O Íbis Futebol Clube (Íbis da Torre) é uma agremiação da cidade de João Pessoa (PB). A história do clube começou na segunda-feira, por volta das 20 horas de uma noite bastante significativa para os moradores do Bairro da Torre, no dia 05 de Maio de 1952, em uma modesta residência de nº 955, localizada na antiga Rua Adolfo Cirne, hoje, Beira Rio, nasceu o querido e aguerrido Íbis Futebol Clube, o “Pássaro Preto da Torrelândia“.

Primeira Diretoria

Os jovens, Osvaldo Canuto, proprietário da casa citada acima, fundador e 1º Presidente; João Gomes Damásio, 1º Secretário; José Bezerra Finizola, Tesoureiro; Afonso Alves, Diretor de Esportes; e os Conselheiros José Paulo, Evandro Chaves e Francisco de Assis Dourado;formaram a 1ª Diretoria que muito contribuiu com o nosso futebol.

Descrição do Uniforme e escudo

Com meias rubro-negras, calção branco ou preto, camisas nas cores vermelha e preta em faixas diagonais, aqueles fundadores puseram como escudo o desenho de um pássaro todo preto conhecido como Íbis, ave essa que foi objeto de veneração religiosa pelos povos do antigo Egito. Aliás,           na cidade do Recife (PE), existe um clube fundado antes do Íbis da Torre com o mesmo nome e escudo.

 

História no futebol paraibano

Essa agremiação que vem atravessando décadas ajudando na formação e disciplina de jovens garotos, estreou nos gramados goleando o esquadrão do Sá Andrade Esporte Clube, por 6 a 1, com gols marcados por Airton e Gogóia (ambos dois tentos), Curica e Afonso, um gol cada.

 

Vice-campeão Paraibano de 1958

Muita gente não sabe, mas o Íbis da Torre disputou por três anos seguidos o Campeonato Paraibano de profissionais, nos anos de 1958, 1959 e 1960, sendo vice-campeão em 1958, quando foi derrotado na final pelo Auto Esporte Clube. Na década de 60 o time priorizou as suas tradicionais categorias de base, que sempre formou grandes promessas para o nosso futebol, se afastando das competições profissionais, organizada pela Federação Paraibana de Futebol (FPF).

 

Títulos

Essas promessas, inclusive, conquistaram duas competições, invictos no ano de 1965, o campeonato amador e o denominado de misto, por permitir a inscrição de cinco jogadores profissionais reforçando o quadro de aspirantes. Ser titular no quadro do Íbis era sinônimo de ser ‘bom de bola’ e currículo para um dia vestir uma camisa de um time maior.

 

Craques revelados no Íbis da Torre

Quem não se lembra do famoso Zé do Figo, que jogou em grandes times do Estado. Do grande Miruca, que jogou no Treze de Campina Grande, no Clube Náutico Capibaribe, do Recife e no time do São Paulo Futebol Clube. Do meio campista Chocolate, que quando se profissionalizou foi para o Botafogo. E do cabeludo Odon, jogador que foi ídolo por muitos anos do Botafogo (PB) e pretendido pelos grandes do Sul Maravilha. Esses atletas citados começaram as suas respectivas carreiras defendendo as cores rubro-negras do “Pássaro Preto da Torrelândia“.

Clube vive uma realidade precária 

Infelizmente, hoje no tradicional bairro da Torre não existe mais campos de futebol, a própria Sede do clube foi desativada (na Rua Dep. Odon Bezerra, nº 580, Torre (atual: Tambiá), em João Pessoa), funcionando provisoriamente e precariamente em um cômodo de uma casa no Bairro de Mangabeira, graças a um ex-atleta que vestiu a sua camisa na década de 60 e, no início da década de 70 ingressou na diretoria sendo presidente por várias vezes e anos.

Seu nome, José Dimas Medeiros, um abnegado professor de matemática e eterno presidente que guarda com carinho e devoção o acervo do clube, comentando com saudosismo e tristeza os anos de glória do Íbis. Aos 74 anos de idade, ele fala com uma certa mágoa da falta de políticas públicas eficientes em prol dos clubes amadores. Mesmo com toda essa dificuldade ele ainda consegue fazer o clube disputar o Campeonato Paraibano, na categoria Sub-20 e sonha com a volta por cima da agremiação.

 

FONTE: “Causos & Lendas do nosso futebol”, escrito pelo jornalista Francisco Di Lorenzo Serpa, do Jornal A União (11/07/2015)

   
© 2019 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha