Ficha Técnica
EC Bahia 3 x 1 Santos FC
Taça Brasil de 1959 – Jogo Desempate
Ficha Técnica
• Competição (Tournament): Taça Brasil de 1959 – Final – 3º Jogo (Desempate)
• Data (Date): Terça-feira, 29 de Março 1960
• Estádio (Stadium): Mário Filho “Maracanã”, no Rio de Janeiro/RJ
• Público (Attendance): 17.330 pagantes – Renda: Cr$ 642.703,00
• Árbitro (Referee): Frederico Lopes (RJ)
• Assistente 1 (Assistant Referee 1): Wilson Lopes de Souza (RJ)
• Assistente 2 (Assistant Referee 2): Aírton Vieira de Morais “Sansão” (RJ)
• Advertências (Cautions): Na época ainda não existia
• Expulsão (Sent Off): Vicente (Bahia), Getúlio, Formiga, Doval e Coutinho (Santos)
Gols do Bahia Gols do Santos
1-1 Vicente, aos 37’/1° 1-0 Coutinho, aos 27’/1°
2-1 Léo, aos 2’/2°
3-1 Alencar, aos 31’/2°
Esporte Clube Bahia Santos Futebol Clube
GO
DF
DF
DF
DF
MC
MC
AT
AT
AT
AT
Leandro Cardoso “Nadinho”
Nenzinho
Henrique dos Santos
Alberto “Beto” Pereira
Vicente Arerari
Flávio dos Santos
Mário de Araújo
Mário da Nova “Marito”
Joacy Freitas “Alencar”
Leonardo “Léo” Briglia
Armindo Avelino “Biriba”
GO
DF
DF
DF
DF
MC
MC
AT
AT
AT
AT
Carlos Pierin “Lalá”
Getúlio Santos
Mauro Ramos de Oliveira
Francisco Ferreira “Formiga”
José Carlos Silvério “Zé Carlos”
José Ely “Zito”
Mário
Dorval Rodrigues
Paulo César “Pagão” (Tite)
Antônio Wilson “Coutinho”
José Macia “Pepe”
Técnico: Carlos Martin Volante Técnico: Luis Alonso “Lula”
1 Augusto Vieira “Tite”
Tempo Normal Prorrogação Penalidades
1º T 2º T Final 1º T 2º T Final Time A Time B
1 x 1 2 x 0 3 x 1
# Com esse resultado o Bahia sagrou-se campeão barsileiro;
# Como o Bahia havia perdido o jogo anterior, em Salvador, por 2 x 0 houve a necessidade de um jogo extra. Esse jogo foi no Maracanã e o Bahia saiu vencedor;
# Observação: O técnico Efigênio Bahiense, o “Geninho”, era policial e só podia comandar
o Esporte Clube Bahia quando estava de licença;
# Observação: Pelé não jogou, pelo Santos, porque estava machucado;
# Bahia: Camisa tricolor, Calção Azul e Meias Azuis;
# Santos: Camisa Branca, Calção Branco e Meias Brancas;

FONTE: Blog Ficha do Jogo

 

 

 

 

FONTE: Memorial do B.E.C.

 

Em 1983, o São Paulo de Rio Grande recebeu em seu estádio o Internacional de Lages para um amistoso. A vitória ficou com a equipe catarinense, que marcou o um gol em cada tempo com Nestor e Nunes. Não foram encontradas informações sobre público e renda.

SÃO PAULO             
0   X  2 INTER DE LAGES (SC)
Data: 05/02/1983 [Sábado], Hora: 20:30, Local: Aldo Dapuzzo (Rio Grande, RS), Arbitragem: Zeno Escobar Barbosa, Auxiliares: Valdir Vioni e Luz Carlos Tibursky, Cartão Amarelo: Djalma, Paranhos e Toninho (SP), Toninho Caixão (I), Gols: Nestor aos 6′ e Nunes aos 52′.
São Paulo (Rio Grande, RS) Nando; Douglas, Carlão, Toninho e Paulo Barroco; Djalma, Mazinho e Neca; Gélson, Paranhos e Baltazar. Técnico: Daltro Menezes.
Internacional (Lages, SC) Carlos Alberto; Dutra, Jorge, Cidão e Cláudio Radar; Toninho Caixão, Bim e Rubenval; Nunes, Nestor e Toninho Caju. Técnico: Firmino Romual Negri.

 

FONTE: Site Súmulas Tchê

 

Gildo, do Ceará, artilheiro com 8 gols.

COM 8 GOLS:
Gildo [Ceará (CE)]
COM 7 GOLS:
Ruiter [Confiança (SE)] e Pelé [Santos (SP)]
COM 6 GOLS:
Bita [Náutico (PE)]
COM 5 GOLS:
Urbano [Rio Branco (ES)] e Pepe [Santos (SP)]
COM 4 GOLS:
Cocó [Campinense (PB)] e Wílson Lopes [Rio Branco (ES)]
COM 3 GOLS:
Araponga [Campinense (PB)], Carlito [Ceará (CE)], Beto e Sebastos [Confiança (SE)], Wílson [Maranhão (MA)], Geraldo José [Náutico (PE)], Coutinho e Toninho Guerreiro [Santos (SP)]
COM 2 GOLS:
Bougleux e Luiz Carlos [Atlético (MG)], Ireno [Campinense (PB)], William [Ceará (CE)], Élio Albacete [Confiança (SE)], Aírton Beleza [Flamengo (RJ)], Croinha e Valdeci [Maranhão (MA)], Idésio e Madureira [Metropol (SC)], Quarentinha [Paysandu (PA)], Loloca, Pedroca e Tassu [Ríver (PI)], Peixinho [Santos (SP)], Paulinho Dantas e Sete-Léguas [Vila Nova (GO)]
COM 1 GOL:
Galdino, Oziel e Paulo Geladeira [Alecrim (RN)], Toninho e Viladônega [Atlético (MG)], Tonho Zeca [Campinense (PB)], Charuto, Dedé, Lucena e Zé Gerardo [Ceará (CE)], Jurandyr e Raimundinho [Confiança (SE)], Paulinho, Zezé e Zezito [Cruzeiro do Sul (DF)], Canhoteiro e Deda [CSA (AL)], Amauri, Carlinhos, Murilo e Paulo Chôco [Flamengo (RJ)], Carlinhos e Dedé [Fluminense de Feira (BA)], Geraldo [Goytacáz (RJ)], Alcindo [Grêmio (RS)], Ariston e Zuringue [Grêmio Maringá (PR)], Barrão [Maranhão (MA)], Calita, Gaiola e Galego [Metropol (SC)], Fredoca [Nacional (AM)], Ivan Brondi, Nado e Salomão [Náutico (PE)], Ademir da Guia e Gildo [Palmeiras (SP)], Chininha, Laércio, Vila, Wanderley e Zé Maria [Paysandu (PA)], Gelsinho e João Francisco [Rio Branco (ES)], Vilmar [Ríver (PI)], Dicá, Fausto e Maércio [Vila Nova (GO)]

Artilheiros Negativos

COM 1 GOL CONTRA:
Zé Mecânico (Confiança (SE)), Waltirdes (Goytacáz (RJ)) e Joel Camargo (Santos (SP)).

FONTE: site sumulas-tchê

 

 

 

Fonte: site do clube

 

 

 

FONTE: Site Terceiro tempo.

 

 

Esta foi uma das boas formações cruzmaltinas de 1934, com Domingos da Guia (quarto em pé, da esquerda para a direita) e Gradim (quarto agachado, na mesma ordem), que foi o treinador do time campeão carioca e do Torneio Rio-São Paulo-1958. Dele, também, fez parte, o lateral-esquerdo Roque Calocero, o segundo piloto do “Expresso da Vitória”, em 1946, quando o montador uruguaio Ondino Vieira pegou o boné e se mandou. Depois, Calocero passou o volante para Flávio Costa.

Em 1957, quando Martim Francisco treinava a rapaziada, o convidou a cuidar dos times de baixo. Por aquele tempo, ele já era empregado do clube em outro setor, administrando o estádio de São Januário, desde 1946.

Roque Calocero, filho de Carlos e de Inês Maria, nasceu no bairro de Caballitos, em Buenos Aires (14.09.1908), tendo iniciado a carreira pelo Ferro Carril Oeste. Em seguida, foi para um time de segunda divisão, onde o Vasco foi buscá-lo.

Campeão carioca, em 1934, parou, em 1940, para dirigir juvenis e aspirantes, entre 1941 e 1946. Uma de suas maiores satisfações era contar que levara o Vasco ao seu primeiro título na categoria juvenil.

Nesta foto reproduzida da Revista do Esporte, Calocero segura a bola, em pé.

 Fonte: Revista do Esporte e blog kike da bola

 

 

 

 

Fonte: Site do Clube.

 

 

Foi no dia 5 de dezembro de 1971 que o Zeca, até então em uma parceria com o clube Barroso, subiu a Serra para garantir o título da Copa Governador do Estado, até hoje a mais importante conquista estadual do clube.

Entre os destaques do time estavam o lateral Carlos Miguel – pai do jogador que se consagrou os anos 1990 com a camisa do Grêmio – e o meia Vasques. Na final, contra o Flamengo, depois transformado em SER Caxias, o São José aplicou 2 a 0 no Passo d’Areia, com gols de Carlos Miguel e Adilson.

Em Caxias do Sul, um 0 a 0 garantiu a taça.

O Zeca entrou em campo naquele dia com: Valdeci; Carlos Miguel, Paulinho, Adilson e Renato; Frazão e Gilnei; Carlos Castro, Vasques, João Alberto (Paulo Nascimento) e Reginaldo (Cará).

FONTE: Site do clube

 

 

Fonte: site do clube

 

 

Estrela do Mar: o clube campeão paraibano de futebol em 1959 surgiu aproximadamente em 1953. 

A matriz do Rosário mais o Convento São José possuía agremiações religiosas como a Cruzada (Liga Infanto-Juvenil) e a Congregação Mariana. A primeira era composta por meninos que ajudavam nos ofícios religiosos, além de se reunirem para assistirem palestras e ensinamentos relativos à fé católica.  A segunda –  a Congregação Mariana – compunha-se de jovens adolescentes e adultos que assistiam e participavam das missas, novenas, etc. e, também se reuniam em grêmios literários que promoviam encontros e palestras.Como diversão eles tinham a prática do futebol campinho que ficava atrás da Igreja. Esse campinho tinha uma trave junto ao muro que dá para a Avenida Vasco da Gama e, a outra ficava colada à parede da marcenaria da igreja. Depois que o campo mudou sua posição, e ficou maior, junto àquela parede foi construída uma quadra de futebol de salão. Várias equipes se revezaram naquele pequeno espaço, sob o comando de Frei Albino. (…)

Os mais velhos tinham os “bate-bolas” nos sábados à tarde. Dessas peladas, e de jogos contra equipes visitantes, surgiu a ideia de se formar uma equipe a fim de pelejar com outras dos bairros vizinhos, e do próprio bairro de Jaguaribe. Assim apareceu o Estrela do Mar Esporte Clube, nome originário de uma revista religiosa que circulava entre os paroquianos. A denominação do clube foi sugerida por um componente de grupo que se reuniu para discutir qual o nome da que daria a nova agremiação futebolística. “Baú”, apelido do irmão do excelente jogador do Botafogo e Seleçao Paraibana de nome Eugênio, foi a pessoa que apresentou o nome ESTRELA DO MAR e que logo recebeu a aprovação de todos.

 

As cores do novo clube foram com base nas vestes da Virgem Maria – o azul celeste e o branco – , que ainda hoje continuam inalteradas, mas na lembrança dos apaixonados pelo clube. Frei Albino, um dos fundadores e incentivadores da prática desse esporte, era a mola-mestra, o esteio que sustentava a agremiação. De um pequeníssimo campo e uma sede precária, o frade conseguiu transformar tudo aquilo. Com esforço e dedicação conseguiu verbas na Alemanha, destinadas à agremiação para construir o prédio que serviu de sede do clube e, também, autorização para ampliar a área esportiva (como esteve por muitos anos à vista de todos).

 

Em 1956 o clube participou do campeonato de amadores promovido pela Federação (não havia segunda divisão naquela época), sendo campeão invicto da temporada. Dessa jornada participaram: Brandão, André, Pinheiro, Hélio, Breno Formiga, Gilberto Cara de Gato, Hermes Taurino, Caju, J. Heráclito, Roberto Biribita, Izinho, Valdecir Pereira, Adjamir, Carrinho e Lauro Almeida.

 

O Estrela do Mar foi tri-campeão aspirante nos anos 58/59/60. No ano de 1957 o clube passou a disputar o Campeonato Paraibano de Profissionais. Foi vice-campeão paraibano em 1958, e, em 1959, sagrou-se campeão estadual (Imagem 1), utilizando nessa temporada os seguintes atletas: Jola, Carrinho, Davi, – Gilberto Cara de Gato, Tem. Gilberto e Aderbal Pitombeira (goleiros), Hermes Taurino e Teófilo Luna, Coelhinho, Caju, Lúcio Câmara, Izinho (Antenor Pereira), Emilson Adjamir, Valdecir Pereira, Celso Piaba (Imagem 2). Os diretores: Severino Holanda, mais conhecido por “Viu” e Lucemar Navarro; Pedro Gomes; Rômulo Camboin, a que todos o chamavam Senhor Pila e João Batista Cruz, foram os colaboradores eficientes na vida do clube. Depois deles, os antigos pupilos – “as crias de casa” -, conduziram, bem ou mal, os destinos do clube até o ano de 2003 quando foi extinto.

 

Imagem 1. Notícia publicada no jornal “A União” em 1959

Imagem 2. Atletas que faziam parte do time campeão paraibano de futebol de 1959

O clube, desde a morte de Frei Albino, passou a ser dirigido por sócios-atletas, isto é, pelos jovens de antigamente, a exemplo de Marcos Macena, de José Freire, de Carlos Pereira (Carrinho), de Emilson, de Roberto Oliveira, de Jobério Martins, de Gladston Castro (Estaca) que foi o último presidente. *[1]

 

* Trecho retirado do livro  “Retratos De Jaguaribe: Um Passeio Histórico” de autoria de Emilson Ponce de Leon Ribeiro.

[1] RIBEIRO, E. P. L.  Retratos De Jaguaribe: Um Passeio Histórico. 2ed. João Pessoa: Mídia Gráfica e Editora, 2012, v.1, 350 p.

 

Fonte: Estrela do Mar Esporte Clube e Jornal “A União”.

 

Matéria do Jornal do Dia Esportivo (Ano II – Porto Alegre, Sexta-feira, 5 de Novembro de 1948), tratando da disputa entre Grêmio e Cruzeiro valendo a Taça Cidade de Porto Alegre de 1948, a partida foi marcada para o Estádio Tiradentes (G. E. Renner) para o dia 07 de novembro de 1948, Seguem abaixo os recortes que promoviam esta partida e destacavam alguns jogadores das duas equipes.

Fontes: Jornal Dia Esportivo

 

Pelo Citadino de Porto Alegre de 1947, vitória do Força e Luz sobre o Internacional por 3-2. A partida foi válida pelo segundo turno do certame, o resultado atrapalhou os planos do Internacional e forçou a disputa de um Terceiro Turno. Acompanhe agora a matéria e as fotos publicadas no Jornal Folha da Tarde, do dia 13/10/1947.

Ficha do Jogo

FORÇA E LUZ 3 2 INTERNACIONAL
Data: 12/10/1947 [Domingo], Local: Timbaúva (Porto Alegre, RS), Público: 5.496 (2.211 pagantes), Renda: Cr$ 17.316, Juiz: Homero Carvalho (BRA), Gols: Tesourinha (I) aos 27′, Detefon (FL) aos 33′, Dorvalino (FL) aos 40′, Villalba (I) aos 56′, Nadir (FL) aos 97′.
Força e Luz (Porto Alegre, RS) Cláudio, Hugo, Sordi, Povonovo, Ernesto, Alegreti, Jerônimo, Dorvalino, Detefon, Nino, Nadir.
Internacional (Porto Alegre, RS) Ivo, Nena, Ilmo, Alfeu, Viana, Abigail, Bóris, Tesourinha, Villalba, Fandiño e Carlitos.

 

Fonte: Folha da Tarde e Site Súmulas-Tchê.

 

 

Em 1972 a Seleção Brasileira Juvenil (como era chamado o Sub-20) foi bi-campeã do Torneio Internacional de Cannes, na França, que era uma espécie de Mundial da categoria, a Fifa só viria a promover o Mundial à partir de 1977.
Ao ganhar duas vezes consecutivas o Brasil conquistou a posse definitiva da taça Kirk Lawton, que estava em disputa há 21 anos.
O jovem e promissor zagueiro do Coritiba, Levir Culpi, era o capitão dessa equipe que ainda contava com Falcão (Internacional) eleito o “mais elegante” do torneio, Pintinho (Fluminense), Washington (Guarani) o “melhor jogador” do torneio,  entre outros.

Campanha

Quartas de final
Brasil 3×1 Sporting
Argentina 1×1 Leeds United               [7x3 escanteios]
União Soviética 5×0 AS Cannes
Hajduk Split 1×0 França
Semi finals  (1º ao 4º)
Brasil 2×0 União Soviética
Argentina 2×1 Hajduk Split
Semi finais  (5º ao 8º)
Sporting   5×0 AS Cannes
França 3×1 Leeds United
Final
Brasil 2×1 Argentina

Disputa do 3º colocado
União Soviética - Hajduk Split

Disputa do 5º lugar
França 4×2 Sporting


Disputas do 7º lugar
Leeds United 8×0 AS Cannes

A final

Brasil 2×1 Argentina

Brasil
Victor (Cruzeiro),Terezo (América-RJ), Márcio (Atlético-MG), Levir (Coritiba) e Bolívar (Internacional). Falcão (Internacional), Pintinho (Fluminense) e Washington (Guarani). Tuca (Botafogo), Gilvan (Náutico-PE) (Carlos (Santa Cruz)) e Manuel (Internacional). Tecnico: Antoninho

Argentina
Delenico, Bottaniz, Mouzo, Chirdo e Isamat. Ungaretti, Alonso e Trossero. Assad, Feredo e Bertoni.

 

Fonte: site melhor da base e tardes de pacaembú

 

 

 

Época que Campinas era a “Capital do Futebol” nas Categorias de Base, celeiro de grandes jogadores, Base das Seleções Brasileiras Sub-15, 17 e 20, geração de ouro da ‘Macaca’, praticamente atropelavam os adversários.
Equipe de grandes craques, destaque para o Goleiro Brigatti, Campeão Sul-Americano e Mundial Sub-20 de 1983 com a Seleção Brasileira, o Volante Régis, Campeão Brasileiro de Seleções de 1983 com a Seleção Paulista Sub-20 e Mundial, com a Seleção Brasileira Sub-20, também em 1983.

Equipe de muita qualidade e conjunto, que contava com dois Laterais muito eficientes, Eduardo pela Direita e Carlinhos (Também Campeão Brasileiro de Seleções, com a Seleção Paulista Sub-20 de 1983) pela Esquerda.

O Zagueiro Teffo, apesar de ser um dos mais novos, era o Capitão da equipe e um dos líderes do grupo, também com passagens por Seleções Brasileiras Sub-17 e 20 e Reginaldo seu companheiro de zaga.

Meio-Campo de muita habilidade, técnica e velocidade que envolvia os marcadores, com os ‘baixinhos’  no tamanho, mas gigantes em campo: Léo e Márcio Luiz, e um ataque que contava com os velozes e habilidosos: Ivo, Luiz Carlos e o matador Marcelo Evangelista (Testa).

 

FONTE: site melhor da base

 

 

 

Antecedentes

O Brasil em 1972 vivia sob o regime militar, liderado pelo então presidente Médici. No campo esportivo e, porque não, no campo político, a Seleção Brasileira, Tricampeã em 1970 era um motivo de orgulho para a nação.

Naquele ano de 72, o técnico Zagallo convocou a seleção canarinho para a Taça Independência, em comemoração aos 150 anos de emancipação do País.

Na convocação, Zagallo não chamou nenhum jogador do Rio Grande do Sul, quando era esperada a convocação do jogador do Grêmio, o tricampeão Everaldo e do centroavante Claudiomiro, que vivia uma grande fase no Internacional.

A discussão não era com relação aos jogadores de Rio e São Paulo, pois, sem sombra de dúvida, tinham o melhor futebol do país na época. A celeuma era no que condizia à convocação dos jogadores de Minas Gerais, que rivalizava com o Rio Grande do Sul como terceira força do futebol brasileiro.

Tal fato gerou algo inusitado: a união de gremistas e colorados contra a Confederação Brasileira de Desportos.

O presidente da Federação Gaúcha de Futebol na época, Rubens Hoffmeister, agiu nos bastidores de modo a realizar um amistoso contra a seleção brasileira antes da Taça Independência.

Após muitas conversas, o jogo foi marcado para 17 de junho de 1972 no Estádio Beira-Rio.

A Seleção Brasileira vinha com craques como Leão, Brito, Marco Antônio, Clodoaldo, Piazza, Rivellino, Jairzinho e Paulo César Cajú, liderados pelo técnico Zagallo.

Já a Seleção Gaúcha, contava com jogadores apenas da dupla Grenal, incluindo o uruguaio Ancheta, o chileno Figueroa e o argentino Oberti. O treinador era Aparício Viana e Silva, o Apa.

Polêmicas

Zagallo criticou a convocação dos jogadores apenas da dupla Gre-nal, pois queria que fossem chamados jogadores também dos outros clubes do Estado.

Chegou a dizer que era um combinado local e não uma legítima seleção estadual.

A crítica do velho lobo tinha como alvo João Saldanha, visto que Aparício tinha sido olheiro do treinador na seleção em 1969.

Jairzinho afirmou que teriam pedido o passaporte para os jogadores da seleção no aeroporto de Porto Alegre e temia pela violência dos jogadores gaúchos no amistoso, o que acirrou ainda mais o clima de guerra da partida.

A partida

O Beira-Rio estava lotado, naquele dia recebeu o maior público de sua história.

A seleção brasileira usara o seu tradicional uniforme com camisetas amarelas e calções azuis, enquanto a seleção gaucha utilizou uniforme branco, com detalhes nas cores da bandeira do Rio Grande do Sul.

Os torcedores estavam exaltados. Reza a lenda que até bandeiras do Brasil foram queimadas antes do início da partida, fato não confirmado pela imprensa local.

Entretanto, os dois times entraram em campo segurando uma grande bandeira brasileira.

Uma vaia grandiosa foi ouvida no estádio quando foi tocado o hino nacional.

O jogo terminou empatado em 3×3, sendo que a seleção gaúcha sempre esteve a frente no placar.

Quando o jogo terminou empatado, o treinador Zagallo correu e comemorou eufórico junto à comissão técnica.

Os gols do Brasil foram marcados por Jairzinho, Paulo César Cajú e Rivellino. Pela Seleção Gaúcha, marcaram Tovar, Carbone e Claudiomiro.

O Brasil jogou com Leão (Sérgio) – Zé Maria, Brito, Vantuir e Marco Antônio; Clodoaldo, Piazza e Rivelino; Jairzinho, Leivinha e Paulo César Caju.

Os gaúchos atuaram com Schneider, Espinosa, Figueroa, Ancheta e Everaldo; Carbone, Tovar e Torino; Valdomiro, Claudiomiro e Oberti (Mazinho).

Estádio: Beira-Rio, público: 106.554 pagantes.

 

Fontes: Jornal do Brasil, GloboEsporte, Wikipédia e Nilo Dias Repórter.  

 

 

FONTE: Revista Placar.

 

 

FONTE: site Revide.

 

 O Botafogo Futebol Clube de Ribeirão Preto é um dos poucos clubes de que já venceu o tradicional Boca Júniors em solo Argentino.

Em 11 de Julho de 1971, o clube ribeirão-pretano venceu o time portenho por 5 x 3. 

O jogo foi realizado no estádio Dr. Luis Güemes em Salta.

As duas equipes já haviam se enfrentado anteriormente, em La Bombonera, em 1962, quando os anfitriões venceram por 2 x 1.

Ficha do Jogo:

Boca Júniors: Roma, Meléndez e Marzolini; Suñe, Cabrera (Peracca) e Rogel; Coch (Pianetti), Medina, Curioni, Savoy e Tarabini.

Botafogo-SP: Jeninho; Manuel e Luis Celso; Galli, Cunha e Jackson; Paulinho, Marco Antônio, Ferreyra, Alfredo e Geraldinho (Geraldo).

 Estádio: Dr. Luis Güemes – Salta (ARG).

 Árbitro: A. Ducatelli

 Renda: $ 4.818,000.

 Gols: Paulinho (bota), Ferreyra (2) (bota), Savoy (boca), Marco Antônio (bota), Curioni (2) (boca).

Fonte: Anotando Fútbol, Revide e Botafogo Futebol Clube.

 

 

 

Associação Rosário de Futebol. Clube de futebol da cidade de Rosário do Sul . Fundação: 7 de fevereiro de 1977. Estádio: Centenário – Alcides da Silva

Fonte: Rosário do Sul em fotos.

 

 

Em pé: Oliveira,Beto,Jota Alves,Abel,Castilho,Carlinhos. Agachados: Quarentinha,Pau Preto,Édson Piola,Milton Dias e Ércio.

Fonte:Enciclopédia do Futebol Paraense

 

 

 

FONTE: Revista Placar.

 

 

 

No dia 02 de abril de 1978, ainda de camisa azul, o Criciúma fez o primeiro jogo da sua história, em um amistoso contra o Clube Náutico Marcílio Dias de Itajaí.

 Fonte: site Criciúma E. C.

 

Fonte: Site Juventus Santa Rosa

 

De pé, da esquerda para a direita, o roupeiro Faustino, Bordão, Lambari, Chicão, Luia, ? , Ismar, Bilu, ? , e o treinador Braulio Blos. Agachados, na mesma ordem, o massagista Edo Schein, Flávio, Ivan, Auri, Paulo Schuh e Silvio.

No ano de 1978, a Federação Gaúcha de Futerbol convocou jogadores amadores, formando uma seleção, que disputou alguns jogos amistosos. O 15 de Campo Bom, além do treinador Braulio Blos, colaborou com os jogadores Luia, Ismar, Bilu, Ivan e Paulo Schuh. Também prestaram serviços o roupeiro Faustino e o massagista Edo Schein.

Esta seleção teve também jogadores do Riachuelo, de São Sebastião do Caí, Juventude, de Ibirubá, e do Juventus, de Encruzilhada do Sul.

Fonte: Clube 15 de Campo Bom.

 

 

 

Fonte: Museu Virtual do Futebol

 

 

 

FONTE: Museu Virtual do Futebol

 

Em um dia como hoje, há 113 anos (06/03/1904), realizou-se o Troféu Wanderpreis, a primeira partida oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense disputada contra o time do FussBall Club Porto Alegre.

A partida foi realizada em campo não conhecido, possivelmente da várzea, e foi ganho pelo Grêmio pelo placar de 1 x 0.

Segue a ficha do jogo:

Troféu Wanderpreis:

Fussball 0 x 1 Grêmio

Data: 06/03/1904.

Horário: 15:30.

Local: desconhecido.

Árbitro: Waldemar Bromberg

Gol: desconhecido.

Escalações:

Fussball: Schoeler (C), O. Matte, A. Matte, W. Trein, Schmitt, Schaitza, A. Becker, O. Becker, Heuser, Krämer e E. Becker.

Grêmio: Siebel (C), Knewitz, Fädrich, Uhrig, Pedro Huch, A. Siebel, Black, Cattaneo, Cleres, J. Knewitz e Stelczyk.

Jornal “A Federação” do dia 07/03/1904, pós jogo:

 

Fonte: site grêmiopédia.

 

O campeonato gaúcho de 1919 foi primeiro campeonato regional do Estado do Rio Grande do Sul, organizado pela recém-criada Federação Riograndense de Desportos.

Originalmente, fariam parte do campeonato as equipes vencedoras de sete importantes cidades do Estado: Grêmio (Porto Alegre), Nacional (São Leopoldo), Guarany (Bagé), representante de Cruz Alta (sem referências), Brasil (Pelotas), Uruguaiana (Uruguaiana) e 14 de julho (Santana do Livramento).

Entretanto, 5 clubes perderam o prazo peremptório estabelecido pela Federação para a inscrição de atletas, restando assim, apenas Grêmio e Brasil de Pelotas para a disputa de uma espécie de “final em jogo único”.

O vencedor, levaria o título de primeiro campeão gaúcho da história, além de ser convidado para participar do Torneio de Campeões Estaduais, organizado pela CBD, no ano de 1920 no Rio de Janeiro.

Os finalistas:

O Grêmio Sportivo Brasil (depois Esportivo, com a nacionalização do nome) credenciou-se à disputa do título após sagrar-se tricampeão da Liga Pelotense. Título conquistado de forma invicta naquele ano de 1919. Disputaram a liga em 1919: Brasil, Guarany, Ideal, Rio Branco, União e o arquirrival Pelotas.

Em 3 anos, a equipe havia sofrido apenas uma derrota, ocorrida no ano de 1917, para o mesmo Grêmio, por 2-1.

Na época, somente o zagueiro Ary não participou daquele “match”.

Segundo fontes, o defensor era o único do plantel não nascido em Pelotas. Havia sido trazido do Sport Club Internacional no início de 1919.

Os demais jogadores eram pratas da casa do clube pelotense.

 Foto: equipe do Brasil de 1919

o Grêmio FootBall Portoalegense, chegou para a disputa do título após ter se sagrado campeão do Campeonato Citadino de Porto Alegre.

Naquele ano, o campeonato foi disputado por Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Porto Alegre, Tabajara e São José.

 Na final, o Grêmio venceu o São José pelo placar de 3×2.

O local do jogo.

A partida foi marcada pela Federação para às 16h do dia 9 de novembro de 1919 no “Ground do Moinhos de Vento”, como era chamado o estádio do Fortim da Baixada, pertencente ao Grêmio FootBall Portoalegrense.

Com isso, até mesmo os sócios tricolores, tiveram que comprar ingresso para assistir ao match,. Contudo, teriam a preferência para ocupar as dependências do Pavilhão da Baixada.

Na época, os ingressos foram disponibilizados ao preço de 2$00 e 3$00 (arquibancadas).

Segundo informações do Jornal Correio do Povo, do dia 8 de novembro de 1919, cada cavalheiro teria direito de levar duas senhoritas ou dois cavalheiros como acompanhantes.

As entradas podiam ser adquiridas na Rua do Andradas, 375 (antiga Rua da Praia, no Centro de Porto Alegre).

Foto: pintura do antigo Fortim da Baixada (fonte:www.guascatur.com)


 Antecedentes da partida.

O Brasil, chegou a Porto Alegre na véspera da partida, a bordo do Vapor Mercedes. A delegação foi chefiada pelo seu presidente na época, o Cel. Manoel Simões Lopes.

Ficaram hospedados no Hotel Paris, em Porto Alegre.

Faziam parte da delegação, pessoas influentes do meio esportivo pelotense, mais conhecidos na época como “Sportmans”. Entre eles, Francisco Ferreira, Farias Guimarães e Solon Silveira, além sócios do clube, familiares dos atletas, torcedores importantes e representantes dos demais clubes pelotenses.

Para a partida, a Federação Riograndense de Desportos, convidou o Sr. Fontoura, dirigente do Cruzeiro de Porto Alegre para ser o árbitro.

 O jogo

O Grêmio levada um certo favoritismo para o Match, visto que jogava em casa, apesar do campo ser considerado neutro em face do arrendamento requisitado pela Federação.

Além disso, a única derrota imposta ao Brasil em três anos foi justamente frente ao Grêmio.

O Jornal Correio do Povo, na véspera da partida, referia que o time Gremista com certeza conquistaria o inédito titulo de campeão estadual, amanhã, no Ground do Moinhos de Vento.

Como se vê, o maracanaço portoalegrense ocorreria naquela data, 31 anos antes da Copa do Mundo no Brasil.

O tricolor, apesar do favoritismo da imprensa da Capital, tinha problemas para montar a equipe, pois o goleiro Demétrio e o atacante Bruno eram as dúvidas na escalação.

O “já ganhou” da equipe Porto Alegrense, aliado ao grande entrosamento do time Pelotense, resultaram, no final, em um placar elastico: 5×1 para o Brasil.


Foto: Correio do povo de 11/11/1919.

 

Súmula

 

Final – Jogo Único

Grêmio 1-5 Brasil

Local: Fortim da Baixada (Porto Alegre);

Horário: 16:00

Arbitro: Sr. Fontoura (Pertencente ao Sport Club Cruzeiro)

Gols: Proença (B) aos 12′, Correa (B) aos 19′, Máximo (G) aos 28′,

Proença (B) aos 49′, Alvarizza (B) aos 51′ e Proença (B) aos 71′;

GRÊMIO: DEMÉTRIO Silveira; Pedro PINTO e Jorge Tavares PY; DORIVAL Fonseca, Francisco Fernandes – CHIQUINHO e Luiz ASSUMPÇÃO; Oscar GERTUM, Severino Franco da Silva – LAGARTO, MÁXIMO Laviaguerre, Alcides MENEGHINI e Walter Lewis – LIVI.

BRASIL: Oswaldo FRANCK; Francisco NUNES e ARY Xavier; FLORIANO Lourenço, Pedro ROSSELLI e Waldomiro Victorio – BABA; Jorge FARIA, Alberto CORREA, Pelágio PROENÇA, Ignácio GERLACH e Ismael ALVARIZZA

 

FONTES: Súmulas-Tchê, Wikipédia, RSSSF Brasil, Livro Grêmio Foot-Ball Portoalegrense – Imortal Tricolor, Correio do Povo e Diário Popular.

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha