DATA

 

 

 

LOCAL

13.01.1957

OLARIA

3-0

FLAMENGO(MG)

VARGINHA – MG

15.01.1957

OLARIA

0-0

ATLÉTICO(MG)

TRÊS CORAÇÕES – MG

17.01.1957

OLARIA

4-0

TRESPONTANO(MG)

TRÊS PONTAS – MG

19.01.1957

OLARIA

3-1

FABRIL(MG)

LAVRAS – MG

20.01.1957

OLARIA

4-2

FERROVIÁRIO(MG)

RIBEIRÃO VERMELHO – MG

23.01.1957

OLARIA

4-1

MINAS(MG)

SÃO JOÃO DEL REY – MG

25.01.1957

OLARIA

2-2

ATHLETIC(MG)

SÃO JOÃO DEL REY – MG

27.01.1957

OLARIA

5-2

CARMENSE(MG)

CARMO DA MATA – MG

29.01.1957

OLARIA

3-2

SELEÇÃO LOCAL(MG)

CAMPO BELO – MG

31.01.1957

OLARIA

3-1

FORMIGA(MG)

FORMIGA – MG

03.02.1957

OLARIA

0-0

SOCIAL(MG)

OLIVEIRAS – MG

08.02.1957

OLARIA

4-0

AYMORÉS(MG)

UBÁ – MG

13.01.1957

OLARIA

3-0

FLAMENGO(MG)

VARGINHA – MG

15.01.1957

OLARIA

0-0

ATLÉTICO(MG)

TRÊS CORAÇÕES – MG

17.01.1957

OLARIA

4-0

TRESPONTANO(MG)

TRÊS PONTAS – MG

19.01.1957

OLARIA

3-1

FABRIL(MG)

LAVRAS – MG

20.01.1957

OLARIA

4-2

FERROVIÁRIO(MG)

RIBEIRÃO VERMELHO – MG

23.01.1957

OLARIA

4-1

MINAS(MG)

SÃO JOÃO DEL REY – MG

25.01.1957

OLARIA

2-2

ATHLETIC(MG)

SÃO JOÃO DEL REY – MG

27.01.1957

OLARIA

5-2

CARMENSE(MG)

CARMO DA MATA – MG

29.01.1957

OLARIA

3-2

SELEÇÃO LOCAL(MG)

CAMPO BELO – MG

31.01.1957

OLARIA

3-1

FORMIGA(MG)

FORMIGA – MG

03.02.1957

OLARIA

0-0

SOCIAL(MG)

OLIVEIRAS – MG

08.02.1957

OLARIA

4-0

AYMORÉS(MG)

UBÁ – MG

 

O Mangueira Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Juiz de Fora (MG). Fundado nos anos 30, a sua Sede e o campo ficavam localizados no Lamaçal, atual Bairro Bom Pastor. Na foto (abaixo), domingo, do dia 1º de outubro de 1939, o Mangueira estreava o seu campo e as suas novas camisas roxas. O jogo foi contra o Botafogo, no evento principal. A partida terminou empatada em 1 a 1. Gol de Zé dos Reis (essas informações está escrita no verso da fotografia).

FONTES & FOTO: Maria dos Resguardo – Acervo Ennio José Zaghetto 

 

Sport Club Juiz de Fora (Juiz de Fora-MG) - 1921

Fonte: Sport Ilustrado

 

As duas primeiras rodadas, da 1ª fase do Campeonato Brasileiro de 1984, não apresentou surpresas. Contudo, na terceira rodada a história foi outra. No sábado, do dia 4 de fevereiro, o Cruzeiro (MG) recebia o Rio Branco (ES), no Estádio do Mineirão. A princípio um jogo tranquilo. Porém, o jogo foi marcado pelos extremos: o Cruzeiro esteve irreconhecível, enquanto o Rio Branco teve uma atuação destacada, sobretudo, pelo experiente atacante Dé Aranha, então com 34 anos.

O início de jogo, deu a impressão de que seria tranquilo. Afinal, logo aos 11 minutos, o lateral Ademar abriu o placar para o Cruzeiro, marcando o tento após cobrança de penalidade.A partir daí, o Rio Branco partiu para cima e começou a ameaçar a meta de Vitor. E com dois gols de Dé Aranha em dois minutos, o time capixaba virou o jogo, levando a vantagem para o intervalo.

Na etapa final, o Cruzeiro errava muitos passes e parecia nervoso em campo. Já o Rio Branco se defendia bem e chegava com perigo em rápidos contra-ataques. E, num deles, conseguiu marcar o terceiro por intermédio do atacante Arildo. Fim de jogo, e uma merecida vitória do Rio Branco.

A vingança cruzeirense veio no segundo turno, quando goleou o adversário pelo placar de 5 a 1, no Estádio Engenheiro Araripe, em Cariacica (ES). 

CRUZEIRO (MG)

1

X

3

RIO BRANCO (ES)

LOCAL:

Estádio Governador Magalhães Pinto, ‘Mineirão’, em Belo Horizonte (MG)

CARÁTER:

Primeira fase – 3ª Rodada do Campeonato Brasileiro de 1984

DATA:

Sábado, do dia 04 de Fevereiro de 1984

RENDA:

Cr$ 7.207.000,00

PÚBLICO:

7.059 pagantes

ÁRBITRO:

José Renato de Oliveira Fidalgo (SP)

CRUZEIRO:

Vitor; Carlos Alberto (Celso Roberto, 39 do 1º), Evandro, Aílton e Ademar; Douglas, Eduardo e (Edu, 20 do 2º) e Tostão; Carlinhos, Carlos Alberto Seixas e Joãozinho. Técnico: Hilton Chaves

RIO BRANCO:

Zé Carlos; Ademir, Nei, Vantuir e Daniel; Luís Vieira, João Carlos e Paulo Roberto; Vicente (Vítor Capucho, 28 do 2º) Arildo e Dé Aranha. Técnico:Luís Alberto

GOLS:

Ademar, de pênaltis, aos 11 minutos (Cruzeiro); Dé aos 35 e 36 minutos (Rio Branco), no 1º Tempo. Arildo aos 30 minutos (Rio Branco), no 2º Tempo.

FONTE: Revista Placar

 

A ‘ducha de água fria’ que foi a derrota para o Guarani ainda não tinha sido bem digerida pelo Bonsucesso. E, ironicamente, na penúltima rodada, do Grupo E, da Taça de Prata diante do Uberaba, fora casa, choveu demais, deixando o estado do gramado ruim.

Além do campo, o Bonsucesso não esteve bem. E para piorar o árbitro gaúcho marcou um pênalti duvidoso, convertido pelo adversário. Na segunda etapa, precisando atacar acabou oferecendo o contra-ataque. Resultado foi que o Uberaba aproveitou um e liquidou a fatura.

UBERABA S.C. (MG)

2

X

0

BONSUCESSO F.C.

LOCAL:

Estádio Municipal Engenheiro João Guido, ‘Uberabão‘, em Uberaba (MG)

CARÁTER:

4ª rodada do Grupo E – Taça de Prata de 1983

DATA:

Sábado, do dia 05 de Fevereiro de 1983

RENDA:

Cr$ 1.652.000,00

PÚBLICO:

3.304 pagantes

ÁRBITRO:

José Mocelim (CBF/RS)

UBERABA (MG):

Diron;Joel, Gilvã, Válter Lobão e Aldeir; Joãozinho, celso Sá e Toinzinho; Simões (Edvaldo), Nei (Edson Luís) e Eriel.Técnico:Milton Buzetto

BONSUCESSO F.C.:

Jurandir; Jaime, Osmar, Toninho e Denílson; Wilson, Edson e Carlos Alberto; Maurício,Jorginho e Vasconcellos. Técnico: Brito

GOLS:

Joãozinho, de pênalti, aos 11 minutos (Uberaba); no 1º Tempo. Eriel aos 30 minutos (Uberaba); no 2º Tempo.

FONTE: Revista Placar

 

O segundo compromisso, prometia ser ‘parada dura’ para o Bonsucesso Futebol Clube. Novamente como visitante, teria pela frente o tradicionalíssimo América Mineiro, em pleno Mineirão. No entanto, o Bonsuça se agigantou. Na noite da quarta-feira, do dia 26 de janeiro de 1983, o Leão de Leopoldina não tomou conhecimento vencendo por contundentes 3 a 1, assumindo a liderança da chave.

Demonstrando superioridade, o Bonsucesso abriu o placar por intermédio do meia Carlos Alberto (que depois se transferiria para o Criciúma/SC). Na segunda etapa, o Bonsuça seguiu dominando o Coelho e ampliou com o zagueiro Toninho, cobrando pênalti.

Em uma das poucas vezes em que o América chegou na área, o árbitro paranaense marcou um pênalti pra lá de duvidoso. O atacante Paulinho aproveitou para diminuir. No entanto, o Bonsuça mostrou que não viajou até Belo Horizonte à passeio e o atacante Maurício (o mesmo que se transformaria em ídolo do Botafogo) decretou números finais a peleja.

AMÉRICA MINEIRO (MG)

1

X

3

BONSUCESSO F.C.

LOCAL:

Estádio Governador Magalhães Pinto, Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

CARÁTER:

2ª rodada do Grupo E – Taça de Prata de 1983

DATA:

Quarta-feira, do dia 26 de Janeiro de 1983

RENDA:

Cr$ 1.461.500,00

PÚBLICO:

3.260 pagantes

ÁRBITRO:

Eraldo Palmerini (CBF/PR)

AMÉRICA (MG):

Wellington; Cacau, Luís Carlos Hippie, Dias e Vâner; Cláudio Barbosa (Paulo Rodrigues, 31 do 2º), Zezinho e Gaúcho (Juarez, intervalo); Luís Alberto, Paulinho e Adilson.Técnico: Jair Bala

BONSUCESSO F.C.:

Jurandir; Jaime, Osmar, Toninho e Almir; Wilson, Edson e Carlos Alberto; Peninha (Maurício, 19 1º), Jorginho (Neílson, 17 do 2º) e Vasconcellos. Técnico: Brito

GOLS:

Carlos Alberto aos 20 minutos (Bonsuça); no 1º Tempo. Toninho, de pênalti, aos 25 minutos (Bonsuça); Paulinho, de pênalti, aos 33 minutos (América); Maurício aos 43 minutos (Bonsuça); no 2º Tempo.

FONTE: Revista Placar

 

Democrata Futebol Clube é uma agremiação da Cidade de Sete Lagoas (MG). Fundado no dia 14 de junho de 1914, por um grupo de amigos. Seu primeiro uniforme, já com listras verticais em vermelho e branco, chegaria de trem, no dia 25 do mesmo mês, encomendado no Rio de Janeiro.

Modestino C. de Andrade, Alfredo Rodrigues dos Santos, José Cândido de Andrade, João Domingos de Carvalho, João Avellar Penna, José Moreira de Abreu, Francisco Wanderley Azeredo, Bernardo de Figueiredo, Aglophile Patry, Francisco José L’abbate, Raymundo Andrade, Claudionor Campolina, Exaltino Gonçalves, Odorico Mourão, Raymundo Simões, Laerth Ramos, Atilla Pimentel Costa, José Ferreira Coelho, José Silvino Coelho de Avellar, Odilon Andrade Costa, Antonio Maia Junior e João Netto foram os fundadores daquele que viria a ser “batizado” de Jacaré, mascote idealizado pelo famoso caricaturista mineiro Fernando Pieruccetti, o Mangabeira, na década de 1950, em alusão às lagoas de Sete Lagoas.

A primeira partida oficial aconteceria em 06 de setembro de 1914, contra o Ordem e Progresso, da cidade vizinha de Matozinhos, com triunfo dos democratenses por 4 a 1. Jogaram aquela partida pelo Democrata: Álvaro Rosa, João Netto e Laerth Ramos, Aglophile Patry, Augusto Ottoni e Francisco Andrade, Alfredo dos Santos, Raymundo Simões, Joel Andrade, Honório Ottoni e Ildefonso Moreno.

Até 1953, o Democrata disputou apenas competições amadoras em Sete Lagoas e região, tendo se consagrado campeão por diversas vezes. Naquele ano, o Clube foi lançado ao profissionalismo e disputou, sem muito sucesso, o Campeonato Cidade de Belo Horizonte, que viria a ser o Campeonato Mineiro.

Entre 1954 e 1963, contudo, o Jacaré passou para a “prateleira de cima” do futebol mineiro, sagrando-se vice-campeão mineiro em três ocasiões – 1955, 1957 e 1963 e sempre figurando entre os primeiros colocados nos demais anos.

Naqueles áureos anos, período em que foi administrado por figuras ímpares de Sete Lagoas, o Jacaré construiu sua mais imponente sede, denominada Edifício Márcio Paulino, às margens da Lagoa Paulino, inaugurada em 1962 e leiloada para quitação de dívidas em 2008.

Desde então, o representante maior do esporte setelagoano passou por altos e baixos constantes dentro e fora das quatro linhas, tendo, inclusive, se afastado do futebol profissional. Mergulhado em dívidas provocadas por seguidas más administrações, o Clube viu parte de seu patrimônio ser dilacerado e colecionou péssimas campanhas do Campeonato Estadual, freqüentando as divisões inferiores por várias vezes.

Em 2003, o Democrata voltou ao futebol profissional e foi vice-campeão da 2ª divisão (3ª na prática). Em 2004, o Clube chegou à elite do futebol mineiro tendo sido vice-campeão novamente, desta vez do módulo II (2ª divisão na prática). Em 2005, o Jacaré quase foi novamente rebaixado, amargando a ante-penúltima posição.

Já em 2006, o Democrata inaugurou, ainda que em condições apenas razoáveis, o Estádio Joaquim Henrique Nogueira – Arena do Jacaré – que substituiria o lendário, mas já ultrapassado, José Duarte de Paiva, onde o clube mandava seus jogos.

Naquele ano, o Jacaré faria uma boa campanha terminando no meio da tabela (6ª posição entre 12 equipes). Em 2007, encerrou sua participação no estadual na 8ª posição, o que seria o prenúncio do trágico rebaixamento à 2ª divisão em 2008, seguido da catastrófica volta à 3ª divisão em 2009.

Entre 2010 e 2012, o Democrata disputou a 3ª divisão por 3 vezes, tendo conseguido o almejado acesso à 2ª divisão em 2012, depois de campanha que propiciou o vice-campeonato ao Clube.

Atualmente, o Jacaré disputa a 2ª divisão com o objetivo de ascender à 1ª e disputá-la em 2014, ano de seu centenário de fundação.

Mesmo diante de tantos fracassos, a torcida do Democrata continuou crescendo, o que provocou o aparecimento de torcidas organizadas (e ordeiras!), com destaque para a Raça Alvi-Rubra e a Demogolo, e da Associação Amigos do Democrata, entidade nascida com o objetivo de apoiar o Clube também administrativamente.

Quis o destino que o Brasil fosse escolhido como sede da Copa do Mundo de Futebol de 2014, sendo Belo Horizonte, nossa capital e vizinha, uma das cidades que abrigará uma chave do Mundial.

Diante disso, e da necessidade de reforma completa do Estádio Governador Magalhães Pinto – Mineirão –, a Arena do Jacaré foi escolhida como um dos seus substitutos até 2012. Para tanto, Arena foi completamente remodelada, passando a figurar entre os melhores estádios do País, o que poderá significar a redenção do Democrata Futebol Clube.

 

FONTE & FOTO: Site do Clube

 

Taça dos Campeões de 1982

1º Turno

1ª Rodada – Sábado, dia 24/04/82

Cruzeiro/MG 1 x 1 América/RJ

Santa Cruz/PE 1 x 2 Portuguesa/SP

Botafogo/RJ 1 x 0 Santos/SP

Inter/RS 1 x 0 Fortaleza/CE

Palmeiras/SP 1 x 0 Fluminense/RJ

1ª Rodada – Domingo, dia 25/04/82

São Paulo/SP 0 x 0 Vasco da Gama/RJ

Santa Cruz/PE 2 x 2Palmeiras/SP

2ª Rodada – Terça-feira, dia 27/04/82

Fluminense/RJ 2 x 0 Santa Cruz/PE

2ª Rodada – Quarta-feira, dia 28/04/82

Bahia/BA 1 x 0 Náutico/PE

Grêmio/RS 0 x 2 Atlético/MG

Vasco/RJ 0 x 0 Botafogo/RJ

Portuguesa/SP 1 x 1 Corinthians/SP

São Paulo/SP 1 x 0 Guarani/SP

3ª Rodada – Sábado, dia 1º/05/82

Bahia/BA 0 x 1 Fortaleza/CE

Portuguesa/SP 2 x 2 Palmeiras/SP

Corinthians/SP 2 x 0 Santa Cruz/PE

3ª Rodada – Domingo, dia 02/05/82

América/RJ 1 x 1 Grêmio/RS

Vasco/RJ 1 x 0 Guarani/SP

Cruzeiro/MG 2 x 2 Atlético/MG

Santos/SP 0 x 1 São Paulo/SP

4ª Rodada – 03 e 04/05/82

Fluminense/RJ 0 x 1 Corinthians/SP

Botafogo/RJ 0 x 1 São Paulo/SP

Guarani/SP 2x 1 Santos/SP

Atlético/MG 0 x 1 América/RJ

Fortaleza/CE 1 x 1 Náutico/PE

Inter/RS 2 x 0 Bahia/BA

4ª Rodada – 07 e 08/05/82

Portuguesa/SP 3 x 1 Fluminense/RJ

Palmeiras/SP 1 x 1 Corinthians/SP

Guarani/SP 4 x 2 Botafogo/RJ

Santos/SP 2 x 1 Vasco/RJ

Náutico/PE 1 x 1 Inter/RS

Grêmio/RS 1 x 1 Cruzeiro/MG

2º Turno

1ª Rodada – Sábado, dia 15/05/82

Guarani/SP 2 x 1 São Paulo/SP

Botafogo/RJ 3 x 3 Vasco da Gama/RJ

Fortaleza/CE 3 x 1 Inter/RS

1ª Rodada – Domingo, dia 16/05/82

Corinthians/SP 1 x 1 Portuguesa/SP

Santa Cruz/PE 0 x 1 Fluminense/RJ

Atlético/MG 2 x 1 Grêmio/RS

América/RJ 1 x 0 Cruzeiro/MG

2ª Rodada – Terça-feira, dia 18/05/82

Vasco/RJ 0 x 0 São Paulo/SP

Náutico/PE 0 x 1 Bahia/BA

Fluminense/RJ 1 x 0 Palmeiras/SP

Portuguesa/SP 3 x 1 Santa Cruz/PE

Santos/SP 3 x 1 Botafogo/RJ

3ª Rodada – Sábado, dia 22/05/82

Grêmio/RS0 x 0 América/RJ

Santos/SP 2 x 0 Guarani/SP

3ª Rodada – Domingo, dia 23/05/82

Corinthians/SP0 x 1Palmeiras/SP

Fluminense/RJ 1 x 1 Portuguesa/SP

Inter/RS 0 x 2 Náutico/PE

Atlético/MG 0 x 0 Cruzeiro/MG

São Paulo/SP 1 x 0 Botafogo/RJ

4ª Rodada – Terça-feira, dia 25/05/82

São Paulo/SP 1 x 0 Santos/SP

Guarani/SP 5 x 3 Vasco da Gama/RJ

Fortaleza/CE 2 x 2 Bahia/BA

4ª Rodada – Quarta-feira, dia 26/05/82

Palmeiras/SP 0 x 0 Portuguesa/SP

Santa Cruz/PE 2 x 2 Corinthians/SP

4ª Rodada – Sábado, dia 29/05/82

América/RJ 1 x 1 Atlético/MG

4ª Rodada – Domingo, dia 30/05/82

Cruzeiro/MG 1 x 2 Grêmio/RS

Palmeiras/SP 1 x 0 Santa Cruz/PE

Corinthians/SP 1 x 2 Fluminense/RJ

Vasco/RJ 3 x 1 Santos/SP

Náutico/PE 1 x 1 Fortaleza/CE

Botafogo/RJ 1 x 1 Guarani/SP

4ª Rodada – Segunda-feira, dia 31/05/82

Bahia/BA 1 x 0 Inter/RS

Quartas-de-final – Quarta-feira, dia 02/06/1982

Bahia/BA 3 x 2 Inter/RS

América/RJ 1 x 0 Atlético/MG

Portuguesa/SP 3 x 1 Fluminense/RJ

Quartas-de-final – Quinta-feira, dia 03/06/1982

São Paulo/SP 0 x 1 Guarani/SP

Semifinais – Domingo, dia 06/06/1982

Portuguesa/SP 1 (1) x 1 (1) América/RJ

Nos pênaltis: América 4 a 3

Semifinais – Terça-feira, dia 08/06/1982

Bahia/BA 0 x 0 Guarani/SP

Na prorrogação: Guarani 1 a 0

Final (Jogo de Ida) – Quinta-feira, dia 10/06/1982

Guarani/SP 1 x 1 América/RJ

 Final (Jogo da Volta) – Sexta-feira, dia 12/06/1982

América/RJ 2 x 1 Guarani/SP

América Football Club Campeão do Torneio dos Campeões de 1982

Primeira fase

Grupo A
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Portuguesa 6 4 2 2 0 8 5 3 1 Fluminense 7 4 3 1 0 5 2 3
2 Corinthians 6 4 2 2 0 5 2 3 2 Portuguesa 5 4 1 3 0 5 3 2
3 Palmeiras 5 4 1 3 0 6 5 1 3 Palmeiras 5 4 2 1 1 2 1 1
4 Fluminense 2 4 1 0 3 3 5 -2 4 Corinthians 2 4 0 2 2 4 6 -2
5 Santa Cruz 1 4 0 1 3 3 8 -5 5 Santa Cruz 1 4 0 1 3 3 7 -4
Grupo B
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 7 4 3 1 0 3 0 3 1 Guarani 5 4 2 1 1 8 7 1
2 Guarani 4 4 2 0 2 6 5 1 2 São Paulo 5 4 2 1 1 3 2 1
3 Vasco da Gama 4 4 1 2 1 2 2 0 3 Santos 4 4 2 0 2 6 5 1
4 Botafogo 3 4 1 1 2 3 5 -2 4 Vasco da Gama 4 4 1 2 1 9 9 0
5 Santos 2 4 1 0 3 3 5 -2 5 Botafogo 2 4 0 2 2 5 8 -3
Grupo C
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 America-RJ 4 3 1 2 0 3 2 1 1 Atlético-MG 4 3 1 2 0 3 2 1
2 Atlético-MG 3 3 1 1 1 4 3 1 2 America-RJ 4 3 1 2 0 2 1 1
3 Cruzeiro 3 3 0 3 0 4 4 0 3 Grêmio 3 3 1 1 1 3 3 0
4 Grêmio 2 3 0 2 1 2 4 -2 4 Cruzeiro 1 3 0 1 2 1 3 -2
Grupo D
Primeiro turno Segundo turno
Pos. Time PG J V E D GP GC SG Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Internacional-RS 5 3 2 1 0 4 1 3 1 Bahia 5 3 2 1 0 4 2 2
2 Fortaleza 3 3 1 1 1 2 2 0 2 Fortaleza 4 3 1 2 0 6 4 2
3 Bahia 2 3 1 0 2 2 3 -1 3 Náutico 3 3 1 1 1 3 2 1
4 Náutico 2 3 0 2 1 2 3 -1 4 Internacional-RS 0 3 0 0 3 1 6 -5

 

AMÉRICA/RJ 2 X 1 GUARANI/SP

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã (RJ)

CARÁTER: Final do Torneio dos Campeões

DATA: Sexta-feira, do dia 12 de Junho de 1982

ÁRBITRO: Carlos Sergio Rosa Martins (RS)

RENDA: Cr$ 5.099.600,00

PÚBLICO: 11.329 pagantes

CARTÕES AMARELOS: Sóter, João Luis, Ernani Banana e Odair (Guarani); Chiquinho, e Gilson Gênio (América)

CARTÃO VERMELHO: Darci (Guarani)

AMÉRICA: Gasperin, Chiquinho, Duílio, Everaldo e Zé Dilson (Sergio Pinto); Pires, Gilberto e Elói (João Luis); Serginho, Moreno e Gilson Gênio. Técnico: Dudu

GUARANI: Sidmar, Sóter, Darci, Odair e Almeida; Ederson, Júlio Cesar (Henrique) e Jorge Mendonça; João Luis (Delem), Marcelo e Ernani Banana. Técnico: Zé Duarte

GOLS: Moreno aos 12 minutos (América); no 1º tempo. Delem aos 17 minutos (Guarani), no 2° Tempo.

PRORROGAÇÃO: Gilson Gênio aos nove minutos (América), no 2° Tempo.


Melhores momentos (Youtube): https://www.youtube.com/watch?v=QmjeitR2CyQ

FONTES: YouTube – Wikipédia – Jornal do Brasil – Revista Placar

 

AMÉRICA MINEIRO (MG) 0 X 1AMERICANO (RJ)

LOCAL: Estádio Governador Magalhães Pinto, Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

CARÁTER: Primeira Fase – 2ª Rodada – Taça de Prata de 1982

DATA: Quarta-feira, do dia 27 de Janeiro de 1982

ÁRBITRO: Orion Satter de Melo (FGF/RS)

RENDA: Cr$ 756.560,00

PÚBLICO:2.943 pagantes

AMÉRICA-MG: Neneca; Cacau, João Batista, Eraldo e Vâner; Lúcio, Gaúcho (Aquiles) e Mateus;Ludo, Ramón (Manguinha) e Paulinho. Técnico: Luciano Vieira

AMERICANO: João Luís; Totonho, Orlando Fumaça, Oliveira e César; Índio, Manguinho e Zé Roberto; Jorge Luís, Jorge Lima e Sérgio Pedro (Sousa). Técnico: Aílton Tavares

GOL:Sousa aos 20 minutos (Americano); no 2º tempo.

FONTE: Revista Placar

 

BANGU A.C. (RJ) 3 X 0 CRUZEIRO E.C. (MG)

LOCAL: Estádio Proletário Guilherme da Silveira Filho, Moça Bonita, no Bairro de Bangu – Zona Rural (atual Zona Oeste) do Rio (RJ)

CARÁTER: Primeira Fase – 1ª Rodada – Campeonato Brasileiro

DATA: Sábado, do dia 16 de Janeiro de 1982

ÁRBITRO: Oscar Scolfaro (FPF/SP)

RENDA: Cr$ 1.981.500,00

PÚBLICO: 6.605 pagantes

BANGU: Júlio Galvão; Toninho, Moisés, Tecão e Marco Antônio; Mococa, Lira (Luisão) e Rubens Feijão; Pedrinho, Vagner e Marcelinho. Técnico: João Francisco

CRUZEIRO: Luís Antonio; Carioca, Abel, Teixeira e Adam Machado; Toninho, Eudes e Eduardo; Carlinhos, Edmar e Jesum. Técnico: Didi

GOLS: Rubens Feijão a um minuto (Bangu); Lira aos oito minutos (Bangu); Vagner aos 25 minutos (Bangu), no 2º tempo.

XXX

FONTE: Revista Placar

 

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

FONTE: Revista Placar

 

O Santo Antônio Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Teófilo Otoni (MG). A sua Sede fica na Rua Minervino de Castro Pinto, nº 49 / Sala, no Centro de Teófilo Otoni. O Santusca foi Fundado no dia 19 de Julho de 1959, e mandava os seus jogos no Estádio Nassari Mattar. Na esfera profissional, o Santo Antônio E.C.  disputou o Campeonato Mineiro da 2ª Divisão em sete oportunidades: 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990 e 1994.

 

CLUBE DESEJA RETORNAR A SEGUNDONA MINEIRA-2017

Segundo a reportagem do Jornal Diário de Teófilo Otoni o Santo Antônio Esporte Clube luta para voltar à ativa. O sonho do time é disputar,  já no ano que vem, a 2ª Divisão do Campeonato Mineiro.

O Santo Antônio Esporte Clube está para reabrir as portas na cidade. Um grupo de apaixonados pelo futebol bretão estão em avançado processo para o retorno do clube, com estatuto, diretoria e sede provisória. Esta funciona numa sala no segundo piso do Mercado Municipal, cedida pelo supervisor do mercado, o ex-jogador ‘santusca’ (nome dado à torcida aos atletas do Santo Antônio), Arthur Guedes, que nos tempos áureos atuava como quarto zagueiro do time.

Aliás, esta sala é a mesma onde o clube manteve sua sede por décadas a fio. A reportagem conseguiu, com exclusividade e em primeira mão, imagens do livro de ata de fundação do Santo Antônio, datado de 19/07/1959.

A entrevista aconteceu com o atual treinador da equipe, Otávio Filho, 59 anos de idade. “Pelos registros o Santo Antônio foi desativado no final da década de 1990, quando deixou de participar de importantes campeonatos locais”, contou o novo professor.

À época, o time fechou as portas devido à falta de incentivo e outros caminhos tomados (na vida) pelos seus então integrantes. Entre as páginas históricas do Santusca, está a disputa da Primeira Divisão do Campeonato Mineiro, na década de 1980, e vários clássicos aguerridos contra o Concórdia, e, principalmente contra o América, principal adversário destes. “Até que o Santusca e o Concórdia se davam bem, mas quando entrávamos em campo contra o América até faísca saia”, conta bem humorado o técnico Otávio.

Segundo ele, o time ainda consta nos cadastros da Federação Mineira de Futebol. E, a maior ambição atual é participar da 2ª Divisão do Campeonato Mineiro, que dá acesso ao Módulo II do torneio (ao qual, neste ano de 2016, o América foi vice-campeão, obtendo o acesso à elite do estadual).

Dificuldades iniciais

Ainda sem campo fixo, a atual diretoria, composta por Renilton Ferraz como presidente, Carlos Alberto Lares (o Carlão da Rádio), como vice-presidente, busca parcerias com prefeituras locais para conseguir um campo de treinamento.

Conversei com o prefeito e o secretário municipal de Esportes de Poté, para que eles possam viabilizar o Estádio Municipal para mandarmos nossos jogos e realizarmos os treinos. Ficaram de nos ajudar. Também entrei em contato com os responsáveis pelo Estádio Municipal de Itambacuri, que nos garantiram a liberação do campo para nossas necessidades. Já em T. Otoni, estamos conversando com a direção do Concórdia, que garantiram a liberação do campo para jogarmos quando não tiver atividades do Concórdia”, explicou Otávio Filho. Para ele, o ideal é que o time tenha seu próprio estádio, para melhor possibilitar a construção de uma identidade própria, e facilitar a vida dos atletas nos treinamentos, jogos e disputa de torneios. “Claro que uma casa faz falta, mas acredito que vamos consegui-la com o tempo”, refletiu otimista o técnico Otávio.

Otávio Filho atua no futebol desde 1977, quando jogou no Santa Cruz de Pernambuco. Ele tem outras passagens por grandes equipes do futebol nordestino, como o CSA (1979) e o CRB (1981), e o Sergipe (1983), ambos de Aracajú, a capital sergipana. Parou de jogar em 1986, quando foi para São Paulo. Na capital paulista se formou técnico profissional de futebol pela Federação Paulista de Futebol (FPF), no ano de 2004. Entre os seus professores na escola futebolística estão nomes de peso do esporte nacional, Tite, René Simões, Mário Travaglini, Paulo Calçada (comentarista da ESPN Brasil) dentre outros.

Como treinador comandou o Nova Iguaçú (2006), o Mesquita (2010) e as categorias de base (sub-17 e sub-15) do América do Rio, tradicional clube do futebol brasileiro. Sua última experiência como técnico foi no São Bento, de São Paulo, em 2014. Em 2015 retornou para Teófilo Otoni para cuidar de questões particulares da esposa, teófilo-otonense de nascimento.

Nascido em Maceió, onde aos 3 meses partiu para Nova Iguaçú, sendo carioca de coração, Otávio quer levar o Santo Antônio ao topo do futebol mineiro.

Temos alguns jogadores em processo de fechamento de contrato. São atletas de Teófilo Otoni, muitos dos quais não foram aproveitados pelo América, tanto na base quanto no profissional, além de outros que estamos em processo de negociação. O início será mais pé no chão, com o tempo, mostrando serviço e resultados, esperamos maior participação da sociedade local nesse projeto, que não é nosso, é de todos nós”, finalizou Otávio Filho.

 

 PS: Nesta reportagem, menciona que o Santusca disputou o Campeonato Mineiro da 1ª Divisão na década de 80. Nos registros, consta somente cinco participações na Segunda Divisão Mineira nos anos 80: 1985, 1986, 1987, 1988 e1989.

 

 FONTES: Rsssf Brasil – Manula  - Jornal Diário de Teófilo Otoni 

 

 

  • 2016 | O time da família

    No ano em que o Clube adotou o mote de ‘Time da Família’, o América tem em seu calendário o Campeonato Mineiro, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro da Série “A”. A equipe disputou também a 1a edição da Primeira Liga Sul-Minas-Rio.

    O América apresentou no dia 10/3 a sua nova coleção de uniformes para a temporada 2016, na Sede Administrativa ‘Afonso Celso Raso’, no Boulevard Shopping. O estilista mineiro Ronaldo Fraga é o responsável pelo desenvolvimento de toda coleção.

    O dia 10/3 marcou também a inauguração da primeira loja oficial do América, que funciona no Boulevard Shopping. Este projeto é assinado pela arquiteta Ligia Jardim e assim o Conselho de Administração do América espera realizar um grande sonho da torcida americana, que é ter um lugar, um espaço onde se consegue adquirir produtos licenciados pelo Clube, se tornando ai em mais um ponto de encontro da ‘Família América’.

  • 2015 | Na elite de novo

    Sem destaques no ano de 2013 e a conquista da Taça BH de Futebol Júnior em 2014, a torcida americana voltou a sorrir mesmo no final de 2015, com a quarta colocação na Série ‘B’, posição que garantiu novamente o retorno do Coelho à Elite do futebol nacional. Lembrando que o acesso só não veio antes, em 2014, devido a erros administrativos e má vontade da CBF, eu dificultou ao máximo as ações do Clube.

  • 2012 | América centenário

    O tão esperado dia de comemorar o centenário chegou. O dia 30 de abril de 2012 foi marcante na história do América. Uma linda e marcante festa aconteceu no Palácio das Artes, em BH. Naquele momento, a Federação Mineira de Futebol (FMF) legitimou (homologando) definitivamente o decacampeonato do Coelho. O ano também foi marcado pela reestreia do Estádio Independência, agora propriedade do América e totalmente reformulado. Na festa de abertura desta moderna Arena, o Coelhão venceu o Argentino Juniors, por 2 a 1, em 25 de abril, em amistoso internacional. Ainda nesta temporada o Coelho voltou a disputar uma final do Mineiro e ficou com o vice-campeonato.

  • 2010 | Visitando da elite

    O América termina a Série ‘B’ em quarto lugar e garante vaga na Elite do Futebol Brasileiro. Mas a alegria termina no ano seguinte, com o retorno para a Série B. O ano de 2011 foi salvo com o título de campeão brasileiro Sub-20 pelos jovens americanos.

  • 2009 | Volta por cima

    Depois do inesperado rebaixamento para o Módulo II do Campeonato Mineiro em 2007, o time conquista o Módulo II e retorna à Elite do Futebol Mineiro no ano seguinte. Em 2009 o América conquista o Brasileiro da Série ‘C’ depois de vencer o ASA/AL na final e volta para a Série B.

  • 2001 | Festa no Estadual

    Em dois jogos emocionantes contra o arquirrival Atlético, o América saiu campeão mineiro, com uma equipe essencialmente formada por atletas vindos da Base do Clube. Quatro anos depois o Coelho se sagrou campeão da Taça Minas Gerais.

  • 2000 | Centenário chegando

    A expectativa pelo centenário do Clube era grande. A década começou com a conquista a Copa Sul-Minas na final (2 a 1) contra o Cruzeiro. A competição reuniu os principais clubes de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O título da Taça BH Júnior também foi muito comemorado.

  • 1992 | Anos 90 positivo

    A década de 90 foi promissora para o América. Em 92 o time chegou ao vice-campeonato mineiro, com o título regional no ano seguinte (1993). Em 96 o time júnior americano comemorou o título de campeão da Copa São Paulo, revelando grandes valores (Palhinha e Ronaldo Luís, por exemplo). Em 1997 veio o título de campeão do Brasileiro da Série B, colocação que levou o Coelho à Série A. Em 99 o time chegou ao vice-campeonato mineiro. A nota ruim desta década ficou mesmo pela punição da CBF, proibindo o América de disputar competições por ela organizada, já que o Clube havia entrado na Justiça Comum requerendo vaga na Elite de 94 após ficar à frente de clubes que não ‘caíram’ para Série B, protegidos pela CBF. Punido, o Coelho fez excursão pela Ásia em 94.

  • 1988 | CT e Independência

    Se dentro de campo a década de 80 não foi promissora fora dela coisas importantes aconteceram. Em janeiro de 1988 teve início das obras do CT Lanna Drumond e, em maio do mesmo ano, América e 7 de Setembro assinaram termo de parceria com o América passando a administrar o Estádio Independência, que mais tarde viraria propriedade do América. Nesta década foram conquistados seis terceiros lugares e dois quarto lugares. O Clube voltou a jogar na Europa (Portugal e Espanha) e voltou ao esporte especializado como o handebol, basquete, vôlei, futebol de salão, atletismo e bocha.

  • 1973 | Boa campanha no Nacional

    Depois de ficar em 4º lugar na primeira fase em sétimo no geral, o América fez sua melhor participação em um Brasileiro. O técnico Orlando Fantoni começou a campanha e Barbatana terminou. O Coelho tinha Neneca, Pedro Omar, Juca Show e Spencer, além de Cândido que fez 18 gols naquela oportunidade.

  • 1971 | Campeão Mineiro invicto

    A década de 70 começou muito bem para o Coelho, que logo de cara conquistou o título de campeão mineiro em 1971, de forma invicta. A conquista levou o time à disputa do primeiro campeonato nacional.

  • 1965 | Surge o Mineirão

    No primeiro ano do Estádio Magalhães Pinto, o Mineirão, o América ficou com o vice-campeonato mineiro. O time tinha Capellani, Zé Ernesto, Caju, Haroldo, Jorge, Luizinho, Caillaux, Zé Horta, Helinho, Paulo, Murilo, Eduardo, Ademar, Fifi, Ney, Rodrigo, Eber, Airton, Dirceu, Chiquinho, Geraldo, Robson, Oldack, Júlio, Jair Bala, Mosquito, Nilo, Dirceu Pantera, Sérgio, Airton, Samuel, Sabino e Canhoto. Técnicos foram Major Mário Pereira e Yustrich.

  • 1957 | Tríplice Coroa

    Depois de aplicar a grande goleada (7 a 2) em seu maior rival o Atlético, em 1952, o América voltou a fazer história, desta feita conquistando a Tríplice Coroa com os títulos no juvenil, aspirante e profissional, categorias que faziam grandes duelos na época.

  • 1956 | Primeira excursão

    Segundo time mineiro a excursionar pela Europa e o primeiro clube brasileiro a ficar mais tempo no Velho Mundo. Foram cem dias, de 23/9 a 31/12, de viagens e jogos. O América se reforçou para este evento e entre os atletas emprestados estavam os uruguaios, do Nacional, o Mendez e o Gambetta, destacando que este último fora campeão mundial com a seleção de seu país m 1950. Portanto, o América se tornou o primeiro clube do Brasil a ter um ‘campeão mundial’ no seu quadro de jogadores.

  • 1948 | América recupera força e prestígio

    O Clube reformou o Estádio da Alameda, que passou a ter capacidade para 15 mil pessoas e instalações invejáveis. Na reinauguração aconteceu o torneio reunindo o América, Atlético, São Paulo e Vasco da Gama, potências daquela época. O Coelho foi o campeão. Em seguida veio a conquista do Campeonato Mineiro em cima do Atlético, impedindo o tricampeonato do adversário, num jogo épico, cheio de detalhes, apitado pelo árbitro inglês Mr. John Barrick .

  • 1945 | Nasce o Coelho (mascote)

    Criado pelo cartunista Fernando Pierucetti, o Mangabeira, o Coelho vira o Mascote do Clube. Hoje a torcida americana se orgulha de dizer que torce pelo Coelhão.

  • 1933 | Protesto contra o profissionalismo

    Inconformado com a implantação do profissionalismo, pois os americanos acreditavam que o futebol, assim como os demais esportes, deveria ser amador, o Clube passou a disputar suas partidas com a camisa vermelha, em sinal de protesto.

  • 1928 | Inauguração do Estádio do Alamêda

    Com foco também no patrimônio, o América trocou com a Prefeitura Municipal de BH o terreno onde hoje é o Mercado Central por área no bairro de Santa Efigênia, onde funciona o Supermercado Extra. Assim, no dia 9 de setembro o América inaugura seu novo campo, o Estádio Otacílio Negrão de Lima, o ‘Alamêda’.

  • 1916 | Início do Decampeonato

    A sequência de vitórias ininterruptas (1916 a 1925) no Campeonato Mineiro, com o América se tornando o primeiro time decampeão do mundo, abriu a história de conquistas do Clube. O primeiro título desta série foi em 29 de abril de 1916 e o fechamento deste glorioso feito, que valeu registro no ‘Guiness Book’, além de empolgar a todos os mineiros, foi em 1925.

  • 1912 | Fundação do América

    Tudo começou no dia 30 de abril, quando garotos de 11 a 13 anos realizaram um sorteio para a escolha do nome de um novo clube na capital mineira. A garota Alda Meira, irmã de Adhemar de Meira, um dos fundadores, sorteou o nome e, naquele momento, nascia o América Foot-Ball Club, um dos clubes mais vencedores, tradicionais e revelador de craques do futebol nacional. Esta primeira grafia foi alterada mais tarde para América Futebol Clube, que prevalece até os dias de hoje.

    De sonho a realidade, o projeto inicial contou com as participações dos jovens Affonso Silviano Brandão, Aureliano Lopes de Magalhães, Aldemar de Meira, Oscar Gonçalves e Henrique Dinis Gomes.

    Em seguida, se juntaram ao grupo, Alcides de Meira, Álvaro Moreira da Cruz, Augusto Penna, Caetano Germano, Carlos Antônio Nunes, Cezar Gonçalves, Fioravante Gonçalves Labruna, Francisco Bueno Brandão Filho, Gerson de Salles Coelho, Guilherme Halfed, Henrique Diniz Gomes, José Miranda Megale, Leon Roussoullieres Filho, Lincoln Brandão, Waldemar Jacob, Dario Ferraz, Fausto Ferraz, Geraldino de Abreu, Otacílio Negrão de Lima, Henrique Moura Costa, Antônio Duarte, Cleantho Nunan e Luiz Guimarães, todos fundadores do América Futebol Clube.

    As cores verde e branca também foram escolhidas por sorteio e, em 1913, ano seguinte à fundação, foi agregada a cor preta, que predominava nos calções dos atletas. Hoje, as três participam nas variações dos uniformes do tricolor América Mineiro (nome fantasia).

    primeira Diretoria foi formada por Affonso Silviano Brandão (presidente), Aureliano Lopes Magalhães (vice-presidente), Aldemar de Meira (secretário) e Oscar Gonçalves (secretário e zelador).


FONTES: Site do Clube – Mercado Livre – Revista Placar
 

Morro Velho Football Club (Nova Lima-MG) - 1913

Este time era composto de ingleses que trabalhavam nas minas de Nova Lima e realizava os primeiros grandes confrontos da década de 10 contra Atlético, América e Villa Nova. Foi o time mais forte de Minas até 1914.
 

FONTES: Mercado Livre – Revista Placar

 

FONTE: Mercado Livre

 

Ideal Sport Club é uma agremiação da Cidade de Sete Lagoas (MG). O Galo da Gamela foi Fundado no dia 07 de Setembro de 1948, possui a sua Sede e o Estádio Emílio Vasconcelos Costa (com capacidade para 2500 pessoas, possui iluminação, um bar interno, um campo de futebol society com gramado sintético, uma quadra de futsal), na Rua João Libório Júnior, 747, no Bairro São Geraldo, em Sete Lagoas.

Atualmente considerado um clube Semi-profissional. Durante décadas, um dos maiores clássicos da cidade:Ideal x Bela Vista. Hoje o clássico que atrai o interesse da região é: Ideal X Cap-Pompéu, que tem decidido todos os campeonatos promovidos pela Liga de Sete Lagoas e região do Alto São Francisco.

Ideal foi tricampeão regional de Sete Lagoas nos anos de 1979, 1980 e 1981. Várias vezes campeão municipal e da Copa Sete Lagoas. Campeão metropolitano vencendo o Sabará no Mineirão por 5 a 0. Tricampeão mineiro amador Classista (2000, 2001 e 2002).

Campeão da Copa Cultura, da Copa Eldorado, Regional da Liga de PompéuRegional do Alto São Francisco, várias vezes do Regional de Sete Lagoas. Conquistou e disputou um amistoso para entrega de faixas, vencido pelo América Mineiro.

TERCEIRONA

Em 2005, disputou o Campeonato Mineiro da Terceira Divisão. Após excelente campanha na primeira fase, sucumbiu na segunda, ficando em 4º lugar dentre cinco equipes, mas a apenas dois pontos do segundo colocado, que passou ao hexagonal final.

Em 2006, fez boa campanha na primeira fase, ficando atrás apenas do Tombense, que viria a ser campeão do torneio. Repetiu a boa campanha na segunda fase, passando às semi-finais, onde voltou a enfrentar aTombense, para quem perdeu as duas partidas.

Apesar de ter ficado em 4º lugar, o licenciamento do Mamoré e a dissolvição do departamento de futebol daUnitri fizeram com que o Ideal, junto com o Alfenense, 3º colocado, fossem convidados a jogar o Módulo II do Campeonato Mineiro em 2007. Ambos, entretanto, desistiram de participar da competição.

 

FONTES: Wikipédia – Rsssf Brasil – Mercado Livre

 

FONTE: Mercado Livre 

 

América Futebol Clube (Belo Horizonte-MG) - 1928

 

Alves Nogueira Football Club (Sabará-MG) - 1928

 

Ipanema Football Club (Belo Horizonte-MG) - Campeão da 2ª Divisão Mineira - 1914

 

 

FONTE: O Malho

 

 

FONTE:  O Malho 

 

 

FONTE: O Malho 

 

 

FONTE: O Malho

 

 

FONTE: O Malho

 

 

FONTE: O Malho

 

 

FONTE: O Malho

 

 

FONTE: O Malho

 

 

FONTE: O Malho

 

FONTE: O Malho

 

FONTE: O Malho

 

FONTE: O Malho

 

O Club Ferro Brasileiro foi uma agremiação do Município de Caeté, que fica a 35 km da capital de Minas Gerais. Em 1933, já com o nome de Companhia Ferro Brasileiro, a empresa foi classificada entre as cinco maiores indústrias da América do Sul na área de Fundição.

A Companhia Ferro Brasileiro construiu no entorno de seus altos-fornos, localizados nas margens da linha férrea e próximo ao entroncamento dos córregos Soberbo e Caeté, toda uma infraestrutura para seus funcionários (muitos vindos de fora do estado), tal como, residências, comércios, clubes, cinemas, escolas, entre outros.

Transformando o antigo Mundéus no moderno bairro José Brandão, com uma população maior que da parte antiga da Cidade. Dentre tantas obras, surgiu o ‘Cadetes de Ferro’,Fundado no dia 29 de Agosto de 1935, por funcionários da Cia. Ferro Brasileiro S/A.

A sua Sede e o Estádio Gaston Maigné ficavam no Bairro José Brandão, no Ramal de Santa Barbara, da Estrada de Ferro Central do Brasil. O local contava com o campo, piscina, as quadras de Basquete (com iluminação), Vôlei e um playground para as crianças.

O Município de Caeté (que vem do tupi: ‘Mato verdadeiro’), está situado na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Conta com uma população de 40.786 habitantes (Censo do IBGE de 2010).

No futebol, o ‘Cadetes de Ferro’ começou a ganhar destaque na década de 40. O clube chamou a atenção da mídia em 1943, quando obteve cinco vitórias seguidas em cima do Esperança, de Itabirito; Flamengo, de Nova Lima; Atlético Mineiro, Siderúrgica, de Sabará e o América Mineiro (líder do Campeonato Mineiro naquele momento).

Apesar das boas exibições o Club Ferro Brasileiro só participou da esfera profissional nos anos 60. Ao todo esteve presente em duas edições do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, nos anos de 1964 e 1965.

Na sua estreia, em 1964, terminou na 4ª posição do seu Grupo: somando 14 pontos, em 13 jogos; seis vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 28 gols e sofrendo 23, saldo de cinco. Acabou eliminado uma vez que apenas o campeão da chave avançava para as finais.

Em 1965, o ‘Cadetes de Ferro’ começou bem terminando na 1ª colocação da sua chave (11 pontos, em oito jogos: quatro vitórias, três empates e uma derrota; 14 gols marcados e cinco sofridos, nove de saldo).

Na segunda fase enfrentou o Bela Vista empatando o primeiro jogo (0 a 0) e vencendo os outros dois (3 a 1 e 2 a 0). Com isso, o clube chegou no Triangular Final, com o Araguaí e Formiga. Após as seis rodadas o Triangular terminou empatado. Na última rodada, bastava o Formiga vencer, em casa, mas perdeu, e todos terminaram com 4 pontos.

Daí a Federação Mineira de Futebol (FMF), ‘bolou‘ um desempatesui generis. Sortearam um mata-mata, mas só tinham três times. Com isso, o Club Ferro Brasileiro foi sorteado como ‘bye‘ e foi pra final. No dia 07 de Maio de 1966, o Formigavenceu, em casa, o Araguaí por 3 a 1, no Estádio Independência, em Belo Horizonte, avançando para a final.

Na grande final, o Club Ferro Brasileiro e o Formiga se enfrentaram para saber quem estaria na Elite do Futebol Mineiro em 1966. No final, melhor para o Formiga que venceu o Club Ferro Brasileiro por 2 a 0, conquistando o acesso. Para o Club Ferro Brasileiro restou o vice-campeonato da Segundona de 1965.

 

FONTES & FOTOS: Rsssf Brssil – Turismo Caeté – Jornal Caeté – Templos do Futebol – Revista Sport Ilustrado – Vitor Dias

 

FONTE: Revista do Esporte

 

 

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha