Antecedentes

O Brasil em 1972 vivia sob o regime militar, liderado pelo então presidente Médici. No campo esportivo e, porque não, no campo político, a Seleção Brasileira, Tricampeã em 1970 era um motivo de orgulho para a nação.

Naquele ano de 72, o técnico Zagallo convocou a seleção canarinho para a Taça Independência, em comemoração aos 150 anos de emancipação do País.

Na convocação, Zagallo não chamou nenhum jogador do Rio Grande do Sul, quando era esperada a convocação do jogador do Grêmio, o tricampeão Everaldo e do centroavante Claudiomiro, que vivia uma grande fase no Internacional.

A discussão não era com relação aos jogadores de Rio e São Paulo, pois, sem sombra de dúvida, tinham o melhor futebol do país na época. A celeuma era no que condizia à convocação dos jogadores de Minas Gerais, que rivalizava com o Rio Grande do Sul como terceira força do futebol brasileiro.

Tal fato gerou algo inusitado: a união de gremistas e colorados contra a Confederação Brasileira de Desportos.

O presidente da Federação Gaúcha de Futebol na época, Rubens Hoffmeister, agiu nos bastidores de modo a realizar um amistoso contra a seleção brasileira antes da Taça Independência.

Após muitas conversas, o jogo foi marcado para 17 de junho de 1972 no Estádio Beira-Rio.

A Seleção Brasileira vinha com craques como Leão, Brito, Marco Antônio, Clodoaldo, Piazza, Rivellino, Jairzinho e Paulo César Cajú, liderados pelo técnico Zagallo.

Já a Seleção Gaúcha, contava com jogadores apenas da dupla Grenal, incluindo o uruguaio Ancheta, o chileno Figueroa e o argentino Oberti. O treinador era Aparício Viana e Silva, o Apa.

Polêmicas

Zagallo criticou a convocação dos jogadores apenas da dupla Gre-nal, pois queria que fossem chamados jogadores também dos outros clubes do Estado.

Chegou a dizer que era um combinado local e não uma legítima seleção estadual.

A crítica do velho lobo tinha como alvo João Saldanha, visto que Aparício tinha sido olheiro do treinador na seleção em 1969.

Jairzinho afirmou que teriam pedido o passaporte para os jogadores da seleção no aeroporto de Porto Alegre e temia pela violência dos jogadores gaúchos no amistoso, o que acirrou ainda mais o clima de guerra da partida.

A partida

O Beira-Rio estava lotado, naquele dia recebeu o maior público de sua história.

A seleção brasileira usara o seu tradicional uniforme com camisetas amarelas e calções azuis, enquanto a seleção gaucha utilizou uniforme branco, com detalhes nas cores da bandeira do Rio Grande do Sul.

Os torcedores estavam exaltados. Reza a lenda que até bandeiras do Brasil foram queimadas antes do início da partida, fato não confirmado pela imprensa local.

Entretanto, os dois times entraram em campo segurando uma grande bandeira brasileira.

Uma vaia grandiosa foi ouvida no estádio quando foi tocado o hino nacional.

O jogo terminou empatado em 3×3, sendo que a seleção gaúcha sempre esteve a frente no placar.

Quando o jogo terminou empatado, o treinador Zagallo correu e comemorou eufórico junto à comissão técnica.

Os gols do Brasil foram marcados por Jairzinho, Paulo César Cajú e Rivellino. Pela Seleção Gaúcha, marcaram Tovar, Carbone e Claudiomiro.

O Brasil jogou com Leão (Sérgio) – Zé Maria, Brito, Vantuir e Marco Antônio; Clodoaldo, Piazza e Rivelino; Jairzinho, Leivinha e Paulo César Caju.

Os gaúchos atuaram com Schneider, Espinosa, Figueroa, Ancheta e Everaldo; Carbone, Tovar e Torino; Valdomiro, Claudiomiro e Oberti (Mazinho).

Estádio: Beira-Rio, público: 106.554 pagantes.

 

Fontes: Jornal do Brasil, GloboEsporte, Wikipédia e Nilo Dias Repórter.  

 

1º TURNO

06.02.1965

GUANABARA

2-0

RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO

07.02.1965

GUANABARA

4-0

RIO GRANDE DO SUL RIO DE JANEIRO

09.02.1965

RIO DE JANEIRO

1-0

RIO GRANDE DO SUL RIO DE JANEIRO

2º TURNO

11.02.1965

GUANABARA

8-0

RIO GRANDE DO SUL RIO DE JANEIRO

13.02.1965

RIO DE JANEIRO

4-1

RIO GRANDE DO SUL RIO DE JANEIRO

14.02.1965

GUANABARA

2-1

RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO

CAMPEÃ – SELEÇÃO DA GUANABARA

Fonte: Jornal dos Sports / RJ

 

FONTE: Revista Placar

 
GE RENNER (PORTO ALEGRE – RS)

1

EC ÁGUA VERDE (CURITIBA – PR)

0

Data: 09 de outubro de 1953 Local: Curitiba – PR
Juiz: Ataíde Santos Caráter: Amistoso Nacional
Gol: Juarez
Renner(RS): Valdir; Enio Rodrigues e Paulistinha; Edgard, Ivo e Olavo; Joelci, Brenno, Juarez, Enio Andrade e Rubens (Medeiros).
Água Verde(PR): William; Beco e Zaleskki; Tibica, Italo e Barbosinha; Jaci (Lauro), Rui, Belmonte, Grilo e Valdomiro

 

Fonte: Paraná Esportivo – PR

 

TURNO ÚNICO

17.04.1954

BOTAFOGO(RJ)

4-3

PALMEIRAS(SP) RIO DE JANEIRO

18.04.1954

FLUMINENSE(RJ)

2-1

INTERNACIONAL(RS) RIO DE JANEIRO

21.04.1954

BOTAFOGO(RJ)

2-2

INTERNACIONAL(RS) RIO DE JANEIRO

25.04.1954

BOTAFOGO(RJ)

2-1

FLUMINENSE(RJ) RIO DE JANEIRO

28.04.1954

FLUMINENSE(RJ)

2-1

PALMEIRAS(SP) RIO DE JANEIRO

01.05.1954

PALMEIRAS(SP)

CAN

INTERNACIONAL(RS) RIO DE JANEIRO


CAMPEÃO – BOTAFOGO DE FUTEBOL E REGATAS (RIO DE JANEIRO – RJ)

Fonte: Jornal dos Sports / RJ

 

TURNO ÚNICO

20.09.1954

INTERNACIONAL(RS)

4-0

LIVERPOOL(URU)  PORTO ALEGRE

22.09.1954

GRÊMIO(RS)

4-0

LIVERPOOL(URU)  PORTO ALEGRE

26.09.1954

INTERNACIONAL(RS)

6-2

GRÊMIO(RS)  PORTO ALEGRE


CAMPEÃO – SPORT CLUB INTERNACIONAL (PORTO ALEGRE – RS)

Fonte: Arquivos do Autor

 

FOTOS: Revista Fon-Fon 

 

 

 

Associação Rosário de Futebol. Clube de futebol da cidade de Rosário do Sul . Fundação: 7 de fevereiro de 1977. Estádio: Centenário – Alcides da Silva

Fonte: Rosário do Sul em fotos.

 

Fonte: Site Juventus Santa Rosa

 

De pé, da esquerda para a direita, o roupeiro Faustino, Bordão, Lambari, Chicão, Luia, ? , Ismar, Bilu, ? , e o treinador Braulio Blos. Agachados, na mesma ordem, o massagista Edo Schein, Flávio, Ivan, Auri, Paulo Schuh e Silvio.

No ano de 1978, a Federação Gaúcha de Futerbol convocou jogadores amadores, formando uma seleção, que disputou alguns jogos amistosos. O 15 de Campo Bom, além do treinador Braulio Blos, colaborou com os jogadores Luia, Ismar, Bilu, Ivan e Paulo Schuh. Também prestaram serviços o roupeiro Faustino e o massagista Edo Schein.

Esta seleção teve também jogadores do Riachuelo, de São Sebastião do Caí, Juventude, de Ibirubá, e do Juventus, de Encruzilhada do Sul.

Fonte: Clube 15 de Campo Bom.

 

 

 

Fonte: Museu Virtual do Futebol

 

 

 

FONTE: Museu Virtual do Futebol

 

Em um dia como hoje, há 113 anos (06/03/1904), realizou-se o Troféu Wanderpreis, a primeira partida oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense disputada contra o time do FussBall Club Porto Alegre.

A partida foi realizada em campo não conhecido, possivelmente da várzea, e foi ganho pelo Grêmio pelo placar de 1 x 0.

Segue a ficha do jogo:

Troféu Wanderpreis:

Fussball 0 x 1 Grêmio

Data: 06/03/1904.

Horário: 15:30.

Local: desconhecido.

Árbitro: Waldemar Bromberg

Gol: desconhecido.

Escalações:

Fussball: Schoeler (C), O. Matte, A. Matte, W. Trein, Schmitt, Schaitza, A. Becker, O. Becker, Heuser, Krämer e E. Becker.

Grêmio: Siebel (C), Knewitz, Fädrich, Uhrig, Pedro Huch, A. Siebel, Black, Cattaneo, Cleres, J. Knewitz e Stelczyk.

Jornal “A Federação” do dia 07/03/1904, pós jogo:

 

Fonte: site grêmiopédia.

 

O campeonato gaúcho de 1919 foi primeiro campeonato regional do Estado do Rio Grande do Sul, organizado pela recém-criada Federação Riograndense de Desportos.

Originalmente, fariam parte do campeonato as equipes vencedoras de sete importantes cidades do Estado: Grêmio (Porto Alegre), Nacional (São Leopoldo), Guarany (Bagé), representante de Cruz Alta (sem referências), Brasil (Pelotas), Uruguaiana (Uruguaiana) e 14 de julho (Santana do Livramento).

Entretanto, 5 clubes perderam o prazo peremptório estabelecido pela Federação para a inscrição de atletas, restando assim, apenas Grêmio e Brasil de Pelotas para a disputa de uma espécie de “final em jogo único”.

O vencedor, levaria o título de primeiro campeão gaúcho da história, além de ser convidado para participar do Torneio de Campeões Estaduais, organizado pela CBD, no ano de 1920 no Rio de Janeiro.

Os finalistas:

O Grêmio Sportivo Brasil (depois Esportivo, com a nacionalização do nome) credenciou-se à disputa do título após sagrar-se tricampeão da Liga Pelotense. Título conquistado de forma invicta naquele ano de 1919. Disputaram a liga em 1919: Brasil, Guarany, Ideal, Rio Branco, União e o arquirrival Pelotas.

Em 3 anos, a equipe havia sofrido apenas uma derrota, ocorrida no ano de 1917, para o mesmo Grêmio, por 2-1.

Na época, somente o zagueiro Ary não participou daquele “match”.

Segundo fontes, o defensor era o único do plantel não nascido em Pelotas. Havia sido trazido do Sport Club Internacional no início de 1919.

Os demais jogadores eram pratas da casa do clube pelotense.

 Foto: equipe do Brasil de 1919

o Grêmio FootBall Portoalegense, chegou para a disputa do título após ter se sagrado campeão do Campeonato Citadino de Porto Alegre.

Naquele ano, o campeonato foi disputado por Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Porto Alegre, Tabajara e São José.

 Na final, o Grêmio venceu o São José pelo placar de 3×2.

O local do jogo.

A partida foi marcada pela Federação para às 16h do dia 9 de novembro de 1919 no “Ground do Moinhos de Vento”, como era chamado o estádio do Fortim da Baixada, pertencente ao Grêmio FootBall Portoalegrense.

Com isso, até mesmo os sócios tricolores, tiveram que comprar ingresso para assistir ao match,. Contudo, teriam a preferência para ocupar as dependências do Pavilhão da Baixada.

Na época, os ingressos foram disponibilizados ao preço de 2$00 e 3$00 (arquibancadas).

Segundo informações do Jornal Correio do Povo, do dia 8 de novembro de 1919, cada cavalheiro teria direito de levar duas senhoritas ou dois cavalheiros como acompanhantes.

As entradas podiam ser adquiridas na Rua do Andradas, 375 (antiga Rua da Praia, no Centro de Porto Alegre).

Foto: pintura do antigo Fortim da Baixada (fonte:www.guascatur.com)


 Antecedentes da partida.

O Brasil, chegou a Porto Alegre na véspera da partida, a bordo do Vapor Mercedes. A delegação foi chefiada pelo seu presidente na época, o Cel. Manoel Simões Lopes.

Ficaram hospedados no Hotel Paris, em Porto Alegre.

Faziam parte da delegação, pessoas influentes do meio esportivo pelotense, mais conhecidos na época como “Sportmans”. Entre eles, Francisco Ferreira, Farias Guimarães e Solon Silveira, além sócios do clube, familiares dos atletas, torcedores importantes e representantes dos demais clubes pelotenses.

Para a partida, a Federação Riograndense de Desportos, convidou o Sr. Fontoura, dirigente do Cruzeiro de Porto Alegre para ser o árbitro.

 O jogo

O Grêmio levada um certo favoritismo para o Match, visto que jogava em casa, apesar do campo ser considerado neutro em face do arrendamento requisitado pela Federação.

Além disso, a única derrota imposta ao Brasil em três anos foi justamente frente ao Grêmio.

O Jornal Correio do Povo, na véspera da partida, referia que o time Gremista com certeza conquistaria o inédito titulo de campeão estadual, amanhã, no Ground do Moinhos de Vento.

Como se vê, o maracanaço portoalegrense ocorreria naquela data, 31 anos antes da Copa do Mundo no Brasil.

O tricolor, apesar do favoritismo da imprensa da Capital, tinha problemas para montar a equipe, pois o goleiro Demétrio e o atacante Bruno eram as dúvidas na escalação.

O “já ganhou” da equipe Porto Alegrense, aliado ao grande entrosamento do time Pelotense, resultaram, no final, em um placar elastico: 5×1 para o Brasil.


Foto: Correio do povo de 11/11/1919.

 

Súmula

 

Final – Jogo Único

Grêmio 1-5 Brasil

Local: Fortim da Baixada (Porto Alegre);

Horário: 16:00

Arbitro: Sr. Fontoura (Pertencente ao Sport Club Cruzeiro)

Gols: Proença (B) aos 12′, Correa (B) aos 19′, Máximo (G) aos 28′,

Proença (B) aos 49′, Alvarizza (B) aos 51′ e Proença (B) aos 71′;

GRÊMIO: DEMÉTRIO Silveira; Pedro PINTO e Jorge Tavares PY; DORIVAL Fonseca, Francisco Fernandes – CHIQUINHO e Luiz ASSUMPÇÃO; Oscar GERTUM, Severino Franco da Silva – LAGARTO, MÁXIMO Laviaguerre, Alcides MENEGHINI e Walter Lewis – LIVI.

BRASIL: Oswaldo FRANCK; Francisco NUNES e ARY Xavier; FLORIANO Lourenço, Pedro ROSSELLI e Waldomiro Victorio – BABA; Jorge FARIA, Alberto CORREA, Pelágio PROENÇA, Ignácio GERLACH e Ismael ALVARIZZA

 

FONTES: Súmulas-Tchê, Wikipédia, RSSSF Brasil, Livro Grêmio Foot-Ball Portoalegrense – Imortal Tricolor, Correio do Povo e Diário Popular.

 

Na foto, o Grêmio Esportivo Flamengo, de Caxias do Sul, quando se sagrou Campeão Invicto do Campeonato Gaúcho de Segunda Divisão (Divisão de Acesso) de 1960.

 

FONTES:  Jornal Pioneiro – Marlon Krüger Compassi

 

FONTE: Revista Placar

 

 

GRÊMIO

2

X

1

HAMBURGO (ALE)

LOCAL:

EstádioNacional de Tóquio, em Tóquio (JAP)

CARÁTER:

Final do Mundial Interclubes de 1983

DATA:

Domingo, do dia 11 de Dezembro de 1983

PÚBLICO:

62 mil pagantes

ÁRBITRO:

Michel Vautrot (FIFA/FRA)

GRÊMIO:

Mazaropi; Paulo Roberto, Baideck, De León e Paulo César; China, Osvaldo (Bonamigo aos 35 do 2º) e Mário Sérgio; Renato Gaúcho, Tarcísio e Paulo César Caju.Técnico:Valdir Espinosa

HAMBURGO:

Stein; Wehmeyer, Hieronymus, Jakobs e Schröder; Groh, Rolff e Magath; Hartwig, Hansen e Wuttke. Técnico: Ernst Happel

GOLS:

Renato Gaúcho aos 38 minutos (Grêmio); no 1º Tempo. Schröder aos 40 minutos (Hamburgo); no 2º Tempo.

PRORROGAÇÃO:

Renato Gaúcho aos três minutos (Grêmio); no 1º Tempo.

 

FONTE: Revista Placar

 

Clube Esportivo Bento Gonçalves foi fundado em 28 de agosto de 1919. No dia 21 de setembro do mesmo ano, disputou a primeira partida de sua história, no empate em 1×1 com o Garibaldi. O Esportivo estava assim escalado: Pasquetti; Holleben e Salton; Cardoso, Turcato e Enricone; Zanoni, Fedullo, Bissaco, Ros e Ponzoni.

No dia 24 de agosto de 1945, aconteceu a inauguração do Estádio da Montanha num jogo entre Esportivo e Atlântico de Erechim. O pontapé inicial simbólico foi dado pela senhora Alinda Busnello, primeira madrinha do Esportivo. A partida acabou empatada em 0×0.
Em 1969, o Esportivo foi campeão da Segunda Divisão gaúcha. Foi uma campanha impecável, de 19 vitórias em 22 jogos disputados. O título veio sobre o Avenida, com vitória em Santa Cruz do Sul por 1 a 0 e nova vitória, desta vez por W.O, em Bento Gonçalves.
O ano de 1969 também registrava a comemoração do cinquentenário do Clube Esportivo e a direção queria marcar este grande acontecimento com a criação de um “hino” que cantasse as glórias e os feitos do alviazul. O hino foi composto pelo músico e maestro Moysés e teve os versos escritos por Maria Frota.
No dia 18 de abril de 1971 aconteceu uma vitória extraordinária. O Esportivo tirou a invencibildade de 24 partidas do Grêmio com uma goleada. A boa equipe de Bento Gonçalves derrotou o tricolor porto-alegrense por 5×2, virando notícia na mídia nacional.

Em 15 de abril de 1973, o Esportivo derrotou o Internacional por 2×1, conquistando sua primeira vitória diante do Colorado e tornando-se o primeiro clube do interior gaúcho a vencer no Beira-Rio.
No final de 1973, o Esportivo foi campeão da Copa Governador do Estado. O título veio com uma rodada de antecipação após vencer, em casa, o Internacional de Santa Maria por 2×1.
No ano de 1977, o Esportivo conquistou a Copa Governador do Estado pela segunda vez. Na decisão, enfrentou o Brasil de Pelotas. Na partida de ida, dia 12 de abril, venceu por 1×0 em pleno Estádio Bento Freitas, com gol de Rubem. Na volta, dia 15 de dezembro no Estádio da Montanha, perdeu pelo mesmo placar.
Com os resultados iguais, foi necessária a realização de uma terceira partida, a qual foi marcada para o dia 22 de dezembro, em campo neutro. O local escolhido foi o Estádio Cristo-Rei, em São Leopoldo. Entretanto, a torcida do Brasil derrubou o alambrado do estádio, e a partida foi cancelada por falta de segurança. A decisão ficou para o dia 2 de fevereiro de 1978, no Beira- Rio, em Porto Alegre, com a presença do Governador Sinval Guazzelli. O Esportivo venceu por 3×0, com os três gols da partida sendo marcados por Adilson, e ficou com o título.
Em de 1979 o Esportivo sagrou-se vice-campeão estadual com Valdir Espinosa (treinador), Zeca Rodrigues (preparador físico), Jânio, Noelsen, Edgar, Carlão, José, Raquete, Celso Freitas, Dilvar, Toninho Fronza, Adilson, Sílvio, Sperotto, João Carlos, Lambari, Valdeci, Rubem, Renato Portaluppi, Jarbas, Daio, Eraldo, Sanches, Catarina, Néia e Tovar.

Nesse mesmo ano, no dia 30 de maio, ocorreu um jogo histórico. O Esportivo enfrentou o Grêmio na Montanha num jogo disputado com muita neve, numa temperatura de um grau centígrado. A partida terminou em 0×0 e foi batizada de “O Jogo da Neve”.

No ano de 1982, o Esportivo conquistou a Copa RS. A decisão foi em 17 de julho, com vitória do Esportivo sobre o Internacional de Santa Maria por 1×0, no Estádio da Montanha. Na semifinal, o Esportivo havia vencido o clássico, contra o Caxias, por 2×0, em pleno Centenário.

Um ano depois, em 1983, o Esportivo venceu a Copa ACEG. Na final, disputada contra o Novo Hamburgo, o Esportivo venceu o primeiro jogo, em casa, por 1×0 e buscou o empate na cidade de Novo Hamburgo, garantindo assim o título. Era o sexto título do Esportivo num período de dez anos (1973-1983), consolidando o clube como uma das principais forças do interior gaúcho tanto na década de 70, como na de 80.

O Esportivo foi Campeão do Interior por seis vezes, em 1970, 1971, 1976, 1979, 1982 e 1987, título este muito cobiçado pelas equipes interioranas na época.

Na década de 80, o clube disputou as competições nacionais da Série B em 1983 e 1989, e da Série C em 1987 e 1988, não obtendo qualificações destacáveis.

O ano de 1999 ficou marcado pelo bicampeonato da Segunda Divisão estadual do Esportivo. O clube chegou na fase final, tendo que jogar contra Glória de Vacaria, Rio Grande e 15 de Novembro. O título foi conquistado com uma goleada por 6×0 contra o Glória.

No ano de 2004, após 15 anos afastado de torneios nacionais, o Esportivo disputou a Série C. A equipe ficou no 3º lugar do Grupo 16, composto por Novo Hamburgo, Ulbra e Lages.

Ainda em 2004, o Esportivo inaugurou seu novo estádio, Montanha dos Vinhedos, contra o Pelotas, e venceu por 2×0. No mesmo ano, o time conquistou a Copa FGF ao vencer o Gaúcho nos dois jogos da final por 3×0 e 2×0, classificando-se para a Copa do Brasil de 2005.

Na Copa do Brasil, o Esportivo eliminou o Londrina na primeira fase, e na segunda fase enfrentou o Fluminense. O primeiro jogo na Montanha dos Vinhedos terminou em 2×1 para o time carioca, credenciando o Esportivo a jogar no Maracanã. A partida histórica do Esportivo no templo mundial do futebol terminou em 1×0 para o Fluminense, eliminando o alviazul da competição.

Em 2007, o Esportivo disputou novamente a Série C, fazendo sua melhor campanha na história. Na primeira fase, fez parte do Grupo 16, onde enfrentou Joinville, Adap/Galo Maringá e Caxias, obtendo classificação em 2º lugar. Na segunda fase, num grupo composto por Bragantino, Roma Apucarana e Democrata, terminou na 1ª colocação da chave.

Na terceira fase então, numa chave mais complicada, em que o Esportivo teve de enfrentar Vila Nova, Atlético Goianiense e Villa Nova-MG, o clube terminou na 4ª colocação, sendo eliminado. Mesmo assim, foi uma campanha muito boa, visto que o Esportivo não era apontado como um dos favoritos da competição e quase chegou na fase final da mesma.

 

FONTES: Revista Placar – Wikipédia

 

Primeiro Escudo: Descoberto pelo pesquisador Douglas Rambor

 

A Sociedade Esportiva São Borja é uma agremiação da cidade de São Borja (RS). O clube surgiu da fusão entre Sport Club Internacional e Sport Club Cruzeiro, dois times tradicionais que rivalizavam na cidade de São Borja e que passavam por dificuldades financeiras. Assim, no dia 14 de janeiro de 1977 era fundado a S.E. São Borja, que adotou as cores vermelha do Internacional e azul do Cruzeiro, e o branco, utilizado pelos dois clubes.

Até a alcunha seguiu o mesmo processo: Bugre (apelido do Cruzeiro) Missioneiro (do Inter). A fusão pretendia unir a população para apoiar e fortalecer o futebol de São Borja, e passou a utilizar o Estádio Vicente Goulart, o ‘Vicentão’, com capacidade para 8 mil pessoas, localizado entre os bairros São João Batista (antigo Saravá) e bairro Florêncio Guimarães (antigo bairro Cemitério).

Já no seu primeiro ano o São Borja disputou o Campeonato Gaúcho da Primeira Divisão de 1977, mantendo-se nela ininterruptamente por 11 anos (1977 a 1987), chegando à fase final da competição em três oportunidades:

1980: 6º lugar;

1981: 7º lugar;

1983: 8º lugar.

No Campeonato Brasileiro da Série C de 1981, o São Borja chegou à 3ª fase da competição, terminando a competição em 5º lugar. No Campeonato Gaúcho de 1987 o time ficou em 14º (último lugar) e foi rebaixado para a Segundona pela primeira vez.

Em 1997, o São Borja retornou à Primeira Divisão disputando a Série B (Divisão de Acesso), na época em que a Primeira Divisão era dividida em duas séries. A equipe entrou numa das vagas deixadas por Aimoré e Atlético de Carazinho – que haviam se licenciado. Mas o São Borja tornou a ficar em último lugar (14º na Série B) e foi rebaixado.

Após esse campeonato o clube licenciou-se do futebol profissional durante 15 anos, retornando em 2012 e disputando a Segunda Divisão, na qual terminou em 11º lugar. Em 2016, o São Borja retomaria o futebol profissional para disputar a Segunda Divisão, mas acabou desistindo. A promessa é retornar em 2017.

Títulos

Seletiva do Campeonato Brasileiro Série C: 1981.

Torneio Incentivo: 1982

Copa ACEG (Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos): 1985.

Estádio Vicente Goulart, o 'Vicentão', com capacidade para 8 mil pessoas

FONTES: Wikipédia – Página no Facebook, da Sociedade Esportiva São Borja o Bugre das Missões.

 

O Sport Club Internacional foi uma agremiação da cidade de São Borja (RS). O ‘Colorado Missioneiro’ foi Fundado em 7 de julho de 1931, por Hélio Freire e pelo então capitão do Exército Serafim Dornelles Vargas, irmão de Getúlio Vargas.

Os sócio-fundadores venderam uma tropa de gado para aquisição de um terreno, onde construíram o Estádio General Vargas, em homenagem ao general Manoel do Nascimento Vargas, avô de Serafim.

O Alvirrubro campeão do Campeonato Gaúcho de Futebol Amador em 1954 e 1957 e da Série Vermelha em 1961. Já na esfera profissional, disputou o Campeonato Gaúcho da Terceira Divisão de 1967. Chegou a disputar o Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão, em 1975 e 1976.

O seu principal rival era o Sport Club Cruzeiro, clube da mesma cidade, com o qual realizava o clássico denominado Inter-Cruz. Essa rivalidade foi deixada de lado para que no dia 14 de janeiro de 1977, as duas forças de São Borja se unissem para criarem a Sociedade Esportiva São Borja.

FONTES & FOTO: Wikipédia – Página no Facebook, do Sport Club Internacional-SB.

 

 

O Sport Club Cruzeiro foi uma agremiação da cidade de São Borja (RS). O ‘Bugre’ foi Fundado no dia 10 de Julho de 1937. Mandava os seus jogos no Estádio Coronel Vicente Goulart, o ‘Vicentão’. Suas cores: azul e branco.

Na esfera profissional disputou o Campeonato Gaúcho da 2ª Divisão, em 1975 e 1976. No ano seguinte (1977), o S.C. Cruzeiro fundiu o departamento de futebol com o S.C. Internacional dando origem a Sociedade Esportiva São Borja.

FONTES & FOTO: Blog Times do RS – Página no Facebook, da Sociedade Esportiva São Borja o Bugre das Missões.

 

FONTE:  Revista Placar 

 

Taça dos Campeões de 1982

1º Turno

1ª Rodada – Sábado, dia 24/04/82

Cruzeiro/MG 1 x 1 América/RJ

Santa Cruz/PE 1 x 2 Portuguesa/SP

Botafogo/RJ 1 x 0 Santos/SP

Inter/RS 1 x 0 Fortaleza/CE

Palmeiras/SP 1 x 0 Fluminense/RJ

1ª Rodada – Domingo, dia 25/04/82

São Paulo/SP 0 x 0 Vasco da Gama/RJ

Santa Cruz/PE 2 x 2Palmeiras/SP

2ª Rodada – Terça-feira, dia 27/04/82

Fluminense/RJ 2 x 0 Santa Cruz/PE

2ª Rodada – Quarta-feira, dia 28/04/82

Bahia/BA 1 x 0 Náutico/PE

Grêmio/RS 0 x 2 Atlético/MG

Vasco/RJ 0 x 0 Botafogo/RJ

Portuguesa/SP 1 x 1 Corinthians/SP

São Paulo/SP 1 x 0 Guarani/SP

3ª Rodada – Sábado, dia 1º/05/82

Bahia/BA 0 x 1 Fortaleza/CE

Portuguesa/SP 2 x 2 Palmeiras/SP

Corinthians/SP 2 x 0 Santa Cruz/PE

3ª Rodada – Domingo, dia 02/05/82

América/RJ 1 x 1 Grêmio/RS

Vasco/RJ 1 x 0 Guarani/SP

Cruzeiro/MG 2 x 2 Atlético/MG

Santos/SP 0 x 1 São Paulo/SP

4ª Rodada – 03 e 04/05/82

Fluminense/RJ 0 x 1 Corinthians/SP

Botafogo/RJ 0 x 1 São Paulo/SP

Guarani/SP 2x 1 Santos/SP

Atlético/MG 0 x 1 América/RJ

Fortaleza/CE 1 x 1 Náutico/PE

Inter/RS 2 x 0 Bahia/BA

4ª Rodada – 07 e 08/05/82

Portuguesa/SP 3 x 1 Fluminense/RJ

Palmeiras/SP 1 x 1 Corinthians/SP

Guarani/SP 4 x 2 Botafogo/RJ

Santos/SP 2 x 1 Vasco/RJ

Náutico/PE 1 x 1 Inter/RS

Grêmio/RS 1 x 1 Cruzeiro/MG

2º Turno

1ª Rodada – Sábado, dia 15/05/82

Guarani/SP 2 x 1 São Paulo/SP

Botafogo/RJ 3 x 3 Vasco da Gama/RJ

Fortaleza/CE 3 x 1 Inter/RS

1ª Rodada – Domingo, dia 16/05/82

Corinthians/SP 1 x 1 Portuguesa/SP

Santa Cruz/PE 0 x 1 Fluminense/RJ

Atlético/MG 2 x 1 Grêmio/RS

América/RJ 1 x 0 Cruzeiro/MG

2ª Rodada – Terça-feira, dia 18/05/82

Vasco/RJ 0 x 0 São Paulo/SP

Náutico/PE 0 x 1 Bahia/BA

Fluminense/RJ 1 x 0 Palmeiras/SP

Portuguesa/SP 3 x 1 Santa Cruz/PE

Santos/SP 3 x 1 Botafogo/RJ

3ª Rodada – Sábado, dia 22/05/82

Grêmio/RS0 x 0 América/RJ

Santos/SP 2 x 0 Guarani/SP

3ª Rodada – Domingo, dia 23/05/82

Corinthians/SP0 x 1Palmeiras/SP

Fluminense/RJ 1 x 1 Portuguesa/SP

Inter/RS 0 x 2 Náutico/PE

Atlético/MG 0 x 0 Cruzeiro/MG

São Paulo/SP 1 x 0 Botafogo/RJ

4ª Rodada – Terça-feira, dia 25/05/82

São Paulo/SP 1 x 0 Santos/SP

Guarani/SP 5 x 3 Vasco da Gama/RJ

Fortaleza/CE 2 x 2 Bahia/BA

4ª Rodada – Quarta-feira, dia 26/05/82

Palmeiras/SP 0 x 0 Portuguesa/SP

Santa Cruz/PE 2 x 2 Corinthians/SP

4ª Rodada – Sábado, dia 29/05/82

América/RJ 1 x 1 Atlético/MG

4ª Rodada – Domingo, dia 30/05/82

Cruzeiro/MG 1 x 2 Grêmio/RS

Palmeiras/SP 1 x 0 Santa Cruz/PE

Corinthians/SP 1 x 2 Fluminense/RJ

Vasco/RJ 3 x 1 Santos/SP

Náutico/PE 1 x 1 Fortaleza/CE

Botafogo/RJ 1 x 1 Guarani/SP

4ª Rodada – Segunda-feira, dia 31/05/82

Bahia/BA 1 x 0 Inter/RS

Quartas-de-final – Quarta-feira, dia 02/06/1982

Bahia/BA 3 x 2 Inter/RS

América/RJ 1 x 0 Atlético/MG

Portuguesa/SP 3 x 1 Fluminense/RJ

Quartas-de-final – Quinta-feira, dia 03/06/1982

São Paulo/SP 0 x 1 Guarani/SP

Semifinais – Domingo, dia 06/06/1982

Portuguesa/SP 1 (1) x 1 (1) América/RJ

Nos pênaltis: América 4 a 3

Semifinais – Terça-feira, dia 08/06/1982

Bahia/BA 0 x 0 Guarani/SP

Na prorrogação: Guarani 1 a 0

Final (Jogo de Ida) – Quinta-feira, dia 10/06/1982

Guarani/SP 1 x 1 América/RJ

 Final (Jogo da Volta) – Sexta-feira, dia 12/06/1982

América/RJ 2 x 1 Guarani/SP

América Football Club Campeão do Torneio dos Campeões de 1982

Primeira fase

Grupo A
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Portuguesa 6 4 2 2 0 8 5 3 1 Fluminense 7 4 3 1 0 5 2 3
2 Corinthians 6 4 2 2 0 5 2 3 2 Portuguesa 5 4 1 3 0 5 3 2
3 Palmeiras 5 4 1 3 0 6 5 1 3 Palmeiras 5 4 2 1 1 2 1 1
4 Fluminense 2 4 1 0 3 3 5 -2 4 Corinthians 2 4 0 2 2 4 6 -2
5 Santa Cruz 1 4 0 1 3 3 8 -5 5 Santa Cruz 1 4 0 1 3 3 7 -4
Grupo B
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 7 4 3 1 0 3 0 3 1 Guarani 5 4 2 1 1 8 7 1
2 Guarani 4 4 2 0 2 6 5 1 2 São Paulo 5 4 2 1 1 3 2 1
3 Vasco da Gama 4 4 1 2 1 2 2 0 3 Santos 4 4 2 0 2 6 5 1
4 Botafogo 3 4 1 1 2 3 5 -2 4 Vasco da Gama 4 4 1 2 1 9 9 0
5 Santos 2 4 1 0 3 3 5 -2 5 Botafogo 2 4 0 2 2 5 8 -3
Grupo C
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 America-RJ 4 3 1 2 0 3 2 1 1 Atlético-MG 4 3 1 2 0 3 2 1
2 Atlético-MG 3 3 1 1 1 4 3 1 2 America-RJ 4 3 1 2 0 2 1 1
3 Cruzeiro 3 3 0 3 0 4 4 0 3 Grêmio 3 3 1 1 1 3 3 0
4 Grêmio 2 3 0 2 1 2 4 -2 4 Cruzeiro 1 3 0 1 2 1 3 -2
Grupo D
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Internacional-RS 5 3 2 1 0 4 1 3 1 Bahia 5 3 2 1 0 4 2 2
2 Fortaleza 3 3 1 1 1 2 2 0 2 Fortaleza 4 3 1 2 0 6 4 2
3 Bahia 2 3 1 0 2 2 3 -1 3 Náutico 3 3 1 1 1 3 2 1
4 Náutico 2 3 0 2 1 2 3 -1 4 Internacional-RS 0 3 0 0 3 1 6 -5

 

AMÉRICA/RJ 2 X 1 GUARANI/SP

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã (RJ)

CARÁTER: Final do Torneio dos Campeões

DATA: Sexta-feira, do dia 12 de Junho de 1982

ÁRBITRO: Carlos Sergio Rosa Martins (RS)

RENDA: Cr$ 5.099.600,00

PÚBLICO: 11.329 pagantes

CARTÕES AMARELOS: Sóter, João Luis, Ernani Banana e Odair (Guarani); Chiquinho, e Gilson Gênio (América)

CARTÃO VERMELHO: Darci (Guarani)

AMÉRICA: Gasperin, Chiquinho, Duílio, Everaldo e Zé Dilson (Sergio Pinto); Pires, Gilberto e Elói (João Luis); Serginho, Moreno e Gilson Gênio. Técnico: Dudu

GUARANI: Sidmar, Sóter, Darci, Odair e Almeida; Ederson, Júlio Cesar (Henrique) e Jorge Mendonça; João Luis (Delem), Marcelo e Ernani Banana. Técnico: Zé Duarte

GOLS: Moreno aos 12 minutos (América); no 1º tempo. Delem aos 17 minutos (Guarani), no 2° Tempo.

PRORROGAÇÃO: Gilson Gênio aos nove minutos (América), no 2° Tempo.


Melhores momentos (Youtube): https://www.youtube.com/watch?v=QmjeitR2CyQ

FONTES: YouTube – Wikipédia – Jornal do Brasil – Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

 

FONTES: Marlon Krüger Compassi – Diário de Notícias/RS

 

FONTE: Site do clube

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 


FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

O Atlético Lansul Futebol Clube foi uma agremiação do Município de Esteio (RS). O clube foi Fundado no sábado, do dia 23 de Julho de 1949 por funcionários da Lanifício Sul-Rio-Grandense S/A (LANSUL), com o nome de Atlético Clube Lansul.

A escolha das cores foram o azul, branco e vermelho, e, posteriormente trocou pelo verde e preto. O Lansul participou do Campeonato Gaúcho da Série B, em quatro oportunidades: 1963, 1964, 1965 e 1967; além do Campeonato Metropolitano em 1960.

No domingo, do dia 30 de agosto de 1959, no seu Estádio (Luís Pasteur), o Lansul se sagrou campeão do Torneio Início da Série B Gaúcha. A competição começou às 14 horas, onde cada partida dividida em dois tempos de 15 minutos cada.

FONTE: Blog Times do RS – Diário de Notícias – Marlon Krüger Compassi

 
Com o desaparecimento do Uruguai, inexistiam times de futebol na cidade de Santa Rosa. Foi quando chegou à cidade, vindo de Gravataí, Waldemar Simeão, que ficara lotado na Delegacia de Polícia. Juntou-se ao Senhor Moré, juntamente com os filhos deste, Dino e Arnildo, fundaram em 21 de julho de 1946, o Paladino Futebol Clube, mesmo nome do de Gravataí, escolhendo como cores o vermelho e o branco.
Faziam amistosos contra o Oriental de Três de Maio, Aurora de Cerro Largo, Grêmio e Elite de Santo Ângelo, dentre outros. E assim foi crescendo e tendo relativamente, longa vida.
Primeira Diretoria do Paladino: Presidente: Norberto Moré; Vice-presidente: Alberto Samaniego (Paraguaio); 1º Secretario: Reneu Steffen; 2º Secretário: Jacob Mander; 1º Tesoureiro: Alfredo Moré: 2º Tesoureiro: Valdemar Simeão.
NOLY JONER 
No Paladino Futebol Clube, um dos maiores jogadores foi Noly Jonner. Seu irmão Charles “pintava” bem no segundo time e foi guindado ao principal, segundo uns, graças ao prestigio de Noly. Depois de um início não tão bom, como costuma acontecer, tornou-se um artilheiro nato e durante vários anos o primeiro entre os goleados. Além dessa virtude, era um velocista nato e portador de um chute forte e certeiro.

GERMANO WUST

Germano Wust chegou à Santa Rosa, vindo de Santo Ângelo, como preposto da Construtora Medáglia, firma especializada no ramo da construção civil.
Torcedor do Grêmio Santo Angolense, logo se afeiçoou pelo Paladino, passou a fazer parte dos quadros diretivos, chegando logo ao cargo de Presidente. Por suas ligações com o clube de Santo Ângelo estreitaram=se os laços dentre as duas agremiações, que fizeram partidas memoráveis. Com esse impulso o Paladino tornou-se mais conhecido e respeitado. Foi o presidente que mais tempo ficou, brilhantemente, no desempenho do encargo.

Paladino Aspirantes 1956

JOEL BRAGANÇA
Houve, em Santa Rosa uma das mais importantes empresas ligada à comercialização da soja. Chamava-se Floresta S.A. e tinha como expoentes JOÃO HOFFMANN e LEONISIO GRANDO. Importado como contabilista, aqui chegou, vindo de Sant’Ana do Livramento JOEL ITARVENU BARRETO DE BRAGANÇA, que atuara no 14 de Julho.
Com sua sabida experiência logo se enturmou no Paladino e conseguiu ser um dos destaques. Jogava como ponta de lança ou de zagueiro central. Houve um pênalti a favor. Se o gol fosse convertido o Paladino alcançaria o título. Os batedores oficiais eram Chico Queiroz e Charles. Estes se entreolharam, como a dizer – quem bate?
Joel agarrou a bola, colocou-a na marca da cal, dizendo – é tudo comigo!
Desperdiçou a cobrança, o titulo não veio e ele, para continuar jogando, formou o Floresta F.C. onde, os cobras eram o próprio, Joel, Carlinhos Hoffmann e Bernardo Elisalde, o CAMANGA.
Rio
Há mais fotos do Paladino F.C., basta clicar no link abaixo do Blog do Juventus
Rio
FONTES:  João Jayme Araújo – Blog Juventus de Santa Rosa (http://juventussantarosa.blogspot.com.br/2010/12/paladino-fc.html) – Marlon Krüger Compassi
 

FONTE: Mercado Livre

 

Santa Rosa voltará ao cenário do futebol profissional do Rio Grande do Sul ! A cidade tem um novo clube de futebol, a SER SANTA ROSA, que iniciou os trabalhos em 2014 e está treinando forte com as equipes das categorias de base.

Pela palavra dos dirigentes locais, o clube não jogará a Terceirona Gaúcha, pois pretende formar uma base, neste primeiro ano de fundação. A equipe entra para substituir o Juventus, de Santa Rosa, que fechou o departamento de futebol profissional há algumas temporadas.

O técnico é Jair Rodrigues. Neste primeiro semestre, o clube colocará em campo os times infantil, mirim e juvenil. Segundo entrevista do vice-presidente Carlos Farias, ao blog Gazeta Esportiva, o clube não jogará competições profissionais nos primeiros 6 meses. No segundo semestre o time profissional deverá ser montado para jogar os regionais:

“Estamos começando do zero e não podemos correr o risco de errarmos. Temos uma boa base nas categorias amadoras, mas, iniciaremos sem nada no profissional. Na disputa da Terceirona de 2015 subirá apenas 1 clube para a divisão de Acesso e não estamos preparados para subir, se subirmos nesse ano, fatalmente não teremos estrutura para ficar no acesso em 2016 e corremos o risco de quebrar, sem contar que teremos apenas 2 meses para o início da competição. Então, no primeiro semestre trabalharemos na organização da equipe profissional, com a  contratação de jogadores, promoção de alguns jovens para o profissional e entraremos com uma base bem montada para o segundo semestre, quando será disputada as competições do segundo semestre no calendário Gaúcho,  onde os confrontos serão contra equipes da serie A do Gauchão e da Divisão de Acesso, competição que garante uma vaga para a copa do Brasil. Assim, teremos tempo pra trabalhar e não vamos precipitar as coisas. Sabemos que há uma certa pressão para jogar, mas ao mesmo tempo, sabemos o caminho que estamos trilhando e vamos ter muito cuidado para não cometer erros”-declarou Carlos Farias, vice presidente

A SER Santa Rosa vai utilizar o estádio municipal. Além disso, outros cinco campos auxiliares são utilizados para os treinos, graças a parcerias firmadas com equipes amadoras locais. Questionado sobre a relação entre Juventus Atlético com a SER Santa Rosa, o diretor executivo fez questão de explicar que um clube nada tem a ver com o outro.

“São totalmente distintos, cada um com sua diretoria. O Juventus Atlético Clube, porém, está sem futebol devido ao endividamento. A SER Santa Rosa, no caso, é a antiga Sociedade Esportiva e Recreativa Juventus, que foi criada em 2001, mas entrou em inatividade em 2003. O nome foi trocado para que não houvesse vínculo com o Juventus Atlético Clube e as pessoas confundissem o trabalho de um com o outro. A sugestão pela troca de nome foi feita inclusive por sugestão da FGF. Também conversamos com o poder executivo local, que apoiou o uso do nome do município para o clube.” – explicou Carlos.

 

FONTES: Peleia FC – Keller Duarte Steglich/Rádio Progresso

 

O Esporte Clube Brasil é uma agremiação da cidade de Vacaria (RS). A sua Sede fica localizada na Rua Silveira Martins, 53, no Centro de Vacaria. O clube foi Fundado no dia  7 de Setembro de 1928, por um grupo de amigos Vacarienses, foi o primeiro clube amador de Vacaria .

No ano de 1969 foi campeão estadual de amadores e lançou nomes importantes para o futebol profissional, como, Luís Carlos Gasperin, um dos goleiros vice-campeão da Libertadores com o Internacional de Porto Alegre. O E.C. Brasil já participou do Campeonato Estadual de Aspirantes, em 1950; e no Campeonato Gaúcho de Amadores da 1ª Divisão – 1987.

Colaborou: Mercado Livre

 

FONTE: Mercado Livre

 

FONTE: Mercado Livre 

 

 

FONTES: Diário de Noticias – Marlon Krüger Compassi

 

Seleção do Rio Grande do Sul - 1927

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha