A Itália Football Club foi uma agremiação da cidade de Ribeirão Preto (SP). Foi Fundado na segunda-feira, do dia 18 de dezembro de 1916.  A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente - R. Carilie;

Vice-Presidente - H. Coppo;

1º Secretário - P. De Santis;

2º Secretário - E. Rossi;

Tesoureiro – D. Milani;

1º Capitão - J. Giannetti;

2º Capitão - L. Crepaldi;

Diretor Esportivo - R. Carile;

Procurador - M. Ferlim.

 

FONTE: A Gazeta

 

GRÊMIO ESPORTIVO TRANQUILIDADE - FUNDADO EM 07 DE AGOSTO DE 1951

GRÊMIO ESPORTIVO UNIÃO DE GOPOÚVA - FUNDADO EM 1952

SOCIEDADE ESPORTIVA UNIÃO DOS SERVIDORES - FUNDADO EM 08 DE DEZEMBRO DE 1968

UNIÃO TIETÊ FUTEBOL CLUBE - FUNDADO EM 15 DE OUTUBRO DE 1921

GRÊMIO ESPORTIVO UNIDOS DA VILA TIJUCO - FUNDADO EM 04 DE FEVEREIRO DE 1968

SOCIEDADE ESPORTIVA VASCO DA GAMA - FUNDADO EM 23 DE NOVEMBRO DE 1949

GRÊMIO ESPORTIVO VILA BARROS - FUNDADO EM 1958

ESPORTE CLUBE VILA GALVÃO - FUNDADO EM 01 DE JANEIRO DE 1944

GRÊMIO ESPORTIVO VILA INDUSTRIAL - FUNDADO EM 12 DE SETEMBRO DE 1967

GRÊMIO ESPORTIVO VILA UNIDAS - FUNDADO EM 21 DE NOVEMBRO DE 1958

Fonte: Livro “Fragmentos do Futebol de Guarulhos” de Silvio Ribeiro

 

 

CLUBE ATLÉTICO MINEIRO - FUNDADO EM 22 DE MAIO DE 1955

SPORT CLUB CORINTHIANS - FUNDADO EM 25 DE JANEIRO DE 1944

FLOR DA PALMEIRA FUTEBOL CLUBE - FUNDADO EM 10 DE FEVEREIRO DE 1954

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA IPIRANGA - FUNDADO EM 23 DE AGOSTO DE 1965

GRÊMIO ESPORTIVO JARDIM CRUZEIRO - FUNDADO EM 07 DE SETEMBRO DE 1954

PADRE BENTO ESPORTE CLUBE - FUNDADO EM 05 DE AGOSTO DE 1931

ESPORTE CLUBE PAULISTA - FUNDADO EM 27 DE AGOSTO DE 1925

ESPORTE CLUBE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - FUNDADO EM 22 DE FEVEREIRO DE 1954

ESPORTE CLUBE SÃO JOÃO - FUNDADO EM 31 DE JANEIRO DE 1934

Fonte: Livro “Fragmentos do Futebol de Guarulhos” de Silvio Ribeiro

 

Brasília Futebol Clube, ou simplesmente Brasília, é um clube de futebol brasileiro, sediado em Brasília, no Distrito Federal. Foi fundado em 2 de junho de 1975, sob o nome de Brasília Esporte Clube e tornou-se um dos primeiros clubes-empresa do Brasil, em 8 de novembro de 1999, passando a se chamar Brasília Futebol Clube. Suas cores são o vermelho e o branco, motivo pelo qual também é conhecido como Colorado.

É o clube de futebol profissional mais antigo em atividade no Distrito Federal, sendo o time do Distrito Federal que mais vezes disputou a 1ª Divisão do Campeonato Brasileiro com sete participações (197719781979198119831984 e 1985). Seus principais títulos são 1 Copa Verde (2014) e 8 Campeonatos Brasilienses.

História

O início da história do Brasília coincide com o começo da profissionalização do futebol no Distrito Federal. O futebol em Brasília vem desde sua construção, quando trabalhadores e operários das construtoras começaram a formar times que levavam os nomes das próprias construtoras, como, por exemplo, o Defelê, do Departamento de Força e Luz. Essas equipes foram disputando campeonatos amadores ao longo dos anos, dado que não havia organização necessária para a profissionalização do futebol, pois várias equipes eram extintas à medida que as construtoras deixavam Brasília. Até houve uma tentativa de profissionalização, quando foram organizados, simultaneamente, campeonatos profissionais e amadores em 19641965 e 1966, mas a iniciativa acabou não dando certo e o futebol em Brasília voltou a ser amador. Essa situação perdurou até 1976, quando o futebol candango se profissionalizou de vez.

Com a franca expansão do futebol brasiliense, os membros da Associação Comercial do Distrito Federal, nos idos de 1969, planejavam criar uma equipe de futebol, mas esbarravam no receio de a ideia não dar certo, visto que o futebol local ainda era amador. Vendo que a iniciativa do CEUB dera certo, sendo a primeira equipe do Distrito Federal a participar do Campeonato Brasileiro, os empresários da ACDF decidiram, por fim, criar o Brasília Esporte Clube.

No dia 2 de junho de 1975, numa reunião na sede da Associação, os empresários, liderados por José da Silva Neto, votaram o estatuto de criação e elegeram o próprio Silva Neto como presidente do clube. Na discussão para a escolha das cores do recém-fundado clube, o ex-dentista da Seleção Brasileira nas Copas de 58 e 62, Mário Trigo, sugeriu que fossem adotados as cores vermelha e branca, em alusão ao tradicional America do Rio de Janeiro, sugestão essa que foi prontamente acolhida.

Variações dos escudos do Brasília

Apogeu e crise

O Brasília, mantido pela Associação Comercial do Distrito Federal, manteve a hegemonia no futebol local, ganhando oito títulos entre 1976 e 1987, recorde somente superado nos anos 2000 pelo Gama. Foi também o mais frequente representante do Distrito Federal no Campeonato Brasileiro, com sete participações na primeira divisão nacional, numa época em que todos os campeões estaduais tinham vaga assegurada na elite.

No final dos anos 90, em crise e se aproveitando da Lei Pelé, tornou-se o primeiro clube-empresa totalmente privado do Brasil. Um grupo de oito sócios liderados pelo médico Ênio Marques fundou a empresa Brasília Promoções e Participações Desportivas S/A e comprou, por preço simbólico, o departamento de futebol do Brasília Esporte Clube, mudando seu nome para Brasília Futebol Clube. As tradicionais cores vermelha e branca foram trocadas pelo verde, amarelo e azul, com a justificativa de ter uma identidade maior com o Brasil.

A nova administração, no entanto, não obteve sucesso. Afundado em dívidas, o Brasília acabou sendo rebaixado para a segunda divisão local em 2001. Cortando despesas, o clube passou a ter a estrutura bancada pelo Gama, que cedeu seu elenco de juniores, em preparação para a Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2002. O presidente do Gama, Wagner Marques, ex-presidente do próprio Brasília, assumiu todos os custos e trocou as cores do clube, resgatando as cores originais vermelha e branca. A parceria surtiu efeito e o clube conseguiu reerguer-se e conquistar a segunda divisão estadual.

Após um novo rebaixamento em 2002 e a não-participação no campeonato de 2005, o Brasília chegou até a então terceira divisão do Distrito Federal em 2006. Recuperando-se nas temporadas seguintes, chegou a um vice-campeonato em 2009.

Renascimento

Em 2011, após um novo revés nos campos, o advogado Luis Carlos Alcoforado compra o clube, dando início a um processo de valorização das categorias de base, culminando com o título do Campeonato Brasiliense de Juniores de 2013 e com a campanha na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2014, competição em que foi eliminado nas oitavas de final, depois de disputa de pênaltis contra o São Paulo. Antes disso, havia eliminado o Botafogo, por 3 a 0.

O time principal conquistou o acesso em 2012 e foi campeão do primeiro turno do Campeonato Brasiliense de Futebol de 2013 (Taça JK), e teve o privilegio de inaugurar o novo Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha na grande final daquele ano, sendo vice-campeão.

Copa Verde

Em 2014, o clube se sagrou o primeiro campeão da Copa Verde, vencendo nas penalidades o Paysandu Sport Club.

Ninguém acreditava no Brasília, que a princípio era apenas figurante na competição. A Copa Verde reuniu representantes dos estados das regiões Norte e Centro-Oeste, exceto Goiás, cuja Federação rejeitou a possibilidade de seus times participarem do torneio. A Federação Goiana não quis alterar o calendário do seu campeonato estadual para que os times do estado participassem.. A Copa reuniu também um representante do Espírito Santo.

O Brasília enfrentou apenas campeões estaduais durante a competição e, surpreendentemente, foi campeão logo no primeiro ano de disputa. O CENE do Mato Grosso do Sul foi o primeiro clube a ser derrotado pelo Brasília. Em seguida, o Brasília passou em dois jogos emocionantes pelo Cuiabá, o atual campeão mato-grossense e que havia rebaixado na última rodada da Série C do ano anterior o rival do colorado, o Brasiliense, ao vencê-lo por 2×1 em pleno Estádio Boca do Jacaré. O mesmo Brasiliense enfrentou o Brasília nas semifinais. O jacaré, atual campeão candango, venceu por 2×0 na ida, porém na volta o colorado se impôs e venceu sem dificuldades o Brasiliense por 3×0. O jogo ficou marcado pela invasão de campo da torcida do Brasiliense no fim do jogo, indignada pelo resultado e pela má-fase que assombrava o time.

Na decisão, o Brasilia enfrentou o atual campeão paraense Paysandu que figurou como o principal favorito ao título durante toda a competição. No primeiro jogo da final, em Belém, com o Mangueirão quase lotado, o Brasília não se intimidou com o estádio e se lançou ao ataque com rapidez. O Paysandu logo se deu conta que a partida não seria tão fácil como os torcedores acreditavam, vencendo por apenas 2×1 e deixando a final aberta para o jogo de volta.

No jogo com o público recorde do campeonato, mais de 50 mil torcedores foram ao estádio da Copa do Mundo, o Mané Garrincha. Os torcedores do Paysandu compareceram em peso à capital federal; cerca de 8 mil torcedores viajaram para Brasília. Os outros 42 mil torcedores candangos vibraram em um jogo que foi decidido nos pênaltis, após o Brasília vencer por 2×1 a partida no tempo normal.

O artilheiro da Copa Verde, Lima, teve a chance de garantir o título ao Paysandu, mas o goleiro Arthur salvou fazendo grande defesa, se redimindo, já que nas quatro cobranças anteriores ele sequer havia chegado perto de defender alguma. O Brasília venceu apenas na oitava cobrança, garantindo o resultado de 7×6 nas penalidades. Na última cobrança, Fernando, do Colorado, chutou no local onde o goleiro do Paysandu pulou, porém este espalmou a bola no travessão que bateu e entrou, para delírio dos mais de 40 mil torcedores do Colorado.

Com a conquista, o Brasília também foi o primeiro time do Distrito Federal a participar de uma competição de nível internacional, a Copa Sul-Americana de 2015. Esta final também simbolizou o maior público da história para um jogo de um time de Brasília.

Porém, no dia 28 de julho de 2014, o STJD retirou o título do Brasília, devido à escalação irregular de quatro jogadores na final do torneio, concedendo o título ao Paysandu.[7]No dia 1 de agosto, contudo, o Brasília conseguiu um efeito suspensivo da decisão, retomando o título temporariamente.[8] A resolução final do caso seria julgada pelo Tribunal Pleno do STJD no dia 14 de agosto, mas foi adiada por conta do mau tempo. Finalmente, depois de muito tempo, o STJD confirmou que o título e a vaga para a Copa Sul-Americana de 2015 eram do Brasília.

Títulos

REGIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Copa-Verde-de-Futebol-2016.gif Copa Verde 1 2014
METROPOLITANOS
Competição Títulos Temporadas
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 8 1976, 1977, 1978, 1980, 1982, 1983, 1984 e 1987
Distrito Federal (Brasil) Taça JK 1 2013
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense da Segunda Divisão 2 2001 e 2008
Campanhas de destaque
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Central-West Region in Brazil.svg Copa Centro Oeste 0 (não possui) 1 (1984) 0 (não possui) 1 (1981)
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 8 (1976197719781980198219831984 e 1987.) 7 (1979199519972009201320142015) 6 (198119851986199219942000) 0 (não possui)

FONTES: Wikipédia – GPS Brasília – Ismael Carlos 

 

O Sport Club Jaraguá uma agremiação da cidade de Jaraguá do Sul (SC). Fundado no dia  15 de Abril de 2008, o Jaraguá tem como cores o preto, vermelho e o amarelo e seu mascote é um leão.  O Sport Jaraguá nasceu inicialmente com o nome de: Associação Catarinense de Futebol Arte, quando foi fundado em 15 de abril de 2008, e no dia 25 de março de 2011, passou a ser chamado pelo nome atual.

O clube iniciou suas atividades com o intuito de trabalhar com atletas da região, com idade de categorias de base. Com o passar do tempo a base foi se estruturando, parcerias foram sendo firmadas com outros clubes e empresários e, no ano de 2011, um novo clube de futebol profissional foi lançado no futebol catarinense.

O Sport Club Jaraguá possui as cores preto, vermelho e amarelo, devido a forte imigração alemã da região. Sua estreia em competições oficiais, ocorreu na disputa da Divisão de Acesso do Campeonato Catarinense de 2011, quando terminou a competição como vice-campeão.

FONTES: Wikipédia - Jaraguá AM

FOTO: Ismael Carlos 

 

Após a escassez em relação ao Engenho Central Futebol Clube, que foi uma agremiação da cidade de Itaocara (RJ), mais um escudo foi resgatado. O Alviverde foi Fundado em Outubro de 1939, por funcionários da Companhia Engenho Central Laranjeiras S/A. A sua Sede ficava localizada em Laranjais – 2º distrito do Município de Itaocara. O Engenho Central participou do Campeonato Fluminense de Futebol de 1944, chegando até a terceira fase, só caindo diante do forte Paduano de Santo Antonio de Pádua.

Para um clube do Interior do Rio, a sua estrutura era diferenciada. O seu Estádio Hernandes Campany, por exemplo, contava com arquibancadas cobertas. O Engenho Central revelou grandes jogadores como: Adhemar Gomes, Antônio Geraldo, Batista Oliveira, Flávio Campany, Jair Campany, João do Enéias, Oarci Ferraz, Olivier, Onivar, Paulinho “Boleba”, Porquita, Tião Sobrado, Waldemar Torres, entre outros.

Em 1948, o clube estava filiado a Liga Itaocarense de Desportos (LID), juntamente com o Portela Esporte ClubeAmérica Futebol ClubeUnião Esportiva Itaocarense e Brasil Esporte Clube.

Em agosto de 1971, foi assinado pelo Sr. Fernando Leandro, foi aprovado em discussão única, o projeto que considera de utilidade pública o Engenho Central Futebol Clube, com sede em Itaocara.

FONTES: Itaocararj – Jornal do Commercio – Diário Carioca – O Fluminense – André Luiz Pereira Nunes – Liga Itaocarense de Desportos (LID)

 

O São Joaquim Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Belém (PA). O clube Alvianil foi Fundado na sexta-feira, do dia 28 de Fevereiro de 1936. A sua Sede está localizada na Rua Anchieta, nº 255, no Bairro Marambaia, em Belém. O clube participou dos campeonatos citadinos e as competições na base, onde conquistou o Campeonato de Paraense Juvenil em 1973.

FONTES: Blog Izomar – Jornal o Liberal

 

O LPB Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O Clube Elepebense foi Fundado na quinta-feira, do dia 07 de Julho de 1932. A sua 1ª Sede ficava na Rua Bráulio Gomes, nº 4, na República, em São Paulo. Em 1937, se transferiu para a Rua José Bonifácio, 39/ 3º Andar – Praça da Sé. Depois passou para a Rua São Luís, nº 161, na República, em São Paulo, na década de 40.

O clube se filiou, em 1934, na ACEA (Associação Comercial de Esportes Atheticos, fundada em 1930). Após ver o Tewico FC faturar o Bicampeonato (1930 e 1931) e o Tetra do Mecânica FC (1934, 1935, 1936 e 1937), o LPB também faturou quatro títulos: 1938 e 1940, 1941 e 1942.

Em 1942, a A.A. Americana foi o 1º clube de Santos a jogar uma partida no Estádio do Pacaembu, enfrentando o LPB, de São Paulo, pelo Campeonato de Futebol Amador do Estado de São Paulo.

 

Campeonato Amador do Município de São Paulo: LPB é o Campeão!

A competição reuniu os campeões de diferentes divisões do futebol paulistano:

AA Light & Power - Campeão da Divisão Principal

AA Guarani - Campeão da Divisão Varzeana

LPB FC - Campeão da Divisão A.C.E.A.

União Vasco da Gama FC - Campeão da 1ª Divisão

AER Recabo - Campeão da Divisão Industrial Comercial “Leci”

EC Banespa - Campeão da Divisão Bancária

São Paulo FC - Campeão da Divisão Extra

Guarda Civil de São Paulo - Campeão da Divisão dos Funcionários Públicos

 

Quartas de final

14-11-1942 - Estádio do Pacaembu: São Paulo 1       x          0 Guarda Civil

15-11-1942 - Campo do Ipiranga: Recabo 3 x 1 Banespa

15-11-1942 - Campo do Juventus: LPB 3 x 0 União Vasco da Gama

18-11-1942 - Estádio do Pacaembu:  Light & Power 6 x 2 Guarani

 

Semifinal

21-11-1942 - Pacaembu: Recabo           2         x          0          São Paulo

22-11-1942 - Pacaembu: LPB     3          x          2          Light & Power

 

Final

06-12-1942 - Pacaembu: LPB     3          x          0          Recabo

FONTES: Memória Santista – Rsssf Brasil – Correio de São Paulo – Correio Paulistano – Celso Franco

 

O Dalva Football Club foi uma agremiação da cidade de Campinas (SP). O clube disputou o Campeonato do Interior de São Paulo, em 1925 e 1927.

FONTES: Correio Paulistano – Celso Franco

 

A Associação Athletica Campinas foi uma agremiação da cidade de Campinas (SP). A sua Sede e o campo ficavam localizados na Villa Bierrembach, s/n, no Bairro de Santa Cruz, em Campinas. Sede e o campo foram inaugurados no domingo, do dia 12 de outubro de 1924. Em 1927, se fundiu a A.A. Ponte Preta.

FONTES: Correio Paulistano – A Gazeta – Celso Franco

 

O Villa Industrial Football Club foi uma agremiação da cidade de Campinas (SP). A sua Sede e o campo ficavam no Bairro Villa Industrial, em Campinas. Filiado a Associação Campineira de Football (ACF), nos anos 20, participou da Zona Paulista de 1921.

 

FONTES: Correio de São Paulo – Correio Paulistano – Celso Franco

 

O Voluntários da Pátria Football Club foi uma agremiação da cidade de Campinas (SP). Fundado no dia 26 de Março de 1922. A escolha do nome foi uma homenagem aos cidadãos que serviram o exército brasileiro durante a Guerra do Paraguai. O clube participou do Campeonato do Interior de 1929, organizado pela APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos).

 

FONTES: Correio Paulistano – historiador Fernando Pereira – Celso Franco

 

O Engenho Central Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Itaocara (RJ). O Alviverde foi Fundado em Outubro de 1939, por funcionários da Companhia Engenho Central Laranjeiras S/A. A sua Sede ficava localizada em Laranjais – 2º distrito do Município de Itaocara. O Engenho Central participou do Campeonato Fluminense de Futebol de 1944, chegando até a terceira fase, só caindo diante do forte Paduano de Santo Antonio de Pádua.

Para um clube do Interior do Rio, a sua estrutura era diferenciada. O seu Estádio, por exemplo, contava com arquibancadas cobertas. O Engenho Central revelou grandes jogadores como: Adhemar Gomes, Antônio Geraldo, Batista Oliveira, Flávio Campany, Jair Campany, João do Enéias, Oarci Ferraz, Olivier, Onivar, Paulinho “Boleba”, Porquita, Tião Sobrado, Waldemar Torres, entre outros.

Em 1948, o clube estava filiado a Liga Itaocarense de Desportos (LID), juntamente com o Portela Esporte Clube; América Futebol Clube; União Esportiva Itaocarense e Brasil Esporte Clube.

Em agosto de 1971, foi assinado pelo Sr. Fernando Leandro, foi aprovado em discussão única, o projeto que considera de utilidade pública o Engenho Central Futebol Clube, com sede em Itaocara.

FONTES: Itaocararj – Jornal do Commercio – Diário Carioca – O Fluminense – André Luiz Pereira Nunes – Liga Itaocarense de Desportos (LID)

 

 

A SODIMA foi um clube de futebol amador de Uberaba – MG, que brilhou no início da década de 70. O time, ligado à empresa do mesmo nome, que significava “Sociedade Distribuidora de Máquinas Agrícolas”, foi bicampeão amador de Uberaba nos anos de 1972 e 1973.

Dirigida por Rubens Ciabotti e treinada por Abrão Miguel Arabe, sócios da empresa, a SODIMA teve uma breve, mas bem sucedida experiência nos campos uberabenses. O ápice de sua breve existência foi o convite feito pela Federação Mineira de Futebol para participar do Torneio Santos Dumont, que no final do ano de 1973 e início de 1974, reuniu equipes profissionais e amadoras de todo o estado.

Na primeira fase, disputada em 1973, foi a primeira colocada de um grupo que reunia ainda o Paranaíba, clube amador de Carmo do Paranaíba e o Araxá. Tal feito foi comemorado com uma taça, provavelmente adquirida pelo próprio clube, exposta na sede da empresa (e do clube), na Rua João Pinheiro, bem no centro da cidade de Uberaba.

Na fase semifinal não conseguiu nenhuma vitória mas destacou-se ao empatar com a poderosa Caldense em Poços de Caldas (1×1) e segurar o Nacional, time profissional de Uberaba, com um empate sem gols. Ao final, somadas as duas fases de que participou, somou duas vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas, para os elencos profissionais do Uberaba e da União Tijucana.

 

Timaço da SODIMA, bi-campeã amadora de Uberaba.

 

Fontes: Jornal da Manhã e Jornal Lavoura e Comércio, ambos de Uberaba – MG, várias edições de 1973 e 1974.

*Agradecimento especial ao Jamilton Souza, pelo desenho do escudo.

 

É mais conhecido por CRB e carinhosamente chamado de Galo por sua vibrante e apaixonada torcida.

É o maior clube esportivo de Alagoas, que começou sua história no belíssimo bairro de Pajuçara, que é um dos cartões postais da capital dos alagoanos. Atualmente, sua sede administrativa está localizada no tradicional bairro de Jaraguá e o futebol tem no CT Presidente Marcos Barbosa, na Barra de São Miguel, a maior estrutura do futebol alagoano.

O Futebol é a sua principal atividade. O seu maior patrimônio é a sua imensa e fiel torcida. Destaca-se também no Vôlei brasileiro, com hegemonia absoluta nos cenários feminino e masculino locais, tendo conquistado o maior feito em 1969, ao sagrar-se campeão sul-americano feminino em Santiago do Chile. O clube ainda possui títulos de basquete, futsal, handebol, entre outras modalidades esportivas.

O INÍCIO DE TUDO

Sua história teve início no ano de 1911, com a fundação em Maceió, do Clube Alagoano de Regatas. A jóia para sócios era de mil réis e a mensalidade de quinhentos mil réis. Sua sede ficava situada na Rua do Comércio, 138. Apesar de se chamar Clube Alagoano de Regatas, não havia yoles, nem baleeiras, nem remadores. Possuía um punhado de bravos rapazes que desejavam criar um clube esportivo em Alagoas.

Entretanto, a pequena receita com jóias e mensalidades impedia o progresso do clube. Entre os seus fundadores estavam os jovens Lafaiete Pacheco, Antônio Bessa, Celso Coelho e Alexandre Nobre. Na tentativa de elevar a receita do clube, Lafaiete Pacheco tentou junto aos companheiros um aumento nas mensalidades, mas a idéia não foi aceita pela maioria. Dessa falta de entendimento, nasceu o CLUBE DE REGATAS BRASIL.

COMO FOI

Lafaiete Pacheco procurou Antônio Vianna e explicou sua idéia de criar um clube de regatas na praia de Pajuçara. Juntos convidaram outros sete rapazes e assim no dia 20 de setembro de 1912, na rua Jasmim, foi fundado o Clube de Regatas Brasil.

ATA DE FUNDAÇÃO

Além de Lafaiete Pacheco e Antônio Vianna, assinaram a ata de fundação os seguintes desportistas: João Luiz Albuquerque, Waldomiro, Pedro Cláudio Duarte, Tenente Julião, Agostinho Monteiro, Francisco Azevedo Bahia e João Viana de Souza.

AO REMO

Os primeiros passos do clube foram dados na regata. Assim, através de Lafaiete Pacheco o CRB comprou, em Santos, por 200 mil réis sua primeira yole. Os sócios contribuíram com 100 mil réis e os outros 100 mil foram tomados emprestados. O dinheirofoi remetido através do Banco de Pernambuco e a yole chegou no navio Itapetinga. A primeira garagem foi no quintal da casa de Antônio Vianna.

Os treinamentos eram realizados no trajeto marítimo da Ponta Verde para Pajuçara. A compra do oito com patrão sensibilizou os desportistas maceioenses e logo conseguiram novos associados como Domingos Souza, Francisco Quintela, Pedro Lima, Homero Viegas, Eduardo Silveira e mais alguns, que aos poucos, foram formando a grandeza do clube.

O FUTEBOL

Foi introduzido no clube de maneira totalmente natural. Antes e depois dos treinamentos para as regatas um grupo de atletas ficava batendo bola, os conhecidos ?rachas?. Essa brincadeira foi tomando vulto e a partir daí surgiu a necessidade de um espaço próprio para a prática do futebol.

O ESTÁDIO DA PAJUÇARA

A história do CRB anda de mãos dadas com a do Estádio Severiano Gomes Filho, o inesquecível estádio da Pajuçara. Foi a partir de um terreno que pertencia à Dona Maria Torres, que arrendou o local para o clube por 300 mil réis. Em 1917 começaram as obras de construção do estádio. No dia 2 daquele ano, foi realizado o primeiro jogo interestadual contra o Flamengo de Recife. Em 1921 foi inaugurado o primeiro lance de arquibancadas contra o Centro Sportivo de Peres, de Recife. E a partir deste momento nascia o palco de muitas conquistas e que transformaram o CRB na grande paixão dos Alagoanos. Em 2012 o Estádio da Pajuçara foi vendido e com o dinheiro arrecadado o Galo quitou todas suas dívidas e construiu um dos CTs mais modernos do País.

AS GLÓRIAS

Foi o primeiro campeão de Alagoas em 1927, a partir daí começa uma trajetória de grandes conquistas e vitórias do Clube de Regatas Brasil. São 29 títulos estaduais. Em 1993 foi campeão do Torneio de Acesso a Série B e em 1994 é vice-campeão da Copa Nordeste.

OS ÍDOLOS

Estão entre seus maiores ídolos: Haroldo Zagallo (pai do jogador e técnico Zagallo), Miguel Rosas, Mourão, Canhoto, Pompéia, Silva, Joãozinho Paulista, César, Roberval Davino, Roberto Menezes.

 

FONTES: Site do Clube – Lauthenay Perdigão

 

Estrela do Norte Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro sediado em Cachoeiro de Itapemirim, no estado do Espírito Santo, e que se sagrou campeão capixaba da Primeira Divisão em 2014, depois de 98 anos de fundação. Foi vice-campeão em cinco edições do Campeonato Estadual nos anos de 1987, 2003, 2004, 2005 e 2006, e curiosamente rebaixado para a Segunda Divisão de 2007. Seu grande rival é o Cachoeiro Futebol Clube, com quem faz o grande clássico da maior cidade do interior e da região Sul Capixaba.

O Estrela do Norte foi fundado em 16 de janeiro de 1916, numa casa próximo ao Colégio Liceu Muniz Freire. Participaram da reunião de fundação: Laurentino Lugon, Mário Sampaio, Orlando Nunes, Amphilófio Braga, João Viana, Estulano Braga, Deusdedit Cruz, Fernando Reis e Francisco Penedo, que são considerados portanto os fundadores do clube mais popular do Sul do Espírito Santo e hoje uma dor principais clubes do estado. Francisco Penedo foi escolhido como o primeiro presidente do clube.

A primeira sede, segundo os arquivos, foi onde é hoje, o Tiro de Guerra e o primeiro campo foi no pátio do Liceu Muniz Freire, zona norte da cidade, daí o nome Estrela do Norte. As primeiras cores do Estrela do Norte eram verde e amarelo, e o primeiro time estrelense era formado por: Pedro Tanure, Antonio Cruz, Belmiro, Adão, Barão, Dodoca, Erly, Vivi, Mine, Cezarino e Lauro. Tempos depois, por volta da década de 30, o Estrela transferiu o seu campo para o bairro Sumaré, onde está até hoje.

O Estrela foi o primeiro campeão Sulino de profissionais. Vários grandes jogadores vestiram a camisa do Estrela na época: Elias, Fernando, Catiquinha, Sarará, Pedrinho, Toninho, Geraldo Martins, Geraldo Menezes, Lico, Siro e Zinho., Virgilio, Hugo, Américo, Correlogo, Otacílio, Gerson, Donato, Rainor, Bela, Nerinho, Jove. Veraldo, Raul, Gesse, Orlando, Manduca.[3]

Em 1996, o Estrela foi notícia no Brasil devido a publicação na Revista Placar sobre “o menor campeonato do mundo”, o Campeonato Capixaba da Segunda Divisão, que teve o Alvinegro campeão, e o Sport Club Capixaba como o vice-campeão. Uma dos maiores feitos do Estrela do Norte, foi no ano de 2005, quando jogou pela primeira vez a Copa São Paulo de Futebol Júnior, onde derrotou a equipe do São Paulo Futebol Clube pelo placar de 2 a 1. A equipe do Estrela do Norte não conseguiu se classificar pois perdeu de 2 a 1 para a equipe de Taubaté e de 2 a 0 para o Itabaiana, ficando em terceiro lugar no seu grupo.

O Estrela do Norte jogou a final do Campeonato Capixaba da Segunda Divisão de 2010 contra a equipe do Esporte Clube Aracruz e, apesar de ter perdido o título, Estrela e Aracruz subiram para a Primeira Divisão de 2011. Porém, devido a problemas jurídicos, o Estrela do Norte perdeu a vaga e não pôde participar da Primeira Divisão em 2011.

O Estrela do Norte foi vice-campeão da Segunda Divisão do Campeonato Capixaba de 2012 e juntamente com a Desportiva Ferroviária, que foi a campeã, subiu para a Primeira Divisão de 2013, terminando com o vice-campeonato depois de levar um gol aos 49 minutos do segundo tempo. No jogo estavam presentes mais de 5000 torcedores do Estrela do Norte, tendo uma média em todo o campeonato de 2000 pessoas por jogo, recorde no futebol capixaba em 2012, somando as duas divisões do futebol capixaba.[3]

A diretoria do Estrela do Norte Futebol Clube, no dia 5 de setembro de 2012, lançou uma camisa retrô do Estrela do Norte, com as primeiras cores do clube: o verde e o amarelo. A camisa será o terceiro uniforme do clube em 2013, e um aperitivo para os 100 anos do clube.[3] A diretoria começou no final de 2012, uma reforma geral nas estruturas do Estádio do Sumaré, como por exemplo nas arquibancadas e na iluminação, além de estar construindo uma academia para os atletas do clube. O gramado também está sendo reformado em algumas partes principalmente dentro das duas áreas, partes que ficam mais danificadas.

2014: Primeiro título da Primeira Divisão

No Campeonato Capixaba de 2014, o Estrela do Norte Futebol Clube se classificou para as semifinais e enfrentou a equipe do São Mateus. O primeiro jogo foi no Estádio do Sumaré, em Cachoeiro de Itapemirim e a segunda partida foi no Estádio do Sernamby, na cidade de São Mateus. O Estrela do Norte perdeu em casa de 2 a 1 para a equipe do São Mateus, mas no jogo de volta, no Estádio do Sernamby, na cidade de São Mateus, o Estrela do Norte goleou por 3 a 0. Com esses resultados, o Estrela do Norte Futebol Clube se classificou para sua sexta final, dessa vez disputando contra a equipe do Linhares Futebol Clube. Diferente das demais vezes, sagrou-se campeão, após um empate sem gols no jogo de ida, e uma vitória por 1 a 0 no jogo de volta.

Depois de 98 anos de história, a equipe do Estrela do Norte Futebol Clube sagrou-se Campeão Capixaba pela primeira vez em sua história. A partida foi realizada no dia t de junho de 2014, no Estádio do Bambu, na cidade de Aracruz. Na primeira partida o Estrela empatou com o Linhares por 0 a 0, porém no jogo de volta o Estrela ganhou o Linhares por 1 a 0, levantando o título. Com o título, os torcedores estrelenses se viram muito felizes por, enfim, ver o seu quase centenário clube campeão pela primeira vez. A equipe do Estrela do Norte irá participar do campeonato Brasileiro da Série D de 2014 e no ano de 2015 já está confirmado na Copa do Brasil e na Copa Verde. A cidade de Cachoeiro de Itapemirim parou para ver a chegada dos jogadores campeões. Mais de 6 mil pessoas aguardavam os jogadores na chegada ao Estádio do Sumaré.[4]

O Estrela do Norte Futebol Clube, participou do Campeonato Brasileiro da Série D pela primeira vez e somou 12 pontos ao final, ficando em terceiro colocado no Grupo A5, não obtendo a classificação, isto porque equipe do Itaporã de Mato Grosso do Sul, abandonou o campeonato na sétima rodada após a derrota para o próprio Estrela do Norte por 3 a 1. Com isso a equipe do Anapolina se beneficiou e como na última rodada iria enfrentar a equipe do Itaporã somou 13 pontos. No último jogo diante o Brasiliense, no dia 14 de setembro, no Estádio do Sumaré, mais de três mil torcedores apoiaram o Estrela do Norte e ao final apoiaram o clube mesmo sendo eliminado do campeonato.

2015: Copa do Brasil e Copa Verde

O Estrela do Norte, passou para a segunda fase da Copa Verde, derrotando nos pênaltis a equipe goiana do Luziânia pelo placar de 4 a 3. Nos dois confrontos ocorreram empates de 1 a 1. Foi a primeira vez que uma equipe capixaba passa da primeira fase na Copa Verde.[5] Na segunda fase o Estrela do Norte foi eliminado pela equipe do Cuiabá, do Mato Grosso.

Na Copa do Brasil, no primeiro jogo o Estrela derrotou a equipe do Sampaio Corrêa pelo placar de 3 a 2. Até os 30 minutos do segundo tempo, o Estrela do Norte estava vencendo o Sampaio Corrêa pelo placar de 3 a 0, o que lhe daria mais conforto em enfrentar o Sampaio Corrêa no Maranhão, porém faltando quinze minutos o Sampaio Corrêa fez dois gols e diminuiu a vantagem do Estrela do Norte.[7] No segundo jogo o Estrela foi derrotado por 4 a 1 no Castelão em São Luís e é eliminado da competição.

2016: Centenário e rebaixamento

Em comemoração ao aniversário de 100 anos de fundação, celebrado no dia 16 de janeiro, o Estrela do Norte lançou uma revista comemorativa, inspirada na história do clube. O produto, com 80 páginas, retrata momentos marcantes da história alvinegra e destaca ídolos que marcaram época com a camisa do time. A coleção conta com fotos históricas que destacam jogadores importantes, torcedores e funcionários que participaram e ainda participam do dia a dia do clube. Além disso, o especial tem depoimentos de ex-jogadores e ex-presidentes e o título inédito do Campeonato Capixaba de 2014.[9]

No ano do centenário, o Estrela do Norte faz um campanha irregular no Capixabão e é rebaixado para a Série B de 2017.

Títulos[editar | editar código-fonte]

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba 1 2014.
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba – Série B 2 19961999
Espírito Santo (estado) Copa Espírito Santo 3 2003, 2004, 2005
Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino 6 1954, 1955, 1964, 1965, 1966, 1968
Espírito Santo (estado) Taça Newton Braga 3 1963, 1964, 1965

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

  • Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba de Juniores: 2 (1991, 2004).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino de Juniores: 1982.
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Juvenil: 2 (1996, 1997).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Infantil: 1997

 

FOTOS: Wikipédia - Revista Fon-Fon 

 

Cachoeiro Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro sediado em Cachoeiro de Itapemirim no Espírito Santo e seu maior rival é o Estrela do Norte Futebol Clube.O Cachoeiro foi fundado em 9 de Janeiro de 1916. Foi campeão cachoeirense em 1946 com: Waldir Pontes, Luiz Pretti, Delson, Manoelito, Lídio, Otávio, Joemir, Nilsinho, Armênio, Amâncio, Nerinho, Rupter, e Alcino.

O clube era dirigido por Daniel e pelo professor Florisbelo Neves. Em 1948, veio o título inédito do estadual, disputando a final com a equipe Vale do Rio Doce, hoje Desportiva Ferroviária. O Cachoeiro estava com os jogadores Ramon, Alcino, Zé Catraca, Paris, Manoelzinho, Otaviano, Nely, Aldemir, Assadinho, Espinho, Bronze e Catiquinha, sob o comando do técnico Eurico Monteiro de Castro.

Foram realizadas três partidas para decidir o campeão do Campeonato Capixaba de 1948, sendo a primeira partida realizada em Cachoeiro de Itapemirim, onde a equipe da casa venceu por 4 a 3 a equipe do Vale do Rio Doce. Após a vitória no primeiro jogo, o Cachoeiro foi até Vitória para realizar a segunda partida na qual a equipe da Vale do Rio Doce acabou vencendo por 4 a 1. Na partida decisiva o alvirrubro foi campeão ao derrotar o adversário pelo placar de 7 a 2.

Afastado do futebol profissional desde 1974, o Cachoeiro retornou em 2000, sagrando-se campeão da Segunda Divisão. Com uma boa estrutura manteve o time em atividade, fato inédito no futebol capixaba e venceu também o Campeonato Sulino, promovido pela LDCI (Liga Desportiva de Cachoeiro), afiliada à Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo (FES).

Em 2013 retorna às atividades profissionais na Copa Espírito Santo, terminando com o vice-campeonato após derrota para o Real Noroeste no primeiro jogo da final por 2 a 1 no Estádio Engenheiro Araripe em Cariacica e empate no segundo jogo em 1 a 1 no Estádio José Olímpio da Rocha em Águia Branca.[2]

No Campeonato Capixaba de 2015 – Série B, o clube desiste da competição por falta de recursos financeiros com a tabela já divulgada, assim, o time fica suspenso por dois anos.[3]

Títulos

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba 1 1948[4]
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba – Série B 1 2000[5]
Espírito Santo (estado) Torneio Seletivo Capixaba da Copa do Brasil 1 2001
Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino 7 1944, 1950, 1951, 1952, 1953, 1969, 1971
Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Amador 2 1959, 1960

Categorias de Base

  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Sub-21: 2000.
  • BandeiraCachuES.jpg Campeonato Cachoeirense de Juniores: 2001.
  • BandeiraCachuES.jpg Campeonato Cachoeirense Juvenil: 2 vezes (1957 e 2001).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Juvenil: 3 vezes (1978, 1979 e 1980).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Infantil: 4 vezes (1965, 1966 , 1967 e 1995).

Campanhas em destaque

FONTE & FOTOS: Wikipédia - Revista Fon-Fon 
 

Tomazinho Futebol Clube é uma agremiação esportiva da cidade de São João de Meriti, no estado do Rio de Janeiro, fundada a 2 de janeiro de 1930. Após disputar por décadas os campeonatos promovidos pela Liga Desportiva de São João de Meriti sob a denominação de Filhos de Tomazinho Futebol Clube, estréia finalmente no profissionalismo, ao participar do Campeonato Estadual da Terceira Divisão do Rio de Janeiro, em 1982, ficando na terceira colocação de sua chave na fase inicial, não se classificando para a seguinte. Sob a presidência de Ílson Ruiz, o Tomazinho já havia sido pentacampeão meritiense amador de 1980 a 1984.

Em 1983, fica em quinto na sua chave e também não se habilita para a fase final do certame. Em 1984, lidera a primeira fase em sua chave e se classifica para a fase final, à qual fica em quinto na classificação geral. Os promovidos foram Clube Esportivo Rio Branco, de Campos e o Royal Sport Club, de Barra do Piraí.

Sede do Tomazinho Futebol Clube. Foto de André Luiz Pereira Nunes

Em 1985, lidera novamente a primeira fase na sua chave, composta de times do Sul do estado e da Baixada Fluminense. Na fase final fica em terceiro lugar, sendo promovidos o Porto Alegre Futebol Clube e o Central Sport Club, de Barra do Piraí.

Em 1986, faz a melhor campanha da sua história. Sagra-se campeão invicto da Terceira Divisão de Profissionais sob o comando técnico de João Paulo Nizzo. Na primeira fase é o segundo colocado, atrás somente da Associação Atlética Volantes. Na fase final é o primeiro colocado, sendo promovido com o vice-campeão Esporte Clube Nova Cidade, que começava a sua heróica trajetória rumo à Primeira Divisão.

Malaquias Silva de Jesus (Quinha), o presidente. Foto de André Luiz Pereira Nunes

O clube cruzmaltino de São João de Meriti disputou a Segunda Divisão de 1987 até 1990 com campanhas modestas. Em 1987, fica em último lugar no primeiro turno. No segundo é apenas décimo entre doze equipes. Subiram Volta Redonda Futebol Clube e Friburguense Atlético Clube.

Em 1988, fica em último lugar nos dois turnos em um campeonato composto por quatorze agremiações, que não promoveu o descenso para a Terceira Divisão. Em 1989, é nono colocado entre quatorze equipes no primeiro turno. No segundo, é sétimo.

Em 1990, fica em oitavo, último, no primeiro turno no grupo “A”, não se classificando para a fase final.

Em 1991, a FFERJ transformou a Segunda Divisão em Módulo “B” da Primeira, contudo sem haver cruzamento com o grupo “A”, composto pelos clubes da elite do futebol do Rio de Janeiro. Somente os doze melhores do campeonato anterior se habilitaram a disputar, ficando de fora o Tomazinho, Rio das Ostras Futebol ClubeTamoio Futebol Clube e Araruama Esporte Clube, que acabaram compondo a nova Segunda Divisão com vinte e quatro clubes, que foi formada basicamente com os convidados oriundos da Terceira do ano anterior. Nesse novo módulo o Tomazinho ficou em quarto lugar na classificação geral de seu grupo na primeira fase, se classificando para a seguinte. Nesta, que foi dividida em dois grupos de seis equipes, o time de São João de Meriti ficou em último na sua chave. Foram promovidos Saquarema Futebol Clube e Entrerriense Futebol Clube.

Vista do estádio Josias José da Silva (Beronhão). Foto de André Luiz Pereira Nunes

Em 1992, é apenas o sexto colocado na sua chave, composta de sete equipes, só superando o Esporte Clube Nova Cidade, já de volta ao ostracismo, após a sua meteórica fase de ascensão que culminou com a chegada à Primeira Divisão.

Em 1993, é apenas sétimo entre oito equipes em sua chave no primeiro turno. No segundo, repete a mesma colocação, ficando longe, muito longe do quadrangular final que deveria promover Bayer Esporte Clube e Barra Mansa Futebol Clube.

Em 1994, sempre na Segunda Divisão, é apenas sexto em uma chave composta de nove agremiações, não passando da primeira fase.

Em 1995, se licencia dos campeonatos de âmbito profissional.

Em 1997, ensaia uma volta, mas acaba não participando do Campeonato Estadual da Segunda Divisão, na prática a Quarta Divisão, visto que o terceiro era Módulo Intermediário e o segundo se chamava Divisão Especial.

Volta apenas aos campeonatos profissionais em 2000 na Quarta Divisão, chamada de Segunda Divisão, ficando na penúltima colocação, sexto entre sete equipes. O campeão foi o Casimiro de Abreu Esporte Clube.

Em 2001, advém um novo período de ausência dos campeonatos profissionais, promovidos pela FFERJ.

Formação campeã juvenil invicta da Liga de Desportos de São João de Meriti de 1976

Em 2003, retorna à Terceira Divisão. A campanha é ruim e o clube fica em último na sua chave, sendo rebaixado para uma eventual Quarta Divisão que jamais viria a acontecer no ano seguinte.

Em 2004, disputa novamente a Terceira Divisão ficando em quarto lugar em uma chave com cinco equipes. No ano seguinte desiste de participar do campeonato. Em 2006, ensaia uma participação, mas declina com a tabela já divulgada.

Volta em 2008, contudo a campanha é novamente insuficiente. É o penúltimo apenas de sua chave na fase preliminar do campeonato, superando apenas o União Central Futebol Clube..

Em 2009, se licencia do Campeonato Estadual da Terceira Divisão, preferindo disputar o campeonato da Liga Independente de Clubes de São João de Meriti e os certames promovidos pela Liga de Desportos de Nova Iguaçu.

Ainda em 2009, se sagra vice-campeão da Taça de Nova Iguaçu, categoria de juniores, promovida pela Liga de Desportos de Nova Iguaçu, perdendo a finalíssima para o Bayer Esporte Clube.

Equipe principal do Tomazinho em 2010. Foto de André Luiz Pereira Nunes

Em 2010, não reune condições financeiras para disputar o Campeonato Estadual da Série C de Profissionais. Parcela uma dívida de 45 mil reais com a FFERJ em trinta prestações de 1.500 reais. O déficit advém do último ano (2008) em que disputou a Terceira Divisão, sendo fruto de uma má parceria. Disputa o Torneio de Verão, certame amador promovido pela Liga de Desportos de Nova Iguaçu.

Em 2014 e em 2016, depois de vários anos disputando torneios amadores municipais, a equipe volta a ativa e disputa o Torneio Amistoso promovido pela FFERJ, no primeiro ano a equipe foi eliminada nas quartas de final e no segundo, ela foi eliminada na primeira fase da competição.

Em 2017, com a volta da Quarta Divisão promovida pela FFERJ, a equipe pretende voltar a disputar o campeonato esse ano.

Suas cores são preto e branco, com uma cruz de malta vermelha, nos moldes do Club de Regatas Vasco da Gama. Revelou em 1987, o volante Válber, que após jogar no São Cristóvão de Futebol e Regatas, se destacaria no São Paulo, pela Seleção Brasileira e outros times do Brasil. E logo em seguida em 1994, surgia mais uma promessa pro Futebol Brasileiro Marco Antônio que aos 11 anos já vinha despertando interesse de grandes clubes brasileiros, foi destaque no Botafogo, VitóriaAmora e América.

Possui praça de esportes própria, o Josias José da Silva (Beronhão), que no entanto, não é mais adequado para jogos oficiais de campeonatos profissionais.

Campeão Estadual invicto da Terceira Divisão

Equipe campeã invicta da Terceira Divisão de 1986

Em 1986, o Tomazinho sagrou-se campeão estadual invicto da Terceira Divisão de Profissionais. Na época a presidência estava a cargo do falecido Ílson Ruiz, o qual contou com o maciço apoio de dirigentes como Eloir Viana, Ílson Martins, José Antonio do Carmo Lopes (Tutuca) e Paulo Sérgio da Silva Fernandes.

Entre os atletas se destacaram Zeca Pagodinho e Tozzi, o qual hoje é treinador. Na vitoriosa campanha Paulo Nizzo foi o técnico e Amandio Augusto Pereira Filho, o preparador físico. Naquele ano Flamengo e Vasco decidiram o Campeonato Estadual numa melhor de quatro jogos no Maracanã. Na terceira partida, Tomazinho e União Esportiva Coelho da Rocha foram convidados a jogar a preliminar: o primeiro, que possui trajes quase idênticos aos do Gigante da Colina, contra o segundo, com um uniforme similar ao São Paulo Futebol Clube.

Ao contrário do Vasco original, que perdeu aquela partida por 2 a 0 e o título para o rival, o Cruzmaltino de São João de Meriti empatou em 0 a 0. Ao término da última fase, somou 14 pontos e se sagrou campeão invicto da competição.

Títulos

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Municipais

  • São João de Meriti Meritiense (L. D. S. J. M.): 7 vezes 197619801981198219831984 e 1996;
  • São João de Meriti Copa São João de Meriti (L. D. S. J. M.): 1976;
  • São João de Meriti Taça São João de Meriti (L. D. S. J. M.): 2 vezes 1997 e 1998;
  • São João de Meriti Troféu Moacir de Carvalho (L. D. S. J. M.): 1984;
  • São João de Meriti Troféu Edson Barbosa da Cunha (L. D. S. J. M.): 1984;
  • São João de Meriti Troféu Geraldo Careca (L. D. S. J. M.): 1997;

Outras categorias

  • Campeão da Liga de Desportos de Nova Iguaçu de Juniores: 2008
  • Campeão Juvenil (invicto) da Liga de Desportos de São João de Meriti: 1976

Campanhas em destaque

  • Vice-Campeão da Taça de Nova Iguaçu (Juniores): 2009
  • Vice-campeão do Torneio de Verão da Liga Desportiva de Nova Iguaçu (Juvenil): 2008
  • Vice-Campeão do Torneio 15 de Novembro (Juvenil): 2008
  • Vice-Campeão da Primeira Copa Verão: 2008
  • Vice-campeão da Liga Desportiva de Nova Iguaçu (Juniores): 2007
  • Vice-campeão da Taça Otojanes Coutinho (Masters): 2004
  • Vice-campeão do Primeiro Torneio 15 de Novembro: 1996
  • Campeão da Taça Cidade de Nova Iguaçu (Juniores): 2013

Curiosidade

  • Foi no estádio da União Esportiva Coelho da Rocha, o José Amorim Pereira, que Ronaldo “Fenômeno” fez a sua estréia nos gramados, assinando a sua primeira súmula. Ele estreou pelo São Cristóvão de Futebol e Regatas no dia 12 de agosto de 1990, quando tinha apenas 13 anos, em um jogo contra o Tomazinho Futebol Clube. Marcou três gols na vitória por 5 a 2 pelo Estadual da categoria Mirim. (Fonte: Jornal O Globo, Sessão Esportes, de 19 de maio de 2009


  • FONTES: Wikipédia – Página do Clube no Facebook 
 

O Syrio e Libanez Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado no dia 1º de Junho de 1921, no Bairro da Tijuca, na Zona Norte do Rio. As suas cores eram o vermelho, o preto e o branco. Seu uniforme era em estilo cobra-coral, ou seja, listrado na horizontal em vermelho e preto separado por linhas brancas mais finas. O Syrio e Libanez disputou a elite do futebol carioca Cinco vezes: 1925, 1926, 1928, 1929 e 1930.

Ao longo dessas cinco participações, o Syrio e Libanez A.C.  o somou 60 pontos, em 96 jogos: com 25 vitórias, Nove empates e 62derrotas; marcando 153 gols e sofrendo 218, fechando com um saldo de menos 65. Apesar do pouco tempo, o Syrio e Libanez A.C.  conseguiu vitórias em cima de todas as grande equipes. O resultado mais expressivo aconteceu justamente na sua última participação, em 1930. No dia 20 de abril, o Syrio e Libanez  aplicou uma sonora goleada sobre o Flamengo pelo placar de 6 a 1.

Time posado de 1925

Além desse resultado, o time conseguiu vitórias sobre o América (3 a 2 e 1 a 0, nos dias 16 de maio de 1926 e 1º de agosto respectivamente); Botafogo (5 a 3, no dia 23 de maio de 1926); Fluminense (3 a 1, no dia 30 de setembro de 1928; 4 a 2, no dia 25 de maio de 1930; e 4 a 1, no dia 20 de novembro de 1930); Bangu (3 a 2, no dia 21 de outubro de 1928); Flamengo (3 a 2, no dia 16 de maio de 1926); Flamengo (3 a 0, no dia 04 de agosto de 1929); Vasco (1 a 0, no dia 28 de setembro de 1930). Abaixo todos os jogos do Syrio e Libanez Athletico Club nas cinco edições dos Estaduais de 1925, 26, 27, 29 e 30.

 

Em 1925, o Syrio e Libanez A.C.  debutou no Campeonato Estadual e não fez feio: ficou em 8ª lugar (num total de 10 equipes), com Oito pontos, em 18 jogos: três vitórias, dois empates e 13 derrotas; marcando 21 gols e sofrendo 44.

 

TIME BASE: Velloso, Rubens e Jaime (Rodrigues); Lemos, Rogério e Válter; Jocelino (Gentil), Rhodas, Celso, Ismael (Paduá) e Amphrísio.

 

Todos os jogos do Syrio, no Estadual de 1925

26/04  -           São Cristóvão          4          x          3          Syrio e Libanez

03/05  -           Hellênico                  4          x          1          Syrio e Libanez

10/05  -           Fluminense              3          x          1          Syrio e Libanez

17/05  -           Syrio e Libanez      1          x          2          Bangu

24/05  -           Botafogo                   3          x          1          Syrio e Libanez

31/05  -           América                     2          x          1          Syrio e Libanez

07/06  -           Syrio e Libanez      1          x          5          Flamengo

14/06  -           Syrio e Libanez      1          x          1          Vasco

28/06  -           Syrio e Libanez      4          x          2          SC Brasil

05/07  -           Syrio e Libanez      1          x          0          São Cristóvão

12/07  -           Syrio e Libanez      1          x          0          Hellênico

11/10  -           Syrio e Libanez      2          x          4          Fluminense

18/10  -           Bangu                       1          x          1          Syrio e Libanez

25/10  -           SC Brasil                  2          x          0          Syrio e Libanez

01/11  -           Flamengo                 2          x          0          Syrio e Libanez

22/11  -           Syrio e Libanez      1          x          3          Botafogo

06/12  -           Vasco                        5          x          1          Syrio e Libanez

13/12  -           Syrio e Libanez      0          x          1          América

 

 

Em 1926, o Syrio e Libanez A.C.  conquistou bons resultados e ficou na 7ª colocação (num total de 10 equipes), com 14 pontos, em 18 jogos: seis vitórias, dois empates e 10 derrotas; marcando 36 gols e sofrendo 53.

 

TIME BASE: Cotta, Uruguay e Heitor; Lemos, Rogério (Adolfo) e Rodrigues (Euclydes); Rhodas (Alô), Eduardo, Viola, Álvaro (Aprígio) e Amphrísio (Miro).

 

 

Todos os jogos do Syrio, no Estadual de 1926

04/04  -           SC Brasil                  1          x          2          Syrio e Libanez

18/04  -           Syrio e Libanez      2         x          6          Vasco

21/04  -           Syrio e Libanez      0          x          1          Bangu

02/05  -           Syrio e Libanez      1          x          3          Flamengo

16/05  -           América                     2          x          3          Syrio e Libanez

23/05  -           Botafogo                   3          x          5          Syrio e Libanez

30/05  -           Syrio e Libanez      1          x          3          São Cristóvão

06/06  -           Fluminense              2          x          1          Syrio e Libanez

13/06  -           Villa Isabel                3          x          4          Syrio e Libanez

27/06  -           Syrio e Libanez      3          x          0          SC Brasil

04/07  -           Vasco                        3          x          0          Syrio e Libanez

18/07  -           Flamengo                 2          x          2          Syrio e Libanez

25/07  -           Bangu                       5          x          2          Syrio e Libanez

1º/08   -           Syrio e Libanez      2          x          1          América

08/08  -           Syrio e Libanez      2          x          4          Botafogo

15/08  -           São Cristóvão          7          x          5          Syrio e Libanez

29/08  -           Syrio e Libanez      0          x          6          Fluminense

12/09  -           Syrio e Libanez      1          x          1          Villa Isabel

 

 

O Syrio Libanez não disputou o 1° turno por estar suspenso pela AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Athléticos) desde 1927, por entender que o Syrio Libanez não dispunha de campo (o Syrio Libanez usava o campo do S. C. Mangueira na Rua Desembargador Izidro – Tijuca). Em maio de 1928,

os principais conselheiros da AMEA, reunidos em Assembleia, decidiram sobre a volta do Syrio Libanez AC ao campeonato. Contudo, o Syrio Libanez só disputou os jogos do segundo turno em 1928.

Apesar do enorme prejuízo, o Syrio Libanez não terminou na lanterna, ficando na 9ª posição (num total de 11 equipes), com Oito pontos, em 10 jogos: quatro vitórias e seis; marcando 18 gols e sofrendo 25.

 

TIME BASE: Cotta, Gigante e Jaime; Rodrigues, Lolô e Arthur; Esperidião (Álvaro), Alô, Fernando, Baiano e Miro.

 

 

Todos os jogos do Syrio, no Estadual de 1928

08/07  -           Syrio e Libanez      1          x          2          Vasco

05/08  -           Flamengo                 3          x          2          Syrio e Libanez

19/08  -           Andarahy                  4          x          3          Syrio e Libanez

26/08  -           Villa Isabel                1          x          2          Syrio e Libanez

09/09  -           Syrio e Libanez      0          x          4          São Cristóvão

23/09  -           SC Brasil                  1          x          2          Syrio e Libanez

30/09  -           Fluminense              1          x          3          Syrio e Libanez

07/10  -           América                     2          x          1          Syrio e Libanez

12/10  -           Botafogo                   5          x          1          Syrio e Libanez

21/10  -           Bangu                       2          x          3          Syrio e Libanez

 

 

Em 1929, o Syrio e Libanez A.C. ficou na 9ª colocação (num total de 11 equipes), com 13 pontos, em 20 jogos: cinco vitórias, três empates e 12 derrotas; marcando 40 gols e sofrendo 50. O destaque ficou por conta do atacante Fernandes, que terminou como o artilheiro do time com 11 gols.

 

TIME BASE: Cotta (Ismael), Aragão e Rodrigues; Arnô, Lolô e Arthur; Alô, Baiano (Esperidião), Gentil (Fernandes), Miro (Aprígio) e Catita (Aprígio).

 

Todos os jogos do Syrio, no Estadual de 1929

07/04  -           Syrio e Libanez      2          x          3          Botafogo

14/04  -           Syrio e Libanez      3          x          4          Vasco

21/04  -           Flamengo                 3          x          1          Syrio e Libanez

28/04  -           Andarahy                  3          x          1          Syrio e Libanez

05/05  -           Bangu                       2          x          0          Syrio e Libanez

26/05  -           Syrio e Libanez      2          x          3          América

02/06  -           Syrio e Libanez      3          x          6          Fluminense

09/06  -           SC Brasil                  0          x          1          Syrio e Libanez

16/06  -           Syrio e Libanez      2          x          2          Bonsucesso

14/07  -           São Cristóvão          2          x          1          Syrio e Libanez

21/07  -           Botafogo                   2          x          1          Syrio e Libanez

28/07  -           Vasco                        5          x          1          Syrio e Libanez

04/08  -           Syrio e Libanez      3          x          0          Flamengo

11/08  -           Syrio e Libanez      8          x          0          Andarahy

18/08  -           Syrio e Libanez      2          x          1          Bangu

22/09  -           América                     5          x          1          Syrio e Libanez

26/09  -           Fluminense              1          x          1          Syrio e Libanez

06/10  -           Syrio e Libanez      2          x          2          SC Brasil

20/10  -           Bonsucesso                         3          x          1          Syrio e Libanez

27/10  -           Syrio e Libanez      4          x          3          São Cristóvão

 

 

Na sua última participação, em 1930, o Syrio e Libanez A.C. terminou em 7º lugar (num total de 11 equipes), com 16 pontos, em 20 jogos: sete vitórias, dois empates e 11 derrotas; marcando 37 gols e sofrendo 46.

 

TIME BASE: Ismael, Aragão (Fernandes) e Rodrigues; Arnô, Lolô e Arthur; Lolô, Arnô e Aribar (Marcelo); Esperidião, Almeida, Cozinheiro, Miro e Catita.

Todos os jogos do Syrio, no Estadual de 1930

06/04  -           Botafogo                   4          x          0          Syrio e Libanez

13/04  -           Vasco                        3          x          1          Syrio e Libanez

20/04  -           Syrio e Libanez      6          x          1          Flamengo

27/04  -           Syrio e Libanez      2          x          1          Andarahy

04/05  -           Syrio e Libanez      2          x          0          Bangu

18/05  -           América                     5          x          1          Syrio e Libanez

25/05  -           Fluminense              2          x          4          Syrio e Libanez

01/06  -           SC Brasil                  1          x          2          Syrio e Libanez

08/06  -           Bonsucesso                         4          x          2          Syrio e Libanez

14/09  -           Syrio e Libanez      0          x          1          São Cristóvão

21/09  -           Syrio e Libanez      0          x          1          Botafogo

28/09  -           Syrio e Libanez      1          x          0          Vasco

05/10  -           Flamengo                 2          x          1          Syrio e Libanez

12/10  -           Andarahy                  3          x          1          Syrio e Libanez

19/10  -           Bangu                       2          x          2          Syrio e Libanez

09/11  -           Syrio e Libanez      1          x          1          América

20/11  -           Syrio e Libanez      4          x          1          Fluminense

23/11  -           Syrio e Libanez      4          x          5          SC Brasil

30/11  -           Syrio e Libanez      0          x          1          Bonsucesso

07/12  -           São Cristóvão          8          x          3          Syrio e Libanez

 

Após a sua saída do campeonato carioca, Syrio e Libanez A.C. foi perdendo força até fechar às portas na década de 30. É importante esclarecer que atualmente há o Clube Sírio e Libanês, que mudou de endereçedo saindo do Bairro de Botafogo e agora possui a sua nova sede no Bairro do Recreio dos Bandeirentes, na Zona Oeste. Só que esse clube não tem nenhuma relação com o antigo Syrio e Libanez Athletico Club.

 

FONTES: O Livro ‘História dos Campeonatos Cariocas de Futebol 1906 / 2010’, de Roberto Assaf e Clóvis Martins – Revista Fon-Fon  

 


FOTOS: Revista Fon-Fon

 

FOTOS: Revista Fon-Fon

 

FOTOS: Revista Fon-Fon 

 

FOTOS: Revista Fon-Fon 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

Na Usina do Queimado, que hoje integra a área urbana da cidade, mas na época era considerada parte rural de Campos e que se distância apenas 3 km do centro, um grupo de funcionários que sempre se reuniam nas horas de folga para jogarem futebol, nasceu à ideia de se formar um clube para se filiar à Liga Campista de Desportos (LCD) e que se fizesse presente nos campeonatos promovidos por essa entidade.
Liderados por Laudelino Batista e Antônio da Silva Sá, que respectivamente foram o primeiro presidente e vice do clube, procuraram os irmãos Julião e Inácio Nogueira, proprietários da usina e grandes admiradores dos esportes em geral, que gostaram muito da ideia e não só autorizaram a criação do time, como também colaboraram em muito para o seu desenvolvimento.

Em reunião ocorrida no dia 24 de abril de 1932, data oficial de fundação do clube, no pátio da usina e secretariada pelo jornalista e maestro Prisco de Almeida, ficou definido que o clube se chamaria Sport Club Aliança (apesar do mesmo nome, não pode ser confundido com o Aliança Foot-Ball Club, o segundo clube fundado na cidade de Campos, em 1912) e as cores foram inspiradas no ambiente que os cercavam: o verde dos canaviais e o branco do açúcar.
A primeira partida do Sport Club Aliança foi disputada no dia 24 de abril de 1932 (mesmo dia da fundação) contra o Industrial, no campo do Goytacaz, na Lapa, e terminou em um empate de 1 x 1.


Contando com um bom complexo esportivo, composto por dois campos de futebol, quadras de vôlei, basquete e tênis, o Aliança, alcançou o seu apogeu com apenas cinco anos de existência, quando conquistou um tricampeonato campista nos anos de 1937, 1938 e 1939 e, logo depois, também de forma meteórica, desapareceu, não chegando a era do futebol profissional de Campos.
Apesar de seus poucos anos de vida, o Aliança foi uma das forças futebolísticas da cidade em sua época, sendo até difícil de imaginar como uma equipe vitoriosa e com o suporte de uma empresa como a Usina do Queimado, na fase áurea da cana de açúcar, tenha desaparecido tão precocemente.
Vários jogadores de destaque tiveram passagem pelo clube, nomes como: Cláudio, Carbono, Lessa, Vicente, Rebite, Irineu e Evaldo Freitas.
Foi também de seus quadros, que saiu para o Vasco da Gama, o grande jogador Lelé, titular absoluto do time carioca que, na década de 40, conquistou vários títulos, entre eles o campeonato sul americano de 1946 e entrou para a história conhecido como o “Expresso da Vitória”.
Hoje o local já não apresenta mais as paisagens dos vastos canaviais de outrora, que perderam espaço para a construção de novos bairros, em nome do progresso, do desenvolvimento e da ganância dos homens. Mas o prédio da velha usina, inaugurada em 6 de agosto de 1880, ainda permanece de pé, imponente, apesar de há muito desativado, tendo seu espaço físico usado, eventualmente, como casa de shows e boate, mas ainda marca na memória de muitos, que viveram os anos dourados do futebol de Campos, uma época que não volta mais.

 

FONTE: Aristides Leo Pardo, Tide - Sport Ilustrado

 

Demorou, mas encontrei. Sempre vi nas fotos do Barreto Football Club o primeiro escudo abaixo. Embora pudesse identificar o seu formato, não podia precisar o que tinha dentro do mesmo. Mas achei uma imagem da bandeira em “A Revista”, de Niterói, que esclareceu o conteúdo do escudo: um simples monograma.

Já o escudo redondo, em estilho semelhante ao do América Football Club-RJ, foi usado apenas em 1924. Em 1925 o escudo antigo voltou a ser usado e, pelo visto, até o fim das atividades do clube. Por falta de um escudo melhor, sempre utilizei esse nas minhas ilustrações. Oriento os colegas que atualizem seus arquivos.

 

FOTO: Revista Fon-Fon

 

Club Athletico Central  foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Club dos Ferroviários” foi Fundado no dia 27 de Novembro de 1917, Uma década depois, o clube alviverde foi Reorganizado no dia 12 de Outubro de 1927.

O Central passou por várias Sedes: Rua Archias Cordeiro, 157 – Méier (1921) e depois Rua Archias Cordeiro, 22 – Méier (28 de Novembro de 1929). Transferiu-se para Rua D. Anna Nery, 426, próximo a Estação do Rocha 07 de Janeiro de 1930); em seguida a Sede Social passou para a Praça do Engenho Novo, nº 22, no Bairro do Engenho Novo – Zona Norte do Rio. E por fim, na Rua Vinte e Quatro de Maio, 993 – Sampaio (1937).

Em março de 1929, o Central arrendou a Sede e a Praça de Esportes do River Football Club, na Rua Jorge Rudge (Antigo Municipal), 59, na Piedade, por 500$000 (Quinhentos mil-réis) mensais. Depois a sua Praça de Esportes ficava na Rua Adriano, nº 107Todos os Santos – Zona Norte do Rio. Já

Com quatro participações no Campeonato Carioca da 2ª Divisão, na década de 30, A equipe Centralense disputou as competições organizadas pela Liga Metropolitana de Desportes Terrestres entre 1929 a 1930, que tinha como time-base: J. Julio; Fedóca e J. Augusto; Orlando, Jonas e Marcello; Coruja, Hernani, Edilson, Hamilton e Urbano. Reservas: Othelo, Áureo e Augusto.

Em 1931 mudou para a Associação Metropolitana de Esportes Athleticos (AMEA), onde debutou no Campeonato Carioca da Segunda Divisão naquele mesmo ano. A campanha não foi boa e o Central terminou na 16ª e última colocação. Em 1932, mais adaptado fez uma campanha melhor e terminou em 4º lugar. Em 1933, o Club dos Ferroviários” não manteve o bom nível e acabou amargando a 6ª colocação da sua chave.

Em 1934, o clube atravessou por uma grave crise, chegando a sofrer uma intervenção. No ano seguinte, o Central retornou a Segundona, desta vez sob a administração da Federação Metropolitana de Desportos (FMD), mas sem muito sucesso. Em 1938, o clube deixou a Federação Athletica Suburbana (FAS).

FONTES: Almanak Laemmert (RJ) – Rsssf Brasil - O Jornal – Estatuto do Clube – Correio da Manhã – A Manhã – Jornal dos Sports – Jornal A Noite

 

O Henrique Valladares Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O Alvinegro foi Fundado na quinta-feira, do dia 24 de Julho de 1913. A sua Sede ficava localizada na Avenida Henrique Valladares, nº 33 (Sobrado) – Centro do Rio.

Em 1919, ingressou na Associação Carioca de Sports Athleticos (ACSA), e faturou o título do Segundo Quadros. Em 14 de novembro de 1920, o Henrique Valladares excursionou para São João Nepomuceno, na Zona da Mata (MG), para realizar dois jogos amistosos: um diante do Mangueira Football Club e o outro contra o Operário Football Club.

FONTES: O Imparcial – O Paiz – O Malho

 

O Real Grandeza Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A sua Sede ficava localizada na Travessa Oliveira, nº 27, no Bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio. Nos anos 30, o clube se transferiu para a Rua Real Grandeza, nº 243, também em Botafogo.

O clube Alvianil foi Fundado no domingo, do dia 06 de Novembro de 1910, por um grupo de operários e alunos do antigo Gymnasio de Botafogo: Ernesto Amaral; capitão Arthur Henrique Santos; Tenente Eloy Valentim Aguiar; Julio Kengen; José de Maria Ferreira; José Nascimento Ferreira; Leandro da Rocha, entre outros.

 

Campeão do 1º Campeonato da Liga Sportiva Suburbana

Após uma temporada realizando amistosos e festivais, o Real Grandeza FC foi um dos primeiros clubes  a se filiar na nova Liga Sportiva Suburbana (LSS), fundada em abril de 1912 (Sede na Rua do Senado, nº 164, no Centro do Rio).

No 1º campeonato, o Real Grandeza fez bonito, ao conquistar o título no 1º Quadro e o vice-campeonato nos 2º Quadros.

 

Amistoso em Niterói

O clube Alvianil atravessou a Baía de Guanabara, onde enfrentou o Esperança Football Club, do Bairro de Icarahy, no sábado do dia 27 de julho de 1912. No final, o Real Grandeza goleou por 6 a 0, nos Primeiros Quadros. Nos Segundos Quadros, outro triunfo sobre o clube niteroiense: 5 a 0.

 

Triunfo em cima do Carioca F.B.C.

Em 1913, saiu da LSS. Contudo, nesta temporada enfrentou um forte adversário: Carioca Football Club, duas vezes, ambos na casa do adversário: Estrada Dona Castorina, no Bairro da Gávea. No primeiro encontro, Real Grandeza goleou o Carioca pelo placar de 3 a 0. No segundo, melhor para os donos da casa, que venceram apertado o Real Grandeza, por 2 a 1.

 

Real Grandeza fez o jogo “da entrega das faixas” do 1º Campeão de Niterói

No domingo, do dia 14 de dezembro de 1913, o Real Grandeza enfrentou o Guarany Football Club, às 14h30, no ‘Ground dos Salesianos’, no Bairro de Santa Rosa, em Niterói. A peleja foi organizado pelo Jornal Gazeta da Manhã, a fim de celebrar a conquista do Campeonato Niteroiense daquele ano, pelo Guarany, que se sagrou campeão vencendo todos os seus jogos. Antes do início do jogo, o jornal entregou a belíssima medalha de ouro ao clube niteroiense, que foi muito aplaudido pelo público presente.

A partida foi movimentada e com uma “chuva de gols“: oito. Melhor para o Guarany que bateu o Real Grandeza pelo placar de 5 a 3. Além da vitória, o clube niteroiense encerrou a temporada de forma invicta sem perder nenhuma partida tanto em jogos oficiais quanto nos amistosos. Ao todo, Guarany Football Club realizou 21 jogos na temporada de 1913: foram 19 vitórias e dois empates. Após o jogo, o Guarany faturou mais um caneco: a Taça Freitas e Félix, destinada ao vencedor do confronto.

O Guarany jogou da seguinte forma: O. Medeiros; J. Failace e M. Alexandrino; Eurico, F. Ferreira e L. Tinoco; Gravano, Monteirinho, R. Medeiros, Cecy e Lydio.

O Real Grandeza atuou: Álvaro da Silva; Alberto Rocha e  Euclydes Oliveira (Cap.); J. Félix, M. Leite e José de Maria Ferreira (Nero); Jorge Menna, Julio Kengen, J. Marcellino, E. Menezes e J. Pinto.

 

Campeão do 1º Campeonato da Federação Brasileira de Football

Em 1914, a equipe Alvianil se filiou na Liga Sportiva de Football (LSF), onde ficou com o vice-campeonato ao lado do Dois de Junho Football Club. Em 1915, ajudou na Fundação da Federação Brasileira de Football (FBF).

Nesta competição, fez excelente campanha, chegando ao ponto de arrasar o seu principal adversário: Dois de Junho Football Club, pelo elevado escore de 8 a 0. No final se sagrou Campeão da temporada de 1915. Como a FBF acabou sendo dissolvida, apenas Real Grandeza foi aclamado campeão! Nos segundos e terceiros quadros não tiveram vencedores.

Em 1916, entrou para a Associação Brasileira de Sports Athleticos (ABSA), onde conseguiu o 2º lugar no campeonato. Em razão das boas campanhas, o Real Grandeza Football Club recebeu muitos convites para viajar pelo país. Contudo, o clube não aceitou em razão dos compromissos e a dificuldade de se ausentar do Rio. Em 1920, se filiou a Liga Alliança Sportiva Municipal (LASM).

 

W.O. deu o título da Liga Suburbana de Football em 1922

O Real Grandeza foi campeão da Liga Suburbana de Football em 1922. Porém, a final não foi da forma como todos desejavam. Afinal, o Brasil Football Club (que depois se tornou o Brasil Suburbano FC) não compareceu! Com isso, o Real Grandeza venceu por WO!

O Brasil FC foi o  campeão da Série B, enquanto o Real Grandeza foi o vencedor da Série A. O que foi especulado naquela época é que a superioridade do Real Grandeza é tão grande que o Brasil FC temendo sofrer uma goleada humilhante optou em não comparecer na grande final.

Os Campeões da Liga Suburbana de Football:

Engenho de Dentro (tricampeão): 1916, 1917 e 1918;

Bonsucesso: 1919;

Mavilis (bicampeão): 1920 e 1921;

Real Grandeza: 1922.

Em 1923, a Liga Suburbana de Football, que era uma Subliga da Metropolitana, foi perdendo credibilidade e a bagunça imperou. Diante desse quadro foi desfilada pela Liga Metropolitana, e, por conseqüente foi extinta. No início de 1926, entrou na Liga Graphica.

Revista Vida Domestica, novembro de 1923

Time de 1912: Saul; João Martins e C. Meira; M. Leite, Waldemar e A. Silva; Nero, J. Carvalho, Manoel, Jorge Menna e Costa.

 Time de 1913: Álvaro da Silva; Alberto Rocha e  Euclydes Oliveira (Cap.); J. Félix, M. Leite e José de Maria Ferreira (Nero); Jorge Menna, Julio Kengen, J. Marcellino, E. Menezes e J. Pinto.

 Time de 1917: Francisco (Laranjeiras); Raymundo e Theodoro (Nilo); Romeu (Parafuso), João Lino e Eurico (Xexê); E. Lima, Waldemar, Julio Kengen, Luiz (Amadeu) e J. Medeiros.

 Time de 1921: Olavo; Bento e Baptista; Moura, Ferreira e José de Maria Ferreira; Marques, Eduardo, Amadeu, Medeiros e Carregal.

 

 

FONTES: Gazeta de Notícias – A Época – O Paiz – O Imparcial – Vida Domestica – Correio da Manhã

 

A Liga Gonçalense de Desportos, desde 1931, representa o Município, este Estado e o Brasil nas competições de diversos esportes. Pois esta Liga é a única Entidade do Brasil com mais de 30 (trinta) modalidades esportivas, e que desenvolve um Projeto Social, hoje com 20.112 inscritos. Nossas seleções e nossos Clubes filiados muito Contribuíram para as várias conquistas, do Município, 1958 (futebol), 1971 (atletismo), 2002 e 2003 (kung-fú), 2006 (ultra triathion), três Pan-americano (handebol), há 13 (treze) anos somos Campeões Brasileiro de Kick Boxing, e em todas as Seleções de Representação do Brasil, o maior numero de atletas até este momento, foi deste Estado, seja nos Pan-Americanos ou Sul-Americanos o BRASIL sagrou-se Campeão. Isto fora fruto do trabalho da Diretoria desta Casa, de suas Agremiações filiadas, professores e atletas.

Todas as representações durante a existência dos Bingos foram custeadas por recursos que a Lei Zico, depois Lei Pelé permitiram, e os atletas tinham alimentação, hospedagem, transporte e inscrições nas Competições de disputa de Títulos Brasileiros ou Internacionais. Atletas representaram o Brasil, no Peru, no Equador, na China, nos EUA, na Grécia, Eslovênia, Iugoslávia, Itália, Argentina e tantos outros, sempre com todas as despesas pagas.

Durante treze anos, tiramos jovens e adultos das drogas, fizemos muito mais do que muitos Governos com os nossos projetos sociais. Com a perda dos BINGOS o esporte ficou órfão, os atletas desiludidos. Pedimos SOCORRO, para manter nosso Projeto Social, pois sem outra fonte de renda fica difícil a sua sustentação.

 

FONTE: Site da Liga Gonçalense de Desportos

 

O Sport Club Andarahy foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na terça-feira, do dia 06 de Março de 1917. A sua 1ª Sede ficava na Rua Theodoro da Silva, nº 359, no Bairro de Vila Isabel – Zona Norte do Rio. O Campo estava situado na Rua Barão de Mesquita, 941 /1017 – Bairro da Tijuca – Zona Norte do Rio.

A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente - Domingos Carvalho;

Vice-presidente - Domingos Pereira;

1º Secretário - Waldemar Jorge;

2º Secretário - Heitor Suzart;

1º Thesoureiro - João Nogueira;

2º Thesoureiro - Carlos Moraes;

Capitain geral - Agostinho Rezende Souto;

Vice-Capitain - Ismael Teixeira;

Cobrador - Álvaro Guimarães.

 

Na terça-feira, do dia 12 de Junho de 1923, o clube foi reorganizado. Em 1924, transferiu a Sede para a Rua Barão de Mesquita, 93 A – Bairro da Tijuca – Zona Norte do Rio, ficando próximo ao campo de jogo. Em 22 de Janeiro de 1924 – Se filiou a Liga Brasileira de Desportos (LBD).

 

Time de 1920: Lalau; Beléo (Manduca) e Ismac (Mario); Joaquim (José), Caxangá (Roberto) e Leite (Cap.); Baratinha (Gentil), Velho (Albertino), David (Antonio), Lobo e Velloso.

 

FONTES: Voz do Povo – Revista O Tico-Tico – A Razão

 

FONTE: O Imparcial

 

FONTE: O Imparcial

 

O Ingá Football Club foi uma agremiação da cidade de Niterói (RJ). Fundado em 1908, a sua Praça de Esportes ficava na Rua Boa Vista, s/n – São Francisco, em Niterói. Posteriormente, no local foi construído a Sede, em um vasto prédio, na Rua Boa Vista, inaugurado no domingo, do dia 1º de Junho de 1919. Em 1916, o seu campo passou a ser na Praia das Flechas, no Bairro do Ingá, em Niterói.

O Canto do Rio Football Club, fundado em 14 de novembro de 1913, surgiu com um time infantil. E, naquela época, o grande rival era justamente o Ingá FC, onde protagonizaram grandes jogos.

O Ingá participou do Campeonato Niteroiense em 1913. Essa competição teve uma característica ímpar.  Em Dezembro de 1911, foi Fundada a Liga Sportiva Fluminense (não confundir com a entidade homônima criada anos depois), que acabou sem ter organizado nenhum campeonato ou torneio.

Mesmo sem nenhuma liga, os clubes niteroienses se uniram para organizar o  Campeonato Niteroiense de 1913. Quem liderou essa empreitada audaciosa foi Associação Athletica Fluminense (que tem nome de liga mas era um clube), do Bairro Cubango  e também com apoio do jornal Gazeta da Manhã.

Os jogos foram realizados em dois campos: Ground da Travessa da Boa Vista, no Bairro do Cubango (propriedade da Associação Athletica Fluminense); e do Guarany F.C., no Ground dos Salesianos, no Bairro Santa Rosa (na realidade o campo pertencia ao Colégio Salesianos).

A participação de quatro agremiações: Associação Athletica Fluminense, Ingá Football ClubEsperança Football Club e Guarany Football Club (campeão invicto, vencendo todos os seus seis jogos. Aclamado campeão de 1913, recebeu o Taça Gazeta da Manhã, ofertada pelo jornal Gazeta da Manhã).

Na segunda-feira, do dia 26 de Janeiro de 1914, o Ingá solicitou filiação junto a Liga Metropolitana de Sports Athleticos (LMSA), onde disputou o Campeonato Carioca da Terceira Divisão em 1914 e 1915.

Na sua primeira participação na Terceirona de 1914, o Ingá Football Club terminou na 4ª colocado, num total de sete clubes. Esta edição contou com a participação das seguintes equipes:

Cattete Football Club (Bairro do Catete);

Club de Regatas Icarahy (Bairro do Icaraí, em Niterói);

Ingá Football Club (do Ingá, Niterói);

Palmeiras Athletico Club (Bairro de São Cristóvão);

Sport Club Brasil (Praia Vermelha- Bairro do Urca);

Sport Club Riachuelo (Bairro de São Cristóvão/ campo no Bairro de Vila Isabel);

Villa Isabel Football Club (Bairro de Vila Isabel).

Na sua segunda edição, o o Ingá Football Club fechou em 4º lugar, num total de cinco clubes. Esta edição contou com a participação das seguintes equipes:

Club de Regatas Icarahy (Bairro do Icaraí, em Niterói);

Ingá Football Club (do Ingá, Niterói);

Palmeiras Athletico Club (Bairro de São Cristóvão);

Sport Club Brasil (Praia Vermelha- Bairro do Urca);

Paladino Football Club (Centro do Rio).

Excursão à Campos, em 1914

Excursionou para Campos dos Goytacazes, onde ficaram hospedados no Grande Hotel Central. Assim, na tarde de sábado (27/06/1914), O Ingá enfrentou o Quinze de Novembro Football Club, às 16 horas, e goleou por 4 a 0. Os gols da partida foram assinalados por Ivo (duas vezes), Gilberto e Lafayette, um tento cada.

No dia seguinte (domingo, dia 28 de junho de 1914), foi a vez de encarar a Seleção da Liga Campista de Football, às 16 horas. Mesmo desfalcado de cinco titulares, o Ingá mostrou que a vida do adversário não seria moleza.

Telêmaco, de cabeça, abriu o placar para o Ingá. Depois Campos, em cobrança de falta, empatou e outro de pênalti, marcou o tento da virada do selecionado campista. Final do primeiro tempo: 2 a 1 para a Seleção de Campos.

Na etapa final, Gilberto voltou a empatar, dando números finais ao jogo: 2 a 2. O Ingá jogou com a seguinte formação: Ivan; Murillo (Cap.) e Egas; Couto, Affonso e Archimedes; Bocayuva, Rubens, Ivo, Gilberto e Telêmaco.

O goleiro Ivan era um dos destaques do Ingá. Tanto que em 1916, acabou sendo contratado pelo Botafogo do Rio para ser o titular da posição.

Por falta de pagamento, Ingá é excluído da Terceirona

Na quarta-feira, do dia 1º de Março de 1916, o conselho diretor da LMSA eliminou por unanimidade o Ingá Football Club, de acordo com o disposto pelos artigos 40 e 42 do estatuto.

O motivo foi que o clube niteroiense não quitou a dívida da mensalidade dentro do prazo de tolerância estipulada pela entidade.

FONTES: Correio da Manhã – Jornal do Brasil (JB) – O Paiz – O Fluminense – Gazeta de Notícias – O Imparcial – A Rua

 

 

Byron, do Barreto, fez história e até jogo contra o Flamengo

O bairro do Barreto, em Niterói, é marcado por uma histórica relação com o futebol. Na mesma época em que o Rio Cricket já havia se consolidado e disputava o Campeonato Carioca, surgia naquela região da Zona Norte, o Byron. Fundado no dia 21 de outubro de 1913, o clube foi uma das “potências” da região, que revelou um dos maiores craques do futebol nacional e mundial, tão admirado quanto Pelé e Garrincha: Zizinho, ou Mestre Ziza.

A sede do clube ficava num campo pertencente a Companhia Manufatora de Tecidos, situado ao lado da sede da empresa, na Rua Doutor March. Para desenvolver as atividades, a diretoria pagava aluguel à empresa, que ainda não explorava a prática do futebol. Para atrair os funcionários de família de origem britânica da fábrica, os fundadores do clube o batizaram com o nome do poeta inglês George Gordon Byron, um dos maiores do século XIX.

Com ajuda de comerciantes e diretores da fábrica de tecidos, o clube conseguiu se estruturar para montar também times em categorias de base e até se aventurar em outras práticas esportivas, como o boxe e o basquete. Venceu o primeiro Campeonato Niteroiense em 1917. E repetiu o feito nos anos de 1922, 1924 e 1925, nas chamadas modalidades ainda amadoras e já com respeitado elenco profissional, levantou outras duas taças, em 1928 e 1934.

 

O poeta e escritor George Byron deu nome ao clube do Barreto
O poeta e escritor George Byron deu nome ao clube do Barreto

 

 

A performance no Campeonato da Liga Niteroiense de 1934 rendeu ao clube o convite para disputar uma competição no Rio – o Torneio Aberto da Liga Carioca de Football, em 1935, que reuniu 23 equipes, a maioria da Capital, nos estádio do Fluminense (Laranjeiras) e do América (Campos Sales). A equipe do Barreto acabou eliminada após ser goleada pelo Flamengo, por 9 a 2 e também perder para o Anchieta por 3 a 2.

Declínio - O declínio do clube veio no fim da década de 40, quando a direção da fábrica Manufatora decidiu montar sua própria equipe. O “racha” acabou na Justiça e o Byron foi despejado. Enfraquecido, o clube acabou abandonado o futebol em 1953, vindo a se dedicar apenas a eventos sociais, e foi extinto em 1978.

Barreto e Ypiranga também marcaram década

Na década de 30, outras duas equipes de Niterói também fizeram fama. O Barreto, grande rival do Byron, na Zona Norte, e o Ypiranga, de São Lourenço, disputaram duas edições do Torneio da Liga Carioca de Footbal nos anos de 1935 e 1936, junto com Fluminense, América, Flamengo, Bangu, América e outras equipes de diferentes pontos da Região Metropolitana. Mas não passaram da primeira fase da competição.

O Barreto Football Club foi fundado no dia 14 de julho de 1912 por funcionários da Companhia de Fósforos Fiat Lux. As partidas entre essa equipe e o Byron arrastavam ‘multidões’ nas décadas de 20 e 30. O apelido do Barreto era “Leão do Norte”, e sua antiga sede, na Rua General Castrioto, era ornamentada com duas estátuas do animal. Suas cores eram o azul escuro e branco.

O Barreto conquistou a divisão principal da Liga Sportiva Fluminense em 1921 e 1923, além dos torneios início de 1919, 1920, 1924 e 1925, segundo registros da Liga Niteroiense de Futebol. Em 1941, o clube montou um time caríssimo para disputar com o Canto do Rio uma vaga no Campeonato Carioca, mas acabou preterido. A empreitada acabou por deixá-lo em situação financeira difícil. Em 1942, já sem condições de manter o futebol profissional, encerrou as atividades, com apenas 30 anos de existência.

O Ypiranga fez fama no futebol fluminense na década de 1930, quando chegou a ter jogadores convocados para a Seleção Brasileira, como Manoelzinho e Oscarino. O clube se manteve atuante até a década de 70, quando acabou extinto.

Zizinho, o craque mais ilustre

O filho mais “ilustre” que o Byron produziu foi o meia Zizinho, considerado o primeiro grande craque da história do futebol brasileiro em âmbito mundial. Nascido em São Gonçalo, no dia 14 de setembro de 1921, ele daria seus primeiros chutes nos campos de terra batida da cidade. Thomáz Soares da Silva iniciou a adolescência nas divisões de base do Byron. Chegou a fazer “peneiras” nas equipes do América, São Cristóvão e Bangu, quando ainda trabalhava no Loyd Brasileiro. As boas atuações no time de Niterói o levaram a fazer o teste que culminaria na ida para o Flamengo, em 1939, aos 18 anos.

À beira do campo, ele viu o lendário atacante Leônidas da Silva se contundir e incrédulo, foi chamado pelo técnico Flávio Costa para substituir o ídolo. “Menino, você é o meia lá de Niterói? Entra no lugar de Leônidas”, ordenou o técnico. O ‘garoto’ não apenas entrou como fez dois gols em dez minutos. Era a “senha” para começar a brilhante carreira, como mostrou o livro “Os 11 maiores camisas 10 do futebol brasileiro”, de Marcelo Barreto. A ida de Zizinho para o Flamengo é cercada por uma curiosidade, que levou o clube da Gávea a atravessar a baía para um histórico amistoso contra o Byron. Antes da contratação, acabou suspenso por causa de uma confusão no chamado “clássico da Zona Norte”, entre o Byron e o Barreto. Para facilitar a ida para o Rio, o time carioca, sugeriu o jogo, que aconteceu no campo do clube niteroiense. Com Zizinho atuando pelo rubro-negro, o jogo terminou empatado em zero a zero graças a uma atuação inesquecível do goleiro Leônidas, do Byron.

Apogeu no FLA e eterna tristeza pela perda da Copa

 

Injustamente, Zizinho foi apontado como ‘vilão’ da Copa de 50
Injustamente, Zizinho foi apontado como ‘vilão’ da Copa de 50

 

Zizinho teve dias de glória no Flamengo, onde conquistou o tricampeonato carioca nos anos de 1942, 1943 e 1944, mas caiu em descrédito com a perda da Copa do Mundo de 1950, no Maracanã. Foi sua primeira e única participação na competição. Acabou vendido para o Bangu, sem tomar conhecimento da transação, já que servia à Seleção Brasileira.

Na Copa de 50, machucado, ficou fora das partidas iniciais. No terceiro jogo que decidiria uma vaga para a fase seguinte, contra a Iugoslávia, marcou um dos gols na vitória por 2 a 0. Uma atuação tão impressionante que recebeu da imprensa o apelido de ‘Mestre Ziza”.

Depois das goleadas por 7 a 1 contra a Suécia e 6 a 1 sobre a Espanha, a equipe precisava apenas do empate para chegar ao título, mas perdeu por 2 a 1 para o Uruguai, naquele que seria a pior tragédia do futebol brasileiro, até a goleada sofrida para a Alemanha, por 7 a 1, no Mineirão, na última Copa.

A derrota ficou marcada na carreira do jogador, que defendeu também o São Paulo, onde se tornou campeão paulista em 1957. “Ele nunca esqueceu a perda do título. Ficava triste e cabisbaixo quando se falava no episódio”, declarou Jair Marinho, ex-lateral direito e amigo inseparável de Zizinho. O São Paulo e o Audax Italiano, do Chile, foram os últimas equipes onde atuou. O craque chegou a lançar uma autobiografia antes de morrer em casa, no Ingá, em fevereiro de 2002, de causas naturais, aos 79 anos.

 

FONTES: Jornal O São Gonçalo – Sergio Soares - Ari Lopes

 

O Victoria Football Club foi uma agremiação da cidade de Niterói (RJ). A sua Sede ficava localizada na Rua Bonfim, nº 132, no Bairro do Fonseca, em Niterói. O clube Alvianil foi Fundado na quinta-feira, do dia 10 de Junho de 1915. O Victoria disputou a Segundona da Liga Sportiva Fluminense (LSF), no final de 10 e início de 20.

O Jornal O Paiz descreveu assim, o surgimento da nova agremiação: “Fundou-se na vizinha capital, o Victoria Foot-Ball Club e que é composto por meninos da melhor sociedade fluminense. Para a estreia do “team“, será jogado, por esse Club e o Canto do Rio Foot-Ball Club, um “match”, que se realizará domingo, 13 do corrente, às 8 horas da manhã, no “ground” desta última sociedade“.

FONTES: A Rua – A Razão – O Paiz

 

O Torneio Início de Niterói de 1922, organizado pela Liga Sportiva Fluminense (LSF), foi realizado no domingo, do dia 26 de Março de 1922. Como o número de equipes era ímpar, um avançou para a segunda fase: Fluminense Athletico Club. A competição contou com a participação de 11 agremiações:

América Football Club;

Arariboya Football Club;

Barreto Football Club;

Byron Football Club;

Canto do Rio Football Club;

Fluminense Athletico Club;

Guarany Football Club;

Neves Athletico Club;

Nictheroyense Football Club;

Odeon Football Club;

Ypiranga Football Club.

 

Primeira Fase

1º Jogo - Byron FC venceu o Canto do Rio FC por 1 a 0, (dois escanteios a zero para o Byron). Árbitro: Francisco Monteiro.

2º Jogo - Arariboya FC venceu o América FC por 2 a 0, (em escanteios: 1 a 1). Árbitro: Euclydes de Araújo.

3º Jogo - Guarany FC venceu o América FC por 1 a 0. Árbitro: Franklin Baptista.

4º Jogo - Odeon FC venceu o Nictheroyense FC por 1 a 0. Árbitro: Thimotheo Pereira.

5º Jogo - Barreto FC empatou com o Neves AC em 0 a 0, mas venceu, em escanteios, por 1 a 0. Árbitro: Emygdio Nery.

 

Segunda Fase

6º Jogo - Fluminense AC empatou com o Byron FC em 0 a 0. Após duas prorrogações, o Flu venceu, em escanteios, por 1 a 0. Árbitro: Thomaz Goulart.

7º Jogo - Arariboya FC empatou com o Guarany FC em 0 a 0. Após uma prorrogação, o Arariboya venceu, em escanteios, por 2 a 0. Árbitro: Hércules Costa.

8º Jogo - Barreto FC empatou com o Odeon FC em 0 a 0. Após três prorrogações, o Barreto venceu, em escanteios, por 1 a 0. Árbitro: Joaquim Alves.

 

Terceira Fase

9º Jogo - Fluminense AC venceu o Arariboya FC por 1 a 0, (um escanteio a zero para o Fluminense). Árbitro: Waldemar Reis.

 

FINAL

10º Jogo - Fluminense AC venceu o Barreto FC por 1 a 0, com o gol do meia esquerda Carlos Almeida (um escanteio a zero para o Fluminense). Árbitro: Euclydes de Araújo.

 

Após o jogo, o Fluminense Athletico Club foi aclamado campeão do Torneio Início de Niterói de 1922, recebendo a Taça Ranulpho Bocayuva. O Barreto Football Club foi o vice-campeão e recebeu a Taça Eduardo Cotrim Filho. Os 11 clubes disputaram o torneio com as seguintes escalações:

 

Fluminense AC: Tristão; Henrique e Álvaro; Dedico, Tavares e Seraphim; Silvino, Freitas, Othon, Carlos Almeida e Roil.

Barreto FC: Alcides; Moreira e Monteiro; Julinho, Guarany e Gil; Minely, Sá, Nelson, Ferreira e Rubens.

Canto do Rio FC: Zezé; Nair e Orlando; Nestor, Guanabarino e Araujo; Segadas, Leopoldo, Oswaldo, Ary e Torreão.

Byron FC: Gonzaga; Coelho e Lauro; Napoleão, Laurindo e Julio; Alberto, Medeiros, Ranulpho, Vabo e Netto.

Arariboya FC: Enéas; Lydio e Dedmatto; Theodulo, Tide e Monteiro; Navado, Dóca, Accacio, Congo e Gabriel.

América FC: Vicente; Ulysses e José; Siqueira, Armando e Ferro; Zezé, Célio, Paixão, Capitão e Lagulo.

Guarany FC: Velarino; Lé e Marciano; Siqueira, Cunha e Pinho; Waldetaro, Nelson, Leal, Lomelino e Aurelio.

Ypiranga FC: Gastão; Ramos e Waldemar; Japonez, Manoelsinho e Irenio; Cabloco, Patacho, Roberto, Jacatibá e Dick.

Nictheroyense FC: Neves; Moreira e Menezes; Arnaldo, Bolinha e Zeca; Aristides, Roque, Cosme, Máximo e Oscar.

Odeon FC: Gama; Octavio e Pimenta; Genna, Lima e Zoroastro; Dantas, Paulo, Bibi, Affonso e Oswaldo.

Neves AC: Palmeirin; Armando e Waldemiro; Brito, Julio e Soares; Ferreira, Ismar, Caréca, Russo e Franklin.

 

FONTE: Jornal A Rua

 

FONTE: Revista Suburbana

 

O Sport Club Curupaity foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A “Petizada (quer dizer: ajuntamento de crianças) Alvirrubra” foi Fundada na sábado, do dia 13 de Junho de 1914. O clube nunca teve um campo próprio. Atuava em diversos campos da região, como o Carioca F.C., o campo na Rua do Russell, entre outros.

História da Fundação

“Reunidos na residência do grande escriptor Dr. Coelho Netto, o ‘festejado homem de letras’, foi dado por Emmanuel Coelho Netto, o “Mano” (que era filho de Coelho Netto); o nome de Sport Club Curupaity. O nome dos demais fundadores:

George Coelho Netto; Paulo Coelho Netto; João Coelho Netto, o “Preguinho”; Francisco Paes Figueiredo, o “Chiquinho”; Manoel Correa; Ernesto, Sylvio de Sá; Gerdal Boscoli; Nilo Murtinho Broga; Floriano Guimarães; Joaquim Travesedo; Ricardo Salazar; Manuel Aarão; Álvaro de Sá; Evaristo Juliano de Sá; Dino; Galvão; Seabra e Euclydes Joaquim da Silva, o “Cuca” (1º Presidente).

A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente - Euclydes Joaquim da Silva, o “Cuca” ;

Vice-Presidente - Álvaro de Sá;

1º Secretário - Gerdal Boscoli;

1º Tesoureiro - George Coelho Netto;

Capitão - Paulo Coelho Netto;

Fiscal de Campo - Joaquim Travesedo.

 

Significado do nome e uniforme

O nome “Curupaiti vem do Tupi-guarani, que pode significar: “a água do angico (curupaí+ti)” ou “lugar abundante em angicos (curupaí+ti [ba])“. O clube possuia o uniforme semelhante ao América Football Club: camisa rubra, escudo branco, calção branco e meiões negros.

Quem foi Coelho Neto?

Natural de Caxias, Henrique Maximiano Coelho Neto nasceu em 21 de fevereiro de 1864 e faleceu no Rio de Janeiro,  em 28 de novembro de 1934. Foi um escritor (cronista, folclorista, romancista, crítico e teatrólogo), político e professor brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras onde foi o fundador da Cadeira número 2.

Foi considerado o “Príncipe dos Prosadores Brasileiros“, numa votação realizada em 1928 pela revista O Malho. Apesar disto, foi consideravelmente combatido pelos modernistas, sendo pouco lido desde então, em verdadeiro ostracismo intelectual e literário.

Sobre Paulo Coelho Netto, foi autor do livro sobre o primeiro cinquentenário da História do Fluminense, historiador e dirigente deste clube.

Quem foi Preguinho?

 João Coelho Netto, mais conhecido como Preguinho (Rio de Janeiro, 8 de fevereiro de 1905 — Rio de Janeiro, 1º de outubro de 1979), foi um multi-esportista brasileiro. Filho do escritor Coelho Netto, e da professora de música Maria Gabriela Brandão Coelho Netto, Preguinho era sócio do Fluminense antes mesmo de nascer, ingressando nas equipes infantis do clube carioca em 1916, com 11 anos.

Clube Esportivo e Categorias de base

Apesar do futebol ser o “carro-chefe” da Petizada Alvirrubra, possuíam outros esportes Pingue Pongue (Tênis de Mesa), Water Polo, entre outros.  O futebol, além da categoria adulta, contava ainda com as categorias Infantil e Juvenil, onde enfrentou diversas vezes forças da época como o Clube de Regatas Flamengo e Fluminense Football Club, ambos no Infantil.

 

Sedes

A 1ª Sede ficava na Rua Pinheiro, nº 73, em Botafogo – Zona Sul do Rio. No Sábado, dia 29 de Março de 1919, se mudou para a Rua Dois de Dezembro, nº 52, no Bairro do Catete – Zona Sul do Rio. Enfim, em 1925, adquiriu a grandiosa Sede da Rua do Catete, nº 300, no Bairro do Catete – Zona Sul do Rio.

 

Dia que o Curupaity goleou o Tricolor das Laranjeiras

Em 1914, se filiou a Liga Veronista onde foi campeão no 1º e 2º Quadros, ambos de forma invicta, em 1915. Em 1916, o time infantil do Sport Club Curupaity contava com bons valores.

E, teve um teste de fogo para provar o seu potencial. Na época enfrentou o Fluminense, o melhor time daquela época, no campo do Carioca F.C., no Jardim Botânico.

No final, a Petizada Alvirrubra arrasou o Tricolor das Laranjeiras pelo elástico placar de 9 a 2. Vale lembrar, que no time do Fluminense haviam grandes jogadores que depois fizeram história no clube: Fortes, Mutz, China, Joel, C. Augusto, entre outros.

 

Campeonato Infantil de 1916, fez o Curupaity só retornar em 1917

Um fato curioso! A esmagadora vitória sobre o Fluminense, somado a criação do Campeonato Infantil, organizado pela Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), acabou causando, involuntariamente a paralisação do Sport Club Curupaity.

Por quê? Após ter arrasado o Fluminense, meses depois foi criado o Campeonato Carioca Infantil. Os jogadores empolgados com a notícia queriam participar da competição a qualquer custo. No entanto, naquele momento o clube não era filiado a LMDT, e por isso, não poderiam jogar.

Então, os jogadores se reuniram para buscar uma alternativa. A primeira ideia foi disputar pelo Carioca Football Club, que gentilmente sedia o seu campo para que o Curupaity pudesse jogar.

Contudo, os jogadores não chegaram a um consenso. No final, parte dos jogadores disputaram o certamente pelo Fluminense Football Club (Moreira, Mano, Preguinho e Zezé foram destaques no profissional) e a outra parte pelo Clube de Regatas Flamengo.

Porém, o resultado desse entusiasmo geral uma paralisação do Sport Club Curupaity, que sem jogadores, só retornou na temporada seguinte, em 1917. O retorno foi triunfal, mesmo perdendo alguns jogadores que optaram em continuar no Tricolor das Laranjeiras e no Rubro-Negro. Fechou a temporada de forma invicta, conquistando o Torneio no Mavilis.

Clube ajuda a fundar a Liga Sportiva Carioca (LSC)

Em 1918, o Sport Club Curupaity, juntamente com o Combinado Humaytá; Aymoré FC; Sport Club Emulação; Benjamin Constant AC; Paysandu AC; Leme AC e Pedro Ivo FC, fundaram a Liga Sportiva Carioca (LSC).

Naquele ano, o clube foi campeão no 1º e 2º Quadros, em ambos de forma invicta. O time adulto jogou com: Ramos; Peixoto e Dadá; Travesedo, Solntive e Dino; Chermont, Sylvio, Chiquinho, Merecker e Dedê.

Antenor Mayrinck Veiga foi o pivô da decadência do clube início dos anos 20

No Sábado, dia 29 de Março de 1919, o Curupaity adquiriu a sua Sede própria, na Rua Dois de Dezembro, nº 52, no Bairro do Catete. O que era para ser a alavancada do clube, acabou ocorrendo o contrário.

Três depois, por motivos que não foram divulgados, o então presidente do clube, David Villela retirou-se do clube. Em solidariedade os demais membros da diretoria também saíram.

O que se sabe é que dois dias antes da saída em massa da diretoria, tinha sido proposto que o conceituado industrial Antenor May             rinck Veiga que assumisse a presidência do Curupaity.

Diante do imbróglio Antenor May   rinck Veiga assumiu e realizou diversas melhoras. No entanto, ao notar que os demais membros da diretoria não deram o devido valor, o industrial decidiu sair, causando a decadência completa do clube, tendo perdido a Sede, móveis, etc.

Emmanuel Coelho Netto, o “Mano” morre e Seleção Brasileira jogou de luto

Filho do escritor Coelho Netto e irmão mais velho do também futebolista João Coelho Netto, o “Preguinho”, Mano veio falecer depois de um traumatismo ocorrido em confronto contra o São Cristóvão no qual o Fluminense venceu por 2 a 1.

Apesar de sentir fortes dores no abdômen, que lhe causou infecção generalizada, vindo a falecer na véspera de confronto entre a Seleção Brasileira e a Seleção Uruguaia pelo Campeonato Sul-Americano de Futebol de 1922, quando a Seleção Brasileira jogou com braçadeiras negras em sua homenagem, aos 24 anos.

Entre idas e vindas, o em torno em 1924

Mediante o quadro catastrófico que o clube atravessava, David Villela resolveu colocar as magoas de lado e retornou para reorganizar Sport Club Curupaity. Objetivo este alcançado. Em 1919, se filiou a Associação Carioca de Sports (ACS). O Curupaity não terminou o Campeonato por não concordar com uma resolução da diretoria da ACS.

Após esse incidente o clube paralisou o futebol, só retornando em 1921, quando ingressou na Associação Sportiva Rio de Janeiro (ASRJ). Posteriormente, ocorreu outra paralisação, só retornando em 1924.

Nesse ano mostrou a velha forma e se sagrou campeão do Torneio Início, realizado no campo do Metropolitano. E realizou duas excursões a Região Serrana: Teresópolis e Petrópolis, onde obteve destaque.

Curupaity adquire suntuosa sede e volta a crescer

Em 1925, buscando os status de outra, o presidente David Villela resolveu chamar antigos sócios para solidificar o clube. Os frutos dessa empreitada foi boa.

Em seguida, o Curupaity adquiriu a grandiosa Sede da Rua do Catete, nº 300, no Bairro do Catete – Zona Sul do Rio. O resultado elevou o número de sócios para 300, três times de futebol, três equipes de Ping Pong e diversos atletas de outras modalidades.

Em 10 de abril de 1926, se filiou a Federação Brasileira de Esportes Athleticos (FBEA). No mesmo ano se filiou a AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Atléticos), onde foi campeão da AMEA II, em 1926.

No início de 1927, David Villela renunciou mais uma vez ao cargo de presidente do clube. Mas dessa vez, o clube se manteve em pé. Na tarde da terça-feira, do dia 28 de Fevereiro de 1928, se filiou a Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT). Nesse momento, o Curupaity chegou a ter incríveis 400 sócios.

Ainda nessa temporada disputou o Campeonato da AMEA (1928), que contou com grandes forças como o Americano FC(do bairro Riachuelo); Campo Grande AC (do bairro Campo Grande); Esperança FC (Bangu); Fidalgo FC (Madureira); Mavilis FC (Caju); Modesto FC (Quintino Bocaiúva); Magno FC (Madureira); entre outros.

A Luz, enfim, se apagou!

Após duas décadas de alegrias, tristezas, conquistas, fracassos, união, desunião, o Sport Club Curupaity foi saindo do cenário futebolístico. Seus fundadores já não eram mais os mesmos. O interesse tinha mudado. O clube passou a ser social. Aquele brilho, se apagou! O fim chegou. Mas essa história se perpetuará por muito tempo! Onde grandes intelectuais fizeram parte do clube, deixando para aqueles que conheceram uma ponta nostalgia e saudade!

Hino do Sport Club Curupaity

(Hino de 1915: versos de Miranda Horta e música de Manuel Aarão)

“Glória, Glória, Aleluia,

Curupaity é Campeão,

Mano, George, Floriano,

Honório, Atilio, Galvão,

Miranda, Cadinho, Alcindo,

Zezé, esquerda inteira,

É o menino de ouro,

O Centerforward Raul Ferreira,

 

Nós temos bons directores,

Desde o Captain ao cobrador,

Um presidente afiado,

Um secretário cavador,

Atitude, não temor campo,

É uma cousa que eu não nego,

Se preciso ser expulso,

O Chiquinho come prego”.

Time-base de 1914-15: Renato (Atilio); Rodolpho (Crockat) e Moreira; Cadinho (Galvão), Honório e Floriano; Mano, Corregal, Raul, Zezé e Manduca (Miranda Horta).

 

Time-base de 1916: Gerdal; Chagas Leite e Armando; Joaquim Travesedo, Seabra e Lanzarotti; Nogueira, Floreano, Chiquinho, Nilo e Paulo Coelho Netto.

 

Time-base de 1918: Alberto Ramos; Edgard Andrade (Dudu) e Francisco Peixoto; Dimas M. Castro (Victor), Carlos Santivi e Joaquim Travesedo; Chermon Brito (Sylvio), Reynado Cintra (Torquato), Francisco P. Figueiredo, Jorge Merker (Guiol) e Edgard (Dedê).

 

Time-base de 1921: Annibal; Raul e Carlinhos; Joaquim Travesedo, Moreira e Merker; Jovianiano, Maruico, Santos, Sylvio e Matre.

 

 

FONTES: Wikipédia – Jornal A Rua – A Razão – Gazeta de Notícias – Correio da Manhã – O Paiz – O Brasil – A Noite – Jornal do Brasil – O Malho

 

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha