FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

O Clube de Esportes União/ABC é uma agremiação da cidade de Campo Grande, do Estado de Mato Grosso do Sul. Fundado no dia 19 de Janeiro de 1998, pelo sonho idealista de dois desportistas Gil e Maroca, onde reuniram forças com o Plínio, Zé Buião, Elias, Santos e outros para reunir apenas atletas dos campeonatos amadores de Campo Grande (por isso UNIÃO).

O União/ABC faturou o título de Campeão do Campeonato Sul-Mato-Grossense Sub-19 de 2015. No Estádio Jacques da Luz, o time do técnico Vina, ex-meia do Cene, ficou no empate sem gols com o Guaicurus, campeão em 2014, e conquistou o título no seu primeiro ano de disputa na categoria.

Agora o União/ABC pretende dar um passo para o profissionalismo. O time estreia no próximo sábado, dia 19 de novembro, às 16 horas, diante do Coxim, no Estádio Jacques da Luz, pela 1ª rodada do Campeonato Sul-Mato-Grossense da Segunda Divisão de 2016.

FONTES: Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS) – Gazeta de MS 

 

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Jornal do Comércio (MS)

FONTE: Jornal do Comércio (MS)

 

Abaixo a tabela do Torneio Início de Campo Grande do estado de Mato Grosso (atual Mato grosso do Sul), de 1940. A princípio seria realizado no domingo, no dia 14 de Abril de 1940. No entanto, devido ao mau tempo a Liga Esportiva Municipal de Amadores (LEMA), entidade que organizava as competições em Campo Grande, decidiu adiar para o domingo seguinte: dia 21 de abril de 1940. Com início previsto para às 14 horas, no Estádio Municipal, situado na Rua Dom Aquino.

FONTE: Jornal do Comércio (MS)

 

 

 

FONTE: Jornal do Comércio (MS)

 

Andaraí Football Club (Campo Grande - MS) - 1941

 

Esporte Clube Comercial (Campo Grande-MS) - 1973

 

Asas Esporte Clube de Campo Grande, município que pertencia ao antigo Estado do Matto Grosso, foi fundado  em 1955, por funcionários da Base Aérea de Campo Grande, vinculados a aeronautica, com sede no bairro de Amambaí.

Disputou os campeonatos da Liga Esportiva Municipal Campograndense – LEMC em 1959 a 1965, sendo campeão em 1963. Foi extinto em 1972.

 

fontes: Livro ‘A História do Futebol Campo-grandense’, de autoria Reinaldo Alves de Araújo e artigo do Sergio Mello do Blog Historia do Futebol.

 Para mais detalhes do Asas EC, veja o artigo do Sergio Mello deste blog.

Com relação aos detalhes do escudo, foi utilizado o desenho das “asas” que são reproduzidas nos broches e brasões da aeronautica, que parecem ser como na foto da equipe, diferente do escudo da capa do livro fonte.

 

 

O Internacional Sport Club de Campo Grande, município que pertencia ao antigo Estado do Matto Grosso, foi fundado como Guarany SC por alguns dias, em 25 de agosto de 1929, sendo um dos fundadores da Aliança Sportiva Campograndense, e disputou o primeiro campeonato em 1930 e 1931, e provavelmente mais alguns anos subsequentes.

 fontes: site da Biblioteca Nacional – arquivos do Jornal do Commercio de Campo Grande.

 

O Mamoré Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Campo Grande (MS). Liderados pelos irmãos da família Capriota, o Alviverde foi Fundado em 1947, na  Travessa Mamoré, s/n, na Vila Alta (pequeno bairro engolido pela grande São Francisco), situado nas proximidades da atual Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande. O zagueiro Alonso Simioli foi o 1º Presidente.

O Mamoré fez uma campanha brilhante no Campeonato Citadino no final da década de 40 e inesquecíveis conquistas na década de 50, nas acirradas competições da LEMC (Liga Esportiva Municipal Campo-grandense). A 1ª formação era constituída da seguinte forma: Gabriel; Alonso e Gilberto; Veloso, Eduardo  e Bubi; Beto Nassim Abrão, Milton Ayala, Carlito, Nelo e Gregório.

FONTE: Livro ‘A História do Futebol Campo-grandense’, de autoria Reinaldo Alves de Araújo 

 

O ASAS Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Campo Grande (MS). Fundado em 1955, a sua Sede ficava na Avenida Duque de Caxias, nº 2.905, no Bairro de Amambaí, em Campo Grande. A 1ª Diretoria foi composta da seguinte maneira:

Presidente de Honra - Cel. Ari Saião Caldeira;

Presidente - Luiz Gonzaga Del Nero;

Vice-presidente - João Batista de Campos;

Tesoureiro - Alan Chaves Rachel;

Secretário - Mair Vieira;

Técnico - Maurício Peludo.

HISTÓRIA

Na década de 40 as unidades militares implantadas no sul de Mato Grosso, em diversas cidades, disputam entre si, torneios alusivos as datas cívicas e comemorativas da pátria. Essas festas esportivas (em várias modalidades) representam um verdadeiro congraçamento das instituições militares da região, especialmente da cidade de Campo Grande.

No início da década de 50 as disputas militares nas unidades cresceram  e numa viagem da equipe da Base Aérea de Campo Grande, para mais uma jornada esportiva, na cidade de Jardim, aflorou no meio da rapaziada que compunha a equipe,  a feliz teria um quadro para representá-lo nos campeonatos de futebol da cidade.

Decorria o ano de 1955, quando o comandante da Base Aérea de Campo Grande, Coronel Ari Saião Caldeira recebeu em seu gabinete uma comissão composta dos atletas da instituição: cabo Alan Chaves Rachel, tenente Luiz Gonzaga Del Nero, sargento Elizeu Ferreira Anunciação, sargento José de Castro Barros, sargento Mair Vieira Almeida, sargento Maurício Peludo e o civil Nilton Castro que, não somente apoiou a luminosa ideia, como determinou providências para a formação do quadro de futebol. Assim surgiu o ASAS Esporte Clube, nome que homenageia o símbolo maior da Aeronáutica brasileira, o avião.

CAMPEÃO CITADINO DE 1963

O ASAS Esporte Clube foi dono de campanhas memoráveis, todavia, nenhuma foi comparada a de 1963 quando levantou o título de campeão do Campeonato Citadino, organizado pela LEMC (Liga Esportiva Municipal Campo-grandense), invicto, transformando-se num time imbatível naqueles idos.

Outros títulos vieram somente com a chegada do profissionalismo no Estado, em 1972. O ASAS E.C. deixou de existir, porém enquanto durou, honrou de sobremaneira, o símbolo, os emblemas e as cores da Base Aérea de Campo Grande.

 

 UNIFORMES (CORES)

 FONTE: Livro ‘A História do Futebol Campo-grandense’, de autoria Reinaldo Alves de Araújo 

 

 

LIGA ESPORTIVA DOURADENSE DE AMADORES – 1956

COL

 

PP

01º

UBIRATAN ESPORTE CLUBE

02

02º

OPERÁRIO DOURADENSE ESPORTE CLUBE

05

03º

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA CRUZEIRO DO SUL

07

04

COLONIAL ESPORTE CLUBE

10

Ubiratan Esporte Clube - Campeão Douradense de 1956

 

Em 1931, no segundo campeonato da Aliança Sportiva Campograndense de Campo Grande,

o Sport Club Syrio conquistou o bi campeonato campograndense,

provavelmente com a participação dos mesmos clubes de 1930.

 

 

Neste ano a Federação Sportiva Matto-grossense de Corumbá, organizou  a seleção matogrossense

 e representou o Estado do Mato Grosso no 9º Campeonato brasileiro de Seleções de 1931, como nos anos anteriores.

Em 1933, o clube da comunidade siria e libanesa de Campo Grande, realiza o aportuguesamento e acrescenta ao nome a palavra “Libanez”, modificando para Esporte Clube Syrio-Libanez, provavelmente tornando um clube com mais atividades socio-culturais do que esportivas.

Hoje existe na rua D. Aquino, 1879, o Clube Libanês, alvi-verde, fundado em 1951,  com atividades socio-culturais e na avenida Mato Grosso, 1194, a Sociedade Beneficiente Surian, alvi-rubra, fundada em 29 de abril de 1951, com atividades beneficientes, sociais, culturais e esportivas, ambos da comunidade sirio-libanesa de Campo Grande.

fontes: site da Biblioteca Nacional – arquivos do Jornal do Commercio de Campo Grande e Google Maps.

 

 

LIGA ESPORTIVA DOURADENSE DE AMADORES
DATA: 09 DE JULHO DE 1956
LOCAL: DOURADOS / MS

1º JOGO

AA CRUZEIRO DO SUL

1-0

UBIRATAN EC

2º JOGO

AA CRUZEIRO DO SUL

2-0

OPERÁRIO DOURADENSE EC

3º JOGO

OPERÁRIO DOURADENSE EC

3-1

UBIRATAN EC

FINAL

AA CRUZEIRO DO SUL

2-1

OPERÁRIO DOURADENSE EC

CAMPEÃ – ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA CRUZEIRO DO SUL (DOURADOS / MS)

 

LIGA ESPORTIVA MUNICIPAL DE AMADORES
DATA: 01 DE MAIO DE 1941
LOCAL: CAMPO GRANDE / MS

1º JOGO

GE RENNER

1-0

EC JUVENTUS

2º JOGO

OPERÁRIO FC

0-0

ANDARAÍ FC (Operário venceu nos pen)

3º JOGO

RENNER

3-1

SS CAMPOGRANDENSE

FINAL

OPERÁRIO FC

1-0

GE RENNER

CAMPEÃO – OPERÁRIO FUTEBOL CLUBE (CAMPO GRANDE / MS)

 

 

Em 1930 ocorreu em Campo Grande, ainda pertencendo ao antigo Estado do Mato Grosso, a fundação da Aliança Sportiva Campograndense, filiando-se a Federeção Sportiva Matogrossense de Corumbá, sendo os clubes fundadores:

 Sociedade Sportiva Campograndense,  Internacional Sport Club e  Club Recreativo Amambahy.

 

Seu primeiro campeonato foi neste mesmo ano, com a participação dos fundadores e mais dois clubes,

do Sport Club Syrio, que foi o campeão  e do Democrata Football Club, campeão do Torneio Início.

 

 

Campeonato Campograndense

1930 / Aliança Sportiva Campograndense

1º campeão Sport Club Syrio Campo Grande
  Sociedade Sportiva Campograndense Campo Grande
campeão Torneio Início  Democrata Football Club Campo Grande
  Clube Recreativo Amambahy Amambay Campo Gde
  Internacional Sport Club Campo Grande

 

fontes: site da Biblioteca Nacional – arquivos do Jornal do Commercio de Campo Grande.

 

Ao pesquisar, analisar e entender os campeonatos estaduais, oficializados ou não, encontramos grande variedade de características próprias, devido as condições econômicas, geográficas e políticas de cada estado brasileiro. As riquezas estão na diversidade contida nas suas características diferentes e peculiares, deste grande país continental chamado Brasil. Os exemplos mais exóticos estão nos campeonatos do antigo “Estado do Rio” e do grande e antigo Estado do Mato Grosso e seus desmembramentos, incluindo também os estados do Piauí e de Minas Gerais, que já tiveram dois campeonatos oficiais em diferentes regiões, Parnaíba e Teresina; Belo Horizonte e Juiz de Fora, respectivamente.

O antigo Estado do Mato Grosso, um dos maiores em extensão territorial, com grandes distâncias entre suas cidades,  foi desmembrado em 3 Estados. Sua colonização aconteceu em várias frentes e formas, seja no extremo Oeste pela bacia do Prata, a leste por vários caminhos e rios, ou ao Norte pela bacia amazônica. Em 1943 no Governo de Getulio Vargas, foram criados 2 territórios em areas do Mato Grosso: O Território de Ponta Porã ao sul, que extinguiu após 3 anos, e o Território de Guaporé ao norte, atual Estado de Rondônia.  Em 1979 houve a divisão com a criação do Estado do Mato Grosso do Sul.

Ao pesquisarmos os campeonatos mato-grossense, deparamos com a Federação Matogrossense de Futebol ainda divulgando parcialmente a história do futebol de seu Estado, desconsiderando o que aconteceu em outros centros, tão importantes como da capital, Cuiabá. Esta desinformação está resultando que muitos, ou todos, a reproduzirem esta parcialidade, incluindo também a Federação de Futebol do Mato Grosso do Sul.

Vamos aqui, no blog Historia do Futebol, começar a esclarecer sua rica história ocultada e esquecida.

Os primórdios do futebol no antigo Estado do Mato Grosso aconteceram em várias cidades mato-grossenses, principalmente em Corumbá e Cuiabá, quase que simultaneamente, com times oriundos de estudantes representando seus colégios ou militares.

Em 1910 em Corumbá existia o FBC Sul América, Nacional Club e FBC Sete de Setembro.

Em 1913 na capital Cuiabá, o Cuiabá FC da Escola Modelo (alvi-negro) e o Internacional da Escola Senador Azevedo (alvi-rubro).

Em 1914 a fundação do eterno Corumbaense Foot-Ball Club.

 As primeiras Ligas também quase surgiram simultaneamente.

Em 1921 a fundação da Liga Matto-grossense de Sportes Athleticos em Corumbá, com sub ligas em Miranda, Campo Grande e Aquidauana.

Ano que aconteceu o primeiro campeonato da LMSA em Corumbá, saindo-se campeão o Corumbaense Foot-Ball Club, com a participação do também eterno Riachuelo Foot-Ball Club, mais o Commercio Sport Club (alvi-verde). Outros campeonatos transcorreram com mais um clube de Ladário, o Ladário Sport Club (à confirmar, ser ou não, o “crusmaltino” Ladário Atlético Club, com escudo, uniforme e estádio publicado por Sergio Mello).

 Em 1924 a fundação da Liga de Cuiabá, com dados ainda desconhecidos.

Em 1928, Corumbá a Liga muda de nome e representatividade para Federação Sportiva Matto-grossense, filiando-se a Federação Nacional a época, a CBDA – Confederação Brasileira de Desportos Atheticos, representando o Estado do Mato Grosso e organizando a seleção mato-grossense nos campeonatos brasileiro de seleções todos os anos até 1942.

Neste ano a FMS de Corumbá organizou o primeiro campeonato estadual mato-grossense com os campeões citadinos ou representantes. O campeão foi o representante Corumbaense (Corumbá, Ladário e Miranda), sendo desconhecido até então seu nome, podendo ser um combinado dos clubes de Corumbá e disputou a final com a Sociedade Sportiva Campograndense, vencedor do Sul (Campo Grande, Aquidauana, Maracajú e Ponta Porã).

Em Campo Grande, surgiram os clubes da SS Campograndense, do Militar, do SC Americano, do Clube Recreativo Amambahy, do Commercial Sport Club (alvi-negro), do Democrata Foot-Ball Club (alvi-anil) e do Internacional FC (alvi-verde / ex-Guarany SC).

Em Aquidauana o time do 6 º Batalhão do Exercito, o Aquidauanense Foot-Ball Club e o Oriente Sport Club.

Em Maracajú, o Maracajú Sport Club.

Em Ponta Porã, o Ponta Porã Foot-Ball Club.

Em Miranda, o Imparcial Mirandense Foot-Ball Club, o Bela Vista Brasileira, o Bela Vista Paraguaya, o Universal Mirandense e o União Sportiva Mirandense.

Em Porto Martinho, a filiação da Liga Sportiva Martinhense a FMS de Corumbá, composta pelo Sport Club Martinhense e  o Commercio Foot-Ball Club.

Enquanto isto, em Cuiabá, surgiram: Clube Pátria, Bilac, Guarany (ex-Internacional), Tupy FC (rubro-negro), Sport Club Cuyabano (alvi-negro), Palmeiras (alvi-rubro), Americano Foot-Ball Club, Associação Atlética Typográphica e o eterno Mixto Sport Club. (não tenho registro dos campeonatos cuiabanos deste período)

Participantes do 2º campeonato estadual organizado pela FSM:

1929 / Federação Sportiva Matto-grossense  / Campeonato Corumbaense

Combinado de Corumbá Corumbá
Soc. Sportiva Campograndense Campo Grande
  Liga Sportiva Mirandense Miranda
  Aquidauana Foot-ball club Aquidauana
  Ponta Porã Futebol Clube Ponta Porã
  Maracajú Sport Club Maracajú

 Zona Norte: Corumbá e Miranda, foi disputado pelos combinados das cidades: A Liga Sportiva Mirandense e a seleção de Corumbá dos 4 clubes filiados a FSM.

Zona Sul: Campo Grande, Aquidauana e Ponta Porã. O SC Flamengo de Bela Vista desistiu antes de começar.

Em 1930 em Campo Grande a fundação da Aliança Sportiva Campograndense,  com filiação com a FSM de Corumbá: Sociedade Sportiva Campograndense, Internacional Sport Club e Clube Recreativo Amambay. O campeão de ano foi Sport Club Syrio, que alem da participação dos fundadores teve também o Democrata Foot-ball Club.

Filiados em 1931 na FEDERAÇÃO SPORTIVA MATOGROSSENSE
- Comércio Sport Club (Corumbá)

- Corumbaense Futebol Clube (Corumbá)
- Ladário Atlético Clube (Corumbá)
- Imparcial Mirandense Futebol Clube (Miranda)
- Universal Futebol Clube (Miranda)
- Comércio Futebol Clube (Porto Murtinho)
- Murtinhense Sport Club (Porto Murtinho)
- Sociedade Sportiva Campograndense (Campo Grande)
- Sport Club Flamengo (Bela Vista)
- Aquidauana Futebol Clube (Aquidauana)
- Maracajú Sport Club (Maracajú)

Em 1936 foi fundado a “Liga Esportiva Cuiabana” (LEC).

 1936 / Liga Esportiva Cuiabana / Campeonato Cuiabano

Commercio Sport Club Cuiabá
Americano Esporte Clube Cuiabá
Club Sportivo Dom Bosco Cuiabá
Paulistano Esporte Clube Cuiabá
Mixto Sport Club Cuiabá
6ºi Sport Club Destemido Cuiabá
Ass. Atlética Typográphica Cuiabá

 

1936 /  Federação Sportiva Matto-grossense / Campeonato Corumbaense

  Corumbaense Foot-Ball Club Corumbá
  Riachuelo Foot-Ball Club Corumbá
  Ladário Athletico Club Corumbá
  Mato Grosso Corumbá

Incompleto

 

1936 / Liga Esportiva Municipal Campograndense / Campeonato Campograndense

  Esporte Clube Juventus Campo Grande
  Soc. Sportiva Campograndense Campo Grande
  Royal Futebol Clube Campo Grande
  Estudantino Esporte Clube Campo Grande
  Gremio Esportivo Renner Campo Grande

  

Em 1938 em Campo Grande o campeão foi o SS Campograndense, ano de fundação do grande e famoso Operário Futebol Clube.

 1938 / Liga Esportiva Cuiabana / Campeonato Cuiabano

  Comércio Futebol Clube Cuiabá
  Clube Esportivo Dom Bosco Cuiabá
  Americano Esporte Clube Cuiabá
  16º Batalhão de Caçadores (verde-anil) Cuiabá

 

Em 1939 em Campo Grande o campeão foi o Esporte Clube Juventus (alvi-anil)

 

1939 / Liga Sportiva Aquidauanense / Campeonato Aquidauanense

  Operário Athletico Club Aquidauana
  Centro Esp. Marechal Mallet Aquidauana
  Sport Club Brasil Aquidauana
  Palmeiras Foot-Ball Club Aquidauana
  Sport Club XV de Agosto Aquidauana

SC Independente mudou de nome para XV de Agosto

 

Em 1939 em Cáceres foi fundado o Club Atlético Cacerense e o Rex Club .

 

1942 / Liga Esportiva de Corumbá / Campeonato Corumbaense

Corumbaense  Foot-Ball Club Corumbá

 

1942 / Liga Esportiva Municipal Campograndense / Campeonato Campograndense

Operário Futebol Clube Campo Grande
  Andaraí Futebol Clube Campo Grande
  Esporte Clube Juventus Campo Grande
  Soc. Sportiva Campograndense Campo Grande

 

1942 / Liga Esportiva Cuiabana / Campeonato Cuiabano

  Clube Esportivo Dom Bosco Cuiabá
  Paulistano Esporte Clube Cuiabá
  Americano Esporte Clube Cuiabá
  Mixto Esporte Clube Cuiabá
  Estado Novo Esporte Clube Cuiabá
  Esporte Clube Terceiro Distrito Cuiabá

 

Em 26 de maio de 1942, a Liga Esportiva Cuiabana muda de nome e estatuto para Federação Matogrossense de Desportos, por obrigação de Lei Federal, que determinou que as capitais seriam sede da organização do Desporto do Estado pelos clubes e ligas, participando da fundação:

Americano Esporte Clube,

Clube Esportivo Dom Bosco,

Estado Novo Esporte Clube,

Paulistano Futebol Clube,

Terceiro Distrito Esporte Clube,

Liga Esportiva de Corumbá,

Liga Mirandense de Futebol,

Liga Esportiva Aquidauanense,

Liga Municipal de Amadores de Campo Grande e

Liga Três-lagoense de Desportos.

 

Mesmo com a nova federação na capital Cuiabá, as Ligas continuaram a organizarem os campeonatos citadinos, somados com surgimento de outros campeonatos citadinos importantes como de Dourados e Tres Lagoas, sem a realização de um campeonato verdadeiramente estadual.

Em setembro de 1943, o Presidente Getulio Vargas, criou 2 territórios federais no Estado do MT com intuito de proteger as fronteiras:

O Território Federal de Guaporé na região norte, incluindo o município amazonense de Porto Velho (capital). Nesta região do estado do Mato Grosso, já existia o campeonato citadino de Guajara Mirim, e recebia esporadicamente a visita para jogos amistosos de clubes de Cuiabá, Corumbá e Campo Grande.

O Território Federal de Ponta Porã na região sudoeste, formados pelos municípios de Ponta Porã (capital), Porto Murtinho, Bela Vista, Dourados, Miranda, Nioaque e Maracaju. A capital foi transferida para Maracaju em 31 de maio de 1944 voltando a Ponta Porã em de 17 de junho de 1946. O território foi extinto em 18 de setembro de 1946 e reincorporado ao então estado de Mato Grosso. Nestes municípios já existiam os campeonatos citadinos e as participações de seus clubes nos campeonatos mato-grossenses, realizados pela Federação sediada em Corumbá. Embora ainda não pesquisado detalhadamente nos jornais locais, os campeonatos citadinos de Ponta Porã e/ou de Maracaju foram os campeonatos principais do Território, neste curto periodo de 1943 a 1946, podendo ser considerando seus campeões, também como campeões territoriais. 

Autor: Antonio Mario Ielo

Fontes consultadas: site da Biblioteca Nacional nos arquivos do Jornal do Commecio de Campo Grande, Jornal A Tribuna de Corumbá, Jornal A Cruz de Cuiabá, Jornal o Estado do Mato Grosso de Cuiabá, Jornal O Progresso de Dourados, Jornal Fronteira de Ponta Porã, Revista Sport Ilustrado do RJ, livro Futebol, uma Fantástica Paixão, de Reginaldo Alves de Araújo, site do Wikipédia, RSSSF, Blog Futebol Cuiabano, arquivos publicados no Blog História do Futebol e arquivos pessoais.

Observação final: Estas breves achegas necessitam de muitas complementações e confirmações, e será muito importante as colaborações para acrescentar mais fatos e clubes e enriquecer este singelo artigo, de um caipira do interior paulista que admira esta imensidão chamada Mato Grosso.

 

O Cruzeiro Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Campo Grande (MS). Fundado no dia 21 de Abril de 1942, a sua 1ª diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente - João Eissum Miyahira;

Vice-presidente - Kyoshi Ota;

1º Secretário - João Kocazu;

2º Secretário - Matsuo Arakaki;

1º Tesoureiro – Yoshiharu Guenka;

2º Tesoureiro - Hoel Tiyane;

Conselho Fiscal - José Shimabucuro, Sigueki Furucho e Tocuei Shimaburo.

 

FONTE: Diário Oficial

 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

A Sociedade Esportiva Noroeste foi uma agremiação da cidade de Campo Grande (MS). Fundado em 1943, na Rua 14 de Julho, nº 3.447, no Centro da cidade, pelo ferroviário Algentino José Nepomuceno. A escolha das cores foi o verde, vermelho e branco, da camisa do Fluminense e o nome ‘Sociedade Esportiva‘, por causa do Palmeiras.

No Campeonato Citadino de Campo Grande da 1ª Divisão, organizado pela LEMC (Liga Esportiva Municipal Campo-grandense), o Noroeste num espaço de oito anos foi campeão em seis oportunidades: 1947, 1949, 1950, 1952, 1953 e 1954.

Depois, surgiu outro time de ferroviários: o Clube Atlético Ferroviário. Então, em meados da década de 70, com a divisão de Mato Grosso em dois (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul), os dois clubes resolveram fazer uma fusão, dando origem ao CAN – Clube Atlético Noroeste (Sediado na Rua 14 de Julho, nº 3.268, no São Francisco, em Campo Grande).

HISTÓRIA

Dos trilhos do trem ao samba no pé. Da ferrovia ao campo de futebol. Pelas locomotivas que passaram há décadas por onde hoje é a varanda de quem nos conta a história, chegava um time de futebol e uma escola de samba. Separados por anos, unidos por serem irmãos, o Sociedade Esportiva Noroeste e a Igrejinha tinham muito mais em comum do que as cores vermelha e branca. Nasceram do apito, que avisava que o trem iria partir.

Valfrido de Almeida, mais conhecido como Dudu, tem 69 anos. É ele quem conta a história que se passou sobre os trilhos do trem no quintal de casa. A residência na rua 14 de Julho tem os fundos para a rotunda, à frente para o movimento de carros e dentro de si a marca de ter sediado duas grandes criações.

Ex-ferroviário, foi maquinista que se guiava mais pelo ritmo do samba do que o barulho nos trilhos. Irmão de Algentino José Nepomuceno, a família dedicou o trabalho à ferrovia e a vida ao futebol e Carnaval. “Eu fui jogador, mas amador. Parei agora, há poucos anos, mas quem fundou o Noroeste foi meu irmão e nesta casa aqui. Eu? Eu sou mais conhecido é pelo Carnaval”, se apresenta Dudu.

A casa de número 3447 na região da Esplanada Ferroviária tem história. Tem bola, tem lantejoula, tem samba e grito de gol. O irmão, de apelido “Argentino” morreu aos 86 anos e coube ao Dudu contar o futebol que veio com o trem da Noroeste.

“Meu irmão era palmeirense. Os caras aqui em Campo Grande tinham um time no Rio e o outro em São Paulo. Eu não, já sou bairrista, sou comercialino. Ele fundou a Sociedade Esportiva Noroeste e escolheu as cores verde, vermelho e branco, da camisa do Fluminense e o nome ‘Sociedade Esportiva’, por causa do Palmeiras. Eram os dois times dele”, relembra.

O ano de tudo isso, segundo conta o livro “Futebol, uma Fantástica Paixão, de Reginaldo Alves de Araújo, foi 1943. A diretoria era composta pelo engenheiro Arlindo Sampaio Jorge como presidente, o escriturário João Ezequiel Monteiro, na vice-presidência, o contador Pedro Alves, de tesoureiro e o ferroviário Algetino Nepomuceno como diretor social. Na história dos troféus, o Noroestão, como foi conhecido, se consagrou como campeão nos anos de 1947, 1949, 1950 e levou o tricampeonato de 1952 a 1954.

Time posado em 1950 - EM PÉ: Chico Preto, Eufrázio, Formiguinha, Lúcio, Hélio e Rubens. AGACHADOS: Alfredo, Zé Lito, Arlindo, Caneca e Nelsinho.

“Eram os campeonatos da LEMC (Liga Esportiva Municipal Campo-grandense), que incluía o Comercial, Operário, Primeiro de Maio, Alfaiates, Motoristas. Era a primeira divisão e lá estava o Noroestão. Jogava só ferroviário. Porque eu não jogava? Eu era menino ainda. Ele fundou o time porque a nossa família sempre foi de festa, nossos avós sempre foram de agitação”, explica.

O Noroestão teve astros, em 1947 o time era formado por Rubens, Hélio, Lúcio, Eufrázio, Dominguinho, Chico Pretro, Alã, Aquiles, Adolfo, Ademir e Zelito. O técnico era Benedito Lebrinha e até massagista tinha, Rodolfo. Em 1950, além da formação anterior, a equipe também contava com Formiguinha, Zé Lito, Arlindo, Caneca e Nelsinho.

“Aí, no decorrer dos anos, o time foi ficando velho. Entraram novos ferroviários e eles formaram um time de novatos, eram os ‘filhos’, digamos assim, o Clube Atlético Ferroviário. Depois de uns anos, para não ficar essa história de dois times, eles fundaram um só. E como ia ser o nome? Tiraram o Sociedade Esportiva e ficou o Clube Atlético Noroeste, o CAN.

O mesmo livro que descreve os anos dourados do futebol campo-grandense, conta que foi em 1955 que o time dos novatos saiu à campo. Criado pelo inspetor de tráfego da Noroeste, Lázaro, os jogadores eram novos de idade e de fôlego. Por anos, os dois disputaram como ferrenhos adversários. O Noroestão nunca mais alcançou título e nem o recém formado time. O resultado foi que o troféu não fora mais erguido pela nação ferroviária. Foi daí a ideia de fundar as duas equipes, vinda do escriturário João Ezequiel Monteiro, aí predominou o nome mais recente: Clube Atlético Noroeste.

Os anos não são os mesmos e nem estão juntos na mesma década, mas foi do futebol amador de Dudu que nascia a escola de samba Igrejinha, a ideia surgiu de jogadores que usavam chuteiras no Carnaval de 1975, quando o desfile era realizado na rua 14 de Julho, conta o fundador.

“Nós tínhamos um time chamado ‘Lá Vai Futebol Clube’. Fomos jogar bola e depois todos nós fomos assistir ao Carnaval. Quem desfilou em Campo Grande foram duas escolas de Corumbá, uma delas a Império do Morro, que existe até hoje e não desfilou nenhuma de Campo Grande. No palanque, falamos e aí, vamos lá? E anunciaram que ano que vem sairia uma escola de samba de Campo Grande, que não iria precisar buscar lá em Corumbá”.

A lembrança traz uma risada tímida. De nostalgia, de saudade, de quem se lembrou como o futebol virou samba. “E o nome: como vai ser? Nos perguntamos. ‘Lá vai bola’ não ia dar. Então vamos dar Igrejinha? E Igrejinha não tem nada a ver com igreja. Não existe igrejinha e nem igrejinha, significa fuxico, mexerico”, narra.

Do nome ao samba-enredo, foi um ano de preparação, como já havia sido anunciada, salvo engano de Dudu, pelo radialista Ramão Achucarro, era preciso honrar a palavra e mostrar que Campo Grande sabia também fazer samba. “E as cores, como vai ser? Como era quase todo mundo comercialino, falamos, vamos por vermelho? Aí eu lembrei do meu irmão e falei vamos por vermelho, verde e branco? Mas tiramos o verde, ficava muito gasto, eram três cores. E a Igrejinha foi a escola mais querida, era formada por ferroviários, funcionários dos Correios e policiais na época”, lembra.

Na primeira saída, a escola, segundo Dudu deu show. Mostrou o que era comissão de frente e cantou um samba chamado “Bandeirantes Estrelizado”. “O pessoal nem sabia o que era porta-bandeira, mestre-sala, samba-enredo. O pessoal não cantava, só batia. Foi aqui em casa que a gente formava o carro alegórico e a Igrejinha foi, na minha gestão, campeã 10 vezes consecutiva”, fala com orgulho.

Campo-grandense de nascença, o parto de Dudu foi feito ali, na mesma casa que abrigou tanto balanço. Fosse pelo passar do trem, pela comemoração dos títulos do Noroestão à formação da Igrejinha.

E se não fosse a Noroeste? Pergunto para Dudu. “Eu acho que se a gente não estivesse aqui, não tinha acontecido isso. O trilho passava aqui, aqui. Os meus vizinhos brincam que daqui eu não posso mudar, que eu não posso morrer. Eu penso que se não tivesse a Igrejinha, não ia ter nem Carnaval em Campo Grande. Se eu gosto daqui? Aqui é a minha vida, aqui”, frisa como quem quer deixar claro o amor à Capital e principalmente aos trilhos da Noroeste.

 

FONTES & FOTOS: Revista Sport Ilustrado – Campeões do Futebol – Campo Grande NewsAcervo Academia Sul-mato-grossense de Letras -Livro: ‘Futebol, um Fantástica Paixão – A História do Futebol Campo-grandense’, de autoria de Reginaldo Alves de Araújo

 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

O Taboado Esporte Clube é uma agremiação do Município de Aparecida do Taboado (MS). Sediado na Rua Marcolino Teixeira de Queiróz, nº 417, no Centro da cidade, o Taboado foi Fundado no dia 09 de Março de 1992. A equipe manda os seus jogos no Estádio Municipal Pereira de Queiroz, ‘Pereirão’, com capacidade para 2 mil pessoas (Fundado no dia 25 de Maio de 1980).

Na esfera profissional o Taboado participou do Campeonato Sul-Mato-Grossense da 1ª Divisão de 1992. Apesar da falta de experiência, o Taboado fez uma boa campanha, a competição contou com a presença de 15 clubes. O time terminou na 8ª colocação (12 jogos, com cinco vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 13 gols e sofrendo 11, com saldo de dois).

Atualmente, o Taboado Esporte Clube encontra-se afastado das competições de futebol profissional, disputando apenas competições amadoras e categorias de base.

 

FONTES: Times do Brasil – As Mil Camisas – Rsssf Brasil

 

 

Modelo de 1972

A Associação Beneficente Cultural e Recreativa dos Marítimos foi uma agremiação da cidade de Corumbá (MS). A sua Sede ficava localizada na Rua Treze de Junho, nº 1.519, no Centro da cidade de Corumbá. O clube Alvianil foi Fundado no sábado, do dia 18 de Agosto de 1951.

O seu mascote era o Marinheiro Popeye, enquanto os seus jogos eram realizados no Estádio Artur Marinho, com capacidade para 15 mil pessoas. Participou do Campeonato Sul-Mato-Grossense da 1ª Divisão, em quatro oportunidades: 1995, 1996, 1997 e 1998. Até os anos 70 era o clube mais popular de Corumbá, fronteira com a Bolívia, onde foi Pentacampeão do Campeonato Citadino:  1954, 1955,1956, 1957 e 1958. Na década de 60 outros dois títulos: 1960 e 1962..

Formação de 1972

Em pé da esquerda para a direita: Juvenal, Tuta, Pierre, Aurélio, João Luiz, Cacique, Gilson, Zelão,  Adalberto (técnico), Mário e Jorge “Cachaço”. Agachados na mesma ordem: Celi (massagista), Jair “Pagodeiro”, Armindo, Edeni, Adão, Calixto, Mário Fernandes, Moreira e Zé de Oliveira (preparador físico).

Disputou o Torneio Inter-clubes do Mato Grosso em 1962. Depois participou do Torneio dos campeões do Estado em 1965, Campeonato Matogrossense de Amadores em 1966 e 1968 (neste período não havia estadual, sendo substituídos por estes Torneios Estaduais organizados pela FMD). Disputou o Campeonato Estadual Mato-grossense de 1975 (antes da divisão do estado). Disputou quatro campeonatos Sul-mato-grossense de 1995 até 1998.


FONTES & FOTO: Wikipédia – Revista Placar – Correio de Corumbá

 

 

Amigos, pesquisando pela rede, encontrei alguns uniformes e escudos de clubes já conhecidos, porém, algumas cores são diferentes e os escudos também diferem do que nós já conhecemos. Mando as fotos aos senhores:

1) Carajás Esporte Clube (foto do time que participou da Segunda Divisão do Pará, em 2013) Fonte:  Jornal O Liberal

2) Pinheiro Atlético Clube/MA Fonte: Blog Futebol Maranhense Antigo

3) Dourados Esporte Clube/MS

4) Sociedade Esportiva Pontaporanense/MS

5) Mariano Esporte Clube/ES

6) Real Beltranense/PR

7) Comercial de Cornélio Procópio/PR

8) Portuguesa Santista/SP (escudo dos anos 70)

9) Sociedade Atlética Imperatriz/MA (placa dos anos 1980)

 

FONTE: Sport Ilustrado

 

FONTE: Sport Ilustrado

 

FONTES : Marlon Krüger Revista Sport Ilustrado

 

Prezados,

Segue o novo escudo do SE Pontaporanense de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul.

O clube disputa a segunda divisão estadual, que começou ontem, dia 29/08/2015.

Fonte:http://www.futebolms.com.br/v4/index.php/90-t3-framework-and-bootstrap-3/480-especial-serie-b-os-quatro-times-que-podem-surpreender-na-competicao

Segue o escudo que possuía até então:

 

Segue algumas fotos que eu encontrei do Baianinho Esporte Clube em uma entrevista feita ao criador do projeto.

Vale lembrar que o Baianinho jogou a segunda divisão estadual em 2006 e terminou em 9º lugar.

 

Fonte: http://www.topmidianews.com.br/entrevistas/noticia/na-historia-do-futebol-de-ms-baianinho-agora-abre-portas-para-criancas

 

 

 

Segue o escudo do Botafogo Futebol Clube de Aquidauana. Este ano o clube irá participar do Campeonato Estadual Sub-17 e do Master, segundo a Federação de Futebol do Mato Grosso do Sul. Nos anos 90 o clube disputou competições profissionais.

 

 

Prezados,

encontrei na internet um escudo mais nítido do Baianinho EC de Campo Grande/MS

Este clube (pela reportagem, atualmente atua como Escolhinha) jogou a segunda divisão do Mato Grosso do Sul em 2006.

Segue foto de Luis Pereira, fundador do clube:

E artigo completo: http://www.topmidianews.com.br/entrevistas/noticia/na-historia-do-futebol-de-ms-baianinho-agora-abre-portas-para-criancas

Fonte: topmidia news

 

Após ter apresentado os escudos e uniformes de 25 estados, além do antigo Distrito Federal, restaram dois estados: Mato Grosso do Sul e Tocantins. Como esses dois selecionados não existiam na década de 50, postarei como uma menção honrosa e, assim, fechar com todos os 27 estados brasileiros, encerrando essa longa, porém prazerosa jornada.

 

O Ladário Atlético Clube é uma agremiação da cidade de Ladário (MS). Fundado na década de 20, a sua Sede fica localizado na Avenida 14 de Março, s/n – Centro de Ladário. Apesar das poucas informações, sabe-se que a equipe disputou o Campeonato Matogrossense de 1924, organizado pela Liga Sportiva Matogrossense (LSM).

Sede do clube

No Correio do Estado abordou que o Ladário e o Corumbaense decidiram o título, no domingo dia 20 de setembro de 1925. Contudo, não deu o resultado e apenas se limitou a dizer que o campeão seria definido pela Liga. A partir daí não foi encontrado mais nenhuma informação a respeito. Em 1926 o Ladário AC foi campeão pela LMSA.

Título Corumbaense de 1929

Em 1929, o Ladário decidiu o título do Campeonato Corumbaense diante do Riachuelo Football Club, precisando apenas do empate. E foi justamente o que aconteceu. Com o 1 a 1, o clube ladariense faturou o caneco. Contudo, a partida foi emocionante já que o Riachuelo vencia até o minutos finais, quando o árbitro W.Rabello marcou um pênalti a favor do Ladário, que por sua vez não desperdiçou.

A Classificação final:

1º        Ladário                      -           09 pontos;

2º        Riachuelo                 -           08 pontos;

3º        Corumbaense          -           04 pontos;

4º        Commercio               -           03 pontos.

 

Fontes e Foto: Correio do Estado – A Campanha – Correio de Corumbá - O jornal Tribuna

 

A LIGA SPORTIVA AQUIDAUANENSE, sediada na cidade de Aquidauana (atual Estado do Mato Grosso do Sul)  foi fundada em 14 de junho de 1939 e sua primeira competição foi o Torneio Início. O título ficou com o CENTRO SPORTIVO MARECHAL MALLET. Abaixo as fotos dos fundadores da Liga0 e participantes desta primeira competição:

Fonte: Sport Ilustrado

 

Contando com a parceria do amigo, competente e membro Mario Ielo, chegamos a Sociedade Sportiva Campo-grandense (Depois passou a se chamar Sociedade Esportiva Campo-grandense), que foi uma agremiação da cidade de Campo Grande (MS). O SSC participou de alguns Estaduais de Mato Grosso nos anos 30.

Fundado em 1927, por verdadeiros amantes do futebol, teve como figura expoente de seu quadro de jogadores o ponta esquerda Valdir Santos Pereira, fundador maior e que estaria fadado a se transformar, nos anos brilhantes do futebol sul-mato-grossense, nas décadas seguintes, no grande benfeitor dessa modalidade esportiva.

1º escudo e uniforme

O uniforme da Sociedade Sportiva Campo-grandense era todo branco (calção e camiseta), sobressaindo na altura do peito do jogador, cravando na camiseta, o emblema em formato de um coração, de cor vermelha e, logo abaixo, as letras (SSC), também de tom avermelhado.

Além de Brun e Valdir Santos Pereira, integravam a equipe os jogadores Nico, Soldado, Quinca, Chico Preto, Inácio, Sargento, Gustavo, Paraguai, Pernambuco, Magno, Chicão, Carandá e Periquito. Estes foram, reconhecidamente, os primeiros jogadores a comporem um time de futebol em Campo Grande.

Além desse distintivo encontramos mais dois. Um foi tirado da Revista Sport Ilustrado, do dia 9 de abril de 1942. O outro o amigo Mario Ielo conseguiu um papel timbrado por Guilherme Nascimento, em arquivos de correspondência enviados ao Santos FC, repassados por Rodolfo Stella.

Por sinal, o Guilherme Nascimento do mesmo modo, encontrou o primeiro escudo do Botafogo de Ribeirão Preto. Sua pesquisa chegou a conhecimento do próprio clube, que não tinha em seus arquivos o escudo.

História do Estádio Belmar Fidalgo

A casa do SS Campo-grandense merece um capítulo à parte. Tudo começou em 1933 quando João Pestorine Júnior doou um terreno de 45 mil metros quadrados à Sociedade Esportiva Campograndense para instalação de um campo de futebol, que ficou conhecido na época como ‘Campo de Marte’, devido à sua localização no final da rua Marte, atual rua Arthur Jorge.
Em 1938 o terreno foi adquirido pela prefeitura municipal e entregue à Liga Esportiva Campo-grandense. Em 1953 o espaço é transformado em Estádio Municipal pelo então prefeito Wilson Barbosa Martins e ganha o nome de desportista Belmar Fidalgo, um incentivador de esporte que morreu precocemente. Em 1957 o estádio ganha seu primeiro sistema de iluminação.

Em 1987 o estádio é transformado em praça esportiva sendo retirada a arquibancada que existia no local. Em 1992 o Belmar Fidalgo passa por nova remodelação e em 1994 passa por uma ampla reforma, recuperando todo sistema de iluminação, pintura das quadras e renovação da areia da arena e do gramado do campo de futebol suíço.

Na Praça Esportiva Belmar Fidalgo existem duas quadras poli-esportivas, arena para quadras de areia, pista de cooper, banheiros, bebedouro, duchas, campo de futebol suíço, playground infantil, área para ginástica, sede administrativa, muito verde e uma forte iluminação.

Fontes:  Site Cassilândia News – Academia Sul-mato-grossense de Letras – Revista Sport Ilustrado – Guilherme Nascimento

 

Prezados,

Segue abaixo o novo escudo do Corumbaense, de Corumbá, Mato Grosso do Sul.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Edimar Moreira Vidal

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha