Títulos conquistados: campeão juvenil de 38, pelo Grêmio; campeão dos torneios de 43 e 46, ainda pelo campeonato gaúcho; campeão carioca de 45, 47, 49, 50 e 52; campeão dos campeões de 48 e vice-campeão do mundo de 50.

VAVÁ – Edivaldo Ezídio Neto é conterrâneo de Ademir, tendo nascido no Recife, aos 12 de novembro de 1934. Começou em 49, no S.C. Recife. Sagrou-se bicampeão juvenil de Pernambuco. Mede 1,75 e pesa 68 quilos. Em 51 veio para o Vasco, como amador, continuando nesta situação defendendo o grêmio da Cruz de Malta. Jogou duas vezes na equipe titular, estreando contra o Bangu, marcando o gol da vitória; jogou o prélio de encerramento da campanha do Vasco, atuando frente ao Olaria. Foi titular da meia-esquerda da seleção brasileira que disputou as Olímpíadas de Helsinque, em julho de 1952.

FRIAÇA – Albino Friaça Cardoso nasceu no Estado do Rio, em 20 de outubro de 1924, na cidade de Porciúncula. Contudo, iniciou sua carreira futebolística em Carangola, Minas Gerais. Em 45, juntamente com o seu companheiro de ala, naquela cidade mineira, Elgem, transferiu-se para São Januário, onde atuando pelo quadro de aspirantes chamou logo a atenção de todos, como ponta-esquerda. Mais tarde, ascendeu ao quadro efetivo. Devido à sua versatilidade como jogador é elemento de grande utilidade para qualquer plantel, pois joga, indiferentemente, em qualquer posição da linha de ataque. Em 49, integrando o quadro do São Paulo Futebol Clube sagrou-se campeão bandeirante, retornando ao Vasco em 51. É campeão carioca de 45; paulista de 49; campeão brasileiro; campeão dos campeões de 48; vice-campeão do mundo em 50 e campeão pan-americano de 51.

JANSEN – Jansen José Moreira é carioca, tendo nascido em 10 de julho de 1927. Mede 1,72 e pesa 68 quilos. Jogou este ano como ponta-esquerda. Iniciou-se como juvenil do América em 42, e um ano mais tarde transferiu-se para o Grêmio da Colina. No Vasco da Gama era amador; e em meio à temporada foi contratado pelo clube campineiro, Ponte Preta. Integrou a seleção de amadores que disputou as Olimpíadas de Helsinque, em julho de 52, como ponta-esquerda, formando ala com Vavá. É campeão juvenil de 44; aspirantes nos anos de 46, 47, 48 e 49; e profissional de 50, todos os títulos defendendo as cores do Vasco. Campeão Sul-Americano de Amadores, título alcançado no Chile em 49; Campeão Sul-Americano Universitário de 1950.

TÉCNICO: GENTIL CARDOSO – A Gentil Cardoso, quer queiram ou não, cabem os méritos da recuperação dos jogadores vascaínos. Foi o verdadeiro mago da “ressurreição” do famoso plantel vascaíno. Um plantel – é bom que se diga – tido e havido como liquidado. Mas os resultados do trabalho profícuo de Gentil aí estão: o Vasco da Gama campeão da cidade; e os jogadores, que foram considerados como acabados para o futebol, em plena forma, foram, quase todos, novamente convocados para a seleção brasileira. Barbosa, Eli, Danilo, Ademir e Ipojucan, cinco deles, defenderão, mais uma vez, o renome do nosso “soccer”, em campos peruanos. E estamos certos de que hão de fazê-lo com o brilho de sempre.

Gentil Cardoso é o mais antigo “coach” do Brasil, tendo-se iniciado como treinador no Sírio-Libanês, em 1929. Foi precursor do WM no nosso futebol, numa época em que não se admitia a sistematização, mentalidade que perdurou durante muito tempo, haja vista a campanha que sofreu o competente treinador húngaro Dori Kruschner, em 1935.

Declarações de Gentil Cardoso:

“Embora desde o início de minha carreira usasse o WM, isto em 1929, no antigo Sírio-Libanês, somente em 32, quando dirigia o Bonsucesso, comecei a ser alvo de críticas, devido ao meu método de trabalho. E como era obrigado a vir a público para defendê-lo ganhei um título: o de falador.”

Sobre ser partidário da sistematização no futebol, apesar das decantadas virtudes individuais dos jogadores brasileiros:

“A priori, devo dizer-lhe que a minha formação naval, em contato com as marinhas inglesa e americana, ensinou-me que a especialização e o método conduzem a resultados positivos. É um verdadeiro axioma, e os axiomas não se discutem; são evidentes por si sós… E as decantadas virtudes dos jogadores nacionais fortalecem a nossa convicção da especialização, e consequentemente o aperfeiçoamento.”

“E se assim não fosse, não se lapidariam os gênios…”

Fonte:
Esporte Ilustrado Nº 775, de 12.02.1953, edição especial.
Edição: Paulo Luís Micali

   
© 2019 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha