FONTE: A Ilustração Brazileira 

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 

O Usina Esperança Futebol Clube é uma agremiação do Município de Itabirito (MG). O Tricolor Itabiritense foi Fundado na sexta-feira, do dia 24 de Junho de 1932. A sua Sede fica localizada na Rua Doutor Eurico Rodrigues, nº 106, no Centro de Itabirito. As suas cores: verde, vermelho e branco.

FONTES E FOTOS: Coleção Digital de Itabirito – Página do clube no Facebook

 

FONTE: A Gazeta 

 

EQUIPES PARTICIPANTES:

- CELTA (ESPANHA)
- CRUZEIRO (BRASIL)
- FC PORTO (PORTUGAL)

TURNO ÚNICO

02.09.1970 – PORTO 1-1 CELTA (2-1 PEN), EM CARACAS
05.09.1970 – CRUZEIRO 1-0 CELTA, EM CARACAS
06.09.1970 – CRUZEIRO 1-1 PORTO (4-1 PEN), EM CARACAS

CAMPEÃO – CRUZEIRO ESPORTE CLUBE (BELO HORIZONTE)

Fonte: Jornal dos Sports

 

DATA: 23 DE MARÇO DE 1958
LOCAL: ESTÁDIO SALES DE OLIVEIRA, EM JUIZ DE FORA – MG

1º JOGO – OLIMPIC 2-0 TUPI
2º JOGO – TUPINAMBÁS 0-0 AMÉRICA (3-2 PEN)
3º JOGO – SPORT 1-0 VILA DO CARMO
4º JOGO – VOLANTE 0-0 SOCIAL (2-1 PEN)
5º JOGO – TUPINAMBÁS 2-0 OLIMPIC
6º JOGO – SPORT 0-0 VOLANTE (2-1 PEN)
FINAL – TUPINAMBÁS 2-0 SPORT

CAMPEÃO – TUPINAMBÁS FUTEBOL CLUBE (JUIZ DE FORA – MG)

 

FONTE: Página do clube no Facebook (Modelo de 1998)

 

Fonte: Gazeta Esportiva - SP

 

 

 

 

Em uma viagem a Salvador, no início dos anos 80, Paulinho de Almeida era o técnico do Atlético Mineiro e Rui Guimarães era seu auxiliar. O jogo foi contra o Bahia na Fonte Nova.

Na manhã seguinte ao jogo, toda a comissão e jogadores rumaram para Belo Horizonte. Feito escala em Porto Seguro, seguindo para a capital Mineira. Enquanto a aeronave fazia o procedimento de vôo para pouso no aeroporto da Pampulha, um imprevisto surge: o trem de pouso não foi acionado por problemas técnicos.

Diante desse problema, o avião, devidamente orientado pela tripulação, faria sobrevôo em Belo Horizonte, até que fosse sanado o defeito do trem de pouso. Com isso, a ansiedade e o medo tomaram conta de quase todos. Uns mais, outros menos.

Como o problema do trem de pouso parecia insolúvel, a medida mais plausível era continuar sobrevoando até que o combustível se esgotasse, para que fosse realizado o pouso de emergência sobre colchões de espuma para evitar um mau maior.

Só que, quando todos os procedimentos eram realizados no aeroporto, os passageiros viam tudo lá de cima, principalmente pelas luzes de alerta das viaturas policiais e das ambulâncias. O pânico ia aumentando e cada um tinha uma reação bem característica.

Mais nervoso que todos, o diretor de futebol, num lampejo de último olhar, prevendo o pior, dirige-se para o saudoso Valtinho, roupeiro do Galo, e em tom de súplica, balbuciou:

“Valtinho, se por acaso o avião explodir, manda este bilhete para a minha mulher e minhas duas filhas.”

Será que ele imaginou que o Valtinho seria imortal?

O pouso foi bom, com algum incômodo, sem maiores transtornos. Depois do susto, a gozação para cima do diretor foi tanta que, dias depois, ele pediu demissão.

Paulo de Almeida Ribeiro (Porto Alegre, 15 de abril de 1932 — São Paulo, 11 de junho de 2007) foi um jogador e treinador de futebol brasileiro, também conhecido como Paulinho de Almeida. Foi treinador do Galo Mineiro em 1983 e 1988.

Rui Guimarães (Belo Horizonte, 6 de março de 1947) ingressou no futebol em 1971 como preparador físico em Minas Gerais e logo depois auxiliar técnico. Foi também técnico de vários clubes Mineiros e Catarinense.

 

FONTE: Rui Guimarães atua na crônica esportiva desde 2003 e nos conta essa e outras histórias no livro ‘Santa Bola, crônicas e contos do futebol’.

 

Liga Desportiva de Juiz de Fora (LDJF) já liberou a tabela do Regional

 Muito antes do que se esperava, saiu a tabela do Campeonato Regional que a Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF) vai promover e que reunirá 12 clubes, divididos em duas chaves de seis. Na Chave A estão:

Esporte Clube Biquense, de Bicas;

Esporte Clube Independente, de Além Paraíba;

Mineiro Futebol Clube, de Santos Dumont;

Olympic Club, de Barbacena;

Recreio Esporte Clube, de Recreio;

Tupi Football Club, de Juiz de Fora.

Na Chave B:

Associação de Futebol Merci, de Juiz de Fora;

Clube Social Olímpico Ferroviário, de Santos Dumont;

Esporte Clube Ribeiro Junqueira, de Leopoldina;

Operário Futebol Clube, de São João Nepomuceno;

Sport Club, de Juiz de Fora;

Villa Nova Atlético Clube, de Santos Dumont.

 

Eis os jogos programados para o próximo dia 28 de agosto de 1977, quando começará o certame. Chave A:

Tupi                           x          Biquense, em Juiz de Fora;

Olimpic                      x          Mineiro; em Barbacena;

Independente          x          Recreio; em Além Paraíba.

 

Na Chave B:

Ribeiro Junqueira   x          Social, em Leopoldina;

Villa Nova                 x          Merci, em Santos Dumont;

Operário                    x          Esporte, em São João Nepomuceno.

 

O turno terá novas rodadas, nos dias 4, 11, 18 e 25 de setembro.

JORNADAS DUPLAS - Como as cidades de Juiz de Fora e Santos Dumont têm três times no regional, o presidente da LDJF, Agostinho Feres, reuniu os dirigentes desses clubes para acertar o problema da realização de jornadas duplas nas duas cidades.

Não foi fácil chegar a uma conclusão que atendesse aos interesses de todos. Houve por fim, boa vontade por parte dos presentes, numa questão que surgiu porque os próprios clubes querem que a temporada termine ainda este ano. E para que isto possa acontecer, tornou-se necessária a marcação de jogos com a participação de todos os disputantes em todos os domingos.

Como existem três clubes de Juiz de Fora e três de Santos Dumont, não haveria possibilidade de se conciliar o interesse geral sem a marcação de mais de uma partida nas referidas cidades.

O primeiro a se manifestar foi Adão Acauhi, do Tupi, que disse logo ser contrário às jornadas de duplas. Mas se prontificou a jogar aos sábados, ou aos domingos, pela manhã, toda vez que a tabela marcasse dois jogos para Juiz de Fora.

FONTE: Jornal dos Sports (Quarta-feira, do dia 17 de agosto de 1977)

 

O Nacional Atlético Clube de Visconde do Rio Branco de  1961. O time posado, formado da seguinte forma. EM PÉ (esquerda para a direita): Ivanir, Carlinhos, Sarg. Lucas,  Juca Pato,  Zé Pretinho, Nenê Carolina e João Leite. AGACHADOS (esquerda para a direita): Antônio Baixinho, Carioca, Ruy Tutu, Jésus, Sizé, Zezé Barreto e Hélio Veríssimo Ferreira.

FONTES: A Cidade (MG) – Acervo de Hélio Veríssimo

 

FONTES: Página do Clube no Facebook – A Cidade (MG) – Diário Mercantil

 

VIÇOSA AC (VIÇOSA-MG)           4          X         2          15 DE NOVEMBRO (RIO NOVO-MG)

LOCAL: Estádio Carlos Barbosa, em Viçosa (MG)

DATA: Domingo, do dia 07 de julho de 1968

CARÁTER: Campeonato de Juiz de Fora de 1968

RENDA: NCr$ 516,00 (quinhentos e dezesseis cruzeiros novos)

ÁRBITRO: Milton Silveira (atuação ruim)

VAC: Patarinho; Augusto, Batuíra, Odemir e Sangue; Satica e Toninho; Luizinho, Maurício, Messias e Luiz Carlos.

15 DE NOVEMBRO: Alfredo; José Júlio, Carlos Alberto, Cunca e Tatão; Messias e Vareto; Menen, Jacinto, Ronaldo e Lira.

GOLS: Ronaldo (15 de Novembro); Satica (VAC), Luiz Carlos, marcou o 2º e o terceiro gol (VAC), no 1º Tempo. Satica (VAC); Ronaldo (15 de Novembro), no 2º Tempo.

 

FONTE: A Cidade (MG)

 

VIÇOSA AC (VIÇOSA-MG)           1          X         1          NACIONAL AC (MURIAÉ-MG)

LOCAL: Estádio Carlos Barbosa, em Viçosa (MG)

DATA: Domingo, do dia 23 de junho de 1968

CARÁTER: Campeonato de Juiz de Fora de 1968

RENDA: NCr$ 900,00 (novecentos cruzeiros novos)

ÁRBITRO: Etelberto Senra (boa atuação)

VAC: Patarinho; Zinho, Batuíra, Odemir (de Barra do Piraí-RJ, que estreou neste jogo) e Sangue; Satica e Toninho; Luizinho, Maurício (Márcio), Fernandinho e Luiz Carlos.

NACIONAL: Cica; Irá, Paulinho, Campestre e Careca; Gonça e Marcos; César, Neném, Dominguinhos e Corisco (Helinho).

GOLS: Neném aos 28 minutos (Nacional), no 1º Tempo. Luizinho aos 25 minutos (VAC), no 2º Tempo.

 

FONTE: A Cidade (MG)

 

IDEAL EC (RECREIO-MG)           4          X         0          VIÇOSA AC (VIÇOSA-MG)

LOCAL: Estádio Alcides Campos, em Recreio (MG)

DATA: Domingo, do dia 16 de junho de 1968

CARÁTER: Campeonato de Juiz de Fora de 1968

RENDA: NCr$ 279,00 (duzentos e setenta e nove cruzeiros novos)

ÁRBITRO: Euclides Manuel (atuação regular)

IDEAL: Fumaça; Enéas, Sabará, Fernando e Rogério; Noínha e Darci; Pedrinho, Afrânio, Papada e Amauri.

VAC: Patarinho; Aládio, Maurício, Batuíra e Sangue; Satica (Tonico) e Rui; Luizinho (Neném); Luiz Carlos, Fernando e Messias.

GOLS: Pedrinho aos 13 minutos (Ideal); Afrânio aos 28 minutos (Ideal); Amauri aos 35 minutos (Ideal), no 1º Tempo. Amauri aos 35 minutos (Ideal), no 2º Tempo.

 

FONTE: A Cidade (MG)

 

TUPI FC (JUIZ DE FORA-MG)    7          X         2          VIÇOSA AC (VIÇOSA-MG)

LOCAL: Estádio Poço Rico (propriedade do Tupinambás), em Juiz de Fora (MG)

DATA: Domingo, do dia 28 de março de 1968

HORÁRIO: 21 horas

CARÁTER: 1º jogo do Troféu de Ouro de 1968 (comemorativo ao 50º aniversário da Liga Desportiva de Juiz de Fora)

RENDA: NCr$ 279,00 (duzentos e setenta e nove cruzeiros novos)

ÁRBITRO: Euclides Manuel (atuação regular)

TUPI: Waldir; Manoel, Murilo, Danilo e Walter; Buré e Ataíde, o Príncipe; Deca (João Pires), Toledo, Roberto e Paulo (Taú).

VAC: Rubens (Lairson); Castelo, Rubim, Batuíra e Sangue; Satica e Tonico; Machado, Maurício, Zinho (Irezê)  e Luizinho.

GOLS: Deca aos 15 minutos (Tupi); Paulo aos 20 minutos (Tupi); Ataíde, o Príncipe aos 46 minutos (Tupi), no 1º Tempo. Paulo aos seis minutos (Tupi); Machado aos 11 minutos (VAC); Toledo aos 23 minutos (Tupi); Maurício aos 27 minutos (VAC); Roberto aos 36 minutos (Tupi);  Manoel aos 47 minutos (Tupi).

 

FONTE: A Cidade (MG)

 

Organização: LDJF – Liga de Desportos de Juiz de Fora
Nome Oficial: Troféu José Paiz Soares

Observações
Torneio homologado pela LDJF como o Citadino pois a Divisão Especial de Profissionais havia sido extinta e os 3 principais clubes de Juiz de Fora passaram a disputar o Campeonato Mineiro

Primeiro critério de desempate era o gol average = gols prós / gols contra

26/10/1969 – Domingo
Tupi    0x0    Tupynambás
09/11/1969 – Domingo
Tupi    1x1    Sport
16/11/1969 – Domingo
Sport    2x1    Tupynambás
23/11/1969 – Domingo
Tupi    1x1    Tupynambás
30/11/1969 – Domingo
Tupi    3x1    Sport
07/12/1969 – Domingo
Tupynambás    2x5    Sport

Classificação:

1) Tupi, 5pts,  gol Average 1.667
2) Sport, 5pts, gol average 1.286
3) Tupynambás, 2pts, gol average 0.500

 

 

 

Pesquisa: Gerson Rodrigues
Fonte: Retrospectiva do Futebol em Juiz de Fora – 1918 – 1978 de Geraldo Gerheim

 

FONTES: Página do Clube no Facebook – A Cidade (MG)

 

E. C. Mário Bouchardet, no seu estádio

FONTES: Diário Mercantil – Acervo de Osvaldo Sartóri Henriques – Acervo de Edgar Amin

 

FONTE: Diário Mercantil (MG)

 

Mineiro Futebol Clube é uma agremiação do  Município de Santos Dumont (MG). O Alvinegro Sandumonense foi Fundado no dia 24 de Maio de 1925, como Palmira, possui a sua Sede localizada na Rua Roberto Dinamite, 320, no Centro da Cidade. Cerca de dois meses depois, no dia 22 de junho, foi constituída a 1ª Diretoria:

Presidente - Vicente Spinelli;

Vice-presidente - Goiatá Camopi;

1º Tesoureiro - José Abreu Jr.;

2º Tesoureiro - Broncibel Castelo Branco;

1º Secretário - Derossi Abreu;

2º Secretário - Moacir Pires de Mendonça;

Diretor Esportivo - Henrique Dias Coelho.

  No dia 21 de Junho de 1932, o Mineiro enfrentou o Flamengo do Rio, em amistoso. O rubro-negro carioca venceu por 4 a 2. São Cristóvão e América foram outros adversários cariocas que o Mineiro enfrentou nos anos 30. Em 1933, inaugurou a sua Sede e também passou a clube profissional da AMEA, com sede em Juiz de Fora.

Mineiro já disputou alguns Campeonatos Citadinos de Juiz de Fora, como os anos de 1961, 1962, 1964 e 1966Entre dezenas de troféus, um dos mais importantes foi o Campeonato Regional de Minas Gerais, quando enfrentou o Tupy de Juiz de Fora, 15 de Novembro, Vila do Carmo de Barbacena, Atlético de São João Del Rei entre outros campeões de diversas cidades.

 

FONTES: Flapédia – Jornal A Manhã – Diário Mercantil

 

O América Futebol Clube (América de Barbacena) foi uma agremiação da cidade de Barbacena (MG). Localizado no Campo das Vertentes (com uma população de 135.829 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2016), Barbacena fica a 169 km da capital (Belo Horizonte) mineira.

O Mecão Barbacenense foi Fundado na sexta-feira, do dia 06 de Novembro de 1931. A Sede ficava situada na Avenida Olegário Maciel, s/n, no Centro de Barbacena. A equipe rubra mandava os seus jogos no Estádio Onda Nunes, com Capacidade para 3 mil pessoas.

O América realizou diversos amistosos, como por exemplo, o Clube de Regatas Flamengo, num domingo, do 21 de abril de 1957, no Estádio Onda Nunes, em Barbacena. No final, melhor para o Rubro-Negro carioca que não teve trabalho para golear pelo placar de 7 a 0.

O América de Barbacena construiu uma história rica, onde faturou  inúmeros títulos do Campeonato Citadino, organizado pela Liga de Futebol Barbacena (LFB). Também participou de diversas competições na esfera profissional como o Campeonato Citadino de Juiz de Fora de 1964; o Campeonato Mineiro Segunda Divisão de 1967 e 1968; e o Campeonato Mineiro Terceira Divisão de 1987.

Vários grandes jogares passaram pelo Mecão: Paulinho, “Cabeçinha de Ouro”, o técnico Paulo Trindade, Mosquito, Canelinha, Willian, Celinho, Tonho, Joaozinho, Bigode, Russinho, Macalé, Nininho, Jurandir, Fubá, Lado, Tarzan, Chiquinho, Eli Vasques, Pascoal, Adalberto, Klebis, Zezé, Oiama, Pissolati, Célio, Hercules, Charrid e entre outros.

FONTES: Wikipédia – Gol Aberto – Flapédia – Diário Mercantil

 

FONTES:  Diário Mercantil

 

O Nacional Atlético Clube (Nacional de Muriaé) é uma agremiação da cidade de Muriaé (MG). Fundado em 25 de dezembro de 1927, mandava seus jogos no Estádio Soares de Azevedo, com capacidade para 8 mil pessoas. Seu antigo estádio foi vendido para uma rede de supermercados, sendo o novo estádio finalizado em 2014, com capacidade para 13.694 pessoas. O endereço do Novo Estádio Soares de Azevedo é às margens da BR 356 em frente ao SESC Muriaé.

Não deve ser confundido com o Nacional Esporte Clube Ltda, que disputou o Campeonato Mineiro de 2014, em contrato de parceria com o Nacional Atlético Clube.

O Nacional Atlético Clube foi formado por um grupo de jogadores liderados pelo Capitão João Felisberto, o seu 1º presidente, e Hércules Marcondes Nacif. Escolheram as cores Branco, Preto e Vermelho. O estádio é o Soares de Azevedo, chamado assim em homenagem ao desportista, que na época, doou o terreno para a sua construção. Mais tarde foi trocado com a prefeitura para obras da atual rodoviária passando-o para o terreno ao lado, continuando a ser denominado Soares de Azevedo, mas depois cognominado “Brazão” em homenagem ao prefeito João Braz.

O Nacional Atlético Clube é um clube marcado por campanhas memoráveis, notadamente no futebol, embora tenha conquistado outros lauréis em outras áreas esportivas como Voleibol e Atletismo, (inclusive com participação na São Silvestre), mas é no futebol que criou um nome de destaque.

Chamam-no “Nacional de Muriaé” não o separam da terra que tanto propagou, através de participações marcantes e ininterruptas, na primeira divisão de profissionais de futebol mineiro. No profissionalismo a sua brilhante carreira iniciou em 1969 quando sagrou-se campeão da Segunda Divisão, título conquistado em pleno Mineirão em Belo Horizonte; frente ao Atletic Club de São João Del Rei (terra de Tancredo Neves).

Daí por diante não parou e manteve-se na primeira divisão do futebol profissional até 1980, quando por falta de apoio decisivo por parte do poder público municipal e do empresariado local viu-se forçado a interromper a sua gloriosa trajetória de 11 anos ininterruptos no profissionalismo, e na principal divisão do Futebol Mineiro.

Dentre as suas conquistas neste período se destacam: 1977Campeão do Torneio Incentivo – certame de profissionais dos mais importantes da época que apenas não participaram o Cruzeiro, Atlético e América, mas fizeram parte, dentre outros: Vila Nova, Valério, Democrata (GV), Uberaba, Uberlândia, Caldense, Tupi (JF) e Guarani de Divinópolis, aliás foi frente a este tradicional clube mineiro que o Nacional decidiu o título novamente dentro do Estádio Magalhães Pinto (Mineirão da Pampulha) vencendo por 2×0 na preliminar do jogo decisivo do Campeonato Brasileiro de 1977 – pois na partida de fundos jogaria Atlético x São Paulo.

Detalhe: o público presente a este evento foi de mais de 130 mil pessoas. Fora esta conquista o clube obteve excelentes colocações nos campeonatos da primeira divisão que disputou, sendo que em 1977 chegou entre os 5 primeiros e em 1979 (sua melhor campanha) chegou no cômputo geral em 4º lugar, mas temos que ressaltar que esteve na liderança isolada do campeonato por várias rodadas, tanto no primeiro como no segundo turno, tendo sido considerado neste ano, campeão do interior de Minas, todas essas conquistas comandadas pelo saudoso Treinador e Supervisor Argemiro Moreira

Voltou, depois de 2 anos de interrupção, à disputa do campeonato mineiro de profissionais na terceira divisão mas logo galgou à Segunda Divisão, em 1991 foi terceiro colocado na Segunda divisão perdendo a vaga de retorno à primeira divisão frente ao URT de Patos de Minas lá em Patos há 6 minutos do final da partida.

O Nacional Atlético Clube, mesmo não tendo participado de todos os campeonatos promovidos pela Liga Esportiva de Muriaé, detém o título de primeiro campeão amador da cidade 1955 e o maior número de títulos, sete ao todo: 1955, 59, 63, 64, 67, 81 e 98 este último conquistado na gestão administrativa Sr. Wallace Sereno Fernandes.

O Nacional saiu de atividade em 2005, quando disputou a segunda divisão do Campeonato Mineiro. Oito anos depois, em agosto de 2013, assinou um contrato de parceria com o Nacional Esporte Clube Ltda., que depois de um ano em Coronel Fabriciano e três em Nova Serrana, estava jogando em Patos de Minas.

A parceria consistia apenas no uso do novo Estádio Soares de Azevedo, moderno e considerado um dos melhores do interior de Minas. Para “abafar” as críticas contra o “Nacional de mentira“, a equipe optou por utilizar as cores do tradicional clube muriaeense. Apesar de bons jogos em casa, o Nacional se perdeu nos jogos como visitante, sofreu 6 derrotas longe de seus domínios, sendo a última delas o 3 a 1 para o Villa Nova, que decretou o rebaixamento do NEC para o Módulo II do Campeonato Mineiro.

Já em 2014, em meio às especulações sobre a continuidade da parceria entre NAC e NEC, a diretoria do clube muriaeense anunciou que voltaria ao futebol profissional, de fato, após nove anos de ausência. O Campeonato Mineiro da Segunda Divisão (correspondente à Terceirona do estado) seria o marcante episódio do retorno do Nacional. A notícia agradou os torcedores da cidade.

No dia 7 de julho a Federação Mineira de Futebol anunciou a tabela do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, e o Nacional estreia diante do Valeriodoce Esporte Clube, de Itabira, no dia 8 de setembro, em Muriaé.

No dia 4 de outubro de 2014 o Nacional confirmou sua presença no hexagonal final do Campeonato Mineiro da segunda divisão ao vencer o Novo Esporte Ipatinga pelo placar de 1 x 0. O NAC tem pela frente no hexagonal final os seguintes times: Betinense, Funorte, CAP Uberlândia, Uberaba Sport, e Valeriodoce Esporte Clube.

No dia 30 de novembro de 2014 o Nacional venceu o Valeriodoce e garantiu acesso ao Módulo II do Mineiro na temporada 2015.

 

 

FONTES: Wikipédia – Diário Mercantil

 

 

Seleção de Juiz de Fora de 1958

Esquerda para direita: (em pé) Eurico Borges, Pedro, Pavio, Walter II, Gabriel, Joca e Timbinha.

(agachados) Maneco (Tupinambás), Douglas, Pirilo, Denoni e Rubens (Sport).

 

FONTES & FOTO:  Resgatando O Passado – A História de Juiz de Fora, de Maurício Lima Corrêa Acervo Odoni Turolla – Blog Maria do Resguardo 

 

Esporte Clube Ribeiro Junqueira é uma agremiação do Município de Leopoldina (MG).  O ‘Dragão da Zona da Mata’ foi Fundado no dia 27 de agosto de 1911, como Ribeiro Junqueira Sport Club, em um dos salões do Gymnasio Leopoldinense, pelos professores: José Botelho Reis, Antônio Moura, João Trentino Ziller, Dr. Pedro Arantes e Milton Ramos Pinto, juntamente com Esdras Lintz, Vicenti Domenice e alguns alunos.

O 1º presidente foi José Botelho e o senador Ribeiro Junqueira o seu presidente de honra. Posteriormente o Prof. José Botelho Reis ocuparia a presidência de honra. Naquela época, era comum utilizar nomes de famílias para denominar um time, e para homenagear o Deputado Ribeiro Junqueira, os alunos do Gymnásio Leopoldinense assim nomearam o clube.

Logo após o primeiro jogo, o Diretor da escola chamou os jogadores para saber quem teve a ideia de colocar o nome de Ribeiro Junqueira no time. No colégio, as coisas eram severas e os alunos ficaram com medo da repreensão e castigo. Mas o diretor Dr. José Monteiro Ribeiro Junqueira havia gostado da escolha e até mesmo propôs ajuda, comprando uniformes e dando apoio para o time seguir em frente.

Uma reunião definiu as cores do time. Um dos fundadores se manifestou dizendo ter recebido de parentes um postal vindo da Itália, o qual trazia em sua ilustração principal o desenho do Estádio do Milan com seu escudo. Desta forma foi definido o uniforme e as cores do Ribeiro Junqueira Sport Club.

Título na Terceirona e o Vice na Segundona

Foi campeão do Campeonato Mineiro do Interior de 1969. O melhor momento da agremiação foi no final dos anos 80 e início dos anos 90, quando conquistou o Campeonato Mineiro da 3ª Divisão de 1989 e o vice-campeonato do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão de 1990, conseguindo o acesso à Elite do Futebol Mineiro de 1991, quando acabou rebaixado e licenciando-se em seguida do profissionalismo.

Foi tetracampeão da Zona da Mata, Campeão da BR-116, Campeão Regional da Liga de Cataguases em 1984, Campeão Regional da Liga de Juiz de Fora em 1985, Tetracampeão da Liga Esportiva Leopoldinense entre 1983 e 1986.

Estádio Ronaldo Junqueira

Estádio Guanahyro Fraga Motta, conhecido como Ronaldo Junqueira, é um estádio de futebol localizado na cidade de Leopoldina, no estado de Minas Gerais e tem capacidade para 1.600 pessoas.

Celeiro de craques

Entre diversas revelações, o EC Ribeiro Junqueira lançou jogadores como Zequinha (ex-Flamengo e Seleção Brasielira)Othon Valentim (ex-Botafogo e Seleção Brasileira)Dirceu Pantera (ex-Cruzeiro)Elmo(também ex-Cruzeiro) e Elair (ex-Atlético-MG).

 

FONTES :

Página do Clube no Facebook

Diário Mercantil

Wikipédia

Site Terceiro Tempo

Jornal Leopoldinense

BOTELHO, Luiz Eugênio. O Futebol. Artigo publicado do livro E.C Ribeiro Junqueira, O eterno

Campeão de Joseph Capdeville Gribel. 1991, pag 103.

LACERDA, Glauquer Brito de. CD.ROM – E.C Ribeiro Junqueira. 1ª Edição.

NOGUEIRA, Natânia. História e ensino. Acesso em:  06/05/2010. < http://historiadoensino.blogspot.com/2008_05_01_archive.html>

GAZETA ESPORTIVA. História do Futebol. Acesso em: 06/05/2010. http://cgi.gazetaesportiva.net/historia/futebol/historia_do_futebol/abertura.htm

COSTA, Dalmo. O Futebol. Gazeta de Leopoldina de 20/01/1944.

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha