FONTES: O Malho – Google Maps – Agência Brasil

 

O Santo Antônio Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Teófilo Otoni (MG). A sua Sede fica na Rua Minervino de Castro Pinto, nº 49 / Sala, no Centro de Teófilo Otoni. O Santusca foi Fundado no dia 19 de Julho de 1959, e mandava os seus jogos no Estádio Nassari Mattar. Na esfera profissional, o Santo Antônio E.C.  disputou o Campeonato Mineiro da 2ª Divisão em sete oportunidades: 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990 e 1994.

 

CLUBE DESEJA RETORNAR A SEGUNDONA MINEIRA-2017

Segundo a reportagem do Jornal Diário de Teófilo Otoni o Santo Antônio Esporte Clube luta para voltar à ativa. O sonho do time é disputar,  já no ano que vem, a 2ª Divisão do Campeonato Mineiro.

O Santo Antônio Esporte Clube está para reabrir as portas na cidade. Um grupo de apaixonados pelo futebol bretão estão em avançado processo para o retorno do clube, com estatuto, diretoria e sede provisória. Esta funciona numa sala no segundo piso do Mercado Municipal, cedida pelo supervisor do mercado, o ex-jogador ‘santusca’ (nome dado à torcida aos atletas do Santo Antônio), Arthur Guedes, que nos tempos áureos atuava como quarto zagueiro do time.

Aliás, esta sala é a mesma onde o clube manteve sua sede por décadas a fio. A reportagem conseguiu, com exclusividade e em primeira mão, imagens do livro de ata de fundação do Santo Antônio, datado de 19/07/1959.

A entrevista aconteceu com o atual treinador da equipe, Otávio Filho, 59 anos de idade. “Pelos registros o Santo Antônio foi desativado no final da década de 1990, quando deixou de participar de importantes campeonatos locais”, contou o novo professor.

À época, o time fechou as portas devido à falta de incentivo e outros caminhos tomados (na vida) pelos seus então integrantes. Entre as páginas históricas do Santusca, está a disputa da Primeira Divisão do Campeonato Mineiro, na década de 1980, e vários clássicos aguerridos contra o Concórdia, e, principalmente contra o América, principal adversário destes. “Até que o Santusca e o Concórdia se davam bem, mas quando entrávamos em campo contra o América até faísca saia”, conta bem humorado o técnico Otávio.

Segundo ele, o time ainda consta nos cadastros da Federação Mineira de Futebol. E, a maior ambição atual é participar da 2ª Divisão do Campeonato Mineiro, que dá acesso ao Módulo II do torneio (ao qual, neste ano de 2016, o América foi vice-campeão, obtendo o acesso à elite do estadual).

Dificuldades iniciais

Ainda sem campo fixo, a atual diretoria, composta por Renilton Ferraz como presidente, Carlos Alberto Lares (o Carlão da Rádio), como vice-presidente, busca parcerias com prefeituras locais para conseguir um campo de treinamento.

Conversei com o prefeito e o secretário municipal de Esportes de Poté, para que eles possam viabilizar o Estádio Municipal para mandarmos nossos jogos e realizarmos os treinos. Ficaram de nos ajudar. Também entrei em contato com os responsáveis pelo Estádio Municipal de Itambacuri, que nos garantiram a liberação do campo para nossas necessidades. Já em T. Otoni, estamos conversando com a direção do Concórdia, que garantiram a liberação do campo para jogarmos quando não tiver atividades do Concórdia”, explicou Otávio Filho. Para ele, o ideal é que o time tenha seu próprio estádio, para melhor possibilitar a construção de uma identidade própria, e facilitar a vida dos atletas nos treinamentos, jogos e disputa de torneios. “Claro que uma casa faz falta, mas acredito que vamos consegui-la com o tempo”, refletiu otimista o técnico Otávio.

Otávio Filho atua no futebol desde 1977, quando jogou no Santa Cruz de Pernambuco. Ele tem outras passagens por grandes equipes do futebol nordestino, como o CSA (1979) e o CRB (1981), e o Sergipe (1983), ambos de Aracajú, a capital sergipana. Parou de jogar em 1986, quando foi para São Paulo. Na capital paulista se formou técnico profissional de futebol pela Federação Paulista de Futebol (FPF), no ano de 2004. Entre os seus professores na escola futebolística estão nomes de peso do esporte nacional, Tite, René Simões, Mário Travaglini, Paulo Calçada (comentarista da ESPN Brasil) dentre outros.

Como treinador comandou o Nova Iguaçú (2006), o Mesquita (2010) e as categorias de base (sub-17 e sub-15) do América do Rio, tradicional clube do futebol brasileiro. Sua última experiência como técnico foi no São Bento, de São Paulo, em 2014. Em 2015 retornou para Teófilo Otoni para cuidar de questões particulares da esposa, teófilo-otonense de nascimento.

Nascido em Maceió, onde aos 3 meses partiu para Nova Iguaçú, sendo carioca de coração, Otávio quer levar o Santo Antônio ao topo do futebol mineiro.

Temos alguns jogadores em processo de fechamento de contrato. São atletas de Teófilo Otoni, muitos dos quais não foram aproveitados pelo América, tanto na base quanto no profissional, além de outros que estamos em processo de negociação. O início será mais pé no chão, com o tempo, mostrando serviço e resultados, esperamos maior participação da sociedade local nesse projeto, que não é nosso, é de todos nós”, finalizou Otávio Filho.

 

 PS: Nesta reportagem, menciona que o Santusca disputou o Campeonato Mineiro da 1ª Divisão na década de 80. Nos registros, consta somente cinco participações na Segunda Divisão Mineira nos anos 80: 1985, 1986, 1987, 1988 e1989.

 

 FONTES: Rsssf Brasil – Manula  - Jornal Diário de Teófilo Otoni 

 

 

O Club Ferro Brasileiro foi uma agremiação do Município de Caeté, que fica a 35 km da capital de Minas Gerais. Em 1933, já com o nome de Companhia Ferro Brasileiro, a empresa foi classificada entre as cinco maiores indústrias da América do Sul na área de Fundição.

A Companhia Ferro Brasileiro construiu no entorno de seus altos-fornos, localizados nas margens da linha férrea e próximo ao entroncamento dos córregos Soberbo e Caeté, toda uma infraestrutura para seus funcionários (muitos vindos de fora do estado), tal como, residências, comércios, clubes, cinemas, escolas, entre outros.

Transformando o antigo Mundéus no moderno bairro José Brandão, com uma população maior que da parte antiga da Cidade. Dentre tantas obras, surgiu o ‘Cadetes de Ferro’,Fundado no dia 29 de Agosto de 1935, por funcionários da Cia. Ferro Brasileiro S/A.

A sua Sede e o Estádio Gaston Maigné ficavam no Bairro José Brandão, no Ramal de Santa Barbara, da Estrada de Ferro Central do Brasil. O local contava com o campo, piscina, as quadras de Basquete (com iluminação), Vôlei e um playground para as crianças.

O Município de Caeté (que vem do tupi: ‘Mato verdadeiro’), está situado na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Conta com uma população de 40.786 habitantes (Censo do IBGE de 2010).

No futebol, o ‘Cadetes de Ferro’ começou a ganhar destaque na década de 40. O clube chamou a atenção da mídia em 1943, quando obteve cinco vitórias seguidas em cima do Esperança, de Itabirito; Flamengo, de Nova Lima; Atlético Mineiro, Siderúrgica, de Sabará e o América Mineiro (líder do Campeonato Mineiro naquele momento).

Apesar das boas exibições o Club Ferro Brasileiro só participou da esfera profissional nos anos 60. Ao todo esteve presente em duas edições do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, nos anos de 1964 e 1965.

Na sua estreia, em 1964, terminou na 4ª posição do seu Grupo: somando 14 pontos, em 13 jogos; seis vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 28 gols e sofrendo 23, saldo de cinco. Acabou eliminado uma vez que apenas o campeão da chave avançava para as finais.

Em 1965, o ‘Cadetes de Ferro’ começou bem terminando na 1ª colocação da sua chave (11 pontos, em oito jogos: quatro vitórias, três empates e uma derrota; 14 gols marcados e cinco sofridos, nove de saldo).

Na segunda fase enfrentou o Bela Vista empatando o primeiro jogo (0 a 0) e vencendo os outros dois (3 a 1 e 2 a 0). Com isso, o clube chegou no Triangular Final, com o Araguaí e Formiga. Após as seis rodadas o Triangular terminou empatado. Na última rodada, bastava o Formiga vencer, em casa, mas perdeu, e todos terminaram com 4 pontos.

Daí a Federação Mineira de Futebol (FMF), ‘bolou‘ um desempatesui generis. Sortearam um mata-mata, mas só tinham três times. Com isso, o Club Ferro Brasileiro foi sorteado como ‘bye‘ e foi pra final. No dia 07 de Maio de 1966, o Formigavenceu, em casa, o Araguaí por 3 a 1, no Estádio Independência, em Belo Horizonte, avançando para a final.

Na grande final, o Club Ferro Brasileiro e o Formiga se enfrentaram para saber quem estaria na Elite do Futebol Mineiro em 1966. No final, melhor para o Formiga que venceu o Club Ferro Brasileiro por 2 a 0, conquistando o acesso. Para o Club Ferro Brasileiro restou o vice-campeonato da Segundona de 1965.

 

FONTES & FOTOS: Rsssf Brssil – Turismo Caeté – Jornal Caeté – Templos do Futebol – Revista Sport Ilustrado – Vitor Dias

 

O Esporte Clube Escola Moderna de Comércio foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O clube alvi-marrom foi Fundado em 1927, por funcionários da Escola Moderna de Comércio, situado á Rua Ramalho Ortigão, nº 20 / 1º andar, no Centro do Rio.

Time-base de 1937: Olbio; Ari (ex-Bonsucesso e Engenho de Dentro) e Coronel; Salvador, João Batista e Artur; Bira (Ex-Vasco da Gama, Confiança e Tijuca F.C.), Gama (ex-Confiança), Barreto (E.C. Comercio de Vitória-ES e Serrano, de Petrópolis), Lulu (ex-Modesto FC) e Domingos.

 

FONTE: Revista Atenéa

 

O Club Ferro Brasileiro foi uma agremiação do Município de Caeté, que fica a 35 km da capital de Minas Gerais. Em 1933, já com o nome de Companhia Ferro Brasileiro, a empresa foi classificada entre as cinco maiores indústrias da América do Sul na área de Fundição.

A Companhia Ferro Brasileiro construiu no entorno de seus altos-fornos, localizados nas margens da linha férrea e próximo ao entroncamento dos córregos Soberbo e Caeté, toda uma infra-estrutura para seus funcionários (muitos vindos de fora do estado), tal como, residências, comércios, clubes, cinemas, escolas, entre outros.

Transformando o antigo Mundéus no moderno bairro José Brandão, com uma população maior que da parte antiga da Cidade. Dentre tantas obras, surgiu o ‘Cadetes de Ferro’, Fundado no dia 29 de Agosto de 1935, por funcionários da Cia. Ferro Brasileiro S/A.

A sua Sede e o Estádio Gaston Maigné ficavam no Bairro José Brandão, no Ramal de Santa Barbara, da Estrada de Ferro Central do Brasil. O local contava com o campo, piscina, as quadras de Basquete (com iluminação), Vôlei e um playground para as crianças.

Estádio Gaston Maigné

O Município de Caeté (que vem do tupi: ‘Mato verdadeiro’), está situado na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Conta com uma população de 40.786 habitantes (Censo do IBGE de 2010).

Estádio Gaston Maigné

No futebol, o ‘Cadetes de Ferro’ começou a ganhar destaque na década de 40. O clube chamou a atenção da mídia em 1943, quando obteve cinco vitórias seguidas em cima do Esperança, de Itabirito; Flamengo, de Nova Lima; Atlético Mineiro, Siderúrgica, de Sabará e o América Mineiro (líder do Campeonato Mineiro naquele momento).

A grande façanha do Club Ferro Brasileiro em 1945, foi a vitória em cima do S.C. Siderúrgica (campeão Mineiro de 1937), no dia 24 de junho, pelo placar de 3 a 2. O treinador era José Sérgio, antigo companheiro de Chico Preto, na zaga Tricampeã Mineira pelo Villa Nova, de Nova Lima.

Time-base de 1943: King; Jair e Aristeu; Luizinho, Pereira (Laerte) e Sica; Tibió, Nelson, Martins (Zito), Chico e Eduardinho. Técnico: José Sérgio

 Time-base de 1945: Baiano; Jair e Jefferson; Nem, Beijo e Tão; Tibió, Nelson, Laerte, Chico e Eduardo. Técnico: José Sérgio

Apesar das boas exibições o Club Ferro Brasileiro só participou da esfera profissional nos anos 60. Ao todo esteve presente em duas edições do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão, nos anos de 1964 e 1965.

Na sua estreia, em 1964, terminou na 4ª posição do seu Grupo: somando 14 pontos, em 13 jogos; seis vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 28 gols e sofrendo 23, saldo de cinco. Acabou eliminado uma vez que apenas o campeão da chave avançava para as finais.

Sede do Clube

Em 1965, o ‘Cadetes de Ferro’ começou bem terminando na 1ª colocação da sua chave (11 pontos, em oito jogos: quatro vitórias, três empates e uma derrota; 14 gols marcados e cinco sofridos, nove de saldo).

Na segunda fase enfrentou o Bela Vista empatando o primeiro jogo (0 a 0) e vencendo os outros dois (3 a 1 e 2 a 0). Com isso, o clube chegou no Triangular Final, juntamente com o Araguaí e Formiga. Após as seis rodadas o Triangular terminou empatado. Na última rodada, bastava o Formiga vencer, em casa,mas perdeu e ficaram todos com 4 pontos.

Daí a Federação Mineira de Futebol (FMF), ‘bolou‘ um desempate sui generis. Sortearam um mata-mata, mas só tinham três times. Com isso, o Club Ferro Brasileiro foi sorteado como ‘bye‘ e foi pra final. No dia 07 de Maio de 1966, o Formiga venceu, em casa, o Araguaí por 3 a 1, no Estádio Independência, em Belo Horizonte, avançando para a final.

Na grande final, o Club Ferro Brasileiro e o Formiga se enfrentaram para saber quem estaria na Elite do Futebol Mineiro em 1966. No final, melhor para o Formiga que venceu o  Club Ferro Brasileiro por 2 a 0, conquistando o acesso. Para o Club Ferro Brasileiro restou o vice-campeonato da Segundona de 1965.

 

CLUB FERRO BRASILEIRO       0          X         2          FORMIGA

LOCAL: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

DATA: Domingo, no dia 15 de Maio de 1966

CARÁTER: Triangular Final do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão de 1965

RENDA: Cr$ 2.099.500,00

ÁRBITRO: Sílvio David (FMF)

AUXILIARES: Conrado Patrocínio (FMF) e  Gil Trindade (FMF)

CARTÃO VERMELHO: Wilson Canetá (Ferro Brasileiro)

FERRO BRASILEIRO: Barnabé (Dico); Valério, Wilson Canetá, Zé Américo e Furneca; Valdir e Cruzinha (Tutu); Carlinhos, Paulo, Chico e Dendeco.

FORMIGA: Josué; Adío, Bulau, Fradinho e Saúva; Nuno e Rilson; Eli, Itamar (Chinelo), Oldack e Edvar.

GOLS: Oldack aos 3 minutos e Zé Américo, contra, aos 32 minutos do 1º Tempo.

 

FONTES & FOTOS: Rsssf Brssil – Turismo Caeté – Jornal Caeté – Templos do Futebol – Revista Sport Ilustrado

 

A Patrocinense, herdeira do antigo Clube Atlético Patrocinense, não consegue firmar sua identidade. Desde sua fundação (2010), já teve quatro escudos diferentes. Em 2016, estreou o quarto e atual escudo. Seguem os escudos da equipe:

Primeiro escudo da Patrocinense, tendo como base o brasão municipal (2010-2011)

Segundo escudo da Patrocinense, igual ao do antigo CAP mas com as iniciais do clube novo (2012-2014)

Terceiro escudo da Patrocinense, mais elaborado (2015)

Quarto e atual escudo da Patrocinense, pra mim o mais bem elaborado (2016). A camisa do clube, sem nenhum patrocínio, estampa a cruz amarela em tamanho bem grande.

Fontes:

  • Prefeitura de Patrocínio
  • Blog da Patrocinense
  • Facebook não-oficial da Patrocinense
  • Wikipédia
  • Um Grande Escudeiro
  • Facebook oficial do Uberaba Sport Club
 

Essa agremiação é Club Sportivo Passense, do Município de Passos (MG). Este Passense, esta foto da década de 40, foi o inspirador do Clube Esportivo de Futebol de Passos (Fundado em 1984) e do Clube Esportivo Passense de Futebol e Cultura (Criado em 2001). Vale observar que na foto, diz que Passos fica em São Paulo. No entanto, foi um erro da revista, uma vez que Passos é um município mineiro.

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

Escola de Comércio Social Clube foi uma agremiação da Cidade de Araguari (MG). O clube foiFundado na Rua Marciano Santos, nº 387, no Centro da cidade, às 20 horas, de uma noite esperançosa, em 16 de Novembro de 1944, por um grupo de estudantes, sob o incentivo formidável de prof. Moacyr Fantini.

Honra ao mérito dá-se-á seus fundadores: Dr. José Daher, João P. Barbosa, Vereadora Marilda Helena Vasconcelos, Walter Carvalho, Prof. Alcides Borges Marra, Natércio Morais, Waquim Gebrim, Willy Falcomer, Jorge Paulino, Jair Batista Ferreira e José Ferreira da Silva, com o direito de beneméritos do desporto brejo-alegrense, na formação desta força viva de tradição e de glória, sempre agigantando-se na vida esportiva, cultural, recreativa e social desta querida terra.

E daquela singela idéia aliaram-se os incansáveis treta campeões dos dias presentes, construindo uma agremiação forte, coesa e respeitável, numa demonstração soberba de quanto vale a abnegação dos homens. Em 14 de julho de 1950, marcou a troca da denominação do Escola de Comércio Social Clube, que passou a chamar-se Araguari Atlético Clube.

TÍTULOS

1947 – Taça Recordação, Samir Dau

1949 – Taça Disciplina – Hamilton Rocha

1950 – CAMPEÃO INVICTO DO ANO SANTO

1950 – Taça LAF – Campeão

1950 – Taça E. T. C. Machado de Assis

1950 – Taça A Tendinha

FONTES:  Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari

 
O Araguari Atlético Clube é uma agremiação da Cidade de Araguari (MG). Foi ali na Rua Marciano Santos, No. 387, às vinte horas, de uma noite esperançosa, daquele agonizante 1944, (em seu dia dezesseis de novembro,) que um grupo de estudantes, sob o incentivo formidável de prof. Moacyr Fantini, fundaram aquele grandioso Escola de Comércio S. C., de ontem, transformado no fabuloso Araguari Atlético Clube de hoje.
Honra ao mérito dá-se-á seus fundadores: Dr. José Daher, João P. Barbosa, Vereadora Marilda Helena Vasconcelos, Walter Carvalho, Prof. Alcides Borges Marra, Natércio Morais, Waquim Gebrim, Willy Falcomer, Jorge Paulino, Jair Batista Ferreira e José Ferreira da Silva, com o direito de beneméritos do desporto brejo-alegrense, na formação desta força viva de tradição e de glória, sempre agigantando-se na vida esportiva, cultural, recreativa e social desta querida terra.
E daquela singela idéia aliaram-se os incansáveis treta campeões dos dias presentes, construindo uma agremiação forte, coesa e respeitável, numa demonstração soberba de quanto vale a abnegação dos homens. A data 14 de julho de 1950, marca a troca da denominação do Escola de Comércio Social Clube, que passou a chamar-se Araguari Atlético Clube.
E deste dia em diante iniciou-se o ritmo ascendente do Clube Estrelado, conquistando o invejável título de Campeão do Ano Santo de 1950. E o sucesso do grêmio rubro-anil, se espalhou pelo Brasil Central, tornando-se famoso e preferido, e aos poucos fosse firmando no conceito do desporto triangulino, até tornar-se Penta Campeão Araguarino e Tri-Campeão do Triângulo Mineiro. Seus Presidentes foram: Dr. Antonio Severino Coelho, Prof. Oswaldo da Costa Braga, Agenor Costa, João Vasconcelos Montes, Afonso Dorázio, Farath Kehdy, Milton Lemos da Silva e Paulo Nogueira Cruvinel.
E hoje ao comemorar-se o décimo quinto aniversário do Araguari Atlético Clube, dá-se ao acontecimento um detalhe de importância municipal, desde que todas as classes de nossa terra integram a comunidade tetra-campeã, tornando-a ilustre e respeitável família, o que é um motivo justificado de máximo orgulho para todos quantos labutam no desporto de nossa Terra.
Muita Cabeça rolou até civilizar-se o futebol por Armando Nogueira
O estágio mais importante e mais longo registrado na história do futebol é o da pelada, instituição genuinamente britânico.
A partir da retirada dos romanos, no ano 410 da era cristã, os nativos começaram a transformar a herança do Harpastum, dos soldados de Júlio César; no que chamaram de Mob-foot-ball, (futebol das multidões): uma bola de 500 jogadores de cada lado, – valendo tudo.
Os jogos mais famosos da “era da pelada” eram de Kingston, cujo povo emprestava ao Mob-foot-ball, uma significação cívica.
O Mob-foot-ball era violentíssimo, bárbaro. Quinhentos jogadores de cada lado saíam a correr atrás da bola, destruindo-se fisicamente, a ver qual banda chegaria a determinado ponto da cidade em primeiro lugar, de posse da bola. Na disputa da maratona, a avalancha humana derrubava muros, quebrava vidros da janelas, destruía jardins e quintais.
O jogo começava por volta do meio-dia e terminava na noitinha, passando a multidão por dentro dos rios e pontes, até chegar a meta convencionada que geralmente ficava alguns quilômetros do ponto de partida.
No ano de 1310, um jogador de Thames Street Club morreu afogado ao saltar do parapeito de uma ponte para apanhar a bola.
No futebol “pelada” dos habitantes da Cidade de Kingston, não havia apostas, era proibido empenho de dinheiro a esse título. Mas as classes pobres jogavam por dinheiro e cerveja oferecidos pelos torcedores em subscrição. Aí está uma referência que localiza no tempo e no espaço as origens do profissionalismo do futebol.
Já no século XIV, remunerava-se o jogador de futebol.
O futebol na Inglaterra sofreu durante séculos a perseguição dos puritanos, que se opunham energicamente a qualquer atividade esportiva.
O primeiro torcedor ilustre do futebol na Inglaterra saiu publicada no Dailly News, em 1846, e contava um jogo entre Thames-Street Club e Townsend “Foi uma disputa furiosa, diz o jornal – principalmente quando a bola caia dentro do rio e os jogadores eram carregados pela corrente e atirados contra os arcos da ponte”. As primeiras regras oficiais do jogo surgiram em 1862, na Universidade de Cambridge, e dizia em seus vários artigos:
“Art. 3o. – os ponta-pés só devem ser dirigidos à bola;
Art. 4o – O jogador não deve chutar a bola quando esta achar-se no ar;
Art. 13o – Pode ser dado o ponta-pé de frente na canela do adversário, quando ele corre com a bola.
Art 15o – O jogador correndo com a bola, pode ser agarrado pelo pescoço ou pelas espáduas,
A 24 de novembro de 1863, vinte e nove dias depois da Fundação de Foot-Ball Assotiation, surgiu o primeiro código do futebol associação, o futebol moderno.
O novo código determinou a cisão entre futebol e rugby.
A esta altura, pode-se dizer, estava civilizado o futebol, em relação aos estágios bárbaros do Mob-foot-ball.
Com a nova roupagem, o futebol chegou em 1872 ao Havre, de onde se espalhou por todo o continente europeu.
O primeiro clube sul-americano foi Buenos Aires Futebol Clube, fundado em 1867 por via dos ingleses.
A introdução do futebol no Brasil, data de 1894 com a chegado do inglês Charles Muller a São Paulo, e o primeiro jogo foi realizado em 1896, entre o São Paulo Atlético Clube e um time dos empregados da São Paulo Railways.
Vale a pena registrar que investigações indicam ter o futebol chagado ao Brazil, trazido por jesuítas, sendo difundido através do colégio Anchieta de Petrópolis, por volta de 1885, isto é, nove anos antes de Charles Muller desembarcar em São Paulo, trazendo na mala, duas bolas de futebol.
TÍTULOS
1947 – Taça Recordação, Samir Dau
1949 – Taça Disciplina – Hamilton Rocha
1950 – CAMPEÃO INVICTO DO ANO SANTO
1950 – Taça LAF – Campeão
1950 – Taça E. T. C. Machado de Assis
1950 – Taça A Tendinha
1952 – CAMPEÃO DE ARAGUARI
1952 – Taça LAF
1952 – CAMPEÃO DO TRIÂNGULO
1952 – Taça Geraldo Starling
1952 – Troféu Casa Neftali Vieira
1953 – BI-CAMPEÃO DE ARAGUARI
1953 – Taça LAF
1953 – BI-CAMPEÃO DO TRIÂNGULO
1953 – Taça LAF
1954 – TRI-CAMPEÃO DE ARAGUARI
1954 – Taça LAF
1954 – TRI-CAMPEÃO DO TRIÂNGULO
1954 – Taça Dr. Ademar de Barros
1955 – TETRA-CAMPEÃO DE ARAGUARI
1955 – Taça LAF
1956 – TORNEIO INICIO DA LAF
1956 – Taça LAF
1956 – PENTA CAMPEÃO DA CIDADE
1956 – Troféu LAF
1956 – Taça Aniversário da Rádio Cacique
1957 – TORNEIO INICIO DA LAF
1957 – Taça LAF
1957 – Taça Cinqüentenário de Anápolis
1957 – Taça Mavignier Araújo
1957 – Taça 69 anos da Cidade de Araguari
1957 – Taça Dr. João Nascimento Godoy
1958 – Taça 1o Prada dos Esportes, Paulo Nogueira
1958 – Troféu Amizade
1958 – Taça Afrânio Rodrigues da Cunha
1958 – Taça Confecções Guari (iluminação)
1958 – Taça Colônio Sírio Libanesa
1958 – Taça Artilheiro
1958 – Taça Geraldo Gomes (juvenil)
1958 – Troféu Rádio Cacique, Veloso Junior
1958 – Taça PFJ-3 – Futebol Feminino
1958 – Taça Sérgio Kehdy (juveni)
1958 – Taça Indústrias Trineiro
1959 – OTORNEIO INICIO LAF
1959 – Taça LAF
1959 – Taça 2a Parada dos Esportes da PRJ-3
1959 – Taça 3a Parada dos Esportes da PRJ-3
1959 – Taça Vemasa (Torneio Fiori Gigliotti)
1959 – Taça dos Invictos – Tipografia São José
|
CURIOSIDADES TETRA-CAMPEÃS
Primeiro Jogo de camisa doado na fundação do Clube por Hermano Lemos
Primeiro Estádio com alambrado em Araguari
Primeiro Clube a lançar o discutido futebol feminino.
Primeiro clube de Araguari a excursionar pela Real Aerovias
Primeiro e único campeão juvenil da cidade.
Iniciador e lançador no Brasil, do Bolo Esportivo
Primeiro clube araguarino a cede craques para o futebol paulista
Primeiro clube araguarino a ganhar cinco campeonatos seguidos
Primeiro clube araguarino a sagra-se tri-campeão do Triângulo Mineiro
|
|
 FONTES: Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari 
 

A Liga Araguarina de Futebol (LAF) é uma entidade desportiva da cidade de Araguari (MG). Fundado no dia 07 de Novembro de 1943, tem a sua Sede constituída na Rua da Glória, 443, no Centro de Araguari. Dentre as três fotos pinceladas pelo amigo e membro Vitor Dias, uma de 1948 e outra de 1956.

Contudo, a terceira foto, de 1955, naturalmente, se destaca, uma vez que aparece a Marta Rocha. Em 1954, ela venceu o concurso Miss Bahia, aos 18 anos. Logo depois se tornou Miss Brasil. Em julho de 1954, chegou aos Estados Unidos e pesquisas já a consideravam eleita a Miss Universo.

Martha ficou em 2º lugar e diz a lenda que a perda do título de Miss Universo para a americana Miriam Stevenson se deveu a duas polegadas a mais nos quadris. O segundo lugar deu a Miss a fama absoluta. Depois do concurso, Martha Rocha tornou-se referência nacional de beleza.

 

FONTES: Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari 

 

O Operário Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Araguari (MG). O Operário de Araguari foi Fundado no dia 1º de Maio de 1918, tem a sua Sede e o Estádio Benedito Lopes Pimenta, localizados na Rua Floriano Peixoto, 820, em Araguari. Além de ter participado de diversos Campeonatos Citadinos, o Operário de Araguari também participou de três edições do Campeonato do Triângulo Mineiro: 1951, 1953 e 1955.

 


FONTES:  Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari - Gol Aberto – Página do clube no Facebook  

 

Modelo de 1949

O Escola de Comércio Social Clube foi uma agremiação da Cidade de Araguari (MG). O clube foi Fundado na Rua Marciano Santos, nº 387, no Centro da cidade, às 20 horas, de uma noite esperançosa, em 16 de Novembro de 1944, por um grupo de estudantes, sob o incentivo formidável de prof. Moacyr Fantini.

Honra ao mérito dá-se-á seus fundadores: Dr. José Daher, João P. Barbosa, Vereadora Marilda Helena Vasconcelos, Walter Carvalho, Prof. Alcides Borges Marra, Natércio Morais, Waquim Gebrim, Willy Falcomer, Jorge Paulino, Jair Batista Ferreira e José Ferreira da Silva, com o direito de beneméritos do desporto brejo-alegrense, na formação desta força viva de tradição e de glória, sempre agigantando-se na vida esportiva, cultural, recreativa e social desta querida terra.

Modelo de 1948

E daquela singela idéia aliaram-se os incansáveis treta campeões dos dias presentes, construindo uma agremiação forte, coesa e respeitável, numa demonstração soberba de quanto vale a abnegação dos homens. Em 14 de julho de 1950, marcou a troca da denominação do Escola de Comércio Social Clube, que passou a chamar-se Araguari Atlético Clube.

TÍTULOS

1947 – Taça Recordação, Samir Dau

1949 – Taça Disciplina – Hamilton Rocha

1950 – CAMPEÃO INVICTO DO ANO SANTO

1950 – Taça LAF – Campeão

1950 – Taça E. T. C. Machado de Assis

1950 – Taça A Tendinha

FONTES:  Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari

 

Prezados,

Estou baixando e montando uma nuvem online de jornais digitalizados para ficar à disposição dos membros do blog. Os jornais que já estão na nuvem podem ser acessados e baixados neste link. Como o armazenamento será pago a partir de fevereiro de 2016 (a nuvem está no período grátis de 3 meses), quando essa data chegar irei pedir ajuda aos membros do blog que puderem colaborar comigo no pagamento da anuidade.

Se alguém quiser que eu baixe e disponibilize na nuvem algum acervo digitalizado, basta citá-lo nos comentários que irei fazer o possível para disponibilizá-lo.

Façam bom proveito do acervo!

Abraços,
Vítor Dias

 

SPORT JUIZ DE FORA 2×1 INTERNACIONAL-RS
Data: 30 de agosto de 1953, 15:15
Local: Estádio José Procópio Teixeira Filho (Campo do Sport)
Renda: Cr$ 41.370,00
Preliminar: Sport JF 1×0 Glória (Campeonato Juizforano de Aspirantes)
Árbitro: Adelino Ribeiro de Jesus
Gols: Pirilo (2), Bodinho
SPORT: Tonico; Márcio, Luiz Gonzaga; Gabriel, Ary, Pedro; Rubem (Ary II), Amarílio, Pirilo, Douglas, Haroldo. Técnico: tenente Heribaldo Lira.
INTERNACIONAL: Milton; Florindo, Oreco; Paulinho, Salvador, Odorico; Luizinho, Salis, Bodinho, Jerônimo (Albery), Fernando (Canhotinho). Técnico: Teté.

Fonte: Folha Mineira (acervo digital da Biblioteca Nacional)

 

Participantes (todos de Juiz de Fora):

  1. Sport Club Juiz de Fora
  2. Tupi Football Club
  3. Tupynambás Futebol Clube
  4. Volante Futebol Clube

Regulamento: turno e returno em pontos corridos.

TABELA

Data Mandante Placar Visitante Estádio
24/08/1952 Tupynambás 0×3 Tupi Dr. José Paiz Soares
31/08/1952 Sport 8×2 Volante José Procópio Teixeira Filho
07/09/1952 Tupi 2×1 Volante Salles de Oliveira
14/09/1952 Tupynambás 2×2 Sport Dr. José Paiz Soares
12/10/1952 Volante 0×0 Tupynambás Dr. José Paiz Soares
19/10/1952 Sport 0×2 Tupi José Procópio Teixeira Filho
26/10/1952 Tupi 2×3 Tupynambás Salles de Oliveira
06/11/1952 Volante 2×6 Sport Dr. José Paiz Soares
09/11/1952 Volante 0×6 Tupi Dr. José Paiz Soares
16/11/1952 Sport 0×2 Tupynambás José Procópio Teixeira Filho
23/11/1952 Tupynambás 2×1 Volante Dr. José Paiz Soares
30/11/1952 Tupi 3×1 Sport Salles de Oliveira

CLASSIFICAÇÃO

Pos Time Pts J V E D GP GC SG
1 Tupi 10 6 5 0 1 18 5 13
2 Tupynambás 8 6 3 2 1 9 8 1
3 Sport 5 6 2 1 3 17 13 4
4 Volante 1 6 0 1 5 6 24 -18

Com estes resultados, o Tupi Football Club sagrou-se Campeão Juizforano de 1952.

Fonte: Folha Mineira (acervo digital da Biblioteca Nacional)

 

O Torneio Municipal de Juiz de Fora, em 1952, foi um torneio oficial que preencheu o calendário da Liga de Desportos de Juiz de Fora entre o Torneio Início e o Campeonato da Cidade. Assim como os torneios municipais do Rio de Janeiro, foi disputado em turno único.

Participantes (todos de Juiz de Fora):

  1. Associação Atlética Volante
  2. Sport Club Juiz de Fora
  3. Tupi Football Club
  4. Tupynambás Futebol Clube

Regulamento: turno único com partidas em campo neutro.

Tabela:

Data Mandante Placar Visitante Estádio Cidade
30/03/1952 Tupynambás 1×1 Sport Salles de Oliveira Juiz de Fora
13/04/1952 Tupi 3×2 Volante José Procópio Teixeira Filho Juiz de Fora
20/04/1952 Sport 2×2 Tupi Doutor José Paiz Soares Juiz de Fora
11/05/1952 Volante 2×3 Tupynambás Salles de Oliveira Juiz de Fora
18/05/1952 Tupi 1×1 Tupynambás José Procópio Teixeira Filho Juiz de Fora
22/06/1952 Sport 1×1 Volante Doutor José Paiz Soares Juiz de Fora

 

Classificação:

Pos Equipe PP PG J V E D GP GC SG
1 Tupi 2 4 3 1 2 0 6 5 1
2 Tupynambás 2 4 3 1 2 0 5 4 1
3 Sport 3 3 3 0 3 0 4 4 0
4 Volante 5 1 3 0 1 2 5 7 -2

Tupi e Tupynambás disputaram um desempate para se averiguar o campeão.

TUPYNAMBÁS 0×0 TUPI (1×0 pro.)
Domingo, 29/6/1952
Estádio José Procópio Teixeira Filho (Sport)
Renda: Cr$ 13.857,00
Gol: Zu 135′ (2ª prorrogação)
TUPYNAMBÁS: Pavio; Timbinha, Canhoto; Valdinê, Demeure, Adair; Maneco, Valdinho, Tuzinho (Zu), Sinhô, Canhotinho. Técnico: tenente Heribaldo.
TUPI: Barbosa; Jorginho, Domício; Belozi, Paulinho (P. Garcia), Zé do Correio; Cotoco, Isaías, Vistrinho, Dario, Garbero (Toledinho). Técnico: capitão Roxânio do Prado.

Com estes resultados, o TUPYNAMBÁS sagrou-se Campeão do Torneio Municipal de Juiz de Fora 1952.

Fonte: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, jornal Folha Mineira.

 

O Santos Futebol Clube, de João Pessoa, foi fundado em 9/11/1949 e em 1954 disputou pela primeira vez o Campeonato Paraibano, na época chamado de “Misto”, por ter times profissionais e semiprofissionais. Ao longo de cinco décadas, o clube estabeleceu um recorde: participou ininterruptamente de 39 edições do Campeonato Paraibano, aproveitando-se de crises políticas e financeiras que acometeram os quatro grandes campeões do Estado ainda na ativa – Botafogo, Campinense, Treze e Auto Esporte -, que deixaram de jogar um ou outro campeonato.

O recorde do Santos de Tereré só foi batido por um desses quatro em 2013, quando o Botafogo alcançou a marca de 40 edições consecutivas jogando o campeonato.

Ao longo dos tempos, o Santos quase sempre foi figurante no campeonato, fazendo-se presente na parte de baixo da tabela, na companhia de times como Nacional de Cabedelo e Santa Cruz de Santa Rita. Contudo, ano sim ano também o Santos estava lá.

A partir dos anos 2000, o clube preferiu manter apenas categorias de base e abandonou o futebol profissional. O campo que o clube possui hoje situa-se no bairro Ernesto Geisel, em João Pessoa, podendo ser visto aqui, no Google Street View.

Recentemente, o clube foi lembrado em uma crônica no site Esporte São José do Sabugi pelo colunista Francisco Serpa, cuja reprodução autorizada segue abaixo:

Crônicas do Serpa: O Santos de Tereré

O mundo possuía o Santos de Pelé e companhia, um time que ganhava todos os campeonatos que disputava, aqui e em alhures; João Pessoa desfrutava do Santos de Tereré, um time que não ganhava campeonatos mas jogava com bastante raça e formava e ainda forma jovens para a vida.

Três desportistas sonhadores, Jonatas Figueiredo de Souza, Renato Queiroz Fernandes e José Walter Marinho Marsicano, no dia nove de setembro de 1949, sentados em uma Praça localizada na Rua Odon Bezerra, Tambiá, em frente ao atual prédio da Federação Paraibana de Futebol fundaram o Santos Futebol Clube de João Pessoa. Não resta dúvida que a escolha do nome foi uma singela homenagem ao time paulista.

Por muitos anos o Santos Futebol Clube disputou a primeira divisão do campeonato paraibano de futebol com equipes modestas, utilizando jogadores jovens e prata da casa. Era um misto de juvenil com amador com garra e vontade competindo com os profissionais. Onde faltava recursos e meios, sobrava improvisação e disposição.

O seu eterno presidente José Walter Marsicano, que era conhecido por Tereré, dedicou-se tanto ao clube que o seu apelido foi incorporado pelo time, quando passou a ser carinhosamente denominado pelo torcedor e pela imprensa como o “Santos de Tereré”. Ele presidiu a agremiação por mais de trinta anos e nutriu no seio de sua família o amor pela agremiação, deixando o seu filho Leonardo Menezes Marsicano e o neto Leonardo Filho comandando a agremiação e não deixando o sonho acabar.

Vários jovens foram revelados nos quadros da base do Santos Futebol Clube e que posteriormente vestiram a camisa de times considerados grandes no estado e em centros maiores. Quem não se lembra do atacante “Zito Camburão”, do ponta esquerda “Vandinho”, do goleiro “Ademar”, do centroavante “Ary”, de “Marcos do Boi “ e tantos outros que a memória não recorda?

Em 1998 a agremiação resolveu suspender as suas atividades do departamento de futebol profissional, e dedicar-se exclusivamente as categorias de base que funcionam no seu centro de treinamento localizado no Bairro do Geisel, disputando anualmente todas as competições oficiais: desde fraudinha aos juniores.

Entre os títulos conquistados no futebol pelo Santos Futebol Clube, dois são bastante lembrados por seus dirigentes, o primeiro foi o título invicto do campeonato amador, quando seu treinador era o comentarista esportivo Ivan Bezerra Cavalcante, o segundo foi a conquista da segunda divisão do campeonato paraibano.

Como não poderia deixar de ser o Santos enfrentou várias crises durante a sua existência, em uma delas o time foi derrotado por 10 x 0 pelo Treze Futebol Clube, em Campina Grande. Nesse dia ninguém se entendeu, nem dentro nem fora de campo, e a discussão foi tão grande que no retorno esqueceram de trazer o material de jogo, que ficou na Rainha da Borborema.

Mesmo reconhecendo as dificuldades e a falta de políticas públicas destinadas aos clubes de futebol, em particular, aos pequenos, o sonho dos herdeiros de Walter Marinho Marsicano, o “Tereré”, é reativar o departamento de futebol profissional do Santos e voltar a disputar a primeira divisão, como nos bons e saudosos tempos.

Francisco Di Lorenzo Serpa
Membro da API, UBE e APP
falserpa@oi.com.br

O post original pode ser acessado aqui. Vale a pena visitar as outras colunas do Serpa, com várias histórias do futebol da Paraíba.

Assim como o caso do Floresta de Rio Branco/AC, o Santos de Tereré é mais um caso de clube que se confundiu com seu quase eterno mantenedor, e certamente há milhares de casos parecidos Brasil afora.

 

Prezados,

Aproveitando o gancho dos posts do Edu Cacella, informo que finalmente consegui tratar um arquivo que alguns aqui devem conhecer, que é o clubes_uf.pdf, um arquivo que estava disponível no site da CBF há alguns anos, mas foi retirado. Por anos, tentei tratá-lo e convertê-lo em texto.

Só hoje consegui um site para tratar esse arquivo. Assim, deixo-o aqui à disposição dos colegas para consulta.

Infelizmente, as informações são demasiado básicas: há apenas o nome completo do clube e seu código na CBF com a respectiva UF. Assim, não conseguimos saber exatamente de que cidade cada clube é, sobretudo nos casos de duplicidade de nomes. Ainda assim, acredito que esses arquivos poderão ser úteis.

Seguem os links:

clubes_uf.pdf

clubes_UF

Abraços a todos!

 

O Guarany Esporte Clube Recreativo é uma agremiação da Cidade de João Pessoa (PB). Fundado no dia 15 de Agosto de 1957, a sua Sede fica localizada na Rua Dezenove de Março, 165, no bairro do Roger, em João Pessoa.

Além da sua sede social, o Guarany possui um belo Ginásio, onde ocorre, entre outras coisas, partidas do Campeonato Paraibano de Futsal.  O clube desenvolve diversos trabalhos sociais como a capoeira, futsal, judô, entre outros.

Na esfera do futebol, o Guarany do Roger disputou e se sagrou campeão do Torneio Início Misto da 1ª Divisão Paraibano de 1968. Vendendo o Íbis (2 a 0); o Auto Esporte (1 a 1, e vitória nos pênaltis) e  Vera Cruz (2 a 0).

 

FONTES: Google Maps – Rsssf Brasil

 

O Sport Club Foot-Ball foi uma agremiação da cidade de Belo Horizonte (MG). Victor Serpa era um diplomata nato. Afinal, além de ter incentivado a prática do futebol em BH, conquistou boas relações, congregou acadêmicos, funcionários e comerciantes, todos pertencentes à elite da cidade, para a criação do Alvinegro foi Fundado no domingo, do dia 10 de Julho de 1904. A sua Sede na Rua dos Caetés, s/n; enquanto o seu campo ficava localizado na Praça Rui Barbosa (hoje mais conhecido como Praça da Estação), ambos no Centro de BH. A equipe treinava no Parque Municipal.

PRIMEIRA DIRETORIA

Após a sua fundação foi eleita sua 1ª Diretoria, constituída da seguinte forma:

Presidente - Oscar Americano;

Vice-presidente - Augusto Pereira Serpa;

Tesoureiro - José Gonçalves;

Secretário - Avelino de Souza Reis;

Capitão - Victor Serpa.

 

PRIMEIRA FORMAÇÃO DO SPORT CLUB DE 1904 (Foto Abaixo):

ESTATUTO

O Jornal Minas Gerais (quarta-feira, do dia 13/07/1904), noticiava que a diretoria do Sport Club Foot-Ball iniciaria os treinos nos dias 14 e 17 de julho no campo. No dia 23/08/1904 foram aprovados os estatutos do clube que tiveram que ser visados pelo então chefe de polícia, Cristiano Brasil.

O estatuto do clube na íntegra era o seguinte:

Por esse estatuto, podiam participar do clube ‘pessoas dignas’, nas categorias de sócios efetivos, moradores da capital; correspondentes, residentes fora da capital; e beneméritos. O valor estipulado para o pagamento adiantado da jóia para o ingresso no clube, de 10$000, e o da mensalidade, de 5$000“.

Estes valores para a época eram altos o bastante para selecionar criteriosamente seus participantes. Esses valores eram iguais aos cobrado pelo Fluminense, do Rio de Janeiro, que se afirmava como um clube da elite, formado por “rapazes da melhor sociedade, quase todos educados em colégios da Inglaterra“.

O clube possuía diversas modalidades esportivas, entretanto o futebol era o seu ‘carro-chefe’. A associação do Sport Club tinha como fim especial “fazer propaganda de todos os jogos e exercícios atlheticos tais como: foot-ball (principalmente), pedestrianismo, criket, lawns-tennis, esgrima, etc, etc”.

1º JOGO

A estréia nos gramados aconteceu  no domingo, do dia 02 outubro de 1904, com dois times do mesmo clube: o de Vitcor Serpa e o do presidente da associação, Oscar Americano. Venceu o time de Serpa, por 2 a 1. Até o presente momento não se sabe exatamente quem marcou o primeiro gol, mas os dois gols do time do Victor foram marcados por José Mariano de Sales e Victor Serpa e para os vencidos pelo Joaquim Brasil.

PRIMEIRA LIGA DE FUTEBOL 

Ainda em 1904, outro dois clubes foram fundados, O Plínio Foot-Ball Club e o Athletico-BH (esse não é o atual Atlético-MG), então criou-se uma liga de futebol entre os três clubes e começaram a disputar um campeonato. O Sport Clube se inscreveu com dois times: o Vespúcio e o Colombo.

O Atlético também se inscreveu com dois times: o Atlético e o Mineiro. O Plínio entrou no campeonato com apenas um time. Esse campeonato não terminou, devido ao período chuvoso em Belo Horizonte, pois as fortes chuvas de novembro estragaram os campos.

Além disso os jogadores, em sua maioria estudantes, entraram em férias escolares e retornaram para suas cidades de origem, já que boa parte deles vinha para Belo Horizonte apenas para estudar, mas Abílio Barreto, em seus manuscritos, afirma que o Vespúcio venceu o campeonato, portanto o Sport Club foi o 1º clube de futebol da cidade de Belo Horizonte.

FUSÃO

Victor Serpa retornou ao Rio, aonde veio a falecer de gripe em 1905. No mesmo Ano, o Sport uni-se ao Viserpa, antigo Athletico – Esse nome foi dado em homenagem póstuma A Victor Serpa, criador do Sport e até então presidente do Athletico – decidiram que a nova associação iria chamar Viserpa Sport Club e que as mensalidades seriam reduzidas para 3$000, não pagando jóia os jogadores que já tivessem pertencido a outros clubes.

Achava-se na Casa Colombo uma lista para ser assinada pelos que concordassem com a fusão e também para aqueles que se interessarem por fazer parte da associação. Essa era uma iniciativa para abrir possibilidades de que mais pessoas pudessem participar do seleto clube, que, ao diminuir o valor da mensalidade para 3$000, um valor ainda alto o bastante para selecionar seus participantes, motivaria a entrada de novos adeptos.

PERÍODO DE CRISE

Nos anos posteriores o futebol perde a força na capital mineira, sendo muito desses clubes já encerrando as atividades. Porém o Sport tenta sobreviver, apesar de começar a criar uma certa tradição no futebol da capital mineira, aos poucos a população de Belo Horizonte foi perdendo aquele gosto por esse esporte como apresentado antes e vários clubes foram encerrando suas atividades.

DERROTAS PARA O GALO GERA A EXTINÇÃO

No dia 12 de setembro de 1909, durante a exposição agropecuária em Belo Horizonte, no Prado Mineiro, Sport e Villa Nova-MG se duelaram e o placar foi favorável ao Villa por 3 a 1. Essa foi a primeira e a única partida entre essas duas agremiações.

No dia 21/09/1909, já dominando o cenário esportivo municipal, o Sport marca um jogo amistoso contra um grupo de garotos que há cerca de um ano atrás haviam fundado o Atlético-MG. Surpreendido pela turma de garotos o Sport perde o jogo por 3 a 0.

Inconformado com a derrota a equipe do Sport pede revanche, mas novamente perdeu, dessa vez por 2 a 0. Mais uma vez a até então tradicional equipe de Belo Horizonte marca um terceiro jogo contra os jovens jogadores atleticanos e dessa vez a derrota foi mais vexatória – 4 a 0 para o Atlético – e com isso seus então jogadores decidem encerrar as atividades da equipe.

CURIOSIDADE

No dia 07 de Setembro de 1910, alguns atletas do extinto Sport junta-se a atletas do Morro Velho e o Villa Nova-MG, ambos de Nova Lima e realizam a primeira partida interestadual de Belo Horizonte. Essa equipe formada foi denominada de Combinado Mineiro, o adversário desse combinado foi o Riachuelo, equipe do Rio de Janeiro. O placar final foi de 7 a 1 para o Riachuelo.

TÍTULO

Primeiro Campeonato de Belo Horizonte – 1904 (Segundo Abílio Barreto) Como ocorreu as férias escolares e a maioria dos alunos vieram de outras cidades para estudar, então foi impossível terminar o campeonato, porém como o Sport inscreveu-se com dois times: o Vespúcio e o Colombo. Abílio Barreto, em seus manuscritos, afirma que o Vespúcio venceu o campeonato, portanto o campeão pertencia ao Sport Club.

O SPORT CLUB PODE VOLTAR A ATIVA

Há um projeto de reativação da equipe, criado em 2012, mas isso depende do apoio financeiro de empresários interessados com esse projeto. Após 101 anos da última partida, surge a esperança de ver a equipe que trouxe o futebol para Belo Horizonte novamente em campo, quadras, etc.

 

FONTES & FOTOS:

Dados sobre o Sport Club. Visitado em 06 de Fevereiro de 2013.

Ir para cima ↑ Os três Primeiros gols do Sport Club. Visitado em 01 de Maio de 2013, página 2.

Ir para cima ↑ Declínio do futebol em Belo Horizonte – Página 6. Visitado em 26 de Maio de 2013.

Ir para cima ↑ Sport Club x Villa Nova. Visitado em 26 de Maio de 2013.

Ir para cima ↑ Primeira partida interestadual de Belo Horizonte. Visitado em 25 de Maio de 2013.

http://gefut.files.wordpress.com/2010/08/dissertao-gino-final.pdf

http://atletico.com.br/site/cam/historia

http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/VCSA-6XTGT2/1/tese_marilita_vers_o_final.pdf páginas 155,156

http://sportclubmg.webnode.com/

http://www.abacaxiatomico.com.br/esporteesportivo/fec/29.htm

http://www.sumarios.org/sites/default/files/pdfs/ilovepdf.com_split_9_8.pdf

Jornal Minas Gerais

Museu Histórico Barreto

 

O Fluminense Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Belo Horizonte (MG). O Tricolor de Lagoinha foi Fundado na segunda-feira, do dia 06 de Novembro de 1922. A sua Sede ficava localizada no Bairro de Lagoinha, na região noroeste de Belo Horizonte. No Estatuto do Fluzão constavam algumas curiosidades como as opções para quem desejasse se tornar sócio.

A pessoa deveria, no mínimo 14 anos, e a ‘joia’ (entrada) de Cr$ 30,00 (trinta cruzeiros) e a mensalidade de Cr$ 10,00 (dez cruzeiros) ou optar em ser um ‘Sócio Remido’. Para isso deveria desembolsar a bagatela de Cr$ 1.000,00 (um mil cruzeiros). Na elite do futebol Mineiro, o Fluminense participou de três edições: 1926, 1931 e 1932.

Em agosto de 1926, o Palestra se desligou da Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT) e formou, com outros clubes suspensos, a Associação Mineira de Esportes Terrestres (AMET). No mesmo ano foi realizado o campeonato, com oito clubes, entre eles o Fluminense FC, foi organizado a partir de setembro. A escassez de jornais do período tornou praticamente impossível o levantamento de resultados.

BICAMPEÃO DA SEGUNDONA

Em 1927, com a pacificação, o Tricolor de Lagoinha retornou à LMDT e disputou o Campeonato Mineiro da 2ª Divisão, terminando na 5ª colocação. No ano seguinte (1928), o Fluzão teve uma campanha melhor e terminou em 3º lugar. Enfim, em 1929, o Fluminense alcançou o ápice, conquistando o seu primeiro título: campeão do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão. No entanto, o que restou foi só a taça, uma vez que a conquista não rendeu o acesso para a elite mineira.

Em 1930, o Tricolor de Lagoinha mostrou que o título não foi um mero acaso, conquistando o Bicampeonato.  Mas para subir ainda precisa disputar um playoff, melhor de três, com o Palmeiras, lanterna da série A. No primeiro jogo, no dia 07 de dezembro de 1930, o Fluminense goleou o Palmeiras por 6 a 1, gols de Vavá, Curiol (quatro vezes) e Zezé; com Saul marcando o de honra para a equipe palmeirense.

Na segunda partida, no dia 14 de dezembro, num jogão de oito gols, Palmeiras e Fluminense empataram em 4 a 4. Gols de Alcides (dois), Liberato e Lucrécio para o time palmeirense; enquanto Curiol e Vavá marcaram duas vezes cada um para o Fluzão.

No terceiro e último jogo, no dia 21 de dezembro, o Fluminense vencia o Palmeiras por 1 a 0, até os 30 minutos da etapa final, quando o árbitro marcou um pênalti a favor do Tricolor de Lagoinha. Inconformados, os palmeirenses abandonaram o campo e o Flu foi confirmado o vencedor, garantindo o acesso para a elite mineira.

 

TERCEIRO LUGAR NA PRIMEIRONA

Em 1931, com as desistências de América, Villa Nova e Sete de Setembro, o Fluminense mostrou bom futebol, e terminou na 3ª colocação, atrás somente de Atlético e do campeão Palestra. Em 1932, esteve entre os clubes fiéis à mentora original e jogou o campeonato da LMDT, ficando em 6º lugar com 13 pontos, em oito jogos (quatro vitórias, cinco empates e cinco derrotas; marcando 34 gols, sofrendo 30 e um saldo de quatro).

Depois dessas duas temporadas na 1ª Divisão Mineira, o Fluminense optou em retornar ao amadorismo. Coincidência ou não, em 1933, foi implantado o futebol profissional e muitos clubes na época eram resistentes a esse modelo. Possivelmente foi o caso do Tricolor de Lagoinha. O clube existiu durante um tempo até paralisar suas atividades. Acabou retornando em 1948, mas sem nenhum destaque desapareceu em definitivo sem deixar rastro.

 

FONTES: Rsssf Brasil – Wikipédia – Estatuto do Clube – Folha Esportiva

 

Outro distintivo encontrado em 1930, foi o Clube Atlético Mineiro da cidade de Belo Horizonte (MG). Fundado em 25 de março de 1908 por um grupo de estudantes, tem como suas cores tradicionais o preto e o branco. Seu símbolo e alcunha mais popular é o Galo, mascote oficial no final da década de 1930.

FONTES: Site do Atlético Mineiro – Wikipédia - Folha Esportiva

 

 

A Società Sportiva Palestra Itália (atual Cruzeiro Esporte Clube) foi uma agremiação da cidade de Belo Horizonte (MG). O clube ítalo-brasileiro foi no domingo, do Fundado no dia 02 de Janeiro de 1921. O nome e as cores (verde, branca e vermelha) foi uma homenagem da colônia italiana a “Terra da Bota“.

Com esta nomenclatura o Palestra disputou a elite do futebol mineiro em 21 oportunidades: 1921, 1922, 1923, 1924, 1925, 1926, 1927, 1929, 1930, 1931, 1932, 1933, 1934, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1940, 1941 e 1942.

Ao longo de pouco mais de duas décadas, o Palestra Itália conquistou Cinco vice-campeonatos (1922, 1924, 1931, 1932 e 1934) e Quatro títulos, sendo um legitimo Tri (1928, 1929, 1930 e 1940).

Mudança de nome, em 1942

A Segunda Guerra Mundial fervilhava na década de 40. Quando o Brasil declarou guerra ao Eixo, o governo de Getúlio Vargas proibiu determinou as mudanças de nomes que fizessem menção direta ou indireta à Itália, à Alemanha e ao Japão.

Com essa ordem, o clube mineiro fez uma assembleia, que contou com a presença dos seus sócios e dirigentes, no dia 7 de outubro de 1942, e ficou definido que o clube deixava de ser Società Sportiva Palestra Itália, passando a se chamar Cruzeiro Esporte Clube.

Além da alteração, o clube mineiro escolheu o novo nome como uma ‘homenagem’ ao símbolo maior da pátria, a constelação do Cruzeiro do Sul, como uma forma de demonstrar patriotismo e, consequentemente, evitar qualquer tipo de perseguição do governo federal.

A ideia do novo nome foi uma ideia do ex-presidente do Clube, Oswaldo Pinto Coelho. Vale lembrar que há seis anos (2009), o Cruzeiro usou uma camisa com o escudo do Palestra no lado direito do peito e o distintivo atual do lado esquerdo, em homenagem a história da Raposa.

 

PS: O escudo postado é diferente do conhecido, no que tange as fontes!

 

FONTES E FOTO: Site do Cruzeiro E.C. – Wikipédia – Folha Esportiva - Blog Stadium Varginhense

 

Um escudo encontrado no Folha Esportiva, foi do América Mineiro. Similar ao modelo atual, mas com o tipo da fonte das letras é diferente.

Então, segue o distintivo dos anos 30, da terceira força do futebol Mineiro.

 

Raridade nunca é demais. O distintivo da Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT) a partir de agora não é mais um mistério. O amigo e membro Vitor Dias encontrou essa pérola do futebol de Minas.

Este ano a Federação Mineira de Futebol (FMF) está completando o seu Centenário de existência! E, tudo começou no dia 05 de Março de 1915, quando foi fundada a Liga Mineira de Esportes Atléticos (LMEA). Contudo, não durou muito tempo e a sua nomenclatura foi alterada para Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT).

A primeira sede da entidade foi em um velho prédio, de apenas um pavimento, localizado na Rua dos Guajajaras, 671, no Centro de Belo Horizonte (MG). Teve como 1º presidente o Dr. Célio Carrão de Castro. Naquele mesmo ano, 1915, aconteceu o primeiro Campeonato Mineiro, que ganhou a alcunha de: Campeonato da Cidade, contando com equipes de Belo Horizonte.

 

FONTES: Folha Esportiva – Wikipédia – FMF

 

O Campeonato da Cidade de Belo Horizonte de 1934 foi disputado entre 7 clubes. O campeão fez a final do Campeonato Mineiro contra o campeão de Juiz de Fora.

Participantes:

  1. América Futebol Clube – Belo Horizonte
  2. Clube Atlético Mineiro – Belo Horizonte
  3. Esporte Clube Siderúrgica – Sabará
  4. Retiro Sport Club – Nova Lima
  5. Sete de Setembro Football Club – Belo Horizonte
  6. Sociedade Sportiva Palestra Italia – Belo Horizonte
  7. Villa Nova Atlético Clube – Nova Lima

O Sete de Setembro, por não ter estádio em condições de jogo, mandou seus jogos contra as equipes de BH na casa do adversário, e contra os demais clubes em diversos estádios da capital. Graças a um exemplar da Folha de Minas de outubro de 1934, temos as rendas de cada partida.

Tabela:

Turno Data Mandante Placar Visitante Estádio Renda
1 06/05/1934 Atlético 1×3 Villa Nova Lourdes R$ 6325$000
1 06/05/1934 Retiro 1×2 América Retiro R$ 677$000
1 13/05/1934 Palestra Italia 5×1 Sete de Setembro Barro Preto R$ 1697$000
1 13/05/1934 Siderúrgica 3×2 América Praia do Ó R$ 1766$000
1 13/05/1934 Villa Nova 3×0 Retiro Villa Nova R$ 1278$000
1 20/05/1934 América 2×2 Palestra Italia Alameda R$ 3209$000
1 20/05/1934 Retiro 5×1 Sete de Setembro Retiro R$ 277$000
1 20/05/1934 Siderúrgica 0×3 Atlético Praia do Ó R$ 3509$000
1 27/05/1934 Siderúrgica 7×1 Sete de Setembro Praia do Ó R$ 263$000
1 27/05/1934 Villa Nova 2×2 Palestra Italia Villa Nova R$ 879$000
1 03/06/1934 Palestra Italia 2×2 Atlético Barro Preto R$ 9430$000
1 03/06/1934 Villa Nova 2×1 Siderúrgica Villa Nova R$ 835$000
1 10/06/1934 América 1×2 Atlético Alameda R$ 8485$000
1 10/06/1934 Siderúrgica 4×0 Palestra Italia Praia do Ó R$ 1170$000
1 10/06/1934 Villa Nova 2×0 Sete de Setembro Villa Nova R$ 57$000
1 17/06/1934 Atlético 4×1 Sete de Setembro Lourdes R$ 2970$000
1 17/06/1934 Retiro 3×1 Palestra Italia Retiro R$ 657$000
1 24/06/1934 América 3×3 Villa Nova Alameda R$ 5491$000
1 24/06/1934 Siderúrgica 4×1 Retiro Praia do Ó R$ 600$000
1 29/06/1934 Atlético 0×0 Retiro Lourdes R$ 3243$000
1 01/07/1934 América 2×2 Sete de Setembro Alameda R$ 911$000
2 01/07/1934 Siderúrgica 2×1 Villa Nova Praia do Ó R$ 3250$000
2 08/07/1934 América 1×3 Retiro Alameda R$ 1047$000
2 08/07/1934 Sete de Setembro 2×6 Atlético Lourdes R$ 2437$000
2 22/07/1934 Retiro 0×7 Villa Nova Retiro R$ 3000$000
2 22/07/1934 Sete de Setembro 3×2 Palestra Italia Barro Preto R$ 1267$000
2 29/07/1934 Atlético 2×0 América Lourdes R$ 7077$000
2 29/07/1934 Retiro 2×2 Siderúrgica Retiro R$ 557$000
2 05/08/1934 Palestra Italia 4×2 América Barro Preto R$ 2192$000
2 05/08/1934 Sete de Setembro 1×1 Villa Nova R$ 2139$000
2 12/08/1934 Retiro 1×2 Atlético Retiro R$ 2238$000
2 12/08/1934 Sete de Setembro 2×2 Siderúrgica R$ 1446$000
2 19/08/1934 Palestra Italia 3×2 Retiro Barro Preto R$ 1882$000
2 19/08/1934 Villa Nova 11×0 América Villa Nova R$ 192$000
2 26/08/1934 Atlético 2×0 Palestra Italia Lourdes R$ 10763$000
2 26/08/1934 Sete de Setembro 0×2 Retiro Alameda R$ 28$000
2 02/09/1934 América 1×3 Siderúrgica Alameda R$ 2065$000
2 23/09/1934 Atlético 1×0 Siderúrgica Lourdes R$ 8971$000
2 30/09/1934 Palestra Italia 1×1 Siderúrgica Barro Preto R$ 696$000
2 30/09/1934 Villa Nova 1×0 Atlético Villa Nova R$ 7885$000
2 07/10/1934 Palestra Italia 0×3 Villa Nova Barro Preto R$ 9414$000
2 07/10/1934 Sete de Setembro 2×5 América Alameda R$ 129$000

Classificação:

Pos Equipe PG PP J V E D GP GC SG Aprov.
1 Villa Nova 19 5 12 8 3 1 39 10 29 79,17%
2 Atlético 18 6 12 8 2 2 25 11 14 75,00%
3 Siderúrgica 15 9 12 6 3 3 29 17 12 62,50%
4 Retiro 10 14 12 4 2 6 20 26 -6 41,67%
5 Palestra Italia 10 14 12 3 4 5 22 27 -5 41,67%
6 América 7 17 12 2 3 7 21 38 -17 29,17%
7 Sete de Setembro 5 19 12 1 3 8 16 43 -27 20,83%

Com estes resultados, o Villa Nova sagrou-se campeão de Belo Horizonte em 1934.

Renda do campeonato, por equipe:

Equipe Renda total Renda/jogo
Atlético R$ 39349$000 R$ 6558$167
Palestra Italia R$ 25311$000 R$ 4218$500
América R$ 21208$000 R$ 3534$667
Villa Nova R$ 11126$000 R$ 1854$333
Siderúrgica R$ 10558$000 R$ 1759$667
Sete de Setembro R$ 7446$000 R$ 1241$000
Retiro R$ 7406$000 R$ 1234$333
Total R$ 122404$000 R$ 2914$381
 
Campeonato Acreano 1983 – Torneio Início
Data 01/05/1983 Local Estádio José de Melo
Cidade Rio Branco, AC Público n/d Renda mais de Cr$ 1.000.000,00
Participante Cidade
Amapá Esporte Clube Rio Branco
Andirá Esporte Clube Rio Branco
Associação Desportiva Vasco da Gama Rio Branco
Atlético Acreano Rio Branco
Atlético Clube Juventus Rio Branco
Floresta Esporte Clube Rio Branco
Independência Atlético Clube Rio Branco
Internacional Sport Club Rio Branco
Rio Branco Football Club Rio Branco
São Francisco Futebol Clube Rio Branco
Jogo Equipe 1 Placar Equipe 2 Gols
1 Independência 0×0
(3×4 pen.)
Atlético
2 São Francisco 0×0
(8×9 pen.)
Andirá
3 Vasco da Gama 0×0
(4×5 pen.)
Rio Branco
4 Floresta 0×1 Internacional Erickson 9′
5 Juventus 0×0
(3×5 pen.)
Amapá
6 Atlético 1×0 Andirá Jackson (1T)
7 Rio Branco 0×0
(6×5 pen.)
Internacional
8 Amapá 0×0
(4×2 pen.)
Atlético
9 Rio Branco 0×0
(3×4 pen.)
Amapá

Com estes resultados, o Amapá Esporte Clube sagrou-se tricampeão do Torneio Início do Campeonato Acreano.

Fonte: Diário do Acre – Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

 

Participantes:

  1. Atlético Clube de Três Corações – Três Corações
  2. Ipatinga Futebol Clube – Ipatinga
  3. Ituiutaba Esporte Clube – Ituiutaba
  4. Paraense Esporte Clube – Pará de Minas
  5. Passos Futebol Clube – Passos
  6. Sociedade Esportiva Guaxupé – Guaxupé

O campeonato marcou a volta ao profissionalismo do Ituiutaba Esporte depois de 30 anos – sua última competição profissional da FMF havia sido a Primeira Divisão, atual Segunda Divisão, de 1968. Também marcou a estreia dos recém-fundados Passos e Ipatinga. Curiosamente, tanto Ituiutaba como Ipatinga obtiveram grande sucesso no profissionalismo a nível nacional.

Regulamento:

Primeira fase em turno e returno, todos contra todos. Os quatro primeiros passam ao quadrangular final, também em turno e returno e todos contra todos. Os dois primeiros sobem ao Módulo II 1999.

Primeira fase

Tabela:

Rod Data Mandante Placar Visitante
1 08/08/1998 Ituiutaba 0×0 Ipatinga
1 09/08/1998 Passos 2×0 Atlético-TC
1 09/08/1998 Esportiva Guaxupé 3×0 Paraense
2 16/08/1998 Ipatinga 2×0 Esportiva Guaxupé
2 16/08/1998 Paraense 0×0 Passos
2 16/08/1998 Atlético-TC 3×2 Ituiutaba
3 23/08/1998 Ituiutaba 0×1 Esportiva Guaxupé
3 23/08/1998 Atlético-TC 1×5 Paraense
3 23/08/1998 Passos 0×0 Ipatinga
4 30/08/1998 Ipatinga 5×0 Atlético-TC
4 30/08/1998 Ituiutaba 2×3 Paraense
4 30/08/1998 Esportiva Guaxupé 1×1 Passos
5 06/09/1998 Paraense 1×1 Ipatinga
5 06/09/1998 Passos 3×0 Ituiutaba
5 06/09/1998 Atlético-TC 0×2 Esportiva Guaxupé
6 13/09/1998 Ipatinga 3×0 Ituiutaba
6 13/09/1998 Atlético-TC 2×2 Passos
6 13/09/1998 Paraense 1×1 Esportiva Guaxupé
7 20/09/1998 Esportiva Guaxupé 2×3 Ipatinga
7 20/09/1998 Passos 3×3 Paraense
7 20/09/1998 Ituiutaba 3×0 Atlético-TC
8 27/09/1998 Ipatinga 2×0 Passos
8 27/09/1998 Paraense 3×1 Atlético-TC
8 27/09/1998 Esportiva Guaxupé 2×2 Ituiutaba
9 11/10/1998 Atlético-TC 0×2 Ipatinga
9 11/10/1998 Paraense 3×1 Ituiutaba
9 11/10/1998 Passos 2×1 Esportiva Guaxupé
10 18/10/1998 Ipatinga 2×0 Paraense
10 18/10/1998 Esportiva Guaxupé 5×0 Atlético-TC
10 18/10/1998 Ituiutaba 1×0 Passos

 

Classificação:

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Ipatinga 24 10 7 3 0 20 3 17
2 Paraense 16 10 4 4 2 19 15 4
3 Esportiva Guaxupé 15 10 4 3 3 18 11 7
4 Passos 14 10 3 5 2 13 10 3
5 Ituiutaba 8 10 2 2 6 11 18 -7
6 Atlético-TC 4 10 1 1 8 7 31 -24

 

Quadrangular final

Tabela:

Rod Data Mandante Placar Visitante
1 01/11/1998 Esportiva Guaxupé 0×0 Ipatinga
1 01/11/1998 Passos 3×2 Paraense
2 08/11/1998 Ipatinga 0×1 Passos
2 08/11/1998 Paraense 1×1 Esportiva Guaxupé
3 15/11/1998 Passos 2×0 Esportiva Guaxupé
3 15/11/1998 Ipatinga 1×0 Paraense
4 22/11/1998 Esportiva Guaxupé 1×2 Passos
4 22/11/1998 Paraense 1×2 Ipatinga
5 29/11/1998 Passos 2×1 Ipatinga
5 29/11/1998 Esportiva Guaxupé 2×3 Paraense
6 06/12/1998 Paraense 3×0 Passos
6 06/12/1998 Ipatinga 0×0 Esportiva Guaxupé

 

Classificação:

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Passos 15 6 5 0 1 10 7 3
2 Ipatinga 8 6 2 2 2 4 4 0
3 Paraense 7 6 2 1 3 10 9 1
4 Esportiva Guaxupé 3 6 0 3 3 4 8 -4

Com estes resultados, o Passos Futebol Clube sagrou-se Campeão Mineiro da Segunda Divisão de 1998.

Classificação final:

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Passos 29 16 8 5 3 23 17 6
2 Ipatinga 32 16 9 5 2 24 7 17
3 Paraense 23 16 6 5 5 29 24 5
4 Esportiva Guaxupé 18 16 4 6 6 22 19 3
5 Ituiutaba 8 10 2 2 6 11 18 -7
6 Atlético-TC 4 10 1 1 8 7 31 -24

 

Notas:

  1. Com a incorporação do Sete de Setembro pelo América, aquele deixou de existir. Consequentemente, o Paraense, 3º colocado, foi convidado para o Módulo II 1999.
  2. O Pouso Alegre desistiu do Módulo II 1999 e a Esportiva Guaxupé, 4ª colocada, foi convidada para ocupar seu lugar.
  3. A Paraisense desistiu do Módulo II 1999 e o Atlético de Três Corações, 5º colocado, foi convidado para ocupar seu lugar.
  4. O Paraense desistiu do Módulo II 1999 e o Ituiutaba Esporte, 6º e último colocado, foi convidado para ocupar seu lugar.
  5. O Passos desistiu do Módulo II 1999 e não teve substitutos, uma vez que todos os outros participantes da Segunda Divisão 1998 já haviam sido convidados para o Módulo II.
 

Participantes:

  • América Futebol Clube – Belo Horizonte
  • Clube Esportivo de Futebol – Passos
  • Clube Rio Branco – Andradas
  • Uberaba Sport Club – Uberaba

Tabela:

Rod Data Mandante Placar Visitante
1 19/08/1990 Rio Branco 1×3 América
1 19/08/1990 Uberaba 1×1 Esportivo
2 22/08/1990 Esportivo 0×0 Rio Branco
2 22/08/1990 América 0×0 Uberaba
3 26/08/1990 Esportivo 0×0 América
3 26/08/1990 Rio Branco 2×1 Uberaba
4 02/09/1990 Uberaba 0×0 Rio Branco
4 02/09/1990 América 3×1 Esportivo
5 05/09/1990 Uberaba 1×3 América
5 05/09/1990 Rio Branco 1×1 Esportivo
6 09/09/1990 Esportivo 1×0 Uberaba
6 09/09/1990 América 4×1 Rio Branco

 

Classificação:

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 América 10 6 4 2 0 13 4 9
2 Esportivo 6 6 1 4 1 4 5 -1
3 Rio Branco 5 6 1 3 2 5 9 -4
4 Uberaba 3 6 0 3 3 3 7 -4

 

Com estes resultados, o América e o Esportivo classificaram-se para a Série C 1990.

 

Participantes:

  • Auto Esporte Clube – João Pessoa
  • Campinense Clube – Campina Grande
  • Esporte Clube de Patos – Patos

Tabela:

Rod Data Hora Mandante Placar Visitante Estádio Cidade
1 14/08/1990 21:00 Esporte 1×0 Auto Esporte José Cavalcanti Patos
2 16/08/1990 21:00 Auto Esporte 2×0 Campinense Almeidão João Pessoa
3 21/08/1990 21:00 Esporte 0×2 Campinense José Cavalcanti Patos
4 23/08/1990 21:00 Auto Esporte 2×1 Esporte Almeidão João Pessoa
5 28/08/1990 21:00 Campinense 0×0 Auto Esporte Amigão Campina Grande
6 30/08/1990 21:00 Campinense 3×0 Esporte Amigão Campina Grande

 

Classificação:

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Campinense 5 4 2 1 1 5 2 3
2 Auto Esporte 5 4 2 1 1 4 2 2
3 Esporte 2 4 1 0 3 2 7 -5

 

Com estes resultados, o Campinense Clube classificou-se para a Série C 1990.

 

No Campeonato Mineiro 1980, o campeão e vice, respectivamente Atlético e Cruzeiro, classificaram-se para a Taça de Ouro. Terceiro e quarto colocados, América e Uberaba Sport jogaram a Taça de Prata. Os outros quatro clubes que participaram da fase final do Campeonato Mineiro de 1980 disputaram uma seletiva para apontar o representante do estado na Taça de Bronze 1981.

Os demais participantes daquele Campeonato Mineiro foram jogar o Torneio da Esperança, que apontou quatro participantes para o Campeonato Mineiro 1981.

Participantes:

  • Esporte Clube Democrata – Governador Valadares
  • Guarani Esporte Clube – Divinópolis
  • Sociedade Esportiva Guaxupé – Guaxupé
  • Valeriodoce Esporte Clube – Itabira

Tabela:

Rodada Data Mandante Placar Visitante
1 24/01/1981 Democrata-GV 3×1 Guarani
1 25/01/1981 Esportiva Guaxupé 2×0 Valeriodoce
2 28/01/1981 Democrata-GV 2×2 Valeriodoce
2 28/01/1981 Guarani 1×0 Esportiva Guaxupé
3 01/02/1981 Esportiva Guaxupé 2×2 Democrata-GV
3 01/02/1981 Valeriodoce 1×0 Guarani
4 08/02/1981 Guarani 3×1 Democrata-GV
4 08/02/1981 Valeriodoce 2×1 Esportiva Guaxupé
5 11/02/1981 Esportiva Guaxupé 0×1 Guarani
5 11/02/1981 Valeriodoce 1×0 Democrata-GV
6 14/02/1981 Democrata-GV 2×0 Esportiva Guaxupé
6 15/02/1981 Guarani 3×1 Valeriodoce

 

Classificação:

Pos Equipe Pts J V E D GP GC
1 Guarani 8 6 4 0 2 9 6
2 Valeriodoce 7 6 3 1 2 7 8
3 Democrata-GV 6 6 2 2 2 10 9
4 Esportiva Guaxupé 3 6 1 1 4 5 8

 

Com estes resultados, o Guarani Esporte Clube classificou-se para a Taça de Bronze 1981.

 

Pessoal,

No novo site da Federação Mineira de Futebol, na parte de clubes filiados, constam apenas os times profissionais. Contudo, verificando os códigos de cada time, vi que eram muito altos e comecei a testar códigos mais altos e mais baixos para ver se haviam mais clubes… e haviam! Então, fiz um esquema para baixar as páginas de todos os códigos, de 1 a 15000 e, depois de muito trabalho tratando minimamente os dados, consegui obter dados de milhares de clubes cadastrados no sistema da Federação Mineira.

Mas há um problema: a lista parece também conter dados de clubes e escolas afiliados à Federação Mineira de Futsal. Além disso, a grande maioria dos clubes só tem seu nome na lista e mais dado nenhum, não há sequer a cidade cadastrada! Ainda assim, a lista de clubes com informações é valiosa e pode ser acessada aqui neste link.

Outro cuidado que se deve ter com a lista: muitas datas de fundação parecem estar erradas – já vi erros nas datas de clubes mais antigos como o Athletic, de São João del-Rei, e a Associação Ituiutabana.

Fica aqui meu presente de páscoa para os amigos do blog e demais visitantes.

Feliz Páscoa!

 

Prezados,

Consultando o BID da CBF, reparei que vários clubes têm seus escudos mostrados na consulta de atletas. Pesquisando o endereço de cada imagem, vi que o nome do arquivo do escudo correspondia ao seu código junto à CBF. Dessa forma, montei uma lista com os possíveis endereços contendo os escudos de todos os clubes com cadastro na CBF. Obviamente é uma imensa minoria que tem seus escudos no site, mas desde já consegui extrair muita coisa interessante. O ponto negativo é que a maioria dos escudos está em resolução muito baixa.

Para quem se interessar pelo arquivo, disponibilizo ele através do seguinte link: https://www.dropbox.com/s/vjkig5aomd5bi3s/escudos%20site%20cbf.zip?dl=0

Nele, há todos os escudos que consegui baixar do site, além de uma lista em PDF com os códigos de cada clube junto à CBF. Infelizmente esta lista já está bastante ultrapassada – o arquivo é de meados da década de 2000. Tentei converter essa lista em arquivo do Word/Excel mas não consegui. Além disso, a lista é bem básica: mostra o nome do clube e o seu código, não diz nem de que cidade é a equipe em questão.

O padrão do código, como muitos aqui devem saber, obedece a lógica 00000UF – 5 dígitos para o número e 2 letras para a UF de origem.

Qualquer dúvida é só perguntar nos comentários!

 

A Associação Atlética Portuguesa é uma agremiação da cidade de João Pessoa (PB). A ‘Lusinha Paraibana’ completou recentemente 60 anos (Fundado em 27 de fevereiro de 1955), tem a sua Sede localizada na Avenida Cruz das Armas, em João Pessoa.

O Estádio Leonardo Vinagre da Silveira, popularmente conhecido por ‘Estádio da Graça‘, tem capacidade para 5 mil pessoas (fundado no dia 9 de janeiro de 1944), no bairro Cruz das Armas. Nele, a Portuguesa manda os seus jogos.

Ao longo da sua história a ‘Lusinha Paraibana’ já conquistou 15 títulos, inclusive o inédito de 2008, o I Campeonato Paraibano de Futebol Feminino, sendo o primeiro clube a representar a Paraíba na Copa do Brasil de Futebol Feminino.

Além disso, a Portuguesa já foi campeã infantil, juvenil, juniores e amador, em competições organizadas pela Federação Paraibana de Futebol (FPF), assim como a Segunda Divisão Mista (na verdade a Terceirona) do Paraibano em 1962 e da Primeira Divisão Mista (equivalente a Segundona) em 1964, 1965, 1966, 1967 e 1969.

 

 

 

Reproduzo abaixo notícia do site da Federação Paraibana de Futebol:

Na última sexta-feira, em sua sede social, a Associação Atlética Portuguesa completou 60 anos de fundação, ocasião em que a diretoria, comandada pelo presidente Antonio Carlos de Andrade Medeiros realizou um encontro com fundadores e historiadores lusos como Benedito Honório – primeiro presidente -, Doutor, Temistocles (China), Marizio Coutinho, Ivaldo, Maninho, Mário Dornelas, Paulo Foba, além da presença de outros ilustres como Ivan Bezerra, José Araújo, Mineiro e Martinho Braço de guarda-chuva.

Um coquetel foi servido aos presentes à solenidade. O clube foi fundado em 27 de fevereiro de 1955 e já conquistou 15 títulos, inclusive o inédito de 2008, o I Campeonato Paraibano de Futebol Feminino, sendo o primeiro clube a representar a Paraíba na Copa do Brasil de Futebol Feminino. Entre os destaques da equipe, a jogadora Gleide, tendo como técnico Jorge Cláudio.

A Portuguesa já foi campeã infantil, juvenil, juniores e amador desde a sua fundação. As competições foram promovidas pela Federação Paraibana de Futebol. A Lusa também participou da Segunda Divisão de Profissionais de 1966.

Corrigindo o site da FPF: a Portuguesa participou da Segunda Divisão Mista (terceira divisão) do Paraibano em 1962 e da Primeira Divisão Mista (segunda divisão) em 1964-1965-1966-1967 e 1969.

O escudo da Portuguesa de Cruz das Armas é idêntico ao da Portuguesa carioca. Aqui pode ser vista sua sede, na Av. Cruz das Armas, em João Pessoa. No mesmo bairro localiza-se o Estádio da Graça.

 

O Palmeiras Foot-Ball Club foi uma agremiação da cidade Belo Horizonte (MG).Os ‘Rapazes da Camisa Preta’ foi Fundado no dia 15 de Novembro de 1919, a sua sede ficava localizada no antigo Bairro do Quartel da Polícia Militar (atual bairro Santa Efigênia), em BH. Seu campo de treinamento era em uma das quadras da Rua Grão Pará e sua sede social era na Avenida Brasil n° 339.

Disputou os estaduais (antigos Campeonatos da Cidade) de 1920 pela Série B e em 1921, pelo Torneio Eliminatório da Série A, perdeu o confronto contra o Palestra Itália por 4 a 1 e retornou à Série B de 1922 onde foi o campeão e figurou entre os principais clubes da Série A entre 1923 e 1930, sua última participação, ainda no amadorismo.

No ano de 1922 foi noticiado pelo “Jornal A Noite” mais precisamente no dia 28 de Março, a conquista do Palmeiras do Torneio Inicio da Série B e o Vice Campeão ficando com o Guarany de Belo Horizonte.

O maior feito dos rapazes das camisas pretas foi a conquista do Vice-campeonato mineiro de 1926 pela Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT), ficando à frente do então Decacampeão América, perdendo o título para o Atlético. O Palestra Itália disputou outra liga paralela neste ano.

Títulos: Vice-campeão Mineiro de 1926; Campeão Mineiro Série B e do Torneio INício em 1922.

 

Fontes: Wikipédia -  Coleção Revistas Diversas no site do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte.

 

Em 09/07/1931 foi fundada a Sub Liga do Triângulo Mineiro, com a finalidade de controlar e estimular o desenvolvimento do futebol na região. A iniciativa foi da Associação dos Empregados no Commercio em Uberaba.

Ficou definida a realização de um torneio de futebol com os mais importantes clubes da cidade de Uberaba, então a maior cidade da região, onde o entusiasmo com o futebol atingia enormes proporções, embora a Sub Liga pretendesse representar todo o Triângulo Mineiro.

Esperava-se, para o campeonato de 1932, a participação de representantes das cidades de Araguari, Uberlândia, Conquista e Araxá. E, além do futebol, já se cogitava a inserção de outras atividades esportivas, tais como Bola ao Cesto e Atletismo.

A diretoria ficou assim composta:

  • 1º Presidente: Sebastião Bráz
  • 2º Presidente: Carlos Biella
  • 1º vice presidente: Antônio Duarte da Silva
  • 2º vice presidente: Jeronymo de Oliveira
  • 1º Tesoureiro: Benedicto de Oliveira
  • 2º Tesoureiro: Carlos Bernardes Filho
  • 1º Secretário: José Descon
  • 2º Secretário: Antônio de Vasconcellos

Participantes (todos de Uberaba):

  1. América Football Club
  2. Associação Athletica Uberabense
  3. Corinthians Football Club
  4. Diocesano Football Club
  5. Ítalo Brasileiro Football Club
  6. Operário Football Club
  7. Uberaba Sport Club

Tabela:

Data

Mandante

1º Q

2º Q

Visitante

19/07/1931

América

1×6

2×1

Associação

26/07/1931

Uberaba

3×0

4×1

Operário

09/08/1931

Ítalo Brasileiro

2×2

2×2

Corinthians

15/08/1931

América

1×1

x

Operário

23/08/1931

Diocesano

4×2

x

Associação

30/08/1931

Uberaba

5×2

2×1

Corinthians

13/09/1931

Diocesano

1×5

1×1

Ítalo Brasileiro

20/09/1931

Associação

2×1

3×1

Operário

27/09/1931

Corinthians

1×1

3×1

América

04/10/1931

Operário

1×3

1×1

Ítalo Brasileiro

11/10/1931

Diocesano

0×9

3×3

Uberaba

18/10/1931

Corinthians

0×0

1×0

Associação

25/10/1931

Uberaba

10×0

5×2

América

01/11/1931

Ítalo Brasileiro

3×0

1×2

Associação

08/11/1931

Corinthians

1×3

1×2

Diocesano

19/11/1931

América

2×3

0×5

Diocesano

22/11/1931

Uberaba

4×2

5×1

Associação

29/11/1931

Operário

2×2

1×3

Diocesano

06/12/1931

Ítalo Brasileiro

4×2

3×2

América

08/12/1931

Operário

1×3

1×2

Corinthians

13/12/1931

Ítalo Brasileiro

1×2

0×0

Uberaba

 

Classificação – primeiros quadros:

Pos

Time

Pts

J

V

E

D

GP

GC

SG

1

Uberaba

12

6

6

0

0

33

5

28

2

Ítalo Brasileiro

9

6

4

1

1

18

8

10

3

Diocesano

7

6

3

1

2

13

21

-8

4

Associação

5

6

2

1

3

12

13

-1

5

Corinthians

5

6

1

3

2

9

12

-3

6

Operário

2

6

0

2

4

6

14

-8

7

América

2

6

0

2

4

7

25

-18

 

Classificação – segundos quadros:

Pos

Time

Pts

J

V

E

D

GP

GC

SG

1

Uberaba

10

6

4

2

0

19

8

11

2

Diocesano

8

5

3

2

0

14

6

8

3

Corinthians

7

6

3

1

2

10

8

2

4

Ítalo Brasileiro

6

6

1

4

1

8

8

0

5

Associação

4

5

2

0

3

7

10

-3

6

América

2

5

1

0

4

7

17

-10

7

Operário

1

5

0

1

4

5

13

-8

 

Com estes resultados, o Uberaba sagrou-se campeão uberabense de 1931 em ambos os quadros.

Fontes:

 

A seguir, algumas fotos de equipes mineiras, sobretudo de BH e região, publicadas em revistas da capital mineira. Estas revistas estão disponíveis na Coleção Revistas Diversas no site do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte.

Para ver as imagens em tamanho completo, basta clicar em cada imagem.

Atlético Mineiro x Morro Velho, partida disputada em 29 de março de 1914. Revista Vita ed. 11, 20 de abril de 1914.

Democrata Foot-Ball Club, Leopoldina-MG. Revista Vita ed. 11, 20 de abril de 1914.

Mar de Hespanha Foot-Ball Club, Mar de Espanha-MG. Revista A Vida de Minas ed. 3, 15 de agosto de 1915.

Primeiro time do América Futebol Clube. Revista A Vida de Minas ed. 4, 1 de setembro de 1915.

Primeiro team do Yale Athletic Club. Revista A Vida de Minas ed. 4, 1 de setembro de 1915.

 

Amistoso entre Atlético Mineiro e Granbery em 7 de setembro de 1915. Revista A Vida de Minas ed. 5-6, 30 de setembro de 1915.

 

Amistoso entre América e Morro Velho em 1 de novembro de 1915. Revista A Vida de Minas ed. 8, 10 de novembro de 1915.

 

Amistoso entre América e Tiradentes Foot-Ball Club, de Ouro Preto, em 30 de abril de 1916. Revista A Vida de Minas ed. 19, 15 de maio de 1916.

 

América Futebol Clube de Alfenas e Varginha Sport Club, amistoso de março de 1916. Revista A Vida de Minas ed. 24, 1 de setembro de 1916.

Primeiros times de América e Atlético. Revista A Vida de Minas ed. 25, 30 de setembro de 1916.

Segundos times de América e Atlético. Revista A Vida de Minas ed. 25, 30 de setembro de 1916.

Notas sobre a Liga Mineira de Desportos Terrestres e um amistoso entre América e Villa Nova. Revista Tank nº 7, fevereiro de 1919.

Festival de aniversário de 11 anos do Alves Nogueira Football Club. Revista Semana Illustrada nº 35, 28 de janeiro de 1928.

Torcedoras e escudo do Sport Club Minas-Rio. Revista Semana Illustrada nº 35, 28 de janeiro de 1928.

 

Bandeira do América em festa do clube. Revista Semana Illustrada nº 44-45, 14 de abril de 1928.

Equipes participando do Torneio Início de 1928: América, Guarany, Palestra Itália, Villa Nova, Calafate, Atlético e Syrio Horizontino.

Equipes do Alves Nogueira, Sport Club Calafate, Guarany e Palmeiras. Revista Semana Illustrada nº 46, 21 de abril de 1928.

Reportagem sobre a derrota da seleção mineira para a seleção fluminense no Campeonato Brasileiro de Seleções. Revista Semana Illustrada nº 72-73, 10 de novembro de 1928.

Algumas equipes disputantes do Campeonato de 1928: Calafate, Atlético, América e Palestra Itália. Revista Semana Illustrada nº 76-77, dezembro de 1928.

Festival envolvendo o América, o Palestra Itália, o Sete de Setembro (juvenil) e o Industrial Foot-Ball Club. Revista Silhueta nº 1, março de 1932.

Equipes participando do Torneio Início da AMEG (Associação Mineira de Esportes Geraes) de 1932. Participantes por ordem alfabética: América Futebol Clube, Auri-Verde Football Club, Companhia Industrial Football Club, Grêmio Ludopédio Calafate, Pedro Leopoldo Futebol Clube, Sociedade Sportiva Palestra Italia, Sport Club Brasil, Sport Club Mineiro, Tupynambás Football Club, Vasco da Gama Football Club, Vespasiano Esporte Clube e Villa Nova Atlético Clube. Revista Silhueta nº 3, maio de 1932.

 

A Série B do Campeonato de Belo Horizonte em 1930 teve a participação de 6 clubes:

  1. Alves Nogueira Football Club (Sabará)
  2. Fluminense Football Club
  3. Grêmio Ludopédio Calafate
  4. Santa Cruz Football Club
  5. Sport Club Carlos Prates
  6. Ypiranga Sport Club

Nas primeiras rodadas, o campeonato foi disputado nos campos do Alves Nogueira e Sete de Setembro (Chácara Negrão). Antes do fim do primeiro turno, os clubes grandes cederam seus campos para a disputa do campeonato, e as partidas passaram a acontecer nesses estádios, nas manhãs de domingo.

Tabela:

Data Hora Mandante Placar Visitante Estádio
1º Q 2º Q 1º Q 2º Q
06/07/1930 15:00 13:00 Alves Nogueira 0×3 2×1 Fluminense Alves Nogueira
06/07/1930 15:00 13:00 Carlos Prates 2×1 3×1 Grêmio Chácara Negrão
13/07/1930 15:00 13:00 Alves Nogueira 3×2 4×1 Carlos Prates Alves Nogueira
13/07/1930 15:00 13:00 Ypiranga 3×5 1×2 Santa Cruz Chácara Negrão
20/07/1930 15:00 13:00 Alves Nogueira 6×2 8×1 Grêmio Alves Nogueira
27/07/1930 15:00 13:00 Alves Nogueira 3×2 6×0 Santa Cruz Alves Nogueira
27/07/1930 15:00 13:00 Fluminense 4×2 5×0 Grêmio Chácara Negrão
03/08/1930 15:00 13:00 Alves Nogueira 1×3 2×0 Ypiranga Alves Nogueira
03/08/1930 15:00 13:00 Carlos Prates 0×7 3×4 Santa Cruz Chácara Negrão
10/08/1930 09:30 08:00 Fluminense 4×1* 0×0 Ypiranga Barro Preto
10/08/1930 09:30 08:00 Santa Cruz 4×2 3×3 Grêmio Lourdes
17/08/1930 09:30 08:00 Carlos Prates 3×2 2×2 Fluminense Alameda
17/08/1930 09:30 08:00 Ypiranga 2×2 2×2 Grêmio Barro Preto
24/08/1930 09:30 08:00 Ypiranga 2×4 x Carlos Prates Alameda
24/08/1930 09:30 08:00 Santa Cruz 0×2 1×6 Fluminense Lourdes
31/08/1930 09:30 08:00 Grêmio 2×0 x Carlos Prates Alameda
31/08/1930 09:30 08:00 Fluminense 5×1 1×0 Alves Nogueira Barro Preto
31/08/1930 09:30 08:00 Santa Cruz 3×3 1×3 Ypiranga Lourdes
07/09/1930 10:30 09:00 Carlos Prates 3×4 1×3 Alves Nogueira Alameda
07/09/1930 09:30 08:00 Ypiranga 3×1 0×4 Fluminense Barro Preto
07/09/1930 09:30 08:00 Grêmio 3×2 0×0 Santa Cruz Lourdes
14/09/1930 09:30 08:00 Grêmio 2×1 1×2 Alves Nogueira Alameda
14/09/1930 09:30 08:00 Fluminense 2×0 4×0 Santa Cruz Barro Preto
14/09/1930 09:30 08:00 Carlos Prates 1×5 4×4 Ypiranga Lourdes
21/09/1930 09:30 08:00 Santa Cruz 0×3 3×2 Carlos Prates Alameda
21/09/1930 09:30 08:00 Grêmio 1×3 0×2 Fluminense Barro Preto
21/09/1930 10:30 09:00 Ypiranga 4×0 1×5 Alves Nogueira Lourdes
28/09/1930 09:30 08:00 Grêmio 2×1 3×1 Ypiranga Alameda
28/09/1930 09:30 08:00 Santa Cruz 2×1 1×1 Alves Nogueira Barro Preto
28/09/1930 09:30 08:00 Fluminense WxO WxO Carlos Prates** Lourdes

* O Fluminense perdeu os pontos da partida contra o Ypiranga no turno.
** O Carlos Prates entregou os pontos desta partida nos dois times.

Classificação:

Primeiros quadros

Pos Time Pts J V E D GP GC SG
1 Fluminense 14 10 7 0 3 26 11 15
2 Ypiranga 12 10 5 2 3 27 23 4
3 Santa Cruz 9 10 4 1 5 25 22 3
4 Grêmio 9 10 4 1 5 19 25 -6
5 Alves Nogueira 8 10 4 0 6 20 28 -8
6 Carlos Prates 8 10 4 0 6 18 26 -8

Segundos quadros

Pos Time Pts J V E D GP GC SG
1 Alves Nogueira 17 10 8 1 1 33 8 25
2 Fluminense 16 10 7 2 1 25 5 20
3 Santa Cruz 9 10 3 3 4 15 29 -14
4 Ypiranga 5 9 1 3 5 12 23 -11
5 Grêmio 5 9 1 3 5 11 26 -15
6 Carlos Prates 4 8 1 2 5 16 21 -5

Com estes resultados, o Fluminense, da Lagoinha, sagrou-se Campeão da Série B da Liga Mineira de Desportos Terrestres em 1930. Nos segundos quadros, o campeonato foi para o Alves Nogueira.

 

A Série B do Campeonato de Belo Horizonte em 1928 teve a participação de 6 equipes, todas de Belo Horizonte:

  1. Avante Sport Club
  2. Fluminense Football Club
  3. Grêmio Ludopédio Calafate
  4. Minas Geraes Football Club
  5. Santa Cruz Football Club
  6. Sport Club Carlos Prates

Todas as partidas foram disputadas no campo do Santa Cruz, na rua Grão Pará.

Nota: este Santa Cruz Football Club não é o mesmo Santa Cruz Futebol Clube que disputa campeonatos amadores, categorias de base e futebol feminino hoje em Belo Horizonte.

Data Hora Mandante Placar Visitante Local
01/07/1928 13:00 Santa Cruz 3×2 Grêmio Santa Cruz
01/07/1928 15:00 Fluminense 9×0 Avante Santa Cruz
08/07/1928 13:00 Minas Geraes 0×4 Carlos Prates Santa Cruz
08/07/1928 15:00 Avante 2×4 Grêmio Santa Cruz
15/07/1928 13:00 Santa Cruz 4×3 Fluminense Santa Cruz
15/07/1928 15:00 Carlos Prates 5×4 Grêmio Santa Cruz
22/07/1928 13:00 Carlos Prates 1×1 Fluminense Santa Cruz
22/07/1928 15:00 Santa Cruz 1×2* Minas Geraes Santa Cruz
29/07/1928 13:00 Avante 0×3* Minas Geraes Santa Cruz
29/07/1928 15:00 Fluminense 2×3 Grêmio Santa Cruz
05/08/1928 13:00 Carlos Prates 1×4 Santa Cruz Santa Cruz
05/08/1928 15:00 Minas Geraes WOx1 Grêmio Santa Cruz
12/08/1928 13:00 Avante 1×11 Carlos Prates Santa Cruz
12/08/1928 15:00 Fluminense 4×0 Minas Geraes Santa Cruz
19/08/1928 15:00 Santa Cruz 13×0 Avante Santa Cruz
26/08/1928 15:00 Grêmio 5×4 Santa Cruz Santa Cruz
02/09/1928 13:00 Carlos Prates x Minas Geraes Santa Cruz
02/09/1928 15:00 Grêmio x Avante Santa Cruz
09/09/1928 13:00 Grêmio 4×2 Carlos Prates Santa Cruz
09/09/1928 15:00 Fluminense 2×1 Santa Cruz Santa Cruz
16/09/1928 13:00 Minas Geraes 0×6 Santa Cruz Santa Cruz
16/09/1928 15:00 Fluminense 3×4 Carlos Prates Santa Cruz
23/09/1928 13:00 Grêmio 0×8 Fluminense Santa Cruz
23/09/1928 15:00 Minas Geraes 4×1 Avante Santa Cruz
30/09/1928 13:00 Grêmio 1×0** Minas Geraes Santa Cruz
30/09/1928 15:00 Santa Cruz 2×1 Carlos Prates Santa Cruz
07/10/1928 13:00 Minas Geraes 1×4 Fluminense Santa Cruz
07/10/1928 15:00 Carlos Prates 0×1 Avante Santa Cruz
14/10/1928 15:00 Avante 0×7 Santa Cruz Santa Cruz
21/10/1928 15:00 Avante 1×9 Fluminense Santa Cruz

* O Minas Geraes perdeu os pontos dessas partidas para os adversários por inclusão de jogadores em situação irregular.
** O Minas Geraes entregou os pontos dessa partida.

Classificação:

Pos Time PP PG J V E D GP GC SG
1 Santa Cruz 4 16 10 8 0 2 45 16 29
2 Grêmio 6 12 9 6 0 3 24 26 -2
3 Fluminense 7 13 10 6 1 3 45 15 30
4 Carlos Prates 9 9 9 4 1 4 29 20 9
5 Avante 14 4 9 2 0 7 6 60 -54
6 Minas Geraes 16 2 9 1 0 8 10 22 -12

 

Com estes resultados, o Santa Cruz sagrou-se Campeão da Série B da LMDT de 1928.

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha