O Sport Lagoa Seca é uma agremiação do Município de Lagoa Seca, localizado na Região Metropolitana de Campina Grande, estado da Paraíba. Sua população em 2016 foi estimada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 27.398 habitantes, distribuídos em 109 km² de área.

O “Carneiro da Borborema” foi Fundado em 2007 (se profissionalizando em 2010), com o nome de Sport Club Campina Grande cidade de Campina Grande. A decisão de alterar o nome e mudar de cidade aconteceu no último sábado, do dia 28 de julho de 2018.

A diretoria do clube que participará do Campeonato Paraibano da Segunda Divisão desse ano, justificou as mudanças por conta de uma parceria fechada com a prefeitura de Lagoa Seca.

Além de carregar o nome da cidade vizinha de Campina Grande, o time terá como missão formar as crianças e adolescentes do município através do trabalho com o esporte. Segundo a diretoria do clube através da presidenta Khésia Suille, um centro de treinamento já está sendo construído. Khésia também relatou que o desejo de mudança é antigo.

Nosso estabelecimento na cidade de Lagoa Seca já era um desejo antigo, mas que só veio se concretizar na atual gestão municipal. O Prefeito Fábio Ramalho nos abriu as portas da cidade e tem nos dado total apoio, sabendo que essa parceria irá gerar emprego e renda para o município“, afirmou a presidente do clube, Khésia Suille.

O time terá uma sede fixa na cidade além do CT. Com a mudança o time que vai participar da Segundona do Paraibano deverá mandar seus jogos no Estádio Municipal Francisco Luiz de Seca, mais conhecido como O Titão.

Lagoa Seca terá, pela primeira vez, um clube profissional que representará a cidade na competição estadual. O elenco profissional contará com jogadores locais e deve iniciar os trabalhos visando o campeonato no próximo mês de agosto.

Breve histórico

A equipe começou como uma escolinha de futebol, atuando nas categorias sub-15, sub-17 e sub-21, tornando-se um clube profissional no ano de 2010. Seu primeiro jogo como equipe profissional foi em 27 de maio de 2012 contra o Treze, que venceu por 2 a 0. Em jogos oficiais, o debut foi em julho do mesmo ano, contra a Desportiva Guarabira, que aplicou 6 a 1 na primeira rodada do Campeonato Paraibano de Futebol.

Em 2014, teve sua primeira participação no Estadual da 1ª Divisão, como equipe convidada, juntamente com a Queimadense, para substituir Esporte e Nacional de Patos, que desistiram. Foi rebaixado, com apenas um empate e 13 derrotas, tendo o segundo pior ataque da competição (10 gols), ficando na frente apenas da Queimadense, que marcou um gol a menos.

Sofreu a maior goleada do campeonato ao perder para o CSP por 9 a 0. Seu único ponto foi conquistado em um empate de 0 a 0 contra a Queimadense na 1ª rodada. Durante a campanha, o Sport recebeu 150 mil reais de patrocínio da Prefeitura de Campina Grande.

Em 2016, a equipe firmou uma parceria com o Corinthians USA para jogar o Campeonato Paraibano da Segunda Divisão. O clube também aproveitou jogadores da equipe sub-19 do Treze. Em 18 de setembro, o Carneiro da Serra conquistou a primeira vitória de sua história ao derrotar o Serrano por 1 a 0, no Estádio Presidente Vargas, com gol marcado pelo atacante Júlio.

Terminou a primeira fase do seu grupo, o Grupo do Agreste, como 2º colocado, estando à frente do Lucena e atrás do Serrano, garantido portanto sua classificação para as Quartas. Foi eliminado pelo Nacional de Patos, empatando sem gols em casa na partida de ida, e perdendo na volta por 4 a 1.

Em 2017, a competição contou com a participação de 10 equipes, divididas em três grupos (Litoral, Agreste e Sertão). O Sport Club Campina Grande ficou no Grupo Agreste, juntamente com Perilima e Picuiense. No final, o clube terminou na liderança com 10 pontos (quatro jogos, com três vitórias e um empate; marcando nove gols, sofrendo dois, saldo de sete).

Nas Quartas de Final, no jogo de ida, o Carneiro da Serra arrancou um empate em 1 a 1, fora de casa, diante do Spartax. No jogo da volta, o Sport goleou por 3 a 0, avançando para a fase seguinte. Contudo, na Semifinal, o Sport perdeu, em casa, para a Desportiva Guarabira por 2 a 1. No jogo da volta, nova derrota por 3 a 0, dando adeus ao sonho do acesso.

 

FONTES: Wikipédia – GloboEsporte.com – Página do clube no Facebook – Homero Queiroga

 

O Standard Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 10 de Março de 1927, por funcionários da Standard Oil Company of Brazil.

No Brasil, a marca Esso também está presente e foi adquirida pelo Cosan. A empresa veio para o país em 17 de janeiro de 1912, com a autorização do presidente Hermes da Fonseca (governou entre 15 de novembro de 1910 a 15 de novembro de 1914), para instalar-se no país. Na época, veio sob o nome Standard Oil Company of Brazil, distribuindo gasolina e querosene, vendidos em tambores e latas.

A sua Sede administrativa ficava localizado no Edifício Standard, na Avenida Presidente Wilson, nº 118 / 2º andar, no Centro do Rio. O nº de Telefone era: 22-2100. O clube Tricolor possuía as seguintes cores: azul, branca e vermelha.

No mesmo ano da sua fundação (1927), o Standard se filiou na Federação Athletica Bancária e Alto Commercio (FABAC). No mesmo ano foi o campeão do Campeonato de Football. Depois se desligou da FABAC, retornando para a mesma em 1933. O grande momento aconteceu ao faturar o Tricampeão, em 1934, 1935 e 1936.

O Standard Football Club ajudou a Fundar na quinta-feira, do dia 17 de Junho de 1937, a Liga Commercial e Industrial de Football (LCIF). Ainda em 1937, o clube participou do III Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF).

No domingo, dia 18 de Abril de 1937, enfrentou o Sport Club Ideal, do Bairro de Parada de Lucas, na Zona Norte do Rio, às 1530min, no Estádio das Laranjeiras (propriedade do Fluminense Football Club).

A partida teve arbitragem de Carlos Milistein (LCF). Porém, o Standard acabou sendo derrotado por 5 a 3, resultando na sua eliminação precoce no Torneio na esfera profissional.

Time de 1934: Perini; Braga e Dimas; Ézio, Sá Filho (Rodrigues) e Vivi (Gallo); Nelson, Neneco (Nenas), M. Guedes (Aguiar), Agenor e Cavalleiro.

Time de 1935: Perini; Ézio e Waldemar; Lobo, Sá Filho e Carlos; Nelson, Neneco, Jaburu, Agenor e Capixaba. Reservas: Malhado, Ary, Braga, Queiroz, Gallo, Cavalleiro, Zé Maria e Rodrigues.

 

FONTES: Wikipédia – A Noite – Diário da Noite – Diário de Notícias – Gazeta de Notícias – Jornal dos Sports – O Fluminense – O Jornal

 

O Sport Club União dos Servidores Municipais (SCUSM) foi uma agremiação da cidade de Campos dos Goytacazes (RJ). O Alviverde foi Fundado no sábado, do dia 21 de Setembro de 1957. A sua Sede estava localizada na Avenida XV de Novembro, nº 621, no Bairro do Caju, na cidade de Campos dos Goytacazes.

No mesmo ano em que foi fundado, se filiou a Liga Campista de Desportos (LCD). O título mais importante na história do SCUSM aconteceu no ano de 1960, quando faturou o título de Campeão dos Campeões Campista.

 

FONTE: Leonardo Silva, Secretário da LCD

 

FONTES: A Gazeta (SP) – Celso Franco

 

O Oceano Foot-Ball Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O Alviceleste foi Fundado no dia 31 de Dezembro de 1920. A 1ª Sede ficava na Rua Vinte de Novembro, que depois mudou o nome para Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. Em 1923, o clube contava com 285 associados.

Após um período fechado, um grupo de abnegados reabriram o Oceano Football Club, na sexta-feira, dia 26 de Maio de 1933. Foi criado uma junta governista composta por: Hausto Bellini (presidente), Venâncio José (tesoureiro), Alberto da Silva (secretário geral). A nova sede ficava no prédio da Rua Barão da Torre, nº 109, em Ipanema.

No ano seguinte, se instalou na Rua Visconde de Pirajá, nº 558 – Ipanema – Zona Sul do Rio (RJ). A sua Praça de Esportes ficava na Avenida Epitácio Pessoa (Praia do Pinto, esquina com a Rua do Pão), s/n, nas proximidades da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Pelo Decreto Lei nº 5.093, de 29 de Agosto de 1934, o Oceano foi considerado como Utilidade Pública, pelo interventor Federal do Distrito Federal, Dr. Pedro Ernesto.

Em 1923, o Oceano se filiou na União das Sociedades do Remo (USR), da Lagoa Rodrigo de Freitas. No ano seguinte, se filiou na Federação Brasileira de Esportes Athleticos (FBEA), que ficava na Rua Visconde de Pirajá, nº 118 – Ipanema. Em 21 de Junho de 1929, se filiou na Associação Sul de Esportes Athleticos (ASEA).

No inicio de fevereiro de 1936, o Oceano se fundiu com o Cyelo Portugal-Brasil, também do Bairro de Ipanema. No entanto, nem o nome e também as cores foram alterados. O que mudou foi a participação da equipe em outras modalidades esportivas, tais como no Ciclismo, voleibol, Ping-Pong, entre outras. No mesmo ano o clube participou da competição futebolística mais importante: Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936.

Na estreia, no dia 1º de Abril, acabou goleado pelo América Football Club pelo placar de 8 a 0. Nove dias depois enfrentou o Sport Club Iguaçu, de Nova Iguaçu para tentar se manter vivo da competição. No entanto, voltou a ser derrotado por 3 a 1, e acabou dando adeus ao Torneio Aberto.

FONTES: Beira-Mar: Copacabana, Ipanema, Leme (RJ) – Lusitania: Revista Illustrada de actualidades e de aproximação Luso-Brasileira (RJ) – O Imparcial – Jornal do Brasil – O Jornal – O Radica - Correio da Manhã (RJ)

 

O Combinado Rubro-Negro foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na Segunda-feira, do dia 05 de Abril de 1936, pela diretoria do Clube de Regatas Flamengo. Tanto o escudo quanto o uniforme eram, basicamente, o mesmo utilizado pelo Flamengo.

A criação do Combinado Rubro-Negro foi um meio de aproveitar os jovens jogadores da base mesclando com aqueles atletas que eram pouco utilizados na equipe principal. Em outras palavras estava criado o time de Aspirantes. Importante citar, que a ideia não se limitava apenas ao futebol. Outras modalidades, como o basquete, também contavam com a equipe de Aspirantes.

Assim foi noticiado no Jornal dos Sports:

Os amadores do Flamengo organizaram o poderoso Combinado para concorrer no II Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro, da Liga Carioca. Esse combinado, que recebeu o nome de Combinado Rubro-Negro, vestirá o antigo uniforme do Flamengo, que contava com as cores preta, vermelha e branca, em listas horizontais.

Augusto Gonçalves, Oswaldo Menezes e outros extremados rubro-negros, fazem parte do corpo de diretivo do novel grêmio, que conta, também com inúmeros adeptos.

Surgindo com a antiga camisa do Flamengo, o Combinado Rubro-Negro vai reviver uma tradição dos sports da cidade, naturalmente decidido a reproduzir as façanhas gloriosas do simpático clube“.

Torneio Aberto de Football do RJ de 1936

Uma semana depois de ser criado, estreou, no domingo, do dia 12 de Abril de 1936, válido pelo Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF). Porém, acabou sendo derrotado pelo Combinado 5 de Julho, de Niterói, pelo placar de 4 a 3, no Estádio do Fluminense Football Club.

Na quarta-feira, do dia 06 de maio, voltou a enfrentar o mesmo adversário. Dessa vez, triunfou goleando a equipe niteroiense por 6 a 2. Voltou a campo, no domingo, do dia 24 de maio, para derrotar os Fuzileiros Navais pelo placar de 3 a 1. Porém, válido pela 9ª Eliminatória, no domingo, do dia 31 de maio, o Combinado Rubro-Negro deu adeus a competição ao ser derrotado pelo Centro Aviação Naval por 4 a 2.

Time base de 1936: Germano (Alberto); Lucio e Pompeu (Marin); Valdir (Delvaux), Geraldo e Faya (Famor); Qualter, Doca (Benterenzo), Ismael, Almir e Carlinhos.

 

FONTES: Diário Carioca – O Imparcial – Jornal dos Sports

 

 

Vista aérea do Derby Club, antigo hipódromo, onde hoje está o Maracanã.  Bem ao meio da curva da pista, o edifício do Museu do índio, originalmente um Centro de veterinária do exército. Erguido na década de 1910.

A construção do estádio foi muito criticada por Carlos Lacerda, na época deputado federal e inimigo político do durante mandato do então General de Divisão e Prefeito do Distrito Federal do Rio de Janeiro, Marechal Ângelo Mendes de Moraes, pelos gastos e, também, devido à localização escolhida para o estádio, defendendo que o mesmo fosse construído em Jacarepaguá.

Ainda assim, apoiado pelo jornalista Mário Rodrigues Filho, Mendes de Morais conseguiu levar o projeto para frente. Na área escolhida, situava-se uma arena destinada à corrida de cavalos. A concorrência para as obras foi aberta pela prefeitura do Rio de Janeiro em 1947, tendo como projeto arquitetônicovencedor o apresentado por Miguel Feldman, Waldir Ramos, Raphael Galvão, Oscar Valdetaro, Orlando Azevedo, Pedro Paulo Bernardes Bastos e Antônio Dias Carneiro.

O projeto vencedor previa um estádio para 155.250 pessoas, sendo 93 mil lugares com assento, 31 mil lugares para pessoas em pé, 30 mil cadeiras cativas, 500 lugares para a tribuna de honra e 250 para camarotes. O estádio ainda contaria com tribuna de imprensa com espaço para vinte cabines de transmissão, trinta e dois grupos de sanitários e trinta e dois bares. No total, a área coberta do estádio atingiria 150 mil m², com altura total de 24m. As obras iniciaram-se em 2 de agosto de 1948, data do lançamento da pedra fundamental. Trabalharam na construção cerca de 1 500 homens, tendo se somado a estes mais 2 000 nos últimos meses de trabalho. Apesar de ter entrado em uso em 1950, as obras só ficaram completas em 1965.

Em seu projeto original, o Maracanã tinha seu formato oval, medindo 317 metros em seu eixo maior e 279 metros no menor. Media 32 metros de altura, o que corresponde a um prédio de seis andares, e a distância entre o espectador mais distante o centro do campo era de 126 metros. A cobertura protegia parcialmente as arquibancadas em toda a sua circunferência. Na cobertura foram montados os refletores, que funcionavam a vapor de mercúrio.Desde 1962, até as reformas realizadas na década de 2000, a medida do gramado era de 110 por 75 metros.Havia um fosso que separava o campo das cadeiras inferiores que media três metros de profundidade com bordas em desnível. O acesso ao gramado dava-se por meio de quatro túneis subterrâneos que começavam nos vestiários. Existiam cinco vestiários no estádio, sendo utilizados normalmente apenas três, um para cada time que disputa uma partida de futebol e outro para a arbitragem.

Sua inauguração deu-se com a realização de uma partida de futebol amistosa entre seleções do Rio de Janeiro e São Paulo no dia 16 de junho de 1950, vencida pelos paulistas por 3 a 1. O meio-campista da equipe carioca Didi, do Fluminense, foi o primeiro autor de um gol no estádio e o goleiro Osvaldo Pisoni foi o primeira a levar um gol.

FONTES: Wikipédia – GuarAntiga - Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

 

O Centro Aviação Naval é uma agremiação militar da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O esporte é um fenômeno consagrado e praticado no meio militar em todo o mundo como ferramenta de preparação do corpo, como forma de competição e lazer, além de elemento de projeção do poder e força das instituições.

No Brasil, apesar de algumas atividades esportivas já serem praticadas por militares desde o século XIX, foi somente em 1915 que as Forças Armadas, até então Marinha do Brasil (MB) e Exército Brasileiro (EB), passaram a desenvolver processos de normatização das participações de seus integrantes na prática esportiva e organização de competições entre as Forças e com equipes civis.

Esta regulamentação se concretizou a partir da criação de duas entidades: Liga Militar de Football e Liga de Sports da Marinha. Este trabalho, utilizando as abordagens da História Comparada e o método de análise crítica de documentos, discute o processo de fundação das ligas esportivas
militares e suas principais preocupações e áreas de atuação nos anos iniciais de atividade (1915-1920).

A Liga Militar de Football, dedicou-se ao desenvolvimento da
modalidade que dava nome à entidade uma vez que muitos de seus integrantes já praticavam o futebol em meio civil desde o início do século XX. No entanto, nas competições entre Forças organizadas no período de análise registrou-se a participação do Exército em outras modalidades esportivas.

Já a Liga de Sports da Marinha iniciou suas atividades já contemplando
competições em diferentes esportes como Futebol, Remo, Vela, Water Polo e Natação. As duas ligas apresentavam configurações de organização similares com o corpo diretivo composto basicamente por oficiais, ficando as camadas hierárquicas mais baixas fora das ações decisivas e com possibilidade apenas de participação nas competições. A hierarquia era determinante na organização destas entidades e definia os espaços esportivos de atuação, já que pelas normativas internas indivíduos de diferentes círculos hierárquicos não poderiam participar de uma mesma competição.

Surge o Centro Aviação Naval

No meio desse crescimento, os ‘Marujos’ foi Fundado na quarta-feira, do dia 23 de Agosto de 1916. A sua Sede ficava na Base Militar da Ponta do Galeão, na Ilha do Governador. Entre os anos 20 e 30, surgiram “sucursais” do Centro Aviação Naval: Savoia 55, Galeão Club e Asas Athletico Club.

Todos com direito a constituição de diretorias, estatutos, treinamentos, jogos, excursões, etc. A partir daí, o Centro Aviação Naval montava a sua “seleção” desses clubes além dos demais soldados, lembrando que muitos jogadores serviam as forças armadas o que qualificava essas equipes.

A equipe participava dos campeonatos organizados pela Liga de Sports da Marinha (LSM).

Alguns amistosos registrados na imprensa carioca:

Domingo, dia 12 de Julho de 1931 – Aviação Naval 4 x 2 Encouraçado São Paulo, Estrada do Norte;

Quinta-feira, dia 02 de Junho de 1932 – Aviação Naval 0 x 1 Edison Athletico Club, Estrada do Norte;

Domingo, dia 07  de Outubro de 1934 – Sport Club Pracamby  1 x 2 Aviação Naval, em Paracambi.

Na esfera profissional, o Aviação Naval participou do Torneio Aberto de Football de 1935, 1936 e 1937, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF). No sábado do dia 30 de julho de 1938, o Centro Aviação Naval realizou a sua primeira partida internacional.

O adversário foi o Exeter (formado por marinheiros ingleses), no Estádio Campos Sales, no Bairro da Tijuca, na Zona Norte do Rio. No final, melhor para os majuros brasileiros que venceram os ingleses pelo placar de 3 a 1.

 

Time de 1932: Francisco; André e Oswaldo; Moyses, Oscar e Ferreira; Raymundo, Mendonça, Daniel, Nunes e Humberto.

Time de 1936: Portugal; Osmar e Ribeiro; Veiga, Appolinario e Lima; Rocha, Fraga, Benedicto, Aldo e Ruy (Mendonça).

FONTES: Relatórios do Ministério da Marinha (RJ) – A Offensiva (RJ) – Jornal dos Sports – Centro Sportivo Virtual – Revista Fon Fon – Revista Sport Ilustrado

 

O Guaraína Sport Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A equipe Alviverde foi Fundado em Setembro de 1936, por auxiliares do Laboratórios Raul Leite & Cia., sendo os seus principais organizadores: Raul Barreto de Sá, Rodrigo dos Santos Capella e Dr. Mario Gonçalves.

A escolha do nome é, no mínimo, curioso. Os Laboratórios Raul Leite & Cia., resolveram chamar de ‘Guaraína’, que era um produto especialmente voltado para as pessoas que praticavam futebol.

A propaganda do produto prometia curar problemas como a mal-estar, dores de cabeça, ouvidos ou dentes, provenientes da tensão de nervos. Talvez a escolha do nome tenha sido uma ‘jogada de marketing’ num período em que tal termo ainda não existia, mas não a ideia em si.

A Praça de Esportes ficava situado na Avenida Bartolomeu de Gusmão, s/n, no Bairro de São Cristóvão, na Zona Norte do Rio (próximo a Estação de São Cristóvão). A sua Sede ficava na Praça XV de Novembro, nº 42 / 1º andar, no Centro do Rio. A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente - Dr. Mario Gonçalves;

Vice-Presidente - Rodrigo dos Santos Capella;

Secretário - Celestino Cardoso;

1º Thesoureiro - Raul Barreto de Sá;

2º Thesoureiro - Edgard Vieira;

Diretor Sportivo - Armando Pelizone;

Procurador - Octavio Cunha;

Consultor Técnico - Nicolino Zagari.

Além dos adeptos, foi organizado um quadro de sócios honorários do qual fazem parte: Dr. Raul Leite; Dr. Mario Rangel; João Moreira de Vasconcellos; Dr. Floriano de Azevedo e os colaboradores: Carlos Alberto Rothier Duarte; Christiano Rocha; Dr. Felippe Cardoso e Dr. Sá Leitão.

O time titular foi definido com os seguintes atletas: Mendonça; Le Rothier e Loureiro; Peli     zone, Quintino e Wilson; Lourival, Sá, Romualdo, Guilhermino e Santa Rita.

O Guaraína participou do Torneio Aberto de Football de 1937, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF). Uma outra curiosidade é que nesse ano, é que Raul de Sá acumulava as funções de presidente e jogador do clube. Difícil imaginar que o treinador tivesse a coragem para barrá-lo.

O time para a competição estava definido com: Joaquim; Moacyr e Oliveira; Sá, Lalá e Nascimento; Jarbas, Cirio, Hyppolito, Manoelzinho e Antoninho. Dessa equipe dois nomes se destacavam: Moacyr, com passagens pelo Vasco da Gama e América Football Club; e Oliveira, que jogou no Tupy de Juiz de Fora (MG).

Em 1938, o clube diminuiu a sua atividade e ficou alguns meses sem jogos, só retornando no ano seguinte. Porém, já não era a mesma coisa e acabou sendo fechado. Em dezembro de 1940, a agremiação foi reaberta com o nome de Clube Guaraína, voltado mais para os eventos sociais do que para o desporto.

FONTES: Correio da Manhã – Jornal dos Sports – O Suburbano

 

O Flor das Selvas Football Club foi uma agremiação efêmera da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi Fundado na quinta-feira, do dia 1º de Março de 1934, por um grupo de operários da Manufatura de Fumo e Cigarros Flor da Selva Ltda., situado na Avenida Suburbana, 1760, em Higienópolis, na Zona Norte do Rio.

Após ser criado recebeu imediatamente o apoio dos chefes da fábrica e teve como iniciador o veterano desportista Guilherme S. dos Santos, sendo acompanhado por Oscar Muratory, David Ribeiro Marques e Clarindo Tavares Sinnes, José Lino Manoel Dias Ficheira. As suas cores: azul e branco.

Praças de Esportes

A sua Praça de Esportes, ficava no Caminho dos Pilares (atual Rua Álvaro Miranda), s/n, em Inhaúma (atual Pilares). Até 1936, quando perdeu a locação do campo para o Engenho de Dentro Athletico Club.

Em 1937, a sua Praça de Esportes passou a ser na Estrada Nova da Pavuna (mais tarde, Avenida João Ribeiro), nº 88, em Inhaúma (atual Pilares), na Zona Norte do Rio.

Sedes

Após ficar na Avenida Suburbana, 1760, em Higienópolis, na Zona Norte do Rio, adquiriu uma nova Sede, inaugurada no sábado, no dia 07 de Setembro de 1935, na Avenida João Ribeiro, s/n, no Bairro Pilares. Porém, no mês seguinte, nova mudança. Dessa vez o clube se instalou na Rua Fernão Cardim, nº 45/61, no Bairro do Engenho de Dentro.

Curiosidades

Na terça-feira, do dia 29 de Outubro de 1935, o Flor das Selvas juntamente com o  Clube Athletico Central, Arco-Íris, Perseverança, Del Castillo e Bemfica, ajudaram a fundar a Associação dos Esportes do Districto Federal (AEDF).

O clube excursionou até o Distrito de Belford Roxo (se emancipou em 03/04/1990), em Nova Iguaçu, no domingo, do dia 02 de Fevereiro de 1936, onde enfrentou o Sport Club Belford Roxo.

No final, um empate em 2 a 2. O Flor das Selvas jogou com: Princeza; Osíris e Oswaldo; Doca, China e Quitito; Bahiano, Gallego, Valença, Chato e Turuga. No 2º Quadros, o Flor venceu pelo placar de 1 a 0.

Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936 e 1937  

Participou do Campeonato da Divisão Intermediária de 1936, organizado pela Federação  Metropolitana de Desportos (FMD). No final da competição, após perder a sua Praça de Esportes, o clube acabou suspenso por deixado de disputar três partidas seguidas.

O Flor das Selvas Football Club juntamente participou do Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro de 1936 e 1937, organizado pela Liga Carioca de Football (LCF).

No domingo, do dia 23 de Maio de 1937, o Flor das Selvas estreou no do Torneio Aberto de Football do Rio de Janeiro, diante do Atlético Mineiro (MG), às 15h30, no Estádio Campos Sales (propriedade do América Football Club), no Bairro da Tijuca, na Zona Norte do Rio. O árbitro da partida foi Lippe Peixoto.

No final, a equipe Mineira goleou por 8 a 1. Duda foi autor de três gols; Guará marcou dois; Sylvio, Alfredo Bernardino e Zezé Procópio assinalaram um tento cada para o Galo. Hemeterio fez o gol de honra para o Flor das Selvas. Todos os gols saíram na etapa inicial.

Flor das Selvas: José (João); Waldemiro e Nobre (107); Chavão, Hemeterio e Pequetito; Luizinho, Paulista, Valença, Machado e Manduca.

Atlético Mineiro: Kafunga; Florindo e Quim; Zezé Procópio (Lago), Rogério e Bala; Sylvio (Tuda), Alfredo Bernardino, Guará, Nicola e Duda (Rezende).

Ainda em 1937, participou da Sub-Liga, da LFRJ, ficando na Zona Central, juntamente com o Adélia Football Club, do Bairro do Engenho de Dentro; Argentina Football Club, do Bairro de Cascadura; Central Athletico Club, do Bairro do Engenho Novo; Engenho de Dentro Athletico Club, do Bairro do Engenho de Dentro; Japohema Football Club, do Bairro do Méier; Magno Football Club, do Bairro de Madureira; Modesto Football Club, do Bairro de Quintino Bocaiúva; Niemayer Football Club; Sport Club Abolição, do Bairro da Abolição; Sport Club América, do Bairro do Méier; Sport Club Opposição, do Bairro da Piedade; River Football Club, do Bairro da Piedade.

Time de 1934: Onça (Gerson); Pituca e Neves; Benedicto, Rubens e Carlinhos (Vieira); Ribeiro, Zeca, Cesário (Rubinho), Barbosa e Vieira (Russo).

Time de 1936: Lino (Princeza); 107 (Toneca) e Pituca (Trindade); Doca (Caçula), China e Cetrino (Quititontino); Mavis (Ildo), Gallego, Valença (Coelho), Crato (Chato) e Oséas (Turuga).

Time de 1937: José; Waldemiro e 107; Chavão, Ermeterio e Quititoteto; Luizinho, Bentevengo (Chato), Valença, Paulista e Manduga.

 

FONTES: A Offensiva (RJ) – Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - Jornal do Commercio (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Diário Carioca (RJ) – A Batalha (RJ) – O Imparcial – Jornal do Brasil – O Radical – O Jornal – Correio da Manhã (RJ) – A Noite – Jornal Sports

© 2018 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha