FONTES: A Gazeta (SP) – Celso Franco

 

O Oceano Foot-Ball Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O Alviceleste foi Fundado no dia 31 de Dezembro de 1920. A 1ª Sede ficava na Rua Vinte de Novembro, que depois mudou o nome para Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. Em 1923, o clube contava com 285 associados.

Após um período fechado, um grupo de abnegados reabriram o Oceano Football Club, na sexta-feira, dia 26 de Maio de 1933. Foi criado uma junta governista composta por: Hausto Bellini (presidente), Venâncio José (tesoureiro), Alberto da Silva (secretário geral). A nova sede ficava no prédio da Rua Barão da Torre, nº 109, em Ipanema.

No ano seguinte, se instalou na Rua Visconde de Pirajá, nº 558 – Ipanema – Zona Sul do Rio (RJ). A sua Praça de Esportes ficava na Avenida Epitácio Pessoa (Praia do Pinto, esquina com a Rua do Pão), s/n, nas proximidades da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Pelo Decreto Lei nº 5.093, de 29 de Agosto de 1934, o Oceano foi considerado como Utilidade Pública, pelo interventor Federal do Distrito Federal, Dr. Pedro Ernesto.

Em 1923, o Oceano se filiou na União das Sociedades do Remo (USR), da Lagoa Rodrigo de Freitas. No ano seguinte, se filiou na Federação Brasileira de Esportes Athleticos (FBEA), que ficava na Rua Visconde de Pirajá, nº 118 – Ipanema. Em 21 de Junho de 1929, se filiou na Associação Sul de Esportes Athleticos (ASEA).

No inicio de fevereiro de 1936, o Oceano se fundiu com o Cyelo Portugal-Brasil, também do Bairro de Ipanema. No entanto, nem o nome e também as cores foram alterados. O que mudou foi a participação da equipe em outras modalidades esportivas, tais como no Ciclismo, voleibol, Ping-Pong, entre outras. No mesmo ano o clube participou da competição futebolística mais importante: Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936.

Na estreia, no dia 1º de Abril, acabou goleado pelo América Football Club pelo placar de 8 a 0. Nove dias depois enfrentou o Sport Club Iguaçu, de Nova Iguaçu para tentar se manter vivo da competição. No entanto, voltou a ser derrotado por 3 a 1, e acabou dando adeus ao Torneio Aberto.

FONTES: Beira-Mar: Copacabana, Ipanema, Leme (RJ) – Lusitania: Revista Illustrada de actualidades e de aproximação Luso-Brasileira (RJ) – O Imparcial – Jornal do Brasil – O Jornal – O Radica - Correio da Manhã (RJ)

 

O Combinado Rubro-Negro foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na Segunda-feira, do dia 05 de Abril de 1936, pela diretoria do Clube de Regatas Flamengo. Tanto o escudo quanto o uniforme eram, basicamente, o mesmo utilizado pelo Flamengo.

A criação do Combinado Rubro-Negro foi um meio de aproveitar os jovens jogadores da base mesclando com aqueles atletas que eram pouco utilizados na equipe principal. Em outras palavras estava criado o time de Aspirantes. Importante citar, que a ideia não se limitava apenas ao futebol. Outras modalidades, como o basquete, também contavam com a equipe de Aspirantes.

Assim foi noticiado no Jornal dos Sports:

Os amadores do Flamengo organizaram o poderoso Combinado para concorrer no II Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro, da Liga Carioca. Esse combinado, que recebeu o nome de Combinado Rubro-Negro, vestirá o antigo uniforme do Flamengo, que contava com as cores preta, vermelha e branca, em listas horizontais.

Augusto Gonçalves, Oswaldo Menezes e outros extremados rubro-negros, fazem parte do corpo de diretivo do novel grêmio, que conta, também com inúmeros adeptos.

Surgindo com a antiga camisa do Flamengo, o Combinado Rubro-Negro vai reviver uma tradição dos sports da cidade, naturalmente decidido a reproduzir as façanhas gloriosas do simpático clube“.

Torneio Aberto de Football do RJ de 1936

Uma semana depois de ser criado, estreou, no domingo, do dia 12 de Abril de 1936, válido pelo Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF). Porém, acabou sendo derrotado pelo Combinado 5 de Julho, de Niterói, pelo placar de 4 a 3, no Estádio do Fluminense Football Club.

Na quarta-feira, do dia 06 de maio, voltou a enfrentar o mesmo adversário. Dessa vez, triunfou goleando a equipe niteroiense por 6 a 2. Voltou a campo, no domingo, do dia 24 de maio, para derrotar os Fuzileiros Navais pelo placar de 3 a 1. Porém, válido pela 9ª Eliminatória, no domingo, do dia 31 de maio, o Combinado Rubro-Negro deu adeus a competição ao ser derrotado pelo Centro Aviação Naval por 4 a 2.

Time base de 1936: Germano (Alberto); Lucio e Pompeu (Marin); Valdir (Delvaux), Geraldo e Faya (Famor); Qualter, Doca (Benterenzo), Ismael, Almir e Carlinhos.

 

FONTES: Diário Carioca – O Imparcial – Jornal dos Sports

 

 

Vista aérea do Derby Club, antigo hipódromo, onde hoje está o Maracanã.  Bem ao meio da curva da pista, o edifício do Museu do índio, originalmente um Centro de veterinária do exército. Erguido na década de 1910.

A construção do estádio foi muito criticada por Carlos Lacerda, na época deputado federal e inimigo político do durante mandato do então General de Divisão e Prefeito do Distrito Federal do Rio de Janeiro, Marechal Ângelo Mendes de Moraes, pelos gastos e, também, devido à localização escolhida para o estádio, defendendo que o mesmo fosse construído em Jacarepaguá.

Ainda assim, apoiado pelo jornalista Mário Rodrigues Filho, Mendes de Morais conseguiu levar o projeto para frente. Na área escolhida, situava-se uma arena destinada à corrida de cavalos. A concorrência para as obras foi aberta pela prefeitura do Rio de Janeiro em 1947, tendo como projeto arquitetônicovencedor o apresentado por Miguel Feldman, Waldir Ramos, Raphael Galvão, Oscar Valdetaro, Orlando Azevedo, Pedro Paulo Bernardes Bastos e Antônio Dias Carneiro.

O projeto vencedor previa um estádio para 155.250 pessoas, sendo 93 mil lugares com assento, 31 mil lugares para pessoas em pé, 30 mil cadeiras cativas, 500 lugares para a tribuna de honra e 250 para camarotes. O estádio ainda contaria com tribuna de imprensa com espaço para vinte cabines de transmissão, trinta e dois grupos de sanitários e trinta e dois bares. No total, a área coberta do estádio atingiria 150 mil m², com altura total de 24m. As obras iniciaram-se em 2 de agosto de 1948, data do lançamento da pedra fundamental. Trabalharam na construção cerca de 1 500 homens, tendo se somado a estes mais 2 000 nos últimos meses de trabalho. Apesar de ter entrado em uso em 1950, as obras só ficaram completas em 1965.

Em seu projeto original, o Maracanã tinha seu formato oval, medindo 317 metros em seu eixo maior e 279 metros no menor. Media 32 metros de altura, o que corresponde a um prédio de seis andares, e a distância entre o espectador mais distante o centro do campo era de 126 metros. A cobertura protegia parcialmente as arquibancadas em toda a sua circunferência. Na cobertura foram montados os refletores, que funcionavam a vapor de mercúrio.Desde 1962, até as reformas realizadas na década de 2000, a medida do gramado era de 110 por 75 metros.Havia um fosso que separava o campo das cadeiras inferiores que media três metros de profundidade com bordas em desnível. O acesso ao gramado dava-se por meio de quatro túneis subterrâneos que começavam nos vestiários. Existiam cinco vestiários no estádio, sendo utilizados normalmente apenas três, um para cada time que disputa uma partida de futebol e outro para a arbitragem.

Sua inauguração deu-se com a realização de uma partida de futebol amistosa entre seleções do Rio de Janeiro e São Paulo no dia 16 de junho de 1950, vencida pelos paulistas por 3 a 1. O meio-campista da equipe carioca Didi, do Fluminense, foi o primeiro autor de um gol no estádio e o goleiro Osvaldo Pisoni foi o primeira a levar um gol.

FONTES: Wikipédia – GuarAntiga - Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

 

O Centro Aviação Naval é uma agremiação militar da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O esporte é um fenômeno consagrado e praticado no meio militar em todo o mundo como ferramenta de preparação do corpo, como forma de competição e lazer, além de elemento de projeção do poder e força das instituições.

No Brasil, apesar de algumas atividades esportivas já serem praticadas por militares desde o século XIX, foi somente em 1915 que as Forças Armadas, até então Marinha do Brasil (MB) e Exército Brasileiro (EB), passaram a desenvolver processos de normatização das participações de seus integrantes na prática esportiva e organização de competições entre as Forças e com equipes civis.

Esta regulamentação se concretizou a partir da criação de duas entidades: Liga Militar de Football e Liga de Sports da Marinha. Este trabalho, utilizando as abordagens da História Comparada e o método de análise crítica de documentos, discute o processo de fundação das ligas esportivas
militares e suas principais preocupações e áreas de atuação nos anos iniciais de atividade (1915-1920).

A Liga Militar de Football, dedicou-se ao desenvolvimento da
modalidade que dava nome à entidade uma vez que muitos de seus integrantes já praticavam o futebol em meio civil desde o início do século XX. No entanto, nas competições entre Forças organizadas no período de análise registrou-se a participação do Exército em outras modalidades esportivas.

Já a Liga de Sports da Marinha iniciou suas atividades já contemplando
competições em diferentes esportes como Futebol, Remo, Vela, Water Polo e Natação. As duas ligas apresentavam configurações de organização similares com o corpo diretivo composto basicamente por oficiais, ficando as camadas hierárquicas mais baixas fora das ações decisivas e com possibilidade apenas de participação nas competições. A hierarquia era determinante na organização destas entidades e definia os espaços esportivos de atuação, já que pelas normativas internas indivíduos de diferentes círculos hierárquicos não poderiam participar de uma mesma competição.

Surge o Centro Aviação Naval

No meio desse crescimento, os ‘Marujos’ foi Fundado na quarta-feira, do dia 23 de Agosto de 1916. A sua Sede ficava na Base Militar da Ponta do Galeão, na Ilha do Governador. Entre os anos 20 e 30, surgiram “sucursais” do Centro Aviação Naval: Savoia 55, Galeão Club e Asas Athletico Club.

Todos com direito a constituição de diretorias, estatutos, treinamentos, jogos, excursões, etc. A partir daí, o Centro Aviação Naval montava a sua “seleção” desses clubes além dos demais soldados, lembrando que muitos jogadores serviam as forças armadas o que qualificava essas equipes.

A equipe participava dos campeonatos organizados pela Liga de Sports da Marinha (LSM).

Alguns amistosos registrados na imprensa carioca:

Domingo, dia 12 de Julho de 1931 – Aviação Naval 4 x 2 Encouraçado São Paulo, Estrada do Norte;

Quinta-feira, dia 02 de Junho de 1932 – Aviação Naval 0 x 1 Edison Athletico Club, Estrada do Norte;

Domingo, dia 07  de Outubro de 1934 – Sport Club Pracamby  1 x 2 Aviação Naval, em Paracambi.

Na esfera profissional, o Aviação Naval participou do Torneio Aberto de Football de 1935, 1936 e 1937, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF). No sábado do dia 30 de julho de 1938, o Centro Aviação Naval realizou a sua primeira partida internacional.

O adversário foi o Exeter (formado por marinheiros ingleses), no Estádio Campos Sales, no Bairro da Tijuca, na Zona Norte do Rio. No final, melhor para os majuros brasileiros que venceram os ingleses pelo placar de 3 a 1.

 

Time de 1932: Francisco; André e Oswaldo; Moyses, Oscar e Ferreira; Raymundo, Mendonça, Daniel, Nunes e Humberto.

Time de 1936: Portugal; Osmar e Ribeiro; Veiga, Appolinario e Lima; Rocha, Fraga, Benedicto, Aldo e Ruy (Mendonça).

FONTES: Relatórios do Ministério da Marinha (RJ) – A Offensiva (RJ) – Jornal dos Sports – Centro Sportivo Virtual – Revista Fon Fon – Revista Sport Ilustrado

 

O Guaraína Sport Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A equipe Alviverde foi Fundado em Setembro de 1936, por auxiliares do Laboratórios Raul Leite & Cia., sendo os seus principais organizadores: Raul Barreto de Sá, Rodrigo dos Santos Capella e Dr. Mario Gonçalves.

A escolha do nome é, no mínimo, curioso. Os Laboratórios Raul Leite & Cia., resolveram chamar de ‘Guaraína’, que era um produto especialmente voltado para as pessoas que praticavam futebol.

A propaganda do produto prometia curar problemas como a mal-estar, dores de cabeça, ouvidos ou dentes, provenientes da tensão de nervos. Talvez a escolha do nome tenha sido uma ‘jogada de marketing’ num período em que tal termo ainda não existia, mas não a ideia em si.

A Praça de Esportes ficava situado na Avenida Bartolomeu de Gusmão, s/n, no Bairro de São Cristóvão, na Zona Norte do Rio (próximo a Estação de São Cristóvão). A sua Sede ficava na Praça XV de Novembro, nº 42 / 1º andar, no Centro do Rio. A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente - Dr. Mario Gonçalves;

Vice-Presidente - Rodrigo dos Santos Capella;

Secretário - Celestino Cardoso;

1º Thesoureiro - Raul Barreto de Sá;

2º Thesoureiro - Edgard Vieira;

Diretor Sportivo - Armando Pelizone;

Procurador - Octavio Cunha;

Consultor Técnico - Nicolino Zagari.

Além dos adeptos, foi organizado um quadro de sócios honorários do qual fazem parte: Dr. Raul Leite; Dr. Mario Rangel; João Moreira de Vasconcellos; Dr. Floriano de Azevedo e os colaboradores: Carlos Alberto Rothier Duarte; Christiano Rocha; Dr. Felippe Cardoso e Dr. Sá Leitão.

O time titular foi definido com os seguintes atletas: Mendonça; Le Rothier e Loureiro; Peli     zone, Quintino e Wilson; Lourival, Sá, Romualdo, Guilhermino e Santa Rita.

O Guaraína participou do Torneio Aberto de Football de 1937, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF). Uma outra curiosidade é que nesse ano, é que Raul de Sá acumulava as funções de presidente e jogador do clube. Difícil imaginar que o treinador tivesse a coragem para barrá-lo.

O time para a competição estava definido com: Joaquim; Moacyr e Oliveira; Sá, Lalá e Nascimento; Jarbas, Cirio, Hyppolito, Manoelzinho e Antoninho. Dessa equipe dois nomes se destacavam: Moacyr, com passagens pelo Vasco da Gama e América Football Club; e Oliveira, que jogou no Tupy de Juiz de Fora (MG).

Em 1938, o clube diminuiu a sua atividade e ficou alguns meses sem jogos, só retornando no ano seguinte. Porém, já não era a mesma coisa e acabou sendo fechado. Em dezembro de 1940, a agremiação foi reaberta com o nome de Clube Guaraína, voltado mais para os eventos sociais do que para o desporto.

FONTES: Correio da Manhã – Jornal dos Sports – O Suburbano

 

O Flor das Selvas Football Club foi uma agremiação efêmera da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi Fundado na quinta-feira, do dia 1º de Março de 1934, por um grupo de operários da Manufatura de Fumo e Cigarros Flor da Selva Ltda., situado na Avenida Suburbana, 1760, em Higienópolis, na Zona Norte do Rio.

Após ser criado recebeu imediatamente o apoio dos chefes da fábrica e teve como iniciador o veterano desportista Guilherme S. dos Santos, sendo acompanhado por Oscar Muratory, David Ribeiro Marques e Clarindo Tavares Sinnes, José Lino Manoel Dias Ficheira. As suas cores: azul e branco.

Praças de Esportes

A sua Praça de Esportes, ficava no Caminho dos Pilares (atual Rua Álvaro Miranda), s/n, em Inhaúma (atual Pilares). Até 1936, quando perdeu a locação do campo para o Engenho de Dentro Athletico Club.

Em 1937, a sua Praça de Esportes passou a ser na Estrada Nova da Pavuna (mais tarde, Avenida João Ribeiro), nº 88, em Inhaúma (atual Pilares), na Zona Norte do Rio.

Sedes

Após ficar na Avenida Suburbana, 1760, em Higienópolis, na Zona Norte do Rio, adquiriu uma nova Sede, inaugurada no sábado, no dia 07 de Setembro de 1935, na Avenida João Ribeiro, s/n, no Bairro Pilares. Porém, no mês seguinte, nova mudança. Dessa vez o clube se instalou na Rua Fernão Cardim, nº 45/61, no Bairro do Engenho de Dentro.

Curiosidades

Na terça-feira, do dia 29 de Outubro de 1935, o Flor das Selvas juntamente com o  Clube Athletico Central, Arco-Íris, Perseverança, Del Castillo e Bemfica, ajudaram a fundar a Associação dos Esportes do Districto Federal (AEDF).

O clube excursionou até o Distrito de Belford Roxo (se emancipou em 03/04/1990), em Nova Iguaçu, no domingo, do dia 02 de Fevereiro de 1936, onde enfrentou o Sport Club Belford Roxo.

No final, um empate em 2 a 2. O Flor das Selvas jogou com: Princeza; Osíris e Oswaldo; Doca, China e Quitito; Bahiano, Gallego, Valença, Chato e Turuga. No 2º Quadros, o Flor venceu pelo placar de 1 a 0.

Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936 e 1937  

Participou do Campeonato da Divisão Intermediária de 1936, organizado pela Federação  Metropolitana de Desportos (FMD). No final da competição, após perder a sua Praça de Esportes, o clube acabou suspenso por deixado de disputar três partidas seguidas.

O Flor das Selvas Football Club juntamente participou do Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936 e 1937, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF).

No domingo, do dia 23 de Maio de 1937, o Flor das Selvas estreou no do Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro, diante do Atlético Mineiro (MG), às 15h30, no Estádio Campos Sales (propriedade do América Football Club), no Bairro da Tijuca, na Zona Norte do Rio. O árbitro da partida foi Lippe Peixoto.

No final, a equipe Mineira goleou por 8 a 1. Duda foi autor de três gols; Guará marcou dois; Sylvio, Alfredo Bernardino e Zezé Procópio assinalaram um tento cada para o Galo. Hemeterio fez o gol de honra para o Flor das Selvas. Todos os gols saíram na etapa inicial.

Flor das Selvas: José (João); Waldemiro e Nobre (107); Chavão, Hemeterio e Pequetito; Luizinho, Paulista, Valença, Machado e Manduca.

Atlético Mineiro: Kafunga; Florindo e Quim; Zezé Procópio (Lago), Rogério e Bala; Sylvio (Tuda), Alfredo Bernardino, Guará, Nicola e Duda (Rezende).

Ainda em 1937, participou da Sub-Liga, da LFRJ, ficando na Zona Central, juntamente com o Adélia Football Club, do Bairro do Engenho de Dentro; Argentina Football Club, do Bairro de Cascadura; Central Athletico Club, do Bairro do Engenho Novo; Engenho de Dentro Athletico Club, do Bairro do Engenho de Dentro; Japohema Football Club, do Bairro do Méier; Magno Football Club, do Bairro de Madureira; Modesto Football Club, do Bairro de Quintino Bocaiúva; Niemayer Football Club; Sport Club Abolição, do Bairro da Abolição; Sport Club América, do Bairro do Méier; Sport Club Opposição, do Bairro da Piedade; River Football Club, do Bairro da Piedade.

Time de 1934: Onça (Gerson); Pituca e Neves; Benedicto, Rubens e Carlinhos (Vieira); Ribeiro, Zeca, Cesário (Rubinho), Barbosa e Vieira (Russo).

Time de 1936: Lino (Princeza); 107 (Toneca) e Pituca (Trindade); Doca (Caçula), China e Cetrino (Quititontino); Mavis (Ildo), Gallego, Valença (Coelho), Crato (Chato) e Oséas (Turuga).

Time de 1937: José; Waldemiro e 107; Chavão, Ermeterio e Quititoteto; Luizinho, Bentevengo (Chato), Valença, Paulista e Manduga.

 

FONTES: A Offensiva (RJ) – Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - Jornal do Commercio (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Diário Carioca (RJ) – A Batalha (RJ) – O Imparcial – Jornal do Brasil – O Radical – O Jornal – Correio da Manhã (RJ) – A Noite – Jornal Sports

 

O Tracção Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Cidade Light” foi Fundado no domingo, do dia 07 de Setembro de 1930, por funcionários do Departamento de Tração e Oficinas da Cia. Carris, Luz e Força do Rio de Janeiro Ltda., com o nome de Club Esportivo Social Tração. As suas cores eram o azul e branco.

Em meados dos anos 30, adotou o nome de Tracção Football Club. A sua Sede ficava localizada na Rua Figueira de Mello, nº 456 (atualmente fica a G.R.E.S. Paraíso do Tuiuti), no Bairro de São Cristóvão, na Zona Norte do Rio.

Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1937

A competição mais relevante do Tracção foi, sem dúvida, o Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1937. Importante esclarecer que nesse ano, a agremiação já tinha alterado nome para Tracção Football Club.

A competição reuniu grandes clubes do Rio e de Minas: América Football Club, Associação Atlética Portuguesa, Bonsucesso Futebol Clube, Clube de Regatas Flamengo, Fluminense Football Club, Atlético Mineiro e Esporte Clube Siderúrgica/MG.

Já com o nome aportuguesado, o Tração Futebol Clube foi campeão do Campeonato da LEALCA (Liga de Esportes Atléticos da Light e Companhias Associadas) de 1948; e Bicampeão do Torneio Início de 1943 e 1944.

 

FONTES: A Manhã (RJ) – A Batalha (RJ) – O Globo Sportivo (RJ) – Diário da Noite – Jornal dos Sports

 

O Light Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A história do “Alvianil Cetebense” começou na terça-feira, do dia 30 de Maio de 1933, quando foi fundado por funcionários dos escritórios da “Companhia de Carris, Força e Luz do Rio de Janeiro Ltda.” . O primeiro nome da equipe: Light Rua Larga Sport Club. Dois anos depois alterou para Light Atlético Clube.

A 1ª Sede ficava na Rua Mariz e Barros, 431, na Tijuca. Em abril de 1937, se transferiu para a Rua São Francisco Xavier, nº 605, na Tijuca. Posteriormente, outra mudança: a nova Sede foi inaugurada na sexta-feira, do dia 12 de janeiro de 1941, Avenida Lauro Muller, 91/ 1º andar, no Centro do Rio. O Telefone na época era: 28-3059.

Os jogos de futebol eram disputados na Praça de Esportes da Rua José do Patrocínio, em Villa Isabel (atual Grajaú). Além do futebol, o clube também contava com a pratica de Basquete, Tênis, Esgrima, Peteca americana, Ping-Pong, Xadrez e Dama. No Basquete, o clube faturou diversos títulos, como a da LEALCA, em 1937, 1939 e 1940.

Torneio Aberto da Liga Carioca de Football de 1937

A competição mais importante do Light Athletico Club aconteceu no ano de 1937, quando participou do Torneio Aberto da Liga Carioca de Football de 1937, que era uma competição profissional.

Nova mudança de nome

No dia 2 de Outubro de 1951, o clube alterou o seu estatuto e mudou o nome para: Fôrça e Luz Atlético Clube. As cores azul e branca foram mantidas. Já a sua nova sede ficava na Rua Visconde Santa Isabel, nº 379, Vila Isabel. Atualmente esse imóvel pertence a Associação Atlética Light.

 P.S.: O escudo e o uniforme corresponde tanto ao  Light Rua Larga Sport Club quanto ao Light Atlético Clube.

FONTES: O Radical (RJ) – Diário de Notícias – O Imparcial – Jornal dos Sports – Sport Ilustrado – Sino Azul – Correio da Manhã

 

O Carris Tráfego Futebol Clube foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Os “Soldados do Tráfego” foi Fundado no domingo, do dia 08 de Janeiro de 1939, por alguns associados do Light Tráfego Football Club (Fundado na sexta-feira, do dia 25 de Dezembro de 1931, com Sede na Avenida 28 de Setembro, nº 380, no Bairro de Vila Isabel, na Zona Norte do Rio/RJ) e funcionários da 1ª secção do Tráfego da “Companhia de Carris, Força e Luz do Rio de Janeiro Ltda.” As suas cores eram o amarelo e vermelho.

Dezenove dias depois, ocorreu a reunião, para definir a diretoria, na Sede do Light Villa Izabel Football Club, no Bairro de Vila Isabel, na Zona Norte do Rio. Aberta a sessão pela junta governativa constituída pelos Senhores: Luiz Henrique Canelhas (Presidente); João Baptista Araujo (Secretário); Augusto de Souza (Tesoureiro). Após a reunião, em 27/01/1939, ficou definida a 1ª Diretoria, que tomou posse em 08/02/1939:

Presidente - Eduardo Leopoldo Gastão Corrêa;

Vice-Presidente - Antonio F. Guimarães;

Secretário Geral - Carlos Ferreira da Silva;

1º Secretário - João Baptista Araujo;

2º Secretário - Amir Olival;

1º Thesoureiro - Augusto Souza;

2º Thesoureiro - José de Azevedo; 

Procurador Geral - Abílio Pereira da Fonseca;

1º Procurador - José Monteiro Costa;

2º Procurador - Manoel Soares Calçado;

Director de Sports - Manoel Monteiro da Cunha;

Director Musical - João Sant’Anna da Silva;

Director de Scena - Nicanor Coelho;

Conselho Fiscal - Luiz Henrique Canelhas, Francisco Passino Filho, Arthur Costa, João Ferreira Coelho, Waldemar Carvalho, Clemente Alves, Leônidas Soares, Aurélio Cesar dos Santos, Augusto Lopes de Carvalho e Cencinato Thomé Reis.

Sedes e a Praça de Esportes

Uma curiosidade, se não for um recorde, foram o número de sócios fundadores: incríveis 503! Uma quantidade, no mínimo, invejável! A sua Sede estava localizado Avenida Lauro Muller (ficava entre a Avenida Francisco Bicalho e a Praça da Bandeira).

Na terça-feira, do dia 18 de dezembro de 1956, às 17 horas, foi inaugurado a nova Sede, situado na Avenida Presidente Vargas, nº 3.733, no Centro do Rio. Um local de amplo compartimento na área da Casa de Carros Vila Isabel, foi cedido pela Companhia de Carris, Força e Luz do Rio de Janeiro.

Já a Praça de Esportes, que ainda existe (atualmente é de propriedade da Associação Atlética Light, cuja entrada fica na Rua Barão do Bom Retiro, nº 2.002), onde a equipe Auri-rubra mandava os seus jogos, ficava na Rua José do Patrocínio, no Bairro do Grajaú, na Zona Norte do Rio.

Em março de 1939, o Carris Tráfego se filiou a LEALCA (Liga de Esportes Atléticos da Light e Companhias Associadas), onde participou das competições de Basquete e Futebol. Quarenta e dois dias depois, na sexta-feira, do dia 09 de Junho de 1939, se filiou a Federação Brasileira de Football (FBF).

1º Amistoso Nacional

No domingo, do dia 23 de Julho de 1939, o Carris Tráfego realizou a sua primeira partida interestadual. O adversário foi o Club Athletico Metrópole Paulista, da capital (SP), às 15h15, no Estádio da Rua Silva Teles, no Bairro do Andaraí (propriedade do Confiança Athletico Club). O valor do ingresso cobrado foi de 2$200 réis. O árbitro da peleja foi o Sr. Alfio Perrucci.

No final, vitória do Carris Tráfego por 2 a 1, com dois gols de Pereira, no primeiro tempo, que tirou uma invencibilidade de oito meses do esquadrão dos “Milionários Paulistas“. E, na etapa final, Acácio fez o gol de honra para a equipe paulista.

O Carris Tráfego jogou com: Santiago; Osmar e Paulista; Monteiro, Cruz e Silva; Jorge, Zezinho, Durval, Pereira e Bira. Técnico: Manuel Cunha. Metrópole atuou com: Henrique; Romeu e Armando; Alcebíades, Alberto e Dezidelio; Acácio, Nanim, Danilo, Mamede e Ailiano.

Primeira Excursão em 1940      

No Domingo, dia 17 de março de 1940, o clube realizou uma excursão até Magé, onde enfrentou, às 15h40, o Mageense Football Club, tricampeão citadino, com arbitragem de Eduardo Leopoldo Gastão Corrêa (LEALCA). No final, o Carris Tráfego derrotou pelo placar de 3 a 1.

O Carris jogou com: Santiago; Manoel e Sylvio; Açougueirinho, Darcy e Nicanor; Betinho, Orlando, Bahianinho, Hermínio e Tijolo. Técnico: Manuel Cunha. O Mageense formou com: Aristeu; Gallo e Helio; Derrepino, Pacheco e Frederico; Alceu, Zecrias, José, Alcino e Isaias.

No primeiro tempo, o Mageense abriu o placar aos 20 minutos por intermédio de Alcino. Logo no início da etapa final, Hermínio deixou tudo igual. Minutos depois, falta na entrada da área. Hermínio soltou uma bomba para deixar o Carris na frente do marcador. No final, Betinho fez boa jogada pela esquerda e centrou na área para Hermínio, o herói do jogo, testar de forma inapelável, dando números finais a peleja.

Clube se filia a A.F.R.J., em 1940

Na segunda-feira, do dia 25 de Março de 1940, o Carris Tráfego Futebol Clube ingressou na Associação de Football do Rio de Janeiro (AFRJ), Sub-Liga de Futebol do Rio de Janeiro. Naquele ano participou do Campeonato da AFRJ, que reuniu as seguintes agremiações:

Sport Club Benfica (Bairro de Benfica); Carris Tráfego (Bairro do Centro); Athletico Club Nacional (Bairro de Ricardo de Albuquerque); Olaria Athletico Club (Bairro de Olaria); Associação Athletica Portuguesa (Centro do Rio).

A estreia no Campeonato da AFRJ, aconteceu no domingo, do dia 30 de junho de 1940, diante do Sport Club Benfica, no campo da A.A. Portuguesa. No final, a Portuguesa foi campeã e o Olaria ficou com o vice.  No final do ano de 1940 a AFRJ foi extinta.

Dia 07 de Julho de 1940 – Olaria 4 x 3 Carris Tráfego

Mas seguiu filiado a LEALCA (Liga de Esportes Atléticos da Light e Companhias Associadas). O time principal jogava a AFRJ, enquanto o 2º Quadros disputava a LEALCA.

 

Campeão do Torneio Início da 2ª Divisão da LEALCA de 1940

Na sexta-feira, dia 17 de maio de 1940, o Carris Tráfego se sagrou campeão do Torneio Início da Segunda Divisão da LEALCA. Na final, empatou sem abertura de contagem, porém venceu o Districto Vila Athletico Club por 2 escanteios a zero. O Carris jogou com: Herculano; Colombo e Manoel; Antonio, Camilo e Jaime; Orlando, José, Guimarães, Euclides e Valter. Técnico: Manuel Cunha.

Após reorganização sai a LEALCA e entra ADECA

Na segunda-feira, do dia 10 de Maio de 1943, a LEALCA (Liga de Esportes Atléticos da Light e Companhias Associadas), controlada pela Companhia de Carris, Força e Luz do Rio de Janeiro Ltda. e companhias associadas passou por um processo de reorganização.

Após a reunião ficou definida a mudança do nome, passando a se chamar ADECA (Associação Desportiva dos Empregados das Companhias Associadas). Os estatutos e regulamentos também foram mudados. Foi reduzido de 17 para 10, o números de clubes filiados, de que a fusão de alguns clubes de menores possibilidades, foi considerado necessário.

Os “Soldados do Tráfego” seguiram participando as competições organizadas pela Light, sob o comando da ADECA, nas décadas de 50 e 60 até desaparecer no final de 60, deixando os fãs do Carris Tráfego Futebol Clube órfãos e saudosos do auri-rubro.

FONTES: A Manhã (RJ) – A Batalha (RJ) – Diário de Notícias – Diário Carioca (RJ) 0 Radical (RJ) – Correio da Manhã – Jornal do Brasil – Jornal dos Sports

 

O Penha Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O Auriverde Suburbano foi Fundado na Sexta-Feira, do dia 14 de Julho de 1916, como Penha Football Club, por um grupo de desportistas da extinta Sociedade Recreativa Fraternidade da Penha, também denominada “Estudantina“. A sua 1ª Sede ficava na Rua Plínio de Oliveira, nº 13 e 15, no Bairro da Penha, na Zona Norte do Rio. Além do futebol, o clube também contava com Ping-Pong (tênis de mesa).

 

História: Nasce o Penha Football Club

A decisão de fundar um novo clube era ter uma sociedade de maior projeção, tendo para isso, desde as primeiras delineações, o imediato apoio do associado Manuel da Silva Lourenço, o ‘Manduca’.

Confiante nos elementos que o cercavam e movido por entusiasmo próprio, pois era merecidamente um dos mais destacados membros da então “Estudantina“, ‘Manduca’ não vacilou em construir com recursos próprios a majestosa Sede.

Convocadas as pessoas que alimentavam esse ideal, todos residentes no bairro da Penha e adjacentes, reuniram-se pela 1ª vez na casa do abnegado Manuel da Silva Lourenço, o ‘Manduca’ na noite da Sexta-Feira, do dia 14 de Julho de 1916, e ali fundaram o clube foi fundado.

Embora muitos tenham assinado a 1ª ata como fundadores, é de justiça destacar entre os 34 que assinaram, os nomes de Josino Lanes Bravo (foi o 1º Presidente), Manuel da Silva Lourenço, Diogo Barroso, Francisco de Paula Nóbrega, Alcebíades de Freitas, Claudionor Ferreira da Silva, Alexandre Nascimento, Manuel Cunha, Augusto de Barros Coelho, Otavio Lima, Cap. Felipe de Castro, Luís Machado, Afonso Vila Franca, José Aguiló, M. Caminha Coelho, Altair Massaferri, José Augusto de Miranda, os quais foram, de fato, os pioneiros da criação do Penha Football Club.

Após a fundação, as atividades redobraram de intensidade, quer na construção do prédio, quer na aquisição de novos associados, de modo que no sábado, do dia 20 de janeiro de 1917, fez-se a inauguração do monstruoso baile da gloriosa memória, vivendo daí o apogeu social do clube.

 

Após uma crise, o clube é reorganizado em 1928

Doze anos depois, o clube sofreu uma sensível crise, extensiva aliás a todas as sociedades do subúrbio, muitas das quais ainda hoje se encontram em sérias dificuldades.

A crise foi agravada pela desinteligência da sua diretoria. Felizmente, porém, no período mais agudo, surge José Baptista Linhares (nascido no dia 31 de janeiro de 19xx), ex-dirigente do Club Carnavalesco Endiabrados de Ramos (ficava na Travessa Barreiros, nº 150, em Ramos), em boa hora proposto para o quadro social pelo “veteranoJosé Pinheiro Júnior.

Desta forma, a agremiação Ouro-esmeralda foi reorganizado em maio de 1928, passando a se chamar Penha Athletico Club. E Linhares, em pouco tempo foi elevado ao cargo máximo num momento desanimador, não teve esmorecimento: combateu todas as dificuldades que se lhe apresentavam, ora organizando festividades de caracteres originais, com instituições de prêmios, para assim manter a frequência já meia combalida, melhorando consideravelmente a música, movimentando o palco com bons espetáculos, enfim, se desdobrando com tal convicção e tirocínio.

A partir o clube saiu da crise e entrou num período de glória e crescimento. Tal feito rendeu prestígio a José Baptista Linhares, seguidas reeleições para o cargo de presidente do Penha Athletico Club.

O clube teve outras sub-sedes, como a provisória, em 1920: Panamá, nº 30, na Penha. Depois na Rua Dr. Weinschenck, nº 39, na Penha; Rua Vinina, nº 59, na Estação da Penha. Rua Montevidéu, nº 243 e 280, na Penha. Rua Custodio Mello, nº 61/63, na Penha, próximo a Estação da Santa Padroeira. Rua Nicarágua, nº 102/ 106/108/110/370 (Sobrado), na Estação da Penha.

Após uma reunião na Sede do Penha F.C.em 10 de Fevereiro de 1921, foi fundada a Liga Leopoldinense de Football (LLF). O Athletico Club Braz de Pinna, União Sportiva, Sport Club Luzitano e o Penha F.C., foram os fundadores da L.L.F.

Depois, em meados dos anos 20, se transferiu para a Associação Sportiva do Rio de Janeiro (ASRJ).

Em 1934, ingressou no Campeonato Carioca da Segunda Divisão, da AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Atléticos). Nesse ano, o clube mandou os seus jogos no campo do Athletico Club Cordovil.

Construção da Praça de Esportes

Em 1932, após fechar um contrato de locação do terreno, de propriedade da Irmandade de Nossa Senhora da Penha, o clube iniciou as obras para a construção da Praça de Esportes.

O projeto constava a construção do campo de futebol, arquibancada, vestiário com chuveiros, uma quadra de basquete, entre outros. A firma responsável pelas execução das obras foi a ‘Casa Sano’. Antes disso, o clube mandava os seus jogos no Largo da Penha.

 

Participou do Campeonato Carioca da Segunda Divisão de 1932 (AMEA), terminou em 11º lugar; 1933 (AMEA), ficou em 2º lugar na chave ‘Série Miguel de Pino Machado‘, porém somente o campeão avançava para a decisão. Em 1934 (AMEA), terminou na 10ª e última posição.

 

FONTES: O Radical – O Paiz - Jornal do Commercio (RJ) – O Imparcial – Correio da Manhã (RJ) – A Rua: Semanario Illustrado (RJ) - A Manhã -
Jornal de Theatro & Sport (RJ) – Jornal do Brasil (JB) – Diário Carioca (RJ) – Jornal dos Sports

 

O Botafoguinho Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Campos dos Goytacazes (RJ). O Alvinegro Campista foi Fundado no dia 28 de Fevereiro de 1930. A sua Sede fica localizado na Rua Principal, s/n, em Imbé – Morangaba, em Campos dos Goytacazes. Clube filiado a Liga Campista de Desportos (LCD).

História do lendário: Mão de Onça

O futebol campista sempre foi um celeiro de grandes jogadores que ganharam destaque no Brasil e mundo. Alguns exemplos: Didi, o ‘Folha Seca’Acácio (goleiro que esteve presente na Copa do Mundo de 1990)Odvan (zagueiro que jogou no Vasco e Seleção Brasileira) - zagueiro Célio Silva (jogou no Corinthians, Internacional/RS, Seleção Brasileira)Amarildo, O ‘Possesso’ (campeão pela Seleção Brasileiro em 1962)  - entre dezenas de outros ídolos campistas.

Mas o futebol não é uma ciência exata! Nem todos os jogadores talentosos conseguem chegar no ápice, jogando em grandes clubes, faturando grana, títulos e prestigio. Às vezes, a “linha tênue” entre o anonimato e o sucesso pode ser a “sorte“. Aquele momento onde a pessoa está no lugar e na hora certa!

Porém, independentemente, se o atleta consegue passar essa “linha tênue“, o talento merece ser lembrado. Sabemos que descobrir aqueles talentos que não alcançaram o estrelado é uma missão quase impossível.

E para chegarmos nessas historias necessitamos da colaboração das pessoas que entendem a importância de deixarmos o legado de seus ídolos e/ou entes queridos!

Nessa postagem contaremos um pouco a história do goleiro Mão de Onça, que defendeu as cores do Botafoguinho, na década de 40. Natural de Campos dos Goytacazes, João Batista Mota, o “Mão de Onça“, nasceu na terça-feira, do dia 26 de Janeiro de 1926.

Um goleiro ágil e de reflexos apurados, ainda muito novo, já ganhou a camisa de titular do Botafoguinho. Mesmo diante de jogadores com o dobro de sua idade, demonstrava coragem e personalidade para fazer grandes defesas e impressionar os seus fãs.

Os anos 40, foram agitados, pois foi um período onde a Segunda Guerra Mundial, colocava um ponto de interrogação sobre como seria o futuro? Foi uma época que mexeu demais com os .jovens. Mesmo sem idade para ingressar no Exército, “Mão de Onça” não pensou duas vezes e se colocou como voluntário, mas acabou não sendo convocado por ainda não ter completado 18 anos.

Mesmo depois do final da Segunda Guerra, “Mão de Onça” acabou servindo o Exército. Mesmo nesse período, seguiu jogando e defendendo as cores do Botafoguinho. Naquela época os clubes da cidade do Rio, buscavam jogadores de meio-campo e ataque para reforçarem as suas equipes.

Uma injustiça, pois o futebol campista era repleto de grandes arqueiros, entre eles: “Mão de Onça“. Apesar do futebol ser uma paixão, o militarismo também se transformou numa paixão.

Então, na década de 50, “Mão de Onça” sabia que era preciso escolher um caminho para poder dar uma segurança e conforto a sua família. Assim, decidiu se mudar para São Gonçalo e iniciar uma carreira de policial. A partir daquele momento o futebol perdeu um grande goleiro, mas os cidadãos gonçalenses ganharam um exemplo de policial militar, que dedicou a sua vida ao trabalho de forma correta e justa.

Mão de Onça” faleceu em 1990, aos 64 anos. Apesar de não ter conhecido o avô, Daniel Dinucci fala com carinho: “Era uma pessoa querida, um profissional dedicado. Quem o viu jogar dizia que ele era um dos melhores! Infelizmente não tive a honra de conhecê-lo. Espero que essa história fique como um tributo ao meu avô“, disse Daniel.

FONTES & FOTOS: Blog da Liga Campista de Desportos (LCD) – Acervo de Daniel Dinucci

 

A Associação Petropolitana de Sports (APS) foi uma entidade desportiva da cidade de Petrópolis, localizado na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. Fundado na terça-feira, do dia 30 de Julho de 1918. Ao contrário das cores aurianil, a primeira combinação escolha foram o vermelho e branco. A sua Sede ficava na Avenida Independência, nº 80 (Sobrado) – Centro, de Petrópolis.

 

FONTES: Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ)

 

O Clube Atlético Frigorífico de Nilópolis foi uma agremiação da cidade de Nilópolis (RJ). A “Fúria Nilopolitana” foi Fundado na década de 40, como Clube Atlético Frigorífico Iguaçu, por funcionários da Companhia Frigorífico Iguaçu S.A.

A sua Sede e o seu Estádio ficavam localizados na Rua Coronel Nicolau Rodrigues, 2.709, em Nilópolis. Aliás, o clube inaugurou o seu Estádio, batizado de ‘Dr. José Gonçalves de Sá’, no Domingo, do dia 18 de Fevereiro de 1951.

Na ocasião enfrentou e venceu o Vasco da Gama Nilopolitano por 4 a 2. Tatu, Valdir, Geraldino e Bira marcaram para o Fúria Nilopolitana, enquanto Delmo e Geraldino marcaram para a “Equipe Fantasma“. O Frigorífico Iguaçu jogou assim: Nandi; Salgueiro e Bill; Galego,  Luiz Ganso e Lino; Tatu, Valdir, Geraldino, Bira e Nelsinho.

Tricampeão Citadino

As competições no município tiveram início em 1949, a partir da criação da Liga Nilopolitana de Desportos (LND), fundada em 21 de janeiro daquele ano. Os quatro primeiros anos, uma equipe se destacou de forma contundente: Clube Atlético Frigorífico Iguaçu.

Em 1949, 1951 e 1955, faturou o Tricampeonato Nilopolitano. Em 1950 e 1952, ficou com o vice-campeonato Citadino. Em 1950, ficou atrás do Flamenguinho, que ficou com o título de forma invicta. Em 1952 o Vasco da Gama Nilopolitano foi o campeão Nilopolitano.

Nesse meio-tempo, se sagrou Campeão do Torneio Início de Nilópolis de 1950, realizado no campo do Nova cidade. No 1º jogo, o Frigorífico Iguaçu venceu o Flamenguinho por 2 a 0. Na segunda fase, novo triunfo. Dessa vez, diante do Universal pelo placar de 1 a 0.

Nas semifinais, o Frigorífico Iguaçu superou o Central, apenas na disputa de pênaltis, na terceira tentativa. Na grande final, uma contundente atuação, o Frigorífico Iguaçu goleou o Palmeiras por 4 a 0, faturando o caneco.

O Frigorífico Iguaçu jogou assim: Jair; Salgueiro e Bill; Lese, Demas e Mandi; Geraldino, Valdir, Arildo, Bira e Nelsinho.

Em 1951, o Frigorífico Iguaçu foi Bicampeão do Torneio Início de Nilópolis de 1951, realizado no campo do Nova cidade. Na final, derrotou o Central de Nilópolis pelo placar de 2 a 1.

Em 1954, foi criada a Quarta Zona de profissionais fluminenses, com a participação do Esporte Clube Nova Cidade e Clube Atlético Frigorífico Iguaçu, ambos de Nilópolis; Sport Club Belford Roxo, de Nova Iguaçu; São Pedro Futebol Clube, de São João de Meriti; São Luiz e Luzitano, de Duque de Caxias.

Nos anos 70, já com o nome de Clube Atlético Frigorífico de Nilópolis participou de algumas edições da Copa Arizona. Na edição de 1978, o time teve um jogador que foi o goleador máximo: o atacante Delmo da Silva.

FONTES: A Noite – Jornal dos Sports – Diário de Notícias

 

 

 

A Associação Serrana de Esportes Athleticos (ASEA) foi uma entidade da cidade de Nova Friburgo, situado na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. Fundado na segunda-feira, do dia 10 de Agosto de 1925, a entidade foi a precursora do futebol friburguense. As suas cores era o preto e branco.

História

A criação da liga de esportes na cidade de Nova Friburgo, foi uma grande realização numa noite fria da segunda-feira, do dia 10 de agosto de 1925. A reunião aconteceu no antigo prédio da Caixa Rural (atual edifício do Fórum), onde estiveram presentes os seguintes representantes:

Friburgo Football Club;

Esperança Football Club;

Fluminense Athletico Club;

Sport Club Sírio-Libanês ( Clube Sírio-Libanês, patrocinado pela colônia de libaneses).

A 1ª Sede ficava num imóvel ao lado do solar do Barão de Nova Friburgo. A ASEA existiu por 22 anos, quando em 1942, a entidade alterou o nome, passando a se chamar: Liga Friburguense de Desportos (LFD), que existiu por 68 anos. Em 2015, quando a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), desfilou a LFD.

Com isso, a surgiu uma nova entidade: a Liga Nova Friburgo de Desportos (LNFD), Fundada na sexta-feira, do dia 23 de Janeiro de 2015. A nova entidade terá apoio financeiro a nível estadual e federal, e a diretoria tem mandato de quatro anos e funcionará na sede doada pela Prefeitura de Nova Friburgo, na Avenida Alberto Braune, 223, Centro, (antiga sede da ex-Liga Friburguense de Desportos). Atualmente, Atualmente a sua Sede fica localizada na Praça Presidente Getúlio Vargas, nº 105, no Centro de Nova Friburgo.

Os clubes que fazem parte da fundação da nova entidade são: Friburgo Futebol Clube, Esporte Clube São Pedro, Botafogo, Saudade, Lumiar, Stucky e Associação de Futebol Amador do Zaga.

A diretoria da Liga Nova Friburgo é composta por Luciano Faria (presidente); Nain Rocha (vice-presidente); Jailson  Bernardo Silveira (secretário); e Rodrigo Rimes Miranda (tesoureiro).

A Liga Friburguense de Desportos chegou a ter dezenas de clubes filiados como: Roqueano Social Clube, Nova Friburgo Futebol Clube, Friburguense, Sociedade Esportiva Friburguense, Associação Atlética Banco do Brasil, Saudade, Santa Luzia, São Pedro, Serrano, Fluminense, Esporte Clube Filó, Conselheiro, Esperança, Cascatinha, Friburgo Futebol Clube, Nova Friburgo Country Clube, Grêmio Esportivo Friburguense.

 

FONTES: “Trabalho, Greves e Futebol: Luta, Identidade e Sociabilidade na Formação da Classe Trabalhadora Friburguense (1911-1933), de Victor Emrich – Jornal A Voz da Serra – Jornal da Região – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – Página no Facebook “História de Nova Friburgo” – A Rua : Semanario Illustrado (RJ).

 

O Sport Club Rio Branco foi uma agremiação da cidade de Petrópolis (RJ). O Alvinegro foi Fundado na quinta-feira, do dia 23 de Abril de 1925, na residência particular do distinto sportman Manoel José Gonçalves.

Sem especificar os cargos, a 1ª Diretoria foi constituída pelos seguintes membros: Manoel José Gonçalves, José Ansero Fecher, João Ernesto Schussler e Mario Ficher.

A sua elegante Sede está situada na Rua Montecaseros, s/n, no Centro de Petrópolis. Já a sua Praça de Esportes ficava no Bairro do Bingers. Além do futebol, o clube também contava com uma bem cuidada seção de ginástica.

Ainda em 1925, o Rio Branco se filiou a Associação Petropolitana de Sports (APS) e, logo, na sua primeira temporada, após 12 jogos, terminou com o vice-campeonato Petropolitano.

Em 1926, com apenas uma derrota e um empate, levantou a taça de campeão do Campeonato Petropolitano, tanto no Primeiro quanto no Segundos Quadros.

Em 1927, outra bela campanha, ao terminar o Campeonato Citadino na 3ª colocação, obtendo no “Torneio de Caridade” o título de campeão. Em 1928, se manteve entre os primeiros. Fechou o Campeonato Citadino e o “Torneio de Caridade“, ambos na 2ª colocação.

Em 1929, o Sport Club Rio Branco se ausentou do Campeonato Petropolitano, por motivos de ordem interna. Em 1932, foi vice-campeão do Torneio Início de Petrópolis.

FONTES: Diário de Notícias – Jornal dos Sports

 

FONTES: Jornal A Noite - Diário A Noite

 

O Santa Cruz Futebol Clube é uma agremiação o Município de Riachuelo (SE). A sua Sede está localizada na Rua Santa Cruz, nº 79, no Bairro do Riachuelo, no município homônimo. Com uma população de 9.351 habitantes (segundo o Censo do IBGE/2010), Riachuelo fica a cerca de 23 km da capital sergipana de Aracaju. O Santa Cruz será uma das novidades para o Campeonato Sergipano da Série A-2 (Segunda Divisão) de 2018, organizado pela Federação Sergipana de Futebol (FSF). FONTES: Página do clube no Facebook – Wikipédia – Homero Queiroga

 

O América Esporte Clube é uma agremiação o Município de Pedrinhas (SE). A sua Sede está localizada na Avenida Jacira, s/n, no Centro de Pedrinhas. Com uma população de 8 833 habitantes (segundo o Censo do IBGE/2010), Pedrinhas  fica a cerca de 89 km da capital sergipana de Aracaju.

Após quase ter debutado no Campeonato Sergipano da Série A-2 (Segunda Divisão) de 2017, organizado pela Federação Sergipana de Futebol (FSF), esse ano a estreia está assegurada.

FONTES: Página do clube no Facebook – Wikipédia – Homero Queiroga

 

No início da década de 70, tanto o Grêmio Esportivo Flamengo como o Esporte Clube Juventude, ambos da cidade de Caxias do Sul (RS), passavam por um período difícil financeiramente.

Em uma tentativa de reverter a situação desfavorável, os dois clubes rivais decidem unir forças para superar a crise. Assim, na terça-feira do dia 14 de Dezembro de 1971, era Fundado a Associação Caxias do Sul de Futebol. No entanto, o novo clube teve uma vida efêmera, pois em 1975, a união foi desfeita.

FONTES: Bruno Doncatto Bareta – Revista Placar – Rosélio Basei

 

O Clube Atlético Cravinhos é uma agremiação centenária da cidade de Cravinhos (SP). A equipe Alvirrubra foi Fundada no dia 12 de Julho de 1906. A Sede e o  Estádio J. D. Martins (capacidade para 3200 pessoas), ficam localizados na Rua Dona Ignácia, nº 396, no Centro de Cravinho.

Após décadas disputando o Campeonato Citadino, o Cravinhos participou do Campeonato Paulista do Interior de 1944. A sua 1ª e única participação na esfera profissional, aconteceu 46 anos depois, quando disputou o Campeonato Paulista da 4ª Divisão de 1990.

A competição teve a participação de 26 clubes, dentre as quais o Andradina FC, Guarani Saltense AC, José Bonifácio EC, União Suzano AC; a AA Ranchariense, A Monte Azul, AD São Caetano, AA Severínia, entre outros clubes da época.

A equipe Alvirrubra ainda esteve presente em duas edições do Campeonato Paulista Amador: 2005 e 2006. Na 1ª edição, o Clube Atlético Cravinhos enfrentou no seu grupo: Clube Atlético Bandeirante (acabou ficando com o título de 2005); Bonfim Paulista; Orlândia; Santo Antonio da Alegria; Serrana; Brodowski Futebol Clube e o Real-Jardinópolis.

Em 2008 o Cravinhos disputou a 14º Campeonato Amador Regional 2008, organizado pela liga Brodowskiana de Futebol (filiada a Federação Paulista de Futebol).

Atualmente, o clube tem uma categoria de base muito forte na cidade, disputando vários campeonatos regionais, contra equipes do interior paulista, além de ser filiado a Liga Brodowskiana de Futebol (LBF).

FONTES: Página do clube no Facebook – Rsssf Brasil

 

O Rafard Clube Atlético foi uma agremiação do Município de Rafard, que fica a 142 km da capital do estado de São Paulo. Com uma população de 9.004 habitantes (segundo o Censo do IBEGE de 2015), Rafard ganhou Status de município em 1965.

Já o “Elefante da Ituana” ou “RCA” foi Fundado na quarta-feira, do dia 08 de Dezembro de 1943, por meio da fusão de duas tradicionais equipes da cidade: o Elite Futebol Clube e o União Rafardense Futebol Clube.

Lembrando que o Rafard Clube Atlético nasceu a localidade ainda era um Distrito de Capivari. As suas cores:  verde, branco e preto. A sua Sede (ficava dentro da Usina Rafard) o Estádio Usina Rafard, ficavam localizados na Rua Engenho (próximo à Estação Ferroviária da antiga Estrada de Ferro Sorocabana), s/n, no Centro de Rafard.

O Estádio Usina Rafard possuía campo de futebol com muros, alambrados, refletores, marcador, vestiários, dependência para acomodar atletas, quadra de esportes e até mesmo um parquinho para as crianças. O grande rival era o Capivariano.

A 1ª competição de destaque, no qual o clube disputou foi o Campeonato Paulista do Interior, em 1946. Oito anos depois, a diretoria profissionalizou o departamento de futebol, em 1954 e até 1963, onde representou a cidade no Campeonato Paulista de Futebol.

Na esfera profissional, o Rafard C.A. participou cinco vezes das divisões de acesso do futebol de São Paulo. Esteve presente no Campeonato Paulista da Terceira Divisão: 1954 e 1959. No Campeonato Paulista da Quarta Divisão: 1960, 1961 e 1963.

 

FONTES: Wikipédia – Página no Facebook “Rfm Rafard” – O Semanário

 

O São João Futebol Clube (atual: São João Tênis Clube) foi uma agremiação da cidade de Atibaia (SP). A sua Sede está localizada na Praça Roberto Gomes Pedrosa, nº 38, no Bairro da Cidade Satélite, em Atibaia. Fundado no domingo, do dia 02 de Fevereiro de 1930, através da incansável luta de um apaixonado pelo esporte: Menotti Barca.

Ele reuniu os companheiros e, homenageou o clube com o nome do padroeiro da nossa cidade: São João. De acordo com a ata da fundação, a primeira assembléia foi realizada no campo de futebol situado a Caixa d’ água, pois o clube não tinha sede própria.

Confira os nomes dos Sócio-fundadores e a 1ª Diretoria:

Presidente - Menotti Barca;

Vice-Presidente - Juvenal Aguirre;

1° Secretário - Benedicto Bartholomeu;

2° Secretário - Benedito Leite;

1° Tesoureiro - Benedito Albino de Oliveira;

2° Tesoureiro - Silvano Chiochetti;

Diretor Esportivo - Thomaz Dos Reis Cardoso De Almeida;

2° Diretor Esportivo - José Pires Alvim.

 

Assim, durante muitos anos, o clube funcionou com o campo de futebol, que, segundo pessoas que vivenciaram aquela época, possuía excelente infra-estrutura, com ótimo gramado, vestiários e sala de imprensa. O clube também possuía um salão de baile na Rua José Alvim (calçadão), onde também passou a funcionar a sede social.

Em seu livro Terra de Jerônimo, Gilberto Sant’ Anna cita: ‘’(…) a pelota corria solta pelos gramados do (atual) São João Tênis Clube e Grêmio Esportivo  Atibaiense (…) O Leão e o Galo, respectivamente, revezavam-se nas vitórias, festejadas nas ruas com muito barulho’’.

 

Foto da década de 60

Duas participações na esfera profissional

Em virtude da cidade ser conhecida pelo seu excelente clima e o clube ter o melhor campo gramado da região, hospedou os principais times profissionais de futebol da divisão especial, inclusive a seleção brasileira para treinamento em suas dependências. Nas décadas de 40 e 50 o clube recebeu diversas taças em campeonatos intermunicipais, e passou por uma fase maravilhosa. Mas a população de Atibaia começou a mudar, o futebol amador  entrou em declínio e também o clube.

Em 1969, alguns inconformados com o desaparecimento do São João, resolveram transformá-lo em clube de campo, para atender os novos interesses da sociedade. Embora não tenha sido fácil, aos poucos o prestígio do clube foi se restaurando. Vieram novos sócios, novas atividades esportivas e de lazer, e o clube começa a se reerguer.

Na esfera futebolística, participou do Campeonato Paulista do Interior de 1944. Em 27 de Abril de 1963, o clube recebeu da Prefeitura de Itatiba, a importância de Cr$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil cruzeiros), para a reforma da Praça de Esportes.  O motivo dessa ajuda financeira foi o fato de o São João ter disputado o Campeonato Paulista da Quarta Divisão de 1963 e 1965.

 

1971: Clube muda de nome

O Tênis, na época considerado ‘’de elite’’ foi implantado no então São João Futebol Clube pelo Sr. Ramiro Simões Lopes, um apaixonado pela modalidade esportiva. O clube passava por várias dificuldades financeiras, existia até a idéia de se lotear uma parte do clube. O então presidente, Moacyr Zanoni, resolveu apoiar o Sr. Ramiro e o novo esporte.

Como não havia dinheiro para a construção das quadras, o Sr. Ramiro passou a pedir doação de material para os amigos, e ele mesmo, com a ajuda de dois serventes, limparam o terreno. Para tanto, nada recebia, apenas o clube pagava os pedreiros. No dia 1° de maio de 1972 as duas quadras foram inauguradas e no ano seguinte a escolinha já funcionava.

O clube passa então a se chamar São João Tênis Clube, e renasce para uma nova fase. Cada diretoria, cada administração, colaborou para que o clube se transformasse no que é hoje.

FONTES & FOTO: Rsssf Brasil – Site do clube – Acervo de Claudio Lourenço de Oliveira

 

O Esporte Clube Santana é uma agremiação da cidade de Itapeva (SP). O 1º registro da prática de futebol em Faxina (atual Itapeva) e o surgimento do primeiro time de futebol da cidade. No dia 08 de Fevereiro de 1914, nascia o Faxinense Foot-Ball Club. O jornal O Tempo (Edição nº. 631) assim noticiou:

Com esse nome fundou-se nesta cidade um club, que tem em vista o desenvolvimento do sport entre nós. A directoria ficou assim constituída:

Director: Antonio de Carvalho, Secretario: Augusto do Canto, Thesoureiro: José Ribeiro, Captain: Vandico Fleury.

O captain pede por nosso intermédio o comparecimento de todos os jogadores, hoje as 12 horas da manhã, no campo do F.F. Club, para que seja disputado um macht entre o 1° e o 2° team.

A directoria convida a todos os amantes destes sport a assistirem este grande ‘macht’ onde servirá de juiz o sr. Gazinho Fleury”.

Nos idos anos de 1930 à 1938, por meio da dedicação de alguns abnegados jovens, dos quando Itapeva ainda se chamava Faxina Foot-Ball Club.

A criação da equipe se deu como, obviamente, acontecia com muitas equipes, surgidas das várzeas. Dificuldade para compra de uma bola, tão somente uma que servia para os treinos semanais e o jogo, quando acontecia aos domingos.

Então, Esporte Clube Santana foi Fundado na quarta-feira, do dia 23 de agosto de 1939, mais uma vez, um grupo de jovens, agora como uma sociedade.

A sua Sede do Alvinegro Santanista fica na Avenida Epaminondas Ferreira Lôbo, nº 197, no Centro de Itapeva. O Esporte Clube Santana mandava os seus jogos no Estádio dos Eucaliptos (atual: Estádio do Itapeva Clube), situado na Rua José Pinheiro de Carvalho, nº 65, no Centro de Itapeva.

O Santana participou do Campeonato Paulista do Interior, de 1947. Debutou na esfera profissional, no Campeonato Paulista da Terceira Divisão (atual A3), em quatro edições: 1963, 1964, 1965 e 1966. Esteve presente em uma edição do Campeonato Paulista da Quarta Divisão, em 1962.

 

FONTES: Acervo de Neuza Weizani - Wikipédia – Jornal O Tempo – Página do clube no Facebook – Blog Esporte Clube Santana

 

Há relatos e fotos da cidade de Poxoréu (MT), onde um clube homônimo existe, no mínimo, desde a década de 30. A 1ª foto encontrada em setembro de 1939, com um time chamado: Poxoréu Sport Club. Cinco anos depois, outra foto. Desta vez de uma equipe posada, com o nome de Esporte Clube Poxoréu.

Por fim, a agremiação que existe até os dias de hoje: Poxoréu Esporte Clube, fundado na sexta-feira, do dia 29 de Novembro de 1957. Vamos apresentar como era o escudo e uniforme de cada clube. Em comum, além de levar o nome da cidade, as cores: vermelho e preto.

Por fim: Poxoréu Esporte Clube.

Essa Foto (acima) é o time do Poxoréu Esporte Clube Campeão do ano de 1962.


Nesta Foto (acima): Juarez da Cruz Xavier (Dedé) a esquerda, no meio Déquinha e a direita Almindo Pereira da Silva.

FONTES: Blog do Jajá – Vida Esportiva

 

Há relatos e fotos da cidade de Poxoréu (MT), onde um clube homônimo existe, no mínimo, desde a década de 30. A 1ª foto encontrada em setembro de 1939, com um time chamado: Poxoréu Sport Club. Cinco anos depois, outra foto. Desta vez de uma equipe posada, com o nome de Esporte Clube Poxoréu.

Por fim, a agremiação que existe até os dias de hoje: Poxoréu Esporte Clube, fundado na sexta-feira, do dia 29 de Novembro de 1957. Vamos apresentar como era o escudo e uniforme de cada clube. Em comum, além de levar o nome da cidade, as cores: vermelho e preto.

Agora vem o Esporte Clube Poxoréu.

FONTE: Vida Esportiva

 

O Caiçara Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Campo Maior (PI). O “Leão da Terra dos Carnaubais” foi  Fundado na quarta-feira, do dia 20 de Janeiro de 1954. Porém, a Federação de Futebol do Piauí (FFP) reconhece a data de fundação em dia 27 de fevereiro de 1954.

A sua Sede está localizada na Rua José Olímpio, nº 14 (casa), no Centro da cidade. A equipe alvirrubra manda os seus jogos, no Estádio Deusdeth Melo com Capacidade de 4 mil pessoas, na cidade de Campo Maior.

Na década de 50, a cidade de Campo Maior tinha sua economia bastante influenciada pelo contexto do fim da Segunda Guerra Mundial. A chamada Casa Inglesa, além de outros artefatos em geral, fazia o comércio regional e a exportação do produto local de maior valor comercial neste período: a cera de carnaúba. Por volta de março de 1952, instalou-se, em Campo Maior, a Casa Morais.

Esta nova loja, que vendia produtos semelhantes e concorria de forma direta com a Casa Inglesa, acabou atraindo alguns trabalhadores insatisfeitos com as condições de trabalho da Casa Inglesa. Coincidência ou não, boa parte destes trabalhadores ou eram jogadores ou faziam pare da diretoria do maior time local da época, o Comercial Atlético Clube.

Incentivados por Francisco José de Caracas – gerente da Casa Morais – estes homens resolveram fundar outro time de futebol para a cidade. Nomes como os de Fernando Vilhena, Chico Barros, Ângelo Matos, Zé Meleira, José Epifânio de Souza (Zeca) e Wilson de Araquém, Raimundo Estacial entraram para a história da fundação do Caiçara Esporte Clube, como componentes da 1º Diretoria do recém criado time.

A sugestão do nome “Caiçara” partiu de Fernando Vilhena, e logo teve boa aceitação entre os diretores e primeiros simpatizantes da ideia. A ata oficial da fundação do Caiçara Esporte Clube data do dia 27 de fevereiro de 1954. Alguns fatos curiosos marcam a sua fundação, como a saída espontânea de muitos jogadores do Comercial para jogar no Caiçara. Entre os nomes, estão os de Zé Costa, Pires, Murilo, Perciliano, Mucura e Pé-de-pato.

Por muito tempo o Caiçara tinha suas despesas custeadas pela Casa Morais, através de um esforço pessoal de Francisco Caracas. A estreia do Caiçara acabou sendo derrotado pelo Comercial, por 5 x 2.

Após alguns jogos do time, o Caiçara já apresentava uma numerosa torcida que baseada na garra e perseverança observadas no time, logo batizou-se de “O Leão da Terra dos Carnaubais“.

Na Sala de Troféus, o Caiçara Esporte Clube possui o título da Copa do Bicentenário de Campo Maior, em 1960. Três anos depois se sagrou campeão do Campeonato Piauiense da Segunda Divisão, de 1963. No mesmo o ano debutou na Elite do Futebol Piauiense e, de cara, terminou com o vice-campeonato de 1963.

O clube também terminou em 2º lugar no Campeonato Piauiense da 1ª Divisão, em outras duas oportunidades: 1990 e 1995. Também conta no seu currículo dois vices-campeonatos da Segundona Piauiense: 2007 e 2017. Também se sagrou Bicampeão do Torneio Irineu Oliveira: 1993 e 1994.

Em 1991, o Caiçara participou pela primeira vez da Copa do Brasil. No entanto, não tem boas lembranças. Pela 1ª fase, após perder, em casa, para o Atlético Mineiro por 1 a 0, na volta, acabou sendo massacrado pelo incrível placar de 11 a 0.

O jogo aconteceu no Estádio Independência, na noite da quinta-feira, do dia 28 de Fevereiro de 1991. Os gols foram marcados por Gérson, autor de cinco gols; Marquinhos, três vezes; Edu Zanelo, duas vezes; Sérgio Araújo, um tento.

 

FONTES: Wikipédia – Futpedia.Globo – Página do clube no Facebook – Revista do Esporte

 

O Cabral Futebol Clube foi uma agremiação oriunda do Município de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Fundado na terça-feira, do dia 21 de Novembro de 1967. A sua Sede ficava localizado no Bairro Cabral,em São José dos Pinhais.

Por 25 anos, o clube viveu e participou das competições na esfera amadora. No entanto, em 1992, o Cabral decidiu investir no futebol profissional. No mesmo ano debutou no Campeonato Paranaense da Segunda Divisão (na pratica, equivalia a Terceirona).

O Cabral Futebol Clube ficou no Grupo B, ao lado do ParanavaíCoronel Vivida, Caramuru, Iraty e Nacional. A equipe ficou na 4ª posição, com apenas sete pontos em oito jogos: foram duas vitórias, três empates e três derrotas; marcando oito gols, sofrendo 11 e um saldo negativo de três. Dessa forma acabou ficando de fora do Hexagonal Final.

A equipe rubro-negra realizou o seguintes jogos:

Domingo, dia 09/08/1992

Nacional

2

X

1

Cabral

Domingo, dia 16/08/1992

Cabral

0

X

0

Paranavaí

Domingo, dia 23/08/1992

Cabral

1

X

1

Iraty

Domingo, dia 30/08/1992

Caramuru

1

X

2

Cabral

Domingo, dia 13/09/1992

Cabral

2

X

0

Nacional

Domingo, dia 20/09/1992

Paranavaí

3

X

0

Cabral

Domingo, dia 27/09/1992

Iraty

3

X

1

Cabral

Domingo, dia 04/10/1992

Cabral

1

X

1

Caramuru

Há na internet um escudo, nas cores em verde e branco, que é atribuído ao Cabral Futebol Clube. Obviamente em se comparando com o distintivo de 1992, é diferente, tanto nas cores como no modelo do escudo.

Como há poucas informações dessa agremiação, ficam algumas questões: o escudo alviverde existiu e foi alterado? Será que esse é o único legitimo evidentemente há muitas possibilidades. Esperamos encontrar outras informações e assim, equacionarmos essas lacunas.

FONTES: Mercado Livre – RSSSF Brasil

 

O Villa Guarany Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Rubro-Negro” foi Fundado no dia 13 de Julho de 1915, por um grupo de jovens desportistas da Villa Guarany, em frente da Rua da Praia Formosa. A sua Sede e a Praça de Esportes ficavam localizados na Rua Coronel Pedro Alves (antiga Rua da Praia Formosa), nº 287, no Bairro de Santo Cristo – Rio de Janeiro.

A conquista mais expressiva aconteceu no ano de 1917, quando o Rubro-Negro foi o Campeão da Liga Municipal de Football (LMF). O Villa Guarany atuou com a seguinte formação: Armando; Cabral e Nogueira; Hortencio, Dantas e Rubens; Carmos, Newton, Silva e Gabriel. Também esteve presente no certame da LMF em 1918.

FONTES: O Paiz – A Razão – Jornal do Brasil – Vida Sportiva

© 2018 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha