O Sport Club Bonsucesso foi fundado em 19 de abril de 1917, com a finalidade de rivalizar com o Bonsucesso Futebol Clube, localizado no mesmo bairro, fundado alguns anos antes. A equipe possuía sua sede na rua Luiz Ferreira, 35 e seu campo estava localizado na rua 7 de março.


                                        A equipe teve duração efêmera, sendo extinta no início dos anos 20. Ela não chegou a disputar qualquer competição oficial, ficando restrita a amistosos com outras equipes suburbanas.
Em 21 de abril de 1918 para comemorar seu primeiro ano de fundação, promoveu um festival esportivo em sua praça de esportes, com os seguintes resultados:

Infantil    -    Olaria FC 3-0 SC Bonsucesso
3º teams  -   SC Bonsucesso 1-1 Manguinhos FC
2º teams  -   SC Bonsucesso 2-2 Manguinhos FC
1º teams   -   SC Bonsucesso 3-0 Manguinhos FC

Tinha no jornal “A Época”, seu principal órgão de divulgação de suas partidas, notícias de festas, editais de convocação entre outras funções.

Mapa de distância entre a sede e o campo esportivo (Google Maps)

Fontes: Jornal A Época – Google Maps

 

 

Fonte: A Época / RJ

 

O Ypiranga Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 22 de Julho de 1915, com o nome de Smart Athletic Club, nas cores vermelha e branca, sediado no Bairro de Vila Isabel, na Zona Norte do Rio. Os Fundadores: Alberto Garcia, Arthur Cardoso, Clóvis Ribeiro, Edgard Corrêa Gama, João Gomes, Joaquim Lyra, Júlio Guanabara, Mário Pinto Fonseca e Sandoval Silva.

1917: fusão com a Black & White dá origem ao Ypiranga

Após 23 meses, o Smart Athletic Club se fundiu com o Black & White Football Club, da Tijuca, na terça-feira em 19 de Junho de 1917, dando origem ao Ypiranga Football Club. A sua Sede ficava localizada no Bairro da Praça da Bandeira. As cores também foram alteradas para o preto e branco.

A directoria do Smart Athletic Club, filiado a Metropolitana fez entrar na secretária dessa instituição um officio communicando a mesma ter mudado seu nome para Ypiranga Football Club, conforme deliberaram seus associados na última assembléia levada a effeito.

A Primeira Directoria com o nome de Ypiranga Football Club foi composta da seguinte forma:

Presidente - Amâncio Ribeiro de Souza;

1° Vice-Presidente - Antônio de Guimarães Moraes;

2° Vice-Presidente – Fernando Veiga Pinto;

Procurador - Joaquim Alves;

Captain Geral - Antônio Dias da Silva;

Vice-Captain - Adalberto Mello.

 

1918: Vice-campeão Carioca da Terceira Divisão

O Ypiranga participou do Campeonato Carioca da Terceira Divisão da 1918, no qual terminou como o vice-campeão. Aliás, das seis equipes que disputaram o certame somente o escudo do Ypiranga ainda não tinha sido encontrado. Os participantes foram:

Esperança Football Club (de Bangu);

Sport Club Everest (da Tijuca);

Hellênico Athletico Club (do Rio Comprido);

Metropolitano Athletico Club (do Méier);

Tijuca Football Club (da Tijuca);

Ypiranga Football Club (da Praça da Bandeira).

No ano seguinte (1919),  o Ypiranga, já sediado no Centro do Rio, disputou, novamente, a Terceirona, ficando na 3ª colocação no geral. Em 1920, voltou a disputar o Campeonato Carioca da Terceira Divisão, terminando em 5º lugar. Em 1921, mudou de Sede passando a se fixar no Bairro de Cascadura.

Em junho de 1926, mudou novamente a denominação, passando a se chamar: Dramático Athletico Club. Cores: preto e branco.

OUTROS YPIRANGA:

1. Ypiranga Football Club 29/06/1911 Rua Eugênia, Rio Comprido
2. Ypiranga Football Club Divulgado em 1912 Rua Vaz de Toledo, Eng. Novo
3. Sport Club Ypiranga 12/05/1912 Maracanã-Botafogo
4. Ypiranga Football Club 24/06/1914 ?
5. Ypiranga Athletic Club 18/09/1914 São Cristóvão
6. Ypiranga Football Club*********** 22/07/1915 Centro-Cascadura
7. Sport Club Ypiranga 25/07/1916 Vila Isabel
8. Ypiranga Suburbano Football Club 10/10/1917 Bento Ribeiro

 

FONTES: O Imparcial – O Paiz – A Época – Revista Vida Sportiva – Pedro Varanda

 

 

O Tijuca Football Club foi o vice-campeão do Torneio Início da Terceira Divisão de 1918. O Campeão foi o Esperança Football Club, de Bangu.

Na foto é possível ver a bandeira, nos seus mínimos detalhes, do Tijuca FC.

FONTE: Revista Vida Sportiva

 

 

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Royal Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A equipe Alvirrubra foi Fundada na quinta-feira, do dia 31 de Julho de 1913. A sua 1ª Sede ficava na Rua da Piedade, nº 98, no Bairro Piedade – Zona Norte do Rio. Depois, em 1917, se transferiu para a Rua Arquias Cordeiro, 314/230 – Méier - Zona Norte do Rio. Ainda no Méier, teve uma sede provisória, em 1918, na Rua Torres Sobrinho, 44. Por fim, a Sede ficava na Rua Souto, nº 105 – Cascadura – Zona Norte do Rio. A sua Praça de Esportesficava na Rua Dias da Cruz, nº 196 (próximo a Estação do Meyer), no Bairro do Méier, na Zona Norte do Rio.

Na esfera futebolística, após diversos torneios, festivais e excursões, o Royal Football Club ingressou na Associação Athletica Suburbana (AAS), em 1915. Na temporada seguinte trocou de entidade, se transferindo para a Liga Suburbana de Football (LSF), em 1916. No dia 12 de Maio de 1918, o Royal Football Club  se fundiu ao Sport Club Brasileiro do Rio Comprido, dando origem ao Metropolitano Athletico Club (que herdou a praça de sports do Royal e a vaga do Brasileiro na Liga Metropolitana).

 Time de 1913: Julinho; Cotia (Cap.) e J. Lourenço; Lino, Bulhões e Pequenino; Joaquim, Prata, Raul, Goivan e Attila.

 Time de 1916: Miro; Hergmann (Rubem) e Quintella (Joaquim Silva); Filóca, Danton e Lourenço; Aguinaldo (Nonô), Sampaio, J. Leite, Haroldo e Graciano.

FONTES: O Imparcial – Correio da Manhã- Jornal do Brasil – Lanterna – Revista Vida Sportiva

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Bahia Illustrada / BA

 

FONTE: Acervo de Marcelo Santos, Marcelão, ex-goleiro da Cabofriense 

 

Guanabara Esporte Clube é uma agremiação esportiva da cidade de Araruama, localizado na Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro. A equipe Aurianil foi Fundado na terça-feira, do dia 25 de Maio de 2004. A sua Sede e a Arena Guanabara estão situados na Rodovia Amaral Peixoto, s/n, no Bairro Hawaii, em Araruama. A mascote é o leãozinho, o “Papão dos Lagos“.

FONTE: Site do Clube

 

O Madureira fez uma curta excursão à Rio Branco (atual Estado de Roraima) para uma série de dois jogos. Na estreia venceu o Baré por 3 a 2. Depois foi à vez de enfrentar a Seleção de Roraima, da Federação Riobranquense de Desportos (FRD), onde fechou com chave de ouro, ao golear pelo placar de 4 a 0. O destaque ficou por conta do atacante Machado, autor de três gols. Apel fez o outro tento para o Tricolor Suburbano.

 

SELEÇÃO DO RIO BRANCO

0

X

4

MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCAL: Estádio João Mineiro, em Boa Vista (RR)
CARÁTER: Amistoso Nacional
DATA: Quinta-feira, do dia 05 de Maio de 1955
RENDA: Cr$ 23.235,00
ÁRBITRO: Jaime Braga (Federação Metropolitana de Futebol)
CARTÃO VERMELHO: Moacyr (Madureira); Bebeto (Seleção de Roraima)
SEL. RIO BRANCO: Guilherme; Bonates (Sabá Pinheiro), Mão de Remo e Ribeiro; Chico Santos e Sabá Pinheiro (Toscano); Wanderley (Bebeto), Piranha (Dermário), Caveira (Salomão), Chico e Canhotinho (Sabarreto).
MADUREIRA: Danton; Jorge (Mário) e Darcy; Nilo (Apel), Bitum e Moacyr; 91, Zezinho, Machado, Tião e Deraldo (Osvaldo).
GOLS: Machado (Madureira), no 1º Tempo. Machado, duas vezes, e Apel (Madureira), no 2º Tempo

FONTE: Jornal O Átomo

 

O time dos Regimento de Fuzileiros Navais realizou diversos amistosos contra clubes profissionais nos anos 30 e 60, no Rio de Janeiro (RJ). E, com vitórias impactantes. Por exemplo, goleou, em amistoso, o Mavílis por 9 a 3, em 07 de Maio de 1961.

Talvez para os mais jovens seja uma surpresa, mas os Fuzileiros Navais participaram de algumas competições na esfera profissional.

Um bom exemplo, aconteceu no Torneio Aberto da Liga Carioca de Football de 1935, que contou com a participação de 23 clubes. E o time não fez feio. Em jogo único e eliminatório, na estreia bateu o Bonsucesso por 4 a 3, na domingo, do dia 31 de Março de 1935, no Estádio da Rua Campos Sales, na Tijuca.

Na segunda fase, foi à vez do Engenho de Dentro cair, pelo placar de 3 a 2, no domingo, no dia 14 de Abril de 1935, no Estádio da Rua Campos Sales, na Tijuca.

Na terceira fase, fez mais uma vítima: 2 a 1 no Iguaçu, de Nova Iguaçu, no domingo, no dia 05 de Maio de 1935, no Estádio das Laranjeiras, no bairro homônimo, na Zona Sul do Rio.

Na quarta fase, o adversário era de peso: Fluminense Football Club. Parecia que seria uma derrota inevitável. Porém, o Regimento de Fuzileiros Navais fez uma partida impecável e derrotou o Tricolor das Laranjeiras pelo placar de 3 a 1, no domingo, no dia 09 de Junho de 1935, no Estádio da Rua Campos Sales, na Tijuca.

Com o resultado o time avançou o quadrangular final, enquanto o Fluminense precisou jogar a repescagem, onde obteve a classificação. Os adversários eram de peso: América, Flamengo e Fluminense.

Para o Regimento de Fuzileiros Navais a missão estava cumprida. Apesar das derrotas para o Mecão (2 a 0, no dia 23/06/35), Fluzão (4 a 0, no dia 07/07/35) e Mengão (1 a 0, no dia 14/07/35), terminando na 4ª colocação a campanha foi memorável para os Fuzileiros Navais. O Fluminense ficou com o título.

FONTES: Diário Carioca – O Radical – O Imparcial – Gazeta de Notícias 

 

Fonte: Jornal dos Sports / RJ

 

 

FONTE: Murilo Pragana Patriota

 

O Guanabara Esporte Clube é uma agremiação esportiva da cidade de Araruama, localizado na Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro. A equipe Aurianil foi Fundado na terça-feira, do dia 25 de Maio de 2004. A sua Sede e a Arena Guanabara estão situados na Rodovia Amaral Peixoto, s/n, no Bairro Hawaii, em Araruama. A mascote é o leãozinho, o “Papão dos Lagos“.

 

Arena Guanabara: antigo Mario Castanho

É o antigo estádio Mário Castanho que pertenceu ao Rubro Social Esporte Clube. Devido à dívidas trabalhistas, a praça esportiva foi a leilão e acabou arrematada pelo atual proprietário, o Guanabara Esporte Clube, que fez uma ampla reforma no estádio, intitulando-o Arena Guanabara.

A Arena tem um campo que mede 105 x 68 m, e com Capacidade para 10 mil pessoas. No Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 2009, foi a casa do Macaé nos jogos contra os times considerados de menor expressão.

História

O clube-empresa começa a disputar os campeonatos de âmbito profissional a partir da filiação da Associação Esportiva XV de Novembro de Araruama, que disputou diversos campeonatos da Segunda e da Terceira Divisões nos anos 80 e 90.

Em 2004, a agremiação é formada. Os fundadores optam por inserir algumas cores da bandeira nacional e um nome que lembrasse o antigo estado onde está inserida a associação.

Em 2005, o clube adquire o estádio Mário Castanho, que pertencera ao Rubro Social Esporte Clube em leilão. A praça de esportes é inteiramente reformada e hoje abriga jogos até de Primeira Divisão. Hoje chama-se Arena Guanabara.

Em 2006, o Guanabara Esporte Clube efetivamente começou suas atividades. Em seu primeiro desafio, o clube da Região dos Lagos encarou uma Seletiva de acesso à Segunda Divisão do Campeonato Estadual que ocorreria no mesmo ano. A classificação veio e, de quebra, o Guanabara conquistou a artilharia da competição.

Com o estádio ainda em obras, o Guanabara começou em abril aquele que até então seria seu maior desafio: a disputa da Segunda Divisão de Profissionais do Rio. Utilizando o estádio Eucy Resende de Mendonça, em Saquarema, também na Região dos Lagos, o Guanabara surpreendeu a todos e tornou-se a grande ‘zebra’ da competição. Entre 24 clubes participantes, o Guanabara conquistou o impressionante terceiro lugar geral do torneio. E, de novo, teve o artilheiro da competição.

Já no segundo semestre, deu-se início a Seletiva que daria aos quatro melhores clubes o acesso a divisão de elite do futebol carioca no ano seguinte. O torneio, impugnado pela justiça, acabou não valendo nada.

O mais marcante desta fase ficou por conta do tão esperado encontro entre o Guanabara Esporte Clube e sua torcida, no dia 2 de setembro, quando o estádio, totalmente reformado, abriu pela primeira vez seus portões ao público.

A principal Torcida Organizada do Esporte Clube Guanabara se chama Leões Indomáveis e acompanha o Guanabara desde 28 de março de 2008. Suas cores são o azul, amarelo e o branco.

Em 2009, a agremiação pede licença das competições profissionais à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), paralisando as atividades do seu departamento de futebol. Em 2011 decide encerrar suas atividades e abandona o futebol profissional após o terceiro ano consecutivo ausente.

 

FONTES: Site do clube – Wikipédia

FOTO: Acervo de Marcelão, Marcelo Santos, ex-goleiro da Cabofriense

 

América Football Club, quando de sua excursão a Europa, no ano de 1964. Esse jogo aconteceu na cidade de Praga, capital da então Tchecoslováquia (Em 1º de Janeiro de 1993, o país foi dissolvido e  criou dois novos países: a República Tcheca e a Eslováquia).

EM PÉ (esquerda para a direita): Nejar (viajou como médico, mas era dentista), Pompéia, Jorge, Willian, Carlos Pedro, Leonidas, Itamar e o massagista Olavo.

AGACHADOS (esquerda para a direita): Uriel, Paulo Leão, Zezinho, João Carlos e Abel.

 

FONTE: Jornal da Tarde

 

FONTE: Revista Theatro & Sport

 

Nome: Panelão Sociedade Anônima

Data: Fundado no dia 26 de Novembro de 1996

Sede: Vila Norma – São João de Meriti (RJ)

Filiação: Liga de Desportos de São João de Meriti

 

FONTE: Valmir Ferreira

 

 

O Jacarepaguá Futebol Clube é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na terça-feira, do dia 16 de Junho de 1992, como Pãozão Futebol Clube, pelo Sr. Altivo M. de Pádua, localizada no bairro de Jacarepaguá, proprietário de uma pequena rede de padarias, com o objetivo principal de integrar seus funcionários através da prática do futebol de salão.

Porém, a idéia deu tão bom resultado que tomou grande vulto, fazendo em pouco tempo, com que sua equipe deixasse as quadras e passasse a disputar competições organizadas pelos bairros. O 1° Presidente foi Florentino Bessa.

A sua 1ª Sede ficava localizada na Avenida Tenente Coronel Muniz Aragão, nº 1.989 / Grupo 202, na Gardênia Azul, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. As suas cores: vermelha, verde e branca. A mascote é o Jacaré.

O clube estreou no Campeonato Carioca do Departamento Autônomo, organizado pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), de 1992. Acabou sendo “Campeão da Divisão EXTRA em 1992“.

Em 1993, o Pãozão disputou o “Campeonato Amador do Estado do Rio de Janeiro“, conquistando os Títulos de “Campeão Amador Adulto” e “Vice-Campeão Amador Júnior“, além das taças de Eficiência e Disciplina.

Estreia na esfera profissional

Como conseqüência deste trabalho, em um curtíssimo espaço de tempo, foi levado a profissionalizar-se. Sendo, então, registrado e regulamentado pela Confederação Brasileira de Futebol (C.B.F.) e pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (F.E.R.J.).

O “Pãozão” teve, então, a necessidade de assumir uma denominação que o identificasse e promovesse o nome de seu bairro de origem, tornando-se, assim, o Jacarepaguá Futebol Clube, 1º Clube de Futebol Profissional de Jacarepaguá.

Mandando os seus jogos no Estádio IPASE, com capacidade para 3 mil pessoas, o Jacarepaguá debutou no Campeonato da 3ª Divisão de Profissionais de 1994, sagrando-se vice-campeão e conseguindo o acesso para o ano seguinte. Tem ainda o artilheiro do campeonato: Marcelo J. do Rosário.

Em 1995, disputa na vaga do Saquarema Futebol Clube o Estadual da Intermediária A, tendo uma campanha bastante ruim, sendo rebaixado. Contrastando com esse desempenho abaixo do esperado, a equipe de Juniores vence o Campeonato da Segunda Divisão, na prática a Terceira, da categoria.

No mesmo ano a equipe principal consegue se manter na mesma divisão, fugindo do descenso. O mesmo ocorre no ano seguinte, quando disputa o mesmo certame.

Em 1997, se licencia, mas volta no ano seguinte, na Segunda Divisão como convidado, quando consegue apenas se manter no mesmo grupo. Em 1999 e 2000, o Jacarepaguá disputa a Copa Rio, mas é eliminado na fase inicial. Após, pede licença das competições.

O clube foi arrendado a 5 de junho de 2000 pelo prazo de cinco anos pelo Bidon Grupo Empresarial, com o intuito de levá-lo à 1ª Divisão do campeonato profissional de futebol do estado do Rio de Janeiro.

Após cinco anos fora das disputas, o clube alterou a ‘razão social’, em 20 de Dezembro de 2005, passando a se chamar: C.C. Esportivo Jacarepaguá. No entanto, o nome ‘fantasia’, segue como Jacarepaguá Futebol Clube. O novo endereço fica na Rua das Margaridas, nº 14, no Bairro da Vila Valqueire, na Zona Oeste do Rio. O atual presidente é Mario Ferreira de Souza.

 

FONTES: Wikipédia – Conceitual – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – André Luiz Pereira Nunes

 

O Laginha Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Petrópolis, situada na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. O clube Alviverde Petropolitano foi Fundado no dia 23 de Agosto de 1965. A sua Sede fica localizada na Estrada das Arcas, nº 2.999, em Itaipava, em Petrópolis. O Laginha participou de diversas edições do Campeonato Citadino de Petrópolis. 

FONTES: Wikipédia – Mercado Livre

 

O Palmeira Futebol Clube foi uma agremiação da cidade Rio de Janeiro (RJ). Fundado na quarta-feira, do dia 13 de Janeiro de 1943. A sua Sede ficava localizado na Estrada Marechal Malet, nº 272, no Bairro de Magalhães Bastos, na Zona Norte do Rio. Participou do Campeonato Carioca do DA (Departamento Autônomo) de 1958.

FONTES: Tribuna da Imprensa – André Luiz Pereira Nunes

 

Outro escudo cedido gentilmente pelo amigo, pesquisador e jornalista André Luiz Pereira Nunes. O Piraquara Futebol Clube foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 15 de Julho de 1948. A sua Sede ficava localizada na Estrada General Canrobert da Costa, nº 204 – Bairro Realengo – Zona Oeste do Rio. As suas cores: vermelho, preto e branca.

O Piraquara participou de algumas edições do Campeonato Carioca do DA (Departamento Autônomo), organizado pela Federação Metropolitana de Futebol (FMF), como por exemplo, em 1953 (Série Carlos Lopes Guimarães); 1954, 1958.

Títulos

Bicampeão da “Taça Disciplina (1953 e 1957);

Campeão de Amadores “Série Wilson Lopes de Souza” (1957);

Campeão de Aspirantes “Série Suburbana (1958);

Vice-campeão de Aspirantes “Série Manoel Caetano Alves”.

 

Algumas formações

Time de 1948: Borracha; Homero e Gordo; Juquinha, Coção e Duide; Djamiro, Jorginho, Rubens, Mite e Jorge Braga.

Time de 1949: Babo; Homero e Joãosinho; Juquinha, Coção e Duide; Bacalhau, Jorginho, Rubens, Mite e Jorge Braga.

Time de 1950: Dadá; Homero e Francisco; Juquinha, Mario e Duide; Jorginho, Mite, Chiquinho, Waldemar (Índio) e Jorge Braga.

Time de 1952: Ivan; Ataliba e Bira; Heitor, Orlando e Carioca; Tuninho, Camaleão, Cidoca, Menildon e Paulo.

Time de 1954: José; Carioca e Darci; Duca, Zico, Odilon; Jorginho, Tampinha, Mito, Mário e Alexandre.

FONTES: A Manhã – Diário de Notícias – Gazeta de Notícias – André Luiz Pereira Nunes

 

Contando com a preciosa colaboração do amigo, pesquisador e jornalista André Luiz Pereira Nunes, segue mais um clube inédito. Trata-se do Esporte Clube Oity, que foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O ‘Oityense Alviceleste’ foi Fundado na sexta-feira, do dia 14 de Outubro de 1938. A sua Sede e a Praça de Esportes ficavam localizados na Avenida Santa Cruz nº 500 (atual nº 12.516), no Bairro de Senador Vasconcelos, na Zona Rural (atual Zona Oeste) do Rio. O espaço (campo e sede) de aproximadamente 14 mil metros quadrados, foi adquirido pelo clube na década de 50.

Oity foi um dos clubes que ajudaram a fundar o D.A.

O Oity começou a sua trajetória futebolística jogando festivais, excursões pelo estado do Rio. Após a extinção da Federação Atlética Suburbana, onde o Oity participava das competições, os clubes que dela faziam parte se sentiram desprestigiados com a política estabelecida pela Federação Metropolitana de Futebol (FMF).

Na tentativa de mudar esse quadro, o Oity juntamente com outras agremiações ajudou a fundar o Departamento Autônomo (DA) em Assembléia realizada na quinta-feira, do dia 7 de julho de 1949. Além do Esporte Clube Oity, os demais clubes que estiveram presentes foram:

Andaray Atlético Clube;

Atilla Futebol Clube;

Atlético Clube Nacional;

Associação Atlética Portuguesa;

Associação Atlética Nova América;

Bento Ribeiro Futebol Clube;

Cacique Futebol Clube;

Cruzeiro Futebol Clube;

Del Castilho Futebol Clube;

Distinta Atlético Clube;

Engenho de Dentro Atlético Clube;

Esporte Clube Anchieta;

Esporte Clube Coríntians;

Esporte Clube Guanabara;

Esporte Clube Royal;

Esporte Clube São José;

Esporte Clube Valim;

Irajá Atlético Clube;

Kosmos Atlético Clube;

Manufatura Nacional de Porcelana Futebol Clube;

Mavílis Futebol Clube;

Oriente Atlético Clube;

Realengo Futebol Clube;

Sampaio Atlético Clube.

A 1ª competição do Departamento Autônomo (DA) aconteceu no mesmo ano da fundação (1949), tendo como campeão o Engenho de Dentro A.C. Durante mais de uma década dez anos o DA organizou com sucesso os campeonatos dos clubes amadores pela FMF, até seu encerramento oficial em 1960.

O DA foi extinto, dando lugar ao Departamento de Futebol Amador da Capital. Hoje se chama Campeonato Carioca de Futebol Amador da Capital, promovido pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), incluindo também as categorias Infantil e Juvenil.

Títulos

O Esporte Clube Oity também participou do DA em diversas edições. Em relação as conquistas, o Esporte Clube Oity acumulou várias taças. Citando algumas:

Campeão de Amadores “Série Carlos Lopes Guimarães” (1953);

Campeão da “Taça de Disciplina” (1956);

Campeão da “Taça de Disciplina” (1957);

Campeão de Amadores “Série Floripes Monção” (1957);

Campeão de Aspirantes “Série Rural” (1958);

Campeão de Aspirantes do Departamento Autônomo (1958);

campeão de Amadores “Série Romeu Dias Pino” (1959).

Ao longo desse percurso, o clube, por duas vezes, esteve próximo de fazer fusão com o Esporte Clube Aliados, de Bangu e depois com o Campo Grande Atlético Clube. No entanto, as duas negociações não avançaram.

Posteriormente, o Oity foi incorporado ao Campo Grande Atlético Clube, continuando o espaço destinado ao lazer da comunidade local, incentivando o esporte, encontros em família, entretenimentos, festas, entre outros.

O campo do E.C. Oity visto de cima

Campo do Oity pode virar uma Vila Olímpica

Em 2013, o vereador Zico (PTB) apresentou um Projeto de Lei nº 618/2013, com o intuito de transformar o campo do Oity numa Vila Olímpica. No documento, o vereador explicou os motivos para a construção da Vila:

Logo, tendo em vista as razões dos moradores que anseiam por espaços públicos nesse sentido, a construção de uma Vila Olímpica permitirá a todos os moradores o fácil acesso à prática de vários esportes, colaborando para uma melhora significante da saúde da população, especialmente porque o bairro não possui uma área para tal final. Portanto, o Projeto visa proporcionar gratuitamente à comunidade local e aos bairros vizinhos, como Santíssimo, Senador Camará, Campo Grande, espaços adequados para o lazer, esporte e diversão. 
Vale acrescentar que, onde outrora funcionava uma área de lazer, hoje o local está ocupado por um depósito de carros rebocados pelo Detran. Sendo assim, pelos pedidos incansáveis de moradores locais, que necessitam da urbanização de uma área até então abandonada e degradada, é que venho pedir o apoio dos senhores parlamentares em prol desse projeto de lei“. 

 

FONTES: Google Maps/2010 – Câmara Municipal do Rio de Janeiro – O Fluminense – Correio da Manhã – André Luiz Pereira Nunes

 

O Sudan Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O ‘Club Rubro Cascadurense’ foi Fundada na quarta-feira, do dia 22 de Novembro de 1911. A sua Sede ficava na Rua Clarimundo de Mello, nº 857, em Cascadura. O seu campo alugado (de propriedade do Sport Club Campinho) ficava localizado na Rua Mendes de Aguiar, nº 18, no Bairro de Cascadura, na Zona Norte do Rio.

Sob a presidência de Armando Silva, o Sudan Athletico Club se mudou, no início do mês de março de 1950, para a Rua Nerval Gouveia, nº 331, no Bairro de Quintino Bocaiúva, também na Zona Norte do Rio.

Na segunda-feira, do dia 25 de Agosto de 1930, o Sudan iniciou um processo de reorganização, liderado pelo presidente do clube: Adelino Cardozo. Dentre as mudanças, foi colocado em votação a proposta para alterar o nome para Athletico Club Prado Júnior. Contudo, a sugestão foi rejeitada.

Então, oficialmente, na sexta-feira, do dia 12 de Setembro de 1930, o Sudan foi reorganizado. A diretoria eleita foi constituída da seguinte forma:

Presidente - Adelino Cardoso;

Vice-Presidente - Alfredo Ferreira;

Secretário Geral - Honório Gonçalves Ferreira;

1º Secretário - David Lourenço;

2º Secretário - Armindo de Carvalho;

1º Tesoureiro - Francisco Alves;

2º Tesoureiro - João Cardoso;

Procurador - Amadeu Geada Filho;

Diretor Esportivo e técnico - Mario Ferreira;

Vice-Diretor Esportivo - Adriano Alves Ferreira.

Na terça-feira, do dia 25 de novembro de 1930, apresentou um reforço de primeira. Manoel Rodrigues, center-half do Brasil Football Club, da 1ª Divisão da Associação Paranaense de Esportes Athleticos (APEA).

Três dias depois, o clube anunciou outra novidade. O cargo de diretor técnico foi extinto. Foi criado o Departamento Técnico composto de três membros: Mario Ferreira, Alcibíades da Costa Nunes e Adriano A. da Costa.

 

Curiosidade

Na quinta-feira, do dia 18 de Dezembro de 1930, o jornal Diário de Notícias deu o resultado do vencedor da Taça Diário de Notícias, referente ao clube mais votado na prova de simpatia. Com 100 votos, o Sudan Athletico Club foi o grande vencedor, seguido do Team do Encouraçado ‘Minas Geraes’.

Vice-campeão da LMDT de 1933

Após ter participado de algumas edições do Campeonato organizado pela Associação Suburbana de Deportes Athleticos (ASDT), a equipe Sudanense ingressou, na sexta-feira, do dia 24 de abril de 1931, na Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT).

Além disso, o Sudan obteve contrato do antigo campo do Jacarepaguá Athletico Club e efetuou grandes reformas a fim de poder ter condições de disputar o Campeonato de 1932. No entanto, por razões não noticiadas, o acordo acabou sendo desfeito e o Sudan permaneceu jogando no campo da Rua Mendes de Aguiar, nº 18, no Bairro de Cascadura, na Zona Norte do Rio.

Em 1933, ficou com o vice-campeonato da LMDT, só atrás do campeão Viação Excelsior Football Club. Em 1947, o Sudan participou do Campeonato Popular, organizado pelo jornal “A Tribuna Popular”, que festejava o seu 2º aniversário.

1º Time de 1930: Cardeal (Jaguaré); Jorge Pereira e Medonho (Moacyr); Donga (Setenta), Bilé e Ary (Quadro); Albino (Raposo), Nicanor (Bahianinho), Bahiano (Rubens), Bilú (Cap.) e Thomaz (Caixa d’Água).

2º Time de 1930: Geada; Adelino e Jeronymo; Pedro, Bebeto e Jamelão; Vespaziano, Miúdo, Gradim, Amadeu e Henrique.

Time de 1931: Mario; Moacyr e Valério; Vinício, Ary e Lourival; Sebastião, Bahiano, Rubem, Octavio e Antonio.  

Time de 1932: Joãosinho; Grané e Bento; Sebastião, Américo e Ary; Esteves, Antonio, Armindo, Mario e Manoel.

Time de 1934: Renato (João); Popó e Terrozo; Ary, Donga e Varella (Barbosa); João (Itamar), Lessa (Gallego), Bahiano, Rubens e Pitanga (Nicanor).

Time de 1943: Sylvio; Leite e Aluizio; Floriano (Bira), João e Paulinho; Chimango (Tião), Octacilio (Ica), Adelino (Baiano), Yvan e Maquita. 

Time de 1947: Jorge; Nelson e Aluizio; Oscar, João e Casaca; Wilson, Quatorze, Hélio, Osmário e Djalma. 

 

FONTE: O Imparcial – Correio da Manhã – Diário de Notícias – Diário da Noite – Jornal dos Sports

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha