Partida realizada na data de 6 de abril de 1932, na Chácara da Floresta, em São Paulo-SP, onde se enfrentaram os campeões citadinos do ano de 1931.

Juiz: L. Cordovil (AMEA)

Gols: Friedenreich (3-SPFC) e Carola (AFC)

São Paulo F.C.: Joãozinho, Clodô e Barthô. Milton, Bino e Fabio. Luizinho, Armandinho, Friedenreich, Araken e Junqueira.

América F.C.: Sylvio, Lazaro e Hildegardo. Hermogenes, Oscarino e Walter. Allemão, Almeida, Carola, Zezinho e Miro.

Fonte: A Gazeta.

 

 

Andirá Esporte Clube (Rio Branco-AC) - 1982

Fonte: Francisco Pinheiro – AC

 

Seleção Paulista - 1936

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Alvorada Futebol Clube (Rio Branco-AC) - 1973

Fonte: Francisco Pinheiro \ AC

 

Santos Futebol Clube (Santos-SP) - 1937

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Societá Sportiva Palestra Itália (Belo Horizonte-MG) - 1937

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Clube Atlético Paulista (São Paulo-SP) - 1937

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Uberaba Sport Club (Uberaba-MG) - 1934

Fonte: Gazeta Esportiva – SP
 

Associação Portuguesa de Desportos (São Paulo-SP) - 1934

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Itália Futebol Clube (Ribeirão Preto-SP) - 1934

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Roma Futebol Clube (São Paulo-SP) - 1934

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Emforluz Esporte Clube (Campinas-SP) - 1936

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Esporte Clube XV de Novembro (Piracicaba-SP) - 1938

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Em 1938 o Bar Luso Brasilerio, do Sr. Godinho instituiu uma Taça para a disputa entre os dois principais clubes de Osasco(SP). A superioridade da ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA FLORESTA foi enorme, vencendo facilmente as duas partidas e conquistando este troféu. Abaixo os dados deste clássico:

Associação Atlética Floresta (Osasco-SP) - 1938

AA FLORESTA (OSASCO – SP)

2

CA OSASCO (OSASCO – SP)

0

Data: 02 de outubro de 1938 Local: Osasco – SP
Juiz: Thomaz Cicccareli Caráter: Amistoso Nacional
Gols: Silvio e Jensen
Floresta(SP): Gagliano; Chaves (Godo) e Neco; João, Miro e Vicente; Renibato, Jensen, Silvio, Nello e Feres.
Osasco(SP): Thomaz; Grané e Zezinho; Julio, Jahú e Aldo; Piteral (Palmito), Serrote, Jole, Luiz e Miro.

 

AA FLORESTA (OSASCO – SP)

4

CA OSASCO (OSASCO – SP)

0

Data: 23 de outubro de  1938 Local: Osasco – SP
Juiz: Silvio (2) e Jensen (2) Caráter: Amistoso Nacional
Gols: Luiz Mescia
Floresta(SP): Gagliano; Godo e Neco; João, Miro e Vicente; Renato, Jensen, Silvio, Nello e Feres.
Osasco(SP): Thomaz; Grané e Zezinho; Julio, Jahú e Serrote; Masito, Ceté, Zansi, Mingo e Nhê.

Clube Atlético Osasco (Osasco-SP) - 1938

Fonte: A Gazeta Esportiva – SP

 

 

Clube Atlético Indiano (São Paulo-SP) - 1938

Fonte: Gazeta Esportiva – SP

 

Esporte Clube Sírio (São Paulo-SP) - 1938

Fonte: A Gazeta Esportiva – SP

 

Atlético Acreano (Rio Branco-AC) - 1980

Fonte: Izolmar Pontes – AC

 

Independência Futebol Clube (Rio Branco-AC) - 1977

Fonte: Ilzomar Pontes – AC

 

Federação Acreana de Desportos - 1967

Fonte: Francisco Pinheiro – AC

 

Publico esta foto,não por ser uma foto histórica, mas por considerar hoje o uniforme mais interessante entre todas as equipes profissionais do país.

Sport Club Humaitá (Porto Acre - AC) - 2017

Fonte: Francisco Pinheiro e Manoel Façanha – AC

 

Clube Atlético Mineiro ( Belo Horizonte-MG) - 1938

Fonte: A Gazeta Esportiva – SP

 

Fonte: A Gazeta.

 

Fonte: Diário Nacional.

 

Fonte: A Gazeta.

 

Após a escassez em relação ao Engenho Central Futebol Clube, que foi uma agremiação da cidade de Itaocara (RJ), mais um escudo foi resgatado. O Alviverde foi Fundado em Outubro de 1939, por funcionários da Companhia Engenho Central Laranjeiras S/A. A sua Sede ficava localizada em Laranjais – 2º distrito do Município de Itaocara. O Engenho Central participou do Campeonato Fluminense de Futebol de 1944, chegando até a terceira fase, só caindo diante do forte Paduano de Santo Antonio de Pádua.

Para um clube do Interior do Rio, a sua estrutura era diferenciada. O seu Estádio Hernandes Campany, por exemplo, contava com arquibancadas cobertas. O Engenho Central revelou grandes jogadores como: Adhemar Gomes, Antônio Geraldo, Batista Oliveira, Flávio Campany, Jair Campany, João do Enéias, Oarci Ferraz, Olivier, Onivar, Paulinho “Boleba”, Porquita, Tião Sobrado, Waldemar Torres, entre outros.

Em 1948, o clube estava filiado a Liga Itaocarense de Desportos (LID), juntamente com o Portela Esporte ClubeAmérica Futebol ClubeUnião Esportiva Itaocarense e Brasil Esporte Clube.

Em agosto de 1971, foi assinado pelo Sr. Fernando Leandro, foi aprovado em discussão única, o projeto que considera de utilidade pública o Engenho Central Futebol Clube, com sede em Itaocara.

FONTES: Itaocararj – Jornal do Commercio – Diário Carioca – O Fluminense – André Luiz Pereira Nunes – Liga Itaocarense de Desportos (LID)

 

O São Joaquim Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Belém (PA). O clube Alvianil foi Fundado na sexta-feira, do dia 28 de Fevereiro de 1936. A sua Sede está localizada na Rua Anchieta, nº 255, no Bairro Marambaia, em Belém. O clube participou dos campeonatos citadinos e as competições na base, onde conquistou o Campeonato de Paraense Juvenil em 1973.

FONTES: Blog Izomar – Jornal o Liberal

 

Acima a Foto  posado do Ribeiro Júnior Football Club, em Manaus, em 1927.O nome da equipe foi uma homenagem ao tenente Ribeiro Júnior que governou o Amazonas em 1924, após a revolta tenentista onde tomou o poder do estado do junto com outros militares revoltosos.

 

FONTES: Livro “Ribeiro Júnior, redentor do Amazonas – memórias”, da autora Eneida Ramos Ribeiro – Gaspar Vieira Neto

 

FOTOS: Revista Fon-Fon

 

O Engenho Central Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Itaocara (RJ). O Alviverde foi Fundado em Outubro de 1939, por funcionários da Companhia Engenho Central Laranjeiras S/A. A sua Sede ficava localizada em Laranjais – 2º distrito do Município de Itaocara. O Engenho Central participou do Campeonato Fluminense de Futebol de 1944, chegando até a terceira fase, só caindo diante do forte Paduano de Santo Antonio de Pádua.

Para um clube do Interior do Rio, a sua estrutura era diferenciada. O seu Estádio, por exemplo, contava com arquibancadas cobertas. O Engenho Central revelou grandes jogadores como: Adhemar Gomes, Antônio Geraldo, Batista Oliveira, Flávio Campany, Jair Campany, João do Enéias, Oarci Ferraz, Olivier, Onivar, Paulinho “Boleba”, Porquita, Tião Sobrado, Waldemar Torres, entre outros.

Em 1948, o clube estava filiado a Liga Itaocarense de Desportos (LID), juntamente com o Portela Esporte Clube; América Futebol Clube; União Esportiva Itaocarense e Brasil Esporte Clube.

Em agosto de 1971, foi assinado pelo Sr. Fernando Leandro, foi aprovado em discussão única, o projeto que considera de utilidade pública o Engenho Central Futebol Clube, com sede em Itaocara.

FONTES: Itaocararj – Jornal do Commercio – Diário Carioca – O Fluminense – André Luiz Pereira Nunes – Liga Itaocarense de Desportos (LID)

 

C.R. VASCO DA GAMA    5          X         0          YPIRANGA F.C.

LOCAL: Estádio de São Januário

DATA: Domingo, do dia 1º de Março de 1931

CARÁTER: Amistoso Estadual

HORÁRIO: 16 horas

ÁRBITRO: André Dias (Olaria A.C.)

VASCO: Jaguará; Brilhante e Itália; Hermes, Fausto e Nesi; Bahianinho, Paes, Waldemar, Mario Mattos e Sant’Anna.

YPIRANGA: Carlos; Caboclo e Hermínio; Everardo, Oscarino e Moacyr; Otto (Alcides), Clóvis, Guerra, Manoelzinho e Calão.

GOLS: Sant’Anna aos 30 minutos (Vasco), no 1º Tempo. Mario Mattos aos 2 minutos (Vasco). Waldemar aos 23 minutos (Vasco); Sant’Anna aos 28 minutos (Vasco); Carlos, contra, aos 39 minutos (Vasco), no 2º Tempo

PRELIMINAR (Segundos Times): VASCO DA GAMA   3   X   5   AMÉRICA/RJ

FONTES: A Batalha – Revista Fon-Fon

 

 

A SODIMA foi um clube de futebol amador de Uberaba – MG, que brilhou no início da década de 70. O time, ligado à empresa do mesmo nome, que significava “Sociedade Distribuidora de Máquinas Agrícolas”, foi bicampeão amador de Uberaba nos anos de 1972 e 1973.

Dirigida por Rubens Ciabotti e treinada por Abrão Miguel Arabe, sócios da empresa, a SODIMA teve uma breve, mas bem sucedida experiência nos campos uberabenses. O ápice de sua breve existência foi o convite feito pela Federação Mineira de Futebol para participar do Torneio Santos Dumont, que no final do ano de 1973 e início de 1974, reuniu equipes profissionais e amadoras de todo o estado.

Na primeira fase, disputada em 1973, foi a primeira colocada de um grupo que reunia ainda o Paranaíba, clube amador de Carmo do Paranaíba e o Araxá. Tal feito foi comemorado com uma taça, provavelmente adquirida pelo próprio clube, exposta na sede da empresa (e do clube), na Rua João Pinheiro, bem no centro da cidade de Uberaba.

Na fase semifinal não conseguiu nenhuma vitória mas destacou-se ao empatar com a poderosa Caldense em Poços de Caldas (1×1) e segurar o Nacional, time profissional de Uberaba, com um empate sem gols. Ao final, somadas as duas fases de que participou, somou duas vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas, para os elencos profissionais do Uberaba e da União Tijucana.

 

Timaço da SODIMA, bi-campeã amadora de Uberaba.

 

Fontes: Jornal da Manhã e Jornal Lavoura e Comércio, ambos de Uberaba – MG, várias edições de 1973 e 1974.

*Agradecimento especial ao Jamilton Souza, pelo desenho do escudo.

 

Time do Rio Negro

Time de Manaus desconhecido, no estádio Parque Amazonense

FOTOS & FONTE: Revista O Rio Negrino – Gaspar Vieira Neto

 

É mais conhecido por CRB e carinhosamente chamado de Galo por sua vibrante e apaixonada torcida.

É o maior clube esportivo de Alagoas, que começou sua história no belíssimo bairro de Pajuçara, que é um dos cartões postais da capital dos alagoanos. Atualmente, sua sede administrativa está localizada no tradicional bairro de Jaraguá e o futebol tem no CT Presidente Marcos Barbosa, na Barra de São Miguel, a maior estrutura do futebol alagoano.

O Futebol é a sua principal atividade. O seu maior patrimônio é a sua imensa e fiel torcida. Destaca-se também no Vôlei brasileiro, com hegemonia absoluta nos cenários feminino e masculino locais, tendo conquistado o maior feito em 1969, ao sagrar-se campeão sul-americano feminino em Santiago do Chile. O clube ainda possui títulos de basquete, futsal, handebol, entre outras modalidades esportivas.

O INÍCIO DE TUDO

Sua história teve início no ano de 1911, com a fundação em Maceió, do Clube Alagoano de Regatas. A jóia para sócios era de mil réis e a mensalidade de quinhentos mil réis. Sua sede ficava situada na Rua do Comércio, 138. Apesar de se chamar Clube Alagoano de Regatas, não havia yoles, nem baleeiras, nem remadores. Possuía um punhado de bravos rapazes que desejavam criar um clube esportivo em Alagoas.

Entretanto, a pequena receita com jóias e mensalidades impedia o progresso do clube. Entre os seus fundadores estavam os jovens Lafaiete Pacheco, Antônio Bessa, Celso Coelho e Alexandre Nobre. Na tentativa de elevar a receita do clube, Lafaiete Pacheco tentou junto aos companheiros um aumento nas mensalidades, mas a idéia não foi aceita pela maioria. Dessa falta de entendimento, nasceu o CLUBE DE REGATAS BRASIL.

COMO FOI

Lafaiete Pacheco procurou Antônio Vianna e explicou sua idéia de criar um clube de regatas na praia de Pajuçara. Juntos convidaram outros sete rapazes e assim no dia 20 de setembro de 1912, na rua Jasmim, foi fundado o Clube de Regatas Brasil.

ATA DE FUNDAÇÃO

Além de Lafaiete Pacheco e Antônio Vianna, assinaram a ata de fundação os seguintes desportistas: João Luiz Albuquerque, Waldomiro, Pedro Cláudio Duarte, Tenente Julião, Agostinho Monteiro, Francisco Azevedo Bahia e João Viana de Souza.

AO REMO

Os primeiros passos do clube foram dados na regata. Assim, através de Lafaiete Pacheco o CRB comprou, em Santos, por 200 mil réis sua primeira yole. Os sócios contribuíram com 100 mil réis e os outros 100 mil foram tomados emprestados. O dinheirofoi remetido através do Banco de Pernambuco e a yole chegou no navio Itapetinga. A primeira garagem foi no quintal da casa de Antônio Vianna.

Os treinamentos eram realizados no trajeto marítimo da Ponta Verde para Pajuçara. A compra do oito com patrão sensibilizou os desportistas maceioenses e logo conseguiram novos associados como Domingos Souza, Francisco Quintela, Pedro Lima, Homero Viegas, Eduardo Silveira e mais alguns, que aos poucos, foram formando a grandeza do clube.

O FUTEBOL

Foi introduzido no clube de maneira totalmente natural. Antes e depois dos treinamentos para as regatas um grupo de atletas ficava batendo bola, os conhecidos ?rachas?. Essa brincadeira foi tomando vulto e a partir daí surgiu a necessidade de um espaço próprio para a prática do futebol.

O ESTÁDIO DA PAJUÇARA

A história do CRB anda de mãos dadas com a do Estádio Severiano Gomes Filho, o inesquecível estádio da Pajuçara. Foi a partir de um terreno que pertencia à Dona Maria Torres, que arrendou o local para o clube por 300 mil réis. Em 1917 começaram as obras de construção do estádio. No dia 2 daquele ano, foi realizado o primeiro jogo interestadual contra o Flamengo de Recife. Em 1921 foi inaugurado o primeiro lance de arquibancadas contra o Centro Sportivo de Peres, de Recife. E a partir deste momento nascia o palco de muitas conquistas e que transformaram o CRB na grande paixão dos Alagoanos. Em 2012 o Estádio da Pajuçara foi vendido e com o dinheiro arrecadado o Galo quitou todas suas dívidas e construiu um dos CTs mais modernos do País.

AS GLÓRIAS

Foi o primeiro campeão de Alagoas em 1927, a partir daí começa uma trajetória de grandes conquistas e vitórias do Clube de Regatas Brasil. São 29 títulos estaduais. Em 1993 foi campeão do Torneio de Acesso a Série B e em 1994 é vice-campeão da Copa Nordeste.

OS ÍDOLOS

Estão entre seus maiores ídolos: Haroldo Zagallo (pai do jogador e técnico Zagallo), Miguel Rosas, Mourão, Canhoto, Pompéia, Silva, Joãozinho Paulista, César, Roberval Davino, Roberto Menezes.

 

FONTES: Site do Clube – Lauthenay Perdigão

 

As belas fotos publicadas pela Revista Fon-Fon só não merecem a Nota 10 por um detalha. Ocorreu um relapso do veículo por não ter mencionados quem eram os quatro clubes. Para piorar, todos os times estavam sem o distintivo nos uniformes. Apesar desse vacilo, postarei as fotos para quem sabe possam ser identificadas.

O Campeonato Capixaba de 1928, contou com a presença de nove clube:

Alliança de Santa Leopoldina;

América Football Club;

Bangu Football Club;

Floriano Football Club;

Rio Branco Football Club (mudou posteriormente para Atlético Clube);

Santo Antonio Football Club;

Therezense Football Club de Santa Thereza;

Uruguayano de Vitória;

Victoria Football Club.

FOTOS: Revista Fon-Fon

 

Estrela do Norte Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro sediado em Cachoeiro de Itapemirim, no estado do Espírito Santo, e que se sagrou campeão capixaba da Primeira Divisão em 2014, depois de 98 anos de fundação. Foi vice-campeão em cinco edições do Campeonato Estadual nos anos de 1987, 2003, 2004, 2005 e 2006, e curiosamente rebaixado para a Segunda Divisão de 2007. Seu grande rival é o Cachoeiro Futebol Clube, com quem faz o grande clássico da maior cidade do interior e da região Sul Capixaba.

O Estrela do Norte foi fundado em 16 de janeiro de 1916, numa casa próximo ao Colégio Liceu Muniz Freire. Participaram da reunião de fundação: Laurentino Lugon, Mário Sampaio, Orlando Nunes, Amphilófio Braga, João Viana, Estulano Braga, Deusdedit Cruz, Fernando Reis e Francisco Penedo, que são considerados portanto os fundadores do clube mais popular do Sul do Espírito Santo e hoje uma dor principais clubes do estado. Francisco Penedo foi escolhido como o primeiro presidente do clube.

A primeira sede, segundo os arquivos, foi onde é hoje, o Tiro de Guerra e o primeiro campo foi no pátio do Liceu Muniz Freire, zona norte da cidade, daí o nome Estrela do Norte. As primeiras cores do Estrela do Norte eram verde e amarelo, e o primeiro time estrelense era formado por: Pedro Tanure, Antonio Cruz, Belmiro, Adão, Barão, Dodoca, Erly, Vivi, Mine, Cezarino e Lauro. Tempos depois, por volta da década de 30, o Estrela transferiu o seu campo para o bairro Sumaré, onde está até hoje.

O Estrela foi o primeiro campeão Sulino de profissionais. Vários grandes jogadores vestiram a camisa do Estrela na época: Elias, Fernando, Catiquinha, Sarará, Pedrinho, Toninho, Geraldo Martins, Geraldo Menezes, Lico, Siro e Zinho., Virgilio, Hugo, Américo, Correlogo, Otacílio, Gerson, Donato, Rainor, Bela, Nerinho, Jove. Veraldo, Raul, Gesse, Orlando, Manduca.[3]

Em 1996, o Estrela foi notícia no Brasil devido a publicação na Revista Placar sobre “o menor campeonato do mundo”, o Campeonato Capixaba da Segunda Divisão, que teve o Alvinegro campeão, e o Sport Club Capixaba como o vice-campeão. Uma dos maiores feitos do Estrela do Norte, foi no ano de 2005, quando jogou pela primeira vez a Copa São Paulo de Futebol Júnior, onde derrotou a equipe do São Paulo Futebol Clube pelo placar de 2 a 1. A equipe do Estrela do Norte não conseguiu se classificar pois perdeu de 2 a 1 para a equipe de Taubaté e de 2 a 0 para o Itabaiana, ficando em terceiro lugar no seu grupo.

O Estrela do Norte jogou a final do Campeonato Capixaba da Segunda Divisão de 2010 contra a equipe do Esporte Clube Aracruz e, apesar de ter perdido o título, Estrela e Aracruz subiram para a Primeira Divisão de 2011. Porém, devido a problemas jurídicos, o Estrela do Norte perdeu a vaga e não pôde participar da Primeira Divisão em 2011.

O Estrela do Norte foi vice-campeão da Segunda Divisão do Campeonato Capixaba de 2012 e juntamente com a Desportiva Ferroviária, que foi a campeã, subiu para a Primeira Divisão de 2013, terminando com o vice-campeonato depois de levar um gol aos 49 minutos do segundo tempo. No jogo estavam presentes mais de 5000 torcedores do Estrela do Norte, tendo uma média em todo o campeonato de 2000 pessoas por jogo, recorde no futebol capixaba em 2012, somando as duas divisões do futebol capixaba.[3]

A diretoria do Estrela do Norte Futebol Clube, no dia 5 de setembro de 2012, lançou uma camisa retrô do Estrela do Norte, com as primeiras cores do clube: o verde e o amarelo. A camisa será o terceiro uniforme do clube em 2013, e um aperitivo para os 100 anos do clube.[3] A diretoria começou no final de 2012, uma reforma geral nas estruturas do Estádio do Sumaré, como por exemplo nas arquibancadas e na iluminação, além de estar construindo uma academia para os atletas do clube. O gramado também está sendo reformado em algumas partes principalmente dentro das duas áreas, partes que ficam mais danificadas.

2014: Primeiro título da Primeira Divisão

No Campeonato Capixaba de 2014, o Estrela do Norte Futebol Clube se classificou para as semifinais e enfrentou a equipe do São Mateus. O primeiro jogo foi no Estádio do Sumaré, em Cachoeiro de Itapemirim e a segunda partida foi no Estádio do Sernamby, na cidade de São Mateus. O Estrela do Norte perdeu em casa de 2 a 1 para a equipe do São Mateus, mas no jogo de volta, no Estádio do Sernamby, na cidade de São Mateus, o Estrela do Norte goleou por 3 a 0. Com esses resultados, o Estrela do Norte Futebol Clube se classificou para sua sexta final, dessa vez disputando contra a equipe do Linhares Futebol Clube. Diferente das demais vezes, sagrou-se campeão, após um empate sem gols no jogo de ida, e uma vitória por 1 a 0 no jogo de volta.

Depois de 98 anos de história, a equipe do Estrela do Norte Futebol Clube sagrou-se Campeão Capixaba pela primeira vez em sua história. A partida foi realizada no dia t de junho de 2014, no Estádio do Bambu, na cidade de Aracruz. Na primeira partida o Estrela empatou com o Linhares por 0 a 0, porém no jogo de volta o Estrela ganhou o Linhares por 1 a 0, levantando o título. Com o título, os torcedores estrelenses se viram muito felizes por, enfim, ver o seu quase centenário clube campeão pela primeira vez. A equipe do Estrela do Norte irá participar do campeonato Brasileiro da Série D de 2014 e no ano de 2015 já está confirmado na Copa do Brasil e na Copa Verde. A cidade de Cachoeiro de Itapemirim parou para ver a chegada dos jogadores campeões. Mais de 6 mil pessoas aguardavam os jogadores na chegada ao Estádio do Sumaré.[4]

O Estrela do Norte Futebol Clube, participou do Campeonato Brasileiro da Série D pela primeira vez e somou 12 pontos ao final, ficando em terceiro colocado no Grupo A5, não obtendo a classificação, isto porque equipe do Itaporã de Mato Grosso do Sul, abandonou o campeonato na sétima rodada após a derrota para o próprio Estrela do Norte por 3 a 1. Com isso a equipe do Anapolina se beneficiou e como na última rodada iria enfrentar a equipe do Itaporã somou 13 pontos. No último jogo diante o Brasiliense, no dia 14 de setembro, no Estádio do Sumaré, mais de três mil torcedores apoiaram o Estrela do Norte e ao final apoiaram o clube mesmo sendo eliminado do campeonato.

2015: Copa do Brasil e Copa Verde

O Estrela do Norte, passou para a segunda fase da Copa Verde, derrotando nos pênaltis a equipe goiana do Luziânia pelo placar de 4 a 3. Nos dois confrontos ocorreram empates de 1 a 1. Foi a primeira vez que uma equipe capixaba passa da primeira fase na Copa Verde.[5] Na segunda fase o Estrela do Norte foi eliminado pela equipe do Cuiabá, do Mato Grosso.

Na Copa do Brasil, no primeiro jogo o Estrela derrotou a equipe do Sampaio Corrêa pelo placar de 3 a 2. Até os 30 minutos do segundo tempo, o Estrela do Norte estava vencendo o Sampaio Corrêa pelo placar de 3 a 0, o que lhe daria mais conforto em enfrentar o Sampaio Corrêa no Maranhão, porém faltando quinze minutos o Sampaio Corrêa fez dois gols e diminuiu a vantagem do Estrela do Norte.[7] No segundo jogo o Estrela foi derrotado por 4 a 1 no Castelão em São Luís e é eliminado da competição.

2016: Centenário e rebaixamento

Em comemoração ao aniversário de 100 anos de fundação, celebrado no dia 16 de janeiro, o Estrela do Norte lançou uma revista comemorativa, inspirada na história do clube. O produto, com 80 páginas, retrata momentos marcantes da história alvinegra e destaca ídolos que marcaram época com a camisa do time. A coleção conta com fotos históricas que destacam jogadores importantes, torcedores e funcionários que participaram e ainda participam do dia a dia do clube. Além disso, o especial tem depoimentos de ex-jogadores e ex-presidentes e o título inédito do Campeonato Capixaba de 2014.[9]

No ano do centenário, o Estrela do Norte faz um campanha irregular no Capixabão e é rebaixado para a Série B de 2017.

Títulos[editar | editar código-fonte]

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba 1 2014.
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba – Série B 2 19961999
Espírito Santo (estado) Copa Espírito Santo 3 2003, 2004, 2005
Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino 6 1954, 1955, 1964, 1965, 1966, 1968
Espírito Santo (estado) Taça Newton Braga 3 1963, 1964, 1965

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

  • Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba de Juniores: 2 (1991, 2004).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino de Juniores: 1982.
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Juvenil: 2 (1996, 1997).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Infantil: 1997

 

FOTOS: Wikipédia - Revista Fon-Fon 

 

Cachoeiro Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro sediado em Cachoeiro de Itapemirim no Espírito Santo e seu maior rival é o Estrela do Norte Futebol Clube.O Cachoeiro foi fundado em 9 de Janeiro de 1916. Foi campeão cachoeirense em 1946 com: Waldir Pontes, Luiz Pretti, Delson, Manoelito, Lídio, Otávio, Joemir, Nilsinho, Armênio, Amâncio, Nerinho, Rupter, e Alcino.

O clube era dirigido por Daniel e pelo professor Florisbelo Neves. Em 1948, veio o título inédito do estadual, disputando a final com a equipe Vale do Rio Doce, hoje Desportiva Ferroviária. O Cachoeiro estava com os jogadores Ramon, Alcino, Zé Catraca, Paris, Manoelzinho, Otaviano, Nely, Aldemir, Assadinho, Espinho, Bronze e Catiquinha, sob o comando do técnico Eurico Monteiro de Castro.

Foram realizadas três partidas para decidir o campeão do Campeonato Capixaba de 1948, sendo a primeira partida realizada em Cachoeiro de Itapemirim, onde a equipe da casa venceu por 4 a 3 a equipe do Vale do Rio Doce. Após a vitória no primeiro jogo, o Cachoeiro foi até Vitória para realizar a segunda partida na qual a equipe da Vale do Rio Doce acabou vencendo por 4 a 1. Na partida decisiva o alvirrubro foi campeão ao derrotar o adversário pelo placar de 7 a 2.

Afastado do futebol profissional desde 1974, o Cachoeiro retornou em 2000, sagrando-se campeão da Segunda Divisão. Com uma boa estrutura manteve o time em atividade, fato inédito no futebol capixaba e venceu também o Campeonato Sulino, promovido pela LDCI (Liga Desportiva de Cachoeiro), afiliada à Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo (FES).

Em 2013 retorna às atividades profissionais na Copa Espírito Santo, terminando com o vice-campeonato após derrota para o Real Noroeste no primeiro jogo da final por 2 a 1 no Estádio Engenheiro Araripe em Cariacica e empate no segundo jogo em 1 a 1 no Estádio José Olímpio da Rocha em Águia Branca.[2]

No Campeonato Capixaba de 2015 – Série B, o clube desiste da competição por falta de recursos financeiros com a tabela já divulgada, assim, o time fica suspenso por dois anos.[3]

Títulos

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba 1 1948[4]
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba – Série B 1 2000[5]
Espírito Santo (estado) Torneio Seletivo Capixaba da Copa do Brasil 1 2001
Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino 7 1944, 1950, 1951, 1952, 1953, 1969, 1971
Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Amador 2 1959, 1960

Categorias de Base

  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Sub-21: 2000.
  • BandeiraCachuES.jpg Campeonato Cachoeirense de Juniores: 2001.
  • BandeiraCachuES.jpg Campeonato Cachoeirense Juvenil: 2 vezes (1957 e 2001).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Juvenil: 3 vezes (1978, 1979 e 1980).
  • Espírito Santo (estado) Campeonato Sulino Infantil: 4 vezes (1965, 1966 , 1967 e 1995).

Campanhas em destaque

FONTE & FOTOS: Wikipédia - Revista Fon-Fon 
 

FOTOS: Revista Fon-Fon 

 

FOTOS: Revista Fon-Fon 

 

FOTO: Revista Fon-Fon 

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha