A Associação Desportiva Colegial é um clube de futebol de salão da cidade de Florianópolis, do estado de Santa Catarina. Foi fundada em 25 de março de 1944. Comanda seus jogos no Ginásio Rozendo Lima Vasconcelos. Em 2008 usa na Liga Brasileira de Futsal o nome de Colegial/Umbro, em parceria com a marca esportiva Umbro. A equipe já foi duas vezes campeã catarinense de futsal: em 1980 e 2007.

Ainda foi um time de futebol, que disputou torneios importantes dentro do estado de Santa Catarina.

Em 1944, após a extinção dos clubes Externato Futebol Clube e Internato Futebol Clube, surgiu o time de futebol do Colegial. Foi campeão da segunda divisão florianopolitana em 1946 e também disputou a primeira divisão do Citadino que dava vaga para o estadual.
Cronologia
1930 - O Gymnásio Catharinense, (atual Colégio Catarinense) tinha duas equipes: Internato e Externato que foram extintos. Assim o Padre José Nunes, juntamente com colaboradores, sentiu a necessidade de criar uma associação para representar o Colégio nas competições da cidade.
1944 – Com o apoio recebido da Direção do Gymnásio Catharinense, o objetivo foi alcançado no dia 25 de março, fundado então a Associação Desportiva Colegial.
1946 - Com a justificativa de não obter um time competitivo, o clube desiste de participar da Primeira Divisão de Florianópolis para disputar somente a Segunda Divisão, no qual tornou-se campeão.
1947 - Abandona as modalidades de Futebol de campo passando a disputar apenas futebol de salão e basquete.
1985 - A AD Colegial, além do futebol de campo, passou a competir nos campeonatos regionais na categoria juvenil e adulto no futebol de salão.
1986 - Participou da I Olimpíada de Florianópolis, promovida pela Comissão Municipal de Esportes de Florianópolis.
1987 - Passa a competir com handebol, vôlei feminino e ginástica rítmica desportiva
1993 - Campeão Sul-Americano de Handebol Juvenil
1997 - Foi campeão Estadual de Futsal Juvenil
1998 - Torna-se Campeão Mirim de Futsal
1999 - Campeão Estadual da Primeira Divisão de Futsal Adulto.
2000 - É campeão Estadual de Handebol Mirim
2001 – A equipe da AD Colegial representou Santa Catarina na I Olimpíada Esperança, realizada em Poços de Caldas, Minas Gerais.
2004 - Conquista o título da modalidade de futebol de salão nos 44º Jogos Abertos de Santa Catarina.
2005 - Comemorado 100 anos do Colégio Catarinense, a escola de Samba Protegidos da Princesa de Florianópolis homenageia também a Associação Desportiva Colegial.
2008 - O Colegial e a Umbro assinaram no dia 15 de dezembro, no Colégio Catarinense, uma parceria para o fornecimento de material esportivo e para a participação da equipe de Florianópolis na Liga Futsal nas duas próximas temporadas. O Figueirense, que também tem acordo com a Umbro, é outro envolvido no projeto. Foi o clube que intermediou a aproximação entre Umbro e Colegial.

Fonte: Jornal O Colegial/ Wikipédia/ Acervo pessoal

 

Fonte: A Noticia.

 

 

 

Fonte: A Notícia / SC

 

Fonte: Jornal de Joinville.

 

 

 

O Esporte Clube Cruzeiro realizou uma excursão por nove cidades de Santa Catarina no final de 1955. Nos dez jogos disputados, o time de Porto Alegre obteve sete vitórias, dois empates e perdeu apenas uma vez.

23/11/1955 – Avaí 4 x 5 Cruzeiro-RS – em Florianópolis

25/11/1955 – Sel. Blumenau 3 x 1 Cruzeiro-RS – em Blumenau

27/11/1955 – Haiti 0 x 1 Cruzeiro-RS – em Rio do Sul

30/12/1955 – Sel. Ibirama 1 x 5 Cruzeiro-RS – Ibirama

3/12/1955 – Sadia 2 x 6 Cruzeiro-RS — em Concórdia

4/12/1955 – Sel. Videira 1 x 2 Cruzeiro-RS -em Videira

8/12/1955 – Cruzeiro 1 x 1 Cruzeiro-RS – em Joaçaba

10/12/1955 – Coringa 1 x 3 Cruzeiro-RS – em Caçador

11/121955 – Corinto 1 x 1 Cruzeiro-RS – em Caçador

18/12/1955 – Sel. Xaxim 1 x 9 Cruzeiro-RS – em Xaxim

Fonte: O Estado

 

 

 

Em novembro e dezembro de 1955, o Aimoré de São Leopoldo (RS) realizou um tour por Santa Catarina. A campanha teve 13 jogos (11 vitórias, um empate e uma derrota) com 42 gols marcados e 10 sofridos.

19/11/1955 – Comercial 1 x 3 Aimoré – em Joaçaba

20/11/1955 – Cruzeiro 0 x 3 Aimoré – em Joaçaba

23/11/1955 – Seleção de Caçador 2 x 3 Aimoré – em Caçador

26/11/1955 – Aliados 0 x 7 Aimoré – em Lages

27/11/1955 – Vasco da Gama 1 x 2 Aimoré – em Lages

20/11/1955 – Avaí 0 x 2 Aimoré – em Florianópolis

4/12/1955 – Haiti 1 x 5 Aimoré – em Rio do Sul

6/12/1955 – Caxias 2 x 1 Aimoré – em Joinville

8/12/1955 – Baependi 1 x 1 Aimoré – em Jaraguá do Sul

11/12/1955 – Ipiranga 1 x 4 Aimoré – Rio Negrinho

14/12/1955 – Sel. Blumenau 1 x 3 Aimoré – em Blumenau

17/12/1955 – Estiva 1 x 3 Aimoré – em Itajaí

18/12/1955 – Lauro Muller 0 x 5 Aimoré – em Itajaí

Fonte: O Estado

 

 

 

 

FONTE: Memorial do B.E.C.

 

Em 1983, o São Paulo de Rio Grande recebeu em seu estádio o Internacional de Lages para um amistoso. A vitória ficou com a equipe catarinense, que marcou o um gol em cada tempo com Nestor e Nunes. Não foram encontradas informações sobre público e renda.

SÃO PAULO             
0   X  2 INTER DE LAGES (SC)
Data: 05/02/1983 [Sábado], Hora: 20:30, Local: Aldo Dapuzzo (Rio Grande, RS), Arbitragem: Zeno Escobar Barbosa, Auxiliares: Valdir Vioni e Luz Carlos Tibursky, Cartão Amarelo: Djalma, Paranhos e Toninho (SP), Toninho Caixão (I), Gols: Nestor aos 6′ e Nunes aos 52′.
São Paulo (Rio Grande, RS) Nando; Douglas, Carlão, Toninho e Paulo Barroco; Djalma, Mazinho e Neca; Gélson, Paranhos e Baltazar. Técnico: Daltro Menezes.
Internacional (Lages, SC) Carlos Alberto; Dutra, Jorge, Cidão e Cláudio Radar; Toninho Caixão, Bim e Rubenval; Nunes, Nestor e Toninho Caju. Técnico: Firmino Romual Negri.

 

FONTE: Site Súmulas Tchê

 

 

Fonte: A Noticia / http://historiadoparanaclube.blogspot.com.br

 

FONTE: Blog Anotando Fútbol

 

Na programação do inauguração do estádio municipal da Ponte Grande, atual Vidal Ramos Junior, foi realizado um torneio quadrangular em Lages. Participaram três clubes lageanos (Internacional,  Aliados, Lages FC) e o Cruzeiro de Porto Alegre (RS).

Primeira Fase

7/9/1954 – Lages 2 x 1 Internacional (1º gol de Alemão, do Lages)

7/9/1954 – Aliados 1 x 4 Cruzeiro (RS)

Decisão

11/9/1954 – Lages 0 x 2 Cruzeiro (RS)

Campeão: Cruzeiro

 

Fonte: Correio Lageano / Mauricio Neves

 

Fonte: Jornal A Noticia / Artigo: Foto Rara, de 1954: Madureira Atlético Clube – Rio de Janeiro (RJ) de Sergio Mello.

 

No dia 25 de abril de 1965, o Olímpico de Blumenau derrotou o Internacional de Lages em um jogo marcado por polêmicas e conquistou o título estadual de 1964. O jogo foi no estádio da Baixada.

OLÍMPICO:  Barreira; Paraguaio, Orlando, Nilson e Jurandir;  Mauro, Paraná e Lila (Quatorze); Rodrigues, Joca e Ronald. Técnico: Aducci Vidal.

INTERNACIONAL: João Batista; Nicodemus, Airton, De Paula e Carlinhos, Roberto, Dair e Puskas; Jóia, Sérgio (Pedro) e Anacleto.

FONTE & FOTO: Site Notícia do Dia - Acervo Roberto P. Nascimento

 

No dia 24 de abril de 1960, o Paula Ramos derrotou o Carlos Renaux por 2 x 0  e conquistou o campeonato estadual de 1959. O time vermelho, branco e preto da capital do estado disputou oito estaduais tornando-se depois apenas um clube social.

PAULA RAMOS: Gainete; Marreco e Neri; Manoel, Zilton e Nelinho; Helinho, Valério, Oscar, Sombra e Zachi. Técnico: Hélio Rosa.

CARLOS RENAUX: Adalberto; Merísio e Afonsinho; Simplício (Cambinha), Zen e Sardo; Miltinho, Petrusky, Alcinho, Teixeirinha e Aducci. Técnico: Leleco.

FONTE & FOTO: Site Notícia do Dia

 

Fonte: Jornal A Noticia / Artigo: Foto Rara, de 1954: Madureira Atlético Clube – Rio de Janeiro (RJ) de Sergio Mello.

 

A segunda edição da Taça dos Municipios, iniciada em 1972 e concluída em 1973,  teve a participação de seis equipes:

Ipiranga (Rio Negrinho)

Operário (Mafra)

Baependi (Jaraguá do Sul)

Continental (Rio Negrinho)

Peri Ferroviário (Mafra)

Juventus (Jaraguá do Sul)

Decisão

Juventus 2 x 1 Ipiranga

Data: 22/3/1973

Estádio: Dom Pedro II (Corupá)

Árbitro: João Santos (LJD)

Juventus – Carlinhos; Joel, Adolfo, Gonzaga e Farraco; Paranaguá, Nondas e Luizinho; Roque, Ari e Alceu.

Ipiranga – Alfredo; Miguel, Pepe, Eno e Mário; Rato, Vitor e Dircinho; Bira, Germano e Murilo.

Gols: Alceu e Luizinho (J); Germano (Ip)

 

Fontes: Correio do Povo, A Notícia, JSC.

 

O Esporte Clube Torino, da cidade de Tangará/SC, foi fundado em meados de 1940/50, época em que o clube homônimo italiano viveu seu auge e o seu pior pesadelo, primeiro com a queda da aeronave que transportava o seu plantel e semanas depois com a conquista do Tetracampeonato Italiano em maio de 1949.

Tal como ocorre até os dias atuais em Turim, na pacata e italianíssima Tangará/SC dos anos 1950/60, o Esporte Clube Torino era o segundo time da cidade, ficando atras do Juventus Futebol Clube. Prova disto, é que enquanto o Juventus desde 1957, vez ou outra figurava nas disputas do Campeonato Estadual, o Torino teve uma unica aparição, no Campeonato de 1964, quando esteve na 4a Zona, que contava apenas com clubes do Oeste Catarinense.

Além das façanhas nos gramados, que ficaram mais restritas ao âmbito regional, o Torino notabilizou-se até a década de 1970 por promover um dos melhores carnavais da região. Extinto há varias décadas, o que resta do clube são apenas as lembranças e raríssimos registros dos poucos que tiveram a oportunidade de defende-lo ou vê-lo jogar.

TIME DE 1959

DESFILE EM 1962

Fontes: http://botecodopardal2.zip.net/memoriaesportiva / Ismael Fontana.

 

Grêmio Esportivo Juventus em 1971

A primeira edição da Taça dos Municipios teve a participação das seguintes equipes da região norte de Santa Catarina.

Baependi (Jaraguá do Sul)

Continental (Rio Negrinho)

Dom Pedro II (Corupá)

Ipiranga (Rio Negrinho)

Juventus (Jaraguá do Sul)

Operário (Mafra)

Peri Ferroviário (Mafra)

 

Final

PeriFerroviário 2 x 2 Juventus

Data: 11/3/1972

Estádio: Ildefonso Mello (Mafra)

Árbitro: Benjamin Borges

Juventus –  Brigido; Lico, Adolfo, Rubens e Faraco; Paranaguá, Nandas e Nelsinho; Waldir, Aécio e Roquinho.

- Com o empate, o Grêmio Esportivo Juventus ficou com o título.

Fontes: A Notícia, LJD, Correio do Povo.

Foto: Arquivo Histórico GE Juventus

 

 

Fontes:

Jornal A Noticia e Marcelo Dieguez: www.historiadordofutebol.com.br.

 

Fonte: Paraná Esportivo

 

Escudo da Mutual

Nas festividades de aniversário do municípío de Brusque, o  Carlos Renaux enfrentou em 1982 a equipe volante da Mutual Uruguaia de Futebolistas Profissionais (MUFP), a associação de jogadores daquele país. O presidente da entidade era Fernando Morena, um dos maiores atletas da história do futebol uruguaio.

Alguns jornais, no intuito de promover o jogo, divulgaram que o Carlos Renaux estava recebendo a Seleção do Uruguai, quando na verdade era um time formado por jogadores veteranos e mesclado com outros que estavam sem clube.

Três dias mais tarde (7/8), a Mutual jogou em Lages e perdeu para o Internacional por 2 a 1.

Carlos Renaux 4 x 0 Mutual (Uruguai)

Motivo: Amistoso Internacional

Data: 4/8/1982

Estádio: Augusto Bauer (Brusque-SC)

Árbitro: Francisco Simas (SC)

Carlos Renaux – Luis Antônio; Cacaio (Lico), Dema (Hélio), Veneza, Betão; Tornando (Sérgio Roberto), Silva e Forró; Sarlei, Puruca e Julio César.

Mutual – Barreto (Ivan); Rodriguez, La Sálvia, Santana e Piriz; Britos (Krikos), Monteiro e Da Cruz; Borges, Caleaterra (Resola) e Calabero.

Gols: Silva (2), Puruca e Sarlei.

Fonte: Jornal de Santa Catarina, A Gazeta, O Municipio, O Estado, site Mutual.com.uy e  acervo do autor.

 
Ferroviário: campeão do Torneio Tubarão – Criciúma

O Torneio Tubarão – Criciuma, promovido em parceria pela LTD (Liga Tubaronense de Desportos) e LARM (Liga Atlética Região Mineira), teve a participação de quatro clubes:

Atlético Operário Futebol Clube (Criciúma)

Comerciário Esporte Clube (Criciúma) – atual Criciuma EC

Esporte Clube Ferroviário (Tubarão)

Hercílio Luz Futebol Clube (Tubarão)

TURNO

1ª rodada

14/4/57 – Hercílio Luz 1 x 0 Atlético Operário

14/4/57 – Comerciário 1 x 0 Ferroviário

2ª rodada

21/4/57 – Ferroviário 3 x 1 Atlético Operário

21/4/57 – Comerciário 2 x 1 Hercílio Luz (inacabado)

3ª rodada

28/4/57 – Atlético Operário 3 x 0 Comerciário

28/4/57 – Hercílio Luz 0 x 1 Ferroviário

RETURNO

1ª rodada

1/5/57 – Atlético Operário 4 x 1 Hercílio Luz

1/5/57 – Ferroviário 5 x 1 Comerciário

2ª rodada

5/5/57 – Atlético Operário 2 x 2 Ferroviário

5/5/57 – Hercílio Luz 3 x 2 Comerciário

3ª rodada

11/5/57 – Comerciário  ? x ? Atlético Operário (*)

2/6/57 – Ferroviário 7 x 5 Hercílio Luz

Campeão: Ferroviário (recebeu  a Taça Prefeituras de Tubarão e Criciuma)

Classificação PG J V E D GP GC
Ferroviário 9 6 4 1 1 18 10
Atlético Operário 5 5 2 1 2 10 7
Comerciário 4 5 2 0 3 6 12
Hercílio Luz 4 6 2 0 4 11 16

(*) – Resultado não encontrado

Fonte: jornal A Imprensa; livro Hercílio Luz FC, de Cesar do Canto Machado; acervo do autor. Foto: reprodução Roberto Roberge.

 

Valdir marcou dois gols

SELEÇÃO DE TUBARÃO (SC) 4 X 1 PORTUGUESA (RJ

Data: 19/5/1957

Estádio: Anibal Costa (Tubarão)

Árbitro: Adelson Menezes (SC)

Renda: Cr$ 60.660,00

Seleção de Tubarão – Pipa; Bega, Edu e Rato; Luizinho e Carequinha (Juarez); Xuxu, Lourinho, Valdir (Bracinho), Mangueira (Ernani) e De Lucas (Walmir). Técnico: Pajé.

Portuguesa – Antoninho (Jorge); Estevão, Juvaldo e Cicarino; Haroldo e Tião (Miraldo); Renato, Guilherme, Jaime, Russo e Carlinhos.

Gols: Waldir (2), De Lucas e Xuxu (T); Jaime (P).

 

Fonte/foto: A Imprensa, reprodução Roberto Roberge e acervo do autor.

 

 

FOTO: Diário Catarinense 16/05/1988

 

Edir com a camisa do Marcílio Dias em 1965

Todo mundo sabe que Pelé iniciou a carreira no interior de São Paulo, precisamente na equipe juvenil do Bauru Atlético Clube, o Baquinho. O que pouca gente sabe, porém, é que além do menino que viria a se tornar o Rei do Futebol, aquele time também tinha um volante alto, forte, que jogava com raça e ao mesmo tempo com classe. E que fez história no futebol de Itajaí, onde reside até hoje.

Edir Alves tem muita história para contar. Filho de Crizanto Alves, jogador do Noroeste de Bauru, Edir nasceu naquela cidade em 9 de abril de 1939. Depois de passar pelo juvenil do Baquinho, foi para o Noroeste, onde conquistou uma vaga no time titular aos 17 anos e não tardou para despertar o interesse de grandes equipes.

Nos anos 1960, Edir resolveu provar a sorte no Sul do país. Jogou no Londrina e depois no Coritiba, ambos do Paraná. Mas o seu destino estava traçado com Santa Catarina. Certo dia, dirigentes do Marcílio Dias visitaram o Coxa em busca de reforços para o Marinheiro. “Eles precisavam de um zagueiro. Eu não era zagueiro, era volante, mas o então treinador do Coritiba disse que eu jogava em qualquer posição e o Marcílio Dias me contratou”, recorda.

Era o ano de 1964. Edir Alves chegou a Itajaí e logo se transformou num ídolo da torcida marcilista, graças ao seu bom futebol e ao seu bom caráter, que não foi abalado nem quando trocou o Marcílio pelo seu maior rival, o Clube Náutico Almirante Barroso. Edir explica como aconteceu. “Era a semana do início do campeonato e eu estava me preparando com meus companheiros do Marcílio. Depois do treino, fui procurado por um homem. Ele disse que o diretor do Barroso, seu Hélio Caldas, queria falar comigo”.

Edir conta que, mesmo ressabiado, foi ao encontro do cartola do clube rival, num restaurante onde hoje funciona o hotel Caiçaras. “Seu Hélio Caldas me fez uma proposta irrecusável. No princípio não acreditei que ele pagaria o que prometeu, mas ele colocou o dinheiro vivo em cima da mesa”. Edir não teve outra opção. “Conversei com os diretores do Marcílio e eles entenderam, pois não tinham como cobrir aquela oferta e eu era um profissional”, diz. “O curioso é que treinei a semana toda com o Marcílio e no domingo joguei pelo Barroso”.

Mesmo tendo deixado o Marinheiro para jogar pelo rival, Edir continuou sendo respeitado pela torcida rubro-anil, sentimento conservado até os dias de hoje. “As pessoas me paravam na rua, mas eu explicava e elas compreendiam. Afinal, sabiam que eu era um profissional. Nunca tive nenhum problema com a torcida, seja no Marcílio ou no Barroso”.

No Almirante Barroso, Edir Alves jogou dois anos (1965 e 1966), antes de ir para o Palmeiras de Blumenau e encerrar a sua carreira profissional no Flamengo de Caxias do Sul (RS), o atual Caxias. Depois de pendurar as chuteiras, Edir Alves continuou jogando futebol nas peladas da cidade. Só parou neste ano, por culpa do joelho. “Levei uma pancada forte no joelho direito e ele começou a doer sempre que eu jogava, por isso resolvi parar de brincar. Afinal, já tenho 66 anos”. Por outro lado, ele não quis mais saber de se envolver profissionalmente com o esporte. Teve uma rápida experiência como treinador do Barroso, ainda em 1970, mas depois não se interessou em seguir a carreira de técnico.

FOTO

http://baudomarcilio.blogspot.com.br

FONTE:

Adaptado do texto original publicado no blog “Baú do Marcílio” – http://baudomarcilio.blogspot.com.br

 

Fonte: Jornal ‘O Estado’ de 5 de maio de 1924

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha