A Associação Atlética Sucrerie foi fundada em 8 de fevereiro de 1914 por funcionários da Société Sucrerie Brasiliene que era de origem francesa e dona do Engenho Central na Vila Rezende.

Segundo dizem, Angelo Filipini um dos seus fundadores confeccionou o primeiro carimbo do clube a mão, fazendo uso de um canivete.

Em 1942 em virtude da 2° Grande Guerra Mundial, por imposição governamental, os clubes com nomes estrangeiros foram obrigados a adotar nomes brasileiros, assim a A.A. Sucrerie passou a se chamar Clube Atlético Piracicabano.

Um dos grandes rivais do XV de Piracicaba foi um dos pioneiros do profissionalismo no interior e disputou a 2° divisão (atual série A2) até o ano de 1954, deixando o profissionalismo em 1955.

Por suas fileiras passaram grandes jogadores como Pepino, Rabeca, Strauss, Coringa (recebeu o Belford Duarte da CBD por nunca ter sido expulso), Tito Ducatti (o seu maior artilheiro), Benedito Julião que jogou muitos anos no Corinthians e chegou a ser convocado  para a Seleção Brasileira e Cuíca, ou melhor, Mazzola, campeão Mundial em 1958 na Suécia.

Foto do mestre Idálio Filetti, provavelmente dos anos 1940. Mostra a torcida do Estádio Dr. Kok. Interessante é saber que o estádio surgiu por intercessão de alguns desportistas, sendo a maioria deles funcionários do Engenho Central, que solicitaram emprestado terreno situado na av. Dona Francisca, através de seu proprietário Dr. Holger Jensen Kok, então diretor superintendente da Societé de Sucreries Bresiliennes – Engenho Central. No início do século passado, locou a área por valor ínfimo, para que pudessem construir um campo de futebol.

Uma campanha destinada a arrecadar fundos para a compra da área do estádio, foi desencadeada pelo Sr. Lázaro Pinto Sampaio, que contatou fornecedores, industriais, comerciantes, proprietários de engenhos, usineiros etc, além de contribuições dos funcionários da empresa Dedini S/A, a fim de buscar as verbas necessárias para a compra do referido terreno. Assim foi possível a efetivação da aquisição da área que foi denominada ESTÁDIO DR. KOK, em homenagem à memória do nobre ilustra patriarca, no dia 5 de agosto de 1941.

A foto mostra a sede administrativa do Clube Atlético Piracicabano, nos anos de 1960. Situava-se na avenida Barão de Serra Negra, ao lado da praça da Igreja Imaculada Conceição, na Vila Rezende. O clube representou por muitas décadas os rezendinos, senão toda Piracicaba. O prédio não existe mais.

Atualmente, o Clube Atlético Piracicabano possui sua sede na Avenida Brasília, número 571, no bairro de Vila Rezende, nessa cidade.

 

FONTE:Revista O Malho - fotoeahistoria.blogspot.com.br de Edson Rontani Junior - educandopeloesporte.com.br

 

FONTE: Revista da Semana

 

 

FONTE: Revista da Semana

 

Fonte: Placar

 

Fonte: Placar

 

Fonte: Placar

 

Fonte: Placar

 

Foto rara, de 1989: Galícia Esporte Clube – Salvador – BA

 

Em pé, da esquerda para a direita: Mauro, Dias, Renan, Biro-Biro, Edilson e Marco Antonio.

Agachados, na mesma ordem: Leo, Pitico, Chamusca, Marcelo e Juruna.

Esse time era treinado por Orlando Peçanha.

 

Fonte: Placar

 

Em pé, da esquerda para a direita: Ambrósio, Penachio, Neuri, Café,  Mota e Nelson Coruja.

Agachados, na mesma ordem: J. Alves, Cabinho, Gildo, Milton e Marco Aurélio.

 

Fonte: Jornal da Tarde

 

OBS: O zagueiro Carlos Alberto Penachio  jogou no América F.C. de São José do Rio Preto, no Uberaba S.C., Sport Club Recife, Clube Atlético Paranaense e no São Paulo Futebol Clube.

No Tricolor paulista atuou entre os anos de 1963 e 1966.

Faleceu na data de 10 de novembro de 2017, aos 71 anos de idade.

 

 

Campeonato paulista de 1954 – 2ª Divisão de Profissionais

E.C. Taubaté 9 x 2 A.E. Velo Clube Rioclarense (Rio Claro)

Partida realizada na data de 27 de fevereiro de 1955, na cidade de Taubaté

Juiz: Vladimir Alexsandrov

Gols: Berto (6) e Silvio (3) (T) e Tonhão e Araraquara (Velo)

Taubaté: Sérgio, Rubens e Porunga. Ananias, Zé Américo e Ivan. Taino, Durval, Berto, Benedito e Silvio.

Velo: Cabeção, Casonato e Salvador. Valdemar, Milton e China. Tito, Bera, Tonhão, Sampaio e Araraquara.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

 

A Associação Athletica Casale Paulista, foi fundada na data de 3 de dezembro de 1917, e tinha sua sede localizada no Largo do Cambuci, 25 – no bairro do mesmo nome, na Zona Sul da cidade de São Paulo.

Os “casalinos” tinham seu campo na Rua Clímaco Barbosa número 56, cujo gramado foi inaugurado na data de 8 de setembro de 1929.

A “Campeã do Cambuci”, como era conhecida, foi considerada, durante sua existência, a mais forte agremiação do bairro.

No “Primeiro Grande Campeonato Amador de Futebol”, conhecido também como “Taça de São Paulo de 1931”, promovido pelo jornal A Gazeta, participaram 203 equipes, e a Associação Athletica Casale Paulista ficou com o 4º lugar.

O campeonato foi vencido pelo C.A. Villa Nova Mazzei.

Fonte: A Gazeta

 

Em pé, da esquerda para a direita: Vevé, Di, Adailton, Ortunho, Rubens e Joel.

Agachados, na mesma ordem: Mário, Carbone, Nilso, Osvaldinho e Toninho.

Fonte: Placar

 

Em pé, da esquerda para a direita: Silas, João Luís, Bolivar, Juarez, Manguinha, Pécos e Kita.

Agachados, na mesma ordem: Tato, Gilberto Costa, João Batista, Gilson Gênio e o massagista Bolão.

FINAL: Melhor de três

Primeira partida: 31 de agosto de 1986

S.E. Palmeiras 0 x 0 A.A. Internacional

Local: Estádio do Morumbi (São Paulo) Árbitro: Romualdo Arppi Filho
Público pagante: 104.136 Renda: CZ$ 3.043.640,00

Cartão amarelo: Manguinha (AAI)
PALMEIRAS: Martorelli, Diogo, Márcio Alcântara, Vágner Bacharel (Amarildo) e Denys; Lino, Edu Manga e Mendonça; Jorginho, Edmar (Mirandinha) e Éder. Técnico: Carbone.

INTERNACIONAL: Silas, João Luís, Juarez, Bolívar e Pecos; Gilberto Costa, Manguinha e João Batista; Tato, Kita (Gilcimar) e Lê (Carlos Silva). Técnico: Pepe.

 

Segunda partida: 3 de setembro de 1986

S.E. Palmeiras 1 x 2 A.A. Internacional

Local: Estádio do Morumbi (São Paulo) Árbitro: Dulcídio Vanderley Boschilla
Público pagante: 68.564 Renda: CZ$ 2.443.610,00

Cartão Amarelo: Denys e Éder (SEP) e Silas (AAI).

Expulsão: Jorginho (SEP) 39 do 2º Tempo

Gols: Kita aos 5 e Tato aos 9 (AAI) e Amarildo (SEP) aos 29 minutos do segundo tempo.
PALMEIRAS: Martorelli, Diogo (Ditinho), Márcio, Amarildo e Denys; Lino (Mendonça), Gerson e Jorginho; Mirandinha, Edmar e Éder. Técnico: Carbone.
INTERNACIONAL: Silas, João Luis, Juarez, Bolivar e Pecos; Manguinha, Gilberto Costa e João Batista (Alves), Tato, Kita e Lê (Carlos Silva). Técnico: Pepe.

 

Fontes: Jornal da Tarde e Campeões do Futebol

 

O Clube Atlético Juventus tornou famosa a Rua Javari, onde se registraram jogos memoráveis.

O Moleque Travesso teve suas raízes no time Cotonifício Rodolfo Crespi F.C., fundado em 20 de abril de 1924, fruto da fusão do Extra São Paulo F.C. e do Cavalheiro Crespi F.C., tradicionais clubes da várzea da Moóca, formados por empregados da fábrica dos Crespi.

Na ocasião decidiu-se por manter as cores do Extra – vermelho, preto e branco – como sendo as oficiais da nova agremiação, aproveitando daquele a maioria dos jogadores.

No dia 24 de abril de 1925, o Cavalheiro Rodolfo Crespi ofertou ao time, que honrava o bom nome de sua fábrica no cenário esportivo, um amplo terreno situado na Alameda Javry nº 117, atual Rua Javari, a fim de que naquele espaço fosse desenvolvida a prática do futebol.

Na data de 19 de fevereiro de 1930, em Assembleia Geral Extraordinária, a diretoria da agremiação resolveu mudar o nome.

Saía de cena o romântico Cotonifício Rodolfo Crespi F.C. e surgia o imortal Clube Atlético Juventus.

A sugestão do novo nome partiu de Crespi, que tinha preferência pelo time da Juventus, na Itália.

As cores oficiais do clube passaram a ser a grená e o branco, cuja semelhança tratava-se justamente da outra equipe da mesma cidade de Turim, o Torino.

 

FONTES: Alô Tatuapé – Edição Histórica

 

Em pé, da esquerda para a direita: Pedro, Sidinho II, Vicente, Rubinho, Pedrinho e Pelado.

Agachados, na mesma ordem: China, Tará, Somoza, Sidinho I e Siduca..

 

Fonte: Gazeta Esportiva

 

Em pé, da esquerda para a direita: Pepino, Oswaldo, Mimi, Carlinhos, Alberto e Rodrigues.

Agachados, na mesma ordem: Genarino, Aurélio, Guanabara, Nelson e Wilson.

 

Fonte: Popular da Tarde

 

Em pé, da esquerda para a direita: Luis Carlos, Vicente, Biluca, Adilson, Geneci e Grimaldi.

Agachados, na mesma ordem: Neco, Clair, Claudio Lopes, Jorge Mendes e Luis Paulo.

Fonte: Placar

 

Em pé, da esquerda para a direita: Triel, Noriva, Celso, Jair, Dias e Almir.

Agachados, na mesma ordem: Valdo, Alexandre, Eraldo, Ivo e Madeira.

 

Fonte: Placar

 

Fonte: Placar

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

FONTE: Revista Sportiva

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

 

FONTE: O Imparcial “Supplemento Sportivo”

 

Em pé, da esquerda para a direita: Odirlei, Jair Picerni, Wanderlei, Oscar, Carlos e Polozzi.

Agachados, na mesma ordem: Lúcio, Marco Aurélio, Rui Rei, Dicá e Tuta.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

 

Em pé, da esquerda para a direita: (?), Lorico, Roque, Moacir, Tecão e Zé Mário.

Agachados, na mesma ordem: Rodrigues, Araujo, Julinho, Luís Carlos e (?)

 

Fonte: Gazeta Esportiva

 

 

Em pé, da esquerda para a direita: Sérgio, Batalhão, Carlos, Muri, Ticão e Zé Carlos.

Agachados, na mesma ordem: Tonho, Zé Luís, João Marques, Ademir e Guará.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

© 2018 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha