O Gameleira Esporte Clube é uma agremiação do Município de Gameleira (PE). O pequeno município (conhecido carinhosamente por: “Terra do Marquês de Olinda“), com 29.829 (segundo os dados do IBGE/2014), fica na Mata Meridional a cerca de 94,4 km da capital do Recife (PE).

O Alvirrubro Gameleirense foi Fundado na segunda-feira, do dia 23 de Maio de 1955. A sua modesta Sede fica localizado na Praça Agamenon Magalhães, nº 280, no Centro de Gameleira. Por quatro décadas e meia, o Gameleira participou das competições Citadinas e nos torneios regionais, na esfera amadora. Contudo, o clube abriu uma exceção na sua história.

Afinal, o Gameleira participou do Campeonato Pernambucano da 3ª Divisão de 2000, organizado pela FPF (Federação Pernambucana de Futebol), onde chegou na fase semifinal, caindo diante do Ferroviário Esporte Clube, do Cabo de Santo Agostinho. Após da derrota por 1 a 0, no jogo de ida, acabou empatando em 1 a 1, na volta.

FONTES: Google Maps – Rsssf Brasil – Página do clube no Facebook – Henrique Martins Feitosa

 

O Sport Club Boa Vista é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 1º de Fevereiro de 1917, pelo Sr. Abel Ramos e um grupo de desportistas da localidade. A 1ª Sede ficava na Rua Boa Vista, nº 53 (sobrado), no Alto da Boa Vista.

Uma curiosidade nas cores, apesar da alcunha do clube ser “Alviverde do Alto“, as fotos coletadas pelo amigo e membro Auriel de Almeida, mostra que num certo período, existia  além do verde e branco,  o amarelo.

O seu Campo – que está situado na Estrada das Furnas, nº 900, no Alto da Boa Vista, na Zona Norte do Rio – foi inaugurado no domingo, do dia 23 de Setembro de 1917. Em 1928, disputou o Campeonato da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres – Divisão Emmanuel Coelho Netto.

Campeão do Torneio dos Segundos Quadros de 1930

No domingo, do dia 09 de fevereiro de 1930, no campo do Fundição Nacional Athletico Club, situado na Avenida Pedro II, s/n, em São Cristóvão, o jogo de desempate do Torneio dos Segundos Quadros da Divisão Emmanuel Coelho Netto, entre o Sport Club América e o Sport Club Boa Vista. Melhor para o Boa Vista que goleou por 4 a 0. O nome da partida foi o atacante Mosquera, autor dos quatros gols.

 

SPORT CLUB  AMÉRICA 0 X 4 SPORT CLUB  BOA VISTA
LOCAL Campo do Fundição Nacional Athletico Club, situado na Avenida Pedro II, s/n, em São Cristóvão – Zona Norte do Rio/RJ
CARÁTER Final Torneio dos Segundos Quadros da Divisão Emmanuel Coelho Netto
DATA Domingo, no dia 09 de Fevereiro de 1933
ÁRBITRO Honorato José Barbosa (Brasil Football Club)
S.C. AMÉRICA Martins; Barros e Aristides; Binóculo, Júlio e Canella; Adhemar, Mario, Byra, Lixa e Erasmo.
S.C. BOA VISTA Caetano; Alves e Bahiano; Carlos, Bethuel e Noravio; Gentil, Mosquera, Romualdo, Amaro e Petronilho.
GOLS Mosquera foi autor dos quatro gols do S.C. Boa Vista.

Campeão da LMDT de 1932

Em 1932, o Sport Club Boa Vista se sagrou Campeão do Campeonato da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres. Muito embora a LMDT fosse descendente direta da primeira liga de futebol do Rio de Janeiro, a Liga Metropolitana de Football, esse título permanece largamente ignorado. O motivo: todos os seus participantes eram clubes pequenos.

A LMDT foi desfiliada pela Confederação Brasileira de Desportos em 1924. Naquele ano o Vasco da Gama conquistou o título, histórico, sendo o único ano da “era sem filiação” atualmente lembrado na galeria de campeões da FERJ. Essa conquista do Boa Vista, 1932, o último antes da LMDT ser absorvida pela profissional Liga Carioca de Football.

FONTES: Acervo do Clube – A Noite – Jornal dos Sports – Jornal das Moças

 

O Cotonifício Gasparian Atlético Clube foi uma agremiação do Município de Comendador Levy Gasparian (RJ). Localizado na Região Sul Fluminense, a 160 km da capital. Conta com uma população de 8.183 mil habitantes (segundo o Censo IBGE/2010). Antes da sua emancipação, em 23 de dezembro de 1991, o local era um distrito de Três Rios.

A sua Sede ficava localizado na Vila Gasparian, s/n, no Centro de Comendador Levy Gasparian. O Tricolor Gaspariense foi Fundado em 1957, por Joel da Silva Maia, então com 31 anos. As suas cores eram vermelho, branco e azul.

O fundador, que presidiu o clube por oito anos, foi Vereador em Três Rios, em 1959, exercendo vários mandatos até 1992, ocupando cargos de relevância na Prefeitura e na Câmara de Vereadores do Município de Três Rios.
No Município de Levy Gasparian foi eleito como primeiro Prefeito (1993 a 1996).

Em abril de 1958, se filiou a Liga de Desportos de Três Rios, passando a disputar as competições citadinas. O Cotonifício Gasparian disputou durante 10 anos o campeonato trirriense, durante cinco anos sendo vice-campeão e os outros 5, campeão da competição.

Copa Sul-Fluminense de 1974

O clube participou da Copa Sul-Fluminense de 1974, organizado pela a Federação Fluminense de Futebol (FFF).

Campeão do 1º Turno do Campeonato de Três Rios de 1976

O Cotonifício Gasparian Atlético Clube foi Campeão do 1º Turno do Campeonato Citadino de Três Rios.

1º        Cotonifício Gasparian      17 pontos (nove jogos: oito vitórias e um empate);

2º        Entrerriense F.C.              13 pontos;

3º        C.E. Santa Matilde          13 pontos;

4º        A.R. Santanense F.C.     10 pontos;

5º        Santa Cruz                          09 pontos;

6º        E.C. Serrariense                08 pontos;

7º        Fluminense                         07 pontos;

8º        Flamengo                            06 pontos;

9º        Colônia                                05 pontos.

 

Campeão do Torneio dos Campeões de 1977

Após ter se sagrado campeão da competição em 1977, o Cotonifício Gasparian voltou a participar no ano seguinte. Time-base de 1977: Maninho; Dão, Ilo, Mineiro (Jorge) e Nego Lima; Carlinhos, Toninho Dutra e José Soares; Toninho Lima, José Carlos e Estevinho (Adão).

Torneio dos Campeões de 1978

A Federação Fluminense de Futebol (FFF), organizou a 2ª edição do Torneio dos Campeões (também chamado de Super Campeonato Fluminense de Clubes Campeões de Futebol Amador), de 1978, que reuniam, basicamente, os vencedores dos campeonatos citadinos do Estado do Rio.

A competição teve início no dia 12 de fevereiro de 1978. O campeão receberia em definitivo o Troféu Edmundo Matuscello, tendo em vista a fusão da nova entidade (FERJ – Federação Futebol do Estado do Rio de Janeiro) que aconteceu em março daquele ano. O Torneio dos Campeões reuniu cinco equipes:

CIPEC Esporte Clube (Mendes);

Cotonifício Gasparian Atlético Clube (Três Rios);

Esporte Clube Nova Cidade (Nilópolis);

Esporte Clube Siderantim (Barra Mansa);

Morro Agudo Futebol Clube (Nova Iguaçu).

 

No Grupo A, estão Morro Agudo e Nova Cidade, e, no Grupo B contam com CIPEC e Siderantim. Nos jogos de ida, no dia 12 de fevereiro, o Nova Cidade recebeu o Morro Agudo, no Estádio Joaquim Flores, em Nilópolis. Melhor para o Morro Agudo, que venceu por 1 a 0, com o gol de Osvaldinho aos 24 minutos do 2º tempo.

Uma semana depois (19/02), no jogo da volta o Morro Agudo goleou o Nova Cidade, pelo placar de 4 a 1, em Nova Iguaçu. Mariozinho aos 20 minutos abriu o placar para o Alvirrubro de Comendador Soares. Neco empatou para o Nova Cidade aos 33 minutos do 1º tempo. Osvaldinho aos 17 minutos, Polônia aos 30 minutos e Nereu aos 44 minutos da etapa final, deram números finais a peleja.

Também no dia 12 de fevereiro, o CIPEC venceu o Siderantim, pelo placar de 3 a 1, em Mendes. Em 19 de fevereiro, aconteceu o jogo da volta, e o Siderantim e CIPEC, empataram sem abertura de contagem, em Barra Mansa.

O Cotonifício Gasparian não estava, em nenhum dos dois grupos, pois a competição Citadina de Três Rios ainda estava andamento, e depois se sagrou campeão Trirriense. Após os dois jogos de ida e volta, o Morro Agudo eliminou o Nova Cidade, enquanto o CIPEC superou o Siderantim.

No Triangular Final para definir o campeão, aconteceu com jogos em turno e returno.

05/02 – Morro Agudo 1 x 3 Cotonifício Gasparian, no Estádio Domingos Cesar de Castilho, no Bairro de Comendador Soares, em Nova Iguaçu

12/03 – CIPEC 2 x 2 Cotonifício Gasparian, no Estádio Isa Fernandes, em Mendes

19/03 – CIPEC 2 x 2 Morro Agudo, no Estádio Isa Fernandes, em Mendes

26/03 – Cotonifício Gasparian 3 x 0 Morro Agudo, no Estádio Odair Gama, em Três Rios

02/04 – Cotonifício Gasparian 1 x 2 CIPEC, no Estádio Odair Gama, em Três Rios

09/04 – Morro Agudo 0 x 0 CIPEC, no Estádio Domingos Cesar de Castilho, no Bairro de Comendador Soares, em Nova Iguaçu

Campanha do Cotonifício Gasparian

No Domingo 05 de março de 1978, teve início o Triangular final, às 15h30, entre Morro Agudo x Cotonifício Gasparian, em Nova Iguaçu. Com arbitragem de Reinaldo Faria dos Santos, auxiliado por Valdir de Oliveira e Ruy Alves Bezerra, o Cotonifício levou a melhor vencendo o Morro Agudo por 3 a 1. O time atuou com: Maninho; Dão, Adão, Ilo e Nego Lima; Danilo, Toninho Dutra (Estevinho) e José Soares; Toninho Lima, Paulinho e Zé Carlinhos.

O jogo entre CIPEC e Cotonifício Gasparian, terminou empatado em 2 a 2, Isa Fernandes, em Mendes. A partida teve arbitragem de Waldir Pereira Barbosa, auxiliado por Armando Pereira da Costa e José Borges Filho. Preguinho e Nego Lima, contra, marcaram para o CIPEC; enquanto José Soares e Toninho Lima assinalaram para o Cotonifício Gasparian. O time atuou com: Maninho; Dão, Adão, Ilo e Nego Lima; Danilo, Toninho Lima e Estevinho; Paulinho, José Soares e Zé Carlinhos.

No jogo, do dia 26 de março, o Cotonifício Gasparian goleou o Morro Agudo por 3 a 0, no Estádio Odair Gama, em Três Rios. Paulinho abriu o placar aos 12 minutos do 1º tempo. Na etapa final, Zé Mulher aos 25 minutos e Toninho Lima aos 39 minutos, decretaram o triunfo do Cotonifício Gasparian. O time atuou com: Maninho; Dão, Adão, Ilo e Nego Lima; Danilo, Marreco e José Soares; Toninho Lima, Paulinho e Estevinho (Zé Mulher).

No dia 02 de abril, o Cotonifício Gasparian foi surpreendido e acabou derrotado pelo CIPEC, por 2 a 1, no Estádio Odair Gama, em Três Rios. Silveira marcou os dois gols do time de Mendes; enquanto Antonio Carlos fez o de honra da equipe de Três Rios. A partida teve a arbitragem de Elamé de Souza (FFD). O time atuou com: Ercílio; João Carlos, Ilo, Carlos Antonio e Jorge; Antonio Carlos, Zé Carlos e José Soares; Danilo, Toninho Lima, Paulinho e Estevinho.

Após a última rodada, o Cotonifício Gasparian e o CIPEC, terminaram empatados com cinco pontos. Com isso, a Federação Fluminense de Futebol (FFF), marcou o jogo-extra, em campo neutro. O jogo aconteceu no domingo, do dia 21 de maio de 1978, às 14h30, no Estádio do Petropolitano Football Club, em Petrópolis. O trio de arbitragem: Reinaldo Faria, auxiliado por José Borges Filho e Valdir Barbosa. Estranhamente, o resultado desta partida não foi divulgado, deixando a dúvida de quem ficou com a taça: Cotonifício Gasparian e o CIPEC?

 

FONTES: ALERJ – Jornal dos Sports – A Luta Democrática – O Fluminense – Entre-Rios Jornal

 

O General Electric Édison Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A sua Sede social ficava no seu luxuoso Edifício, localizado na Avenida Rio Branco, nº 114 / 2º andar, no Centro do Rio. O seu campo fica na Rua Lucínio Cardoso (junto ao Hospital Central do Exército), nº 42, no Bairro São Francisco Xavier. A outra Sede, que também há um campo (existe até hoje), fica na Rua Miguel Ângelo, nº 221, no Bairro Maria da Graça. Ambos estão localizados na Zona Norte do Rio.

A Fundação do clube, aconteceu na sexta-feira, do dia 04 de Agosto de 1933, foi realizado uma reunião do Conselho Deliberativo do novo clube, organizado após a fusão do Édison Athletico ClubGeneral Electric Sociedade AthleticaAssociação G.E. de Sports (Fundado em junho de 1933) e do Club do Monograma, dando origem ao General Electric Édison Athletico Club.

A nova Diretoria foi empossada. Ficou constituída da seguinte forma:

Presidente - J. Moir;

1º Vice-Presidente - J. D. Gillett;

2º Vice-Presidente - A Le Tellier;

Secretário Geral - M. S. Valverde;

1º Secretário - Nelson Menezes;

2º Secretário - Charles Dals;

Tesoureiro Geral - Cid Americano;

1º Tesoureiro - Edgard Lossio;

2º Tesoureiro - Domingos T. Alves.

No momento em que ocorreu a fusão, o clube disputava a competição mais importante da sua história: o Campeonato da Segunda Divisão, organizado pela Sub-Liga Carioca de Football, além das competições de Basquete, onde era filiado a Liga Carioca de Basquetebol (LCB).

Édison disputou o Carioca da Segundona de 1933

A Sub-Liga pertencia a Liga Carioca de Futebol (LCF), filiada à Federação Brasileira de Football, que não tinha vínculo com a FIFA. A competição contou com a participação de oito clubes:

Bandeirantes Athletico Clube (Jacarepaguá);

Carioca Football Club (Jardim Botânico);

Del Castilho Football Club (Del Castilho);

General Electric Édison Athletic Club (Maria da Graça);

Jequiá Football Club (Ilha do Governador);

Madureira Athletico Clube, ex-Fidalgo FC (Madureira);

Modesto Football Club (Quintino Bocayuva);

São Cristóvão Athletico Clube (São Cristóvão).

Na competição,  as equipes se enfrentaram em turno e returno. No final, o São Cristóvão se sagrou campeão. Os dois jogos entre o G.E. Édison e o campeão foram resultados distintos. No 1º Turno, o General Electric Édison Athletico Club venceu o São Cristóvão por 3 a 2. No entanto, no Returno, a equipe Cadete não teve dó e goleou o adversário pelo incrível placar de 14 a 0.

 

FONTES: Rsssf Brasil – Jornal dos Sports – Diário Carioca – A Noite – A Nação

 

Cascadura Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O Alvinegro foi Fundado na segunda-feira, do dia 08 de Outubro de 1906. A sua Sede e o Campo ficavam situados na Estrada Real Santa Cruz, 2.868/70 (depois nos anos 20, mudou o nome para Avenida Suburbana, 2.365, próximo a Estação de Cascadura, e atualmente: Avenida Dom Hélder Câmara), no Bairro de Cascadura, na Zona Norte do Rio.

Naqueles tempos era comum haver ligas intermunicipais, metropolitanas e “internas”, como as suburbanas. Isso acontecia por causa das dificuldades de deslocamento das delegações entre os bairros mais distantes do Centro e cidades do interior do estado.

Em 09 de abril de 1914, na Sede do Cascadura foi fundado a Liga Sportiva Fluminense (LSF). No ano seguinte, no dia 22 de abril de 1915, se filiou à Associação Brasileira de Sports Athleticos (ABSA). Na de década de 20, se filiou a Liga Leopoldinense de Football (LLF).

FOTO do ano de 1928

FONTES: Gazeta de Notícias – A Imprensa – O Imparcial – O Paiz – Correio da Manhã – Jornal do Commercio – Estatuto do Cascadura F.B.C.

FOTOS: Site Flickr – Denise Oliveira – Vida Sportiva – Página do Facebook “Cascadura – Caminhos do Subúrbio

 

O Onze Rubros Atlético Clube (ORAC) é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A equipe Rubra foi Fundada no domingo, do dia 06 de Janeiro de 1963. A sua Sede fica situada na esquina do conjunto habitacional I.A.P.C., entre Quintino e Cascadura, na Zona Norte do Rio.

A história do clube é narrada pelo autor Francisco Oliva, no Livro “Memórias de um Time de Esquina“. Demonstrando uma memória invejável, o autor conta fatos do Onze Rubros, fatos interessantes dos moradores, dos costumes e da alegria de um tempo que voltará.

 

Wanderley Luxemburgo jogou ORAC

É um verdadeiro tributo aos jogadores dos campos de várzea, a uma época dourada e a amigos vizinhos que formavam uma só família. Uma curiosidade interessante é que o ORAC tinha em seu elenco, Wanderley Luxemburgo e em uma partida contra o Maravilha, time no qual Zico foi reforçar, a equipe do I.A.P.C. venceu o time do Galinho de Quintino.

Mas vale lembrar que as grandes figuras do ORAC eram os “anônimos”, aqueles que fizeram história durante todos esses anos em que ele esteve em atividade fazendo presença nos campos suburbanos cariocas.

 

FONTES: Livro “Memórias de um Time de Esquina”, do autor Francisco Oliva / 1ª edição, São Paulo / Ed.: Daikoku – 2009. – Página no Facebook “Cascadura – Caminhos do Subúrbio”

 

 

Fora fundado em 1945 como Associação dos Ex-Combatentes do Brasil, que congregava e representava os ex-pracinhas de Exército, Marinha e Aeronáutica da 2ª Guerra Mundial, que serviram na FEB-Força Expedicionária Brasileira, cuja sede era no Largo de São Braz.

O propósito maior era amparar e representar junto ao governo e a sociedade, esses bravos militares. Em 1951 criavam um clube de futebol profissional com o mesmo nome desta associação, preservando a nomenclatura até 1958. Já em 1959 resolveu-se lhe dar novo nome, passando assim a se denominar Grêmio Desportivo Combatentes, com características de social e assistencial, com sede agora, na Tv. 1º de Queluz,264, no Bairro de Canudos, Belém (PA).

O Grêmio Desportivo Combatentes deu continuidade à primitiva história por longos 23 anos, disputando o Campeonato Paraense, de igual para igual com Remo e Paysandu, até 1972 -, há registro de que sua melhor performance fora em 1968, quando chegou em terceiro lugar no certame.

Tinha como cores-símbolo o vermelho e branco, e revelou bons jogadores como, os goleiros Asas (atuou no Remo, Paysandu e Seleção Paraense) e Alberto (este natural de Sta. Izabel do Pará), os zagueiros, Socó e J.Alves, além dos atacantes, Zizi,Tatá, Adinamar, dentre tantos outros. O Grêmio Desportivo Combatentes hoje, consta como desativado para os arquivos da Federação Paraense de Futebol.

Combatentes: de “Zé Pracinha” a “Carcará”

A primitiva Associação dos Ex- Combatentes –Secção do Pará –o nome decorria em razão de seus primeiros dirigentes terem sido integrantes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) que participou da segunda guerra mundial na Itália – disputou pela primeira vez o campeonato paraense quase ao inicio da segunda metade do século passado. Mais precisamente em 1952. E teve participação destacada no campeonato estadual revelando nomes como o de Asas (goleiro) que jogou depois no Paissandu e no Remo; Socó, excelente centro-médio que por quase uma década vestiu a camisa azul-marinho, além de Navarro, um zagueiro central que foi contratado pelo Madureira carioca.

O time foi apelidado – provavelmente por Mestre Calá, um dos mais longevos e criativos cronistas da mídia impressa paraense – e que depois (final dos anos 1960) carimbaria o time como “Carcará”, em alusão à música cantada por Maria Bethânia, um dos maiores sucessos daquele tempo.

Não cheguei a ver o “Zé Pracinha” jogar. Fiquei na fase intermediária entre um e outro cognome. Mas durante o tempo em que disputou o campeonato paraense – até 1973 – é inegável que o Grêmio Desportivo Combatentes (nova denominação a partir de 1967) alternou regulares e boas equipes. Para mim, o time de 1968 (“Carcará”) foi o melhor de todos. A começar pelo goleiro Cabi e seu reserva Fadel, contando ainda com o experiente lateral Ailzo, os zagueiros Moacir, Roberto e Caramuru; o meio- campo constituído por Grim e Cláudio e um ataque goleador que contava entre outros com Roger, Jaster, Freitas, Adinamar, Santos e Amaral. Ao final do campeonato, vários deles foram para o Remo: a dupla de meio campo, além dos atacantes Santos, Adinamar e Amaral (Paissandu e depois Remo).E ainda Roberto contratado pelo Papão e Freitas pela Tuna. Titulares e reservas estavam à altura um do outro. Era um elenco dos mais qualificados de todos os tempos.

O “Carcará” ficou famoso naquele campeonato e não perdeu nenhum de seus jogos para o Paissandu e nem para a Tuna. Dos três grandes, só o Remo conseguiu vencer a equipe de Canudos. O Leão inclusive, foi o campeão invicto naquele ano.

 

FONTES: Ponta de Gol – Memória do futebol e rádio esportivo paraense – Blog do Lino

 

Em 1998, o Arcoverde disputava o Campeonato Pernambucano da 1ª Divisão, quando enfrentava os times do Sport, Náutico, Santa Cruz, Desportiva Vitória, Cabense, Ferroviário de Serra Talhada, 1º de Maio, Grêmio Petrolândia, Recife, Porto e Central.

Na época, o Estádio Áureo Bradley Souto Maior tinha um bom publico, com os jogos do Tigre. Mas no inicio de maio começava Campeonato Pernambucano da 3ª Divisão, que disputavam as equipes campeãs das ligas de futebol amador das cidades, e Arcoverde tinha um representante:

Tratava-se do Botafogo Futebol Clube, situado no Açudinho localizado na zona rural de Arcoverde, próximo a Serra das Varas. O Botafogo sagrou-se campeão do Campeonato Municipal de 1997, organizado pela LDA (Liga Desportiva de Arcoverde), garantindo a vaga na  Terceirona Pernambucana de 1998.

A competição reuniu os times campeões das ligas filiadas a FPF (Federação Pernambucana de Futebol), e o”Fogão Rural”, como era chamado pelos torcedores da zona rural entre Serra das Varas e Açudinho, foi um dos participantes.

O Botafogo ficou numa chave que tinha o Nacional de Belo Jardim e o Sport Boa Vista da cidade de Santa Maria da Boa Vista. No final, o ”Fogão Rural” acabou sendo desclassificado pelo Sport Boa Vista, já que o time visitante quando marcou um gol na casa do adversário, obteve a classificação.

O campeão se classificava para a 2ª divisão pernambucana em 99. Mas naquele ano Arcoverde tinha dois times com o Flamengo na 1ª Divisão, e o Botafogo na 3ª Divisão. Parecia os clubes do futebol carioca, mas realmente aconteceu na história do futebol de Arcoverde no ano de 1998.
Veja os jogos do Botafogo no Campeonato Pernambucano da 3ª Divisão:

JOGOS

LOCAL

Botafogo

3

X

0

Nacional Arcoverde
Nacional

2

X

5

Botafogo Belo Jardim
Botafogo

2

X

2

Sport Boa Vista Arcoverde
Sport Boa Vista

0

X

0

Botafogo Santa Maria da Boa Vista

 

FONTES: Henrique Martins Feitosa – Blog Esporte News, de Gilson Martins

 

Em todas as publicações, é dada a data de 16 de fevereiro de 1933, como a data da mudança de nome do Fidalgo Futebol Clube para MADUREIRA ATLÉTICO CLUBE. Entretanto esta pequena nota publicada no Jornal dos Sports em 15 de fevereiro deste mesmo ano, coloca dúvida nesta data.

 

 

P.S.: No final, a Associação Garanhuense de Atletismo (A.G.A.) e o Centro Limoeirense conquistaram o acesso para o Campeonato Pernambucano da Primeira Divisão de 2001.

 

FONTE: Trabalho de pesquisa de Valter Barros Junior

Vetorização: Sérgio Mello 

 

A Associação Atlética Sucrerie foi fundada em 8 de fevereiro de 1914 por funcionários da Société Sucrerie Brasiliene que era de origem francesa e dona do Engenho Central na Vila Rezende.

Segundo dizem, Angelo Filipini um dos seus fundadores confeccionou o primeiro carimbo do clube a mão, fazendo uso de um canivete.

Em 1942 em virtude da 2° Grande Guerra Mundial, por imposição governamental, os clubes com nomes estrangeiros foram obrigados a adotar nomes brasileiros, assim a A.A. Sucrerie passou a se chamar Clube Atlético Piracicabano.

Um dos grandes rivais do XV de Piracicaba foi um dos pioneiros do profissionalismo no interior e disputou a 2° divisão (atual série A2) até o ano de 1954, deixando o profissionalismo em 1955.

Por suas fileiras passaram grandes jogadores como Pepino, Rabeca, Strauss, Coringa (recebeu o Belford Duarte da CBD por nunca ter sido expulso), Tito Ducatti (o seu maior artilheiro), Benedito Julião que jogou muitos anos no Corinthians e chegou a ser convocado  para a Seleção Brasileira e Cuíca, ou melhor, Mazzola, campeão Mundial em 1958 na Suécia.

Foto do mestre Idálio Filetti, provavelmente dos anos 1940. Mostra a torcida do Estádio Dr. Kok. Interessante é saber que o estádio surgiu por intercessão de alguns desportistas, sendo a maioria deles funcionários do Engenho Central, que solicitaram emprestado terreno situado na av. Dona Francisca, através de seu proprietário Dr. Holger Jensen Kok, então diretor superintendente da Societé de Sucreries Bresiliennes – Engenho Central. No início do século passado, locou a área por valor ínfimo, para que pudessem construir um campo de futebol.

Uma campanha destinada a arrecadar fundos para a compra da área do estádio, foi desencadeada pelo Sr. Lázaro Pinto Sampaio, que contatou fornecedores, industriais, comerciantes, proprietários de engenhos, usineiros etc, além de contribuições dos funcionários da empresa Dedini S/A, a fim de buscar as verbas necessárias para a compra do referido terreno. Assim foi possível a efetivação da aquisição da área que foi denominada ESTÁDIO DR. KOK, em homenagem à memória do nobre ilustra patriarca, no dia 5 de agosto de 1941.

A foto mostra a sede administrativa do Clube Atlético Piracicabano, nos anos de 1960. Situava-se na avenida Barão de Serra Negra, ao lado da praça da Igreja Imaculada Conceição, na Vila Rezende. O clube representou por muitas décadas os rezendinos, senão toda Piracicaba. O prédio não existe mais.

Atualmente, o Clube Atlético Piracicabano possui sua sede na Avenida Brasília, número 571, no bairro de Vila Rezende, nessa cidade.

 

FONTE:Revista O Malho - fotoeahistoria.blogspot.com.br de Edson Rontani Junior - educandopeloesporte.com.br

 

Guarany Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Bagé (RS). A equipe Alvirrubra foi Fundado no dia 19 de Abril de 1907, como Guarany Foot-Ball Club. A sua Sede e o Estádio Antonio Magalhães Rossel (Estrela D’Alva) ficam situados na Rua Gaspar Silveira Martins, 70, no Bairro Estrela D’Alva, em Bagé.

Guarany participou do Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão, em 21 vezes: 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1966, 1967, 1968, 1970, 1971, 1972, 1973, 1975, 1976, 1977, 1978, 1979, 1980, 1981, 1982 e 2007.

No Gauchão da Série B foram 26 edições: 1969, 1974, 1982, 1983, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 2000, 2001, 2002, 2003, 2004, 2005 e 2006. No Campeonato Gaúcho da Série C, o Guarany esteve presente em três edições: 1999, 2013 e 2014.

FONTES: Wikipédia – Leitura Para Todos (RJ)

 

O São Francisco Sport Club (atual São Francisco Futebol Clube) é uma agremiação da cidade de Santarém (PA). É o mais antigo clube de futebol em atividade no Oeste do Pará. Foi Fundado na quarta-feira, do dia 30 de Outubro de 1929, com o nome de São Francisco Sport Club, sendo o seu nome uma homenagem ao Frei Ambrósio, um grande desportista e incentivador do esporte na região.

Trajando uniforme de cores branca e azul, possui como mascote o leão, sendo conhecido como leão santareno. É o clube que mais vezes conquistou o campeonato municipal, possuindo 28 títulos. Assim como o São Raimundo, manda as suas partidas no estádio Colosso do Tapajós.

Mesmo com grande prestígio na sua região, o São Francisco nunca conseguiu se firmar no Campeonato Paraense da 1ª Divisão, sendo sua melhor campanha em 1998, quando terminou a competição na 4ª colocação classificando-se para a disputa do Campeonato Brasileiro da Série C daquele ano.

Em 2001 o clube viveu o pior momento de sua história, como estava com muitas dívidas acumuladas teve que parar de disputar o campeonato paraense e vender parte de seu patrimônio para quitar débitos trabalhistas, ficando sem sede e centro de treinamento.

Com isso passou a disputar somente torneios amadores em Santarém. A reestruturação do clube viria a acontecer em 2007 quando novos diretores assumiram o controle da agremiação, sendo as principais estratégias dos gestores o parcelamento das dívidas e a criação do projeto sócio torcedor para a captação de recursos.

Em 2010, após nove anos de hiato o clube voltava a disputar um torneio estadual e obtendo ascensão de forma rápida. O seu maior rival é, justamente, o São Raimundo, onde o Clássico é conhecido por “Rai-Fran”.

O futebol em Santarém

Na pérola do Tapajós São Raimundo e São Francisco foram os grandes responsáveis pela difusão do Futebol no Baixo-Amazonas. Após suas fundações e os seus êxitos nos campeonatos municipais, eles adquiriram enorme prestígio junto a população local.

Devido à influência que estas equipes exerceram no desenvolvimento do futebol no Baixo-Amazonas e a grande distância que separa Santarém de Belém, a população local adquiriu uma forte identificação com estes clubes, os adotando como time do coração.

Desta forma, em Santarém observa-se uma ambigüidade, enquanto São Raimundo e São Francisco são meros coadjuvantes comparados com os grandes da capital, são considerados clubes grandes em seus municípios.

FONTES: Monografia de Rui Demóstenes “A História do Futebol Paraense Através dos Clubes” – Vida Doméstica (RJ)

 

Sport Club Mackenzie é uma agremiação esportiva da cidade do Rio de Janeiro, fundada a 15 de março de 1914.  O clube disputou os Campeonatos Cariocas de 1921-1924, da 1ª Divisão, mas, com o advento do profissionalismo, abandonou as competições. Em 2006, passou a disputar campeonatos de basquete das categorias mirim e infantil. Suas cores são o preto e o branco. Sua sede social localiza-se no bairro do Méier, na Zona Norte da cidade.

Títulos

Estaduais

Campanhas de Destaque

Títulos no Basquete

  • Taça Kanela Adulto masculino 1984
  • Taça Guanabara Adulto masculino 1978
  • Campeonato Estadual Aspirantes masculino 1968
  • Campeonato Estadual Juvenil masculino 1974; 1977 e 1980
  • Campeonato Estadual Infanto-Juvenil masculino 1970; 1971; 1972; 1977; 1978 e 1979
  • Campeonato Estadual Infantil masculino 1960(Torneio Infantil); 1976; 1980 e 1983
  • Campeonato Estadual Mirim masculino 1978/1º ; 1978/2º ; 1979 e 1980(Torneios Mirim), 1981; 1982 e 1984
  • Torneio Mini masculino 1973 e 1974

Títulos no Futsal

  • Campeonato Metropolitano de Futebol de Salão Adulto masculino 1975
  • Campeonato Estadual Juvenil masculino 1969; 1970 e 1973
  • Campeonato Estadual Infanto-Juvenil masculino 1972; 1973(Junto ao Carioca); 1974 e 1976
  • Campeonato Estadual Infantil masculino 1969; 1970; 1971; 1977; 1978; 1979 e 1980
  • Campeonato Estadual Mirim 1981
  • Campeonato Estadual Pré-Mirim 1981 e 1991 (Junto a Vasco, Grajaú Tênis e Bangu)
  • Campeonato Estadual Fraldinha 1982; 1983 e 1991 (Junto a Vasco, Flamengo e Bangu)
  • O clube nunca venceu na categoria Chupetinha

FONTES: Wikipédia – Vida Domestica 

 

FONTES: Jornal do Brasil - Diário da Noite (RJ) 

 

FONTE: O Radical

 

FONTE: Revista da Semana

 

 

FONTE: Revista da Semana

 

FONTE: Revista da Semana

 

O River Football Club é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi Fundado no dia 23 de Junho de 1914, por um grupo de ex-alunos do Colégio Salesiano de Niterói. No período de 10 de maio de 1917 a 23 de janeiro de 1919 chamava-se Associação Athletica River São Bento, depois voltou ao nome antigo, River Football Club. Sua Sede está localizada na Rua João Pinheiro, 426,  no bairro da Piedade, na Zona Norte do Rio. O clube disputou a Primeira Divisão do Campeonato Carioca em 1923, 1924, 1933 e 1934.

Se o futebol era o objetivo dos fundadores, o clube necessitava de um campo. Alugaram, portanto, um terreno na Rua Dona Maria, a atual João Pinheiro, onde se situa a sede atual, graças aos esforços de Paulo de Frontim. Imediatamente se iniciaram as obras de terraplanagem, pois o terreno do meio para o fim era bastante pantanoso.

O crescimento do River foi vertiginoso e o futebol era a mola propulsora, embora progredisse bastante a parte social. Em 1920 na Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), o River iniciou sua jornada de disputas oficiais de campeonatos de futebol.cEm 27 de junho de 1939, notícias davam conta da sua situação difícil, o que motivou a demissão do seu presidente, João Machado. O futebol começava a sair dos planos do River.

Depois de um período obscuro, onde esteve em jogo à sobrevivência do clube, assumiu sua presidência Luiz Gama Filho, criador da Universidade Gama Filho, apontado como tábua de salvação. Quando o Rivercomemorou 30 anos de fundação, Gama Filho declarava que iria dançar a valsa, na sua nova sede e que o time iria disputar o campeonato da divisão principal do futebol carioca. Nessa época, Luiz Gama Filho já era Vereador do Rio de Janeiro.

Em 1957, a imprensa noticiava o grande momento do River. O clube era presidido por Jeovah Dias Oliveira em substituição ao ministro Gama Filho, que se licenciara para atender a múltiplos afazeres de sua vida pública, quando foi anunciada a conquista definitiva do terreno, para construção da sede e da praça de esportes. O River iniciou sua trajetória no futebol suburbano com uma vitória por 12 a 1 sobre o Sport Club. A sua despedida das disputas se deu com uma derrota para o Vasco da Gama por 4 a 1.

Novo destino aguardava a agremiação da Rua João Pinheiro, atualmente mais voltada para outros esportes e programação social. Com o fim do Departamento de Esporte, o clube resolveu investir na área social, alugando suas dependências para shows. Como o número de sócios diminuiu nos últimos anos, o clube foi obrigado a buscar novas fontes de receita. Há cerca de cinco anos, começou a alugar espaços em suas dependências para o comércio. A iniciativa acabou dando certo, atraindo os moradores da área.

FONTES: Wikipédia – O Radical -  Jornal A Noite

 

O São Christivão Athletico Club foi uma agremiação da cidade de Belo Horizonte (MG). O “Olympico Mineiro” tinha a sua Sede localizado na Rua Rio de Janeiro, nº 328/ Sala 06 / 1º Andar – Centro – Belo Horizonte.

Sob o comando do Técnico Verdola,  o “Olympico Mineiro” fez uma viagem de 18 horas de ônibus para realizar três jogos na cidade do Rio de Janeiro, onde só acumulou derrotas.

Excursão no Rio de Janeiro

Na estreia da excursão acabou goleado, no domingo do dia 18 de julho de 1937, pelo Engenho de Dentro por 4 a 1. Foi derrotado, na quarta-feira, do dia 21 de julho de 1937, pelo Cominado E.M.E. (Magno/ Modesto, Mackenzie e Mavilis) por 3 a 1. Depois perdeu para o Abolição, no domingo do dia 25 de julho de 1937, por 3 a 2.

FONTE: O Radical

 

O Texaco Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O Grêmio da Estrella Vermelha e Verde foi Fundado no domingo, do dia 19 de Janeiro de 1930, por funcionários da Texas Company S.A. Ltda.

 

FONTES: Fon Fon – Brasil Feminino – Beira-Mar – Jornal dos Sports

 

FONTE: Diário de Noticias (RJ) 

 

 

 

Hoje, sem dúvida, o Campeonato Amador melhor organizado a nível técnico e profissional no Brasil, é a Liga Suburbana de Curitiba-PR. O nível de divulgação e interesse é tão grande, que até Álbum de Figurinhas é vendido aos torcedores. Abaixo fotos das 12 equipes que disputaram a 1ª Divisão em 2017:

Fonte: Arquivos de Levi Mulford Chrestenzen

 

A Associação Bancária Cuiabana (ABC) foi uma agremiação da cidade de Cuiabá (MT). Foi Fundado na quinta-feira, do dia 15 de Novembro de 1945. A sua Sede, que foi inaugurada na segunda-feira, do dia 06 de fevereiro de 1950, ficava localizado na Rua Cândido Mariano, s/n, no Centro Norte de Cuiabá. Apesar do clube ter participado de algumas edições no futebol, a principal modalidade esportiva era o Basquetebol, na qual participou de diversas competições nas esferas  municipal e estadual.

Cerca de dois meses após ter sido fundado, foi definida a 1ª Diretoria do clube, que ficou constituída assim:

Presidente - Hostilio Xavier Ratton;

Diretor Social - R. B. M. Ferreira;

Diretor Esportivo - Hugo Muller;

Tesoureiro - Luiz Alves Delamônica

Secretário - Benedito de Figueiredo.A ABC (Associação Bancária Cuiabana), disputou os Campeonatos Cuiabanos de Futebol de 1947 e 1948.

20.07.1947 ABC 2 x 4 AMERICANO
10.08.1947 ABC 0 x 4 MIXTO
24.08.1947 ABC 0 x 2 PAULISTANO
07.09.1947 ABC 4 x 3 DOM BOSCO
01.11.1947 ABC 0 x 0 AMERICANO
23.11.1947 ABC 1 x 5 MIXTO
21.12.1947 ABC 1 x 4 DOM BOSCO
11.01.1948 ABC 1 x 4 PAULISTANO

 

21.03.1948 ABC 1 x 2 PAULISTANO
11.04.1948 ABC 3 x 8 DOM BOSCO
25.04.1948 ABC 4 x 3 AMERICANO
16.05.1948 ABC 2 x 3 MIXTO
30.05.1948 ABC 4 x 2 PAULISTANO
11.07.1948 ABC 3 x 4 DOM BOSCO
25.07.1948 ABC 3 x 4 AMERICANO
15.08.1948 ABC 1 x 8 MIXTO

FONTE: A Cruz (MT) – O Estado de Mato Grosso (MT)

 

O Riachuelo Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Corumbá, no estado de Mato Grosso do Sul. O Alvirrubro Corumbaense foi Fundado no dia 24 de Fevereiro de 1915. A sua Sede fica localizado na Rua Frei Mariano, nº 1.064, no Centro de Corumbá.

O Riachuelo disputou duas vezes o Campeonato Sul-Mato-Grossense da Primeira Divisão: 2000 e 2001. A equipe mandou os seus jogos no Estádio Municipal Arthur Marinho, de propriedade da Liga de Esportes de Corumbá, com Capacidade para 5 mil pessoas. Atualmente encontra-se afastado das competições de futebol na esfera profissional.

EM PÉ (da esquerda para a direita): Geraldino, Euclides, Dimas, Wilson Victório, Paraguai e Guido, tendo ao seu lado o radialista Vieira Filho(Mingote). AGACHADOS (da esquerda para a direita): Freudes, Edmir, Alcides, Jaime Assad e Jura. 

 

FONTES: Wikipédia – Rsssf Brasil – Correio de Corumbá – Mauro Chaves  

 

Ladário Atlético Clube é uma agremiação da cidade de Ladário (MS). Fundado no domingo, do dia 14 de março de 1926, na antiga Rua do Portão (atual: Avenida 14 de março), pelo inspetor do Arsenal de Marinha, o capitão de mar-e-guerra Jerônimo Francisco Gonçalves. O clube possuiu um valioso patrimônio de conquistas e realizações, pois gozou de uma era de entusiasmos e dedicação dos antigos ladarenses.

Era instalado desde a sua fundação no prédio (hoje em demolição) situado na 14 de março nº 8, tendo sido transferido, recentemente, por ato de permuta com o 6° distrito naval, para o antigo Centro Recreativo da Marinha, situado a mesma rua, esquina com a travessa Riachuelo: na Avenida 14 de Março, nº 268, no Centro de Ladário. Atualmente o prédio funciona como pagode nos finais de semana.

Chegou a possuir um estádio muito bem construído, com arquibancadas em madeira partes cobertas, onde eram vividas grandes tardes esportivas. Apesar das poucas informações, sabe-se que a equipe disputou o Campeonato Matogrossense de 1924, organizado pela Liga Sportiva Matogrossense (LSM).

No Correio do Estado abordou que o Ladário e o Corumbaense decidiram o título, no domingo dia 20 de setembro de 1925. Contudo, não deu o resultado e apenas se limitou a dizer que o campeão seria definido pela Liga. A partir daí não foi encontrado mais nenhuma informação a respeito. Em 1926 o Ladário AC foi campeão pela LMSA.

Título Corumbaense de 1929

Em 1929, o Ladário decidiu o título do Campeonato Corumbaense diante do Riachuelo Football Club, precisando apenas do empate. E foi justamente o que aconteceu. Com o 1 a 1, o clube ladariense faturou o caneco. Contudo, a partida foi emocionante já que o Riachuelo vencia até o minutos finais, quando o árbitro W.Rabello marcou um pênalti a favor do Ladário, que por sua vez não desperdiçou.

Classificação final:

CLUBES

PONTUAÇÃO

Ladário

09

Riachuelo

08

Corumbaense

04

Commercio

03

 

Bicampeão Ciradino de Aspirantes

Essa equipe do Ladário sagrou-se bicampeã do Campeonato de Aspirantes, em 1962 e 1963, promovido pela Liga de Esportes de Corumbá (LEC), ao derrotar o time do Corumbaense Futebol Clube, no Estádio Arthur Marinho, pelo placar de 2 a 0.

Na imagem acima vemos:

EM PÉ (da esquerda para a direita): Pedro Capurro, Ipojucam, Vivaldo, Jorci, Aderbal e César. AGACHADOS (da esquerda para a direita): Valdomiro, Reinaldo (Lotação), Nilson, Rui e Ademir Galvão.

 FONTES: Correio do Estado – A Campanha – Correio de Corumbá - O jornal Tribuna – “Ladário/MS e Seu Patrimônio Cultural: Mais de 100 anos de História”, de Daiane Lima dos Santos, da Universidade Federal da Grande Dourados- UFGD – Mauro Chaves (Historiador ladarense)

 

O Clube Atlético Pastoril foi uma agremiação da cidade de Governador Valadares (MG). No sábado, do dia 12 de Outubro de 1946, a Companhia Agropastoril Rio Doce iniciou suas atividades, e constituiu-se como uma das mais modernas fábricas de compensado do Estado de Minas Gerais.

Sete anos depois, o interesse dos valadarenses pelo futebol, somado ao rebuliço que tomou conta em todo o país pela Copa do Mundo, atraiu a atenção dos dirigentes da Companhia Agropastoril Rio Doce, de tal forma que resultou na Fundação do CAP (Clube Atlético Pastoril), em 1950.

As suas cores eram o verde e branco. O mascote do Pastoril era um ‘Leão’ e o time era conhecido como “O Leão da Baixada“, pois o seu Estádio Campo da Cia. Agro Pastoril se localizava no Bairro São Pedro, também chamado de “baixada“.

Nasce o Pastoril com ‘pinta de gente grande’

A estrutura assemelhava-se à de time profissional, já que contava com atletas de reconhecida habilidade técnica, e recebendo alguns benefícios econômicos. Construído na década de 1940, o campo localizava-se nas proximidades da serraria e possuía uma estrutura que o capacitava para receber alguns dos considerados “grandes clubes nacionais”.

Dentre eles, podemos mencionar o São Paulo Futebol Clube, Bahia, Clube de Regatas Flamengo, Clube de Regatas Vasco da Gama, Clube Atlético Mineiro e Cruzeiro Esporte Clube. Enfrentou até a Seleção do Paraguai.

O maior nome de sua história foi, sem dúvida, o jornalista Sebastião Pereira Nunes, mais conhecido como Carioca. Como jogador, ele participou de um grande momento clube na década de 50, mas precisamente no Domingo, do dia 04 de Novembro de 1956, quando empatou em 2 a 2 contra o então imbatível Botafogo, de Garrincha, Nilton Santos, Didi e Bauer, no Campo da Cobraice, próximo à Açucareira.

Jogos eram divulgados por meio de panfletos

O Clube Atlético Pastoril mobilizava um significativo número de pessoas para assistirem às partidas. De acordo com Chaves da Silva, quando o CAP ia disputar uma partida com algum clube de reconhecimento nacional, como, por exemplo, o Clube Atlético Mineiro ou o Cruzeiro Esporte Clube, a Companhia divulgava o jogo distribuindo panfletos pelos locais em que fazia entrega de compensado.

Desta forma, vinham pessoas de outras regiões, mas principalmente da cidade. O fato é que o CAP atraiu a atenção das pessoas não somente pela fama de seus adversários, mas também pelo seu bom desempenho em campeonatos regionais. Dentre os títulos conquistados, podemos citar o de campeão amador nos anos de 1955 e 1956.

Democrata x Pastoril: O “Clássico dos Clássicos”

Em Governador Valadares, o futebol praticado pelo CAP dentro da vila operária, e a rivalidade deste clube com o Esporte Clube Democrata, concorreram para uma maior influência e presença dessa atividade esportiva no cotidiano da cidade.

Nos jogos em que esses dois clubes se enfrentavam, a expectativa era de que seria um grande jogo, com a torcida comparecendo em massa. Eram considerados “clássicos”. De acordo com o radialista Luiz Alberto Coelho Teixeira:

As cores do Pastoril era verde e branca e o símbolo era o leão, e o Democrata era a pantera. (…) Então era assim, em um ano o Democrata era campeão e no outro ano era o Pastoril. Existia muita rivalidade. (…) A história que eu sei é que o Pastoril era muito querido. E até hoje [ em 2008] existem ex-pastorilenses que choram quando lembram do CAP. Seria muito bom para o Democrata se o Pastoril fosse reativado, (…) é bom ter rivalidade“.

Sobre essa rivalidade entre Democrata e Pastoril, o músico e autor do Hino do Democrata Rosenberg Petersen afirma que: “O Pastoril é um time que até hoje tem uma enorme torcida aqui em Governador Valadares, e pra cidade seria melhor fazer voltar o Pastoril. Isto porque toda cidade tem que ter no mínimo um time para fazer rivalidade, da mesma forma que tem o Atlético e Cruzeiro, e também o Internacional e Grêmio (…) Se Governador Valadares conseguisse que o Pastoril voltasse, isso aqui seria ‘um trem de doido’. Seria melhor e a torcida iria dobrar em campo, principalmente na época de um clássico. Nos jogos Pastoril X Democrata era um clássico como Cruzeiro X Atlético. Seria muito bom pra cidade“.

1969: Primeira e última participação no Mineiro da 2ª Divisão

Tentando seguir os passos do rival, o Democrata, participou do Campeonato Mineiro da Primeira Divisão (na prática equivalia a Segunda Divisão) em 1969. Isto porque, a Federação Mineira de Futebol (FMF) criar uma divisão intermediária entre a Divisão Extra e a PDP, dado o inchaço de clubes nesta última divisão – a edição de 1968 atingiu o recorde de 51 clubes, e aumentar as garantias financeiras e de infra-estrutura para participação nessa divisão.

Década de 70: Falência da fábrica decretou o fim da linha do Pastoril

No início da década de 1970, após a fábrica ter decretado falência, infelizmente, o Clube Atlético Pastoril encerrou suas atividades, e ainda neste início do século XXI, é mais lembrado do que a própria empresa à qual pertencia.

FONTES: Rsssf Brasil – Página no Facebook “Fotos antigas e atuais de Governador Valadares MG” – Livro “Território, Sociedade e Modernização – Abordagens e interdisciplinares”, de Haruf Salmen Espindola  e Jean Luiz Neves Abreu  

 

O São Paulo Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Parnamirim (RN). O ‘Tricolor da Cidade do Trampolim da Vitória’ foi Fundado no domingo, do dia 27 de Agosto de 1972. A sua Sede está localizada na Avenida Getúlio Vargas, s/n, no Centro de Parnamirim. O time manda os seus jogos no Estádio Tenente Luiz Gonzaga, com capacidade para 2 mil pessoas.

O clube participou do Campeonato Potiguar da Segunda Divisão em 1998, chegando até a final. Na decisão acabou perdendo os dois jogos para o Clube Atlético Piranhas por 2 a 0 (fora de casa) e 2 a 1 (em casa).

O vice-campeonato rendeu o inédito acesso para a Elite do Futebol Potiguar em 1999. A estreia aconteceu no domingo, do dia 31 de Janeiro de 1999, no Estádio Professor Manuel Leonardo Nogueira, o “Nogueirão”, na cidade de Mossoró. Na ocasião, Baraúnas e São Paulo empataram em 2 a 2.

O São Paulo terminou na 7ª posição do Campeonato Estadual de 1999. Foram 14 jogos, com 10 pontos: três vitórias, um empate e 10 derrotas; marcando 14 gols, sofrendo 30 e um saldo negativo de 16.

O time base ficou assim constituído assim: Gilson; Sandro, Bila, Wassil e Rosivaldo; Bernardes, Denilson, Gilson II e Marrom; Baú e Alexandrer. O técnico foi Ricardo Batatinha. O presidente era Gilberto Lima e o vice-presidente José Félix.

 

FONTES: Blog Jota Maria São Paulo FC – Parnamirim – Rsssf Brasil

 

O Cruzeiro Futebol Clube é uma agremiação da cidade Macaíba (RN). A Sede e o Estádio Dr. José Jorge Maciel ficam localizados no Parque Governador José Varela, nº 120, no Centro de Macaíba. O “Cruzeiro Nordestino” foi Fundado na sexta-feira, do dia 08 de outubro de 1937, um grupo de jovens amigos decide criar um time de futebol, para seus momentos de lazer e descontração.

Foram os fundadores do Cruzeiro: Romão Bezerra (em memória, Avô do atual Secretário de Cultura Marcelo Augusto), Vicente Inácio de Araújo (em memória, Pai do atual Presidente Executivo do Cruzeiro, o Sr João Batista e Avô do atual Presidente do Conselho Deliberativo, o Sr. Paulo Victor), João da Costa (em memória), Nestor Lima (em memória), Manoel Samuel de Araújo (Em memória), Aguinaldo Ferreira da Silva (em memória), Francisco Falcão (em memória), Luiz Cassimiro de Araújo (em memória), Sebastião Rangel (em memória), Vivaldo Cassimiro de Araújo (em memória), Luiz Inácio (em memória). Todos os nomes destes citados se encontram no estatuto do Clube como fundadores, conforme registrado em cartório.

Esta equipe, inicialmente, se localizava nas proximidades do bairro do Campo da Santa Cruz. Em seu campo de treino e de jogos, existia um cruzeiro que foi construído em memórias a uma menina que faleceu próximo ao campo de futebol. O time fundado pelos jovens amigos começou a ganhar fama e sucesso, devido as suas incansáveis vitórias.

Logo na cidade, começou a ser chamado do time do campo do cruzeiro, que depois se concretizou como o Cruzeiro Futebol Clube, o Cruzeiro mais antigo do Brasil. Em seguida, transferiu o seu campo de treino e jogo para a região aonde se localiza o atual cemitério publico de Macaíba.

Ganhando maiores projeções a nível estadual, o Cruzeiro foi apelidado do “Espantalho do interior”, que dificilmente perdia uma partida em suas visitas aos campos de fora, destacando-se em Natal, Mossoró, Caicó, Macau, Ceará-mirim, Parelhas e Assú.

Em suas turnês nas décadas de 50 a 60, fora do estado do Rio Grande do Norte, o Cruzeiro atuou em Recife-PE, Paraiba-PB, Aracaju-SE e Fortaleza-CE, sempre conseguindo deslocamento com carros das Forças Armadas. O Dr. José Jorge Maciel, ex-prefeito de Macaíba, ao ser eleito, doou em seu mandato o terreno do atual estádio de futebol do Cruzeiro.

Em respeito a tal grandiosa atitude, os diretores do Cruzeiro homenagearam-no dando o seu nome ao estádio (Estádio Dr. José Jorge Maciel).

O Cruzeiro Futebol Clube obteve o título de Utilidade Publica Municipal em 1973 e de Utilidade Publica Estadual, publicado e homologado pelo Ex-Governador do Estado do Rio Grande do Norte, o Sr José Cortez Pereira de Araújo, com data de 10 de novembro de 1973, n° 4.255.

Em 1984, o ex-presidente executivo do Cruzeiro, o Sr. Francisco das Chagas Palhares, cria o Conselho Deliberativo do clube, gerando uma cúpula gestora nos processos de fiscalização e incentivos em apóio a administração do clube. Desde então, o Cruzeiro possui democracia na escolha de seus gestores a cada 3 anos. O atual quadro do Conselho Deliberativo possui 45 membros (sócios contribuintes).


Na presidência executiva passaram: Geraldo Cavalcante, Francisco das Chagas Peixoto, Francisco das Chagas Souza, Edgar Dantas, Augusto Neto, Chico Brotinho, Chico Cobra, Francisco das Chagas Palhares, Francisco Menguita da Costa (o “Gaita”) e o atual, O Sr João Batista Alves de Araújo.
Em sua conquistas, desde 1937, o cruzeiro acumula 46 títulos municipais (Campeonato Municipal de Macaíba-RN) e 3 títulos estaduais (Campeonato Estadual Amador, antigo matutão) em 1966, 1994 e 1996. Em 2006, 2007 e 2008 o Cruzeiro ficou com o vice-campeonato da Segunda Divisão do Campeonato Estadual do Rio Grande, campeonato promovido pela Federação Norte-Rio-Grandense de Futebol (FNF).

Em 6 de junho de 2015 o Cruzeiro se sagrou Campeão do Campeonato Metropolitano de Futebol União – CMFU (2015), vencendo a equipe do Globo FC (Ceará-Mirim) de virada por 2 a 1. A partida foi realizada no Centro de Treinamento da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

 

Jogadores revelados

Na sua formação de atletas, o Cruzeiro revelou para o Brasil: Miguel de Lima (ex-goleiro do Náutico, Vasco da Gama e outros), Djalma (ex-jogador do América-RN, Sport e Corinthians) e Wallyson (atual jogador do Cruzeiro-MG). Em Macaíba tiveram destaques:

Nos anos 50 á 70 (Vingador, Edilson, Malheiros, Vicente, Punga, Neguinho de Punga, Zé Maria e muitos outros);

Anos 75 á 90 (Odilon, Neré, Quinho, Batucada, João, Rui, Arí, Valério Goleiro, Zacarias e outros);

90 á 2000 (Reinaldo, Bizú, João Menguita, Val, e outros);

2000 a 2012 (Charles, Kelson, Ricardo, Eliabe, Marquinhos de Braz e outros).

 

Dias atuais

Hoje, o Cruzeiro vem executando atividades nas categorias de base, com escolinhas das categorias sub-10, sub-13 e sub-15, formando atletas e homens de bem para a cidade;

Participando de competições de base a nível estadual;

Participando do Campeonato Municipal de Macaíba, promovido pela Liga Macaibense de Desporto (LMDE);

Desde o início do mandato da atual gestão, o Cruzeiro conta com 1 ano e 5 meses invicto na cidade de Macaíba, totalizando 21 partidas (ultima derrota foi para o América-RN em 02 de fevereiro de 2011);

O Cruzeiro tem também vem executando atividades no Futebol Feminino, onde vai disputar o estadual. O Cruzeiro também vem desenvolvendo projetos para o futuro, visando a melhoria das instalações de infra-estrutura e patrimônio do clube.

 

FONTES: Wikipédia – Federação Norte-Rio-Grandense de Futebol (FNF) - Página do Clube no Facebook

© 2018 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha