FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

FONTE: Marlon Krüger Compassi

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

 FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

O Grêmio Esportivo Gaúcho é uma agremiação da cidade de Ijuí (RS). Fundado no dia 18 de Outubro de 1943, como Esporte Clube Gaúcho. A sua Sede fica localizada na Rua 24 de Fevereiro, nº 68, no Centro de Ijuí. Nas cores azul, branco e vermelho, o Gaúcho manda os seus jogos no Estádio Bertholdo Christmann, ‘Montanha’.

O Gaúcho de Ijuí foi campeão do Campeonato Citadino 10 vezes: 1948, 1950, 1951, 1952, 1953; 1957, 1958, 1959, 1960; 1965 e 1966. Na esfera profissional, o time disputou o Campeonato Gaúcho da 2ª Divisão, em 11 oportunidades: 1952, 1953, 1954, 1955, 1956, 1957, 1959, 1963, 1964, 1965 e 1966. No Campeonato Gaúcho da 3ª Divisão, foi uma só vez: 1968.

Campeão Citadino em 1950

 

FONTES: Blog Times do RS – Blog Ijuí sua História e sua Gente – Marlon Krüger Compassi

 

Saladuro – atacante do GE Renner - 1950

FONTE: Marlon Krüger Compassi

 

O Messejana Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Fortaleza (CE). A sua Sede fica na Rua Coronel Francisco Pereira, nº 384, no Bairro de Messejana, em Fortaleza. Fundado no dia 28 de Setembro de 1938, para ser um clube de prática  desportiva entre amigos do Distrito de Messejana.

Durante toda a década de 40 e 50, o Messejana Esporte Clube promoveu o futebol amador, participando de diversos campeonatos das ligas de bairros da capital cearense. Nesta época, o foco eram as equipes formadas por moradores da região e de bairros vizinhos, que participavam mais por diversão e confraternização do que por competição e resultado. Na Década de 60, começou um trabalho de melhoria das condições técnicas com o objetivo de profissionalização na Federação Cearense de Futebol, que possuía apenas duas divisões.

Em 1966, ingressou nas categorias profissionais, filiando-se a Federação. Teve uma participação discreta neste ano, mas em 1967, com um brilhante campanha conseguiu se consagrar vice-campeão da Segunda Divisão do Cearense. Mas, em 1969, diante de dificuldades financeiras, o então, “Esporte Clube Messejana“, desistiu de participar da Primeira Divisão e voltou a apenas participar dos campeonatos de bairro e liga, se mantendo até hoje nesta situação.

Atualmente, desenvolvendo seu trabalho no Estádio Municipal Walter Lacerda, o conhecido Murilão, o Messejana Esporte Clube, tem foco nas categorias de base, mantendo um projeto social de escolinha de futebol, e tem participado ativamente das principais competições promovidas na Região Metropolitana de Fortaleza, voltadas para os mais jovens.

Tendo alcançado resultados significativos. O Messejana mantém ainda a tradição das equipes de bairros, como Quarentões e Titulares e Aspirantes. A expectativa do Messejana é poder, daqui a dois anos, voltar a disputar as categorias profissionais, ingressando na terceira divisão do cearense.

 
FONTE: Blog do Clube

 

O Miguelense Futebol Clube é uma agremiação da cidade de São Miguel dos Campos (AL). A sua Sede fica localizada na Travessa Sampaio Marques, 55, no Centro de São Miguel dos Campos. O clube Alviverde foi Fundado no dia 22 de Junho de 1995, como Clube Sportivo Miguelense. A equipe manda os seus jogos no Estádio Manoel Ferreira, com capacidade para 15 mil pessoas.

O seu melhor resultado foi no Campeonato Alagoano da 1ª Divisão de 1999, quando terminou com o vice-campeonato, atrás apenas do campeão CSA. Depois desse momento, o Miguelense entrou em dificuldades financeiras até fechar as portas em 2010. Agora, seis anos depois o retorna ao cenário alagoano de futebol, quando disputará o Campeonato Alagoano da 2ª Divisão desse ano.


FONTE: Página do clube no Facebook – Wikipédia – Site Cada Minuto

 

O Posto de Monta Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Cordeiro (RJ). Fundado na década de 40, a sua Sede fica situada na Avenida Presidente Vargas, s/n, no Centro de Cordeiro. O grande rival do Cordeiro F.C. Até hoje disputa o Campeonato Citadino de Cordeiro, disputando palmo a palmo o título com o seu arquirrival.

 

 

FONTE: https://www.youtube.com/watch?v=BoJQxsnOIW0

 

O Cordeiro Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Cordeiro (RJ). A equipe Alvirrubra foi Fundado no dia 15 de Junho de 1921. A sua Sede fica localizada na Rua João Beliene Salgado, nº 120, no Centro de Cordeiro. Possui o Estádio José Jorge, com capacidade para 3 mil pessoas.

Notório clube do antigo estado do Rio de Janeiro, o Cordeiro disputou como equipe profissional várias edições do então Campeonato Fluminense. Em 1943, eliminou o Esporte Clube Itaocara, mas capitulou diante do Esperança Futebol Clube, uma das agremiações que daria origem ao Nova Friburgo Futebol Clube. No ano seguinte foi eliminado pelo Ferroviário Futebol Clube, de Cantagalo.

Sempre é cogitada a volta da agremiação às disputas de caráter profissional, mas o projeto esbarra nos problemas financeiros que impedem o retorno tão aguardado do clube aos campeonatos promovidos pela FFERJ.

Na cidade de Cordeiro há uma liga municipal que promove o Campeonato Citadino com os seguintes clubes: Lavrinhas F.C, Posto de Monta F.C, Cordeiro F.C e Trevo F.C.

Vídeo:  https://www.youtube.com/watch?v=BoJQxsnOIW0


FONTE: Wikipédia

 

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 

O adversário do Cordeiros F.C. na partida de 1972, quando Mané Garrincha jogou, foi o Pachecos Futebol Clube: A equipe alvirrubra é uma agremiação de São Gonçalo (RJ). Fundado na terça-feira, do dia 30 de Abril de 1940.

A sua Sede fica na Estrada Pachêco, nº 1.021, no Bairro do Pacheco, no Distrito de Monjolos, em São Gonçalo. Apesar das poucas informações, sabe-se que participou diversas vezes do Campeonato Citadino de São Gonçalo, organizado pela Liga Gonçalense de Desportos (LGD). 

FONTES: Cordeiros Memória Futebol de São Gonçalo – Flickr

 

O Cordeiros Futebol Clube é uma agremiação da cidade de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro. O Alvinegro de Santa Isabel foi Fundado no dia 17 de Julho de 1922, e a sua Sede e o Estádio José Jorge Cordeiro, ficam localizados na Estrada da Fortuna, nº 111, no Bairro de Santa Izabel, no Distrito de Monjolos, na zona leste de São Gonçalo.

O Cordeiros foi um assíduo participante do Campeonato Citadino de São Gonçalo. Durante muito tempo, o clube foi apoiado pela antiga Viação Santa Izabel. Mas com a falência da empresa de ônibus, o clube acabou encerrando as suas atividades futebolísticas.

Porém, o seu campo, que conta com iluminação e vestiários subterrâneos que dão acesso ao gramado, ainda é utilizado pela Liga Gonçalense de Desportos para a realização de campeonatos amadores e torneios das divisões de base.

O momento que mais marcou o Cordeiros aconteceu no ano de 1972. Mané Garrincha tinha “pendurado as chuteiras” um ano antes, e, a diretoria do clube gonçalense fez um grande esforço para que o craque bicampeão mundial jogasse, mesmo que num amistoso, pelo clube.

Após conseguir o apoio dos produtores de laranja, da região (muito forte e conceituada, naquela época), finalmente o objetivo foi alcançado. A partida foi contra o grande rival do Cordeiros: Pachecos Futebol Clube.

Com o estádio superlotado o jogo se encerrou prematuramente aos 15 minutos do segundo tempo, devido a um forte temporal, com o placar de 2 x 0 favorável ao Cordeiros. Garrincha marcou um gol numa cobrança de falta. A partida foi arbitrada por José Silveira.

 Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=dINzU1I8pg4

FONTES & FOTOS: Futebol Gonçalense – Papo Esportivo – Retratos do Futebol Fluminense – Flickr

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

O Esporte Clube Potiguar (que revelou Dequinha, centro-médio do Flamengo) se sagrou Bicampeão do Campeonato Citadino de Mossoró (RN). O título veio ao golear o Salinista por 7 a 0.

O time acima posado. EM PÉ (da esquerda para a direita): Alírio, Romildo, Mimi, Edilson, Gute e Aristóbulo. AGACHADOS (da esquerda para a direita): Dinha, Vila, Cachorrinho, Aurino e Nenê.
FONTES: Revista Sport Ilustrado 

 


FONTES: Revista Sport Ilustrado 

 

O Nacional Atlético Clube foi uma agremiação do Município de Capivari Baixo (SC). Foi Fundado em 26 de Setembro de 1949, por empregados da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional). Da fundação até 1961, o clube era alviverde. A partir de 1962, com a inauguração do seu estádio trocou para  alvi-grená.

HISTÓRIA
Foi na Era Vargas que o sul de Santa Catarina recebeu maiores investimentos econômicos e, conseqüentemente, político. Um destes investimentos foi a chegada da CSN, a Companhia Siderúrgica Nacional, em 1941, no bairro de Capivari de Baixo, que provocou grandes modificações nos cenários econômico, político e social no distrito. Porém, outro cenário muito importante para todos os brasileiros também recebeu grade destaque com o início das atividades da CSN: o futebol.

Com a CSN em “pleno vapor”, algumas pessoas ligadas à companhia começaram a pensar na fundação de uma agremiação esportiva com o intuito de entreter o povo capivariense. Foi neste contexto que empregados da CSN fundaram, em 14 de julho de 1943, o primeiro clube de futebol de Capivari: o Siderurgia Atlético Clube. Com uniforme inspirado no clube alvinegro carioca Botafogo e mais tarde adotando as cores azul, branca e vermelha, o Siderurgia tornou-se o imponente “tricolor de Capivari”, com sede no antigo restaurante da companhia.

Considerando o fato de que o futebol, além de mania nacional, é feito de rivalidades (o que o torna ainda mais emocionante), surge o arquirrival do Siderurgia: o Nacional Atlético Clube, fundado em 1949, também por empregados da CSN. Suas cores eram o verde e o branco, e o campo era o mesmo do Siderurgia, havendo um revezamento durante a semana para a realização dos jogos.

Em 1956, os dois rivais disputaram pela primeira vez o campeonato da cidade de Tubarão, com Hercílio Luz, Ferroviário e Grêmio Cidade Azul. Por não possuírem campo fechado, o Siderurgia jogava no campo do Hercílio e o Nacional no campo do Ferroviário.

Depois do 1º clássico capivariense, com vitória de virada de 5 a 2 do Siderurgia, alguns torcedores e dirigentes do Nacional invadiram a sede do vencedor. Somente o diretor geral da CSN foi quem conseguiu acabar com a briga de dirigentes e torcedores.

Por conta da grande rivalidade e do jogo histórico, as divergências continuaram. Com a chegada do Engº Lírio Búrigo, de Miguel Ximenes de Melo e de outros altos dirigentes da CSN, que se encontravam nas instalações da empresa, as coisas logo foram resolvidas, ali mesmo, no Clube Siderurgia.

Depois de ouvir as duas partes, os dirigentes da CSN resolveram cortar a subvenção que mantinha com ambos os clubes e exigiu que o Nacional ficasse com a parte esportiva e o Siderurgia com a recreativa.

Apesar de insatisfeitos, os integrantes do Clube Siderurgia acataram a ordem e transformaram sua sede em um salão de festas e bailes para a comunidade. Já o Nacional ganhou da companhia um estádio com dimensões oficiais com toda a estrutura necessária para dirigentes, jogadores e torcedores. Concluído em 10 de julho de 1960, o estádio recebeu o nome do diretor geral de Santa Catarina da CSN: Estádio Engº Lírio Búrigo.

O Nacional passou a usar a cor grená e branca e recebeu iluminação cedida pela CSN no final do ano de 1962. No final da década de 60, com a passagem da CSN para a Carbonífera Próspera, o Nacional voltou a ser um time amador permanecendo até hoje.

Esta combinação entre CSN e futebol na Era Vargas causou grandes transformações para a sociedade capivariense. A companhia patrocinou o futebol em uma região que até então era pouco conhecida e povoada, fazendo desta mania nacional um produto de entretenimento e lazer para o povo batalhador de Capivari de Baixo. Futebol também é história.

 
FONTES: Revista Sport Ilustrado – Jornal NortiSul

 


FONTES: Revista Sport Ilustrado 

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado 

 
Primeiro estádio do Sport Recife
O primeiro campo do Sport foi construído na Avenida Malaquias, nas Graças, no Recife (PE). Para acomodar a torcida, o clube comprou junto ao Fluminense, uma arquibancada de ferro que tinha capacidade para 2 mil pessoas, tendo 75 metros de comprimento por 40 metros de largura.
1
FONTE: Jornal A Nota
 

FONTE: Jornal A Nota

 

FONTES: Marlon Krüger Compassi –  Jornal A Nota

 

FONTE: Marlon Krüger Compassi

 

O Esporte Clube Biquense é uma agremiação do Município de Bicas (MG). Fundado no dia 14 de julho de 1920, com sede própria à Avenida Brasília, nº 06, no Centro de Bicas. Já o estádio fica situado na Rua Senador Viriato Catão, s/nº, no Bairro Gilson Lamha, também em Bicas.

O Biquense, de duração indeterminada e sem fins lucrativos, é uma sociedade civil de caráter social, esportiva, cultural e recreativa, cujas atividades se regem pela legislação civil no que lhe for aplicável e por seu Estatuto Social. O Biquense tem personalidade jurídica e patrimônio distinto de seus associados que, não respondem subsidiariamente pela obrigação do mesmo. Tem por objetivo promover e patrocinar as atividades sócias, esportivas, culturais, recreativas, de caráter cívico, artístico e patriótico.

FONTES: Revista Sport Ilustrado – Blog do clube

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

C.R. FLAMENGO    2          X         1          BONSUCESSO F.C.

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã

DATA: Domingo, dia 17 de Agosto

CARÁTER: 1ª Rodada do 1º Turno – Campeonato Carioca de 1952

RENDA: Cr$ 207.826,50

ÁRBITRO: Alberto da Gama Malcher (FMF)

FLAMENGO: Garcia; Biguá e Pavão; Bria, Dequinha e Jordan; Joel, Rubens, Índio, Benitez e Esquerdinha.

BONSUCESSO: Ari; Elias e Waldir; Urubatão, Gilberto e Luzitano; Malinho, Wassil, Gringo, Naninho e Hélio.

GOLS: Esquerdinha e Benítez (Flamengo); Hélio (Bonsucesso)


FONTE: Revista Sport Ilustrado

 


FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

C.R. FLAMENGO    1          X         0          VASCO DA GAMA

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã

DATA: Domingo, dia 10 de Agosto

CARÁTER: Final – Torneio Início do Rio de 1952

RENDA: Cr$ 333.153,30

ÁRBITRO: Alberto da Gama Malcher (FMF)

FLAMENGO: Antoninho; Leoni e Cido; Aristóbulo, Jadir e Jordan; Aloísio, Neca, Huguinho, Clóvis e Zagallo.

VASCO: Barbosa; Amauri e Conceição; Aldemar, Bira e Alfredo; Camelinho, Vasconcelos, Nelsinho, Jansen e Djair.

GOL: Jadir aos 10 minutos (Flamengo), no 1º Tempo.

FONTES: JB – Revista Sport Ilustrado

 

BANGU A.C.                        0          X         2          VASCO DA GAMA

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã

DATA: Domingo, dia 10 de Agosto

CARÁTER: Semifinais – Torneio Início do Rio de 1952

RENDA: Cr$ 333.153,30

ÁRBITRO: Mário Vianna (FMF)

BANGU: Fernando; Zé Carlos e Salvador; Alaíne, Pinguela e Barbatana; Menezes, Vermelho, Zezinho, Moacir Bueno e Ciro.

VASCO: Barbosa; Amauri e Conceição; Aldemar, Bira e Alfredo; Camelinho, Vasconcelos, Nelsinho, Jansen e Djair.

GOLS: Nelsinho (Vasco), no 1º Tempo. Vasconcelos (Vasco), no 2º Tempo.

 

 

FONTES: JB – Revista Sport Ilustrado

 

C.R. FLAMENGO    2          X         0          BOTAFOGO F.R.

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã

DATA: Domingo, dia 10 de Agosto

CARÁTER: Semifinais – Torneio Início do Rio de 1952

RENDA: Cr$ 333.153,30

ÁRBITRO: Carlos de Oliveira Monteiro, Tijolo (FMF)

FLAMENGO: Antoninho; Leoni e Cido; Aristóbulo, Jadir e Jordan; Aloísio, Neca, Huguinho, Clóvis e Zagallo.

BOTAFOGO: Arízio; Orlando Maia e Almir; Rubinho, Richard e Calico; Mangaratiba, Geraldo, Dino, Vinícius e Baduca.

GOLS: Aloísio e Aristóbulo, de pênalti (Flamengo), no 2º Tempo.

 

 

FONTES: JB – Revista Sport Ilustrado

 

FLUMINENSE F.C.                        0          X         2          VASCO DA GAMA

LOCAL: Estádio Mario Filho, Maracanã

DATA: Domingo, dia 10 de Agosto

CARÁTER: Quartas de final – Torneio Início do Rio de 1952

RENDA: Cr$ 333.153,30

ÁRBITRO: Mário Vianna (FMF)

FLUMINENSE: Veludo; Lafaiete e Nestor; Vítor, Emílson e Jair II; Lino, Villalobos, Simões, Robson e Joel.

VASCO: Barbosa; Amauri e Conceição; Aldemar, Bira e Alfredo; Camelinho, Vasconcelos, Nelsinho, Jansen e Djair.

GOLS: Vasconcelos (Vasco), no 1º Tempo. Jansen (Vasco), no 2º Tempo.

 

 

FONTES: JB – Revista Sport Ilustrado

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha