O Lestinho Futebol Clube é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O Clube foi Fundado no dia Primeiro de Novembro de 1945. A Sede fica localizada na Rua Florindo Brás, 56, no Bairro da Água Raza, na capital paulistana. O Lestinho conquistou o título Varzeano de 1958 (Troféu João Mendonça Falcão)

 

Foto: http://lestinho.futblog.com.br/

 

 

O Nova Geração Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Guarulhos (SP). ‘A Equipe Modelo de Guarulhos (a sua alcunha) foi Fundado no dia 26 de Dezembro de 1976. A Sede fica localizada na Rua Oslo, 04 (antiga Rua 15), no Bairro Jardim Bela Vista, em Guarulhos. O Nova Geração F.C. é filiado a Liga Guarulhense de Futebol (LGF) e também a Federação Paulista de Futebol (FPF).

 

O Esporte Clube Pratense é uma agremiação do município gaúcho de Nova Prata. O Clube foi Fundado no dia 22 de Agosto de 1944.

 

  

O Grêmio Esportivo Pratense é uma agremiação do município gaúcho de Nova Prata. O Clube foi Fundado no dia 07 de Janeiro de 1955. Avenida Borges de Medeiros, 1226 – Nova Prata. O seu Estádio é o Mário Ceni, com capacidade para 3 mil pessoas. No currículo há o título Estadual Amador – Zona Norte em 1970.

 

 

O Grêmio Esportivo Americano é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O clube foi Fundado no dia 21 de Abril de 1946. A sua Sede fica na Rua Homero Batista, 97, no Bairro de Vila Formosa, na capital paulistana.

 

O Esporte Clube Rubens Salles é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Fundado em 1929, e equipe fica na Rua Diogo Faria, no Bairro da Vila Clementino, na Zona Sul Paulistana.

 CURIOSIDADE – O nome do clube foi uma homenagem ao ex-jogador Rubens Salles. Ele atuou entre os anos 10 a 30, sendo um dos grandes jogadores daquela época.

  Sua estreia no Paulistano foi em 1906, depois de passar pelas equipes infantis, de 1902 a 1904. Em 1907 era titular do Paulistano, e em 1908 foi campeão. Foi artilheiro do Campeonato Paulista de 1910, jogando pelo Paulistano com 10 gols.

  Aos 30 anos em 1920, abandonou o futebol para voltar 11 anos depois em 1930 como técnico, dirigindo o São Paulo FC da Floresta por quatro temporadas, sendo que no segundo ano que disputou em 1931, foi campeão paulista. Como jogador foi campeão Paulista (APEA) 6 vezes: 1908, 1913, 1916, 1917, 1918 e 1919.

 

 

O Guarany Futebol Clube foi uma antiga agremiação da cidade de Catanduva, no Interior Paulista. Na foto abaixo, foi tirada no antigo Estádio Ângulo Dias, na Rua Santos, em 1945. Atualmente, no local há o prédio do SENAC.

 Em pé (Da esquerda para a direita): Prof. Enzo Melchior, Ruge, Fia, Oswaldinho, Zuza, Edgar, Paulinho, Paulo, Odilon, Agostinho Ribeiro, Cabo Verde,e o diretor Gentil de Angelo.

Agachados: Rodopho Zabisky, Dr. Ítalo Záccaro, José Záccaro Neto (garoto com a bola), Ítalo Záccaro Júnior (garoto em pé), Sérgio Foz (garoto ajoelhado), Pancho, Baluarte, Sapuca, Silvinha, Gaiola, Grané, massagista Pedro Jorge da Silva e Birigui que depois nos anos 60/80 foi presidente do América Futebol Clube de Rio Preto por vários anos.

 

Foto: http://catanduvacidadefeitico.com.br/

 

 

O Grêmio Desportivo Jardim Ipanema é uma agremiação da cidade de Guarulhos (SP).  O clube foi Fundado no dia 16 de Junho de 1991. A sua Sede fica na Rua Ana Coelho da Silveira, 4-B – Bairro Jardim Ipanema – Taboão – Guarulhos.

 

O Grêmio Esportivo Flor Indiana é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O clube fica localizado no Bairro de Indianópolis, na zona Sul paulistana.

 

 

O Esporte Clube Primavera é uma agremiação da cidade gaúcha de São Leopoldo. O clube disputa as competições da Liga Interna Municipal de Futebol Amador (LIMFA), de São Leopoldo.

 

O Esporte Clube São Leopoldo é uma agremiação da cidade de São Leopoldo (RS). O Clube foi Fundado no dia 18 de Agosto de 1974, e a sua Sede fica na Rua do Pastoreio, 646 – Bairro Scharlau.  A equipe Tricolor participa do campeonato da Liga Interna Municipal de Futebol Amador (LIMFA), de São Leopoldo.

 

 

 O Flamengo Futebol Clube é uma agremiação da cidade gaúcha de São Leopoldo. O clube disputa as competições da Liga Interna Municipal de Futebol Amador (LIMFA), de São Leopoldo.

 

 

 O Sytlo 70 Futebol Clube é uma agremiação da cidade gaúcha de São Leopoldo. O clube participa das competições da da Liga Interna Municipal de Futebol Amador (LIMFA), de São Leopoldo.

 

 

 
A Sociedade Independência Futebol Clube é uma agremiação da cidade de São Leopoldo (RS). A equipe iniciou suas atividades no dia 6 de Janeiro de 1966, mas passou a ser um clube com estatutos registrados em 17 de agosto de 1974, data considerada de fundação.
 
Seu primeiro presidente foi Paulo Francisco de Souza, nome do atual estádio. A Sede do clube fica na Rua Olêntino Vargas Câmara (no final da rua), no Bairro Independência. A equipe participou de todos os Campeonatos da Liga Interna Municipal de Futebol Amador (LIMFA) até agora realizados.
 

O Grêmio Atlético Mauá é uma agremiação da cidade de São Leopoldo (RS). O clube foi Fundado no dia 5 de dezembro de 1942. A Sede do Clube fica localizado na Rua Gastão, 369 – Bairro: Pinheiro – São Leopoldo.

 

 

O Grêmio Sportivo Fião é uma agremiação da cidade gaúcha de São Leopoldo. O clube, que foi Fundado em 1950, fica no Bairro de Fião.

 

 

 O Grêmio Atlético Tricolor é uma agremiação da cidade gaúcha de São Leopoldo. O Clube foi Fundado no dia 27 de Outubro de 1944. A Sede fica localizada na Rua Arno Schuck, s/n – Bairro do Fião, em São Leopoldo.

 

 

 O Juventus Futebol Clube é uma agremiação da cidade de São Leopoldo (RS). O Alvinegro foi Fundado no dia  20 de Janeiro de 1953. A sua Sede fica na Rua Dona Albertina, 500, no Bairro do Bom Fim, no Distrito de Rio dos Sinos, em São Leopoldo. O Juventus é um dos clubes mais antigos da Liga Interna Municipal de Futebol Amador (LIMFA), de São Leopoldo. A sua maior façanha a conquista do Municipal de 2000.

 

Amigos… Sem querer me precipitar, gostaria de contar com conhecimentos dos membros. Encontrei no Jornal O Imparcial, do dia 26 de julho de 1928, na página 9, uma matéria de um jogo entre o Vasco e Santos. Até aí nada demais.

O fato intrigante é o escudo do Santos Football Club (como estava escrito na matéria) que eu nunca tinha visto. Alguém saberia esclarecer esse escudo? Seria um distintivo perdido do clube santista?

Só para constar. No dia 31 de julho (três dias depois), o Jornal noticiou a goleada do Santos F.C. em cima do São Cristóvão por 4 a 0, e repetiu o mesmo escudo na matéria.

Fonte: Jornal O Imparcial

 

Por: Hailton Andrade

Imagine Messi no Bahia. Se a notícia de que o argentino trocou o Barça pelo Tricolor fosse anunciada no principal programa esportivo do Estado, certamente a reação dos torcedores seria de incredulidade.

 Quais razões fariam o melhor jogador do mundo deixar a melhor equipe do mundo para desembarcar em solo soteropolitano e se arriscar nas pelejas pelo Baianão, Copa do Brasil e Brasileirão? Pois é.

O iBahia Esportes foi atrás e descobriu que, nos anos 70, isso aconteceu com o atleta do século XX. Pelé, ídolo do Santos e da Seleção Brasileira, foi “contratado” pelo Esquadrão de Aço e a galera botou fé. Essa é a história de uma mentira que aconteceu de verdade.

Tudo se passou na “Resenha do Meio-Dia”, programa de sucesso comandado por França Teixeira, atualmente conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), na Rádio Cultura da Bahia entre os anos 60 e 70.

O ex-radialista lembra bem do fato curioso, mas não vê nada demais. “Rapaz, muita gente me pergunta isso. Foi uma coisa que pintou do nada. Isso era xoxo, tinha coisa melhor”, afirmou em bate-papo com o iBahia Esportes, sem se recusar a contar o ‘causo’, vez ou outra lembrado nos bastidores da crônica esportiva pelos que estão há muito tempo trabalhando com a cobertura do futebol pela Bahia.

“Foi por telefone. Dizia que o Bahia ia contratar Pelé e tínhamos combinado com o negão, e o negão disse que tava já mantendo as negociações com o amigo dele Osório (Vilas Boas, ex-presidente do Bahia). A gente armou tudo com ele. Ele era ótimo. Era não, ele é ótimo”, recorda Teixeira, aos risos, equivocando-se apenas no nome do presidente da época.

O empresário carioca já falecido Alfredo Saad, amigo de Pelé, é que era o mandatário do Tricolor quando a brincadeira foi feita. Ele presidiu o clube de 1970 até o início de 1971, logo após a saída de Osório Vilas Boas. França Teixeira ainda fez mais para aumentar a “veracidade” da história. Colocou até Athiê Jorge Coury, presidente do Santos entre 1945 e 1971, para falar ao vivo.

Quem confirma a história é o próprio Rei do Futebol, tricampeão do mundo, que foi disputado por clubes europeus como Real Madrid e Juventus, mas só deixou o Santos para encerrar a carreira no Cosmos, dos Estado Unidos.

“Na verdade, foi uma brincadeira que nós fizemos, porque eu estava sempre na Bahia nessa época. Eu tinha um sócio que também foi presidente do Bahia, o Sr. Alfredo Saad, que já faleceu e até hoje a sua esposa Margarida é minha grande amiga e mora na Bahia. Eu amo a Bahia e tenho muitos amigos baianos e tenho mil histórias como esta para contar. Envie um abraço a todos os meus irmão baianos”, respondeu à reportagem do iBahia Esportes, por email, quando perguntado sobre a veracidade da mentira.

Segundo França Teixeira, a proximidade que ele tinha com Pelé também ajudou na hora de armar a história. “A gente ia para Ilhéus. Ele gostava muito de Ilhéus. Um detalhe que muita gente não pergunta. Ele gosta muito de Ilhéus. Ele achava assim um lugar agradável”, revela o conselheiro do TCE, que explica os detalhes da história da “contratação” do Rei pelo Bahia.

“Surgiu a ideia. Eu digo: ‘Pelé, eu vou ligar para você em Santos ou em qualquer lugar, vou te localizar. Todo mundo tá dizendo, querendo que você arme um negócio que veio pro Bahia’. Aí ele: ‘como é que eu vou pro Bahia, rapaz?’. ‘Diga isso, rapaz’, eu falei. Armamos aqui a resenha no dia, ele já tava no telefone, já avisado. ‘Realmente, eu estou em adiantada conversações com o meu amigo Osório (na verdade, Saad)’. E aí falou com um convencimento arretado e o povo acabou acreditando que ele vinha mesmo para o Bahia”, conta o ex-radialista, vermelho de rir.

Como a “Resenha do Meio-Dia” tinha um grande público, a “notícia” logo se espalhou e os torcedores do Bahia empolgavam-se com a possibilidade de contar com o melhor atleta de todos os tempos no clube. Mas e aí, como voltar atrás e dizer que tudo não passou de uma brincadeira, França? “Pra desfazer depois tivemos que dizer que era primeiro de abril sem ser primeiro de abril”, diz. Já pensou Pelé no Bahia?

Fontes – Difícil apontar com exatidão quando aconteceu toda “brincadeira” de França Teixeira e Pelé. As fontes que colaboraram com a matéria mantêm viva na lembrança os acontecimentos, mas encontram dificuldade na hora de dizer a data. O experiente José Ataíde contou o causo do rádio baiano para Paulo César Gomes, apresentador do CBN Salvador Esportes (rádio CBN Salvador 100,7 FM), programa do qual o repórter que vos escreve participa de segunda a sábado ao lado do editor de esporte do portal Rafael Sena.

“O ano foi o ano que o Santos jogou em Ilhéus. Aliás, o Santos jogava muito em Ilhéus”, contou França Teixeira. Assim como ele, Ataíde e Pelé não recordaram o momento exato da história. Quem chegou mais perto foi Jorge Catugy, que atualmente trabalha nas rádios Tudo FM e Crystal. Procurado por nosso amigo Paulo César Gomes, ele recordou que a história aconteceu em 1971.

Ilustração: Francisco Soza (sozacaricaturas.blogspot.com) em 2001, pintada com tinta acrílica sobre cartão

 

 

 O Osório Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Pelotas (RS). Fundado em 25 de Dezembro de 1933, o clube possui Estádio próprio com campo principal. Com uma sede social com  115 m2, com projeto civil para construção de 3 vestiários (Categorias de Base, adultos e visitantes).

 O campo de futebol principal é cercado com tela, obedecendo as condições mínimas necessárias para realização de partidas oficiais pela  LPF.  Pelos registros do Osório FC, é o clube que foi campeão no primeiro campeonato realizado pela LPF, quando foi aberto aos clubes amadores de Pelotas, em 1940. 

Osório Futebol Clube, fundado em 1933, por diretores e funcionários do Engenho e da Charqueada do Coronel Pedro Luis da Rocha Osório. No Passo dos Negros, próximo ao Engenho e próximo ao Canal São Gonçalo.

 A maioria de seus diretores era simpatizante do E. C. Pelotas e por tratar-se de um clube amador, foram adotados as cores e o distintivo semelhantes à deste clube.

O clube que apadrinha o Osório F. C. é o Clube de Regatas Vasco da Gama do Rio de Janeiro, uma gentileza do senhor Ciro Monteiro, diretor do clube carioca e forte exportador de arroz da firma Cel. Pedro Osório.

O batizado ocorreu em uma preliminar que antecedeu o jogo entre o E. C. Pelotas e o Vasco da Gama. O time do Osório F. C. goleou o Cerrito por 6×1. Como um time amador contribuiu sobre maneira com o futebol profissional.

Alguns exemplos é o jogador Ávila que nos anos 1930 defendeu a seleção brasileira, e mais recentemente os atletas Taison Barcelos Freda (Sport Clube Internacional); Peter, atuando hoje no futebol profissional do estado de Santa Catarina. 

Nas categorias de base, o infanto-juvenil e juvenil aspira voltar a participar das competições oficiais da LPF e os campeonatos regionais da FGF, no sentido de elevar a auto-estima dos jovens do bairro.

 

 

A Sociedade Esportiva Cultural Juventus é uma agremiação da cidade de Pelotas (RS). O clube foi Fundado no dia 7 de Setembro de 1943. A sua Sede fica na Rua Dr. Gervásio Alves Pereira, 321 – Bairro de Fragata, em Pelotas.

 

O 3 de Outubro Futebol Clube é uma agremiação do município gaúcho de Canguçu. O clube foi Fundado no dia 03 de outubro de 1958. O seu Estádio é o Manoel Fiorovante Bertinetti, localizado no Ares Alegre (1º Distrito de Canguçu).

 

 

O Esporte Clube Brascon é uma agremiação da cidade gaúcha de Sapiranga. Fundado em 2002, o clube é presidido por Volnei, tendo como seu vice-Presidente o Alencar e o Diretor de esportes é o Marquinhos.  As cores do Brascon é o vermelho, verde e Branco.

 

Assim o Jornal O Imparcial noticiou o título do Bonsucesso Futebol Clube (Página 8), que venceu o Andarhay por 3 a 2, no seu primeiro estádio: Estrada do Norte, no dia 4 de março de 1928. Já esta reportagem saiu no dia 6/03/28. 

 

 No mês de fevereiro, o Jornal O Imparcial (RJ) publicou o jogador Rubens Salles desenhado. Rubens de Moraes Salles (São Manuel, 14 de outubro de 1891 – São Paulo, 21 de julho de 1934) foi um futebolista brasileiro e primeiro treinador do São Paulo Futebol Clube de 1930 a 1934.

O Imparcial (05-02-1928 – Página 10)

 Rubens Salles foi o grande “craque” do futebol brasileiro depois de Charles Miller e Arthur Friedenreich. Não levava muito jeito para o futebol, mas insistiu e acabou marcando época no futebol brasileiro como “center-half” (volante).

 Sua estreia no Paulistano foi em 1906, depois de passar pelas equipes infantis, de 1902 a 1904. Em 1907 era titular do Paulistano, e em 1908 foi campeão. Foi artilheiro do Campeonato Paulista de 1910, jogando pelo Paulistano com 10 gols.

 Sua especialidade eram os passes em profundidade, com os quais surpreendia seus adversários, o que o levou a Seleção Brasileira que enfrentou o Exeter City, e no mesmo ano, também levou a Seleção a conseguir a primeira vitória fora do país, vencendo a Argentina, em Buenos Aires, com um gol seu.

 Aos 30 anos em 1920, abandonou o futebol para voltar 11 anos depois em 1930 como técnico, dirigindo o São Paulo FC da Floresta por quatro temporadas, sendo que no segundo ano que disputou em 1931, foi campeão paulista. Como jogador foi campeão Paulista (APEA) 6 vezes: 1908, 1913, 1916, 1917, 1918 e 1919.

 

 

O Grêmio Futebol Posto Branquense é uma agremiação do município de Canguçu (RS). Fundado no fia 09 de Novembro de 2000, o clube fica localizado na RS 265, no Posto Branco (1º distrito), em Canguçu.

 

 

O Grêmio Recreativo Esportivo e Cultural São Pedro é uma agremiação da cidade gaúcha de Guabiju. O clube fica localizado na Loc. Guabiju, s/n – no Bairro de Guabiju.

 

Amigos, pesquisando no Jornal O Imparcial encontrei algo interessante no mês de janeiro de 1928. O periódico publicou quatro jogadores desenhados: Emmanuel Nery (Flamengo), Sydney Pullen (Flamengo) e Hary Wefare (Fluminense), feito pelo cartunista Audax. E Artur Friendeirach, que ganhou destaque como: ‘O maior centroavante brasileiro‘, desenhado por Eite.

O Imparcial 03-01-1928 (Página 9)

 Emmanuel Augusto Nery (Rio de Janeiro, 25 de Dezembro de 1892 – 5 de Novembro de 1927) foi um renomado jogador de futebol do inicio do século XX e, que advindo da cisão com o Fluminense em 1911, tornou-se um dos fundadores da modalidade no Mais Querido do Brasil que até então se dedicava apenas ao remo.

 O jogador ou player Nery, começou a carreira de futebolista no Fluminense por volta de 1910, e em 1911, esteve bem próximo da conquista do seu primeiro título carioca, em virtude do abandono do Botafogo da competição naquele ano, e do forte time montado pelo Flu.

 Apesar de o time das Laranjeiras ter consumado a conquista do título, um desentendimento entre Borgerth e a comissão técnica daquele time fez com que nove jogadores, entre eles Nery, migrassem para o Flamengo e implantassem o futebol no clube que até então dedicava-se com afinco ao remo.

 Um dos precursores da modalidade na Gávea, Nery estava em campo na primeira partida de futebol disputada pelo Flamengo, que resultou numa goleada estrondosa sobre o Mangueira, por 16 a 2.

 Nery ainda figurou nas primeiras convocações da então inaugurada Seleção Brasileira de Futebol, bem como disputou a primeira partida da história do selecionado brasileiro contra a equipe inglesa do Exeter City, e dois meses depois em uma disputa com a Argentina, faturou o primeiro título da história do Brasil, a Copa Rocca.

 Em 1919, com 27 anos, uma idade avançada para a época, Nery disputou a última partida como capitão do time Mais Querido Brasil e pendurou as chuteiras, marcando seu nome definitivamente na história do futebol brasileiro.

 

O Imparcial 22-01-1928 (Página 9)

 Sidney Pullen nasceu em 1895, na Inglaterra, e desembarcou no Rio de Janeiro junto com sua família no início do século passado. A família veio para o Rio, pois seu pai, Hugh Pullen, havia sido transferido pela empresa em que trabalhava.

 Ao chegar ao Brasil, Pullen entrou no mundo do futebol e começou a jogar no Paysandu, clube que abrigava muitos ingleses, e por ele Sidney foi campeão carioca pela primeira vez em 1912, quando tinha apenas 17 anos de idade.

 O Paysandu fechou suas portas em 1915 e Sidney veio para o Flamengo. Junto com ele veio seu pai, que pouco tempo depois assumiu a tesouraria do clube. Uma das primeiras medidas de Hugh foi importar o uniforme conhecido como Cobra Coral. 

Até o ano de 1916, o uniforme preto e vermelho era exclusivo do remo do Flamengo, na época o esporte mais popular da cidade, mas de prática acessível apenas à elite. Hugh foi obrigado a extinguir o “cobra-coral”, que remetia às cores da Alemanha, com quem o Brasil havia rompido por causa da guerra.

 Assim a família Pullen passou a ser respeitada no futebol carioca. Foi então que Sidney acabou convidado para representar o Brasil em sua primeira competição internacional, sendo até hoje o único estrangeiro a ter vestido a camisa canarinho. Jogando no meio-campo participou da primeira edição do Campeonato Sul-Americano realizado em Buenos Aires em 1916.

 E Sidney foi o primeiro representante do país a pisar em campo. Trabalhou também como árbitro e apitou Argentina x Chile, jogo que terminou com o placar de 6 a 1 para os argentinos.

 Como jogador, Pullen disputou os três jogos do Brasil que ficou com a terceira colocação na competição após empates por 1 a 1 com Argentina e Chile e derrota por 2 a 1 para o Uruguai que viria a ser o campeão.

 Pelo Flamengo, Sidney teve grande destaque logo em seu primeiro ano, conquistando o Campeonato Carioca de 1915. Em 1916, o jogador foi convocado pelo exército inglês para atuar na 1ª Guerra Mundial, e teve que se afastar do clube. Mas antes de viajar deixou as chuteiras com o jovem “back” jogador do segundo quadro do Flamengo.

 Após voltar da guerra, em 1917, Sidney ainda conquistaria os Campeonatos Cariocas de 1920 e de 1921 pelo Flamengo, sendo, ao lado de Junqueira em 1920 e de Nonô em 1921, um dos grandes destaques do time. Sidney faleceu na década de 50.

 

O Imparcial 18-01-1928 (Página 9)

 Henry Welfare ou Harry Welfare como era conhecido “Tanque” Tricolor, nasceu em Liverpool (ING), no dia 22 de agosto de 1888. O atacante de 1,90m, chegou ao Rio de Janeiro no dia 9 de agosto de 1913 para cumprir um contrato de professor secundário com o Ginásio Anglo-Brasileiro. Logo depois foi levado para o Fluminense. Treinou de centro avante no segundo time e agradou.

 Outro treino e, desta vez no primeiro time. Agradou mais ainda. Daí por diante foi uma verdadeira máquina de fazer gols. Somente no ano seguinte é que surgiu a noticia de que Henry Welfare jogara num time de profissionais da primeira divisão da Inglaterra.

Mesmo jogando no time profissional do Liverpool, Welfare era amador. Defendeu o Fluminense até 1924 que o fez “Sócio Benemérito” em 1920, titulo honroso que lhe deu o direito de ser membro perpétuo do Conselho Deliberativo do clube tricolor. Chegou ao Rio de Janeiro em 1913 para lecionar Geografia e Matemática no Gymnasio Anglo-Americano. Como já havia jogado no Liverpool, fez testes no Fluminense, sendo aprovado e posteriormente conquistando a posição de centroavante titular do Tricolor, neste mesmo ano de 1913. 

Morador do bairro da Gávea, se deslocava de bonde ou a pé por mais de uma hora para treinar e jogar no Fluminense, sendo por isto um grande símbolo da época do amadorismo, onde além de não receberem remuneração pelos seus serviços, os jogadores mostravam imensa paixão pelo esporte e pelos seus clubes, com Welfare sendo um dos jogadores que melhor representaram as primeiras décadas do Fluminense . Era raro o dia que nenhum admirador se oferecia para levar a sua maleta.

 Em 1915 ele chegou a jogar algumas partidas, mas por conta de seu emprego no Gymnasio Anglo-Brasileiro teve de se afastar no clube, em função da distância, retornando para o Fluminense em 1916 após trocar de emprego, tendo ficado afastado dos jogos por conta de uma contusão no joelho, a partir daí, retornando aos gramados em 1917 para ser um dos grandes destaques do tricampeonato tricolor.

 No final do ano de 1915 e início do ano de 1916, fez algumas partidas pelo Flamengo numa excursão ao Norte do Brasil, convidado especial que foi, algo comum naquela época, além de durante a sua carreira ter defendido também a Seleção Carioca de Futebol.

 

O Imparcial 11-01-1928 (Página 9)

 Arthur Friedenreich (São Paulo, 18 de julho de 1892 – São Paulo, 6 de setembro de 1969) foi um futebolista brasileiro. Apelidado “El Tigre” ou “Fried”, foi a primeira grande estrela do futebol brasileiro na época amadora, que durou até 1933.

 Friedenreich participou da excursão do Paulistano pela Europa em 1925 onde disputou dez jogos e voltou invicto. Teve importante participação no campeonato sul-americano de seleções (atual Copa América) de 1919.

Ele marcou o gol da vitória contra os uruguaios na decisão e, ao lado de Neco, foi o artilheiro da competição. Após o feito, suas chuteiras ficaram em exposição na vitrine de uma loja de joias raras no Rio de Janeiro.

 Filho de um comerciante alemão e de uma lavadeira negra brasileira, Arthur Friedenreich nasceu no bairro da Luz, em São Paulo, e aprendeu a jogar bola com bexiga de boi.

Poucos anos depois de Charles Miller chegar ao país, em 1894, trazendo o futebol como novidade, o Brasil revelou seu primeiro ídolo. Hoje em dia, são poucos aqueles que viram Friedenreich brilhar nas décadas de 1910, 1920 e 1930.

 Ao longo de sua carreira, ele atuou pelo SC Germânia (1909 e 1911); CA Ypiranga (1910, 1913, 1914-15 e 1917); Mackenzie College (1912); SC Americano do Santos (1913); Paulista (1913-14); Payssandu FC-SP (1915-16); CA Paulistano (1916 e 1917-29); CR Flamengo (1917 e 1935); SC Internacional-SP (1929); Atlético Santista (1929); Santos FC (1930 e 1935); São Paulo FC (1930-35) e  Atlético Mineiro (1933).

 

Fonte: Jornal O Imparcial (entre os dias 3 a 22 de janeiro de 1928)

 

Por: Carlos Zamith 

 O Sul América Esporte Clube começou como Serra Azul, um time de garotos, sem sede e muito menos diretoria. Dele faziam parte, dentre outros, Basílio, Joca, Dogival e Junot Frederico.

Oficialmente transformou-se em Sul América que foi fundado 1º de maio de 1932, pelo mesmo grupo, reforçado por outros jovens, todos residentes no bairro de São Raimundo.

Na frente da casa do comerciante José Vieira, do lado oposto ao Grupo Escolar Olavo Bilac, na Rua 5 de Setembro, onde havia uma frondosa mangueira, os rapazes, com idades de 14 a 20 anos, reuniram-se e decidiram logo pela denominação do clube. Raimundo Verçosa, que era goleiro do São Raimundo na época com 19 anos, sugeriu o nome de Sul América ao lembrar de um clube argentino ou uruguaio com o mesmo nome.

O uniforme também foi decidido na mesma reunião por Valder Vieira: azul e branco.

clip_image002

Sede adquirida em maio de 1951.

CAMPEÃO DA TAÇA

Os feitos do Trem da Colina: Campeão da Taça Amazonas de 1977, competição de um só turno, disputado por cinco agremiações. Sul América venceu todos os adversários: Fast, 1 a 0; América, 4 a 0; São Raimundo, 2 a 1 e Nacional, 2 a 0, marcando nove gols contra apenas um sofrido.

Nesse mesmo ano, o Sul América conquistou o Torneio Inicio, formando com Walter, Heleno, Valdomiro, Mário Bacurí e Manuel; Rai, Carioca e Gilson; Zé Eduardo, Careca e Assis (Luís Alberto).

CAMPEÃO DE 1992

1992 – o Sul América, sob a direção do desportista Mário Cortez no departamento de futebol, contando com outros colaboradores como Valdeir Gondin, Luís Castelo, Raimundo Góes, Lindolfo Cardoso, José Taveira, Jandeir Cardoso e Hélio Duarte, do massagista Mundinho e do roupeiro Gaguinho, voltou a disputar a competição oficial.

clip_image004BICAMPEÃO.

1993 – Começou conquistando o Torneio Inicio. Nessa temporada, o Sul América contou ainda com mesmo grupo de colaboradores. Mas o braço forte do Trem da Colina, sem dúvida foi o empresário Mário Cortez, que lutou, gritou e batalhou para que o Sul América chegasse ao título e, também, à Copa do Brasil, uma vez que forças ocultas queriam tirar o direito de seu clube, legítimo campeão amazonense. Na foto, Mário Cortez e Valdeir Gondin.

Time campeão de 1993- Reinaldo, Alexandre, Jorge Luiz, Careca e Guará; Tavares, Betão (Gilson Leão) e Elson; Fernandinho, Ney e Furtado.

Jogaram ainda, Beto Pastor, Hidalgo, Lima Pifó, Walmir, o goleiro Guanair, Dadau, Branco, Marquito, Jailson, Elizaldo e Luíca. Técnico: Iane Jaber.

Há algum tempo o Sul América obedece à incansável colaboração do empresário Luiz Costa, que ao lado de seu filho, o advogado Alex, também jogador do time profissional, vai levando o “Trem da Colina”, enfrentando uma série de obstáculos, para não deixar de disputar a competição oficial, mas neste ano de 2012, parou.

clip_image006

1957 – Zamundo, Sula e Carrapeta eleita como a melhor intermediária do futebol amazonense pela entidade dos cronistas.

 

Fotos: Carlos Zamith 

 

 O Grêmio Esportiva Aparecida é uma agremiação da cidade gaúcha de Caxias do Sul. O clube foi Fundado no dia 29 de Junho de 1963.

 

Por: Telmo Lemos

O Esporte Clube Tamandaré de Mostardas surgiu no dia 11 de Janeiro de 1942. Mostardas, ainda Vila, saindo dos cueiros de Freguesia, assistia a um fato novo no terreno esportivo de sua história. Começava a ter seu primeiro clube de futebol, realmente organizado. Nascia o Esporte Clube Tamandaré, honra e glória do esporte mostardense.

Hoje o Tamandaré não é mais um patrimônio dos seus associados, nem de seus simpatizantes, bem mais que isto, está inserido no coração, na alma e na consciência de todo o mostardense, que deve ver nele o começo de um pedaço novo da nossa história, a história desportiva de Mostardas.

Muitos, que nem eram tantos, como eu, tiveram a felicidade de presenciar este começo. Numa homenagem ao grande e inequívoco Tamandaré, contra o qual disputei, como jogador do Brado do Sul, inesquecíveis e leais jornadas, faço este depoimento, sem precisar datas, mas apenas meses. É certo que os acontecimentos estão entre janeiro e fevereiro de 1942.

Morava em São Simão, estudava em Porto Alegre, gozava à época, férias e, como o meu pai era proprietário na Boa Vista, acertei com ele um jeito de assistirmos à fundação da primeira entidade esportiva de Mostardas, que levaria o nome de Tamandaré, numa homenagem ao herói marinheiro rio-grandense, hoje Patrono da Marinha, cuja natalidade ainda é disputada entre riograndinos e nortenses.

A tranco de cavalo, cedinho, nos pusemos a caminho. Viagem de três horas, por volta das dez, chegávamos a Vila de Mostardas. Havia o natural e costumeiro rebuliço que, no nosso interior de então, sempre acontecia nestas ocasiões.

As horas foram passando e começou a se instalar nos espíritos a incerteza da vinda do Esporte Clube Liberal, de São José do Norte, que seria o padrinho da nascente entidade esportiva. Por incrível que pareça, nossa estrada para o Norte já era tão ruim e de trânsito tão incerto quanto hoje.

 Alguma coisa não mudou. A comunidade em expectante alvoroço, alguns carneiros já sacrificados para o almoço de recepção aos convidados, algumas garrafas de vinho na “cacimba do povo”, no fundo da Quinta do Chico Pedro. As horas passando e de nortenses nada.

Nesta condição aventou-se a ideia de formar-se uma equipe de estudantes, para que ao menos parte do acontecimento fosse salvo. Como estudante, comecei a torcer por esta hipótese. Não deu outra, como hoje se diz. Jogamos onde agora é o aeroporto, então campo de futebol.

O resultado foi parelho, mas não sei precisar. De um fato, porém não esqueço, por ter sido protagonista central. Vou descrevê-lo: Nosso time investe e, sobrando uma bola, chutei a golo. Goleira sem rede, o chute, passando a poucos centímetros, deu a impressão de que havíamos marcado.

Neste momento, a banda de música estourou um dobrado comemorativo que, confesso hoje, 50 anos depois, arrepiou todos os pelos dos meus 16 anos. À época era a Banda do Maestro Gentil, hoje do João da Édia, do Luizinho, do Ceceu e de tantos outros abnegados, mas sempre querida, respeitada e certamente imortal.

O juiz não deu o gol, nem poderia. Valeu, no entanto, meu arrepio e um dizer da lavra do meu grande e dileto amigo Vicente Cardoso, companheiro de equipe, que por muito tempo fez parte da nossa comunidade. Quando alguém perdia algo, fosse uma partida de futebol, uma carreira ou até mesmo a namorada, era costume dizer-se “e nem a banda tocou”. Era um jeito de chibatear o amigo, de certa forma carinhosa mas também mordazmente. No meu caso, o gol não valeu, mas a “banda tocou”.

Dias depois desta partida, provavelmente um ou dois fins de semana, veio a equipe do Liberal Futebol Clube, que então oficialmente apadrinhou nosso Tamandaré. As datas ficam por conta dos arquivos e, na falta destes, dos pesquisadores.

De minha parte ofereço estes detalhes e uma fotografia de parte da equipe do Liberal, no caminhão que a trouxe, na frente da casa do “seu” João Caieira, que era a sede do Clube.

 

 

O Esporte Clube Tamandaré  é uma agremiação da cidade gaúcha de São José do Norte. O clube fica localizado na Loc. São Caetano, s/n – São Caetano -  São José do Norte.

 

 

O Clube dos 18 é uma agremiação do município de São José do Norte (RS). O clube surgiu nos anos 50, e o nome aconteceu durante a reunião composta por (18) dezoito pessoas, sendo assim um membro participante da reunião sugeriu que se formasse a agremiação com o seguinte nome.

O Clube dos 18, como havia um bom relacionamento entre eles, montaram uma sede para arrecadarem fundos e cultivarem a amizade que já existia dentro do grupo.

Com essa parceria e amizade, foi possível disputar o campeonato nortense, por ser um Clube de amigos, despontaram para o futebol amador, os atletas Paulinho, Alípio, Roberto Malta, Elias Amorim, Renato Coiceia dentre outros.

Clube dos 18 do ano de 1957 (da esquerda para direita): Alípio, Guilherme Costa Neto, Raimundo Porto, Elias Amorim, Paulo Petrone, Geraldino Saraiva, Arnóbio Lemos, Renato, Bebeto Malta, Ratão e Iracildo.

 
Foto: http://penabolanascimento.blogspot.com.br

 

 

Quanto mais se procura… Mais encontramos América’s espalhados pelo Brasil. Esse aqui postado é o América Futebol Clube da cidade gaúcha de Erechim. O ‘Mecão dos Pampas‘ foi Fundado em 1974.

 

A Associação Atlética Portuguesa Pelotense é uma agremiação da cidade gaúcha de Pelotas. O clube lusitano fica na Rua Andrades Neves, 1.321 – Centro de Pelotas.

 

 

A CONESUL Futebol Clube é uma agremiação da cidade gaúcha de Passo Fundo. O clube fica localizado na Rua Castro Alves, 234 – Bairro de Vila Petrópolis, em Passo Fundo.

 

O G.R.U.D.I. (Grêmio Recreativo União Do Imirim) é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Fundado no dia 23 de Agosto de 1981, o GRUDI tem a sua Sede na Rua Gregório dos Santos, 48 – Bairro do Imirim, na Zona Norte da capital paulista.

 

O Esporte Clube IV Centenário é uma agremiação da cidade de Guarulhos (SP). O clube guarulhense foi Fundado no dia 1º de Janeiro de 1954. A sua Sede fica na Avenida Martins Júnior, 01 – Bairro de Bela Vista.

 

A Associação Atlética Recreativa Nacional é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O Clube foi Fundado no dia 14 de Março de 1913, fica localizado na Rua Anhaia, 1.239/40, no Bairro de Bom Retiro, no Centro de São Paulo.

A.A.R. Nacional do Bom Retiro de 1913

Foto: http://nacionalbomretiro.com.br/home.html

© 2015 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha