FONTES: Página do Clube no Facebook – A Cidade (MG) – Diário Mercantil

 

E. C. Mário Bouchardet, no seu estádio

FONTES: Diário Mercantil – Acervo de Osvaldo Sartóri Henriques – Acervo de Edgar Amin

 

FONTE: Diário Mercantil (MG)

 

Mineiro Futebol Clube é uma agremiação do  Município de Santos Dumont (MG). O Alvinegro Sandumonense foi Fundado no dia 24 de Maio de 1925, como Palmira, possui a sua Sede localizada na Rua Roberto Dinamite, 320, no Centro da Cidade. Cerca de dois meses depois, no dia 22 de junho, foi constituída a 1ª Diretoria:

Presidente - Vicente Spinelli;

Vice-presidente - Goiatá Camopi;

1º Tesoureiro - José Abreu Jr.;

2º Tesoureiro - Broncibel Castelo Branco;

1º Secretário - Derossi Abreu;

2º Secretário - Moacir Pires de Mendonça;

Diretor Esportivo - Henrique Dias Coelho.

  No dia 21 de Junho de 1932, o Mineiro enfrentou o Flamengo do Rio, em amistoso. O rubro-negro carioca venceu por 4 a 2. São Cristóvão e América foram outros adversários cariocas que o Mineiro enfrentou nos anos 30. Em 1933, inaugurou a sua Sede e também passou a clube profissional da AMEA, com sede em Juiz de Fora.

Mineiro já disputou alguns Campeonatos Citadinos de Juiz de Fora, como os anos de 1961, 1962, 1964 e 1966Entre dezenas de troféus, um dos mais importantes foi o Campeonato Regional de Minas Gerais, quando enfrentou o Tupy de Juiz de Fora, 15 de Novembro, Vila do Carmo de Barbacena, Atlético de São João Del Rei entre outros campeões de diversas cidades.

 

FONTES: Flapédia – Jornal A Manhã – Diário Mercantil

 

O América Futebol Clube (América de Barbacena) foi uma agremiação da cidade de Barbacena (MG). Localizado no Campo das Vertentes (com uma população de 135.829 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2016), Barbacena fica a 169 km da capital (Belo Horizonte) mineira.

O Mecão Barbacenense foi Fundado na sexta-feira, do dia 06 de Novembro de 1931. A Sede ficava situada na Avenida Olegário Maciel, s/n, no Centro de Barbacena. A equipe rubra mandava os seus jogos no Estádio Onda Nunes, com Capacidade para 3 mil pessoas.

O América realizou diversos amistosos, como por exemplo, o Clube de Regatas Flamengo, num domingo, do 21 de abril de 1957, no Estádio Onda Nunes, em Barbacena. No final, melhor para o Rubro-Negro carioca que não teve trabalho para golear pelo placar de 7 a 0.

O América de Barbacena construiu uma história rica, onde faturou  inúmeros títulos do Campeonato Citadino, organizado pela Liga de Futebol Barbacena (LFB). Também participou de diversas competições na esfera profissional como o Campeonato Citadino de Juiz de Fora de 1964; o Campeonato Mineiro Segunda Divisão de 1967 e 1968; e o Campeonato Mineiro Terceira Divisão de 1987.

Vários grandes jogares passaram pelo Mecão: Paulinho, “Cabeçinha de Ouro”, o técnico Paulo Trindade, Mosquito, Canelinha, Willian, Celinho, Tonho, Joaozinho, Bigode, Russinho, Macalé, Nininho, Jurandir, Fubá, Lado, Tarzan, Chiquinho, Eli Vasques, Pascoal, Adalberto, Klebis, Zezé, Oiama, Pissolati, Célio, Hercules, Charrid e entre outros.

FONTES: Wikipédia – Gol Aberto – Flapédia – Diário Mercantil

 

FONTES:  Diário Mercantil

 

O Nacional Atlético Clube (Nacional de Muriaé) é uma agremiação da cidade de Muriaé (MG). Fundado em 25 de dezembro de 1927, mandava seus jogos no Estádio Soares de Azevedo, com capacidade para 8 mil pessoas. Seu antigo estádio foi vendido para uma rede de supermercados, sendo o novo estádio finalizado em 2014, com capacidade para 13.694 pessoas. O endereço do Novo Estádio Soares de Azevedo é às margens da BR 356 em frente ao SESC Muriaé.

Não deve ser confundido com o Nacional Esporte Clube Ltda, que disputou o Campeonato Mineiro de 2014, em contrato de parceria com o Nacional Atlético Clube.

O Nacional Atlético Clube foi formado por um grupo de jogadores liderados pelo Capitão João Felisberto, o seu 1º presidente, e Hércules Marcondes Nacif. Escolheram as cores Branco, Preto e Vermelho. O estádio é o Soares de Azevedo, chamado assim em homenagem ao desportista, que na época, doou o terreno para a sua construção. Mais tarde foi trocado com a prefeitura para obras da atual rodoviária passando-o para o terreno ao lado, continuando a ser denominado Soares de Azevedo, mas depois cognominado “Brazão” em homenagem ao prefeito João Braz.

O Nacional Atlético Clube é um clube marcado por campanhas memoráveis, notadamente no futebol, embora tenha conquistado outros lauréis em outras áreas esportivas como Voleibol e Atletismo, (inclusive com participação na São Silvestre), mas é no futebol que criou um nome de destaque.

Chamam-no “Nacional de Muriaé” não o separam da terra que tanto propagou, através de participações marcantes e ininterruptas, na primeira divisão de profissionais de futebol mineiro. No profissionalismo a sua brilhante carreira iniciou em 1969 quando sagrou-se campeão da Segunda Divisão, título conquistado em pleno Mineirão em Belo Horizonte; frente ao Atletic Club de São João Del Rei (terra de Tancredo Neves).

Daí por diante não parou e manteve-se na primeira divisão do futebol profissional até 1980, quando por falta de apoio decisivo por parte do poder público municipal e do empresariado local viu-se forçado a interromper a sua gloriosa trajetória de 11 anos ininterruptos no profissionalismo, e na principal divisão do Futebol Mineiro.

Dentre as suas conquistas neste período se destacam: 1977Campeão do Torneio Incentivo – certame de profissionais dos mais importantes da época que apenas não participaram o Cruzeiro, Atlético e América, mas fizeram parte, dentre outros: Vila Nova, Valério, Democrata (GV), Uberaba, Uberlândia, Caldense, Tupi (JF) e Guarani de Divinópolis, aliás foi frente a este tradicional clube mineiro que o Nacional decidiu o título novamente dentro do Estádio Magalhães Pinto (Mineirão da Pampulha) vencendo por 2×0 na preliminar do jogo decisivo do Campeonato Brasileiro de 1977 – pois na partida de fundos jogaria Atlético x São Paulo.

Detalhe: o público presente a este evento foi de mais de 130 mil pessoas. Fora esta conquista o clube obteve excelentes colocações nos campeonatos da primeira divisão que disputou, sendo que em 1977 chegou entre os 5 primeiros e em 1979 (sua melhor campanha) chegou no cômputo geral em 4º lugar, mas temos que ressaltar que esteve na liderança isolada do campeonato por várias rodadas, tanto no primeiro como no segundo turno, tendo sido considerado neste ano, campeão do interior de Minas, todas essas conquistas comandadas pelo saudoso Treinador e Supervisor Argemiro Moreira

Voltou, depois de 2 anos de interrupção, à disputa do campeonato mineiro de profissionais na terceira divisão mas logo galgou à Segunda Divisão, em 1991 foi terceiro colocado na Segunda divisão perdendo a vaga de retorno à primeira divisão frente ao URT de Patos de Minas lá em Patos há 6 minutos do final da partida.

O Nacional Atlético Clube, mesmo não tendo participado de todos os campeonatos promovidos pela Liga Esportiva de Muriaé, detém o título de primeiro campeão amador da cidade 1955 e o maior número de títulos, sete ao todo: 1955, 59, 63, 64, 67, 81 e 98 este último conquistado na gestão administrativa Sr. Wallace Sereno Fernandes.

O Nacional saiu de atividade em 2005, quando disputou a segunda divisão do Campeonato Mineiro. Oito anos depois, em agosto de 2013, assinou um contrato de parceria com o Nacional Esporte Clube Ltda., que depois de um ano em Coronel Fabriciano e três em Nova Serrana, estava jogando em Patos de Minas.

A parceria consistia apenas no uso do novo Estádio Soares de Azevedo, moderno e considerado um dos melhores do interior de Minas. Para “abafar” as críticas contra o “Nacional de mentira“, a equipe optou por utilizar as cores do tradicional clube muriaeense. Apesar de bons jogos em casa, o Nacional se perdeu nos jogos como visitante, sofreu 6 derrotas longe de seus domínios, sendo a última delas o 3 a 1 para o Villa Nova, que decretou o rebaixamento do NEC para o Módulo II do Campeonato Mineiro.

Já em 2014, em meio às especulações sobre a continuidade da parceria entre NAC e NEC, a diretoria do clube muriaeense anunciou que voltaria ao futebol profissional, de fato, após nove anos de ausência. O Campeonato Mineiro da Segunda Divisão (correspondente à Terceirona do estado) seria o marcante episódio do retorno do Nacional. A notícia agradou os torcedores da cidade.

No dia 7 de julho a Federação Mineira de Futebol anunciou a tabela do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, e o Nacional estreia diante do Valeriodoce Esporte Clube, de Itabira, no dia 8 de setembro, em Muriaé.

No dia 4 de outubro de 2014 o Nacional confirmou sua presença no hexagonal final do Campeonato Mineiro da segunda divisão ao vencer o Novo Esporte Ipatinga pelo placar de 1 x 0. O NAC tem pela frente no hexagonal final os seguintes times: Betinense, Funorte, CAP Uberlândia, Uberaba Sport, e Valeriodoce Esporte Clube.

No dia 30 de novembro de 2014 o Nacional venceu o Valeriodoce e garantiu acesso ao Módulo II do Mineiro na temporada 2015.

 

 

FONTES: Wikipédia – Diário Mercantil

 

 

Esporte Clube Ribeiro Junqueira é uma agremiação do Município de Leopoldina (MG).  O ‘Dragão da Zona da Mata’ foi Fundado no dia 27 de agosto de 1911, como Ribeiro Junqueira Sport Club, em um dos salões do Gymnasio Leopoldinense, pelos professores: José Botelho Reis, Antônio Moura, João Trentino Ziller, Dr. Pedro Arantes e Milton Ramos Pinto, juntamente com Esdras Lintz, Vicenti Domenice e alguns alunos.

O 1º presidente foi José Botelho e o senador Ribeiro Junqueira o seu presidente de honra. Posteriormente o Prof. José Botelho Reis ocuparia a presidência de honra. Naquela época, era comum utilizar nomes de famílias para denominar um time, e para homenagear o Deputado Ribeiro Junqueira, os alunos do Gymnásio Leopoldinense assim nomearam o clube.

Logo após o primeiro jogo, o Diretor da escola chamou os jogadores para saber quem teve a ideia de colocar o nome de Ribeiro Junqueira no time. No colégio, as coisas eram severas e os alunos ficaram com medo da repreensão e castigo. Mas o diretor Dr. José Monteiro Ribeiro Junqueira havia gostado da escolha e até mesmo propôs ajuda, comprando uniformes e dando apoio para o time seguir em frente.

Uma reunião definiu as cores do time. Um dos fundadores se manifestou dizendo ter recebido de parentes um postal vindo da Itália, o qual trazia em sua ilustração principal o desenho do Estádio do Milan com seu escudo. Desta forma foi definido o uniforme e as cores do Ribeiro Junqueira Sport Club.

Título na Terceirona e o Vice na Segundona

Foi campeão do Campeonato Mineiro do Interior de 1969. O melhor momento da agremiação foi no final dos anos 80 e início dos anos 90, quando conquistou o Campeonato Mineiro da 3ª Divisão de 1989 e o vice-campeonato do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão de 1990, conseguindo o acesso à Elite do Futebol Mineiro de 1991, quando acabou rebaixado e licenciando-se em seguida do profissionalismo.

Foi tetracampeão da Zona da Mata, Campeão da BR-116, Campeão Regional da Liga de Cataguases em 1984, Campeão Regional da Liga de Juiz de Fora em 1985, Tetracampeão da Liga Esportiva Leopoldinense entre 1983 e 1986.

Estádio Ronaldo Junqueira

Estádio Guanahyro Fraga Motta, conhecido como Ronaldo Junqueira, é um estádio de futebol localizado na cidade de Leopoldina, no estado de Minas Gerais e tem capacidade para 1.600 pessoas.

Celeiro de craques

Entre diversas revelações, o EC Ribeiro Junqueira lançou jogadores como Zequinha (ex-Flamengo e Seleção Brasielira)Othon Valentim (ex-Botafogo e Seleção Brasileira)Dirceu Pantera (ex-Cruzeiro)Elmo(também ex-Cruzeiro) e Elair (ex-Atlético-MG).

 

FONTES :

Página do Clube no Facebook

Diário Mercantil

Wikipédia

Site Terceiro Tempo

Jornal Leopoldinense

BOTELHO, Luiz Eugênio. O Futebol. Artigo publicado do livro E.C Ribeiro Junqueira, O eterno

Campeão de Joseph Capdeville Gribel. 1991, pag 103.

LACERDA, Glauquer Brito de. CD.ROM – E.C Ribeiro Junqueira. 1ª Edição.

NOGUEIRA, Natânia. História e ensino. Acesso em:  06/05/2010. < http://historiadoensino.blogspot.com/2008_05_01_archive.html>

GAZETA ESPORTIVA. História do Futebol. Acesso em: 06/05/2010. http://cgi.gazetaesportiva.net/historia/futebol/historia_do_futebol/abertura.htm

COSTA, Dalmo. O Futebol. Gazeta de Leopoldina de 20/01/1944.

 

O Clube Atlético Montanhês foi uma agremiação do Município de Barroso (MG). O Alvinegro Barrosense foi Fundado no domingo, do dia 02 de Março de 1958, remanescente do Barroso Futebol Clube, que no princípio dos anos 50 era rival do time do Vasquinho. A sua sede ficava Rua Antenor Cunha, nº 346, no Bairro Dr. José Guimarães, em Barroso.

Até então, o time profissional utilizava o campo da cidade de São João del-Rei,  quando em 1961 houve a doação do terreno em que foi construído o estádio Montanhês, palco de diversas partidas que fizeram o clube invicto. O Montanhês participou de diversos campeonatos na região e disputou com adversários memoráveis, como o Tupi de Juiz de Fora, o Sete de Setembro de Dores de Campos e o Atlético Mineiro Juvenil, tornando-se o primeiro clube barrosense a jogar no Estádio do Mineirão, em 20 de abril de 1974.

Neste período, destacava–se o desportista Luiz Raposa, cujos dribles chamaram atenção do técnico Bijú. Outro craque do alvinegro barrosense foi o Zezé do Ponto, que por mais de 15 anos disputou pelo clube. O clube participou de alguns campeonatos profissionais de Juiz de Fora, como em 1964, quando terminou na 9ª colocação.

Depois de 32 anos de história, o Montanhês pendurou as chuteiras. O estádio encerrou atividades e foi tomado pelo mato. Por mais de 16 anos tornou-se ponto de prostituição e drogas, restaram apenas os troféus, evidências da trajetória do clube barrosense. A torcida dos barrosenses torcem para que no futuro um Museu possa abrigar os troféus e a história do alvinegro barrosense.

 

FONTE: Barroso e Mídia – Diário Mercantil

 

Participantes:

  1. América Futebol Clube – Barbacena
  2. Andaraí Esporte Clube – Barbacena
  3. Clube Atlético Montanhês – Barroso
  4. Clube Social Olímpico Ferroviário – Santos Dumont
  5. Mineiro Futebol Clube – Santos Dumont
  6. Olympic Club – Barbacena
  7. Sport Club Juiz de Fora – Juiz de Fora
  8. Tupi Football Club – Juiz de Fora
  9. Tupynambás Futebol Clube – Juiz de Fora
  10. Villa do Carmo Esporte Clube – Barbacena

Tabela:

Data

Mandante

Placar

Visitante

14/06/1964

Social

4×3

Andaraí

14/06/1964

Tupi

0×0

Montanhês

14/06/1964

Villa do Carmo

1×0

Tupynambás

21/06/1964

América/B

0×4

Tupi

21/06/1964

Mineiro

2×2

Sport

21/06/1964

Tupynambás

1×2

Olympic

28/06/1964

Olympic

4×1

Social

28/06/1964

Sport

2×1

América/B

29/06/1964

Villa do Carmo

2×1

Montanhês

05/07/1964

Andaraí

1×1

Villa do Carmo

05/07/1964

Montanhês

0×1

Sport

05/07/1964

Social

2×1

Tupynambás

05/07/1964

Tupi

2×1

Mineiro

12/07/1964

Mineiro

4×0

Montanhês

12/07/1964

Olympic

1×0

Tupi

12/07/1964

Tupynambás

3×2

Andaraí

19/07/1964

América/B

3×5

Tupynambás

19/07/1964

Montanhês

0×1

Olympic

19/07/1964

Social

3×2

Tupi

19/07/1964

Sport

2×3

Villa do Carmo

26/07/1964

Mineiro

4×2

América/B

26/07/1964

Olympic

1×1

Sport

02/08/1964

América/B

1×2

Villa do Carmo

02/08/1964

Montanhês

2×0

Andaraí

02/08/1964

Tupynambás

2×1

Mineiro

05/08/1964

Olympic

6×0

América/B

09/08/1964

Andaraí

2×3

Mineiro

09/08/1964

Social

1×2

Villa do Carmo

09/08/1964

Sport

1×1

Tupynambás

15/08/1964

Villa do Carmo

5×1

Mineiro

16/08/1964

América/B

0×2

Social

16/08/1964

Tupi

3×1

Andaraí

23/08/1964

Andaraí

0×0

Olympic

23/08/1964

Social

2×3

Sport

23/08/1964

Tupynambás

0×1

Tupi

26/08/1964

América/B

2×0

Montanhês

30/08/1964

Mineiro

0×2

Olympic

30/08/1964

Montanhês

3×2

Social

30/08/1964

Sport

0×1

Andaraí

30/08/1964

Villa do Carmo

3×1

Tupi

06/09/1964

Mineiro

1×1

Social

06/09/1964

Tupi

2×1

Sport

06/09/1964

Villa do Carmo

2×2

Olympic

07/09/1964

Andaraí

1×3

América/B

07/09/1964

Tupynambás

2×0

Montanhês

13/09/1964

Sport

3×1

Mineiro

13/09/1964

Villa do Carmo

2×3

Social

20/09/1964

Mineiro

2×1

Andaraí

20/09/1964

Olympic

5×1

Tupynambás

20/09/1964

Tupi

7×0

América/B

27/09/1964

Andaraí

3×0

Sport

27/09/1964

Montanhês

0×0

Tupi

27/09/1964

Social

1×3

Olympic

27/09/1964

Tupynambás

4×1

Villa do Carmo

04/10/1964

Mineiro

3×3

Tupi

04/10/1964

Sport

1×3

Olympic

04/10/1964

Villa do Carmo

1×0

América/B

11/10/1964

América/B

0×1

Sport

11/10/1964

Andaraí

2×2

Montanhês

11/10/1964

Mineiro

2×2

Tupynambás

11/10/1964

Tupi

3×2

Social

18/10/1964

Montanhês

1×1

Villa do Carmo

18/10/1964

Olympic

3×2

Andaraí

18/10/1964

Tupynambás

3×0

América/B

25/10/1964

Andaraí

1×0

Tupynambás

25/10/1964

Social

5×1

América/B

25/10/1964

Sport

1×0

Montanhês

01/11/1964

Andaraí

2×2

Social

01/11/1964

Mineiro

1×3

Villa do Carmo

01/11/1964

Montanhês

2×4

Tupynambás

07/11/1964

Tupi

3×0

Olympic

08/11/1964

América/B

1×3

Mineiro

08/11/1964

Social

2×2

Montanhês

08/11/1964

Tupynambás

1×0

Sport

08/11/1964

Villa do Carmo

2×1

Andaraí

15/11/1964

Andaraí

1×2

Tupi

15/11/1964

Montanhês

0×1

Mineiro

15/11/1964

Sport

1×0

Social

18/11/1964

Olympic

2×1

Montanhês

22/11/1964

Montanhês

4×2

América/B

22/11/1964

Tupi

2×0

Tupynambás

22/11/1964

Villa do Carmo

1×0

Sport

25/11/1964

América/B

0×3

Olympic

29/11/1964

América/B

0×4

Andaraí

29/11/1964

Tupynambás

3×0

Social

06/12/1964

Olympic

1×0

Mineiro

06/12/1964

Tupi

3×3

Villa do Carmo

11/12/1964

Sport

1×1

Tupi

13/12/1964

Olympic

2×1

Villa do Carmo

13/12/1964

Social

2×1

Mineiro

Classificação:

 Pos Time

PG

J

V

E

D

GP

GC

SG

Aprov.

1

Olympic

31

18

14

3

1

41

15

26

86,11%

2

Villa do Carmo

26

18

11

4

3

36

25

11

72,22%

3

Tupi

25

18

10

5

3

39

20

19

69,44%

4

Tupynambás

20

18

9

2

7

33

26

7

55,56%

5

Sport

18

18

7

4

7

21

23

-2

50,00%

6

Social

17

18

7

3

8

35

37

-2

47,22%

7

Mineiro

16

18

6

4

8

31

34

-3

44,44%

8

Andaraí

12

18

4

4

10

28

32

-4

33,33%

9

Montanhês

11

18

3

5

10

18

29

-11

30,56%

10

América/B

4

18

2

0

16

16

57

-41

11,11%

Com estes resultados, o Olympic Club conquistou seu segundo título do Campeonato de Juiz de Fora. O primeiro havia sido conquistado em 1957.

Ficha técnica do jogo do título:

6 de dezembro de 1964, 15:30
OLYMPIC 1-0 MINEIRO
Local: Estádio Santa Tereza, Barbacena
Renda: Cr$ 135.400,00
Árbitro: Sinval Senra
Gol: José Antônio 56′.
OLYMPIC – Danton; Lucas, Tião, Hércules, Pascoaline; José Adir, Branco; José Luiz (Jurandir), José Antônio, Wilson Raimundo, Crivano. Técnico: Barbosa da Silva.
MINEIRO – José Geraldo; Neném, Realino, Laerte, Cazeca; Ednar, Pedro Tibúrcio, Nelsinho; Análio, José Maria, Francisquinho. Técnico: Bicota.

Curiosidade: antes da partida contra o Tupi, o Villa do Carmo, vice-campeão, tentara comprar o mando de campo do Galo Carijó. Os dirigentes alvinegros julgaram a proposta um disparate – imagine ser da cidade da mentora da competição e ver-se humilhado a ponto de um time de outra cidade ser candidato ao título e querer-lhe comprar o mando de campo…

 

No Campeonato de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), além das sete equipes postadas anteriormente, tivemos ainda a presença do Sport Club Aymorés, de Ubá (o escudo é diferente dos demais conhecidos do clube).

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

 

Time Profissional

Equipe do Tupi, Campeão do Torneio Início de Juiz de Fora, na categoria Juvenil

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora (MG) de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

O Torneio Início de Juiz de Fora de profissionais de 1967, organizado pela Liga de Desportos de Juiz de Fora (LDJF), teve como campeão o Tupy, que também faturou o título na categoria juvenil. A competição foi realizada no domingo, do dia 02 de Abril de 1967, no Estádio José Paiz Soares (propriedade do Tupynambás Futebol Clube), com capacidade para 2 mil pessoas.

Estádio José Paiz Soares

A competição contou com a participação de sete clubes (importante informar que no Campeonato Juiz-Forano de 1967, o Sport Club Aymorés, de Ubá participou, chegando a um total de oito agremiações):

Club Social Olímpico Ferroviário (Santos Dumont);

Esporte Clube Benfica (Juiz de Fora);

Ideal Esporte Clube (Recreio);

Mineiro Futebol Clube (Santos Dumont);

Sport Club (Juiz de Fora);

Tupi Football Club (Juiz de Fora);

Tupynambás Futebol Clube (Juiz de Fora).

FONTE: Diário Mercantil (MG) 

 

FONTES: O Malho – Google Maps – Agência Brasil

 

O Santo Antônio Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Teófilo Otoni (MG). A sua Sede fica na Rua Minervino de Castro Pinto, nº 49 / Sala, no Centro de Teófilo Otoni. O Santusca foi Fundado no dia 19 de Julho de 1959, e mandava os seus jogos no Estádio Nassari Mattar. Na esfera profissional, o Santo Antônio E.C.  disputou o Campeonato Mineiro da 2ª Divisão em sete oportunidades: 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990 e 1994.

 

CLUBE DESEJA RETORNAR A SEGUNDONA MINEIRA-2017

Segundo a reportagem do Jornal Diário de Teófilo Otoni o Santo Antônio Esporte Clube luta para voltar à ativa. O sonho do time é disputar,  já no ano que vem, a 2ª Divisão do Campeonato Mineiro.

O Santo Antônio Esporte Clube está para reabrir as portas na cidade. Um grupo de apaixonados pelo futebol bretão estão em avançado processo para o retorno do clube, com estatuto, diretoria e sede provisória. Esta funciona numa sala no segundo piso do Mercado Municipal, cedida pelo supervisor do mercado, o ex-jogador ‘santusca’ (nome dado à torcida aos atletas do Santo Antônio), Arthur Guedes, que nos tempos áureos atuava como quarto zagueiro do time.

Aliás, esta sala é a mesma onde o clube manteve sua sede por décadas a fio. A reportagem conseguiu, com exclusividade e em primeira mão, imagens do livro de ata de fundação do Santo Antônio, datado de 19/07/1959.

A entrevista aconteceu com o atual treinador da equipe, Otávio Filho, 59 anos de idade. “Pelos registros o Santo Antônio foi desativado no final da década de 1990, quando deixou de participar de importantes campeonatos locais”, contou o novo professor.

À época, o time fechou as portas devido à falta de incentivo e outros caminhos tomados (na vida) pelos seus então integrantes. Entre as páginas históricas do Santusca, está a disputa da Primeira Divisão do Campeonato Mineiro, na década de 1980, e vários clássicos aguerridos contra o Concórdia, e, principalmente contra o América, principal adversário destes. “Até que o Santusca e o Concórdia se davam bem, mas quando entrávamos em campo contra o América até faísca saia”, conta bem humorado o técnico Otávio.

Segundo ele, o time ainda consta nos cadastros da Federação Mineira de Futebol. E, a maior ambição atual é participar da 2ª Divisão do Campeonato Mineiro, que dá acesso ao Módulo II do torneio (ao qual, neste ano de 2016, o América foi vice-campeão, obtendo o acesso à elite do estadual).

Dificuldades iniciais

Ainda sem campo fixo, a atual diretoria, composta por Renilton Ferraz como presidente, Carlos Alberto Lares (o Carlão da Rádio), como vice-presidente, busca parcerias com prefeituras locais para conseguir um campo de treinamento.

Conversei com o prefeito e o secretário municipal de Esportes de Poté, para que eles possam viabilizar o Estádio Municipal para mandarmos nossos jogos e realizarmos os treinos. Ficaram de nos ajudar. Também entrei em contato com os responsáveis pelo Estádio Municipal de Itambacuri, que nos garantiram a liberação do campo para nossas necessidades. Já em T. Otoni, estamos conversando com a direção do Concórdia, que garantiram a liberação do campo para jogarmos quando não tiver atividades do Concórdia”, explicou Otávio Filho. Para ele, o ideal é que o time tenha seu próprio estádio, para melhor possibilitar a construção de uma identidade própria, e facilitar a vida dos atletas nos treinamentos, jogos e disputa de torneios. “Claro que uma casa faz falta, mas acredito que vamos consegui-la com o tempo”, refletiu otimista o técnico Otávio.

Otávio Filho atua no futebol desde 1977, quando jogou no Santa Cruz de Pernambuco. Ele tem outras passagens por grandes equipes do futebol nordestino, como o CSA (1979) e o CRB (1981), e o Sergipe (1983), ambos de Aracajú, a capital sergipana. Parou de jogar em 1986, quando foi para São Paulo. Na capital paulista se formou técnico profissional de futebol pela Federação Paulista de Futebol (FPF), no ano de 2004. Entre os seus professores na escola futebolística estão nomes de peso do esporte nacional, Tite, René Simões, Mário Travaglini, Paulo Calçada (comentarista da ESPN Brasil) dentre outros.

Como treinador comandou o Nova Iguaçú (2006), o Mesquita (2010) e as categorias de base (sub-17 e sub-15) do América do Rio, tradicional clube do futebol brasileiro. Sua última experiência como técnico foi no São Bento, de São Paulo, em 2014. Em 2015 retornou para Teófilo Otoni para cuidar de questões particulares da esposa, teófilo-otonense de nascimento.

Nascido em Maceió, onde aos 3 meses partiu para Nova Iguaçú, sendo carioca de coração, Otávio quer levar o Santo Antônio ao topo do futebol mineiro.

Temos alguns jogadores em processo de fechamento de contrato. São atletas de Teófilo Otoni, muitos dos quais não foram aproveitados pelo América, tanto na base quanto no profissional, além de outros que estamos em processo de negociação. O início será mais pé no chão, com o tempo, mostrando serviço e resultados, esperamos maior participação da sociedade local nesse projeto, que não é nosso, é de todos nós”, finalizou Otávio Filho.

 

 PS: Nesta reportagem, menciona que o Santusca disputou o Campeonato Mineiro da 1ª Divisão na década de 80. Nos registros, consta somente cinco participações na Segunda Divisão Mineira nos anos 80: 1985, 1986, 1987, 1988 e1989.

 

 FONTES: Rsssf Brasil – Manula  - Jornal Diário de Teófilo Otoni 

 

 

O Club Ferro Brasileiro foi uma agremiação do Município de Caeté, que fica a 35 km da capital de Minas Gerais. Em 1933, já com o nome de Companhia Ferro Brasileiro, a empresa foi classificada entre as cinco maiores indústrias da América do Sul na área de Fundição.

A Companhia Ferro Brasileiro construiu no entorno de seus altos-fornos, localizados nas margens da linha férrea e próximo ao entroncamento dos córregos Soberbo e Caeté, toda uma infraestrutura para seus funcionários (muitos vindos de fora do estado), tal como, residências, comércios, clubes, cinemas, escolas, entre outros.

Transformando o antigo Mundéus no moderno bairro José Brandão, com uma população maior que da parte antiga da Cidade. Dentre tantas obras, surgiu o ‘Cadetes de Ferro’,Fundado no dia 29 de Agosto de 1935, por funcionários da Cia. Ferro Brasileiro S/A.

A sua Sede e o Estádio Gaston Maigné ficavam no Bairro José Brandão, no Ramal de Santa Barbara, da Estrada de Ferro Central do Brasil. O local contava com o campo, piscina, as quadras de Basquete (com iluminação), Vôlei e um playground para as crianças.

O Município de Caeté (que vem do tupi: ‘Mato verdadeiro’), está situado na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Conta com uma população de 40.786 habitantes (Censo do IBGE de 2010).

No futebol, o ‘Cadetes de Ferro’ começou a ganhar destaque na década de 40. O clube chamou a atenção da mídia em 1943, quando obteve cinco vitórias seguidas em cima do Esperança, de Itabirito; Flamengo, de Nova Lima; Atlético Mineiro, Siderúrgica, de Sabará e o América Mineiro (líder do Campeonato Mineiro naquele momento).

Apesar das boas exibições o Club Ferro Brasileiro só participou da esfera profissional nos anos 60. Ao todo esteve presente em duas edições do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, nos anos de 1964 e 1965.

Na sua estreia, em 1964, terminou na 4ª posição do seu Grupo: somando 14 pontos, em 13 jogos; seis vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 28 gols e sofrendo 23, saldo de cinco. Acabou eliminado uma vez que apenas o campeão da chave avançava para as finais.

Em 1965, o ‘Cadetes de Ferro’ começou bem terminando na 1ª colocação da sua chave (11 pontos, em oito jogos: quatro vitórias, três empates e uma derrota; 14 gols marcados e cinco sofridos, nove de saldo).

Na segunda fase enfrentou o Bela Vista empatando o primeiro jogo (0 a 0) e vencendo os outros dois (3 a 1 e 2 a 0). Com isso, o clube chegou no Triangular Final, com o Araguaí e Formiga. Após as seis rodadas o Triangular terminou empatado. Na última rodada, bastava o Formiga vencer, em casa, mas perdeu, e todos terminaram com 4 pontos.

Daí a Federação Mineira de Futebol (FMF), ‘bolou‘ um desempatesui generis. Sortearam um mata-mata, mas só tinham três times. Com isso, o Club Ferro Brasileiro foi sorteado como ‘bye‘ e foi pra final. No dia 07 de Maio de 1966, o Formigavenceu, em casa, o Araguaí por 3 a 1, no Estádio Independência, em Belo Horizonte, avançando para a final.

Na grande final, o Club Ferro Brasileiro e o Formiga se enfrentaram para saber quem estaria na Elite do Futebol Mineiro em 1966. No final, melhor para o Formiga que venceu o Club Ferro Brasileiro por 2 a 0, conquistando o acesso. Para o Club Ferro Brasileiro restou o vice-campeonato da Segundona de 1965.

 

FONTES & FOTOS: Rsssf Brssil – Turismo Caeté – Jornal Caeté – Templos do Futebol – Revista Sport Ilustrado – Vitor Dias

 

O Esporte Clube Escola Moderna de Comércio foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O clube alvi-marrom foi Fundado em 1927, por funcionários da Escola Moderna de Comércio, situado á Rua Ramalho Ortigão, nº 20 / 1º andar, no Centro do Rio.

Time-base de 1937: Olbio; Ari (ex-Bonsucesso e Engenho de Dentro) e Coronel; Salvador, João Batista e Artur; Bira (Ex-Vasco da Gama, Confiança e Tijuca F.C.), Gama (ex-Confiança), Barreto (E.C. Comercio de Vitória-ES e Serrano, de Petrópolis), Lulu (ex-Modesto FC) e Domingos.

 

FONTE: Revista Atenéa

 

O Club Ferro Brasileiro foi uma agremiação do Município de Caeté, que fica a 35 km da capital de Minas Gerais. Em 1933, já com o nome de Companhia Ferro Brasileiro, a empresa foi classificada entre as cinco maiores indústrias da América do Sul na área de Fundição.

A Companhia Ferro Brasileiro construiu no entorno de seus altos-fornos, localizados nas margens da linha férrea e próximo ao entroncamento dos córregos Soberbo e Caeté, toda uma infra-estrutura para seus funcionários (muitos vindos de fora do estado), tal como, residências, comércios, clubes, cinemas, escolas, entre outros.

Transformando o antigo Mundéus no moderno bairro José Brandão, com uma população maior que da parte antiga da Cidade. Dentre tantas obras, surgiu o ‘Cadetes de Ferro’, Fundado no dia 29 de Agosto de 1935, por funcionários da Cia. Ferro Brasileiro S/A.

A sua Sede e o Estádio Gaston Maigné ficavam no Bairro José Brandão, no Ramal de Santa Barbara, da Estrada de Ferro Central do Brasil. O local contava com o campo, piscina, as quadras de Basquete (com iluminação), Vôlei e um playground para as crianças.

Estádio Gaston Maigné

O Município de Caeté (que vem do tupi: ‘Mato verdadeiro’), está situado na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Conta com uma população de 40.786 habitantes (Censo do IBGE de 2010).

Estádio Gaston Maigné

No futebol, o ‘Cadetes de Ferro’ começou a ganhar destaque na década de 40. O clube chamou a atenção da mídia em 1943, quando obteve cinco vitórias seguidas em cima do Esperança, de Itabirito; Flamengo, de Nova Lima; Atlético Mineiro, Siderúrgica, de Sabará e o América Mineiro (líder do Campeonato Mineiro naquele momento).

A grande façanha do Club Ferro Brasileiro em 1945, foi a vitória em cima do S.C. Siderúrgica (campeão Mineiro de 1937), no dia 24 de junho, pelo placar de 3 a 2. O treinador era José Sérgio, antigo companheiro de Chico Preto, na zaga Tricampeã Mineira pelo Villa Nova, de Nova Lima.

Time-base de 1943: King; Jair e Aristeu; Luizinho, Pereira (Laerte) e Sica; Tibió, Nelson, Martins (Zito), Chico e Eduardinho. Técnico: José Sérgio

 Time-base de 1945: Baiano; Jair e Jefferson; Nem, Beijo e Tão; Tibió, Nelson, Laerte, Chico e Eduardo. Técnico: José Sérgio

Apesar das boas exibições o Club Ferro Brasileiro só participou da esfera profissional nos anos 60. Ao todo esteve presente em duas edições do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão, nos anos de 1964 e 1965.

Na sua estreia, em 1964, terminou na 4ª posição do seu Grupo: somando 14 pontos, em 13 jogos; seis vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 28 gols e sofrendo 23, saldo de cinco. Acabou eliminado uma vez que apenas o campeão da chave avançava para as finais.

Sede do Clube

Em 1965, o ‘Cadetes de Ferro’ começou bem terminando na 1ª colocação da sua chave (11 pontos, em oito jogos: quatro vitórias, três empates e uma derrota; 14 gols marcados e cinco sofridos, nove de saldo).

Na segunda fase enfrentou o Bela Vista empatando o primeiro jogo (0 a 0) e vencendo os outros dois (3 a 1 e 2 a 0). Com isso, o clube chegou no Triangular Final, juntamente com o Araguaí e Formiga. Após as seis rodadas o Triangular terminou empatado. Na última rodada, bastava o Formiga vencer, em casa,mas perdeu e ficaram todos com 4 pontos.

Daí a Federação Mineira de Futebol (FMF), ‘bolou‘ um desempate sui generis. Sortearam um mata-mata, mas só tinham três times. Com isso, o Club Ferro Brasileiro foi sorteado como ‘bye‘ e foi pra final. No dia 07 de Maio de 1966, o Formiga venceu, em casa, o Araguaí por 3 a 1, no Estádio Independência, em Belo Horizonte, avançando para a final.

Na grande final, o Club Ferro Brasileiro e o Formiga se enfrentaram para saber quem estaria na Elite do Futebol Mineiro em 1966. No final, melhor para o Formiga que venceu o  Club Ferro Brasileiro por 2 a 0, conquistando o acesso. Para o Club Ferro Brasileiro restou o vice-campeonato da Segundona de 1965.

 

CLUB FERRO BRASILEIRO       0          X         2          FORMIGA

LOCAL: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)

DATA: Domingo, no dia 15 de Maio de 1966

CARÁTER: Triangular Final do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão de 1965

RENDA: Cr$ 2.099.500,00

ÁRBITRO: Sílvio David (FMF)

AUXILIARES: Conrado Patrocínio (FMF) e  Gil Trindade (FMF)

CARTÃO VERMELHO: Wilson Canetá (Ferro Brasileiro)

FERRO BRASILEIRO: Barnabé (Dico); Valério, Wilson Canetá, Zé Américo e Furneca; Valdir e Cruzinha (Tutu); Carlinhos, Paulo, Chico e Dendeco.

FORMIGA: Josué; Adío, Bulau, Fradinho e Saúva; Nuno e Rilson; Eli, Itamar (Chinelo), Oldack e Edvar.

GOLS: Oldack aos 3 minutos e Zé Américo, contra, aos 32 minutos do 1º Tempo.

 

FONTES & FOTOS: Rsssf Brssil – Turismo Caeté – Jornal Caeté – Templos do Futebol – Revista Sport Ilustrado

 

A Patrocinense, herdeira do antigo Clube Atlético Patrocinense, não consegue firmar sua identidade. Desde sua fundação (2010), já teve quatro escudos diferentes. Em 2016, estreou o quarto e atual escudo. Seguem os escudos da equipe:

Primeiro escudo da Patrocinense, tendo como base o brasão municipal (2010-2011)

Segundo escudo da Patrocinense, igual ao do antigo CAP mas com as iniciais do clube novo (2012-2014)

Terceiro escudo da Patrocinense, mais elaborado (2015)

Quarto e atual escudo da Patrocinense, pra mim o mais bem elaborado (2016). A camisa do clube, sem nenhum patrocínio, estampa a cruz amarela em tamanho bem grande.

Fontes:

  • Prefeitura de Patrocínio
  • Blog da Patrocinense
  • Facebook não-oficial da Patrocinense
  • Wikipédia
  • Um Grande Escudeiro
  • Facebook oficial do Uberaba Sport Club
 

Essa agremiação é Club Sportivo Passense, do Município de Passos (MG). Este Passense, esta foto da década de 40, foi o inspirador do Clube Esportivo de Futebol de Passos (Fundado em 1984) e do Clube Esportivo Passense de Futebol e Cultura (Criado em 2001). Vale observar que na foto, diz que Passos fica em São Paulo. No entanto, foi um erro da revista, uma vez que Passos é um município mineiro.

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

Escola de Comércio Social Clube foi uma agremiação da Cidade de Araguari (MG). O clube foiFundado na Rua Marciano Santos, nº 387, no Centro da cidade, às 20 horas, de uma noite esperançosa, em 16 de Novembro de 1944, por um grupo de estudantes, sob o incentivo formidável de prof. Moacyr Fantini.

Honra ao mérito dá-se-á seus fundadores: Dr. José Daher, João P. Barbosa, Vereadora Marilda Helena Vasconcelos, Walter Carvalho, Prof. Alcides Borges Marra, Natércio Morais, Waquim Gebrim, Willy Falcomer, Jorge Paulino, Jair Batista Ferreira e José Ferreira da Silva, com o direito de beneméritos do desporto brejo-alegrense, na formação desta força viva de tradição e de glória, sempre agigantando-se na vida esportiva, cultural, recreativa e social desta querida terra.

E daquela singela idéia aliaram-se os incansáveis treta campeões dos dias presentes, construindo uma agremiação forte, coesa e respeitável, numa demonstração soberba de quanto vale a abnegação dos homens. Em 14 de julho de 1950, marcou a troca da denominação do Escola de Comércio Social Clube, que passou a chamar-se Araguari Atlético Clube.

TÍTULOS

1947 – Taça Recordação, Samir Dau

1949 – Taça Disciplina – Hamilton Rocha

1950 – CAMPEÃO INVICTO DO ANO SANTO

1950 – Taça LAF – Campeão

1950 – Taça E. T. C. Machado de Assis

1950 – Taça A Tendinha

FONTES:  Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari

 
O Araguari Atlético Clube é uma agremiação da Cidade de Araguari (MG). Foi ali na Rua Marciano Santos, No. 387, às vinte horas, de uma noite esperançosa, daquele agonizante 1944, (em seu dia dezesseis de novembro,) que um grupo de estudantes, sob o incentivo formidável de prof. Moacyr Fantini, fundaram aquele grandioso Escola de Comércio S. C., de ontem, transformado no fabuloso Araguari Atlético Clube de hoje.
Honra ao mérito dá-se-á seus fundadores: Dr. José Daher, João P. Barbosa, Vereadora Marilda Helena Vasconcelos, Walter Carvalho, Prof. Alcides Borges Marra, Natércio Morais, Waquim Gebrim, Willy Falcomer, Jorge Paulino, Jair Batista Ferreira e José Ferreira da Silva, com o direito de beneméritos do desporto brejo-alegrense, na formação desta força viva de tradição e de glória, sempre agigantando-se na vida esportiva, cultural, recreativa e social desta querida terra.
E daquela singela idéia aliaram-se os incansáveis treta campeões dos dias presentes, construindo uma agremiação forte, coesa e respeitável, numa demonstração soberba de quanto vale a abnegação dos homens. A data 14 de julho de 1950, marca a troca da denominação do Escola de Comércio Social Clube, que passou a chamar-se Araguari Atlético Clube.
E deste dia em diante iniciou-se o ritmo ascendente do Clube Estrelado, conquistando o invejável título de Campeão do Ano Santo de 1950. E o sucesso do grêmio rubro-anil, se espalhou pelo Brasil Central, tornando-se famoso e preferido, e aos poucos fosse firmando no conceito do desporto triangulino, até tornar-se Penta Campeão Araguarino e Tri-Campeão do Triângulo Mineiro. Seus Presidentes foram: Dr. Antonio Severino Coelho, Prof. Oswaldo da Costa Braga, Agenor Costa, João Vasconcelos Montes, Afonso Dorázio, Farath Kehdy, Milton Lemos da Silva e Paulo Nogueira Cruvinel.
E hoje ao comemorar-se o décimo quinto aniversário do Araguari Atlético Clube, dá-se ao acontecimento um detalhe de importância municipal, desde que todas as classes de nossa terra integram a comunidade tetra-campeã, tornando-a ilustre e respeitável família, o que é um motivo justificado de máximo orgulho para todos quantos labutam no desporto de nossa Terra.
Muita Cabeça rolou até civilizar-se o futebol por Armando Nogueira
O estágio mais importante e mais longo registrado na história do futebol é o da pelada, instituição genuinamente britânico.
A partir da retirada dos romanos, no ano 410 da era cristã, os nativos começaram a transformar a herança do Harpastum, dos soldados de Júlio César; no que chamaram de Mob-foot-ball, (futebol das multidões): uma bola de 500 jogadores de cada lado, – valendo tudo.
Os jogos mais famosos da “era da pelada” eram de Kingston, cujo povo emprestava ao Mob-foot-ball, uma significação cívica.
O Mob-foot-ball era violentíssimo, bárbaro. Quinhentos jogadores de cada lado saíam a correr atrás da bola, destruindo-se fisicamente, a ver qual banda chegaria a determinado ponto da cidade em primeiro lugar, de posse da bola. Na disputa da maratona, a avalancha humana derrubava muros, quebrava vidros da janelas, destruía jardins e quintais.
O jogo começava por volta do meio-dia e terminava na noitinha, passando a multidão por dentro dos rios e pontes, até chegar a meta convencionada que geralmente ficava alguns quilômetros do ponto de partida.
No ano de 1310, um jogador de Thames Street Club morreu afogado ao saltar do parapeito de uma ponte para apanhar a bola.
No futebol “pelada” dos habitantes da Cidade de Kingston, não havia apostas, era proibido empenho de dinheiro a esse título. Mas as classes pobres jogavam por dinheiro e cerveja oferecidos pelos torcedores em subscrição. Aí está uma referência que localiza no tempo e no espaço as origens do profissionalismo do futebol.
Já no século XIV, remunerava-se o jogador de futebol.
O futebol na Inglaterra sofreu durante séculos a perseguição dos puritanos, que se opunham energicamente a qualquer atividade esportiva.
O primeiro torcedor ilustre do futebol na Inglaterra saiu publicada no Dailly News, em 1846, e contava um jogo entre Thames-Street Club e Townsend “Foi uma disputa furiosa, diz o jornal – principalmente quando a bola caia dentro do rio e os jogadores eram carregados pela corrente e atirados contra os arcos da ponte”. As primeiras regras oficiais do jogo surgiram em 1862, na Universidade de Cambridge, e dizia em seus vários artigos:
“Art. 3o. – os ponta-pés só devem ser dirigidos à bola;
Art. 4o – O jogador não deve chutar a bola quando esta achar-se no ar;
Art. 13o – Pode ser dado o ponta-pé de frente na canela do adversário, quando ele corre com a bola.
Art 15o – O jogador correndo com a bola, pode ser agarrado pelo pescoço ou pelas espáduas,
A 24 de novembro de 1863, vinte e nove dias depois da Fundação de Foot-Ball Assotiation, surgiu o primeiro código do futebol associação, o futebol moderno.
O novo código determinou a cisão entre futebol e rugby.
A esta altura, pode-se dizer, estava civilizado o futebol, em relação aos estágios bárbaros do Mob-foot-ball.
Com a nova roupagem, o futebol chegou em 1872 ao Havre, de onde se espalhou por todo o continente europeu.
O primeiro clube sul-americano foi Buenos Aires Futebol Clube, fundado em 1867 por via dos ingleses.
A introdução do futebol no Brasil, data de 1894 com a chegado do inglês Charles Muller a São Paulo, e o primeiro jogo foi realizado em 1896, entre o São Paulo Atlético Clube e um time dos empregados da São Paulo Railways.
Vale a pena registrar que investigações indicam ter o futebol chagado ao Brazil, trazido por jesuítas, sendo difundido através do colégio Anchieta de Petrópolis, por volta de 1885, isto é, nove anos antes de Charles Muller desembarcar em São Paulo, trazendo na mala, duas bolas de futebol.
TÍTULOS
1947 – Taça Recordação, Samir Dau
1949 – Taça Disciplina – Hamilton Rocha
1950 – CAMPEÃO INVICTO DO ANO SANTO
1950 – Taça LAF – Campeão
1950 – Taça E. T. C. Machado de Assis
1950 – Taça A Tendinha
1952 – CAMPEÃO DE ARAGUARI
1952 – Taça LAF
1952 – CAMPEÃO DO TRIÂNGULO
1952 – Taça Geraldo Starling
1952 – Troféu Casa Neftali Vieira
1953 – BI-CAMPEÃO DE ARAGUARI
1953 – Taça LAF
1953 – BI-CAMPEÃO DO TRIÂNGULO
1953 – Taça LAF
1954 – TRI-CAMPEÃO DE ARAGUARI
1954 – Taça LAF
1954 – TRI-CAMPEÃO DO TRIÂNGULO
1954 – Taça Dr. Ademar de Barros
1955 – TETRA-CAMPEÃO DE ARAGUARI
1955 – Taça LAF
1956 – TORNEIO INICIO DA LAF
1956 – Taça LAF
1956 – PENTA CAMPEÃO DA CIDADE
1956 – Troféu LAF
1956 – Taça Aniversário da Rádio Cacique
1957 – TORNEIO INICIO DA LAF
1957 – Taça LAF
1957 – Taça Cinqüentenário de Anápolis
1957 – Taça Mavignier Araújo
1957 – Taça 69 anos da Cidade de Araguari
1957 – Taça Dr. João Nascimento Godoy
1958 – Taça 1o Prada dos Esportes, Paulo Nogueira
1958 – Troféu Amizade
1958 – Taça Afrânio Rodrigues da Cunha
1958 – Taça Confecções Guari (iluminação)
1958 – Taça Colônio Sírio Libanesa
1958 – Taça Artilheiro
1958 – Taça Geraldo Gomes (juvenil)
1958 – Troféu Rádio Cacique, Veloso Junior
1958 – Taça PFJ-3 – Futebol Feminino
1958 – Taça Sérgio Kehdy (juveni)
1958 – Taça Indústrias Trineiro
1959 – OTORNEIO INICIO LAF
1959 – Taça LAF
1959 – Taça 2a Parada dos Esportes da PRJ-3
1959 – Taça 3a Parada dos Esportes da PRJ-3
1959 – Taça Vemasa (Torneio Fiori Gigliotti)
1959 – Taça dos Invictos – Tipografia São José
|
CURIOSIDADES TETRA-CAMPEÃS
Primeiro Jogo de camisa doado na fundação do Clube por Hermano Lemos
Primeiro Estádio com alambrado em Araguari
Primeiro Clube a lançar o discutido futebol feminino.
Primeiro clube de Araguari a excursionar pela Real Aerovias
Primeiro e único campeão juvenil da cidade.
Iniciador e lançador no Brasil, do Bolo Esportivo
Primeiro clube araguarino a cede craques para o futebol paulista
Primeiro clube araguarino a ganhar cinco campeonatos seguidos
Primeiro clube araguarino a sagra-se tri-campeão do Triângulo Mineiro
|
|
 FONTES: Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari 
 

A Liga Araguarina de Futebol (LAF) é uma entidade desportiva da cidade de Araguari (MG). Fundado no dia 07 de Novembro de 1943, tem a sua Sede constituída na Rua da Glória, 443, no Centro de Araguari. Dentre as três fotos pinceladas pelo amigo e membro Vitor Dias, uma de 1948 e outra de 1956.

Contudo, a terceira foto, de 1955, naturalmente, se destaca, uma vez que aparece a Marta Rocha. Em 1954, ela venceu o concurso Miss Bahia, aos 18 anos. Logo depois se tornou Miss Brasil. Em julho de 1954, chegou aos Estados Unidos e pesquisas já a consideravam eleita a Miss Universo.

Martha ficou em 2º lugar e diz a lenda que a perda do título de Miss Universo para a americana Miriam Stevenson se deveu a duas polegadas a mais nos quadris. O segundo lugar deu a Miss a fama absoluta. Depois do concurso, Martha Rocha tornou-se referência nacional de beleza.

 

FONTES: Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari 

 

O Operário Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Araguari (MG). O Operário de Araguari foi Fundado no dia 1º de Maio de 1918, tem a sua Sede e o Estádio Benedito Lopes Pimenta, localizados na Rua Floriano Peixoto, 820, em Araguari. Além de ter participado de diversos Campeonatos Citadinos, o Operário de Araguari também participou de três edições do Campeonato do Triângulo Mineiro: 1951, 1953 e 1955.

 


FONTES:  Araguari Atlético Clube – Uma História Construída com muito carinho / Texto do folheto comemorativo do clube, redigido por Ney Montes e Armando Nogueira em 16 de novembro de 1959 - Arquivo Histórico Dr. Calil Porto, em Araguari - Gol Aberto – Página do clube no Facebook  

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha