Apesar das poucas informações, conseguimos pinçar pontos do Campeonato Piauiense da 1ª Divisão de 1943.

 

Confecção da tabela e equipes participantes

Em virtude do afastamento do Esporte Clube Flamengo, do Campeonato Piauiense da 1ª Divisão de 1943, e de acordo com as disposições regulamentares, o presidente da Federação Piauiense de Futebol (localizado na Rua Lisandro Nogueira, nº 1.059, no Centro de Teresina), Raimundo Ney Baumann alterou a tabela.

A competição contou com a participação de quatro equipes:

Artístico Futebol Clube;

Automóvel Esporte Clube;

Botafogo Esporte Clube;

Terríveis Esporte Clube.

 

Um resultado

O quarto jogo do 1º Turno, aconteceu, às 16h10min., no Campo da Fiação, com arbitragem de Vicente Rego, o Terríveis venceu o Artístico por 4 a 2, numa partida de baixa qualidade técnica. No jogos dos Segundos Quadros, o Terríveis também venceu: 6 a 3.

 

Primeiro Turno

16 de Maio Artístico

-

X

-

Automóvel
23 de Maio Botafogo

-

X

-

Terríveis
06 de Junho Automóvel

-

X

-

Botafogo
20 de Junho Artístico

2

X

4

Terríveis
27 de Junho Terríveis

-

X

-

Automóvel
04 de Julho Botafogo

-

X

-

Artístico

 

Segundo Turno

1º de Agosto Automóvel

-

X

-

Artístico
08 de Agosto Terríveis

-

X

-

Botafogo
15 de Agosto Botafogo

-

X

-

Automóvel
22 de Agosto Terríveis

-

X

-

Artístico
29 de Agosto Artístico

-

X

-

Botafogo
05 de Setembro Automóvel

-

X

-

Terríveis

 

O Tricolor (Botafogo Esporte Clube) foi Campeão Invicto

No final, o Botafogo se sagrou campeão de forma invicta de 1943.

FONTE: Gazeta (PI)

 

FONTE: Revista Sportiva

 

Considerado o berço do futebol parnaibano, a história do estádio Petrônio Portela se confunde com a história do Parnahyba. Construído em 1920, pela Casa Inglesa, foi batizado originalmente por Estádio Internacional. Seu estilo arquitetônico semelhante aos estádio ingleses da época, único no Brasil, era símbolo do glamour das disputas do Campeonato Parnahybano no século passado.

Com o fechamento da Casa Inglesa, o estádio é colocado à venda, sendo comprado pelo Governo do Estado do Piauí, na pessoa do então-governador parnaibano Alberto Silva, sendo, em 1973, doado ao Parnahyba Sport Club.  Após as construções do estádio Mão Santa, agora Pedro Alelaf o Parnahyba deixa, definitivamente, de mandar seus jogos do Petrônio Portela, que, “esquecido” começa a sofrer aos danos provocados pelo tempo e a falta de manutenção.

Restando apenas as ruínas da estrutura original, a diretoria do Parnahyba resolve, em 2008, iniciar uma grande reforma de restauração e ampliação no estádio, transformando-o no Centro de Treinamentos da equipe profissional e das categorias de base. As primeiras etapas, que consistiam na recuperação da estrutura administrativa já foram contempladas.

 

FONTES: Wikipédia – Revista Sportiva

 

FONTE: Site do Buim, de Severino Buim

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

 

O Taça Brasil de 1964, foi a sexta edição deste torneio organizado pela, na época, pela Confederação Brasileira de Desportos (atual: CBF), a fim de indicar o campeão brasileiro daquele ano, para definir o representante brasileiro na Taça Libertadores da América de 1965. O Santos sagrou-se campeão pela quarta vez consecutiva, após vencer a final contra o Flamengo.
Esta edição contou com a participação de 22 clubes (21 campeões estaduais e o campeão da edição anterior), sendo que os campeões dos estados de São Paulo e da Guanabara já entravam na fase final.

 

Regulamento

A Taça Brasil de 1964 foi dividida em duas fases. Na primeira os clubes foram divididos nos seguintes grupos: Grupo Norte, Grupo Nordeste (que se enfrentam para decidir a vaga destinada ao Grupo Norte), Grupo Central e Grupo Sul (que se enfrentam para decidir a vaga destinada ao Grupo Sul). Na segunda e decisiva fase, os vencedores da primeira fase enfrentam os clubes pré-classificados na semifinal, e os vencedores decidem o título do campeonato.

Critérios de Desempate

Todos os jogos da Taça Brasil de 1963 foram disputados em modo eliminatório (mata-mata) em dois jogos de ida e volta. A equipe que somar mais pontos passava para a fase seguinte. Caso nos dois jogos as equipes tivessem o mesmo número de pontos (dois empates ou uma vitória para cada lado independente do número de gols entre os jogos) era disputado um jogo extra. Nesta partida, caso persistisse o empate, o time que tivesse o maior “goal-average(média dos gols marcados dividido pelos gols sofridos) nas três partidas da fase era o vencedor. Se mesmo assim o empate persistisse, a vaga seria decidida no cara ou coroa.

O River Atlético Clube, de Teresina (PI) acabou caindo, logo, na 1ª Fase. No primeiro jogo, goleou o Maranhão por 4 a 1. No segundo, o clube maranhense, em casa, venceu por 3 a 2. Sendo assim, foi necessário um terceiro jogo. Nessa partida, o Maranhão venceu por 2 a 1, eliminando o River da Taça Brasil de 1964.

 

 

FONTES: Wikipédia – Site do Buim, de Severino Buim

 
Finalistas do Campeonato Piauiense de 2014, Piauí e River já foram protagonistas de outras decisões no futebol piauiense. Nestes dias que antecedem o primeiro jogo da final, vamos recordar alguns jogos inesquecíveis entre tricolores e rubro-anis. Começando pelo jogo decisivo do título de 1967, quando o Piauí deu início à “mandinga da camisa azul“.Piauí e River já haviam empatado os dois primeiros jogos daquela final (2×2 e 1×1) quando pisaram o gramado do Lindolfo Monteiro numa noite de quinta-feira (30/11/1967) para, finalmente, decidir quem ficaria com o troféu de campeão. O Piauí buscava o bi; o River, reconquistar a hegemonia perdida em 1964.
Para surpresa de todos, o time do Piauí entrou em campo com camisas azuis. Na realidade, suas camisas brancas foram tingidas de azul. Logo alguém espalhou que seria uma macumba encomendada pelo dirigente Reinaldo Ferreira. Macumba ou não, o resultado foi positivo.
Uma noite onde o River foi dominado inteiramente.
A todo instante a meta de Luis Mário estava a perigo. Até sair o primeiro gol, marcado por Derivaldo (na foto com a camisa que seria tingida de azul para a decisão), aos 31 minutos. Na fase complementar, o panorama foi o mesmo, com o Piauí ampliando aos 4 minutos, através de Sanêga. Final de jogo, vitória do Piauí, que assim conquistou o bicampeonato. Era o início da “mandinga da camisa azul“, que só teria fim três anos depois.
XX
PIAUÍ E.C. (PI) 2 X 0 RIVER A.C. (PI)
LOCAL: Estádio Lindolfo Monteiro, em Teresina (PI)
CARÁTER: Campeonato Piauiense da 1ª Divisão – Decisão – 3° jogo
DATA: Quinta-feira à noite, do dia 30 de Novembro de 1967
RENDA: NCr$ 7.564,50
ÁRBITRO: José Aldo Pereira, o ‘Guanabara’
AUXILIAR Nº 1: Antonio Pereira dos Santos
AUXILIAR Nº 2: Antonio Rodrigues Santa Rosa
PIAUÍ: Batista; Chico, Nonato II, Valdivino e Aluisio; Nonato Leite e Pila; Carrinho, Sanêga, Derivaldo e Sabará. Técnico: Nonato Major.
RIVER: Luis Mário; Paulo da Banana, Gereba, Zé Artur e Louro; Mariano e Mariola; Waldeck, Rubens, Dino e Escurinho. Técnico: Manoel da Silva, o ‘Né’.
GOLS: Derivaldo aos 31 minutos (Piauí), do 1º tempo; Sanêga aos quatro minutos 4 (Piauí), do 2º Tempo.

 

FONTE: Site do Buim, de Severino Buim

 

Sociedade Esportiva Tiradentes é uma agremiação da cidade de Teresina (PI). Na terça-feira, do dia 30 de junho de 1959, os Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar do Estado do Piauí decidiram fundar o “Clube Tiradentes dos Subtenentes e Sargentos da Policia Militar do Estado do Piauí“.

Na época, o Comandante da Policia Militar era o Coronel Pedro Borges da Silva FilhoEm 14 de setembro de 1966 o então presidente, Luís Castro Araújo, solicitou filiação à Federação Piauiense de Desportos (FPD) e o pedido foi deferido em 3 de outubro, passando o representante da PM a disputar competições de esporte amador.

No inicio de 1972, o Coronel Canuto Tupy Caldas, comandante da Policia Militar, anunciou que o Tiradentesiria disputar o Campeonato de Futebol Profissional. No mesmo ano se sagrou campeão Estadual (1972). Depois faturou outros quatro títulos: 19741975 (título dividido com o River)1982 e 1990. Também faturou o caneco do Torneio Início de 1981.

Na esfera nacional o Tiradentes participou do Campeonato Brasileiro da Série A em cinco oportunidades: 1973197419751979 e 1983.

FONTES: Wikipédia – Revista Placar

 

O Parnahyba Sport Club é uma agremiação da cidade de Parnaíba (PI). A sua Sede fica localizada na Rua du Marechal Pires Ferreira, nº 634, no Bairro de Nossa Senhora de Fátima, na Parnaíba. O “Tubarão do Litoral” foi Fundado no dia 1º de Maio de 1913, por José de Moraes Correia, Ozias de Moraes Correia, Colibri Alves, Oton Ramos, Hilton Lopes, José Leite e Mário Reis.

É o clube mais antigo do estado, e participa do campeonato estadual desde 1916, quando o mesmo foi instituído pela Liga Sportiva Parnahybana. Com a criação da Federação Piauiense de Futebol, em 1941, ficou fora do estadual, retornando somente em 1968. O Parnahyba detém os recordes de público e renda nos Campeonatos Piauienses de 2004, 2005 e 2006.


Estádio Petrônio Portela

Considerado o berço do futebol parnaibano, a história do estádio Petrônio Portela se confunde com a história do Parnahyba. Construído na década de 1920, pela Casa Inglesa, foi batizado originalmente por Estádio Internacional. Seu estilo arquitetônico semelhante aos estádio ingleses da época, único no Brasil, era símbolo do glamour das disputas do Campeonato Parnahybano no século passado.

Com o fechamento da Casa Inglesa, o estádio é colocado à venda, sendo comprado pelo Governo do Estado do Piauí, na pessoa do então-governador parnaibano Alberto Silva, sendo, em 1973, doado ao Parnahyba Sport Club.

Após as construções do estádio Municipal Mão Santa (atualmente Estádio Municipal Pedro Alelaf), o Parnahyba deixa, definitivamente, de mandar seus jogos do Petrônio Portela, que, “esquecido” começa a sofrer aos danos provocados pelo tempo e a falta de manutenção.

Restando apenas as ruínas da estrutura original, a diretoria do Parnahyba resolve, em 2008, iniciar uma grande reforma de restauração e ampliação no estádio, transformando-o no Centro de Treinamentos da equipe profissional e das categorias de base. As primeiras etapas, que consistiam na recuperação da estrutura administrativa já foram contempladas.


Títulos
Estaduais
- Campeonato Piauiense: 12 (Incluindo era amadora e era profissional)
1916, 1924, 1925, 1927, 1929, 1930, 1940, 2004, 2005, 2006, 2012 e 2013.
- Taça Estado do Piauí: 2004 e 2012.
- Taça Gov. Alberto Silva: 1988.
Outras Conquistas

Campeonato Parnaibano:
1941– 1942 – 1944 – 1945 – 1946 – 1954 – 1961 – 1965- 1967.

 

Curiosidades
- Campeão do Centenário do Futebol Piauiense, título simbólico alusivo aos 100 anos do futebol no Piauí, completos em 2005;

- Clube Piauiense mais antigo em atividade;

- Único tricampeão estadual do interior 2004/05/06;

- Primeiro campeão “arrastão” (sem precisar de final, vencendo 1º e 2º turnos do estadual) 2004.

 

HINO – Parnahyba Sport Club

 

Letra do Hino

Composto originalmente por R.Petit, o hino do clube transformou-se anos mais tarde no hino oficial da Cidade de Parnaíba, desde então o Hino do Parnahyba Sport Club vem fazendo parte de todas as cerimônias oficiais tanto do clube quanto da cidade.
“Ó Parnaíba,

Teu nome exprime

Em nosso peito

Ardor sublime

Que nos inspira a repetir a doce escala

Da voz do rio que te envolve que te embala


Teus filhos bravos

No embate rudo

Fazem do peito

Um bronzeo escudo


ESTRIBILHO - E quem da luta

Todo ardor não liba

Ao som do brado:

Salve ó Parnaíba

 

Possues o brilho

Da paz bendita

Que sobre nós

Fulge e palpita

 

Ao sopro forte do Nordeste a vida canta

Nessa oficina de labor que nos encanta


Do nosso esforço

Vem a surgir

A glória excelsa

Em teu porvir

 

ESTRIBILHO

A doce sombra

Da paz suprema

Progredir sempre

É o nosso lema


Onde a bravura destemida enfim assome,

Nos lembra o rio que te deu tão grande nome


Teus filhos bravos

No embate rudo

Fazem do peito

Um bronzeo escudo

 

ESTRIBILHO - E quem da luta

Todo ardor não liba

Ao som do brado:

Salve ó Parnaíba

 

Possues o brilho

Da paz bendita

Que sobre nós

Fulge e palpita”

 

 

FONTES: Site do clube – Blog Relíquias do Futebol

FOTO: Acervo Severino Filho (Foto tirada no dia 21 de Setembro de 1941)

 


FONTE: Revista Placar

 

A história, no entanto, reservou um revés para a Sociedade Esportiva Tiradentes. Onze dias após ser derrotado pelo adversário, o Corinthians entrou com uma sede incontrolável em mostrar quem mandava no pedaço. Azar do Tiradentes que acabou entrando na história do futebol brasileiro ao sofrer a maior goleada no campeonato Nacional, que aliás perdura até os dias de hoje.

O placar de 10 a 1, retrata bem o que foi o jogo: um massacre do Timão. Diante do que aconteceu nos 90 minutos, o resultado final ficou barato. Poderia ter sido pior para o Tiradentes. O destaque da partida foi o meia Sócrates que marcou, nada mais e nada menos do que cinco gols.

 

S.C. CORINTHIANS (SP)

10

X

1

S.E. TIRADENTES  (PI)

LOCAL: Estádio Osvaldo Teixeira Duarte, ‘Canindé’, em São Paulo (SP)
CARÁTER: 1ª Fase – 6ª Rodada – Taça de Ouro
DATA: Quarta-feira, do dia 9 de Fevereiro de 1983
RENDA: Cr$ 10.656.000,00
PÚBLICO: 17.821 pagantes
ÁRBITRO: Aristóteles Cantalice (PE)
CORINTHIANS: Solito; Alfinete, Mauro, Daniel González e Wladimir;  Paulinho, Sócrates e Zenon (Eduardo, 32 do 2º); Biro-Biro, Ataliba (Vidotti, 32 do 2º) e Paulo Egídio. Técnico: Mário Travaglini
TIRADENTES: Neto; Valdinar, Baiano, Vágner e Zezé (Jeová, 17 do 2º); Zuega, Sabará e Hélio Rocha (Etevaldo, 17 do 2º); Luís Sérgio, Durval e Joniel.  Técnico: Alberino de Paula
GOLS: Sabará, de pênalti, aos 18 minutos (Tiradentes);  Sócrates, de pênalti, aos 24 minutos (Corinthians); Sócrates aos 31 e 42 minutos (Corinthians);  Biro-Biro aos 37 minutos (Corinthians);   Paulo Egídio aos 44 minutos (Corinthians); no 1º Tempo.  Ataliba aos quatro minutos (Corinthians); Wladimir aos oito minutos (Corinthians); Paulo Egídio aos 17 minutos (Corinthians); Sócrates, de pênalti, aos 33 minutos (Corinthians); Vidotti aos 42 minutos (Corinthians); no 1º Tempo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: Revista Placar

 

Por falar na Sociedade Esportiva Tiradentes, o clube viveu dois momentos emblemáticos num espaço de 11 dias. Literalmente do céu ao inferno. No primeiro capítulo, do dia 29 de Janeiro de 1983, válido pela 3ª Rodada, da 1ª Fase da Taça de Ouro (atual Campeonato Brasileiro da Série A).

Então líder do Grupo D, o Corinthians foi enfrentar o modesto Tiradentes, em Teresina (PI), acreditando que a vitória seria tranquila. No entanto, empurrado por mais de 40 mil pessoas, o clube piauiense cresceu em campo. Jogando como se fosse uma final de Copa do Mundo, o Tiradentes fez a sua melhor partida em 1983, e foi para o intervalo com a vantagem de dois gols. O segundo, assinalado por Hélio Rocha foi um golaço.

O meia pegou na intermediária e soltou um foguete, acertando o ângulo direito do goleiro Solito, que voou, mas não alcançou. Na segunda etapa, o Corinthians conseguiu equilibrar o jogo e até diminuiu, com Sócrates, marcando de pênalti, mas não o suficiente para evitar a derrota! Fim de jogo, e uma festa que começou no gramado e se estendeu por toda o estado do Piauí. Um dia histórico para o futebol piauiense.

S.E. TIRADENTES (PI)

2

X

1

S.C. CORINTHIANS (SP)

LOCAL: Estádio Alberto Silva, ‘Albertão’, em Teresina (PI)
CARÁTER: 1ª Fase – 3ª Rodada – Taça de Ouro
DATA: Sábado,  do dia 29 de Janeiro de 1983
RENDA: Cr$ 9.945.200,00
PÚBLICO: 41.265 pagantes
ÁRBITRO: Wilson Carlos dos Santos (RJ)
TIRADENTES: Batista; Valdinar, Vágner, Válter Maranhão e Válter Piauí; Zuega, Sabará e Hélio Rocha; Luís Sérgio (Carlinhos), Olivã (Durval) e Joniel.  Técnico: Alberino de Paula
CORINTHIANS: Solito; Alfinete (Zé Maria), Mauro, Daniel González e Wladimir;  Paulinho (Paulo Egídio), Sócrates e Zenon; Ataliba, Casagrande e  Biro-Biro. Técnico: Mário Travaglini
GOLS: Sabará, de pênalti, aos 34 minutos (Tiradentes);  Hélio Rocha aos 39 do 1º Tempo. Sócrates, de pênalti, aos 28 minutos (Corinthians); no 2º Tempo.

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: Revista Placar

 

A Sociedade Esportiva Tiradentes é uma agremiação da cidade de Teresina (PI). Na terça-feira, do dia 30 de junho de 1959, os Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar do Estado do Piauí decidiram fundar o “Clube Tiradentes dos Subtenentes e Sargentos da Policia Militar do Estado do Piauí“.

Na época, o Comandante da Policia Militar era o Coronel Pedro Borges da Silva Filho. Em 14 de setembro de 1966 o então presidente, Luís Castro Araújo, solicitou filiação à Federação Piauiense de Desportos (FPD) e o pedido foi deferido em 3 de outubro, passando o representante da PM a disputar competições de esporte amador.

No inicio de 1972, o Coronel Canuto Tupy Caldas, comandante da Policia Militar, anunciou que o Tiradentes iria disputar o Campeonato de Futebol Profissional. No mesmo ano se sagrou campeão Estadual (1972). Depois faturou outros quatro títulos: 1974, 1975 (título dividido com o River), 1982 e 1990. Também faturou o caneco do Torneio Início de 1981.

Na esfera nacional o Tiradentes participou do Campeonato Brasileiro da Série A em cinco oportunidades: 1973, 1974, 1975, 1979 e 1983.

FONTES: Wikipédia – Revista Placar

 

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Mercado Livre – Revista Placar

 

Seleção do Piauí - 1927

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

Campeonato Piauiense 1976

Participantes

Auto Esporte (Auto Esporte Clube) – Teresina
Botafogo (Botafogo Esporte Clube) – Teresina
Comercial (Comercial Atlético Clube) – Campo Maior
Flamengo (Esporte Clube Flamengo) – Teresina
Fluminense (Fluminense Esporte Clube) – Teresina
Parnaíba (Parnaíba Sport Club) – Parnaíba (* atual Parnahyba Sport Club)
Piauí (Piauí Esporte Clube) – Teresina
Tiradentes (Sociedade Esportiva Tiradentes) – Teresina

Obs: O Tiradentes encerrou o Depto. de Futebol e desistiu da competição no início de junho em função do caso Jacob (homícidio). Vários jogadores do Tiradentes foram indiciados no crime.

1º Turno – 1ª Fase

15/02/1976 – 1ª Rodada
Flamengo 2×1 Botafogo
Parnaíba 3×2 Fluminense
18/02/1976 – 1ª Rodada
Piauí 1×1 Botafogo
Tiradentes 5×0 Auto Esporte

22/02/1976 – 2ª Rodada
Comercial 1×2 Piauí
Tiradentes 12×0 Fluminense
26/02/1976 – 2ª Rodada
Parnaíba 4×3 Auto Esporte
Flamengo 3×0 Comercial

07/03/1976 – 3ª Rodada
Parnaíba 1×4 Tiradentes
Comercial 0×1 Botafogo
Auto Esporte 0×1 Fluminense
Flamengo 1×0 Piauí

Grupo A
1    Tiradentes – 6
2    Parnaíba – 4
3    Fluminense – 2
4    Auto Esporte – 0

Grupo B
1    Flamengo – 6
2    Piauí – 3
3    Botafogo – 3
4    Comercial – 0

(*) Piauí foi segundo por sorteio

1º Turno – Semifinal

10/03/1976 – Jogo Único
Tiradentes 4×1 Piauí
Flamengo 1×1 Parnaíba [Pro 2-0]

1º Turno – Final

14/03/1976 – 1º Jogo
Flamengo 1×0 Tiradentes
17/03/1976 – 2º Jogo
Tiradentes 1×1 Flamengo

(*) Flamengo campeão do 1º Turno

2º Turno – 1ª Fase

24/03/1976 – 1ª Rodada
Tiradentes 2×1 Botafogo
Flamengo 2×0 Fluminense

28/03/1976 – 2ª Rodada
Piauí 1×1 Comercial
Flamengo 2×1 Auto Esporte

31/03/1976 – 3ª Rodada
Botafogo 5×0 Comercial
Auto Esporte 2×1 Parnaíba

04/04/1976 – 4ª Rodada
Botafogo 2×1 Piauí
Comercial 1×6 Tiradentes
Parnaíba 1×0 Flamengo
Auto Esporte 3×1 Fluminense

07/04/1976 – 5ª Rodada
Fluminense 0×1 Parnaíba
Tiradentes 5×1 Piauí

Grupo A
1º Tiradentes – 6
2º Botafogo – 4
3º Piauí – 1
3º Comercial – 1

Grupo B
1º Flamengo – 4
2º Auto Esporte – 4
3º Parnaíba – 4
4º luminense – 0

(*) Flamengo foi primeiro e Auto Esporte foi segundo por sorteio.

2º Turno – Semifinal

11/04/1976 – Jogo Único
Tiradentes 2×0 Auto Esporte
14/04/1976 – Jogo Único
Flamengo 3×1 Botafogo

2º Turno – Final

18/04/1976 – 1º Jogo
Flamengo 0×0 Tiradentes
21/04/1976 – 2º Jogo
Tiradentes 1×4 Flamengo

(*) Flamengo campeão do 2º Turno

3º Turno – 1ª Fase

25/04/1976 – 1ª Rodada
Parnaíba 1×1 Piauí
Botafogo 1×1 Auto Esporte
Comercial 3×1 Fluminense

02/05/1976 – 2ª Rodada
Flamengo 0×0 Botafogo
Comercial 3×1 Piauí
Parnaíba 2×2 Fluminense
05/05/1976 – 2ª Rodada
Tiradentes 0×0 Auto Esporte

09/05/1976 – 3ª Rodada
Flamengo 0×0 Tiradentes
Parnaíba 1×0 Comercial

16/05/1976 – 4ª Rodada
Auto Esporte 0×3 Flamengo
Piauí 2×3 Fluminense
20/05/1976 – 4ª Rodada
Tiradentes 1×1 Botafogo

Grupo A
1º Flamengo – 4
2º Tiradentes – 3
3º Botafogo – 3
4º Auto Esporte – 2

Grupo B
1º Comercial – 4
2º Parnaíba – 4
3º Fluminense – 3
4º Piauí – 1

(*) Tiradentes foi segundo do Grupo A e Comercial foi primeiro do B por sorteio

3º Turno – Semifinal

23/05/1976 – Jogo Único
Flamengo 2×3 Parnaíba
27/05/1976 – Jogo Único
Comercial 2×1 Tiradentes

3º Turno – Final

30/05/1976 – 1º Jogo
Parnaíba 3×0 Comercial
06/06/1976 – 2º Jogo
Comercial 4×2 Parnaíba
10/06/1976 – 3º Jogo
Comercial 0×2 Parnaíba

(*) Parnaíba campeão do 3º Turno

4º Turno – 1ª Fase

12/06/1976 – 1ª Rodada
Botafogo 3×0 Auto Esporte
17/06/1976 – 1ª Rodada
Fluminense 2×3 Piauí
Flamengo 2×1 Comercial

20/06/1976 – 2ª Rodada
Piauí 3×3 Auto Esporte
Botafogo 1×0 Fluminense
Comercial 5×1 Parnaíba

23/06/1976 – 3ª Rodada
Fluminense 2×0 Auto Esporte
Botafogo 0×1 Piauí
27/06/1976 – 3ª Rodada
Flamengo 4×0 Parnaíba

Grupo A
1º Flamengo – 4
2º Comercial – 2
3º Parnaíba – 0

Grupo B
1º Piauí – 5
2º Botafogo – 4
3º Fluminense – 2
4º Auto Esporte – 1

4º Turno – Semifinal
30/06/1976
Piauí 1×1 Comercial [Pro 0-1]
Flamengo 2×0 Botafogo

(*) Flamengo campeão do 4º Turno

4º Turno – Final

04/07/2016 – 1º Jogo
Comercial 0×4 Flamengo
07/07/2016 – 2º Jogo
Flamengo 3×0 Comercial

Final

11/07/1976 – 1º Jogo
Flamengo 2×1 Parnaíba
18/07/1976 – 2º Jogo
Flamengo 1×1 Parnaíba

(*) Flamengo Campeão Piauiense de 1976

Artilheiro
Jorge Costa (Tiradentes) 15 gols

Pontuação        PTS  J   V  E  D   GP   GC
1    Flamengo    36  23  15  6  2   43   13
3    Tiradentes  21  16   8  5  3   44   14
2    Parnaíba    20  18   8  4  6   29   33
4    Botafogo    14  14   5  4  5   18   14
5    Comercial   12  18   5  2 11   22   40
6    Piauí       11  14   3  5  6   19   28
7    Auto Esporte 7  13   2  3  8   13   28
7    Fluminense   7  12   3  1  8   14   32

 

FONTES: Pacotilha O Globo – Lustosa

 

BOTAFOGO E.C. (PI)           2          X         6          VITÓRIA DO MAR F.C.

LOCAL:  Estádio Municipal Lindolfo Monteiro, em Teresina-PI

HORÁRIO: 16h40min.

DATA: Domingo, dia 29 de Maio de 1953

CARÁTER: Amistoso Nacional

RENDA: Cr$ 3.452,00

ÁRBITRO: Francisco Batista, o Moreno (fraca atuação)

AUXILIARES: Geraldo Soeiro e João Pedro

BOTAFOGO: Raimundinho (Edgard); Belinho e Benedito (Maranhão); Parnaibano I, Joaquim e Paisinho; Julio, Maio, Cabeça, Parnaibano II e Raspa (Cavalo Velho).

VITÓRIA DO MAR: Batatais (Dico); Misael e João Cinco; Lourival, Gordo e Lelé; Chapola, Benedito (Abmael), Gafanhoto, Ivan e Lobato. Técnico: Waldemar Almeida

GOLS: Ivan aos 14 minutos (Vitória);  Lobato aos 20 e 28 minutos (Vitória); Cabeça aos 31 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Abmael, por cobertura, aos 5 minutos (Vitória); Gafanhoto aos 23 minutos (Vitória); Ivan aos 28 minutos (Vitória); Benedito, de pênalti, aos 38 minutos (Botafogo), no 2º Tempo.

FONTE: Pacotilha O Globo

 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

A participação do Ferroviário no Campeonato Piauiense de 1964, foi a primeira de uma equipe da cidade de Floriano numa competição profissional promovida pela Federação Piauiense de Desportos (hoje Federação de Futebol do Piauí).

No jogo extra para definir quem cairia e quem permaneceria na Elite Piauiense, melhor para o Ferroviário que derrotou o Auto Esporte, na capital Teresina, por 2 a 0. Após o apito final, muita festa tanto no campo quanto no Município de Floriano.

 

AUTO ESPORTE               0          X         2          FERROVIÁRIO       

LOCAL: Estádio Lindolfo Monteiro, em Teresina (PI)

DATA: Sexta-feira, 06 de novembro de 1964

CARÁTER: Jogo extra decidindo o rebaixamento

ÁRBITRO: José da Costa Araújo (FPD)

AUTO ESPORTE: Antônio Luiz; Marcos, Amadeu, Deolindo e Quincas; Sabará e Wallace; Pestana, Capote, Ananias e Bicudo.

FERROVIÁRIO: Pompéia; Piqui, Valdivino, Sousa e Pepedro; Fernando e Valdimir; Reginaldo, Cristóvão, Elder e Rômulo.

GOLS: Cristóvão (Ferroviário) no 1º Tempo. Elder (Ferroviário) no 2º Tempo.

 

FONTE: Blog Portal de Floriano - Janclerques Marinho Melo

 

A participação do Ferroviário no Campeonato Piauiense de 1964, foi a primeira de uma equipe da cidade de Floriano numa competição profissional promovida pela Federação Piauiense de Desportos (hoje Federação de Futebol do Piauí). Pela última rodada do returno, Ferroviário recebeu o Auto Esporte, onde a derrota representaria o rebaixamento para um dos dois.

Numa partida tensa e marco por lances ríspidos, as defesas levaram vantagem sobre os ataques. No final, empate em 1 a 1. Com este resultado, foi necessário um jogo extra entre as duas equipes para determinar que cairia para a Segunda Divisão.

 

FERROVIÁRIO                    1          X         1          AUTO ESPORTE  

LOCAL: Estádio José Meireles, em Floriano (PI)

DATA: Domingo, 11 de outubro de 1964

CARÁTER: 6ª Rodada do 2º Turno

RENDA: Cr$ 201.000,00

ÁRBITRO: Valdimir Soares da Silva (FPD)

FERROVIÁRIO: Pompéia; Piqui, Valdivino, Antônio Guarda e Pepedro; Fernando e Valdimir; Reginaldo, Cristóvão, Claudemir e Rômulo.

AUTO ESPORTE: Petrúcio; Marcos, Amadeu, Deolindo e Quincas; Zé Maria e Wallace; Pestana (Ananias), Caboclo, Soares e Bicudo.

GOLS: Bicudo (Auto Esporte) e Cristóvão (Ferroviário)
FONTE: Blog Portal de Floriano - Janclerques Marinho Melo

 

A participação do Ferroviário no Campeonato Piauiense de 1964, foi a primeira de uma equipe da cidade de Floriano numa competição profissional promovida pela Federação Piauiense de Desportos (hoje Federação de Futebol do Piauí). Pela 5ª rodada do returno, enfim, o Ferroviário reencontrou o caminho da vitória ao bater o Caiçara por 2 a 1. Rômulo, que marcou dois gols, foi o destaque da peleja.

 

FERROVIÁRIO                    2          X         1          CAIÇARA    

LOCAL: Estádio José Meireles, em Floriano (PI)

DATA: Domingo, 04 de outubro de 1964

CARÁTER: 5ª Rodada do 2º Turno

RENDA: Cr$ 201.000,00

ÁRBITRO: Renato Barreto de Moraes (FPD)

AUXILIARES: Nelson Oliveira Silva (FPD) e Francisco de Assis Castelo Branco (FPD)

FERROVIÁRIO: Pompéia; Piqui, Valdivino, Antônio Guarda e Pepedro; Fernando e Valdimir; Reginaldo, Cristóvão, Claudemir e Rômulo.

CAIÇARA: Onésio; Napoleão, Mormaço, Cabo Dulce e Prego; Paulo da Banana e Raimundinho Fumaça; Vicentim, Anduiá, Índio e Escurinho.

GOLS: Rômulo, duas vezes (Ferroviário), no 1º Tempo. Anduiá (Caiçara) no 2º Tempo.
FONTE: Blog Portal de Floriano - Janclerques Marinho Melo

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha