Em pé: Valdir. Enio Rodrigues. Oby. Valdo. Ivo e Orlando.

Agachados: Carlito. Breno. Pedrinho. Enio Rodrigues e Orcely.

 

Esquadrão do Renner de Porto Alegre no primeiro jogo contra a Seleção Alagoana em excursão a Alagoas

Em 1954 o Renner de Porto Alegre jogou duas partidas em Maceió. Era o primeiro clube gaúcho a visitar o Estado Nordestino.

Tinha conquistado o campeonato gaúcho da temporada e veio com muito cartaz. Possuía grandes jogadores e, alguns deles terminaram jogando na seleção brasileira.

O 1º jogo aconteceu no dia 27 de dezembro. O Renner perdeu para a Seleção Alagoana por 3 x 2. Um resultado que foi contestado pelos gaúchos que não aceitaram o segundo pênalti marcado pelo arbitro alagoano, Adalberto Silva. O goleiro Valdir de Moraes não quis ficar no gol para a cobrança. O juiz mandou cobrar com o meta gaúcha vazia. Era o gol da vitória alagoana. Orizon fez os dois de pênalti e Géo completou os gols do locais. Joeci e Enio Andrade marcaram para o Renner.

O jogo foi bom até o momento em que o juiz assinalou o segundo pênalti contra os visitantes.

O marcador era de 2 x 2 e demonstrava o equilíbrio entre as duas equipes.

Depois de muita conversa os dirigentes azulinos conseguiram convencer os gaúchos a retornarem ao campo e terminarem o jogo.

Foram os piores momentos da partida.

O Renner fazendo o tempo passar.

A seleção perdeu o interesse pelo jogo e a própria torcida não sentiu mais nenhuma emoção pela vitória.

A Seleção Alagoana venceu com Epaminondas. Dirson e Orizon. Piolho. Zanélio e Mourão. Cão (Helio Miranda). Dida. Cécé. Bequinho (Tonheiro) e Géo.

Três dias depois, no mesmo campo do mutange, o Renner voltou para enfrentar o CSA.

Os gaúchos exigiram que o juiz fosse Aparicio Viana que acompanhava a delegação na temporada pelo Nordeste.

O resultado final foi de 1 x 1.

O CSA com um time bem entrosado realizou uma grande exibição.

O Renner, esquecendo os problemas do domingo, também fez por merecer os elogios.

O publico assistiu um grande espetáculo. Um futebol de alto nível. Os alagoanos começaram de forma arrasadora. Assinalaram seu gol através do ponteiro Géo e realizaram um jogo de boa técnica e rapidez nas jogadas. No segundo tempo, os alagoanos cansaram e os gaúchos continuaram com a mesma regularidade.

E mantendo o ritmo, chegaram ao empate através de Juarez. Foi um grande jogo e que apagou a má impressão deixada na partida anterior quando os lamentáveis acontecimentos envolveram os jogadores do Renner e o juiz Adalberto Silva.

O CSA jogou com Almir. Paulo Mendes e Orizon. Piolho. Zanelio e Napoleão. Italo (Deda). Dida. Sued. Netinho e Géo.

O Renner com Valdir (Albertino). Enio Rodrigues. Léo (Ody). Ivo Medeiros (Gago). Bonzo (Valdo) e Orlando. Carlito. Breno. Pedrinho (Juarez). Enio Andrade e Joeci (Orely).

 

FONTES: Esquadrões de Futebol – Futebol Gaúcho – Wikipédia – História do Futebol Alagoano

 

O Esporte Clube Encantado é uma agremiação da cidade de Encantado, que fica a 148 km da capital Porto Alegre (RS). A equipe manda os seus jogos no Estádio das Cabriúvas, com Capacidade para 3 mil pessoas, situado na Rua Guerino Luca, s/n, no Bairro Zacarias, no Encantado.

O “Alvirrubro Encantadense” foi Fundado na terça-feira, do dia 21 de Abril de 1942. A Sede fica localizado na Rua Sete de Setembro, nº 2.204, no Centro da cidade.

História

Em 1º de março de 1942, numa das dependências do Café Sana, reuniram-se os desportistas de Encantado para fundar o Esporte Clube Encantado, tendo sua primeira diretoria formada por: Hugo Madureira Coelho, Presidente Romano De Nes, Secretário Paulo Bergamaschi, Tesoureiro e Armando Reali, como técnico.

Esta diretoria após a organização do Clube, tomou posse a 21 de abril do mesmo ano, data em que ficou oficializada a fundação da Entidade. O esquadrão principal era formado, praticamente dos mesmos atletas de 1940, com a saída de alguns e ingresso de outros.

Em 1949 formavam a equipe principal do Esporte Clube Encantado: Osvaldo, Alcir Periolo, Orlando Lucca, Neudy Bonfanti, Jovino Periolo, Sérgio Nardini, Nelci, Altamir, Nercy Angheben, Avelino Martini, Henrique Treméa, o veterano Leonório Secchi, (Noi) e Vitor Berticelli.

 

Em 19 de junho de 1950, o Prefeito Municipal em exercício, Miguel Luiz Pretto, sancionava a seguinte Lei: “LEI nº 86, de 1º de junho de 1950: Autoriza a doação de uma área de terras situadas na zona suburbana desta cidade à Sociedade ESPORTE CLUBE ENCANTADO, de 21 a 23 mil metros quadrados, para a prática de esportes — Futebol, Vôlei, Tênis e outros semelhantes para educação física. A denominação da Praça de Esportes será “Estádio das Cabriúvas”.

Títulos
Em 1954, o Esporte Clube Encantado, novamente desponta no cenário desportivo gaúcho, sagrando-se Campeão da Zona Leste, na categoria de amadores, a 10 de outubro, ao empatar com o Brasil Futebol Clube de Farroupilha (atual SERC Brasil).

Era Presidente do Encantado o desportista Nicodemo Martini, Secretário Genuino A. Ferri, técnico, Aurélio Hélio Moesch Massagista, Abel Pereira e a Madrinha, Norma Martini.

Em 1958, o Esporte Clube Encantado, disputando na categoria de Profissionais,  2ª Divisão, conquistou o título de vice-campeão da Zona Planalto. Outro título importante foi conquistado pela agremiação em 1967, de Vice campeão da Zona 1 -  Campeonato Estadual 1ª Divisão de Profissionais.
Vitor Berticelli, esforçado batalhador pelo esporte bretão, a partir de 1958, após “pendurar as chuteiras”, devido a uma lesão, passou a dirigir o Esporte Clube Encantado, inclusive como técnico.

Nessa época, durante um recesso do Clube, organizou um time de verão, denominado “Estrela Vermelha”, com os próprios jogadores do Clube, com curta duração. Vitor em 1971, em seu restaurante, onde se reuniam os desportistas, lançou a feliz ideia de convidar, para dirigir o Clube, um grupo de moças fãs do esporte.
1971: Clube elegem diretoria composta por homens e mulheres

Em 16 de agosto de 1971, os desportistas encantadenses elegiam, pela primeira vez no Brasil, a Diretoria do Esporte Clube Encantado, integrada por elementos do sexo feminino, nos cargos principais, com a seguinte constituição:
Presidenta: Jurema Bagatini;

Vice-presidente: Marta Kummer;

Secretária: Dione Maria Pavéglio;

2º Secretário: Lício Caumo;

Tesoureiro: Erno Pederiva;

Técnico: Vitor Berticelli.

Os Departamentos e as Comissões eram formadas por: Gladis Sangalli, Ivone Zanotelli Bigolin, Juraci Spagnollo, Lorena Bergamaschi, Vanira M. Ferri, Carmem Klima, Nedi Sandri, Claudete Cucciolli e Elaine Leite.
Esta Diretoria obteve repercussão de âmbito Municipal, Estadual, Nacional e Internacional, de vez que a imprensa de todo o Brasil comentou o fato, tendo sido convidada para participar de programas de rádio, televisão e jornais.
Em 20 de fevereiro de 1972, o Esporte Clube Encantado iniciava as disputas, visando o Campeonato Gaúcho, tendo como técnico, Marcos Garcia, passando Vitor Berticelli para Diretor de Futebol.

Em 1972, sagrou-se campeão na Categoria de Profissionais, 1ª Divisão, classificando-se para a disputa da Mini Taça Governador do Estado.  Atuaram nesta etapa os atletas: Luiz, João, Hélio, Valdir, Edílio, Eleutério, Mário, Bodinho, Malomar, Enio e lvaldo.
A 8 de agosto de 1972, tendo a Diretoria feminina cumprido seu mandato, foram eleitos para dirigir o Clube, Airto Gomes Aduar Borghetti, como Presidentes e Nelson Bergamaschi e Salin Chanan como vice-Presidentes.
Na fase seguinte o Esporte Clube Encantado, sagrou-se Campeão do torneio da Mini Copa Governador do Estado, classificando-se para a Copa Governador do Estado, em 1973, quando conseguiu o segundo lugar nesta categoria, obtendo o “passaporte” para a Divisão de Honara do Futebol Gaúcho, o “Gauchão”.

Esta classificação foi obtida pelos atletas Franck, Sidney; Valdir, Queco, Edujo, Mário, Celso, Bodinho, Malomar Enio, Ademir, João Radaelli, Nana, Paulo, Joãozinho, Ronaldo, Betinho, Rui, Dilvar e Soares.
Em agosto de 1973, o atleta do Esporte Clube Encantado, Ênio Fontana, foi convocado, pela Federação Gaúcha de Futebol, para integrar a Seleção Gaúcha do Interior a fim de excursionar para o Uruguai, Argentina e Chile. Para disputar o Campeonato da Divisão de Honra, o Esporte Clube Encantado, necessitava de melhores condições de seu Estádio, no que foi favorecido pela Prefeitura Municipal, na gestão de Evaldo Zílio, com a construção de 1.200 metros de arquibancadas de concreto, novos vestiários, sanitários e banheiros, fazendo com que o Estádio das Cabriúvas oferecesse as condições mínimas exigidas.
Antes do início do Campeonato o Esporte Clube Encantado recebia, em seu Estádio, a visita dos dois maiores Clubes do Estado, Grêmio e Internacional em duas partidas amistosas, respectivamente a 23 de junho e 21 de julho de 1974.
A quatro de agosto do mesmo ano, o Encantado, fazia sua estreia oficial no Gaúcho, realizando o maior feito esportivo da temporada, ao enfrentar o Grêmio Porto-alegrense em pleno Estádio Olímpico, vencendo, na primeira etapa, por três a zero. No segundo tempo, o Grêmio, com o auxílio do Juiz, segundo os jornais da época, conseguiu empatar a partida, após a expulsão de dois jogadores do Encantado.
Atuaram nesta partida, incentivados por uma enorme torcida do “Leão do Vale“, os atletas: Franck, Coti, Valdir, Ronaldo Betinho Rui, Nana, Clóvis, Malomar, Enio e Soares. Participaram ainda, João Ferri e Celso, em substituição.

Por diversas vezes o Esporte Clube Encantado participou dos testes da Loteria Esportiva sendo a última no teste nº 223, em Novo Hamburgo, quando perdeu por um a zero.

 

Em 1974, época áurea do futebol encantadense, bem como nas disputas de 1975, atuaram os atletas: José Carlos Franck (Franck), Humberto Chittó (Careca), João Agostinho Ferri (João), Valdir Antônio Virgulino (Valdir), Ronaldo Henrique Becker (Ronaldo), José Valmor dos Santos Rosa (Betinho), Lucrécio Moesch (Queco), Edílio Fontana (Edílio), Ivaldo Boeira Caral (Mickey), Celso Ruschel (Celso), Enio Fontana (Ênio), Adair Lopes Bicca (Adair), Enio Costa (Enio), Cleber Schaeffer (Cleber), Paulo Lopes (Xaxá), Cláudio Ari Mariani (Ari), Adroaldo Signorelli (Adroaldo), Paulo Moacir Rodrigues (Moacir),Rubem Brandão Nunes (Rubem), Eleutério Agnoletto (Telo), Djair Cardoso da Silva (Djair).
Vitor Berticelli da Silva: nos meios esportivos, chegou a ser sinônimo de Encantado. Foi elogiado por muitas pessoas importantes no futebol como pelo Diretor do Departamento Profissional da Federação Gaúcha, Gastão Prudente, que disse: “todos os clubes do interior deveriam ter um Vitor Berticelli”.

 

Vitor, na famosa partida do E.C.E. contra o Grêmio, prometera que viria de Porto Alegre a Encantado, a pé, caso seu time vencesse. O Grêmio, depois de estar perdendo por três a zero, conseguiu aos 46 minutos do segundo tempo, empatar a partida, que já estava em 3 a 2.

 

O Esporte Clube Encantado, em 1975, tendo de volta, como técnico, Vitor Berticelli e na presidência Raimundo Bolsi, disputou a Copa Cícero Soares, sagrando-se Campeão, com todos os méritos, fazendo jus ao prêmio de Cr$ 20.000 (Cruzeiros) na época.
Em outubro de 1975, o E.C.E. apareceu, em destaque, juntamente com o Internacional, na capa da Revista Carnet, em sua edição de nº 37, com os componentes de seu quadro principal, com a legenda: “O Esporte Clube Encantado é uma das novas tradições do futebol gaúcho”.

 

Em 1979, o E.C.E., sob a Presidência de Adroaldo Conzatti, assessorado por Nédio Debortolli, Vitor Berticelli como técnico e como preparador físico e jogador Enio Fontana, disputou o Campeonato da Divisão de Acesso entre 25 Clubes do Estado.

Neste período, o atleta Ênio Fontana, abriu mão de seu passe junto ao Joaçaba de Santa Catarina, para atuar pelo Encantado, numa atitude louvável. Nesta Categoria o Encantado classificou-se para a segunda fase da Divisão de Acesso.

Disputou ainda, neste ano, a Copa Vale do Taquari classificando-se em primeiro lugar, entre oito equipes. Atuaram nesta copa os atletas: Devitt, Didi, João, Queco, Tuti, Evaldo, Chico, Roque, Mamo, Babá, André, Leonardo, Arcari, Gringo, Noemir Radaelli, Moriggi, Roque e Jacaré.

Em 2006, o time ficou fechado, porém em 2007 em parceria com Mauro Galvão, o Estádio foi remodelado, e seu plantel remontado.

 

 Colaborou: Rosélio Basei

FONTES: Wikipédia – Livro de Gino Ferri -  “Encantado -Sua História, Sua Gente” – Jornal Antena – Blog Times do RS

 

 

 

FOTO: Silvio Bolo Remedi

Colaborou: Rosélio Basei

 

Grêmio Esportivo Flamengo (atual Sociedade Esportiva e Recreativa Caxias do Sul) foi uma agremiação da Cidade de Caxias do Sul (RS). Fundado no dia 10 de abril de 1935, graças a fusão dos clubes Rio Branco e Rui Barbosa. As circunstâncias que envolveram o surgimento do Flamengo, estão diretamente ligadas ao seu mais tradicional rival, o Juventude.

Germano Pisani, presidente do Rio Branco, procurou o presidente do Rui Barbosa, Sílvio Toigo e propôs uma fusão entre os clubes. Eles pensavam que se unindo forças iriam ter condições de enfrentar os maiores rivais, especialmente o Juventude que dominava o futebol de Caxias do Sul na época.
A primeira diretoria do Grêmio Esportivo Flamengo foi formada por Sílvio Toigo (presidente), Bôrtolo Facchin e Germano Pisani (vice-presidentes), Alfredo Caberlon e Mário Menegaz (secretários), Guerino Bedin e Ítalo Bertuzzi (tesoureiros).
FONTES: Mercado Livre- Blog Relíquias do Futebol
 

FONTE: Mercado Livre

 

Em 15/06/1920 foi realizada a primeira partida da história entre Grêmio e Juventude de Caxias do Sul, no Estádio da Baixada em Porto Alegre.

A partida teve como peculiaridade a estréia do “mitológico” goleiro Eurico Lara na equipe de Porto Alegre.

Ficha do Jogo:

Dados Gerai

Grêmio 3x0 Juventude

Data: 15 de junho de 1920.

Horário: 16h

Local: Estádio da Baixada, em Porto Alegre-RS

Árbitro: Paulo Grauberger

Competição: Amistoso

Gols:

Grêmio: Ramãozinho (12′/1), Gertum de pênalti (18′/2) e Lagarto de pênalti (‘/2).

Times:

GRÊMIO: Lara; Assumpção e Jorge Py; Rodolpho Costa “Costinha”, Dorival Fonseca e Moreno; Oscar Gertum, Bruno Cossi, Lagarto, Máximo Laviaguerre e Ramão “Ramãozinho”. 

Técnico: Lagarto 

JUVENTUDE: Nicolau; Bortagaray e Bado; Muratore, Luise e Mengatto; Gregollo, Edmor, Martinez, Zanella e Greggio. 

Técnico: Bortagaray  

Matéria do Jornal “A Federação” sobre a partida realizada

 

Fonte: Jornal a Federação.

 

 

O Sport Club Municipal foi uma agremiação da cidade de Porto Alegre (RS). O Rubro-Verde Municipalista foi Fundada na quarta-feira, do dia 08 de Dezembro de 1915, pelo niteroiense (RJ) Henrique Poppe Leão, então aos 34 anos. Um fato curioso é que Henrique Poppe foi um dos fundadores do Sport Club Internacional de Porto Alegre, em 1909, e que presidiu em 1910.

O seu 1º Campo ficava na Rua Souza Reis, s/n. No final de 1917, o Municipal inaugurou o seu novo campo: Ground da Chácara dos Maricás, situado na Rua Benjamin Constant, s/n. Ambos ficavam no mesmo Bairro: de São João, em Porto Alegre.

Na Sala da Escola Bibiano de Almeida, no 4º Distrito, ocorriam as reuniões e assembléias do clube. No domingo, do dia 06 de Agosto de 1922, o clube inaugurou, às 14 horas, a sua nova Sede, também localizada na Rua Benjamin Constant, nº 240 (antigo Stand de Tiro de Guerra, nº 318), no Bairro São João.

Títulos

O 2º Team do S.C. Municipal foi Campeão do Campeonato Citadino de Porto Alegre da 2ª Divisão da Federação Sportiva Rio-Grandense de 1917.  O time campeão formou com: Orestes; Muratori e Portella; Heid, Edgar e Maineri I; Paulo (Cap.), Novo, Tubarão, Maineri II e Cambota.

Na sua estreia na 1ª Divisão da Associação Porto Alegre de Football de 1921, se sagrou campeão do Torneio Início de Porto Alegre. A conquista rendeu para o clube um convite, onde realizou a sua primeira excursão foi para a cidade de  São Leopoldo.

No domingo, do dia 05 de Junho de 1921, às 14 horas, enfrentou o Sport Club Nacional. O 2º Quadros venceu os donos da casa pelo placar de 3 a 2. Às 16 horas, teve início a partida principal, tendo o Municipal obtido mais um triunfo pelo marcador de 2 a 1.

 

Algumas Formações

Time de 1917: Balão (Cap.); Arranca e Pedro; Carioca, Euzébio e Nando; Cláudio, Boleslan, Julio, Pedro Il e Loló.

Time de 1921: Pavim (Trave); Muratori e Nando; França (Sanguinetti), Grigollo e Antoninho {Cap. (Heid)}; Mano, Novo (Soveral), Koch, Oswaldo e Cezar (Fabretti).

Time de 1923: Emmanuel; Roedel e Sancho; Soveral, Mano e Fulhmann; Novo, Bertini, Fabretti, Aramis e Blaski.

 

FONTES: Wikipédia – A Federação  - O Exemplo (RS)

FOTOS: Douglas Marcelo Rambor – Marlon Compassi

 

Data: 18 de março de 1928
Local: Campo do Grêmio, em Porto Alegre – RS

1º jogo  -  Grêmio 1-0 Cruzeiro
2º jogo  –  Porto Alegre 1-0 Ypiranga
3º jogo  -  Americano 1-0 São José
4º jogo  -  Internacional 1-0 Ruy Barbosa
5º jogo  -  Grêmio 2-0 Concórdia
6º jogo  -  Porto Alegre 0-0 Americano (1-0 esc)
7º jogo  -  Grêmio 1-0 Internacional
Final      -  Porto Alegre 2-0 Grêmio

Campeão – Fussball Club Porto Alegre (Porto Alegre – RS)

Fonte: A Federação / RS

 

Este festival marcou a inauguração do campo do GE Teresópolis
Data: 11 de março de 1928
Local: Campo do GE Teresópolis, em Porto Alegre – RS

1º jogo  -  Porto Alegre 1-1 Ruy Barbosa (3-1 esc)
2º jogo  -  Cruzeiro 2-1 Ypiranga
3º jogo  -  Americano 0-0 Concórdia (1-0 esc)
4º jogo  -  Grêmio 1-0 Teresópolis
5º jogo  -  São José 1-1 Porto Alegre (1-0 esc)
6º jogo  -  Cruzeiro 1-0 Americano
7º jogo  -  Grêmio 2-0 São José
Final     -  Cruzeiro 2-1 Grêmio

Campeão – Esporte Clube Cruzeiro (Porto Alegre – RS)

Fonte: A Federação / RS

 

Cachoeira Futebol Clube (acima o raro escudo do clube em 1926) é uma agremiação do município de Cachoeira do Sul (RS). Fundado no dia 24 de fevereiro de 1914, na residência do estudante Henrique Müller Barros, que mais tarde se tornaria médico no município.

No currículo, o Cachoeira possui 11 títulos da zona centro do estado, em 1944, 1948, 1951, 1955, 1959, 1962, 1963, 1969, 1971, 1973 e 1975. Das 11 conquistas, sete foram longe do Estádio Joaquim Vidal. Sagrou-se duas vezes vice-campeão do interior e terceiro colocado no Campeonato Gaúcho, em 1944 e 1948. Sua maior conquista foi em 2001, ao sagrar-se campeão da Terceira Divisão do Campeonato Gaúcho.

1914 - Primeira formação do Cachoeira F.C.

Entre altos…

Em 1965 o Cachoeira F.C. desbancou o Grêmio, que era tricampeão gaúcho. Em 1972 o Inter, que era tricampeão gaúcho, acabou sendo surpreendido e perdeu por 1 a 0.

Baixos

Uma década depois, em 1982, após ser derrotado pelo Farroupilha por 4 a 2, em Pelotas, a diretoria do Cachoeira, desiludida decidiu encerrar as suas atividades.  Após 17 anos longe dos gramados, o Cachoeira voltou as atividades em 1999.

 

FONTE: Blog Relíquias do Futebol

FOTO: Grande Álbum de Cachoeira – de Benjamin Camozato, em 1922

 

Colaborou:  Rosélio Basei

FONTE: Mercado Livre 

 

Colaborou: Rosélio Basei

FONTE: Mercado Livre

 
1989

 

A segundona gaúcha de 1988 possivelmente foi a mais disputada de todos os tempos: 36 equipes lutaram por duas vagas ao Gauchão. O Glória venceu as fases iniciais e apoiado em uma perfeita aliança entre clube, torcida, empresariado e poder público, partiu para a disputa do octogonal final como favorito. A largada, porém, foi preocupante, e a perspectiva do adiamento do sonho por mais um ano começava a tornar-se uma realidade.

Foi quando a direção contratou o técnico Daltro Menezes. Experiente e folclórico, o “Gordinho” deu ao time a confiança necessária para a vitória, que veio de forma definitiva na tarde de 27.11.1988, quando a cidade parou para ver o Glória golear o Ypiranga por 3 a 0 e conquistar o título da Divisão Especial de 1988. Durante o octogonal, o time-base teve: Gasperin; Betão, Chimbica, Chicão e Francisco; Alemão, Plein, Hélder e Edmundo; Zé Carlos e Marcos Toloco.

O grupo campeão da Divisão Especial de 1988. Acima, da esq. para a dir.: Zé Roberto, Zé Moraes, Renato Lima, Chimbica, Didier, Cigano, Gasperin, Luiz Carlos e César “Vaquinha”. Em pé: Beto Almeida (Aux. Técnico), Daltro Menezes (Técnico), Ricardo, Herman, não identificado, Zé Carlos II, Plein, Chiquinho, Zé Carlos, Marcos Toloco, Élder, não identificado, Betão e Antônio Soares dos Santos (Dir. Administrativo). Agachados/sentados: Chimia, Nestor (Massagista), Edmundo, Chicão, Jorginho, Faller, Élton, Francisco, Áureo e Edu Chaves (Supervisor).

Com a vaga assegurada, era necessário preparar-se para a estréia na elite. Manteve-se Daltro Menezes e reforços foram trazidos. A expectativa era imensa, mas a equipe correspondeu ao que dela se esperava: o Rio Grande conheceu o estilo Glória de jogar futebol, feito de muita determinação e espírito de grupo, mesclando a experiência do veterano Gasperin com a raça do jovem atacante Zé Cláudio e com a qualidade de Branco e Edmundo, um dos remanescentes de 1988. Foram dias de Glória! O reconhecimento nacional veio rápido: a revista Placar, na edição 981, dedicava duas páginas à excelente campanha do time no campeonato gaúcho.

O grupo 4º colocado no Gauchão de 1989. Em pé, da esq. para a dir.: Zé Roberto, Paulão, Garcia, Paulo Santos, Vladimir, Didier, Edmundo, Gasperin, Zé Cláudio, Gilberto, Ricardo, Daltro Menezes (Técnico), Hamilton (Prep. Físico), Josimar Pilar (Dir. de Futebol), Alexandre Pilar e Antônio Soares dos Santos (Dir. Administrativo). Ajoelhados: Francisco, Zé Carlos, Áureo, Juarez, Rubinho, não identificado e Edmílson. Sentados/agachados: Jorginho, Branco, Jair, Élder, Chimbica, Edu Chaves (Supervisor) e Nestor (Massagista).

As Partidas memoráveis foram disputadas, como o Internacional X Glória de 09.03.1989, quando os vacarienses encurralaram o adversário em seu próprio terreno e só não saíram vencedores devido à má-arbitragem. Ou como o Glória X Grêmio de 30.04.1989, em Vacaria. Naquele dia, um Grêmio em crise subiu a Serra com a obrigação de vencer, sob pena de eliminação. Em um duelo dramático e tumultuado, o tricolor arrancou suados 2 a 1, no jogo que ficou conhecido como “A Guerra de Vacaria”.

Após um começo empolgante do “Leão”, valeram a experiência e a tradição das outras equipes. Bravamente, o Glória terminou o campeonato no 4º lugar, feito notável para um estreante. Time-base durante o Gauchão, e o melhor da História do clube: Gasperin; Paulão, Vladimir, Juarez e Francisco; Edmílson, Jair, Branco e Edmundo; Geraldo e Zé Cláudio. Campanha: 26 jogos, 7 vitórias, 13 empates e 6 derrotas, 27 gols a favor e 26 gols contra.

O bom resultado no estadual valeu o convite para disputar a Divisão Especial brasileira, mas a equipe foi eliminada na primeira fase. A irregularidade refletia a perda de jogadores importantes: Gasperin encerrara a carreira, enquanto Branco, Edmundo e Zé Cláudio deixaram Vacaria. De qualquer forma, o discreto 34º lugar entre as 96 equipes da segundona brasileira representou a primeira experiência do time vacariense em competições nacionais.

FONTES: Revista Placar e site do G.E. Glória de Vacaria.

 

FONTE: Vida Doméstica, Revista do Lar e da Mulher 

 

O Real Sport Club é uma agremiação do Município de Capão da Canoa (RS). Fundado em 2005, a sua Sede fica localizada na Avenida Venâncio Aires, nº 340/ Ap. 303, no Bairro Zona Nova, em Capão da Canoa. Filiado à Federação Gaúcha de Futebol (FGF), o Real está disputando o Campeonato Gaúcho Juvenil deste ano, e participará da Copa FGF de 2017.

FONTES & FOTO: Página do Clube no Facebook – Federação Gaúcha de Futebol (FGF) – Homero Queiroga

 

 

 

Em 1985, após quatro temporadas disputando competições amadoras, o Glória anunciou a reativação de seu Departamento Profissional. Depois de anos de licenciamento, teria que recomeçar disputando a pouco valorizada terceira divisão. Talvez por isso, havia a desconfiança de que a nova incursão no profissionalismo não se sustentaria, como em 1976 e 1979/1980. Desta vez, porém, o projeto era mais sólido e com um objetivo definido: levar o Glória até a disputa do Gauchão, ao convívio dos grandes.

Para atingir essa meta, os dirigentes executaram uma política prudente: a formação de uma boa equipe só poderia ocorrer se houvesse uma estrutura condizente. Assim, mesmo com o risco de não obter bons resultados em sua reestréia, o Glória optou por começar investindo na própria casa. E fez, à época, o que alguns clubes da primeira divisão até então não tinham feito: instalou um sistema de refletores no estádio Altos da Glória.

Um fato de tal importância não poderia resumir-se a ele próprio, e o Internacional foi convidado para o amistoso de inauguração. O adversário era o tetracampeão gaúcho, e muitos de seus jogadores haviam feito parte da Seleção medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984. Mais que uma festa, a vinda do Internacional para Vacaria significava que o projeto de alcançar a primeira divisão não era um blefe. E em 12 de junho de 1985, a cidade recepcionou, com grande festa, o escrete Colorado.

O amistoso foi assim noticiado pelo jornal Zero Hora:

“Um adversário fraco na teoria – o Glória participa da terceira divisão do futebol gaúcho – fez com que os jogadores do Inter se poupassem no início da partida. Mas o time local estava muito motivado e surpreendeu: aos sete minutos, a zaga do Inter parou, César chutou e Mauro concluiu para grande alegria dos torcedores presentes no estádio do Alto [sic] da Glória. Isso fez com que os jogadores do Inter [...] se esforçassem mais. Daí, a virada veio ao natural: Rubén Paz (de pênalti) empatou aos 12 minutos e Kita ampliou aos 32. Mas o frio – fez cinco graus positivos em Vacaria – permitiu ao time do Glória mostrar um bom preparo físico e resistir bastante à base de muita correria.

“No segundo tempo, a temperatura baixou para os dois graus positivos e o Glória ainda lutou até os 15 minutos, quando César perdeu excelente oportunidade para empatar. Depois disso, no entanto, o Inter tomou conta do jogo e construiu a goleada: aos 19 minutos Jussiê fez o terceiro gol; aos 23 Kita marcou o quarto; aos 31 minutos, Verdum – na cobrança de um segundo pênalti – ele errou o primeiro, mas Itiberê Padilha ordenou novo chute – fez o quinto e o mesmo Verdum ampliou para seis aos 34 minutos.”

O resultado de 6 a 1 não deixou dúvidas sobre a diferença entre as duas equipes, apesar da bravura dos jogadores do “Leão”, no amistoso que foi o marco simbólico da arrancada do Glória rumo à primeira divisão. Em breve, todos sentiam, o Internacional voltaria a atuar na cidade, desta vez valendo pontos, e nunca mais uma derrota no Altos da Glória seria vendida facilmente. Naquela noite, os refletores iluminavam mais do que um simples amistoso: iluminavam o futuro de um clube e de toda uma comunidade rumo a uma era de vitórias.

 

Ficha Técnica

Glória: Didier (Aritana); Valdecir (Canhoto), Pedrinho, Rui e Osmar; Renatinho (Bido), Gilmar e Nilzo; Carlinhos (Mano), César “Vaquinha” e Mauro (Raul). Técnico: Renatinho.

Internacional: Mano (Zé Carlos); Luiz Carlos Winck, Aloísio, Mauro Galvão (Pinga) e André Luiz; Ademir Kaefer (Marquinhos), Ademir Alcântara (Silvinho) e Rubén Paz; Jussiê, Kita (Luís Freire) e Pedro Verdum. Técnico: Octacílio Gonçalves.

Arbitragem: Itiberê Padilha, com Celso Pastro e Enísio Matte.

Renda: Cr$ 28.000.000,00
Local: estádio Altos da Glória, em Vacaria.

 

Fonte: Jornal ZH e Site do Clube.

 

O Esporte Clube Cruzeiro realizou uma excursão por nove cidades de Santa Catarina no final de 1955. Nos dez jogos disputados, o time de Porto Alegre obteve sete vitórias, dois empates e perdeu apenas uma vez.

23/11/1955 – Avaí 4 x 5 Cruzeiro-RS – em Florianópolis

25/11/1955 – Sel. Blumenau 3 x 1 Cruzeiro-RS – em Blumenau

27/11/1955 – Haiti 0 x 1 Cruzeiro-RS – em Rio do Sul

30/12/1955 – Sel. Ibirama 1 x 5 Cruzeiro-RS – Ibirama

3/12/1955 – Sadia 2 x 6 Cruzeiro-RS — em Concórdia

4/12/1955 – Sel. Videira 1 x 2 Cruzeiro-RS -em Videira

8/12/1955 – Cruzeiro 1 x 1 Cruzeiro-RS – em Joaçaba

10/12/1955 – Coringa 1 x 3 Cruzeiro-RS – em Caçador

11/121955 – Corinto 1 x 1 Cruzeiro-RS – em Caçador

18/12/1955 – Sel. Xaxim 1 x 9 Cruzeiro-RS – em Xaxim

Fonte: O Estado

 

 

 

Em novembro e dezembro de 1955, o Aimoré de São Leopoldo (RS) realizou um tour por Santa Catarina. A campanha teve 13 jogos (11 vitórias, um empate e uma derrota) com 42 gols marcados e 10 sofridos.

19/11/1955 – Comercial 1 x 3 Aimoré – em Joaçaba

20/11/1955 – Cruzeiro 0 x 3 Aimoré – em Joaçaba

23/11/1955 – Seleção de Caçador 2 x 3 Aimoré – em Caçador

26/11/1955 – Aliados 0 x 7 Aimoré – em Lages

27/11/1955 – Vasco da Gama 1 x 2 Aimoré – em Lages

20/11/1955 – Avaí 0 x 2 Aimoré – em Florianópolis

4/12/1955 – Haiti 1 x 5 Aimoré – em Rio do Sul

6/12/1955 – Caxias 2 x 1 Aimoré – em Joinville

8/12/1955 – Baependi 1 x 1 Aimoré – em Jaraguá do Sul

11/12/1955 – Ipiranga 1 x 4 Aimoré – Rio Negrinho

14/12/1955 – Sel. Blumenau 1 x 3 Aimoré – em Blumenau

17/12/1955 – Estiva 1 x 3 Aimoré – em Itajaí

18/12/1955 – Lauro Muller 0 x 5 Aimoré – em Itajaí

Fonte: O Estado

 

 

Em 1983, o São Paulo de Rio Grande recebeu em seu estádio o Internacional de Lages para um amistoso. A vitória ficou com a equipe catarinense, que marcou o um gol em cada tempo com Nestor e Nunes. Não foram encontradas informações sobre público e renda.

SÃO PAULO             
0   X  2 INTER DE LAGES (SC)
Data: 05/02/1983 [Sábado], Hora: 20:30, Local: Aldo Dapuzzo (Rio Grande, RS), Arbitragem: Zeno Escobar Barbosa, Auxiliares: Valdir Vioni e Luz Carlos Tibursky, Cartão Amarelo: Djalma, Paranhos e Toninho (SP), Toninho Caixão (I), Gols: Nestor aos 6′ e Nunes aos 52′.
São Paulo (Rio Grande, RS) Nando; Douglas, Carlão, Toninho e Paulo Barroco; Djalma, Mazinho e Neca; Gélson, Paranhos e Baltazar. Técnico: Daltro Menezes.
Internacional (Lages, SC) Carlos Alberto; Dutra, Jorge, Cidão e Cláudio Radar; Toninho Caixão, Bim e Rubenval; Nunes, Nestor e Toninho Caju. Técnico: Firmino Romual Negri.

 

FONTE: Site Súmulas Tchê

 

 

 

Fonte: site do clube

 

O Esporte Clube Novo Hamburgo conquistou o título mais importante em toda a sua história nos 106 anos e seis dias de existência! No último domingo, no dia 07 de maio de 2017, após um empate em 1 a 1, no tempo normal, o Noia venceu o Internacional por 3 a 1, no pênaltis, faturando o inédito título do Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão de 2017, organizado pela Federação Gaúcha de Futebol (FGF).

Na 1ª Fase, o Esporte Clube Novo Hamburgo terminou na liderança isolada com 23 pontos em 11 jogos (sete vitórias, dois empates e duas derrotas; marcando 19 gols, sofrendo nove, com saldo positivo de 10).

Primeira Fase

DATA

JOGO

LOCAL

2ª-feira – 30/01/2017

Novo Hamburgo

1

X

0

Caxias

Estádio do Vale

Sábado – 04/02/2017

Internacional

1

X

2

Novo Hamburgo

Estádio Beira Rio

2ª-feira – 13/02/2017

Novo Hamburgo

1

X

0

São José

Estádio do Vale

2ª-feira – 20/02/2017

Novo Hamburgo

4

X

1

Juventude

Estádio do Vale

6ª-feira – 24/02/2017

São Paulo/RS

1

X

3

Novo Hamburgo

Estádio Aldo Dapuzzo

2ª-feira – 06/03/2017

Novo Hamburgo

4

X

1

Passo Fundo

Estádio do Vale

Sábado – 11/03/2017

Cruzeiro/RS

1

X

0

Novo Hamburgo

Estádio Antônio Vieira

Sábado – 18/03/2017

Ypiranga/RS

2

X

1

Novo Hamburgo

Estádio Colosso da Lagoa

4ª-feira – 22/03/2017

Novo Hamburgo

1

X

1

Grêmio

Estádio do Vale

Domingo – 26/03/2017

Brasil de Pelotas

1

X

1

Novo Hamburgo

Estádio Bento Freitas

4ª-feira – 29/03/2017

Novo Hamburgo

1

X

0

Veranópolis

Estádio do Vale

 

Quartas de Final

DATA

JOGO

LOCAL

Sábado – 1º/04/2017

São José

0

X

1

Novo Hamburgo

Estádio Antônio Vieira

3ª-feira – 04/02/2017

Novo Hamburgo

1

X

0

São José

Estádio do Vale

 

Semifinal

 

DATA

JOGO

LOCAL

Domingo – 16/04/2017

Grêmio

1

X

1

Novo Hamburgo

Arena Grêmio

Domingo – 23/04/2017

Novo Hamburgo

1

X

1

Grêmio

Estádio do Vale

Nos pênaltis, o Novo Hamburgo venceu por 7 a 6.

 

Finais

DATA

JOGO

LOCAL

Domingo – 30/04/2017

Internacional

2

X

2

Novo Hamburgo

Estádio Beira Rio

Domingo – 07/05/2017

Novo Hamburgo

1

X

1

Internacional

Estádio Centenário

Nos pênaltis, o Novo Hamburgo venceu por 3 a 1,  se sagrando campeão pela 1ª vez no Gauchão!

Na seqüência, o Esporte Clube Novo Hamburgo fez valer a melhor campanha eliminando o São José ,nas Quartas de Final; o Grêmio, nas Semifinais; e o Internacional, nas finais.

Desta forma, o Novo Hamburgo encerrou a sua participação com ‘chave de ouro’, no Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão de 2017, com a melhor campanha. Dos 51 pontos possíveis, o Noia somou 33 pontos em 17 jogos (nove vitórias, seis empates e duas derrotas; assinalando 26 gols, sofrendo 14, com saldo positivo de 12).

Parabéns Esporte Clube Novo Hamburgo e a toda a população hamburguense!

 

FONTES & FOTOS: Jornal NH – GloboEsporte.com – Site do E.C. Novo Hamburgo – Federação Gaúcha de Futebol (FGF)

 

 

 

Fonte: Site do Clube.

 

 

Foi no dia 5 de dezembro de 1971 que o Zeca, até então em uma parceria com o clube Barroso, subiu a Serra para garantir o título da Copa Governador do Estado, até hoje a mais importante conquista estadual do clube.

Entre os destaques do time estavam o lateral Carlos Miguel – pai do jogador que se consagrou os anos 1990 com a camisa do Grêmio – e o meia Vasques. Na final, contra o Flamengo, depois transformado em SER Caxias, o São José aplicou 2 a 0 no Passo d’Areia, com gols de Carlos Miguel e Adilson.

Em Caxias do Sul, um 0 a 0 garantiu a taça.

O Zeca entrou em campo naquele dia com: Valdeci; Carlos Miguel, Paulinho, Adilson e Renato; Frazão e Gilnei; Carlos Castro, Vasques, João Alberto (Paulo Nascimento) e Reginaldo (Cará).

FONTE: Site do clube

 

 
GE FORÇA E LUZ (PORTO ALEGRE – RS)

1

SC INTERNACIONAL (PORTO ALEGRE – RS)

0

Data: 20 de julho de 1946 Local: Porto Alegre – RS
Juiz: Osvaldo Rola Caráter: Campeonato de Porto Alegre – 1946
Gol: Nadir
Força e Luz(RS): Claudio; Hugo e Wichnewsky; Romeum Armando e Durvalino; Darcy, Orlando, Iturralbe, Ariovaldo e Nadir.
Internacional(RS): Ivo; Castrinho e Nena; Viana, Avila e Ilmo; Eliseu, Rui, Adãozinho, Rebolo e Carlito.

Fonte: Gazeta Esportiva- SP

 

A Sociedade Esportiva e Recreativa São Gabriel foi uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). O ressurgimento do futebol profissional em São Gabriel, aconteceu sob a liderança do radialista e jornalista Domingos Olímpio Rivas, quando foi Fundado na terça-feira, do dia 1º de Maio de 1979, as suas cores era o verde, vermelho e branco.

Ao todo, o SER São Gabriel participou uma vez do Campeonatos Gaúcho da 1ª Divisão, em 1981; já no Campeonatos Gaúcho da 2ª Divisão, foram 10 participações: 1979, 1980, 1982, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990 e 1992; e uma vez no Campeonatos Gaúcho da 3ª Divisão, em 2000.

Em 1980, um ano após ser fundada a S.E.R. São Gabriel conseguiu o grande feito de subir para a Elite do Futebol Gaúcho. No dia 29 de novembro, no Estádio Silvio de Faria Corrêa derrotou o F.B.C. Rio-Grandense, de Rio Grande por 2 a 0, gols de Cigano e Duira. Antes, havia perdido em Rio Grande por 1 a 0.

Com isso a decisão foi para os pênaltis, com vitória da S.E.R São Gabriel e a conseqüente classificação junto com o Armour F.C., de Santana do Livramento, para o Campeonato Gaúcho da Divisão Principal de 1981.

Pena que o time não correspondeu, chegando ao fim do campeonato com a ingrata tarefa de decidir com o Juventude, de Caxias do Sul, quem cairia para a “Segundona” do ano seguinte. A S.E.R. São Gabriel chegou a essa situação depois de ter escalado de forma irregular o jogador Saraco, numa partida contra o São Borja e ter perdido os pontos.

Em jogo extra, realizado no Estádio dos Plátanos, em Santa Cruz do Sul, o Juventude venceu por 3 a 1 e se manteve na Divisão Principal.

A S.E.R. São Gabriel começou o campeonato com este time: Ricardo, Sérgio Vieira, Serginho, Caio Rocha e Miralha. Caio Flávio, Júnior (Paulo Molina) e Saraco. Batista, Cigano e Betinho.

As boas atuações do centroavante Cigano chamaram a atenção de vários clubes. Além de Internacional, Caxias e São Paulo, o Palmeiras também mostrou interesse em contar com o goleador. O clube paulista estaria disposto a pagar Cr$ 15 milhões por seu passe. Quem acabou ficando com Cigano foi o Internacional, de Porto Alegre.

Depois disso a S.E.R. São Gabriel nunca mais disputou a Divisão Principal do Campeonato Gaúcho. Andou sempre nas divisões inferiores e parando em determinados momentos. O retorno a elite gaúcha só aconteceu em 2001 já com a denominação de São Gabriel F.C.

Em 1988 os desportistas Rudyar Guarani de Bem e José Boneval Nunes, tentaram levantar novamente o E.C. Cruzeiro. A intenção inicial era disputar como amador, para depois de consolidado se tornar de novo profissional.

Mas não deu certo. Chegou a participar do Campeonato Estadual da categoria em 1988, tendo se sagrado campeão da Chave Fronteira. No ano seguinte em razão de dificuldades financeiras, encerrou definitivamente as atividades.

No dia 26 de abril de 1992, num jogo entre S.E.R. São Gabriel versus Guarany, de Bagé, o hino do Rio Grande do Sul foi tocado pela primeira vez num estádio de futebol.

O que poucas pessoas sabem é que a primeira pessoa a defender a execução do Hino do Rio Grande do Sul, em jogos de futebol foi o tradicionalista Gabrielense, João Carlos Fagundes Cardoso, de saudosa memória. Ele apresentou essa sugestão durante o 37º Congresso Tradicionalista, realizado na cidade de Pelotas.

Em 1998, algumas semanas antes do início do campeonato assumiu a presidência da S.E.R São Gabriel o coronel reformado do Exército, Pedro Martino, que conseguiu apoio da prefeitura para cobrir os gastos com as viagens.

No dia 13 de Outubro de 1998, depois de ficar inativo o G.E. Gabrielense oficializou seu retorno aos gramados. Participou do Campeonato da Segunda Divisão de 1999.

O time contratou jogadores experientes como o goleiro Jairo, ex-14 de Julho, de Livramento e Penãrol, de Montevidéu, Ronaldo Martins, também vindo de Livramento, Luís Carlos Gaúcho, que brilhou no E.C. Pelotas e Márcio Ferreira, vindo do próprio São Gabriel. Ao fim do campeonato o clube se licenciou e não voltou mais as disputas oficiais.

No dia 13 de fevereiro de 1999 morreu o coronel Pedro Marins Martino, presidente da S.E.R. São Gabriel. Com isso assumiu a presidência do clube o desportista Roque Oscar Hermes.

Na tarde de 6 de novembro de 1999 a tragédia abateu o principal jogador da S.E.R. São Gabriel. O atacante Ademir Vega, que teve uma breve passagem pelo Internacional, de Porto Alegre, foi morto aos 25 anos com um tiro no peito, desferido pelo policial militar José Henrique Siqueira de Oliveira, com quem tinha uma rixa.

Nascido e criado em São Gabriel, Ademir Antunes dos Santos, nome de batismo do jogador, era o craque do time e ídolo em sua terra natal. Era filho de um ex-goleiro do futebol amador gabrielense, de apelido “Cabo Velho”, já falecido.

O crime chocou e comoveu a comunidade gabrielense. O caso repercutiu também em Bagé, onde o jogador era benquisto desde que atuou pelo Grêmio Bagé.

Ao final de 2000 a S.E.R. São Gabriel mudou a denominação para São Gabriel F.C. E com a desistência da S.E.R.C. Brasil, da cidade de Farroupilha, ganhou o direito de disputar em 2001 a Série “B” do Campeonato Gaúcho, denominada “Taça Doutor James Vidal”.

 

FONTES: Wikipédia – N1 Notícia – Times do RS – Camisas Gaúchas

 
EC PELOTAS (PELOTAS – RS)

5

CLUB GIMNASIA Y ESGRIMA (ARGENTINA)

1

Data: 25 de janeiro de 1958 Local: Estádio Boca do Lobo, em Pelotas – RS
Juiz: Miguel Matos Caráter: Amistoso Internacional
Gols: Nei Silva, Dirceu, Jarí, Deraldo e Galeano (contra) – Diego Bayo.
Pelotas(RS): Oscar, Getúlio (Edemar), Duarte, Nascimento (Cascudo), Jari, Polaco, Cléo (Galeguinho), Dirceu, Deraldo, Pacheco e Nei Silva.
Gimnasia y Esgrima(ARG): Gerônimo, Ambrosi, Galeano, Novarini, Schadley (Romero), Smargiassi, Stelman, Villegas (Eduardo Dominguez), Maravilla, Diego Bayo e Noack.

 

Foto: Gelcy dos Santos e Colaboração: Paulo Ventura

Fonte: Fred Mendes (Arquivo Lobão)

 

 

O Esporte Clube Cruzeiro foi uma agremiação da cidade de São Gabriel (RS). O Áureo-anil foi Fundado na segunda-feira, do 31 de Dezembro de 1951, a partir do clube amador Esporte Clube Manivela de São Gabriel. Mandava os seus jogos no Estádio Municipal Sílvio de Faria Corrêa, com capacidade para 8.500 pessoas. Localiza-se ao lado da rodoviária municipal, no Bairro Capiotti.

Profissionalizado, o Cruzeiro de São Gabriel passou a participar do Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão, tendo sido 3º colocado em 1955 e repetindo a mesma posição no ano seguinte (1956). Foi Campeão da Zona Sudoeste de 1956. Com isso, superou o feito do seu rival local, o Grêmio Esportivo Gabrielense, que havia conquistado a quarta colocação do Gauchão de 1954.

No final da década de 1950, o dinheiro começou a escassear. Após uma má campanha no Campeonato Gaúcho, o Cruzeiro fechou seu departamento de futebol em 1959, sendo logo seguido pelo rival Gabrielense.

O Cruzeiro ainda voltou a disputar o campeonato em 1962, mas fechou novamente no ano seguinte. Em 1966, uma fusão dos dois antigos rivais resultou na criação do Esporte Clube Cruzeiro-Gabrielense, que durou até 1968. Participou da 1ª Divisão em 1955, 1956 e 1959; na Segundona esteve presente nos anos de 1962, 1965, 1966 e 1968.

FONTES & FOTO: Wikipédia – Times do RS – Memória do Futebol de São Gabriel

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha