Clube Esportivo Universitário do Espírito Santo

Nome : Clube Esportivo Universitário do Espírito Santo Ceunes
Fundação: 29 de outubro de 1974
Local : Vitória-ES

 

Mais conhecido como Ceunes, ou também Universitário, a equipe foi fundada em 1974 por universitários da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), para difundir a pratica do futebol em competições amadoras, disputando o estadual de profissionais no período em que Rômulo Vello Loureiro era o presidente, mas a equipe sempre teve extrema dificuldade para entrar em campo, Rômulo por exemplo acumulava funções no clube, era presidente roupeiro, massagista. Certa vez o Ceunes não tinha nem 11 jogadores para entrar em campo, nisso era verdadeiro cata-cata onde até o médico entrou em campo.

 

Até por isso não se esperava muito da equipe no estadual de 76 o primeiro do Ceunes, talvez por ser totalmente descompromissada com os resultados e sem pressão por resultados a equipe surpreendeu a todos, a equipe universitária foi para o Grupo A ao lado dos grandes, Rio Branco e Vitória, além de Industrial de Linhares e Guarapari.
Eram 2 grupos com 5 equipes passando os 3 melhores de cada grupo para o denominado Torneio dos Vencedores, e o Ceunes deixou Industrial e Guarapari para trás e avançou podendo se gabar de estar no Torneio dos Vencedores logo em seu primeiro ano da elite. Mas os bons resultados acabaram ali, nas 6 partidas do Hexagonal semifinal o Ceunes perdeu todos os jogos acabando com 0 pontos de 12 disputados.

 

Em 1977 no 2º ano de estadual agora o time universitário era mais “manjado”, e de quebra as dificuldades em botar o time em campo seguiam sendo um grande obstáculo. Pensando nessa dificuldade o Ceunes criou uma tática interessante aos olhos dos dirigentes, cada partida um veterano conhecido do futebol capixaba seria “convocado” para jogar e defender as cores da equipe, assim sempre na intenção de chamar mais público para ver o Ceunes jogar, oque ocorria hora no Estádio Salvador Costa do Vitória hora no Campo do Caxias.
Dentro de campo as 14 equipes jogaram em turno único todos contra todos, os oito melhores avançavam a 2ª fase, os demais disputariam uma repescagem que colocaria o líder direto no quadrangular final, ou seja de eliminado na 1ª fase a equipe teria chance até quem sabe de ser campeã estadual…
O Ceunes passou longe de classificar entre os oito, apenas uma única vitória nas 13 partidas, ela aconteceu fora de casa na 3ª rodada em Nova Venécia diante do Leão de São Marcos por 1×0 no Estádio Zenor Pedrosa Rocha em 19 de junho gol de Baiano aos 17 do 2º tempo.
Depois desta vitória o Ceunes não venceu mais, os melhores resultados foram dois empates em 0×0, um com Santos de Barra de São Francisco outro com São Mateus no Sernamby. Após o fim da 1ª fase a equipe acumulou 10 derrotas em 13 jogos, apenas 5 gols marcados e 25 gols sofridos. O Ceunes devido as dificuldades financeiras cada vez maiores abandonou a competição antes do Hexagonal da repescagem começar, depois disso nunca mais voltou a disputar o estadual outra vez.O dia 17 de julho de 1977 é marcado como a última partida do Ceunes no estadual, ela ocorreu em Barra de São Francisco contra o Santos local no Estádio Municipal Joaquim Alves de Souza com placar de 0×0.

 

Uniformes

 

Algumas partidas de 1976

Rio Branco 2×0 Ceunes
Guarapari 0×0 Ceunes
Rio Branco 3×0 Ceunes
Vitória 5×1 Ceunes
Caxias 3×0 Ceunes
Desportiva 3×0 Ceunes
Ceunes 1×2 São Mateus
Vitória 6×1 Ceunes
Rio Branco 5×2 Ceunes

 

Campanha de 1977
Industrial 2×0 Ceunes
Rio Branco 1×0 Ceunes
Guarapari 2×0 Ceunes
São Mateus 0×0 Ceunes
III de Maio 2×0 Ceunes
Veneciano 2×0 Ceunes
Santo Antônio 4×1 Ceunes
Desportiva 1×0 Ceunes
Leão de São Marcos 0×1  Ceunes
Caxias 1×0 Ceunes
Vitória 6×3 Ceunes
Estrela do Norte 4×0  Ceunes
Santos Barra de São Francisco 0×0  Ceunes

 

Rômulo Vello Loureiro

 

Rômulo não só está na história da equipe Universitária como na história da própria Universidade, ele estava presente quando a UFES se tornou realidade no Campus de Goiabeiras.

A baixo um depoimento do  próprio Rômulo no Livro O Jubileu de Ouro da universidade (2004)
“No início do ano de 1961, o Presidente da República, à época Juscelino Kubitschek, como ato derradeiro de seu mandato, federalizou a Universidade do Espírito Santo (UES). No ano subsequente, mais precisamente em 26 de janeiro de 1962, já no governo de João Goulart, o Ministro da Educação e Cultura, ciente de seus méritos como cidadão probo, cultor do Direito, educador e detentor de uma cultura que impressionava a todos, não teve dúvida em escolher e
nomear o Professor Jair Etienne Dessaune para ser o primeiro reitor da Universidade Federal do Espírito Santo.
Apesar de, com tal designação emanada do Governo Federal, haver passado a ser o detentor de tão importante cargo público, o Doutor Jair Dessaune peregrinou, batendo literalmente de porta em porta nos diversos setores da Administração Pública do nosso Estado.
Estava a recrutar servidores cuja conduta e competência funcionais, no trato da coisa pública, ele conhecia de sobejo devido a sua intensa atividade profissional, para exercerem encargos que lhe possibilitassem organizar e por em funcionamento, incontinenti, aquela incipiente Instituição.”
Resultado de imagem para campus da ufes
Campus da UFES
O texto foi para historiar a saga que iniciava-se o ano de 1962, quando Jair Dessaune, como professor-decano da antiga Faculdade de Direito da
Universidade Estadual do Espírito Santo, foi designado pelo Ministro da Educação e Cultura para responder pela reitoria da universidade, com a incumbência de organizar e instalar a nova Instituição Federal de Ensino.
Sem dispor de recursos financeiros e humanos, no dia 7 de março de 1962, Jair Dessaune baixou a Portaria n.º 1-A da Ufes, por meio da qual instalou, a título precário e sem ônus para os cofres públicos, a sede da 1.ª reitoria e o gabinete do reitor na garagem de sua própria residência e no seu escritório, que ficava anexo, na Rua do Rosário, n.º 202, Centro de Vitória, atrás do Teatro Carlos Gomes, entre outras providências que adotou à época. 

Fontes:
https://memoriafutebolcapixaba.blogspot.com.br/ 

 

Santa Cruz Futebol Clube

Nome : Santa Cruz Futebol Clube
Local : Vitória
Fundação:  23 de outubro de 1928
Títulos :  Turno Campeonato Capixaba  Série B 1957, Vice Campeão da Série B 1957

O Santa Cruz do Espírito Santo foi fundado em 1928 no Bairro Santa Lúcia em Vitória.
Por vários anos participou do Campeonato Suburbano e a Série B capixaba. Chegou perto de disputar a 1ª Divisão algumas vezes mas a falta de poder financeiro sempre impedia a equipe de crescer mais, mesmo assim com muito empenho enfrentava as equipes com mais capacidade financeira, AA Vale e Ferroviário formados por ferroviários da Companhia Vale do Rio Doce que os ajudava, Atlético e Santos de Vila Velha entre outros.
Sua sede em Santa Lúcia era usada para todo tipo de eventos, bailes de carnaval, festas de formatura, concursos de Miss entre outras atividades nos primeiros anos de existência do SCFC.
O Santa Cruz participou da Série B por pelo menos oito vezes, os anos 50 foram os melhores da equipe dentro de campo, tanto que disputou quase todas as séries B nos anos 40,50 de forma ininterrupta.

Campo do Santa Cruz fundado por Julio Henriques

Entre estas participações o Santa Cruz carrega em sua história algo único, na 2ª Divisão de 1945 conseguiu o feito de derrotar o Centenário duas vezes no mesmo dia.
Antes da partida do returno as duas equipes disputaram 05 minutos referentes a partida do turno que foi paralisada antes do fim quando o placar era de 1×1. E não é que nestes 05 minutos o Santa Cruz fez um gol em venceu! O responsável pelo gol  da vitória foi Egídio!
Já na partida do returno com tempo completo o Santa voltou a vencer, e  com propriedade por 4×2, Mululo, Carlos, Julio e Egídio marcaram, enquanto que José Angelo e Getúlio marcaram para o Centenário.
O Santa Cruz foi a campo com Coca,Moacir, Hiltom, Julio, Tercio, Edson, Carlos, Levino (Nélio), Egidio, Mululo (Luiz Paulo) e José Alves (Nascimento). Ermenegildo Gave apitou a partida que acabou expulsando Egídio grande destaque do Santa Cruz com dois gols e Altamiro do Centenário.
A campanha da 1ª fase que credenciou o Santa Cruz a disputar as finais foi a seguinte.

Turno
Santa Cruz 2×1 Centenário
Santa Cruz 4×3 Jucutuquara
Santa Cruz 1×1 Recreio

Returno
Santa Cruz 4×2 Centenário
Santa Cruz 6×1 Jucutuquara
Santa Cruz 7×2 Recreio

Os anos com maior destaque foram em 1956 e 57, onde a equipe brigou pelo título até as rodadas finais da competição.
Em 57 foi o melhor ano sem dúvidas, na penúltima rodada da firmou-se na liderança da Zona Norte ao derrotar o Guarany por 4×2. A partida aconteceu no Estádio Governador Bley, João Zambelli auxiliado por Manoel Araujo e João Pereira comandaram a cancha. A primeira etapa não agradou os presentes no estádio da Avenida Albérico Torres, mas isto tem explicação, o motivo eram os temporais que assolaram a capital capixaba deixando o gramado totalmente encharcado.
O Guarany foi quem inaugurou o placar com Artur aos 26 minutos. Na segunda etapa Caboclo deu lugar a Nélio no intervalo, Genézio treinador do Santa Cruz botou o time para frente com Gazolina, Nélio, Giginho, Tércio e Barrica no ataque, deu muito certo o esquema ofensivo, Tércio empatou, depois Gidinho deu show marcando 3 gols seguidos, aos 40 Jair contra descontou para o Guarany encerrando em 4×2 a partida, detalhe que um bom público acompanhou esta partida que colocava o Santa como maior favorito ao título.

Santa Cruz F.C : Edson, Jair, Çitinho, Julio, Aloísio, Moacir, Gazlina, Caboclo (Nélio), Gidinho, Tércio e Barrica.
Guarany E.C : Gildo, Fabio, Cláudio, Aroldo, Ailton, Milton (Altino), Gildo II, Wilson, Artur, Eudócio (Adalberto) e Manoel.

A partida que valeu o título aconteceu e 14 de janeiro de 1957, pela última o Santa Cruz encarou o Bangu na partida pre-liminar de Santo Antônio  e Rio Branco que disputavam a Serie A, a partida contra o Bangu foi muito acirrada, o placar foi apertado vitória por apenas 2×1, Gidinho e Nélio marcaram os gols da vitória, o presidente Humberto Balbi que ficou mais de 16 anos a serviço do clube mesmo com a alegria do  título não iludia os torcedores e sócios, e já afirmava que mesmo conquistando o título da Série B o clube não tinha pretensões de disputar a Série A de 58 deixando a vaga para alguém com mais poder econômico, Genesio treinador estava feliz com o título e satisfeito mesmo com  o time rendendo a baixo do que podia segundo ele.

Santa Cruz F.C : Paulo (Édson), Aloísio, Litinho, Moacir, Zeli, Julio, Nélio, Caboclo, Giovani, Tercio e Barrica.
Bangu E.C : Rubens(Antônio), Pedro, Pedro Germano, Milton, Zaprogno, Reinaldo (Elozinho), Almir, Genovite, Clovis, Luiz Carlos e Adalberto.

A prova do título incontestável

A baixo a avaliação dos campeões nesta partida feita pelo Jornal Folha Capixaba.
Paulo - Não comprometeu em nenhum lance. Contundindo-se cedeu lugar para Edson que esteve bem melhor.
Aloísio - Confirmou as suas boas atuações dos jogos anteriores. Excelente marcador e muito espírito de luta.
Litinho - Desempenhou bem a missão.
Moacir - Foi um grande elemento em campo. Folego e categoria s serviço da equipe. Esteve incansável durante o tempo.
Julinho - Só na etapa final conseguiu firmar-se no terreno, constituindo-se então numa das figuras principais da equipe santa cruzense.
Nélio -  O elemento lutador de sempre, marcando o gol que garantiu a vitória santa cruzense.
Geovani - Não esteve bem o meia direita do clube de Santa Lúcia. Além de estar numa noite infeliz foi expulso de campo.
Gidinho - O melhor jogador da cancha, dominando sempre o seu marcador. Conquistou o 1º gol batendo toda a defesa banguense.
Tercio - Outro grande elemento. Embora veterano na equipe, nota-se o seu esforço, sua qualidade.
Barrica -  Apenas esforçado. Perdeu a oportunidade de conquistar  o terceiro tento da noite.
pelo brilhante feito o Santa Cruz a diretoria do clube resolveu que a festa se prolongue até amanhã. Assim sendo na parte da tarde a sede do querido suburbano, haverá uma grandiosa festa, com bebidas e etc, e culminará com um grandioso baile à noite.

Mais tarde com decorrer da competição o Santa Cruz foi para a final contra o Atlético de Aribiri Vila Velha, na melhor de três deu o Atlético que pode ser visto nesta matéria do Jornal Folha Capixaba de 1957.

Dias depois as duas equipes voltariam a se enfrentar valendo troféu, desta vez a pugna foi válida pela Taça Dilio Penedo em comemoração aos 14 anos de fundação do Atlético, a partida correu no 3º Batalhão de Caçadores em Vila Velha e com gol de Tunico que havia substituído Gidinho o Santa venceu e se sentiu vingado. O Santa Cruz foi a campo com Edson, Luiz. Moacir, Caboco, Jorge, Julinho, Nélio (Geovani), Tercio, Tunico, Gazolina (Betinho) e Barrica.Mais tarde o Santa Cruz enfrentou o Santo Antônio, forte esquadrão da primeira divisão, o Santo Antônio havia prometido uma pugna com o Santa Cruz e cumpriu os enfrentando no Estádio Governador Bley, Arli Silva auxiliado por Benedito Vieira e Ermenegildo Gave dirigiram a partida. O Santa Cruz recebeu a renda de Cr$ 4.540,00 pelo amistoso entre por Rubens Gomes dirigente antonino que foi homenageado com seu nome no Estádio do Santo Antônio anos depois.
O Santo Antônio foi a campo com Etiene., Tião, Zé Português, Leitão, Nélio, Smate, Carlços Alberto, Antîo Português, Zé Carlos, Zezé e Vasconcelos (Alcir).
Já o Santa Cruz foi a campo com Edson, Caboco, Jorge, Julinho, Tércio, Moacir (Aluizio), Joaes, Geovani (Gidinho), Lecinho (Barrica) e Castelo (Nélio).

Com o passar dos anos e o crescimento urbano os campos de futebol espalhados pela capital foram diminuindo em com isso os times também, o Santa Cruz acabou perdendo espaço no futebol e nas décadas seguintes as que teve sucesso parou de disputar as competições que antes jogava, muitos time foram extintos nesse período pós anos 60 no Espírito Santo.
Até hoje o Campo do Santa Cruz existe, localizado no Bairro Santa Lúcia atualmente pertence a União devido uma dívida por não pagamento de 650 mil entre 2004 e 2009, referentes a taxa de Marinha, com isso a Superintendência de Patrimônio da União no Espírito Santo (SPU-ES) se apropriou do local.

A Prefeitura de Vitória interviu na ação judicial em favor do Santa Cruz Futebol Clube, como assistente na reintegração de posse, impetrada pela a União. O processo iniciou em abril de 2015 mas não tem prazo para a decisão com isso cerca de 150 crianças ficam sem ter onde pois o Campo do Santa Cruz é utilizado pela escolinha do Santa Cruz e do  CTCE (Centro de Treinamento Cosme Eduardo, ex-jogador e treinador capixaba).


Uniformes

Área de campo de futebol pegou fogo, em Vitória (Foto: Dennis Adam/ Internauta)
Em 2015 os moradores do bairro tiveram um grande susto, um incêndio tomou conta o seco gramado do Campo. Foi controlado sem feridos ou mais problemas.

Abraço simbólico dos moradores de Santa Lúcia no Campo do Santa Cruz em 2014, revoltados e preocupados em perder a única área de lazer do Bairro. 

Fontes:
https://memoriafutebolcapixaba.blogspot.com.br 
 

Sport Club Commercial de Muqui

Nome: Sport Club Commercial
Local : Muqui-ES
Fundação: 30 de outubro de 1924
Estádio : Campo Entre Morros e Estádio de São Francisco
Títulos : Campeão Sulino 1931 e Bi-campeão de Muqui 1931 e 1933

A equipe do Commercial não teve muito tempo de duração, mas no curto tempo de vida agregou a história do futebol capixaba, conquistou títulos e escreveu seu nome nas páginas da história do futebol do Espírito Santo.
Muqui ainda era conhecido como São João de Muqui quando surgiu o alvinegro muquiense. A equipe possuiu 2 campos, o 1º chamado Campo entre Morros, depois Estádio Praça de Esportes São Francisco no mesmo local onde hoje se encontra o Estádio Municipal João Vieira Fraga.Em 1930 o Commercial conquistou o vice campeonato do 1º Campeonato Sulino da história perdendo para o Cachoeiro Futebol Clube na final.
Jogadores do Commercial campeão Sulino de 1931
Segundo relatos foi em Muqui onde nasceu a primeira Liga Municipal de futebol reconhecida no estado, isto em 1931, e o primeiro campeão é justamente o Commercial que goleou o Nacional por 3×0 no mês de maio conquistando o troféu de campeão da Liga Esportiva Muquiense. No mesmo ano conquistou o Campeonato Sulina.
Em 14 de agosto o Commercial foi até Cachoeiro de Itapemirim para uma partida histórica contra o Estrela do Norte, a primeira partida noturna do estado do Espírito Santo jogada no Estádio Mário Monteiro o Sumaré que terminou com vitória dos donos da casa.
O grande time do Commercial

Em 1933 e o Commercial sagrou-se Bi-campeão da Liga Muquiense contra o Nacional novamente. Pena que em 1935 ambas equipes foram extintas.

O primeiro grande rival do Commercial era o Muquyense Football Club fundado  em 1919 provavelmente em agosto. A rivalidade durou nos anos 20 entre 1925 e 1930, quando o Muquyense desfez o time. Mas o Commercial não ficou órfão de rivais, logo depois veio o Nacional Club Muquy fundado em 1929, as equipes se enfrentaram diversas vezes por competições organizadas pela  Liga Muquiense, Campeonato Sulino e pela Associação Sulina de Esportes Atléticos (ASEA) que era uma liga a Liga Sportiva Espírito Santense. Eram rivais tão ligados que acabaram extintos praticamente juntos no ano de 1935.

Os campeões muquienses em 1931
Estádio da Praça de Esportes São Francisco em 1931.
Commercial ano de sua fundação em 1924
Commercial em 1927, esta equipe cedeu jogadores até para a seleção capixaba disputar o Brasileiro de Seleções 

 

Fontes:
https://memoriafutebolcapixaba.blogspot.com.br/ 

 

Notei  durante pesquisas que não se encontrava a data de fundação do América de Linhares, pois bem vou passar a data oficial de fundação do clube…

América Futebol Clube foi fundado exatamente em, 5 de janeiro de 1951 na cidade de Linhares, Norte do Espírito Santo, suas cores são vermelho e branco, uniforme idêntico ao do América do estado do Rio de Janeiro, seu estádio é o Joaquim Calmon, com capacidade de 3,500 pessoas com espaço para expansão de até 6,000 mil.

O América participou de pelo menos 6 estaduais série A, 1971,1973,1974, 1979,1981 e 1982

Modelo de uniformes

No início dos anos 90 após uma fusão com o Industrial FC deu vida ao Linhares Esporte Clube, porém pouco tempo depois  desfez a fusão pois a diretoria do Industrial queria unir 100% os clubes, entenda-se patrimônio, sede de ambos e o Estádio Joaquim Calmon, o América não aceitou. Hoje o clube joga futebol amador e categorias de base,  seu estádio é a casa de outro Linhares este Futebol Clube sem ligação com o Linhares E.C que joga a série A do capixaba.

 

Estádio Joaquim Calmon, partida entre Linhares x Castelo.

Sou frequentador de estádio por todo Espírito Santo, e o Joaquim Calmon é um deles, e dentro do estádio tem a inscrição com a data oficial de fundação do clube em um dos muros.

 

Pela 2ª vez na história os maiores rivais do Espírito Santo se enfrentavam pela Série A do Brasileiro, diferente da primeira partida em que a Desportiva venceu por 2×1 nesta não houve vencedor. Para as gerações mais novas algo inimaginável clássico capixaba na Série A nacional.

 

Estádio : Engenheiro Alencar Araripe

Local  : Cariacica, Espírito Santo

Data : Domingo, 02/04/1978

Árbitro : Élson Pessoa

Público : Aproximadamente 13 mil presentes

 

Desportiva Ferroviária

Samuel, Paulo César Colorado, Edmar, Suemar, Vicente Paixão, Célio, Evandro,(Vanderlei), Sérgio, Orlando, Corinto,( Sávio), Marco Antônio. Técnico Nelsinho Rosa.

Rio Branco-ES

Jair, Maurício, Daúca, Marinho, Daniel, (Beto), Osvaldir, Baiano, Acelinho, (Rogério), Joadir, Toninho, Didi. Técnico Beto Pretti.

 

 

 

Campos Salles  equipe fundada em 30 de março de 1916 no Município de Vila Velha. Foi a primeira equipe de futebol registrada nesta cidade, o nome é em homenagem ao 3º presidente da República.
A sede do clube ficava no Bairro Olaria, onde hoje se localiza o Hospital Maternidade Dr Antônio Bezerra (Maternidade de Vila Velha), Durval Araújo (Dongo), Aureliano Falcão Filho e Carlos Queiroz. estavam entre os fundadores.

A estréia do Campos Salles foi com empate em 2×2 contra uma equipe da capital  Vitória, Carino marcou o 1º gol da história da equipe, e foi de seus pés também o 2º gol, a equipe buscava um empate após sofrer 2×0 na 1ª etapa.

O Campos Salles por pouco não se tornou um dos fundadores da federação de Futebol do Espírito Santo. Acabou não participando das últimas reuniões e no ano do 1º estadual em 1917 disputou a série B.

Uma passagem marcante do clube foi em uma partida diante do Vitória Futebol Clube, então campeão estadual dentro de seus domínios no Estádio Salvador Venâncio da Costa, a vitória do Campos Salles algo impensável naquele tempo deu vida a uma canção, “Campos Salles, Campos Salles,/ É um team de memória / [verso não encontrado] / Deu fumaça no Vitória”. fumaça era equivalente a goleada hoje em dia.

O Campos Salles Football Club , foi quem abriu as postas em Vila Velha para o clubes futebol organizados, depois deles vieram o Botafogo ,Vasco Coutinho, Vasco da Gama, Santos, América, Social, Olímpico, Ideal, Tupy e Vila Velhense(dos anos 30 não o atual).

A primeira partida oficial do Campos Salles foi na primeira partida da segunda divisão do capixaba, e estreou com vitória por 4×2 sobre o Tiradentes Football Club, Carino foi o destaque do Campos Salles marcando 3 vezes.

As equipes foram a campos com as seguintes formações :

Campos Salles : Durval, Clovis, Tamandaré, Dongo, Bricco, Carino, Carlos, Hylson, Dúda, Bébé, Joaquim.

Tiradentes : Agostinho, Ferreira, Cabral, Benedicto, Batuta, Ribeiro, Manoel, Amorim, Thenis, Thomas, Dario.

os nomes escritos de acordo com registros da época.

 

Durante a Taça Jones dos Santos Neves de 1977 no Espírito Santo, uma partida chamou a atenção, não por ter golaços, lances plásticos ou de extrema beleza, chamou a atenção por durar apenas meia hora.

Na 1ª partida do returno entre Desportiva x Guarapari havia uma expectativa de goleada por parte da Desportiva, afinal no 1º encontro em Guarapari o placar foi 3×0 para os visitantes, agora além de ter o fator casa a seu favor a Desportiva vinha de bela campanha de 4 vitórias  em 5 jogos , já o Guarapari amargava 4 derrotas e um empate.

Em 27 de fevereiro as duas equipes foram a campo no Estádio Engenheiro Araripe, logo aos 12 minutos a Desportiva abriu o placar com Wilson, pouco tempo depois, Wilsinho e Nélio foram expulsos pelo Guarapari, após estas expulsões praticamente não aconteceu mais jogo de futebol, o Guarapari teve vários jogadores simulando contusão oque obrigou o árbitro Júlio Peixoto encerrar a partida aos 30 minutos do 1º tempo por falta de número mínimo de atletas.

 

Desportiva Ferroviária : Azevedo, Suemar, Lúcio Antônio, Alci, Zito, Evandro, Bira, Orlando, Célio, Wilson e Toninho.

 

Guarapari : Miro, Nélio, Molino, Fernando, Edinho, Gato, Pancho, Luís, Wilsinho, Dacar e Mateus

 

 

 

 

Projeto do Centro Esportivo

 

Em 24 de março de 1941 era fundado no município de Afonso Cláudio o Botafogo Futebol Clube, o alvinegro capixaba manda seus jogos no Estádio Adolfo Osvaldo Bravin, tem como a maior conquista o título de Campeão Centro Sul capixaba em 1983. Seu grande rival é o Ipiranga Esporte Clube, com quem fez vários clássicos principalmente nos anos 80 nas disputas de Torneio Centro Sul. O estádio é em homenagem a um torcedor muito antigo do clube, em 2012 foi lançado um projeto para criação de um moderno Centro Esportivo, que seria construído no terreno do estádio do Alvinegro. No projeto desenvolvido pela DAN Engenharia, de Vitória, estavam incluídos um, Estádio de Futebol com capacidade para cerca de 2 mil torcedores com iluminação de última geração, uma Sede com salas para reuniões e outras atividades, piscina com arquibancadas, ginásio de esportes com arquibancadas para 480 torcedores e outras benfeitorias. Porém até o momento o projeto ficou apenas no papel. Uma grande curiosidade é que os estádios dos rivais Adolfo Osvaldo do Botafogo e o José Carneiro do Ipiranga não ficam nem 1 km de distância um do outro

Uniforme titular de jogo

 

Estádio Adolfo Osvaldo Bravin
 

138 Unidos da Vale Futebol Clube fundado em 12 de março de 1957, no Bairro Íbes,  cidade de Vila Velha.

É um clube criado por iniciativa de funcionários da Companhia Vale do Rio Doce que trabalhavam na região e desejavam um lazer,o futebol é claro foi o esporte escolhido. Seu campo fica em Rua  Nilo Barcelar, 202 – Jardim Guadalajara

O clube já revelou vários atletas para o futebol profissional, um mais recente com passagem pelo 138 é Vitinho atacante artilheiro do Catarinense 2015, com passagens por Desportiva/ES, Vitória/ES, Grêmio/RS e hoje joga no América/MG.

Vitinho em sua passagem pelo Grêmio em 2015

 

 

Em 9 de setembro de 1983, o time do Caiçaras equipe de futebol de salão convidou o time da Rede Globo de TV para uma partida de confraternização, a partida aconteceu no Estádio Benedito Teixeira Leão em Alegre, Espírito Santo, do Sport Club Rio Branco, o Caiçaras tinha fama de jogar duro, além de não perder a muito tempo. Para provar que não eram violentos chegaram disputar alguns campeonatos de Futsal com apenas 5 jogadores. Do lado adversário Lima Duarte ainda era chamado de Zeca Diabo pelas ruas do país. Eliezer Motta fazia sucesso como o Batista no programa de Jô Soares, Nuno Leal Maia tinha acabado de retornar à Globo para participar da minissérie Bandidos da Falange e João Carlos Barroso era anunciado como integrante de “Pão Pão Beijo Beijo”, novela das seis exibida na época. Os visitantes acabaram surpreendendo  e venceram por 1×0, dias depois o Caiçaras pediu uma revanche nas quadras “praia” deles, o placar foi mais de 15 gols de diferença. Mas nesta partida que parou o Sul do estado, os locais torcida para o time dos atores, o Caiçaras era considerado elitista pelos alegrenses, e os atores criaram uma empatia grande na cidade, após o jogo que começou ás 16h, todos foram a um baile regrado a boa e velha “pinga” do interior. Rede Globo: Dalton; Josino, Eliezer Motta, Luiz Roberto e Antônio Jorge; Reinaldo, Lima Duarte, Nuno Leal Maia e Romeu Evaristo; João Carlos Barroso e Guaraci Valente. Caiçaras: Sid; Elcinho, Binha, Willian e Tety; Ney, Cirlei, Tairzinho e Rubinho; Toniho e Guilherminho. Local: Estádio Benedito Teixeira Leão, Alegre, Espírito Santo.

Time de atores

Binha e Tety dois jogadores do Caiçaras

Fonte : Gazeta online e Youtube.

 

Em 1976 o Fluminense de Rivelino, Paulo César  Caju e  Carlos Alberto Torres foi convidado para uma partida amistosa no Espírito Santo contra a Desportiva Ferroviária, a partida marcou a aposentadoria de Elci Rodrigues, conhecido como xerife grená, ele jogou mais de 500 vezes pela equipe capixaba, sendo um dos grandes ídolos da torcida na história do clube.

. Para a Desportiva,  Augusto logo a 1 minuto de jogo abriu o placar, Orlando aos 15 e aos 28 ainda do 1º tempo abriram impressionantes 3×0 no tricolor carioca em menos de meia hora de jogo. Na segunda etapa o Fluminense  reagiu se livrou de um vexame história mas não evitou a derrota, placar final Desportiva 3×2 .

Local : Cariacica-ES

Estádio : Engenheiro Alencar Araripe

Data : 17 de março de 1976

Desportiva Ferroviária: Gil, Augusto, Edmar, Elci, Celso Alonso, Carlinhos, Sergio Alonso, Valmir (Lula), Orlando, Zezinho Bugre, Paulinho (Salva).

Fluminense : Renato, Carlos Alberto Torres, Miguel, Adenilton,(Edinho), Rodrigues Neto, Pintinho, Paulo César Caju, Rivelino, Búfalo Gil, Dorval, Dirceu.

Gols : 1º tempo : Augusto 1 minutos, Orlando aos 15 e 28 minutos .

Não foram encontrados dados sobre os 2 gols da “maquina Tricolor”

 

 

Fundado em 2 de fevereiro de 1944  em Aribiri Vila Velha o Atlético Esporte Clube,Jogou a série A do estadual diversas vezes entre os anos 50, 60 e 70, além da Taça Cidade de Vitória que a partir de 1962, passou a ser uma competição separada do campeonato estadual, ela valia como estadual geralmente disputada apenas por clubes da capital. Atlético disputou nos anos de 1962,63,64,65,66 e 67. Estadual de 1969 é o último registro do clube em competição oficial.

Alguns troféus e materiais do clube na Casa da Memória em Vila Velha

Em pé: Toninho Cabeção, João Bobo, Roberto Zatta, Washington Varejão, Ozório e Silvinho Almeida. Agachados: Sabara, Reinado Cabrita, Josué, Delio Queiroz e Geruazio Queiroz.

 

O Atlético disputou vários torneios amadores, seu maior rival era o Santos de Aribiri, que na verdade foi fundado em  Paul mas tinha seu estádio em Aribiri.

Placar rara com as datas exatas relacionadas ao clube de Vila Velha.

 

Além do Santos, enfrentava o América F.C muitas vezes confundido com o América de Vitória 1º campeão estadual em 1917, Vasco da Gama F.C, Campos Salles F.C, Botafogo F.C entre outros em Vila Velha onde haviam vários torneios muito disputados fora do campeonato estadual.  Teve a sua sede foi inaugurada em 2 de dezembro de 1977.

1969 na Taça Cidade de Vitória é a última competição que se tem registro do Atlético. Uma partida amistosa contra a Desportiva Ferroviária em 20 de agosto de 1969 no Estádio Engenheiro Araripe com derrota por 5×0 é o último registro contra uma equipe profissional.

 

Uniforme principal da equipe

Fontes

Memória Futebol Capixaba

Casa da memória Vila Velha

Morro do Moreno

 

Em 6 de fevereiro de 1933 foi fundado Clube Atlético Companhia Central, formado por trabalhadores da Companhia Central de Força Elétrica a CCBFE.

Até 1927 a energia gerada para atender a demanda no Espírito Santo era o bastante, porém a partir desta data precisava ser aumentada, com isso foi criada a CCBEF (26/08/1927), sua sede ficava em Vitória com uma sub sede em Cachoeiro de Itapemirim Sul capixaba.

A CCBFE explorava os serviços de energia elétrica em quase todo o Estado do Espírito Santo, além dos serviços de transporte de passageiros através de bondes, barcas, e telefonia, durante os primeiros anos não era um serviço digno, inclusive os empregados sofriam com condições precárias e até demissões sem motivo, a partir disso em 12 de julho 1931 se criou o Sindicato dos Operários e Empregados da CCBFE.

Em março de 1932, o sindicato elege sua nova diretoria e conduz Gilberto Gabeira à presidência do mesmo.

Em abril de 1933, foi eleita a primeira diretoria da Federal Regional do Trabalho do Espírito Santo para o exercício 1933 a 1934, que seria empossada no mesmo mês, em ato solene, sendo eleito Gilberto Gabeira para presidente. Antes disso foi fundado um clube de futebol com os trabalhadores como a base da equipe, o Atlético Central que tinha como objetivo a pratica de esportes de seus empregados, portanto foi apenas um time amador, diversas  vezes disputou partidas amistosas pela grande Vitória, inclusive contra equipes que jogavam o campeonato estadual pela Federação, como Vitória, Moscoso, Barroso e América.

A primeira diretoria do Atlético foi formada por W.F Preston presidente, dr Taques Horta vice presidente e Rodrigo Cavalcante Tesoureiro. As cores do clube eram preta e branca,  escudo adotado foi o da própria CCBFE.

Fonte (Memória Futebol Capixaba) facebook

 

O clube vice campeão capixaba de 1992 carregava  um mistério, não eram encontrados registros do dia exato de sua fundação, agora o mistério foi quebrado e com a ajuda de seu xará, o Sport Club Commercial de Muqui (este fundado em 30/04/1924) através do Facebook desvendou o mistério, o Comercial Sport Club foi fundado em 26 de setembro de 1989. No 1º ano já conquistou o campeonato Sulino, repetiu a dose em 1990, no mesmo ano  se profissionalizou e disputou a série B capixaba, ficando com o vice campeonato. Sua primeira partida pela  1ª divisão capixaba foi em 28 de julho de 1991 jogando em casa o clube não passou de um 0×0 com o Ordem e Progresso de Bom Jesus de Norte, sua campanha na série A foi de 16 partidas com 4 vitórias 5 empates e 7 derrotas, foram 14 gols a favor e 19 contra, a equipe ficou em 7º lugar em um grupo com 9 clubes na chave Sul eliminado ainda na 1ª fase.

 

escudo Comercial Sport Club

 

 

Foi em 1992 que o Comercial marcou história ao chegar a final do capixaba, mas a  história não foi com final feliz, o título era difícil afinal o adversário era a toda poderosa Desportiva Ferroviária que no 1º semestre havia conquistado a vaga na série A do campeonato brasileiro, seu elenco era fortíssimo, contava por exemplo com Washington aquele mesmo do chamado casal 20 com Assis, e o eterno Andrade multicampeão pelo Flamengo. 

Nas duas partidas da final o Comercial acabou derrotado pela Desportiva, 2×1 em casa no estádio João Vieira Fraga de virada e 3×0 no Engenheiro Alencar Araripe em Cariacica.

 

partida de ida da final em Muqui, Comercial 1x2 Desportiva

 

Escudo do Sport Club Comercial

 

Obs* os dois times chamados Comercial não possuem ligação ha não ser o o município e a semelhança nos nomes.

no link é possível ver os lances das duas partidas da final do estadual de 1992

https://www.youtube.com/watch?v=XCAaWmyGAEM

 

Um dos clubes mais tradicionais do Espírito Santo completa 100 anos de existência hoje, fundado em 9 de janeiro de 1916 o Cachoeiro Futebol Clube, carrega com sigo a marca histórica de ser o primeiro clube do interior campeão capixaba série A.
O Cachoeiro manda seus jogos no estádio Moreira Rabello, seu maior rival é o Estrela do Norte, cujo os confrontos são sempre cercados de rivalidade, a ponto de em 2014 um jogo treino ser encerrado antes da metade do segundo tempo devido vários desentendimentos entre os jogadores das equipes, que sequer foram a campo com os uniformes oficiais.
Em sua galeria de troféus o Cachoeiro tem o título estadual de 1948.
Série B capixaba de 2000
Seletiva Capixaba Copa do Brasil de 2001.
7 campeonatos Sulinos, esta competição era uma espécie de estadual apenas com clubes do interior capixaba :1944, 1950, 1951, 1952, 1953, 1969 e 1971.
Foi também vice campeã capixaba em 1930, 1944 e 1950.
Em 1959 e 1960 foi bicampeão Sulino amador.
Em 1974 o clube se afastou do futebol, profissional retornando apenas em 2000.
2002 ficou marcado como o ano e que os maiores rivais de Cachoeiro mais se enfrentaram pela série A, foram 4 jogos,
Cachoeiro 1×2 Estrela
Estrela 0×0 Cachoeiro
Estrela 2×2 Cachoeiro
Cachoeiro 3×3 Estrela
Em 1948 o Cachoeiro conquistou o feito de ser o 1º campeão capixaba do interior ao derrotar na melhor de 3 partidas a Associação Atlética Vale (umas das equipes ferroviárias que após uma fusão deu origem a Desportiva Ferroviária). Na partida de ida em Cachoeiro vitória dos donos da casa por 4×3, na partida de volta A.A Vale goleou por 4×1, chegando na 3ª partida na melhor de 3 o Cachoeiro atropelou goleou por 7×2 conquistando o título, uma reclamação dos jogadores e integrantes da comissão do A.A Vale, foi que o federação resolveu fazer esta final depois do Vale já ter desmontado seu elenco e parado de treinar apos conquistar oque seria o campeonato estadual(neste período o campeão estadual era declaro após a disputa apenas com times da capital, algumas vezes a federação marcava o confronto do campeão do interior x da capital, mas isto era avisado antes dos campeonatos começarem diferente deste), com isso o Cachoeiro teria vantagem pois continuava treinando e jogando e o campeonato Sulino terminou após o da capital, mas isso é coisa da federação o Cachoeiro não tinha nada com isso e levou a faixa de campeão para casa.
Outra conquista importante além da série B capixaba(2000) foi a seletiva que decidira o outro representante capixaba na Copa do Brasil de 2001, junto com a Desportiva campeão estadual de 2000. O Cachoeiro por sorteio entrou direto na segunda fase do torneio disputado em mata mata, seu adversário foi o maior rival, Estrela do Norte, na partida de ida empate em 1×1, na volta o Cachoeiro venceu por 2×1 classificando-se para as semi finais.
Semi final o São Mateus era o adversário, na ida o Cachoeiro fez o dever de casa e venceu por 2×1, na volta segurou o 0×0 e foi rumo a final.
A final contou com duas surpresas, Cachoeiro e Riachuelo deixaram Linhares, Rio Branco e Vitória pelo caminho por exemplo.


Na partida de ida no estádio João Daroz em Soturno o Cachoeiro atropelou o Riachuelo e goleou por 4×1 e já ficou com a taça em suas mãos, na volta em Barra do Riacho Aracruz, o empate em 1×1 selou o título dos cachoeirenses que com isso garantiram vaga na Copa do Brasil de 2001, nesta competição o clube engrossou o caldo contra o Fluminense/RJ, na partida de ida no Espírito Santo os cariocas venceram por 1×0, na volta no Maracanã o Cacheiro chegou abrir o placar assustando os cariocas que em 1999 haviam perdido para o Serra neste mesmo estádio na Série C do brasileiro, mas não segurou a vitória e acabou sofrendo a virada para 2×1.
O time de 1948 é unanimidade quando pergunta qual melhor equipe da história do clube, treinados por Eurico Monteiro de Castro, Ramon, Alcino, Zé Catraca, Paris, Manoelzinho, Otaviano, Nely, Aldemir, Assadinho, Espinho, Bronze e Catiquinha foram alguns dos nomes do maior Cachoeiro de todos os tempos.

Uniforme titular

 

Museu Virtual, Memória Futebol Capixaba

 

Como é possível um clube ter apenas uma derrota em sua história? no Espírito Santo existe este clube, se chama Estrela de Cachoeiro Esporte Clube Ltda, um clube empresa fundado em 15 de dezembro de 2003 , tem uma das histórias de vida mais curtas do futebol mundial, o clube não durou nem 365 dias!

logo

Durante o pouco tempo de vida, 8 meses o clube disputou o campeonato Capixaba série B e foi campeão, nesta competição foram 13 partidas do Estrela, 8 vitórias, 4 empates e apenas 1 derrota, 23 gols marcados contra 6 sofridos, o Cachoeiro primeiro time do interior campeão capixaba é o único que não foi derrotado pelo Estrela, uma empate e uma vitória, lembrando que este Estrela não tem relação com o Estrela do Norte campeão capixaba em 2014.

O título estadual da série B 2004 conquistado após a goleada sobre o Nova Venécia por 3×0 garantia a vaga na série A 2005, porém no mesmo ano no mês de agosto o Estrela devido grave crise financeira e falta de investidores fechou as portas antes da Copa Espírito Santo que teve início no mês de setembro e o estadual de 2005 consequentemente fechando as portas, se correr atrás pode conquistar o título de clube mas meteórico do mundo!

Campanha na série B 2004

Estrela de Cachoeiro 1×0 Linhares
Nova Venécia 0×0 Estrela de Cachoeiro
Estrela de Cachoeiro 4×0 Laranjeiras
Cachoeiro 2×1 Estrela de Cachoeiro
Jaguaré 0×0 Estrela de Cachoeiro
Linhares 0×3 Estrela de Cachoeiro
Estrela de Cachoeiro 1×0 Nova Venécia
Laranjeiras 2×2 Estrela de Cachoeiro
Estrela de Cachoeiro 1×1 Cachoeiro
Estrela de Cachoeiro 4×0 Jaguaré

Semi final
Estrela de Cachoeiro 1×0 Jaguaré
Jaguaré 1×2 Estrela de Cachoeiro

Final
Nova Venécia 0×3 Estrela de Cachoeiro *

* Não houve necessidade de outra partida com isso o Estrela foi decretado campeão pela Federação de Futebol do Espírito Santo (FES)

 

No ultimo dia 5 de novembro foi apresentado oficialmente o Sport Clube Linharense na cidade de Linhares/ES, não se trata de um novo clube, é uma mudança de nome e de cidade sede.

O clube fundado em 30 de setembro de 2013 se chamava Sport Clube Brasil Capixaba sediado em Domingos Martins, conquistou a Série B capixaba em 2014 e em 2015 disputou a Série A capixaba pela primeira vez, quase foi rebaixado, na 1ª fase foi lanterna da chave Sul e foi para o quadrangular da morte. se safando do rebaixamento junto com São Mateus.


Sport Clube Linharense é o mais novo time de Linhares na série A do Campeonato Capixaba de 2016. O formato do novo time foi apresentado aos empresários de Linhares e região no inicio de novembro num cerimonial no bairro Conceição. O diretor-presidente do clube, Leonardo Araújo, garante que o principal objetivo de toda a diretoria do clube é a responsabilidade social do clube com os moradores da cidade. Dois projetos serão desenvolvidos no decorrer do ano: o sócio torcedor e o ônibus do clube, que de acordo com Leonardo Araújo, é inédito no futebol capixaba. Um canal de televisão, a TV Tigre – já que o animal é o mascote do clube -, também será lançado em 2016. “Linhares pode esperar um time muito competitivo para o Capixabão. Meu maior sonho é ver times capixabas na Serie B do Brasileiro”, disse Araújo. De acordo com ele, o Sport Linharense em parceria com a iniciativa público-privada e com o apoio dos linharenses irá alcançar este objetivo e tornará Linhares a cidade capixaba do futebol. O Diretor de Captação do Bahia, Aldo França, esteve no evento e confirmou uma parceria entre os dois clubes. Nova Diretoria: Diretor Presidente: Leonardo Araújo Vice Presidente: Edgard Borges Diretor Financeiro: Carlindo Araujo Diretor de Futebol: Pedro Arthur Diretor de Base: Gil Fagner Diretor de Comunicação: Bruno Fanticellli.

 

Novo time de Linhares, Sport é apresentado para empresários da cidade

Uniformes do Sport Linharense 2016

O clube chegou anunciar que iria para São Mateus município próximo de Linhares, mas acabou se mudando para Linhares onde deve jogar no Estádio Joaquim Calmon do América Futebol Clube. O Sport usou Estádio Almiro Ofranti em Vargem Alta Sul do estado e Salvador Costa do Vitória Futebol Clube como casa.

 

 

Sport e Linhares os dois clubes da cidade na série A 2016.

 

 

 

O Santos Futebol Clube fundado em 21 de julho de 1921  é conhecido como Santos de Aribiri, mas na verdade o Santos é de Paul, o apelido pegou pois o estádio em que mandava suas partidas era no Bairro Aribiri, teve um grande  rival  o América Futebol Clube, este sim com sede no Bairro Aribiri, muitas vezes confundido com o América F.C de Vitória primeiro campeão capixaba.

Uniforme e escudo oficiais do Santos F.C

O Santos disputou o estadual e a Taça Cidade de Vitória profissionalmente várias vezes, mas em 1963 na Taça Cidade de Vitória veio sua grande glória, o time conquistou o título desta competição, muito tradicional no Espírito Santo durante as décadas de 50 e 70. Uma curiosidade era que o time do Santos chegava de Bonde ao estádio, pois havia uma linha Paul/Aribiri.

Na foto acima o time do Santos que foi campeão da Taça Cidade de Vitória, e no ano seguinte foi contratado para ser a base da recém fundada Associação Desportiva Ferroviária CVRD.  Totonho, Earl, Tamilton, Wilson, Bezerra, Silvinho e Diogo todos foram contratados pela Desportiva, e conquistaram os estaduais de 1964 e 1965 com campanhas assombras atropelando quem vinha pela frente.

Atualmente o Santos  funciona como time amador, tem uma escolinha de 10 à 16 anos, alem do futebol master e joga também torneios amadores m todas as categorias. Após o clube abandonar competições profissionais no amador a rivalidade contra outros bairros de Vila Velha eram enorme, Ibes (Instituto Bem Estar Social), Ataíde, Santa Mônica, Santa Inês eram alguns deles.

A fachada do simpático  Estádio Manoel Araujo de Oliveira em Aribiri

Para quem ficou curioso a distância entre os Bairros.

 

A segunda divisão capixaba de 1996 contou com apenas dois clubes, Sport Club Capixaba de Guaçuí e o Estrela do Norte de Cacheiro de Itapemirim, isso graças a desistência de Aracruz, Nova Venécia, Guarapari, Castelo, Botafogo e Jaguaré e Santa Tereza, era época de eleição o dinheiro que seria investido nos clubes foi usado nas campanhas eleitorais.

 

A partida de ida foi em 20 de outubro em Guaçuí terminando com o placar de 0×0, na volta em Cachoeiro em 27 de outubro o Estrela venceu por 2×0 conquistando o título mais fácil da sua história! Boiadeiro e Eduardo Orsai foram o “artilheiros”, a grande final contou com 3 policiais dentro do estádio e um fora fazendo a segurança, um torcedor do Estrela foi o bilheteiro, o público foi de 274 pessoas.

O campeão

 

o vice campeão

 

 

A Associação Desportiva Ferroviária nasceu canarinho, após a fusão de equipes formadas por ferroviários ligados a CVRD Companhia Vale do Rio Doce  atual apenas Vale, Ferroviário, Cauê, Guarany, Valerio, Vale, equipes que participaram das reuniões que criaram a Desportiva em 17 de junho de 1963.  A equipe começou a ostentar o escudo grená em seu manto oficialmente a partir de 1965! Aqui finalmente uma matéria “desbravando” as mudanças do escudo da locomotiva grená.

Mas antes de começar o passeio vamos explicar qual significado do escudo da Desportiva Ferroviária. No centro do escudo temos uma bola de 12 gomos, modelo muito comum usado  nas Copas do Mundo durante as décadas de 30 até 60, em 1950 na Copa no Brasil o modelo era chamado  de Duplo-T , que pode ter sido a inspiração maior para nosso escudo, no centro desta bola temos um perfil de trilho  que na imagem a baixo será mais compreendido por todos. Observem no cartão oficial da Copa do Mundo do Brasil de 1950 acima a semelhança nos traços da bola e de nosso escudo, a bola de 12 gomos praticamente na mesma posição que se encontra no centro do escudo grená.

Tudo indica que este é o primeiro desenho do escudo da história da Desportiva Ferroviária, desenhado no ano de 1965 pois até então o clube não havia adotado um escudo oficial, no mesmo ano de 65 ele foi aprimorado para a disputa da Taça Brasil.

Com este escudo a Tiva chegou aos  títulos estaduais de  19651967, Taça Cidade de Vitória1966 e 1968  e ficou 51 partidas sem perder , além de jogar sua primeira competição nacional (1965 Taça Brasil) e foi nesta competição que a Desportiva Ferroviária mudou  de canarinho para o atual  e tradicional branco e grená, as cores foram homenagem ao vagão dos Trens que faziam a viagem Vitória-Minas!
A partir de 1971 a Tiva passou a usar um escudo bastante diferente do usado na década de 60, o escudo passou a ter um fundo branco com contornos grenás e as letras maiúsculas, com este escudo vieram os títulos estaduais de 1971, 19721974 e 1977 além da  Taça Jones dos Santos Neves 1977. Em 1973 com este escudo a Tiva estreou na 1ª divisão do campeonato brasileiro de futebol.  
Em 1978 nova mudança, as cores do escudo foram invertidas o grená pelo branco,  além de grande mudança no perfil do trilho no centro do escudo, este escudo não perdurou, foi utilizado só no ano de  1978  e acabou retornando na década de 90.
Com este escudo o inédito tricampeonato estadual  1979/1980/1981, nossa  primeira excursão internacional, veio também  nossa melhor campanha no Brasileiro série A 1980,
Em homenagem ao tricampeonato capixaba pela primeira vez em sua história a Desportiva usou estrelas em seu escudo.
 No modelo mais modificado visualmente da história do clube conquistamos outro estadual  1984
Com este modelo já sem as 3 estrelas do tri a Tiva chegou ao título de 1986 e ao título da Taça Grande Vitória 1988, o torneio dos clássicos, Desportiva, Rio branco, Vitória e Santo Antônio participaram do torneio, sendo assim todas partidas eram clássicos.
Com este escudo uma novidade o círculo central diminuiu dando mais destaque ao nome Desportiva Ferroviária(que sim é grafado desportiva ferroviária com letras minúsculas desde sua criação na década de 60, a explicação é  apenas estética). Outro título conquistado 1989.
Em 1990 o retorno do contorno grená com interior todo em branco como o usado na década de 70, diferença são os traços do círculo um pouco menos arredondados.
Este escudo durou 3 anos, e com ele vieram  o título estadual de 1992 , a primeira participação na Copa do Brasil, além da ultima participação na série A do Brasileiro em 1993 

 

No retorno do modelo mais tradicional vierem os estaduais de 1994 e 1996, além do 3º lugar na série B do brasileiro 1994 que deveria no mínimo ser um vice campeonato caso o clube grená não fosse prejudicado por um árbitro comprado pelo Goiás, chamado Edmundo. 
Neste escudo a mudança foi no círculo central as arestas laterais ganharam uma pequena “quebra”, em 1998 foi o ultimo grande ano da Desportiva em uma competição nacional, onde fomos 3º lugar ficando apenas um empate  do acesso, até hoje somos reconhecidos por vários amantes do futebol  pelo uniforme com listras horizontais brancas e grenás.
Em 2011 no retorno da Desportiva Ferroviária após ter as cores, nome e escudo modificados devido a parceria de 1999/2010, o escudo ganhou nova mudança, as arestas do círculo central ganharam um arredondamento, antes eram traços retos. Em 2012 conquistamos o estadual série B e a Copa Espírito Santo.
Em 2013 ano que o clube completou 50 anos de fundação um  escudo comemorativo, o 50 ganhou destaque, com ele o título estadual de 2013 e a nossa1ª vitória na Copa do Brasil.
Em 2014 o escudo voltou ao tradicional já com as mudanças de 2011 implantadas.
Desportiva Capixaba S/A
Durante este período da transformação em clube empresa a Desportiva passou a se chamar Desportiva Capixaba, seu escudo foi modificado e lhe foi acrescentado o verde da empresa participante da parceria, as conquista foram título estadual de 2000, série B 2007 e a Copa Espírito Santo 2008.
Escudos das equipes participantes da fusão

Dos clubes participantes da fusão  a Associação Atlética Vale foi o único a conquistar título no profissional, a Taça Cidade de Vitória de 1962.

Ferroviário foi a outra equipe se tornar profissional jogando o campeonato capixaba e Taça Cidade de Vitória nos anos 50 e 60.
A.E Valério nasceu A.E Vale do Rio Doce, mais tarde se tornou Valério por causa do Valério de Minas Gerais, inclusive o escudo  foi inspiração total na sua “criação”.
Cauê era o clube que acabou por coincidência tendo as cores oficiais da Desportiva Ferroviária, as cores do Brasil foram as que agradaram todos os 5 clubes participantes da reunião para a fusão do clube.

 

O Guarany teve uma participação importantíssima na criação da Desportiva, foi deles o voto que decidiu pelo “sim” da fusão em 1963, antes disso a votação estava rigorosamente empatada.

fonte : http://ferroviariaes.blogspot.com.br/2015/10/evolucao-dos-escudos-desportiva.html

 

O clube Rionovense foi fundado em 13 de dezembro de 1939 por moradores e Desportistas do município de Alto Rio Novo, o povoado de Alto Rio Novo teve início em abril de 1921 após ser povoado por uma expedição de aventureiros em busca de novas fronteiras. A expedição que era liderada por José Marques da Silva e José Ludjério da Silva seguiu a nascente do Rio Bananal e após subir pela Serra da Cangalha no Alto Beija-Flor encontrou um rio chamando-o de Rio Novo. Ali os aventureiros se instalaram com suas famílias e o povoado ganhou o nome de Alto Rio Novo.  Conta-se os mais antigos que. Alto Rio Novo estava recebendo muitos imigrantes de outros estados, principalmente Rio de Janeiro e Minas Gerais e precisando de lazer aos domingos, visto que trabalhavam de segunda à sábado. Resolveram fundar um clube de futebol, mas tinha um problema muito grande…não tinha campo para prática de futebol, mas tinha um local aberto para fazê-lo, visto que a geografia do município é acidentada, procurando locais nos arredores do distrito, acharam um local plano que daria para fazer o campinho fizeram mutirão, derrubaram árvores, tiraram as madeiras com juntas de bois e limparam o terreno, aterraram, nivelaram à base da enxada  e enxadão. O campo estava pronto(hoje funciona a praça dos 3 poderes, executivo, legislativo e judiciário).  No dia 13 de dezembro de 1939, dia de Santa Luzia, uma quarta feira reuniram-se os moradores locais e fizeram um time de futebol e deram nome de Rionovense Futebol Clube, em atividade atpe hoje, inclusive é o campeão municipal invicto, versão 2011, seu primeiro jogo foi contra o time do distrito de Vila Verde, município de Pancas, e venceu de 2×1 gols de Sr Juquinha(José Silverol) que foi um dos fundadores do clube juntamente com Euclides(Euclidão). Em Janeiro de 1989, reuniram os principais desportistas de Alto Rio Novo, para reestruturar o futebol, e ficou decidido que o clube teria estatuto, diretoria, sua cores e escudo. Em 12 de janeiro de 1990, foi empossada a nova diretoria. presidente o Sr Nilson José Jandre vice presidente Sr Wilson Luiz de Oliveira primeiro secretário Walter Jose da Silva segundo secretário Sr João Monteiro Filho primeiro tesoureiro Sr Gilmar Belchor de Lima segundo tesoureiro Sr MArcos Antônio Venturim Faria na mesma reunião foi aprovado o estatuto, ao qual está registrado no cartório do 2º ofício, na comarca de Pancas, Espírito Santo . A criação do estatuto teve a colaboração das seguintes  pessoas : marcos Antônio Venturim Faria, João Monteiro Filho e Walter José da Silva, ficou determinado que suas cores seriam vermelha, azul e branca, em seguida foi apresentado e aprovado o escudo do clube(criado por Waltinho). Foi registrado como Associação na Receita Federal com o número de CGC hoje CNPJ 31.798.564/0001-45, de janeiro de 1989, até os dias de hoje, todos os jogos estão registrados em livros, em poder de seu técnico e presidente, Walter José da Silva(Waltinho). Passaram pelo clube vários jogadores de nível nacional, dentre eles o goleiro Dico(Club do Remo/PA), fez 118 jogos em campeonatos brasileiros na década de 70, hoje em Belém do Pará ele é empresário no ramo de produtos alimentícios. Celcinho goleiro(Itumbiara Esporte Clube/GO) década de 70. E Geraldo Magela, lateral esquerdo e volante que passou por vários clubes, como Santos de Barra de São Francisco/ES, Estrela do Norte/ES, Guaratinguetá/SP entre outros, hoje ele é agricultor, casou-se e mora em Mantenópolis/ES. Muitos outros jogadores não tiveram chances em times profissionais, ajudaram clubes de cidades vizinhas a serem campeões nas suas regiões, hoje o clube está investindo nas categorias de base, e está colhendo frutos com o trabalho que o “professor” Michael está desenvolvendo. Teve  e tem muitos torcedores ilustres, dentre eles cabe destacar o já falecido Bino (década de 90 e 2000) que não media esforços para acompanhar o clube onde que que fosse.  Para o futuro será criado o site oficial do clube com história, fotos antigas e recentes, e muitas histórias engraçadas de seus jogadores e torcedores.  

    agradecer a  Walter José da Silva(Waltinho) foi dele a contribuição deste texto que reproduzi nesta postagem!

 

Ibiraçu Esporte Clube completa 56 anos de sua fundação hoje, o clube campeão capixaba da série A 1988 manda suas partidas no estádio Marcos Jorge Campagnaro, o Marcão, que suporta aproximadamente 5 mil pessoas. Foi o primeiro clube capixaba disputar a Copa do Brasil em 1989 já que esta foi a 1ª edição, enfrentou Grêmio/RS, perdeu a partida de ida em Ibiraçu por 1×0, e na volta no estádio Olímpico levou um sonoro 6×0, sendo assim eliminado, detalhe o clube gaúcho foi o campeão desta competição! Marcus Vicente hoje o mas cotado para assumir a CBF se Del Nero sair alavancou sua carreira no Ibiraçu, após o sucesso com o clube ele cresceu politicamente usou o club de trampolim e abandou a cidade, tanto que o Ibiraçu não disputa capixabão desde o início dos anos 90, Marcus Vicente assumiu a Federação capixaba de Futebol em 1994, e em 2014 saiu mas deixou Gustavo Vieira seu aprendiz no lugar assim manda da mesma forma, igual será se Del Nero sair e ele assumir a CBF, em 1994 a Desportiva foi eliminado pelo Goiás pois Edmundo Filho árbitro da partida estava comprado, Marcus Vicente ficou junto com os goianos na partida do Serra Dourada, de 1994 o futebol capixaba passou de 1 clube brigando forte na série B pelo acesso todos anos anos e de pelo menos 3 clubes na série C para em 2015 apenas um clube na série D do brasileiro e uma vaga na Copa do Brasil..

 

 

Sua maior glória foi o estadual de 1988 curiosamente vários jogadores foram espécie de “refugo”, não serviram para Desportiva e Rio Branco e no Ibiraçu acabam sendo campeões estaduais dando a volta por cima.
Para chegar ao título o Ibiraçu teve que passar pela chave com Desportiva, Vitória, São Mateus e Colatina, somente 1º e 2º colocado avançavam a fase final. Sem mais problemas o Ibiraçu passou de forma invicta e líder da chave, Desportiva passou em segundo.

Agora no quadrangular final Ibiraçu teria que passar por Rio Branco líder da sua chave e Estrela do Norte vice líder. Logo na estréia do quadrangular veio a primeira derrota do Ibiraçu na competição, 2×1 para o Rio Branco, na segunda rodada a goleada de 3×0 na Desportiva deixou o time vivo novamente, na ultima rodada do turno Ibiraçu vence sua partida contra o Estrela por 2×1 e comemora muito a vitória da Desportiva por 2×1 no clássico contra o Rio Branco. Só que na 4ª rodada 0×0 com o Rio Branco deixou ambos com 5 pontos, e a Desportiva ao derrotar o Estrela pulava para 6 pontos.
Na penúltima rodada outro 0×0, este com a Desportiva só não foi tão ruim pois o Estrela derrotou o Rio Branco por 4×3 deixando a decisão do t´tulo para a ultima rodada…
Desportiva com 7 pontos x Rio Branco com 5 pontos no Kleber Andrade, Ibiraçu com 6 pontos x Estrela com 2 pontos no estádio Marcos Jorge Campagnaro…
As partidas decorrendo e o Ibiraçu atropelando o Estrela, mas e na outra partida? de nada adiantaria o Ibiraçu vencer se a Desportiva também fizesse o mesmo, porém no Kleber Andrade oque se viu foi o Rio Branco vencendo por 3×0 o clássico(maior placar contra o rival) e o Ibiraçu pra alegria dos presentes no Marcão também goleando o Estrela por 3×0 e conquistando seu 1º e único título estadual da história Marcelo aos 12 1º tempo, Carola pênalte aos 32 e Marcelo aos 35 do 2º tempo.

Primeira Fase
Primeiro Turno
Ibiraçu 1×1 Desportiva
São Mateus 2×2 Ibiraçu
Ibiraçu 1×0 Vitória
Colatina 1×1 São Mateus

Segundo Turno
Desportiva 0×1 Ibiraçu
Ibiraçu 2×0 São Mateus
Vitória 1×1 Ibiraçu
Ibiraçu 3×1 Colatina

Quadrangular final

Rio Branco 2×1 Ibiraçu
Ibiraçu 3×0 Desportiva
Estrela do Norte 1×2 Ibiraçu
Ibiraçu 0×0 Rio Branco
Desportiva 0×0 Ibiraçu
Ibiraçu 3×0 Estrela do Norte

 
Escudos do Caxias ambos oficiais da esquerda atual, o da direita usado no início do clube

Hoje o Caxias Esporte Clube completa 75 anos de sua fundação. A história registrada das entidades de classe da PMES tem seu inicio no dia 29 de julho 1919, conforme a Ordem do Dia n° 159-A, do Corpo Militar de Policia (PMES), quando por iniciativa do tenente Francisco Eujênio de Assis implanta na Corporação capixaba (PMES), o Clube Militar de Foot Ball, como uma espécie de associação destina a proporcionar atividades de lazer para os integrantes da Corporação capixaba, a qual podemos dizer que foi o embrião do Caxias Esporte Clube, sendo empossados na época o capitão Abílio Martins (presidente) e, o tenente João Barbetta da Rocha (tesoureiro).

Uniforme titular
Uniforme reserva

No inicio de 1924, temos o primeiro registro em boletim da PM, da formação de uma equipe de futebol da Corporação capixaba, com a seguinte publicação: “O time da Policia treinará amanhã as 08:00 horas, no campo do América em Paul contra o Victória FC. Escalados, Oliveiros, Nicanor, Nilo Roque, Bidon, Nery, Pedro Alves, Eurico, Vitor, Miranda, Luiz Andrade e Euphrasio”. (Boletim nº. 12, de 12.01.1924). Estava dado o segundo passo para a criação de uma equipe de Futebol de Campo na PMES. Mas a idéia ainda demoraria muito para se tornar realidade e, somente 16 anos depois, finalmente, o sonho se realizaria.

Em 6 de setembro de 1940 é fundado na PMES o Caxias Esporte Clube integrado por jogadores pertencentes aos quadros da Força Policial capixaba, cuja denominação homenagem o patrono do Exército Brasileiro, marechal Luis Alves de Lima e Silva, o “Duque de Caxias”, com as cores vermelho e preto. Em sua história duas grandes conquistas, o campeonato estadual de 1944 e o Taça Cidade de Vitória de 1970.
título estadual de 1944 só foi possível graças a uma virada épica do Caxias, na penúltima rodada, no dia 17 de dezembro de 1944 fez uma das partidas mais emocionante da história do campeonato capixaba, quando enfrentou o Rio Branco favorito a conquista do campeonato.
O primeiro tempo terminou e o Rio Branco vencendo por 3 a 0. Na 2ª etapa o Caxias partiu para cima do adversário com tudo e Louro fez 2 gols, ninguém acreditava no que acontecia logo em seguida, Lambari empatou a partida em 3×3, e quase no final Wilson fez algo inacreditável virou a partida para 4×3 dando a vitória à equipe policial militar, na ultima rodada o Caxias derrotou o América enquanto o Rio Branco parou no Vitória, dando o título inédito de campeão capixaba a Caxias EC.(entraram em campo pelo Caxias no 4×3 : a manchete: “CAXIAS CAMPEÃO DE 1944”, e no dia 7(p. 7), fez uma reportagem homenageando o Caxias Esporte Clube, Campeão de 1944, que durante a competição atuou com a seguinte equipe: DIAS, BAZÉ, ANICETO, PALMEIRAS, AUTO, JARBAS, DUQUINHA, WILSON, LAURO, LAMBARI e JERÔNIMO, e ainda participaram em algumas partidas NELSON, DOMINGOS, VADINHO e BATISTA tendo MUSSIELO como treinador).

Em 1945, o Rio Branco sagra-se campeão, e o Caxias E.C. termina a competição como vice-campeão, posição que só voltaria a alcançar dez anos depois, no Campeonato Capixaba do ano de 1955, quando conquistou o “Torneio Início” com a equipe formada por: CARLINHOS, GALDINO, WALLACE, FERRINHO, TIÃO e FIRMINO; CARMOSINO, VAVÁ, EMILIANO, NILSON E LEOZICO.

Em 1961, o Caxias Futebol Clube foi novamente campeão do “Torneio Início” com a seguinte equipe formação: LOURO, ALVARENGA, JORGE REIS; AGRIMALDO, GLADSTONE, ZIZINHO, CARMOSINO, JURANDIR, RUBINHO, JORGE CORDEIRO e RONALDO

Em 1970 no título da Taça Cidade de Vitória novamente teve o Rio Branco como o adversário batido após empate em 1×1 na ida, na partida de volta o Caxias venceu por 2×0 conquistando mais este título inédito, no ano seguinte o clube se afastou de competições oficias onde só voltaria a jogar em 2008 e 2009 a série B capixaba, mas nas categorias de base o Caxias continua firme e forte disputando quase todas as competições oficiais da federação estadual,. além de já ter participado e ainda participa de competições amadoras, entre elas Remo, Natação, Atletismo, Vôlei  e Basquete.

O Caxias Esporte Clube está localizado na Rua Marins Alvarino, n. 35, Itararé, Vitória/ES, tendo em suas laterais a Av. Maruípe, Av. Leitão da Silva e Rua Arlindo Sodré.

:. CEP.: 29.047-660

fontes : site oficial do clube Caxias E.C e  Memória Futebol Capixaba

 

 Em 1988 após o estadual a federação criou uma competição amistosa entre os clubes da capital nos meses de julho e agosto, chamada Taça Grande Vitória, participaram a Desportiva, Rio branco, Vitória e o Santo Antônio, foram dois turnos todos contra todos. Pode se dizer que a Taça Grande Vitória 1988 o título secreto, não havia registros nem conhecimento dele até então, foi encontrado por mim por acidente em pesquisas na Federação de Futebol do Espírito Santo(FES). Os 4 clubes juntos somam a incrível marca de 69 títulos, 37 do Rio Branco, 17 da Desportiva, 9 do Vitória e 6 do Santo Antônio, são 99 estaduais até hoje, levando em consideração que a Desportiva começou a jogar a partir de 1963 a somatória poderia ser ainda mair caso o clube fosse mais antigo.
          Desportiva Ferroviária x Vitória FC
1ª rodada
A estréia grená foi em 24 de julho contra o Vitória, vencemos por 2×1, esta competição na teoria era totalmente atrativa pois todos jogos eram clássicos  capixabas de primeira.
         Desportiva Ferroviária x Santo Antônio
2ª rodada
Segunda partida em 31 de julho nova vitória, agora sobre o Santo Antônio por 2×0. Desportiva e Rio branco despontavam como favoritos ao título.
                Rio Branco  x Desportiva Ferroviária
3ª rodada
O maior clássico do estado foi disputado em 7 de agosto, e a Tiva passou sem dificuldade pelo Rio branco, vencendo por 4×2, terminando o turno com 100% de aproveitamento e como grande favorita ao título.
                  Vitória x Desportiva Ferroviária
4ª rodada
Em 14 de agosto nosso 1º empate no torneio empate em 0×0 com o Vitória. No dia que faço aniversário fico contente pois a Desportiva jamais foi derrotada, em 5 partidas 3 vitórias.
            Santo Antônio x Desportiva Ferroviária
5ª rodada
A vitória por 2×1 sobre o Santo Antônio em 21 de agosto nos deixou a um empate do título na ultima rodada. O clássico Tiva-Rio seria a final do torneio dos clássicos, nesta partida seria conhecido o rei dos clássicos capixabas.
                Desportiva Ferroviária x Rio Branco
6ª rodada
Dia 28 de agosto, Desportiva e Rio branco frente a frente em mais uma disputa de título, o Rio branco vinha engasgado devido ao estadual de 1988 que a Desportiva ao ser derrotada pelo rival na ultima rodada do quadrangular viu o sonho do título parar nas mãos do Ibiraçu . A Tiva a exemplo do estadual jogava por um simples empate para conquistar o troféu, o Rio branco queria devolver o estadual de 1986 que a Desportiva foi campeão ao derrota-los na ultima rodada do quadrangular final. Bem esta partida contou com dois gols, um de cada lado, e no fim o empate em 1×1 deu o título da Taça Grande Vitória 1988 para a Desportiva Ferroviária, aqueles 4×2 na terceira rodada fizeram grande diferença pois a Tiva fez 10 pontos contra 9 do rival, campanha de 6 jogos, 4 vitórias, 2 empates 11 gols marcados 5 gols sofridos.

campanha do título inédito da Taça Grande Vitória 1988
Desportiva  2×1 Vitória 24/jul
Desportiva  2×0 Santo Antônio 31/jul
  Rio branco 2×4 Desportiva 07/ago
Vitória 0×0 Desportiva 14/ago
Santo Antônio 1×2 Desportiva  21/ago
Desportiva  1×1 Rio branco  28/ago
Fonte :
 

América de Marechal Floriano

Marechal Floriano localizada no km 45 da rodovia Vitória- Belo Horizonte, na região montanhosa do Espírito Santo, a “Cidade  das Orquídeas” também possui um dos vários Américas espalhados pelo Brasil, este  América Futebol Clube foi fundado em 27 de maio de 1957, por José Carlos Pereira, o “Cacau Pereira”, José Henrique Pereira Filho, o “Zé Piaba”, Osmar Pereira, Darly Soldado e Marijalma Farias, Zé Piaba foi quem tomou a iniciativa de se criar um clube , ele era jogador profissional, jogava no Leopoldina de Vitória e quando foi para Marechal Floriano se movimentou para a criação do América, a idéia ganhou força em 1956 e em 1957 se concretizou. Uma conquista a se destacar é o título de campeão do Centro Sul de 1982, competição oficial da Federação de Futebol do Espírito Santo.(abaixo o América campeão do entro Sul em 1982).

Em pé esquerda para direita : Osmar, Belita, Adelson, Badeco, Sergio Bento, Marreco(Edmar), Vivinho, Ildo, Denizarth e Pelenco(Adelmo), Augusto(treinador). Agachados : Gilsinho Lopes, Ernani, Gilmar, Jaime, Marquinho, Beleléu, Bézinho, Lico e Tunico.(Colaboração e foto do Adelmo Stein)

Algumas curiosidades do América…

José Henrique Pereira filho era jogador e acabou se tornando árbitro a convite da federação capixaba de futebol após vê-lo apitar uma partida onde não tinha árbitro e ele apitou e agradou, tanto que chegou apitar partidas fora do estado.

 

Neste registro acima consta, Paulino Pereira, José Luiz Padeiro, José Piaba, Adilson irmão de D. Marluce, Abel Stein, Carlinhos Coronel e o último Helvécio. No desfile também podemos ver o Brasil de Paraju.

O terreno onde construíram o campo foi cedido por José Henrique Pereira, avô de Cacau Pereira e pai de “Zé Piaba”. O estádio teve uma ajuda do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de transportes) na terraplanagem do terreno pois no mesmo período estavam construindo a BR-262

Estádio José Henrique Pereira

Seu maior rival é o Sport Club Campinho de Domingos Martins. Em 1948 em  um  jogo de futebol entre as equipes do Campinho e Marechal Floriano, depois de uma briga, o campo  foi fechado para a prática do futebol, sendo seu proprietário, o  Sr. José Henrique Pereira. O time de Marechal tinha uma camisa verde e branca. Jogadores que atuavam nesta época: Carlinhos e Juscelino Damasceno, Arlindo Gibi que era o goleiro, José Piaba, João Carreiro, Oscar Araújo, Nenê Lovatti, Juca Tarqueta, Alfeu Endlich, Ormindo Endlich, Nino Pereira, Erotildes, Diógenes, Roudão Barreto, Oscar Schunck. 1956 Depois de 08 anos sem ter futebol, devido a briga entre Campinho e Marechal, um policial com o nome de Darly Simões, José Carlos (Cacau) e Osmar, pedem autorização ao Sr. José Henrique Pereira e reabrem o campo. O Marechal tinha a sua camisa tricolor: Branco, Verde e Vermelho.
Em 27 de maio fundou-se o América Futebol Clube. Sendo seus fundadores: Marijalma Ferreira Faria, o topógrafo do DNER, Aldair Guerra e José Henrique Pereira Filho “José Piaba”.
Mas oque motiva essa rivalidade de chegar ao ponto de após uma partida entre América e Campinho no estádio do Campinho uma torcedora do América saindo sozinha do estádio foi encurralada por torcedores do dono da casa, sorte dela que uma torcedora do Campinho evitou algo de pior. Oque motiva essa rivalidade é simples…América e Campinho  eram ambos de Domingos Martins, pois o município de Marechal Floriano só foi emancipado em 1991 por isso tanta rivalidade e tantas confusões. (Em 30 de Junho foi feito o plebiscito. Em 31 de Outubro os Distritos de Marechal Floriano e Araguaia Emanciparam de Domingos Martins, pela Lei 4571/91.)
Em 2015 uma cena inusitada movimentou o  Estádio José Henrique Pereira, pois um helicóptero do SAMU fez um pouso em pleno gramado do” campo do América” para  socorrer um homem com uma doença em estágio avançado, o momento virou uma atração, vários presentes entraram no gramado para fotografar e  ver de perto a aeronave. (foto logo a baixo)

 

Fonte: Jair Littig, Youtube, Blog Montanhas Capixabas, Blog cada um de nós compõe sua história, Memória Futebol Capixaba.
 

Em 17 de agosto de 1917 foi fundado o Sport Club Rio Branco, no município de Alegre aproximadamente 200km da capital  Vitória, localizado na região Sul do Espírito Santo, a localidade é conhecida por onde fica a famosa cachoeira da Fumaça e também onde ocorre o Festival de  Alegre. A equipe não teve muitas aparições  no futebol profissional, disputando apenas duas vezes a 1ª divisão capixaba, 1952 e 1953 com Vitória e Santo Antônio sagrando-se campeões nestes anos. Suas maiores glórias são o bicampeonato sulino de 1932 e 1933, que era uma espécia de estadual apenas com times do Sul do estado. Hoje existe um clube chamado Sport Club Rio Branco em Alegre, onde é usado para fins recreativos como ginástica e aulas de natação não havendo nenhuma relação com futebol.  


Uma verdadeira raridade imagem do uniforme da equipe que foi extinta no início dos anos 70.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 16 de agosto de 1967 o Atlético recebeu no estádio Mineirão a Desportiva Ferroviária para uma partida amistosa, a equipe capixaba não foi apenas para passear, defendia uma sequência de 25 partidas invicta(que chegariam a 51), já tinha passado por equipes fortes, como Botafogo/RJ(1×0), São Cristóvão/RJ(5×0 e 1×0) e Democrata de Governador Valadares/MG(3×0), o Atlético treinado pelo paraguaio Fleitas Solich tinha um lateral muito bom chamado Humberto Monteiro que havia saído da própria Desportiva e seria a 1ª vez que enfrentaria seu ex clube, pelo galo foi eleito melhor lateral do Campeonato brasileiro em 1971 e 1972 quase indo para a Copa de 1970. A partida foi interessante, as duas equipes atacando, o time capixaba sempre se defendia mais, o time mineiro fez vários testes, já o time capixaba jogou praticamente com o time titular usando poucos reservas isso equilibrou bastante a partida, em alguns momentos até conseguia dominar os donos da casa, quem abriu o placar foi o Atlético com Paulo Mauro aos 34 minutos, aos 49 quando tudo parecia resolvido na 1ª etapa, Silvinho deixa tudo igual marcando para a equipe grená, o placar não se alterou na 2ª etapa se encerrando em 1×1 a partida amistosa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Local : Belo Horizonte

Estádio : Mineirão

Competição : Amistoso nacional

Público : 2,026 pagantes

Renda : Cr$ 3,801,00

Árbitro : Jairo Silva(ES)

Gols : Roberto Mauro(ATL) aos 34 minutos e Silvinho(DES) aos 49 minutos do 1º tempo.

Escalações :

Atlético Mineiro : Luizinho, Humberto Monteiro(Toninho), Edmar, Dilsinho Wanderlei, Bebeto(Rivelino) Ney(marcos) Edgar Maia, Roberto Mauro, Ronaldo(Santana) e Flavinho

Técnico : Manoel  Fleitas Solich

Desportiva Ferroviária : Geraldo Latuf, Bazé(Mateus), Alcione, Roberto Almeida, César, Wilson, Domingos, Maurélio, Silvinho, Moreira(Arinos) e Fraga

Técnico : Paulo Emílio

 

 

 

 

escudo do Ferroviário

Fundado em 10 de agosto de 1945 O Ferroviário que no início era preto e branco nasceu já  com 17 sócios quando foi fundado, e  seus jogos no tempo de amador eram onde hoje fica a estação Pedro Nolasco em frente ao estádio Engenheiro Alencar Araripe da Desportiva Ferroviária. Na década de 50 entrando na vida profissional mandava suas partidas no estádio Governador Bley em Vitória, o time chegou a ter mais de 800 sócios, e mudaram as cores assumindo assim o amarelo e preto foi nos anos 50 também que passaram a usar o terreno onde hoje é o estádio Engenheiro Araripe, antes disso mandou muitos jogos no Morro da Companhia de Itaquari em Cariacica.

 

alguns modelos usados pelo Ferroviário S.C

Disputou algumas competições oficiais mas nunca obteve um resultado de expressão, a emoção ficava mesmo quando enfrentava seu grande arqui rival Associação Atlética Vale, em 1961 por exemplo disputou a Taça Cidade de Vitória terminando com 4 vitórias, 4 empates e 10 derrotas marcou 21 gols sofreu 31 nas 18 partidas jogadas. Em 1961 o Ferroviário jogou o torneio início mas não passou do primeiro jogo após empatar em 0×0 com o Rio Branco acabou perdendo nos pênaltis por 2×1 em 21 de maio. Mas foi em 1958 que aconteceu um encontro marcante, contra a A.A Vale que por ser da mesma empresa CVRD havia uma rivalidade de funcionários muito grande, os dois times da Vale que não se bicavam, era uma rivalidade que gerava até  risco de morte entre os funcionários, que da A.A Vale eram maioria do escritório já  do Ferroviário S.C era de operários, daí se tinha idéia do que poderia rolar nos encontros, uma coisa era certa muita provocação de ambas as partes que se encontravam quase que diariamente, a partida foi muito movimentada e por ser pelo Torneio Início onde não duravam o tempo regulamentar geralmente era com duração de 20  a 40 minutos, o 2×2 foi emocionante indo assim para as penalidades, quem venceu foi a Vale por 2×1 passando a fase seguinte. Em 9 de junho de 1963 o Ferroviário S.C entrou em campo pela ultima vez, derrotando o Corinthians capixaba por 2×1.

Seu 1º escudo

 

Ferroviário Sport Club, Associação Atlética Vale, Associação Esportiva Valério, Guarany Esporte Clube e Associação Atlética Cauê todos clubes de trabalhadores da Companhia Vale do Rio Doce em 17 de junho de 1963 se fundiram e formaram a Associação Desportiva Ferroviária CVRD.

 

Fundada em 17 de junho de 1963 a partir da fusão de 5 equipes de ferroviários, AA vale, Ferroviário SC, Guarany, Cauê, Valério, a Associação Desportiva Ferroviária ou Tiva com é conhecida carinhosamente, conquistou 17 título estaduais em sua história, e o 1º foi em 4 de julho de 1965 ao derrotar o maior rival Rio Branco por 3×2 no estádio Governador Bley.

O ano é  1965 mas o estadual é relativo ao ano de 1964  devido ao calendário nacional caótico que convenhamos dura até hoje se prestarmos atenção, a Desportiva entrava em campo para seu primeiro campeonato estadual, a equipe grená que na verdade não era grená e sim canarinho, pois eram as cores que poderiam causar menos conflito entre as equipes que participaram da fusão para a criação da Desportiva Ferroviária…As cores foram essas por serem as cores da seleção brasileira, para muitos a equipe viria para ser coadjuvante e apenas participar, mas quem olhar as contratações feitas sabia que a Tiva seria páreo duro, afinal seu elenco era recheado de jogadores do Santos de Aribiri atual campeão da Taça Cidade de Vitória(64).

A campanha do primeiro estadual teve inicio com uma vitória pra não deixar dúvidas sobre oque a equipe almejava neste estadual, Wilson Vassalo era o treinador da equipe, mostrando que o time não vinha só para participar do estadual. Logo de cara no dia 26 de janeiro de 65, um 4×0 no Santos em Vila Velha, o mesmo que foi a base para a equipe, belo presente de grego.

Na segunda rodada 31 de janeiro empate em 1×1 contra o Americano, na terceira rodada novo empate, 3×3 contra o Estrela dia 12 de fevereiro, no dia 21 de fevereiro o time volta a vencer, 2×1 no Caxias, na 5ª rodada o time começa a ser dirigido por Gentil Cardoso um técnico conhecido no País por suas frases atípicas tais como as abaixo.

“Futebol é uma caixinha de surpresas”;
“quem se desloca recebe, quem pede tem preferência”;
“o craque trata a bola de você, não de excelência”;
¨a bola é de couro o couro vem da vaca,vaca gosta de grama então joga com a bola no chão na grama… ¨ 
“só me chamam pra enterro, ninguém me convida pra comer bolo de noiva” 

Nos treinamentos, era comum se utilizar de megafone para falar com os atletas. Alem de já ter  dirigido  Flamengo, Fluminense, Botafogo , Vasco, Coritiba e a seleção brasileira no  sul americano em 1959…
Estreou com derrota no clássico contra o Vitória por 2×1 dia 13 de março. As coisas melhoraram na rodada seguinte ótima vitória sobre o São Silvano por 5×0, Diogo lateral deu show marcando 3 vezes, sendo o único lateral a marcar 3 vezes na mesma partida pela Desportiva, Elias e João Carlos fecharam a goleada. Porém na rodada seguinte derrota por 2×0 para o Rio Branco fez a torcida esquecer a goleada,  fechando o primeiro turno 2×1 no Vila Nova…

 

Na abertura do segundo turno derrota surpreendente para o Santos de Aribiri, o mesmo que havia sido goleado por 4×0 na estréia dois meses antes, foi a despedida de Gentil do comando da Desportiva Ferroviária, logo após essa partida foi para o América/RJ, em seu lugar assumiu Adeildo Pereira de Lima “o Pernambuco”, sobre muita desconfiança, afinal o time era assumido por um ferroviário que só tinha no currículo a experiência de ter sido treinador do Ferroviário Sport Club uma das equipes da fusão, para a surpresa de todos o time venceu e venceu muito bem nas partidas seguintes, 3×0 no Americano e 4×1 no Estrela do Norte em Cachoeiro de Itapemirim , os gols foram de   Bezerra 14 fez 1×0, no primeiro tempo , no  2º tempo Arinos aos 11, Wilson 14 Batista 32 deram números finais a goleada, e não parou por ai, 2×1 no Caxias e em seguida arrasou o Vila Nova por 10×1 nossa maior goleada até então…Bezerra e Cunha marcaram 3 gols cada, Silvinho dois e Diogo, Maurélio completaram a surra grená (entenda-se canarinho). Wilson Vassalo que treinou a equipe neste mesmo estadual auxiliava Pernambuco…2×0 no Vitória…2×1 no São Silvano e para fechar o returno com chave de ouro 1×0 no maior rival o Rio Branco gol de Bezerra o matador da equipe no estadual…Com esse resultado o turno teria que ser decidido em um jogo extra onde se o Rio Branco vencesse seria o campeão de 1964.

Santos de Aribiri base da Desportiva Ferroviária

Essa partida aconteceu dia 12 de junho de 1965 uma partida digna de filme, onde drama, alegria, tristeza e todos os ingredientes necessários para um filme de sucesso foram misturados…O Rio Branco marcou 1×0…Agora era segurar a equipe da Desportiva e comemorar o título estadual de 64, isso funcionava até quase 40 do segundo tempo quando Diogo empatou a partida com sua canhota privilegiada com gol olímpico…O jogo termina…Nada disso! vamos para mais 15 minutos de prorrogação onde o Rio Branco precisa marcar um gol e o estadual termina ali…Os deuses do futebol gostam de brincar com as emoções do povo, pois não é que o rival marcou o gol que precisava para ser campeão! isso aconteceu no fim  da prorrogação, Gelsinho fez oque muitos contavam como sendo o gol do título, tanto é que a torcida da Desportiva  já começava a deixar o estádio, afinal oque poderia se fazer com menos de 3 minutos???
Como já disse, os deuses do futebol são muito sádicos…Quando tudo parecia perdido Simonassi que vinha do banco empatava novamente a partida…Ninguém conseguia acreditar como em menos de 5 minutos as coisas mudaram tanto, com um título certo escapar assim das mãos alvinegras…
La foram eles, os guerreiros para mais 15 minutos de batalha, nos 15 minutos seguintes a bola não balançou mais as redes, então restou o momento mais dramático da partida  foram eles para os pênaltis. Já haviam se passado mais de  90  minutos do tempo normal e os 30 da prorrogação e nada de se saber como seria o estadual Rio Branco campeão ou mais duas partidas da final contra a Tiva.
Uma curiosidade os penais não eram decididos igual  nos dias de hoje onde 5 jogadores diferentes cobram alternadamente, na época eram dois jogadores apenas um de cada time responsabilidade mil vezes maior em cima do cobrador, Arinos pela Desportiva e João Francisco pelo rival foram os escolhidos para decidir o vencedor. A Desportiva tinha um agravante, Adjalma goleiro titular não estava mais em campo , saiu lesionado restando a Juca(na foto a cima) um trabalhador ferroviário a missão de ser o guarda metas. Juca tinha uma personalidade muito forte, certa vez em clássico contra o próprio Rio Branco ele falhou, nisso torcedores adversários ficaram atrás do gol o chamando de frangueiro, ele não pensou duas vezes e partiu pras vias de fato. Pois bem nas cobranças de penais ele fez muito bem o seu trabalho diga-se de passagem defendendo dois penais e a Desportiva vencendo por 2×1 enfim encerrava a partida extra com o título grená(canarinho) do segundo turno…
Porém o Rio Branco como mau perdedor entrou na justiça alegando que Vicente e Mateus disputaram o dois estaduais por equipes distintas, no caso o campeonato  carioca  pois mesmo sendo em 1965 o estadual correspondia ao estadual de 1964, de início os mau perdedores venceram na justiça, porém umas duas semanas depois a Desportiva conseguiu resultado a seu favor, durante esse período o Rio Branco enfrentou a dupla Fla-Flu em amistosos e empatou os dois, ótimos motivos para o time ir com confiança para a final, mas como o futebol não é uma ciência exata levaram um baile sendo derrotados por 3×1 na partida de de dia…gols de Cunha, Maurélio e Silvinho a Desportiva simplesmente não deu chances aos adversários e foi soberana em campo ficando até mesmo a uma simples derrota de  se sagrar campeã capixaba pela primeira vez em sua história, com vantagem para a partida de volta as coisa foram  se encaminhando para o lado da Tiva…
Na volta Bezerra marcou os dois gols grenás enquanto João Francisco e Gelsinho marcaram os do rival, o empate já  dava o primeiro título para a Desportiva quando  já eram quase 40 do segundo tempo quando Cunha marcou o terceiro gol da Desportiva decretando de vez o enterro do rival…Fim de jogo Desportiva Ferroviária campeão do campeonato capixaba de 1964, vencendo por 3×2 o Rio Branco e podendo gritar pela primeira vez…ÉÉÉÉÉ CAMPEÃO!!! 

Campeonato Capixaba 1964  (jogado 1965)
Turno
Desportiva   4×0 Santos de Aribiri     26/janeiro
Americano/ES 1×1 Desportiva           31/janeiro
Estrela do Norte 3×3 Desportiva        13/fevereiro
Desportiva   2×0 Caxias                     21/fevereiro
Desportiva   1×2 Vitória/ES              13/março
Desportiva   5×0 São Silvano            20/março
Rio Branco 2×0 Desportiva               27/março
Vila Nova/ES 1×2 Desportiva            04/abril

Returno
Desportiva  0×1 Santos de Aribiri     11/abril
Americano/ES  0×3 Desportiva       20/abril
Estrela do Norte 1×4 Desportiva      02/maio
Caxias 1×2 Desportiva                     09/maio
Desportiva   10×1 Vila Nova/ES 12/maio
Vitória/ES 0×2 Desportiva               23/maio
São Silvano 1×2 Desportiva            29/maio
Desportiva   1×0 Rio Branco           06/junho

Partida extra  2º turno
Desportiva  1×1 Rio Branco          12/junho
prorrogação
Desportiva  1×1 Rio Branco
no pênaltis
Desportiva  2×1 Rio Branco

Final partida de ida
Desportiva  3×1 Rio Branco            27/junho

Final partida de volta
Rio Branco 2×3 Desportiva            04/julho

19 jogos 13 vitórias 3 empates 3 derrotas 50 gols marcados 19 sofridos e 31 de saldo

 

 

Iúna-ES uma cidade do interior   localizado a quinze km da Br 262 e a 180 km da capital do estado,VitóriaO município tem parte de sua área no Parque Natural Caparaó, embora o Pico da Bandeira (ponto culminante do estado) fique no município de Ibitirama. No município de Iúna fica o Pico do Colosso, com 2 849 metros. A cidade  nunca teve tradição no futebol capixaba profissional porém em 1992 viu uma equipe local fazer grande campanha na série C, conquistando o 7º lugar entre 31 equipes. Para chegar a esta competição o Rio Pardo conquistou o 3º lugar no estadual de 1991, quando caiu para a Desportiva Ferroviária nas semi finais. 

No Brasileiro de 1991 caiu no grupo 5 ao lado de Atlético/GO, Guará/DF e Tiradentes/DF, de forma invicta encerrou a 1ª fase líder e classificado para a segunda fase.

1ª Rodada
22/03/1992 – Domingo
Guará 1×1 Rio Pardo
Tiradentes 0×1 Atlético-GO

2ª Rodada
25/03/1992 – Quarta-feira
Guará 1×0 Atlético-GO
26/03/1992 – Quinta-feira
Tiradentes 0×1 Rio Pardo

3ª Rodada
29/03/1992 – Domingo
Tiradentes 2×1 Guará
Atlético-GO 1×1 Rio Pardo

4ª Rodada
05/04/1992 – Domingo
Rio Pardo 0×0 Guará
Atlético-GO 3×0 Tiradentes

5ª Rodada
09/04/1992 – Quinta-feira
Rio Pardo 2×0 Tiradentes
Atlético-GO 0×0 Guará

6ª Rodada
12/04/1992 – Domingo
Guará 1×0 Tiradentes
Rio Pardo 1×1 Atlético-GO

classificação do Grupo 5

CLASSIFICAÇÃO PG J V E D GP GC SG

  Rio Pardo (ES)

8 6 2 4 0 6 3  3

  Atlético (GO)

7 6 2 3 1 6 3  3

  Guará (DF)

7 6 2 3 1 4 3  1

  Tiradentes (DF)

2 6 1 0 5 2 9 -7

Segunda Fase

Após passar de fase o clube riopardense encarou o Fluminense de Feira de Santana/BA em duas partidas de mata mata.

Na partida de ida em  10 de maio em Feira de Santana vitória dos baianos por 1×0, na partida de volta em Iúna-ES os capixabas devolveram a derrota, derrotaram os baianos por 1×0 em  17 de maio, por ter feito 9 pontos contra 8 do Rio Pardo o Fluminense/BA avançou na competição deixando os capixabas pelo caminho, os baianos seriam vice campeões perdendo para a Tuna-Luso/PA na final. O Rio Pardo ficou apenas atrás de Tuna Luso/PA, Fluminense/BA, Nacional/AM, Matsubara/PR e Auto Esporte/PB, e empatado com  Operário/PR, equipes bem mais tradicionais e com maior estrutura e investimento.

Estádio Antônio Osório Pereira casa do Rio Pado Futebol Clube

Rio Pardo Futebol Clube fundado em 30 de abril de 1917, tendo em seu principal responsável  Antônio Osório Pereira,  o saudoso “Paco Macho”. Além de fundador, Antônio  dirigiu a equipe riopardense durante muitos anos, demonstrando imenso amor pela agremiação. Seus filhos, Cassiano, Carlos, Carmo e Urbano, pertenceram ao plantel do Rio Pardo. Além de participar de várias competições não oficiais no Espírito Santo e em Minas Gerais, a equipe riopardense, filiada à Liga Desportiva de Cachoeiro de Itapemirim, disputou quase todos os campeonatos sulinos, sempre com destaque.Naquele ano de 1991 seu treinador era Jorginho Namorador, conhecido pelo seu lado folclórico, graças à sua simpatia e facilidade de comunicação, conquistou a amizade do povo de Iúna. O clube riopardense em 1992 não pôde aceitar o convite em virtude da negativa da CBF em custear as despesas com locomoção e hospedagem. Em 1996 terminou o capixaba em 4º lugar em outra ótima campanha, em 1997 fez sua ultima participação na série A capixaba terminando a lua de mel de sua torcida e a série A. Desde então o 1º clube de futebol de Iúna se encontra fora de competições oficiais.

 

 

Hoje o Rio Branco Futebol Clube de Venda Nova do Imigrante completa 70 anos de sua fundação em 29 de junho de 1945!

Em sua história conquistou o campeonato capixaba série B de 1993, na 1ª divisão chegou ao vice campeonato em 1995, conseguiu a maior zebra do estadual de 95 ao eliminar a grande favorita ao Bi campeonato Desportiva Ferroviária nas semi finais, jogou a série A capixaba de 95 até 99, desde então se focou no futebol amador.

Resultado de imagem para Rio Branco Futebol Clube de Venda Nova

Escudo oficial do clube

Campanha do vice campeonato de 1995

1º fase
Rio Branco/VN 3×2 Estrela do Norte
Comercial 2×0 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 1×1 Alfredo Chaves
Muniz Freire 1×1 Rio Branco/VN
Castelo 2×2 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 0×1 Rio Pardo
Guarapari 2×1 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 1×0 Mimosense
Estrela do Norte 2×1 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 3×1 Comercial
Alfredo Chaves 3×2 Rio Branco/VN
Muniz Freire 0×2 Guarapari
Rio Branco/VN 3×0 Muniz Freire
Rio Branco/VN 4×0 Castelo
Rio Pardo 0×0 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 3×2 Guarapari
Mimosense 2×0 Rio Branco/VN

2º fase
São Mateus 1×0 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 1×2 Linhares
Rio Branco/VN 2×2 Rio Branco
Alfredo Chaves 1×3 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 1×0 Muniz Freire
Rio Branco/VN 1×1 São Mateus
Linhares 1×3 Rio Branco/VN
Rio Branco 1×0 Rio Branco/VN
Rio Branco/VN 4×0 Alfredo Chaves
Muniz Freire 1×2 Rio Branco/VN

Semi finais
Rio Branco/VN 3×1 Desportiva
Desportiva 2×1 Rio Branco/VN

Finais
Rio Branco/VN 1×1 Linhares
Linhares 1×1 Rio Branco/VN

Linhares foi o campeão por ter a melhor campanha.

 

Uniforme recente da equipe de Venda Nova

 

 

Em 29 de junho de  1975 a Desportiva aplicava sua maior goleada em partidas oficiais,  o  placar foi um elástico 11×0  frente ao Associação Cultural e Desportiva São Silvano de Colatina time do  Norte do estado do Espírito Santo, em baixo de chuva torrencial em uma terça feira a Desportiva também trouxe uma chuva de gols. Abaixo um pouco mais dos responsáveis desta proeza que entrou para a história da Associação Desportiva Ferroviária, esta que também é a maior goleada aplicada em toda história do estádio Engenheiro Alencar Araripe. Guará (3), Evandro (2), Elci (2), Arnaldo Foguete (2), Déo e Suingue uma vez fizeram alegria grená naquela noite chuvosa..

Um dos gols da Desportiva Ferroviária

 

1×0 : O massacre teve início antes dos 10 minutos de partida Guará anotou 1×0 Tiva.

2×0 : Aos 20  minutos  Evandro em um chute despretensioso marcou com a colaboração do gramado e do goleiro Mingo, Desportiva 2×0…

3×0 : Aos 26 Deo marca o terceiro…

4×0 : A Tiva não parava aos 34 Arnaldo Foguete  faz o 4º gol grená…A torcida grená não perdoava a goleiro Mingo do time rival, todas vez que ele tinha contato com a bola era aplaudido ironicamente…

5×0 : Antes do fim da primeira etapa mais um aos 37 Guará marca seu segundo na partida, na várzea há o ditado que diz “vira 5 termina 10″…Pois bem dessa vez estava um pouco errado pois vira 5 termina 11…

Um fato interessante após levar 5 os no primeiro tempo o goleiro Mingo é substituído ainda no intervalo por João Mala.Porém a mudança parecia não ter surtido efeito.

6×0 : Logo aos 7 minutos mais um o 6º gol foi marcado por Evandro de penal…

7×0 : os 10 minutos o 7º gol grená desta vez de Elci de cabeça…

8×0 : Oito minutos mais tarde Arnaldo Foguete deixou o dele de cabeça marcando o 8º tento da Desportiva sobre o pobre São Silvano que nada podia fazer para evitar essa lavada, tanto dentro de campo quanto fora coma chuva que caia.

9×0 : Em chute desviado em Zé Pretinha aos 31 minutos Suingue anota o 9º gol…

10×0 :  Aos 34 mais uma vez Guará marca o 3º dele na partida…
11×0 : Aos  37 veio o golpe final Elci  fechou o caixão encerrando o massacre Desportiva 11 x 0 São Silvano …

A goleada só não foi maior pois além dos 11 marcados um foi anulado, e ainda houve um pênalti não marcado ambos na segunda etapa…

 

DESPORTIVA(ES) 11×0 São Silvano(ES)
Data: 29 de junho de 1975
Local: Vitória / ES
Caráter: Campeonato capixaba de 1975
Renda: Cr$ 20.540,00 (2.262 pessoas)
Juiz: Henrique Ribeiro
Escalações:


Desportiva(ES): Azevedo (Edalmo); Paulinho, Edmar, Elci e Gaúcho; Sérgio e Suingue; Evandro, Guará,Arnaldo Foguete e Deo (Renato).

 


São Silvano(ES): Mingo (Jorge); Joãozinho, Valcir, Zé Pretinho e Fiorote; Ferreti e Sapucaia; Advalter, Jorginho, Preto e Jair.
Gols: 1º tempo : Guará aos 9 min, Evandro aos 20 min, Deo aos 26 min, Suingue aos 34 min, Guará aos 37 min,
Gols : 2º tempo : Evandro(pênalti) aos 7 min, Elci aos 10  min, Arnaldo aos 18 min, Suingue aos 31 min, Guará aos 34 min e Elci aos 37 min fechando o massacre…

Fonte : Desportiva Ferroviária Blog
 

Em 15 de agosto de 1910, em Alfredo Chaves 81 km de distância da capital Vitória, região com forte influência de italianos,  nascia o primeiro clube capixaba de futebol,  o Alfredense Football Club, fundado por Carlos Soares Pinto, filho de militar, teve como sua primeira formação : Pedro Bonacossa, Theobaldo de Oliveira Pinto, Ronaldo Boanova, Públio Bellotti, José Bosio, Resk Caroni, José Pitanga dos Santos, Carlos Soares Pinto, José Fernandes Pinto, Luiz Saudino, José Organ, Luiz Villar, Aníbal Cardoso, Ivo Roversi, Luiz Franzotti, Antônio Soares Pinto Júnior e Zeferino Casoti. Nasceu nas cores vermelho e branco.

 

Alfredo Chaves escudo atual

Em 02 de maio de  1949 foi registrado na federação do estado com o nome de  Esporte Clube Alfredo Chaves, nas cores preta e branca. Sua ultima aparição na série A estadual foi em 1996, onde obtiveram ótima campanha, chegando ao quadrangular final mandando suas partidas no estádio: Carlos Soares Pinto (Estádio das Oliveiras). Jogaram o estadual série A de 1991 até 1996.

 

Em 1992 o Alfredo Chaves também fez grande campanha chegando as semi finais perdendo para a Desportiva Ferroviária que contava com Washington ex-Fluminense o mesmo do casal 20, e Andrade ex-Flamengo e foi a campeão capixaba daquele ano e havia conseguido o acesso a série A do brasileiro no 1º semestre.

 

 

 

Uma grande curiosidade :

Os trabalhadores do político Colombo Guardia, constituíram um segundo clube, chamado Usina Futebol Clube, para que  o Alfredense conseguisse  jogar com um time adversário.

 

 

 

 

 

Campanha de 1996

 

1ª Fase

 

Muniz Freire 4×1 Alfredo Chaves

Alfredo Chaves 4×2 Rio Pardo

Alfredo Chaves 3×1 Comercial

de Alegre

Mimosense 1×1 Alfredo Chaves

Rio Branco / Venda Nova 0×3 Alfredo Chaves

Alfredo Chaves 1×1 Muniz Freire

Rio Pardo 2×1 Alfredo Chaves

Comercial de Alegre 1×2 Alfredo Chaves

Muniz Freire 3×0 Mimosense

Alfredo Chaves  1×0 Mimosense

Alfredo Chaves 3×2 Rio Branco / Venda Nova

Decisão Primeira Fase (Grupo Sul)

Muniz Freire 0×1 Alfredo Chaves

Alfredo Chaves qualificou para a fase final

 

Segunda Fase

Rio Branco da Capital 1×0 Alfredo Chaves

Vitória 1×2 Alfredo Chaves

Linhares 2×1 Alfredo Chaves

Alfredo Chaves 1×1 São Mateus

Alfredo Chaves 1×0  Desportiva

Alfredo Chaves 2×1 Colatina

 

Quadrangular final

Linhares 2×1 Alfredo Chaves

Desportiva 3×1 Alfredo Chaves

Alfredo Chaves 2×1 Rio Pardo

Alfredo Chaves 2×2 Linhares

Alfredo Chaves 0×2 Desportiva

Rio Pardo 1×1 Alfredo Chaves

Alfredo Chaves foi o 3º colocado neste estadual, atrás apenas de Desportiva

Ferroviária(série B do brasileiro) campeão e Linhares(semi finalista da Copa do

Brasil) vice campeão,

 

 

Fonte: Alfredo Chaves – Uma visão histórica e política. Hésio Pessali. Alfredo Chaves – ES; 2010

 

Hoje a Sociedade Desportiva Serra Futebol Clube completa mais um ano de fundação, são 85 anos.
Fundado em 24 de junho de 1930 o Serra se tornou profissional em 1997, no mesmo ano conquistou acesso a 1ª divisão, onde jogou até 2012.
Em 1999 o Serra teve sua melhor fase, conquistou o título de campeão capixaba, e foi jogar a série C, lá o clube capixaba conseguiu um feito único…Vencer uma partida no Maracanã, derrotando o Fluminense por 2×1, única vitória de clube capixaba neste estádio, nesta série C o Serra seria o vice campeã atrás somente do próprio Fluminense, mas devido 3 pontos perdido na justiça acabaram ficando em 3º lugar atrás do Náutico/PE.
O Serra clube de muitas glórias chegou a ser tricampeão consecutivo, oque não acontecia no Espírito Santo desde 1979/80/81(Desportiva), hoje passa por uma grave crise afastado da série A desde 2012.

Mesmo assim isso não tira o Serra de juntos dos maiores do estado atrás apenas de Desportiva,Rio branco e Vitória.

Serra em campeonatos capixabas:
1997 – 1º Lugar(série B)
1998 – 6º Lugar
1999 – Campeão
2000 – 2º Lugar
2001 – 4º Lugar
2002 – 4º Lugar
2003 – Campeão
2004 – Campeão
2005 – Campeão
2006 – 6º Lugar
2007 – 7º Lugar
2008 – Campeão
2009 – 8º Lugar
2010 – 5º Lugar
2011 – 8º Lugar
2012 – Rebaixado
2013 – 7º Lugar(série B)
2014 – 4º Lugar (série B)
Outra competição que o Serra foi bem, foi na Copa Centro Oeste de 2001 ficando na 3ª colocação.

Títulos :
profissional :
Campeonato Capixaba: 5 vezes
(1999, 2003, 2004, 2005 e 2008).

Campeonato Capixaba – 2ª Divisão:
1997.

Amador
Supercampeonato Serrano: 4 vezes (1985, 1987, 1989 e 1996).
Taça Cidade da Serra: 2001.

Categorias de Base
Campeonato Capixaba de Juniores:
2003.

Seu estádio é o  Estádio Municipal Roberto Siqueira Costa, conhecido como Robertão, é um estádio de futebol que possui capacidade para cerca de 3.000 pessoas. Fica localizado na sede do município da Serra, no estado do Espírito Santo.

Robertão

Estádio do Serra -ES

 

Fonte : Wikipédia, Facebook Memória Futebol Capixaba.

 

 

 

 

 

 

 

Espírito Santo está afastado desde 1993 da 1ª divisão do brasileiro, 

após a elitização do futebol com o clube dos 13 ganhando força, outros

centros fora do eixo foram esquecidos e afastados gradativamente da elite,

antes desse, tempo onde o brasileiro era mais democrático,

por várias vezes equipes capixabas jogaram a elite,

Desportiva Ferroviária foi a 1ª em 1973, a ultima também em 1993,

chegou a jogar a série A de 1973 até 1982 consecutivamente.

Em 1980 chegou entre os finalistas ficando a frente de times como Fluminense, Botafogo e Atlético/MG.

Neste mesmo ano contou com seu atacante Botelho na seleção dos melhores do brasileiro,

fato único até hoje um jogador ser eleito um dos 11 melhores do campeonato jogando em um clube capixaba.

O Rio Branco também participou algumas vezes da série A, a ultima em 1987,

mas teve destaque mesmo em 1986, onde conseguiu derrotar o Vasco por 1×0, e o Internacional/RS por 2×1, 0×0 com o Cruzeiro em Minas, 2×2 com o Santos no Espírito Santo.

o Vitória foi outro a figurar na elite nacional,

em 1977, 3×1 no Sergipe, 2×1 no Vitória/BA e 2×1 na Desportiva fora os resultados mais importantes naquele ano.

E devido  democratização do futebol brasileiro entre os anos 60 e 80

o capixaba pode ver o chamado trio de ferro capixaba disputando os maiores clássicos do estado na 1ª divisão.

Desportiva e Rio Branco o maior clássico do Espírito Santo duelaram por 4 vezes.

1976 foi a primeira, vitória grená por 2×1,

no mesmo ano novo encontro, nesse deu Rio Branco 1×0.

Mais 2 confrontos em 1978,

um 0×0, e no outro vitória da Tiva por 2×1.

Em 1977 foi a vez de Desportiva e Vitória duelarem, na 1ª partida o Vitória fez jus ao nome e venceu por 2×1.

Na 2ª partida a Desportiva deu o troco e também venceu por 2×1, de quebra eliminava rival da competição.

Em 1974 a CBF(CBD na época) colocou Desportiva e Rio Branco em uma espécie de seletiva,

onde o vencedor ficaria com a vaga na série A daquele ano.

 

 

Associação Desportiva Ferroviária

Vitória Futebol Clube

Rio Branco Atlético Clube

 

 

 

 

1ª partida

Desportiva 1×0 Rio Branco

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

07 de fevereiro 1974

 

2ª partida

Rio Branco 3×1 Desportiva

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

10 de fevereiro 1974

 

3ª partida

Desportiva 1×1 Rio Branco

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

12 de fevereiro 1974

na prorrogação Desportiva 1×0 Rio Branco, com este resultado a Desportiva se classificou para a série A de 1974

 

Clássicos capixabas na 1ª divisão.

 

Desportiva 2×1 Rio Branco

Terça, 7 de setembro de 1976

Engenheiro Arararipe Cariacica-ES

Gols:  1º tempo : Moreira(DES) aos 4.  2º tempo : Valmir (DES) aos 15, Carlinhos(RB) aos 25.

 

Desportiva Ferroviária

TEC Alfredo Gonzalez

  • GOL Edalmo
  • DEF Ari
  • DEF Lúcio Antônio
  • LAT Saúva
  • LAT Augusto
  • MEI Sérgio
  • MEI Carlinhos
  • MEI Evandro (ATA Toninho II)
  • ATA Moreira
  • ATA Orlando
  • ATA Valmir
  •  

Rio Branco-ES

TEC  Jorge Reis

GOL Carlos Afonso

DEF Dario

DEF Juber

LAT Dirmã

LAT Luís Carlos

MEI Wilson Pereira

MEI Baiano (ATA Rogério)

MEI Beto

ATA Kolisek

ATA Ali

ATA Joadir (ATA Carlinhos)

 

Rio Branco 1×0 Desportiva

Domingo, 17 de outubro de 1976

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

Gol : Carlinhos aos 23 do 2º tempo

Rio Branco-ES

TEC  Beto Pretti

  • GOL Jair
  • DEF Dario
  • DEF Juber
  • LAT Daniel
  • LAT Luís Carlos
  • MEI Baiano (ATA Joadir)
  • MEI Wilson Pereira
  • ATA Beto Careca
  • ATA Marco Antônio
  • ATA Carlinhos
  • ATA Paulo Tomás (ATA Ali)
  •  

Desportiva Ferroviária

TEC  Alfredo Gonzalez

  • GOL Edalmo
  • DEF Ari
  • DEF Edmar
  • LAT Celso Alonso
  • LAT Augusto
  • MEI Evandro
  • MEI Sérgio
  • ATA Wílson (ATA Alfredo)
  • ATA Bira (MEI Lulinha)
  • ATA Toninho II
  • ATA Orlando

 

 

Vitória 2×1 Desportiva

Domingo, 6 de novembro de 1977

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

Gols : 2º tempo : Zezinho(VIT) aos 2, Marco Antônio Visgo(VIT) aos 11, Sérgio(DES) aos 29.

Vitória-ES

TEC Paulistinha

  • GOL Jonas
  • DEF Julinho
  • DEF Dário
  • LAT Carlos Alberto
  • LAT Osvaldir
  • MEI Paulo Roberto (ATA Chiquinho)
  • ATA Quico (MEI Ribom)
  • ATA Luís Carlos
  • ATA Zezinho
  • ATA Marco Antonio Visgo
  • ATA Vanderlei

 

Desportiva Ferroviária

TEC Nelsinho Rosa

  • GOL Samuel
  • DEF Edmar
  • DEF Paulo César Colorado
  • LAT Vicente Paixão
  • LAT Suemar
  • MEI Sérgio
  • MEI Célio
  • MEI Marcos
  • ATA Toninho II
  • ATA Wílson
  • ATA Orlando (ATA Corinto)

 

Desportiva 2×1 Vitória

Domingo, 11 de dezembro de 1977

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

Gols : 1º tempo : Orlando(DES) aos 10. 2º tempo : Zezinho(VIT) aos 42, Evandro(DES) aos 43.

Desportiva Ferroviária

TEC Nelsinho Rosa

  • GOL Samuel
  • DEF Edmar
  • DEF Paulo César Colorado
  • LAT Suemar
  • LAT Vicente Paixão
  • MEI Célio
  • MEI Evandro
  • MEI Marcos
  • ATA Orlando
  • ATA Corinto (ATA Wílson)
  • ATA Vandinho (MEI Sérgio)

 

Vitória-ES

TEC Paulistinha

  • GOL George
  • DEF Júlio César
  • DEF Ronaldo Castro
  • LAT Osvaldir
  • LAT Serginho
  • LAT Carlos Alberto
  • MEI Wilson Melo
  • MEI Paulo Roberto
  • ATA Moreira
  • ATA Clóvis
  • ATA Zezinho
  • ATA Vanderlei
  • ATA Marco Antonio Visgo

 

Desportiva 0×0 Rio Branco

Domingo, 2 de abril de 1978

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

Desportiva Ferroviária

TEC  Nelsinho Rosa

  • GOL Samuel
  • DEF Paulo César Colorado
  • DEF Edmar
  • LAT Vicente Paixão
  • LAT Suemar (MEI Evandro)
  • ATA Vanderlei
  • MEI Célio
  • MEI Sérgio
  • ATA Orlando
  • ATA Marco Antônio
  • ATA Corinto (ATA Sávio)

Rio Branco-ES

TEC Beto Pretti

  • GOL Jair
  • DEF Maurício
  • DEF Daúca
  • LAT Daniel (MEI Beto)
  • LAT Marinho
  • LAT Osvaldir
  • MEI Baiano
  • ATA Acelinho (ATA Rogério)
  • ATA Toninho
  • ATA Joadir
  • ATA Didi

 

 

Desportiva Ferroviária 2×1 Rio Branco

Domingo, 28 de maio de 1978

Engenheiro Araripe, Cariacica-ES

Gols : 1º tempo Orlando(DES) aos 4. 2º Tempo : Dario(DES) aos 16 minutos, Joadir(RB) aos 20 minutos.

Desportiva Ferroviária

TEC Nelsinho Rosa

  • GOL Samuel
  • DEF Getúlio
  • DEF Paulo César Colorado
  • LAT Suemar
  • LAT Vicente Paixão
  • MEI Evandro
  • MEI Sérgio
  • ATA Corinto (ATA Dario)
  • ATA Orlando
  • ATA Vanderlei
  • ATA Sávio (ATA Marco Antônio)

 

Rio Branco-ES

TEC Beto Pretti

  • GOL Jair
  • DEF Daúca
  • LAT Marinho
  • LAT Osvaldir
  • LAT Gabriel
  • MEI Baiano
  • MEI Norberto
  • ATA Acelinho
  • ATA Da Costa(MEI Beto)
  • ATA Joadir(ATA Carlinhos)
  • ATA Rogério

Fontes : ferroviariaes.blogspot.com.br , Futipédia, Revista Placar.

 

Este placar é a maior goleada do campeonato capixaba, aconteceu em Cachoeiro de Itapemirim no estádio Mario Monteiro o Sumaré em 10 de fevereiro pelo estadual de 2010. Em sua segunda partida na elite capixaba o Espírito Santo sofria sua segunda goleada, havia perdido para o Vila Velhense por 7×0 na estréia. A goleada porém tem uma explicação, o Espírito Santo havia apenas um jogador no banco de reservas, o goleiro tinha apenas 16 anos de idade, foi um verdadeiro cata cata nas primeiras partidas do time no estadual que com problemas na inscrição de atletas não pode usar nem metade dos reforços contratados.

A campanha do time naquele estadual foi a seguinte em 18 partidas, 4 vitórias, 2 empates, 12 derrotas, 20 gols a favor, 56 gols contra, saldo de -14. Já o Rio branco quebrou um tabu de 25 anos sem conquistar o título do campeonato estadual.

Escalações :

Espírito Santo : Achiles,Ricardinho,Roberto,Felipe,Gedivan,Diego,Giovanni,Ramon,Léo Reis,Luan,Johnathan.TÉCNICO: Luiz Fernando

Rio Branco : Walter,Johnatan,Aílson,Pipoca,Helder, Bruno,Gil Baiano,Caio,Eduardo,Ronicley,Juca.TÉCNICO: Giuliano Pariz

 

 

1º tempo

ESFC  0X1 RB : Logo aos 57 segundos Juca fez Rio Branco 1×0…

ESFC 0X2  RB :  Eduardo aos 12…

ESFC 0X3  RB : Aos 20 Roniclay…

ESFC 1X3  RB : Aos 30 Geovani marcou o 1º gol do Espírito Santo Futebol Clube na série A do capixaba…

ESFC  1X4  RB : Jhonatan aos 36…

ESFC 1X5  RB : Helder aos 41…

2º tempo

ESFC  1X6  RB : Roniclay 1 minuto…

ESFC 1X7  RB : Juca  aos 12 minutos…

ESFC 1X8 RB : Jhonatan aos 14 minutos…

ESFC 1X9 RB : Eduardo aos 16 minutos…

ESFC 1X10 RB : Juca aos 20 minutos.

ESFC 1X11 RBA : os 29 Humberto (pênalti)…

ESFC  1X12 RB : Juca aos 34 minutos…

ESFC 2X12 RB : Luiz Maziolli (pênalti) aos 39 minutos…

ESFC 2X13 RB : 40 minutos Humberto.

ESFC 2X14 RB :Juca aos 44 minutos fecha o massacre..

Gols ESFC : Giovanni, Luiz Mazioli.

Gols RB : Juca (5), Ronicley (3), Eduardo (2), Humberto (2), Hélder, Jonathan

 

Fonte : Jornal a Tribuna-ES, Gazeta do Povo.

 

1.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
01 21/03  Serra F.C.  Espírito Santo SE 0 x 1    Vitória F.C.  Robertão, Serra  15:00
02 26/03  Rio Branco A.C.   1 x 2    Real Noroeste F.C. Estiva, Serra 15:00
03 24/03  Linhares F.C.   4 x 1    A.A. São Mateus  Joaquim Calmon, Linhares 15:00
2.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
04 01/04 Rio Branco A.C.   4 x 3  Espírito Santo SE  Serra F.C.  Estiva, Serra 15:00
05 28/03  A.A. São Mateus   2 x 2    Vitória F.C.  Sernamby, São Mateus 15:00
06 28/03 Real Noroeste F.C.   6 x 2    Linhares F.C.  José Olímpio da Rocha, Águia Branca 17:15
3.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
07 04/04  Serra F.C.  Espírito Santo SE 2 x 1    A.A. São Mateus  Robertão, Serra 15:00
08 08/04  Linhares F.C.   0 x 5    Rio Branco A.C.  Joaquim Calmon, Linhares 13:00
09 04/04  Vitória F.C.   1 x 1    Real Noroeste F.C.  Salvador Costa, Vitória 15:00
4.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
10 21/04  Linhares F.C. 3 x 2  Espírito Santo SE  Serra F.C.  Joaquim Calmon, Linhares 13:00
11 11/04  Real Noroeste F.C.   2 x 0    A.A. São Mateus  José Olímpio da Rocha, Águia Branca 14:00
12 11/04  Rio Branco A.C.   4 x 2    Vitória F.C.  Estiva, Serra 15:00
5.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
13 18/04  Serra F.C.  Espírito Santo SE 1 x 1    Real Noroeste F.C.  Robertão, Serra 15:00
14 13/05  Vitória F.C.   4 x 0  Linhares F.C.  Salvador Costa, Vitória 15:00
15 18/04  A.A. São Mateus   1 x 0    Rio Branco A.C.  Sernamby, São Mateus 15:00
6.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
16 26/04  Vitória F.C.   2 x 0  Espírito Santo SE  Serra F.C.  Salvador Costa, Vitória 15:00
17 25/04  Real Noroeste F.C.   1 x 0    Rio Branco A.C.  José Olímpio da Rocha, Águia Branca 14:00
18 25/04  A.A. São Mateus   0 x 0    Linhares F.C.  Sernamby, São Mateus 15:00
7.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
19 01/05  Serra F.C.  Espírito Santo SE 0 x 3    Rio Branco A.C.  Robertão, Serra 10:00
20 03/05  Vitória F.C.   1 x 2    A.A. São Mateus  Salvador Costa, Vitória 15:00
21 05/05  Linhares F.C.   2 x 2    Real Noroeste F.C.  Joaquim Calmon, Linhares 15:00
8.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
22 09/05  A.A. São Mateus   1 x 0  Espírito Santo SE  Serra F.C.  Sernamby, São Mateus 15:00
23 08/05  Rio Branco A.C.   1 x 1    Linhares F.C.  Robertão, Serra 15:00
24 09/05  Real Noroeste F.C.   0 x 0    Vitória F.C.  José Olímpio da Rocha, Águia Branca 15:00
9.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
25 16/05  Serra F.C.  Espírito Santo SE 1×0    Linhares F.C.  Robertão, Serra 12:45
26 16/05  A.A. São Mateus   1 x 1    Real Noroeste F.C.  Sernamby, São Mateus 15:00
27 16/05  Vitória F.C.   1 x 3    Rio Branco A.C.  Salvador Costa, Vitória 15:00
10.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
28 23/05  Real Noroeste F.C. 4 x 0 Espírito Santo SE  Serra F.C.  José Olímpio da Rocha, Águia Branca 10:30
29 23/05  Linhares F.C. 2×1  Vitória F.C.  CANCELADO
30 23/05  Rio Branco A.C. 3 x 0 (W.O.)  A.A. São Mateus  Robertão, Serra 13:00

Chave Sul

1.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
 01 26/03 S.C. Brasil Capixaba   0 x 3 (W.O.)    C.A. Itapemirim Municipal Almiro Ofranti, Vargem Alta 15:00
02 22/03  A. Desportiva Ferroviária V.R.D.   0 x 1    Castelo F.C.  Arena Unimed Sicoob, Cariacica 15:00
2.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
03 29/03 A. Desportiva Ferroviária V.R.D.   2 x 1    S.C. Brasil Capixaba Arena Unimed Sicoob, Cariacica 15:00
04 29/03  Estrela do Norte F.C.   0 x 3 (W.O.)    C.A. Itapemirim  Sumaré, Cachoeiro de Itapemirim 10:00
3.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
05 07/04  S.C. Brasil Capixaba   3 x 2    Estrela do Norte F.C. Municipal Almiro Ofranti, Vargem Alta 19:00
06 02/04  C.A. Itapemirim   2 x 0    Castelo F.C.  José Olívio Soares, Itapemirim 20:00
4.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
07 12/04  Castelo F.C.   3 x 1    Estrela do Norte F.C.  Emílio Nemer, Castelo 10:00
08 11/04  A. Desportiva Ferroviária V.R.D. 5 x 2    C.A. Itapemirim  Arena Unimed Sicoob, Cariacica 15:00
5.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
09 21/04  S.C. Brasil Capixaba   2 x 2    Castelo F.C. Municipal Almiro Ofranti, Vargem Alta 16:00
10 19/04  Estrela do Norte F.C.   1 x 5  A. Desportiva Ferroviária V.R.D.  Sumaré, Cachoeiro de Itapemirim 10:00
6.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
 11 27/04  C.A. Itapemirim   2 x 2    S.C. Brasil Capixaba  José Olívio Soares, Itapemirim 19:00
12 25/04  Castelo F.C.   0 x 0    A. Desportiva Ferroviária V.R.D.  Emílio Nemer, Castelo 15:00
7.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
13 02/05  S.C. Brasil Capixaba   0 x 3 (W.O.)    A. Desportiva Ferroviária V.R.D. Municipal Almiro Ofranti, Vargem Alta 15:00
14 04/05  C.A. Itapemirim   3 x 0    Estrela do Norte F.C.  José Olívio Soares, Itapemirim 19:00
8.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
15 09/05  Estrela do Norte F.C.   1 x 5    S.C. Brasil Capixaba  Sumaré, Cachoeiro de Itapemirim 16:00
16 09/05  Castelo F.C.   1 x 0    C.A. Itapemirim  Emílio Nemer, Castelo 15:00
9.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
17 16/05  Estrela do Norte F.C.   1 x 2    Castelo F.C.  Sumaré, Cachoeiro de Itapemirim 16:00
18 17/05  C.A. Itapemirim   3 x 4  A. Desportiva Ferroviária V.R.D. José Olívio Soares, Itapemirim 15:00
10.ªRodada MANDANTE PLACAR VISITANTE LOCAL HORÁRIO
19 23/05  Castelo F.C. 0 x 1    S.C. Brasil Capixaba  Emílio Nemer, Castelo  10:30
20 23/05  A. Desportiva Ferroviária V.R.D. 2 x 1  Estrela do Norte F.C. Municipal Almiro Ofranti, Vargem Alta  15:00

 

CHAVE NORTE

Clubes P J V E D GP GC SG %
1.º Real Noroeste F.C. 20 10 5 5 0 20 8 12 21 2 66,7
2.º Rio Branco A.C. 19 10 6 1 3 24 11 13 23 1 63,3
3.º Vitória F.C. 12 9 3 3 3 15 14 1 22 3 44,4
4.º A.A. São Mateus 12 10 3 3 4 8 15 -7 20 1 40,0
5.º Linhares F.C. 9 9 2 3 4 12 23 -11 22 5 33,3
6.º Serra F.C. 7 10 2 1 7 11 20 -9 15 1 23,3

CHAVE SUL

Clubes P J V E D GP GC SG %
1.º A. Desportiva Ferroviária V.R.D. 19 8 6 1 1 21 9 12 22 2 79,2
2.º Castelo F.C. 17 8 5 2 1 11 8 3 24 3 70,8
3.º C.A. Itapemirim 13 8 4 1 3 18 12 6 17 4 54,2
4.º S.C. Brasil Capixaba 11 8 3 2 3 14 15 -1 18 3 45,8
5.º Estrela do Norte F.C. 0 8 0 0 8 8 28 -20 16 1 0,0

 

Semifinais

jg data mandante placar visitante local horário
51 30/05 Rio Branco A.C. 1 x 1 A. Desportiva Ferroviária V.R.D. Arena Unimed Sicoob, Cariacica 10:00
52 30/05 Castelo F.C. 1 x 1 Real Noroeste F.C. Emílio Nemer, Castelo 15:00
53 06/06 A. Desportiva Ferroviária V.R.D. 3 x 1 Rio Branco A.C. Arena Unimed Sicoob, Cariacica 10:00
54 06/06 Real Noroeste F.C. 2 x 2 Castelo F.C. José Olímpio da Rocha, Águia Branca 14:00

 

Final

jg data mandante placar visitante local horário
55 13/06 Real Noroeste F.C. 2 x 2 A. Desportiva Ferroviária V.R.D. José Olímpio da Rocha, Águia Branca 15:00
56 20/06 A. Desportiva Ferroviária V.R.D. 3 x 2 Real Noroeste F.C. Arena Unimed Sicoob, Cariacica 15:00

 

Campeão Capixaba Sub-20 2015  – Associação Desportiva Ferroviária

Desportiva Ferroviária campeão capixaba sub-20 2015

 

*Desportiva e Real Noroeste estão classificados para Taça São Paulo Futebol Júnior 2016.

 

fonte : http://www.futebolcapixaba.com/

 

Em 1981, a Desportiva fez sua primeira excursão internacional. Jogando na Indonésia, Coréia do Sul e Qatar, foi na  Coréia do Sul onde tudo teve início, a conversa e a idéia desta viajem, que  foi combinada entre Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) e Iron And Steel Company LTDA (Posco) que importava o minério da Vale para a Coréia do Sul, a princípio era de ficar apenas 10 dias por lá para enfrentar o Posco Football Club,   atualmente chamado  Pohang Steelers,  porém com a ajuda de um grupo de empresários a excursão se estendeu  sendo assim jogaram na Indonésia e no Qatar, por fim a Tiva ficou 30 dias excursionando pela Ásia.

A primeira parada foi Seul, Coréia do Sul, ali a Tiva fez 3 amistosos contra o Pohang Steelers. O primeiro jogo fora do Espírito Santo foi jogado em 14 de maio de 1981, derrota na estréia fora do Brasil por 3×1, não que sirva de desculpa mas a viagem foi longa, segundo informações Naldo foi o autor do 1º gol da Desportiva fora do Brasil. Dois dias depois nova partida, e desta vez a Desportiva venceu, o placar de 1×0 em 16 de maio de 1981 marcou a primeira vitória do clube capixaba fora do nosso país.
Em 19 de maio nova partida entre Tiva e Pohang, terminou com placar  em 1×1, o clube coreano é o adversário estrangeiro que mais enfrentamos em nossa história, foram  4 partidas, 2 vitórias da Desportiva, 1 empate e 1 derrota, 5 gols marcados 5 gols sofridos.

Jogadores e comissões técnicas de Pohang Steelers e Desportiva Ferroviária

 

Seguindo a excursão a Desportiva partiu rumo a Indonésia, no dia 23 de maio a Tiva fez sua segunda vítima fora do Brasil, e a Seleção de Sumatra teve o “prazer” de ser a primeira equipe goleada pela , o placar foi um 4×1. Dois dias depois a vitória foi mais difícil, 3×2 sobre o Mercu Buana Medan. No dia 27 de maio um empate em 1×1 com o Pssi Patrana. Fechando a visita em solo indonésio, vitória grená por 1×0 diante da Seleção de Bandoui, saindo da Indonésia  invictos.

Próximo destino…Qatar! A delegação teve um pequeno  probleminha no aeroporto, afinal país Árabe as coisas eram bem diferentes do que os capixabas estavam acostumados, e as revistas com teor erótico, e bebidas alcólicas não entravam no aeroporto. Com muita conversa, a delegação capixaba conseguiu que sua bagagem fora dos padrões árabes ficassem guardadas no aeroporto até a equipe terminar sua passagem pelo Qatar. O elenco grená estava acostumado a rispidez e  não sentiu tanto assim a seriedade dos árabes, pois o treinador era ninguém menos que Dorival Knipel, mais conhecido como Yustrich “O homão”, um dos treinadores mais linha dura que o futebol brasileiro já viu, era muito disciplinador, como jogador atuou como goleiro em vários clubes, mas se notabilizou mesmo como técnico, famoso por sua exigência e maneiras peculiares e exageradas de reagir com certas pessoas. Temperamento explosivo protagonizou diversas histórias que fazem parte do folclore do futebol nacional, mas uma outra coisa que pouco se comenta era o coração do Homão, quem conviveu com ele sempre afirmou que Yustrich cobrava muito de seus jogadores mas também exigia muito para eles, salários melhores, melhores condições de trabalho no dia a dia, alimentação e etc.  Só não se deu muito bem no Espírito Santo ficando pouco tempo no comando a Tiva, fez Edmar tirar a barba, um coisa inimaginável, já que Edmar sempre ostentou uma vasta barba.

Na seleção do Qatar, uma figura bem conhecida do todo futebolista brasileiro, Evaristo de Macedo era quem os  treinava,  que conhecendo o futebol nacional armou uma seleção do Qatar que venceu a primeira  partida por 4×2, em 3 de junho.  Mas  a Desportiva não poderia voltar para casa assim, com uma derrota dessas…E no dia 6 de junho a Tiva voltou a campo contra o Qatar e atropelou os donos da casa, vitória expressiva e convincente por 3×0, foi uma noite das arabias para a Tiva, Naldo e Londrina foram destaques desta partida anotando o deles.
Ao todo a Desportiva disputou 9 partidas na excursão pela Ásia, entre 8 de maio a 7 de junho de 1981. Com 5 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. Naldo com 9 gols foi o artilheiro máximo da excursão, Londrina 4 vezes, Paulistinha 2 gols e Dario e Ericson 1,17 gols marcados contra 12 sofridos. Vale lembrar que devido a dificuldade de encontrar  fontes não damos certeza de estar tudo correto, mesmo assim vale o registro.
Pohang Steelers da Coréia do Sul 3×1 Desportiva 14 de maio de 1981
gol : Naldo

Pohang Steelers da Coréia do Sul 0×1 Desportiva 16 de maio de 1981
gol : Naldo

Pohang Steelers da Coréia do Sul 1×1 Desportiva     19 de maio de 1981
gol : Naldo

Seleção de Sumatra da Indonésia 1×4 Desportiva     23 de maio de 1981
gols : Naldo duas vezes  e  Londrina, Ericson

Mercu Buana da Indonésia 2×3 Desportiva                  25 de maio de 1981
gols : Paulistinha, Londrina e Naldo

Pssi Patrama da Indonésia 1×1 Desportiva                 27 de maio de 1981
gol : Dario

Seleção de Bandoui da Indonésia 0×1 Desportiva 31 de maio de 1981
gol : Naldo

Qatar 4×2 Desportiva                                                   03 de junho de 1981
gols :  Paulistinha e Naldo

Qatar 0×3 Desportiva                                                   06 de junho de 1981
gols : Londrina duas vezes e  Naldo. 
Naldo bigode matador com 9 gols é o artilheiro grená na excursão internacional.
© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha