O Time Negra Carajás Clube (atual Carajás Esporte Clube)  foi uma agremiação da cidade de Belém (PA). Foi fundado em 27 de junho de 1997, com o nome de Carajás Esporte Clube e possuía o laranja, o violeta, o azul e o branco como cores oficiais.

Em 2007, assinou uma parceria com o Paysandu, recebendo jogadores da base do Papão para ganharem experiência. Em troca, mudou seu nome para Time Negra Carajás Clube, e suas cores passaram a ser o preto e o branco.

Em 2016, com o fim da parceria, o clube voltou a adotar o nome de Carajás Esporte Clube, mas com as cores laranja, branca e negra. Como o antecessor, o Time Negra continua mandando suas partidas no Estádio Alfredo Tragni, ou “Ilha do Outeiro“, com capacidade para 5 mil pessoas.

Enquanto se chamou Time Negra, a equipe foi considerada como uma espécie de “Paysandu B“. O nome Time Negra se deve por ter sido o apelido do Norte Club, que deu origem ao Paysandu.

FONTES: Wikipédia – Diário Online – Arrekade

 

 

 

 

 

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

 

 

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

Aproveitando a foto da última postagem, a mesma foi referente ao amistoso entre o E.C. Santarém e Flamengo, em 1976. Abaixo segue as informações sobre essa partida, além da ficha-técnica da peleja.    

 

 Santarém - Em sua 83ª partida este ano (1976), o Flamengo empatou de 0 a 0 com o Esporte Clube Santarém, ontem à noite, no pequeno Estádio Elinaldo Barbosa. A péssima iluminação e o campo desnivelado foram os maiores adversários do clube carioca, que não conseguiu superar a retranca armada pelo time paraense. Pelo jogo o rubro-negro recebeu a cota liquida de 150 mil cruzeiros.

Foi a 3ª vez que o Flamengo jogou em Santarém (PA). Na primeira, em 1943, derrotou uma seleção local por 11 a 0. E na segunda, venceu um combinado formado pelo São Raimundo e São Francisco pelo placar de 5 a 0.

Com muita dificuldade de organizar as jogadas, sobretudo no meio de campo, onde as condições do gramado eram precárias, o Flamengo criou poucas oportunidades de gol no primeiro tempo. No intervalo, o técnico Cláudio Coutinho fez algumas alterações e o Flamengo cresceu de produção, mas não conseguiu aproveitar as chances que surgiram.

Após ter vendido o Nacional, em Manaus, por 2 a 0, na última quarta-feira (08 de Dezembro de 1976), o Flamengo segue hoje (sábado, dia 11 de Dezembro de 1976) para Macapá (AC), onde jogará amanhã com uma seleção local. Depois a delegação vai para Belém (PA), onde enfrentará o Clube do Remo. Na quinta-feira (16 de Dezembro de 1976) estará em São Luís (MA), jogando contra o Moto Club.

Os ingressos foram vendidos pelos seguintes preços: arquibancada custou 30 cruzeiros e as cadeiras foram vendidas por 150 cruzeiros para o Estádio Elinaldo Barbosa, com capacidade para 5 mil pessoas.

E.C. SANTARÉM (PA)

0

X

0

C.R. FLAMENGO (RJ)

LOCAL Estádio Elinaldo Barbosa, em Santarém (PA)
CARÁTER Amistoso Nacional de 1976
DATA Sexta-feira, no dia 10 de Dezembro de 1976
RENDA Entorno de Cr$ 230.000,00
ÁRBITRO Francisco Inbiriba (Federação Paraense de Futebol)
HORÁRIO 22 horas (21 horas local)
SANTARÉM Pedrinho; Laurimar, Odair, Dias e Ocimar; Miro, Juti e Lúcio; Bendelapi, Jeremias e Mano. Técnico: Cleomar Ferreira
FLAMENGO Cantareli; Toninho, Dequinha, Jaime e Júnior (Vanderlei Luxemburgo); Merica, Adílio e Luís Paulo (Dendê); Paulinho (Júnior Brasília), Zico e Luisinho Tombo. Técnico: Cláudio Coutinho
GOLS Nenhum

FONTES: Jornal do Brasil (JB) – Jornal do Commercio (AM) – Blog ‘O Mocorongo’ de Ercio Bemerguy - Acervo Raimundo Gonçalves

 

FONTE: Acervo de Raimundo Gonçalves

 

O Santa Rosa Esporte Clube é uma agremiação da cidade de  Icoaraci, um distrito pertencente a Belém (PA). O Alvianil foi Fundado no Domingo, do dia 06 de Janeiro de 1924. A sua Sede está localizada na Rua Siqueira Mendes, nº 269, no Bairro Cruzeiro, do Distrito de Icoaraci, em Belém.

A equipe manda os seus jogos no Estádio Abelardo Conduru, com capacidade para 3.500 pessoas. Atualmente disputa o Campeonato Paraense da Segunda Divisão de 2017.

Durante a fase seletiva do Campeonato Paraense da Segundona de 2011, o Santa Rosa foi transferido de Icoaraci para a cidade de Castanhal. Em 2010, sediou os jogos em Mãe do Rio. Para 2017, firmou parceria com o Atlético Tucumã, utilizando o estádio Lago do Tigre para os jogos como mandante.

FONTES: Página do clube no Facebook – Wikipédia – Federação Paraense de Futebol (FPF)

 

Nome Oficial: Grêmio Esportivo 5 de Maio
Fundação: 05/05/1939
Status Atual: Extinto
Bairro: Água Verde
Cidade: Curitiba
Estado: Paraná
Cores: Grená e branco
Estádio: Estádio 5 de Maio, Curitiba, Paraná (em frente à Arena da Baixada).

Participações (incompleto):
Campeonato da 2ª Divisão de Amadores da FPF (Liga Suburbana): 1942, 1944 (campeão), 1945 (campeão), 1946, 1947 (campeão), 1950, 1953

História:
“O Grêmio Esportivo 5 de Maio, fundado pelo saudoso Alvim Jareski em 1939, no bairro Água Verde, e que tinha campo para realização de festivais esportivos bem defronte ao Estádio Joaquim Américo, do Atlético. Se estivesse em atividade, estaria comemorando hoje 75 anos.
O clube da camiseta grená teve seu período áureo na década de quarenta, quando conquistou os títulos de 1944, 1945 e 1947, mantendo por longos anos a famosa equipe formada por Tadeu (Ivanoski) ou Japonês, Afonsinho e Beethoven, Manoelzinho (Roldão), Nenê, Binho, Alvim (Sílvio), Cherro, Charuto, Polinga e Pimenta (Bolinha).
Além dos títulos acima, foi campeão do Torneio Independência da ACEP, em 1952, do torneio Monte Castelo, Confraternização e Irmãos Romanel, em 1946. Maximino Zanon, em 1948, e Moisés Lupion, em 1954. Levantou o Torneio Início em cinco oportunidades: 1942, 1944, 1946, 1947 e 1950. Além de vários vice-campeonatos e o título de aspirantes em 1953. O 5 de Maio encerrou suas atividade oficiais em 1970, deixando uma lacuna difícil de ser preenchida.” [1]

O seu Estádio (5 de Maio) foi demolido em 1970. Hoje é a Praça Afonso Botelho que fica em frente à Arena da Baixada.

Pesquisa: Levi Mulford Chrestenzen, Fabiano Thadeo (data da fundação, escudo e detalhes sobre o estádio).

Fonte (Escudo):
Livro “Futebol do Paraná 100 anos de História” de Heriberto Ivan Machado e Levi Mulford Chrestenzen

Fontes (Outras informações):
[1] http://www.tribunapr.com.br/blogs/suburbana/data-inesquecivel/

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/colunistas/jose-carlos-fernandes/o-5-de-maio-vive-9mqswxcsr91cxgymc9q0mcz7y

Nas matérias acima podemos ver outros escudos utilizados pelo clube ao longo do tempo.

 

O Clube Atlético Vila Rica é uma agremiação da cidade de Belém (PA). O “Cachorro Doido” foi Fundado no sábado, do dia 27 de Junho de 1987. A sua Sede fica na Travessa Enéas Pinheiro, nº 250, no Bairro Pedreira, em Belém.

Na esfera profissional, o Vila Rica conquistou dois títulos no Campeonato Paraense da Segunda Divisão: 1995 e 2001 e o vice em 2006. Aliás, em 2007, firmou parceria com a prefeitura de Cametá, e com isso adotou o nome de Vila Rica/Cametá, mandando suas partidas na mesma cidade.

Em 2008, mudou-se para Breves, na Ilha de Marajó, utilizando o nome-fantasia Vila Rica/Marajó, tendo no comando técnico Fran Costa. Em 2009, retornou para Belém e voltou a ter o nome original.

Na Elite do Futebol Paraense, o “Cachorro Doido” estreou em 1996. A campanha foi decepcionante, terminando na 9ª e última colocação, com apenas três pontos em 16 jogos (três empates e 13 derrotas; marcando oito gols e sofrendo 47).

Após campanhas modestas, na Segundona de 2001, o Vila Rica voltou a brilhar. Com a participação de seis equipes, a fórmula de disputa foi simples. Com as agremiações jogando em turno e returno.

No final, o “Cachorro Doido” se sagrou campeão de forma invicta! Ao todo, foram 10 jogos e 24 pontos (quatro a mais do que a vice-campeã Ananindeua): foram sete vitórias e três empates; marcando 22 gols, sofrendo sete, com um saldo de 15.

De volta a Primeira Divisão do Pará em 2002, a esperança era fazer uma boa campanha e conquistar a primeira vitória, já que na sua estreia em 1996 não venceu nenhum jogo.

Porém, o Vila Rica voltou a decepcionar, terminando na última colocação, sem nenhum ponto conquistado: foram nove jogos e o mesmo número de derrotas, marcando 11 gols e sofrendo 28.

Como não teve rebaixamento, o Vila Rica voltou a participar da Primeirona em 2003. Novamente, o clube não conseguiu fugir da lanterna. Porém, conquistou a sua primeira vitória.

O triunfo aconteceu na estreia, no domingo do dia 24 de novembro, quando venceu o São Raimundo, fora de casa, por 3 a 1. Os gols da partida foram assinalados por Peruca para os donos da casa, enquanto Marcelo Lemos marcou os três gols do Vila Rica.

Apesar do bom início, o clube acabou amargando a lanterna: foram nove jogos, com uma vitória, um empate e sete derrotas; marcando nove gols, sofrendo 22 tentos.

Sem rebaixamento, o Vila Rica retornou em 2004, tentando fugir da última colocação. E conseguiu, mas só subiu um degrau, terminando na 13ª e penúltima posição (nove jogos, com duas vitórias, um empate e seis derrotas; assinando 12 e sofrendo 21). Com a volta do descenso, acabou caindo para a Série B.

Em 2005, o Vila Rica terminou a Segundona na 4ª colocação. No ano seguinte (2006), a competição foi acirrada e três clubes terminaram invictas: Tiradentes, Vila Rica e Izabelense. Melhor para os dois primeiros que somaram 14 pontos, enquanto o terceiro ficou com 12.

O retorno a Elite do Futebol Paraense em 2007, o Vila Rica, mais uma vez, voltou a fazer uma campanha pífia. Fechou em 14º e último lugar: nove jogos, com uma vitória, quatro empates e quatro derrotas; marcando sete gols e sofrendo 15.

Sem descenso, em 2008, lá estava o Vila Rica na Primeirona. Porém, dessa vez, o “Cachorro Doido” surpreendeu. Na primeira fase, sem a presença dos grandes, o clube terminou na 1ª colocação, dentre nove clubes: seis vitórias e dois empates; marcando 17 e sofrendo seis. Na fase final, já com a participação dos grandes, o Vila Rica terminou na 6ª colocação. A melhor campanha na sua história até aquele momento.

Em 2009, voltou a fazer boa campanha. Na primeira fase terminou na 2ª colocação (sem a presença dos grandes). Na fase final, já com a participação dos grandes, o Vila Rica voltou a fechar na 6ª posição.

Após duas boas temporadas, o ano de 2010 foi o retorno a realidade. Dentre 14 clubes, terminou na 13ª posição e acabou rebaixado. Após temporadas sem brilho, em 2017, o Vila Rica chegou às Quartas de Final, porém acabou sendo eliminado pelo Izabelense por 3 a 0, no último sábado (18/11/17), no Estádio Edilson Abreu, em Santa Izabel, dando adeus ao sonho de retornar para a Elite do Futebol Paraense.

 

FONTES: Wikipédia – Blog Rodada Paralela – Rsssf Brasil – Súmulas da Federação Paraense de Futebol (PA)

 

Em pé, da esquerda para a direita: Ambrósio, Penachio, Neuri, Café,  Mota e Nelson Coruja.

Agachados, na mesma ordem: J. Alves, Cabinho, Gildo, Milton e Marco Aurélio.

 

Fonte: Jornal da Tarde

 

OBS: O zagueiro Carlos Alberto Penachio  jogou no América F.C. de São José do Rio Preto, no Uberaba S.C., Sport Club Recife, Clube Atlético Paranaense e no São Paulo Futebol Clube.

No Tricolor paulista atuou entre os anos de 1963 e 1966.

Faleceu na data de 10 de novembro de 2017, aos 71 anos de idade.

 

 

O Paraense Sport Club é uma agremiação da cidade de Marituba, que conta com uma população de 127.858 habitantes (segundo o Censo do IBGE/2017) fica apenas 11 km da capital (Belém) do Pará.

O Tricolor Maritubense foi Fundado no Domingo, do dia 25 de Novembro de  2012. A sua Sede administrativa está situado na Rua da Pirelli, Conj. Beija Flor – Qd. 29, nº 16, no Bairro Nova Marituba, em Marituba.

Uma curiosidade é que o presidente executivo do Paraense Sport Club é Carlos Lisboa, que é pai do jogador Yago Pikachu, que atualmente defende o Vasco da Gama desde 2016.

Após de conseguir o patrocínio da Prefeitura de Marituba, por meio do prefeito Mário Filho (PSD), Carlos Lisboa oficializou a profissionalização do clube no dia 1º de Setembro de 2017. As cores azul, branca e vermelha é uma homenagem em dose dupla, uma vez que são as mesmas das bandeiras de Marituba e também do Estado do Para.

Além de Carlos Lisboa como presidente executivo, a diretoria é constituída por:

Presidente - Marco Antonio Garrido;

Vice-presidente - Marcus Vinicius Garrido;

Diretoria Executiva – Carlos Augusto Lisboa da Silva e Ney Santos.

O Vice-presidente da FPF Mauricio Bororó , Chefe de gabinete da Presidência FPF Raimundo Feliz e o Diretor de Registro da FPF Juarez Scotta entregaram a Portaria de profissionalização de clube ao Presidente do Paraense Sport Club.

O clube debutou no Campeonato Paraense da Segunda Divisão de 2017. A cidade já conta com outro participante na competição: Sociedade Desportiva Paraense.

Contudo, a campanha não foi boa. O Paraense estava no Chave A3, juntamente com Tapajós Futebol Clube, Clube Atlético Vila Rica, Santa Rosa Esporte Clube, Gavião Kyikateje Futebol Clube. O clube terminou na 5ª e última colocação com quatro jogos e apenas um ponto (um empate e três derrotas; com um gol pró e 14 contra). E acabou ficando de fora da seqüência da Segundona.

 Time: Paulo Victor; Índio, Gil, Baiano e Jairinho; Myke, Poe, Franck e Juninho; Léo Oliveira e Bruno Lopes (Cap.). Reservas: Paulo Eduardo, Alexandre Magno, Tico, Patrick, Thiago, Negrete e Yuri. Técnico: Doriney Pereira.

FONTES: Wikipédia – Futebol do Norte – Súmulas da Federação Paraense de Futebol (PA)

 

FONTE: Folha do Povo (MA)  

 

Taça Fares Lopes – 2017

 

 

Participantes
Caucaia (Caucaia Esporte Clube) – Caucaia
Ceará B (Ceará Sporting Club) – Fortaleza
Floresta (Floresta Esporte Clube) – Fortaleza
Fortaleza B (Fortaleza Esporte Clube) – Fortaleza
Guarani(J) (Guarani Esporte Clube) – Juazeiro do Norte
Horizonte (Horizonte Futebol Clube) – Horizonte
Icasa (Associação Desportiva Recreativa e Cultural Icasa) – Juazeiro do Norte
Iguatu (Associação Deportiva Iguatu) – Iguatu
Itapipoca (Itapipoca Esporte Clube) – Itapipoca
Tiradentes (Associação Esportiva Tiradentes) – Fortaleza

1ª Fase

19/08/2017 – 1ª Rodada
Guarani(J) 1×0 Iguatu
Floresta 6×0 Itapipoca

20/08/2017 – 1ª Rodada
Icasa 0×0 Caucaia

22/08/2017 – 1ª Rodada
Ceará B 2×0 Tiradentes

27/08/2017 – 2ª Rodada
Itapipoca 1×2 Guarani(J)

29/08/2017 – 2ª Rodada
Caucaia 0×0 Ceará B

30/08/2017 – 2ª Rodada
Horizonte 0×0 Icasa
Fortaleza B 2×1 Iguatu

02/09/2017 – 3ª Rodada
Iguatu 0×0 Floresta
Ceará B 2×0 Horizonte

03/09/2017 – 3ª Rodada
Tiradentes 1×2 Caucaia

06/09/2017 – 3ª Rodada
Guarani(J) 0×0 Fortaleza B

09/09/2017 – 4ª Rodada
Floresta 1×0 Guarani(J)

10/09/2017 – 4ª Rodada
Icasa 2×0 Ceará B

13/09/2017 – 4ª Rodada
Itapipoca 2×4 Fortaleza B
Horizonte 1×1 Tiradentes

16/09/2017 – 5ª Rodada
Iguatu 2×0 Itapipoca

21/09/2017 – 5ª Rodada
Fortaleza B 0×2 Floresta
Caucaia 1×0 Horizonte
Tiradentes 1×3 Icasa

Classificação

Grupo A1
1 – Floresta – 10pts
2 – Fortaleza B    - 7pts
3 – Guarani(J) – 7pts
4 – Iguatu – 4pts
5 – Itapipoca – 0pt

Grupo A2
1 – Icasa – 8pts
2 – Caucaia – 8pts
3 – Ceará B – 7pts
4 – Horizonte – 2pts
5 – Tiradentes – 1pt

2ª Fase – Quartas-de-final

30/09/2017 – Ida
Horizonte 1×0 Floresta
Iguatu 3×2 Icasa

01/10/2017 – Ida
Guarani(J) 1×1 Caucaia

05/10/2017 – Ida
Fortaleza B 1×1 Ceará B

07/10/2017 – Volta
Floresta 2×1 Horizonte

08/10/2017 – Volta
Icasa 0×2 Iguatu
Caucaia 0×1 Guarani(J)

11/10/2017 – Volta
Ceará B 1×2 Fortaleza B

Classificação

Grupo B1
1 – Floresta – 3pts
2 – Horizonte – 3pts

Grupo B2
1 – Iguatu – 6pts
2 – Icasa – 0pt

Grupo B3
1 – Fortaleza B – 4pts
2 – Ceará B – 1pt

Grupo B4
1 – Guarani(J) – 4pts
2 – Caucaia – 1pt

3ª Fase – Semifinal

15/10/2017 – Ida
Guarani(J) 2×4 Floresta

18/10/2017 – Ida
Iguatu 1×1 Fortaleza B

21/10/2017 – Volta
Floresta 1×2 Guarani(J)

26/10/2017 – Volta
Fortaleza B 2×2 Iguatu

Grupo C1
1 – Floresta – 3pts
2 – Guarani(J) – 3pts

Grupo C2
1 – Fortaleza B – 2pts
2 – Iguatu – 2pts

4ª Fase – Final

01/11/2017 – Ida
Fortaleza B 1×1 Floresta

04/11/2017 – Volta
Floresta 1×1 Fortaleza B

Floresta campeão

Artilheiro
Felipe (Floresta) 5 gols

Pesquisa: Gerson Rodrigues
Fonte: Súmulas dos jogos no site da FCF

 

FONTE: Acervo de Gabriel Santos

 

O Codó Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Codó, que fica a 290 km da capital (São Luís) do estado do Maranhão. O Tricolor Codoense (nas cores azul, branco e vermelho) foi Fundado na segunda-feira, do dia 1º de Maio de 1995. A equipe mandava os seus jogos no Estádio Municipal Renné de Matos Bayma, com Capacidade para 12 mil pessoas, situado na cidade de Codó.

Na esfera profissional, o Codó Futebol Clube disputou apenas uma edição do Campeonato Maranhense da Primeira Divisão de 1996, organizado pela Federação Maranhense de Futebol (FMF). A competição contou com a participação de nove clubes.

Na primeira fase, onde as equipes se enfrentaram em turno e returno, o Codó fez ótima campanha, terminando na 4ª colocação, com 27 pontos (foram 16 jogos: oito vitórias, três empates e cinco derrotas, com 29 gols pró, 16 contra e um saldo positivo de 13).

Na segunda fase, os oito melhores foram divididos em dois grupos de quatro equipes, o Codó voltou a surpreender e terminou na liderança da sua chave: 10 pontos em seis jogos; três vitórias, um empate e suas derrotas; marcando oito gols, sofrendo quatro e um saldo de quatro.

Com isso, o clube avançou para o Quadrangular Final. Nessa fase, o Codó não foi bem e terminou em 4º lugar (cinco pontos, em seis jogos: uma vitória, dois empates e três derrotas; marcando cinco gols, sofreu nove e um saldo negativo de quatro). O campeão foi o Caxiense (10 pontos); o Sampaio Corrêa ficou com o Vice (nove pontos e três vitórias); enquanto o Moto Club foi o 3º colocado (nove pontos e duas vitórias).

Na sua primeira participação na Elite do Futebol Maranhense, o Codó Futebol Clube terminou na 4ª posição, na classificação geral: 42 pontos (foram 28 jogos: 12 vitórias, seis empates e 10 derrotas, com 42 gols pró, 29 contra e um saldo positivo de 13).

Apesar de ótima campanha, o Codó Futebol Clube se retirou das competições profissionais para não mais retornar. Apesar de uma só edição, o clube deixou saudades do povo codoense.

 

FOTO: Futebol Maranhense Antigo

FONTES: Rsssf Brasil – Wikipédia 

 

 

Associação Atlética Coruripe é uma agremiação da cidade de Coruripe, no litoral Sul do Estado de Alagoas. O “Hulk Praiano” foi Fundado no sábado, do dia 1º de Março de 2003. As suas cores: verdeamarelo e branco. A sua Sede fica localizado na Rua Floriano Peixoto, nº 160 A, no Centro da cidade. O Coruripe manda os seus jogos no Estádio Municipal Gerson Amaral, com Capacidade para 6 mil pessoas.

Como tudo começou

Em 2002, a cidade de Coruripe foi convidada para disputar o campeonato de futebol da AMA (Associação dos Municípios de Alagoas). O convite foi aceito, e logo depois foi montada a Seleção Coruripense, que entrou no torneio sem grandes pretensões mas aos poucos conseguiu avançar e ao final saiu com o merecido título.

No ano seguinte, em 2003, a Seleção Coruripense voltou ao campeonato da AMA, voltou a fazer uma boa campanha e ficou com 3º lugar. Ainda em 2003, um homem de Teotônio Vilela, cidade vizinha, resolveu pedir o campo da Seleção Coruripense emprestado para que seu time, o Teotônio disputa-se o Campeonato Alagoano da 2ª divisão profissional. O responsável, Roswellington Tavares “O Pato” relatou para o então secretário de esportes da época, Maykon Beltrão.

Fundação

Maykon Beltrão vendo a possibilidade de uma equipe profissional na cidade, se juntou com o pai, Sr. João Beltrão e os mesmos tiveram a iniciativa de também colocar uma equipe para a disputar a segunda divisão.

Um dos fatos que mais pesou na decisão dos gestores, foi o grande número de espectadores que acompanhavam as partidas do time amador. Com um time profissional, a cidade ganharia mais visibilidade no estado, além servir como uma forma de lazer para a população.

Com apoio e dicas do clube/empresa Corinthians-AL, que ajudou a inexperiente diretoria a aprender um pouco sobre o mundo do futebol. O Coruripecomeçou a se planejar e montou um time forte, já visando o acesso a elite do futebol alagoano.

Estreia oficial

No dia 15 de junho de 2003 a Associação Atlética Coruripe entrou em campo pela primeira vez para disputar uma partida oficial. A partida aconteceu diante do Bandeirante, pela primeira rodada do grupo A da Segundona 2003. Em campo o Coruripe venceu por 2 a 0, com dois gols marcados pelo jogador Araújo (Vovô), aos 21 e 39 minutos do segundo tempo, cravando assim seu nome na história do verdão.

Principais fatos históricos

2003 - É campeão do Campeonato Alagoano da Segunda Divisão e promovido à primeira divisão

2004 - Surpreende a todos e é finalista do Campeonato Alagoano, mas perde o título para o Corinthians Alagoano. Disputa pela primeira vez o Campeonato Brasileiro – Série C e a Copa do Brasil.

2005 - É novamente finalista do Campeonato Alagoano e perde para o ASA na final

2006 - Derrota o CSA na final e conquista o título inédito do Campeonato Alagoano

2007 - Derrota o ASA na final e conquista o bicampeonato estadual. Nesse mesmo ano faz sua melhor campanha na Série C, tendo terminado em 3° colocado em seu grupo.

2011 - Faz boa campanha no Campeonato Alagoano e chega à final, mas perde o título para o ASA.

2012 - É rebaixado para a Segunda Divisão após uma péssima campanha no Campeonato Alagoano.

2013 - É vice-campeão do Campeonato Alagoano da Segunda Divisão e promovido à primeira divisão.

2014 - Surpreende a todos e conquista o título estadual sobre o CRB, até então bicampeão no estado (2012 e 2013). No mesmo ano disputou o Campeonato Brasileiro – Série D.

2015 - Vence o CSA nos dois jogos da semifinal do Estadual e elimina o time azulino do restante da temporada. Volta a enfrentar o CRB na final, só que desta vez é derrotado por 2×0 no Estádio Rei Pelé e perde o título. Na Copa do Brasil chega à segunda fase, mas é eliminado pelo Cuiabá. Na Série D foi eliminado nas oitavas de final pelo São Caetano.

2016 - É semifinalista do Campeonato Alagoano, mas é eliminado pelo CRB e perde a disputa do terceiro lugar para o Murici, ficando sem a vaga para a Série D.

2017 - No Campeonato Alagoano da 1ª Divisão, o Coruripe não fez uma boa campanha. Dentre as dez equipes participantes, o clube terminou na 8ª colocação, escapando por pouco do rebaixamento. O Sete de Setembro (9º lugar) e Miguelense (10 e último colocado) foram as equipes que desceram para a Segundona Alagoana, em 2018.

HINO – Associação Atlética Coruripe

“Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

Na segundona em 2003, o Coruripe foi a grande sensação.

pois jogando o fino da bola, foi fazendo escola,

vai ser

nosso campeão…

 (refrão) Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

 Com bira e beltrão no comando, e o açúcar

Coruripe no coração,

a seleção alvi verde vai ganhar o passaporte pra primeira divisão.

Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

 (refrão) Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor”.

 

 LINK:  https://www.youtube.com/watch?v=MJn6tbE0vIU 

 

FONTES: Wikipédia – YouTube – Página do clube no Facebook – Federação Alagoana de Futebol (FAF)

 

EQUIPES PARTICIPANTES:

 

EQUIPE CIDADE
001 ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PORTUGUESA SANTOS – SP
002 CLUBE ATLÉTICO JUVENTUS SÃO PAULO – SP
003 CLUBE ATLÉTICO YPIRANGA SÃO PAULO – SP
004 COMERCIAL FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO – SP
005 NACIONAL ATLÉTICO CLUBE SÃO PAULO – SP

 

1º TURNO

 

27.03.1954

YPIRANGA

1-1

JUVENTUS

28.03.1954

PORTUGUESA

2-0

NACIONAL

03.04.1954

YPIRANGA

2-1

PORTUGUESA

04.04.1954

JUVENTUS

2-1

NACIONAL

11.04.1954

COMERCIAL

2-1

PORTUGUESA

17.04.1954

COMERCIAL

3-2

JUVENTUS

18.04.1954

NACIONAL

2-0

YPIRANGA

25.04.1954

PORTUGUESA

2-1

JUVENTUS

25.04.1954

COMERCIAL

1-1

YPIRANGA

08.05.1954

NACIONAL

4-1

COMERCIAL

 

2º TURNO

 

15.05.1954

YPIRANGA

2-1

JUVENTUS

16.05.1954

NACIONAL

2-2

PORTUGUESA

22.05.1954

COMERCIAL

5-1

JUVENTUS

23.05.1954

PORTUGUESA

0-1

YPIRANGA

27.05.1954

PORTUGUESA

3-1

COMERCIAL

30.05.1954

YPIRANGA

0-0

COMERCIAL

06.06.1954

YPIRANGA

1-1

NACIONAL

12.06.1954

NACIONAL

3-0

COMERCIAL

13.06.1954

JUVENTUS

1-1

PORTUGUESA

17.06.1954

NACIONAL

2-0

JUVENTUS

 

 

 

J

V

E

D

GP

GC

PG

01º

NACIONAL

08

04

02

02

15

08

10

04º

YPIRANGA

08

03

04

01

08

07

10

02º

COMERCIAL

08

03

02

03

13

15

08

05º

PORTUGUESA

08

03

02

03

12

10

08

03º

JUVENTUS

08

01

02

05

09

17

04

 

# NÃO HOUVE DECISÃO DO TÍTULO

Fonte: Arquivos do Autor

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: Página do clube no Facebook (fotógrafo Valinhense Haroldo Pazinatto)

 

FONTE: Página do clube no Facebook (fotógrafo Valinhense Haroldo Pazinatto)

 

Campeonato paulista de 1954 – 2ª Divisão de Profissionais

E.C. Taubaté 9 x 2 A.E. Velo Clube Rioclarense (Rio Claro)

Partida realizada na data de 27 de fevereiro de 1955, na cidade de Taubaté

Juiz: Vladimir Alexsandrov

Gols: Berto (6) e Silvio (3) (T) e Tonhão e Araraquara (Velo)

Taubaté: Sérgio, Rubens e Porunga. Ananias, Zé Américo e Ivan. Taino, Durval, Berto, Benedito e Silvio.

Velo: Cabeção, Casonato e Salvador. Valdemar, Milton e China. Tito, Bera, Tonhão, Sampaio e Araraquara.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha