Time do Apucarana em 1991 Em pé – Marcão, Ivanildo, Madruga, Cleomir, Marcos Paulo, Marcelo e Adão Pereira (preparador físico). Agachados – Índio, Lê, Adelar, Ismanir e Grafite.

Fontes:

Arquivos do autor
Revista Placar
Facebook “Amigos do museu esportivo”
 

A Associação Athletica Ramenzoni foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O clube Rubro-anil foi Fundado no domingo, do dia 15 de Setembro de 1929, por um grande número de funcionários da Fábrica de Chapéus Ramenzoni, da firma Dante Ramenzoni e Cia. Ltda. O local foi no escritório da referida firma, gentilmente cedido pelos diretores.

A sua Praça de Esportes ficava localizado na Avenida dos Estados, nº 8, no Bairro do Canindé, em São Paulo. Em pouco tempo, o clube contava com 300 sócios. Em 1942, alcançou o número de 450 sócios. 

A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte maneira:

Presidente Honorário - Lamberto Ramenzoni;

Vice-Presidente Honorário - Carlos Rusca;

Sócio Honorário - Ibsen Ramenzoni;

1º Presidente - Ziro Ramenzoni;

2º Presidente - Cesar Biondetti;

1º Tesoureiro - Orlando Pacini;

2º Tesoureiro – Firmino Calza;

Secretário Geral - Ivo Buoncristiani;

1º Secretário - João Cosentino;

2º Secretário - Igor Bittencourt;

Conselheiros - Bruno Lebblo, Gino Moro, Ítalo Vettorazzo e Menotti Coppini;

Revisores de conta - Achilles Camerini e Tullio Tito Lencioni;

Diretoria Esportiva:

Diretor Técnico - Floriano Guarany;

Diretor Esportivo - José Cortez, João Bertolucci e Carlos Avezzani;

Comissão Esportiva - José Leamare, Venancio Cristofari, Raphael Festa;

Sócios Beneméritos - Dante Ramenzoni (chefe da Casa Dante Ramenzoni Cia. Ltda.) e Leopoldo Sant’Anna (uma das figuras de maior destaque no esporte bretão).

Participou do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, em 1932 e 1934; e o Campeonato Paulista da Terceira Divisão, em 1933. Todos organizados pela APEA (Associação Paulista de Esportes Athleticos).

 Time de 1932: Nicola; Belleri (Antonio) e Sigimundo; Carlete, Luiz e Manzzioni; Picinin (Mosca), Dias, Antonelli, Morrone e Guarizo.

 Time de 1933: Nicola; Nelusco e Bileri; Luiz, Zanota e Pepi; Victorio (Mosca), Manolo, Pizzone, Moroni e Ary.

 

FONTES: A Gazeta – Correio de São Paulo

 

A Sociedade dos Ex-Alunos do Instituto Médio Dante Alighieri Foot-Ball Club ou simplesmente Dante Alighieri foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O clube foi Fundado na quarta-feira, do dia 06 de agosto de 1930. Uma de suas primeiras sedes ficava na Rua do Carmo nº 39, 2º andar. Em 1932 sua sede provisória ficava na Rua 15 de Novembro nº 18. A equipe “Azzurra” disputou o Campeonato Paulista da Terceira Divisão em 1932 organizado pela APEA (Associação Paulista de Esportes Athleticos).

HISTÓRIA

Foi um grupo de idealistas, representados por ex-alunos e professores do Colégio Dante Alighieri que realizou o sonho acalentado durante já há algum tempo: fundar uma Associação dos Ex-Alunos do Dante. Reuniram-se nos idos de 06 de agosto de 1930, no Salão Nobre do Circolo Italiano, cerca de 80 participantes (fls1, do Livro de Registro de Assembleias). Eles foram promotores dessa que passou a chamar-se 1ª Assembleia Preparatória dos Ex-Alunos do Instituto Médio “Dante Alighieri”.

Os trabalhos foram abertos pelo Prof. Dante Izoldi, lente de matemática do Instituto que, após expor em linhas gerais a razão da reunião, ou seja a fundação de uma específica associação, indicou o Dr. João Manzoli, sob aplauso dos presentes, para presidir a reunião promovendo a eleição, por escrutínio secreto, de um comitê provisório, formado por nove membros que ficou assim constituído: Dr. João Manzoli, Aldo Travaglia, Carlos Lodi, Américo Fontana, Miguel Reale, Gerardo Romeo, DimesBenatti, Attilio Perrone e João Beretta.

Na 1ª Reunião do Conselho Provisório, em 11 de agosto de 1930, procedeu-se à escolha dos cargos, tendo sido eleitos João Manzoli-Presidente, Aldo Travaglia-Vice Presidente, Attilio Perrone-Secretário e Miguel Reale-2° Secretário.

Na 2ª Reunião do Conselho Provisório, em 15 de agosto de 1930, foi aceita a denominação “Sociedade dos Ex-Alunos do Instituto Médio Dante Alighieri”, estabelecendo-se a sigla “I.M.D.A.”

Na 3ª Reunião do Conselho Provisório, de 19 de agosto de 1930, ficou decidido que a novel instituição teria 9 Diretores com cargo e 2 Conselheiros.

Na 4ª Reunião do Conselho Provisório, de 22 de agosto de 1930, foram instituídos os Revisores de Contas e na 5ª Reunião, realizada em 24 de agosto de 1930, o projeto do estatuto foi aprovado para ser levado à Assembleia Geral.

Os trabalhos do Conselho Provisório foram encerrados dando por finda e cumprida sua missão. Em 25 de agosto de 1930 ocorreu a 1ª Assembleia Geral dos Ex-Alunos do IMDA.

O Presidente do Conselho Provisório, João Manzoli abriu a seção e indicou o Prof. Arthur Magnocavallo para presidir os trabalhos, sob aclamação dos presentes.

Foram aprovados os estatutos, foi realizada a eleição de 15 conselheiros e 3 Revisores de contas. Foi fixada para 3 de setembro de 1930 uma reunião dos conselheiros eleitos e revisores de contas, para a distribuição dos cargos na Diretoria.

No dia 14 de outubro de 1931 o Presidente, João Manzoli, abriu a seção e pediu aos presentes a indicação de um Presidente da mesa para proceder aos relativos trabalhos, inclusive para tratar da questão da sede da Associação.

Os objetivos da Associação permaneceram praticamente semelhantes desde a data de sua fundação até os dias de hoje, ou seja, como consta nos atuais Estatutos:

A AEDA tem como finalidade manter acesos os princípios e tradições do Colégio Dante Alighieri, na extensão pós-escolar, congregando ex-alunos, professores e simpatizantes, incentivando, através de suas manifestações sociais, esportivas e culturais, a par do aprimoramento do idioma pátrio e difusão da língua e cultura italianas, o relacionamento entre seus associados.”

Os primeiros estatutos foram publicados no Diário Oficial do Estado de São Paulo, na edição n° 284, de 11 de dezembro de 1931. Após a Assembléia Ordinária de 15 de janeiro de 1932, realizou-se, em 13 de janeiro de 1933 uma Assembleia Ordinária na qual os conselheiros eleitos e revisores de contas foram convocados para uma reunião da Diretoria, a ser realizada no dia 20 de janeiro de 1933 a fim de se proceder à necessária distribuição dos cargos e respectivas posses.

A partir de 20 de janeiro de 1933 o Conde Raul Crespi passou a exercer a Presidência da IMDA, cujas atividades foram desenvolvidas com verdadeiro entusiasmo e dedicação. Os resultados foram brilhantes, mas com o advento da segunda guerra mundial a Associação suspendeu suas atividades por decisão tomada em 01 de dezembro de 1941, ocasião em que contava com apenas 19 sócios. Naquela época a Sede da Associação estava localizada no Prédio Martinelli.

Em 23 de novembro de 1959 a IMDA retomava suas atividades, desta feita sob o nome de AEDA-Associação dos Ex-Alunos do Colégio Dante Alighieri em memorável Assembleia Geral Extraordinária que aprovava novo Estatuto, sempre sob a Presidência do Conde Raul Crespi.

FONTES & FOTOS: Jornal A Gazeta (SP) – Jornal Il Pasquino (SP) – Site da AEDA – aeda.com.br – Acervo do Colégio Dante Alighieri (anos 30)

 

Por Leonor Macedo 

Em um passado não muito distante, a Pompéia, a Lapa e a Vila Anglo-Brasileira eram cheias de campinhos de futebol e times amadores. Lá pelo início de 1900, depois de Charles Miller voltar da Inglaterra para o Brasil com uma bola e um par de chuteiras, o futebol se tornou popular entre os operários, que se organizavam para partidas depois do trabalho e aos fins de semana.

Daí para fundarem equipes com nome, uniforme, sede e organizarem torneios foi um pulo. Os bairros ganharam o Santa Marina, o Lapeaninho, o Alfa, o Guaicurus, o Roma FC, o Fluminense, o Faísca de Ouro, o União Paulista, o Peñarol, o Corinthians Pompeiano, entre tantos outros.

Uma das mais fortes e tradicionais equipes era o União Lapa Foot Ball Club, que nasceu na mesma data que o Corinthians: 1º de setembro de 1910. Não por acaso, os fundadores dos dois times de operários resolveram marcar sua estreia nos campos um contra o outro, dez dias depois. E quem venceu aquela partida foi a equipe da Lapa, por 1 a 0.

De lá para cá, a história mudou de figura. O Corinthians cresceu, saiu da mão dos operários e se tornou um dos times mais importantes, ricos e competitivos do Brasil, enquanto o União Lapa acabou. Sua história é lembrada em algumas páginas de jornais armazenadas no Acervo de Memória da Lapa, mas pouco se sabe sobre a equipe.

Foi nestes jornais que o geógrafo Danilo Cajazeira buscou informações para começar a colocar em prática a ideia de refundar o União Lapa e recuperar a sua história. Junto com amigos, todos amantes do futebol e frequentadores do bairro e da região, remontou o time, mandou fazer os uniformes (camisa celeste, meião preto e calção branco) com o escudo original e já marcou a primeira partida: será no próximo sábado, contra o Pinguim da Mooca, que foi fundado em 1944.

Nessa entrevista, Cajazeira conta mais de suas descobertas sobre o União Lapa e seus planos para o time:

De onde surgiu a ideia de refundar o União Lapa?

Eu cresci na Lapa e sou corinthiano, além de géografo. Sempre curti pesquisar o passado do bairro, os rios, os campos de futebol antigos, as fábricas. Sabia que o primeiro jogo do Corinthians tinha sido contra o União Lapa e achava curioso que houvesse tão pouca informação sobre o clube (é o único clube no Almanaque do Futebol Paulista que não tem o escudo). Ao mesmo tempo, já há alguns anos me interesso e participo da vida cultural no bairro, e quando comecei a ir atrás da história do União vi que o clube era uma referência comunitária, um lugar de encontro dos lapeanos. Aí falei com amigos que curtem o bairro e que jogam bola por aqui e fomos animando a ideia de refundá-lo.

Onde ficava a sede do União Lapa?

Até o final de 1933, na Rua Doze de Outubro, 63. Depois mudou pra Doze de Outubro, 70. Não descobri ainda quando ela foi fechada. Segundo o livro “Lapa”, de Wanderley dos Santos, o campo do clube era no final da Rua Doze de Outubro e, lendo os jornais da época, dá pra notar que era a maior praça de esportes do bairro.

Por que você acha que a história do União Lapa ficou perdida e que o time não despontou como o Corinthians, já que os dois nasceram na mesma data?

Pelo que pesquisei até agora, tem algumas hipóteses. Com o crescimento do bairro surgiram muitos times de futebol. O bairro era referência no futebol da cidade, mas com diversos clubes os bons jogadores foram se dividindo entre eles. Achei um artigo em um jornal do bairro, de 1930, que lamentava isso e dizia que era melhor “antigamente”, quando só havia o União Lapa e o Ruggerone por aqui, e questionava porque não podia existir apenas um clube, que representasse o bairro “como o Corinthians no Bom Retiro”.

Paralelamente a isso, no final da década de 1920, o clube estava bem, havia ganhado a Divisão Intermediária da LPF invicto em 1927 e foi disputar a Primeira Divisão em 1928. Mas tinha uma crise financeira e política, ao que parece: José Ozzetti, que foi presidente por 12 anos, tinha sido “escorraçado” do clube por tê-lo deixado “falido”. A nova diretoria primeiro foi elogiada, mas depois perdeu o controle financeiro também. Tem um relato de reunião em que o José Ozzetti acaba com a diretoria, que se demite inteira, e é convidado à voltar, mas se nega. Isso é no final de 1932.

Infelizmente no Acervo de Memória da Lapa não tem as edições do jornal entre o final de 1932 e o começo de 1933, então não dá pra saber como isso terminou. Mas tinha ainda outra coisa, que eu acho que pesou mais que tudo isso: a polêmica entre o amadorismo e o profissionalismo nessa época. Ao que parece o União tentou acompanhar o profissionalismo, e foi alvo de críticas. Em 1929 ou 1930 todos os principais jogadores do Lapeaninho, outro clube do bairro, vão parar no União, e o jornal cai matando em cima deles. Um deles, especialmente, é bastante hostilizado: Carabina, que era ídolo no Lapeaninho (fundado em 1923). Passado um tempo, eles voltam pro Lapeaninho, e o jornal acha absurdo o clube aceitá-los de volta. Então, acho que em meio a isso, acabaram sobrevivendo os clubes que tinham grana pra atrair os bons jogadores, e na crise que o União estava, parece que não tinha essa grana. Entre 1933 e 1934 o clube quase desaparece das páginas dos jornais, que trazem notícias apenas de festas e bailes na sede e de resultados do pingue-pongue.

E o que você acha que o resgate do União Lapa vai trazer para o bairro? Qual é a ideia de vocês com a refundação do clube?

Acho que a Lapa tem um passado operário e um passado no futebol muito rico, e que, com o aumento da especulação imobiliária e a mudança na geografia do bairro, isso aos poucos vai se perdendo. Foi na Lapa que surgiu a segunda Liga Operária de São Paulo e o bairro foi um dos focos da greve geral de 1917, tendo grande importância na organização do movimento operário e na luta por direitos trabalhistas no começo do século XX. O União era um time de trabalhadores e pequenos comerciantes, o açougue do José Ozzetti aparece em vários anúncios do jornal do bairro na época.

Hoje, apesar das mudanças, ainda tem muito futebol pela Lapa e também tem crescido o número de iniciativas culturais no bairro. Temos um espaço público enorme que, a meu ver, é subutilizado: o Tendal da Lapa. E, ao mesmo tempo em que o crescimento da cidade “matou” vários dos campos de futebol no bairro, temos muitas escolas públicas na região, com muitos jovens que não tem muito onde jogar. Alguns deles criaram até um movimento, o Boa Quadra, pra lutar por espaços públicos no bairro – recuperaram uma quadra que tinha virado estacionamento na rua Mário.

Então, a ideia é que o União possa talvez funcionar como um catalisador disso tudo: futebol, memória do bairro e comunidade, ajudando a interligar as muitas atividades que acontecem por aqui. Vamos ver aonde chegaremos, mas como mostra o passado do clube, a primeira divisão é o limite.

Terceira divisão é o limite, mas não me parece que vocês queiram repetir o modelo de profissionalização dos times grandes. Como seria possível chegar, então, a primeira divisão fazendo diferente?

Essa é uma conversa bem inicial ainda. Na verdade, isso de Primeira Divisão foi mais uma brincadeira, embora eu não descarte a ideia, não. Se for pra pensar em chegar lá, pra mim, o modelo tem que ser o de um clube comunitário, onde todo mundo participa, opina e decide. Algo como a Democracia Corinthiana da década de 1980, ou como o St. Pauli, da Alemanha. Mas vamos com calma, jogamos porque gostamos de jogar e a ideia de fazer parte do primeiro escalão do futebol da cidade não é uma prioridade por enquanto.

No sábado vocês vão ter o primeiro jogo. Quem é que joga no time?

Marcamos esse primeiro jogo como um pontapé inicial pra levar o projeto pra frente. Quem está fazendo parte é, em geral, gente que mora, morou ou frequenta o bairro, e gente que joga bola junto há alguns anos. A ideia do projeto é ser aberta a todos que se identifiquem, independentemente de morar na Lapa ou não, e independentemente de gênero ou idade também. Nesse primeiro jogo teremos só uma mulher em campo, mas se aparecerem outras serão bem-vindas.

A estreia será na Mooca, contra o Pinguim da Mooca, um time fundado em 1944 e que tem muita tradição no bairro, uma história parecida com a do União, apesar de em outra época. Os conhecemos faz um tempo e achamos que seria legal fazer um primeiro jogo resgatando a história do futebol e do passado de dois bairros tradicionais na cidade.

 

Descoberta do Escudo (23/12/2010) feita por Mario Ielo, do História do Futebol:

 http://cacellain.com.br/blog/?p=13528

http://cacellain.com.br/blog/?p=16346

FONTES & FOTOS: Site Vila Pompeia – Jornal Commercio da Lapa  - Página no Facebook do clube

 

O Rolândia Esporte Clube é uma agremiação esportiva fundada em 1973 na cidade de Rolândia, no norte do Estado Paraná. Apesar de mais de quatro décadas de existência apenas em 2017 se filiou a federação paranaense. Tem a intenção de disputar o campeonato paranaense da terceira divisão de profissionais que será jogado a partir de agosto. Para este primeiro semestre a equipe disputará o Campeonato paranaense sub-17. Mandará seus jogos no Estádio Erich George com capacidade para 2.200 pessoas.

Equipe do REC em campeonato amador em 2016 (Fonte: Jornal de Rolândia)

Partida de 2016 contra a equipe de Florestópolis. (Fonte: Jornal de Rolândia)

Uniformes para a temporada 2017 – Cores da bandeira alemã. (A cidade de Rolândia foi colonizada por alemães).

Fonte: Facebook de Sebastião Vieira Soares.

Uma das primeira formações da equipe. Ano desconhecido. Fonte: Facebook de Mauro Roberto Souza.

Em pé: Arthur Altino, Orlandino, Rubinho, Mauro Roberto Souza, Lincoln, Cosmos, Zé polaco, Leusemar( Corintiano), Geraldinho, Domigos Pantarotto, Odair Mendonça, Rosquinha e Ademar. Agachados: Luiz de Paula, Dercides, Odir Soller, Pingo, Gilmar, João Maria e Alan Pantarotto.

 

Fontes:

- Site da Federação Paranaense de Futebol
- Facebook.
 

A Sociedade Recreativa Cascavel ou simplesmente SOREC foi uma agremiação esportiva da cidade de Cascavel no Estado Paraná. Foi fundada em 10 de dezembro de 1994 com sede  na rua Monjoleiro Nº 12 – Recanto Tropical. Criada inicialmente para ser um clube para revelação de talentos, fez sua estréia no profissionalmente em 1998 na Terceira divisão Estadual. Nos anos de 1998 e 1999 jogou a Segunda divisão, voltando para a Terceira divisão em 2000. Em 17 de dezembro de 2001 se fundiu as outras duas equipes existente na cidade, Cascavel Esporte Clube e Cascavel Clube S/A, para dar vida ao Cascavel Clube Recreativo, hoje na segunda divisão Paranaense. Apesar de juridicamente não existir mais, hoje na cidade há uma escola de futebol chamada SOREC/Tigrão.

Equipe do SOREC em  20/02/1999 em Marechal Cândido Rondon– Concórdia(MCR) 1 x 2 SOREC

 Fontes:

Enciclopédia do Lance!

Site do Concórdia de Marechal Cândido Rondon (Hoje inativo)

Facebook SOREC/Tigrão

 

O Vasco da Gama Futebol Clube (Vasco de Caçador) é uma agremiação da cidade de Caçador (SC). Fundado no sábado, do dia 1º de Junho de 1957, a sua Sede está situado na Rua Itororó, nº 363,no Centro de Caçador.

Em 24 de abril de 1978, o então prefeito de Caçador, Reno Luiz Caramori sancionou a Lei nº 8/78, que firmava convênio, visando a execução e implantação de uma Praça de esportes num terreno de propriedade do Clube situado a Rua José Gioppo, as margens direita do Rio Caçador, no Bairro Gioppo.

Em pé da direita p/ a esquerda. Berardi, Lauro Bugre, Carazinho, Isca, Pedrinho, Nelson. Agachados da esquerda p/ a direita, Sabará, Ligação, Oscarsinho, Jonas, Idalin

O Vasco de Caçador fez parte do Campeonato Catarinense de 1965, na Quarta Zona (Região Planalto), juntamente com as equipes: Guarani e Internacional, ambos de Lages; Nevada (São Joaquim); Pery (Mafra); Santa Cruz, Botafogo e Ipiranga, todos de Canoinhas.

Em 1966, voltou a participar. Fez parte da Zona Rudi Nodari (Oeste), com mais sete clubes: Comercial  e Cruzeiro, ambos de Joaçaba; Guarany (Xaxim); Atlético Chapecoense (Chapecó); Perdigão (Videira); Sadia e Guaycurus, ambos de Concórdia.

 

FONTES: Leis Municipais de Caçador – Rsssf Brasil – Página no Facebook “História do Futebol de Santa Catarina” – Blog Boteco do Pardal – Página no Facebook “Fotos de Caçador SC” – Diário Rio do Peixe 

 

 

A Associação Atlética Araguaia é uma agremiação da cidade de Barra do Garça (MT). O ‘Galo da Serra‘ foi Fundado na quarta-feira, do dia 16 de Julho de 2014. A equipe manda os seus jogos no Estádio Zeca Costa, com capacidade para receber 5 mil pessoas.

No mesmo ano em que foi crido, o clube debutou no Campeonato Matogrossense da Segunda Divisão, terminando na 3ª colocação. Em 2015, subiu um degrau, e ficou com o vice-campeonato da Segundona de Mato Grosso, conquistando o inédito acesso para o Primeira Divisão do Estado.

Em 2016, o ‘Galo da Serra‘ estreou na elite do futebol Matogrossense. A equipe ficou no Grupo B, juntamente com Cuiabá, Dom Bosco, União Rondonópolis e Operário-MT. O Araguaia terminou na 3ª posição (foram oito jogos, com quatro vitórias, dois empates e duas derrotas; marcando nove gols e sofrendo oito), avançando para a Segunda Fase.

Novamente, surpreendeu e fechou na 2ª colocação no Grupo C (Foram seis jogos, com duas vitórias, dois empates e duas derrotas. assinalando sete gols e sofrendo oito), só atrás da Luverdense, e, a frente do Cacerense e Dom Bosco. Com isso, o Araguaia conquistou uma das vagas para as semifinais do Estadual.

Nas semifinais, em jogo único, O Araguaia acabou eliminado ao ser derrotado pelo Sinop por 3 a 1, dando adeus ao sonho de faturar o título. Na outra semifinal, a Luverdense bateu o Cuiabá por 2 a 0. Na grande final, após empate sem gols no jogo de ida, a Luverdense venceu o Sinop por 1 a 0, ficando o título do Campeonato Matogrossense da 1ª Divisão de 2016.

A boa campanha no Estadual rendeu uma vaga no Campeonato Brasileiro da Série D, em 2016. O ‘Galo da Serra‘ caiu no Grupo A10, juntamente com o Ceilândia (DF), Aparecidense (GO) e Comercial (MS). No entanto, a campanha não foi a esperada e o time terminou na 4ª colocação com uma vitória e cinco derrotas; marcando oito gols e sofrendo 13. A única vitória aconteceu na 2ª rodada, no dia 18 de junho, quando venceu o Comercial, fora de casa, pelo placar de 2 a 0.

Primeiro Escudo

FONTES: Wikipédia – Página do clube no Facebook – GloboEsporte.Com – Araguaia Notícias

 

A história do Novoperário Futebol Clube começou a ser contada em 11 de outubro de 2010, fruto da paixão de torcedores e entusiastas do futebol sul-mato-grossense, ansiosos por ver novamente o nosso esporte se destacando no cenário nacional.

A ideia de um clube novo foi sendo rapidamente disseminada entre os apaixonados pelo futebol, fazendo surgir um grupo sólido e disposto a transformar estes anseios em algo concreto. Os sócios-fundadores reuniram-se por diversas ocasiões, e após vários debates, o clube começou a tomar forma: foi escolhido o nome Novoperário Futebol Clube, assim como as cores que o simbolizam – preto, branco e dourado. Posteriormente, também foi definido o escudo, com referências ao estado de Mato Grosso do Sul, à cidade de Campo Grande e às origens do clube.

No começo de 2011, já com toda a documentação regularizada, o Novoperário pôde iniciar suas atividades. Os diretores reuniram-se com empresários, representantes de outras entidades e potenciais parceiros, conseguindo apoio para dar os primeiros passos do clube.

Com pouco mais de um ano de existência, o NOFC tem vários motivos para celebrar. Sendo até pouco tempo atrás federado apenas como uma equipe amadora, o Galo é agora oficialmente um clube profissional, com registro na Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul e na Confederação Brasileira de Futebol, estando apto a disputar o Campeonato Estadual. Além disso, o Novoperário já possui um polo de categorias de base, estabeleceu o projeto Esporte é Vida (sediado no bairro das Moreninhas) e tem presença significativa na internet, através do site oficial e das diversas redes sociais.

Estes são apenas os primeiros passos da história do Novoperário Futebol Clube!

META

O Novoperário tem a inovação como princípio norteador– pensar diferente, fazer diferente. E para seguir neste caminho, é necessário agir de maneira distinta ao que é visto atualmente dentro do futebol.

Com isso em mente, surgiu o slogan “Novoperário: Paixão Antiga, Uma Nova Idéia!”, que simboliza o conceito do resgate da força e da tradição do futebol de Mato Grosso do Sul de maneira inovadora, sempre atuando com seriedade, responsabilidade, transparência e respeito aos outros clubes, entidades, patrocinadores e principalmente aos torcedores.

Temos certeza que trilhando este caminho, esta história do Novoperário Futebol Clube irá se tornar em breve uma grande história, dando ao clube destaque nos cenários estadual e nacional!

Em busca de identidade própria, Novo adota a cor verde nos uniformes

Conjunto titular será todo verde, enquanto que o reserva será verde e branco; ideia é desvincular imagem do Operário, clube que serviu de inspiração ao Novo

Torcedor do Novo, não se espante: o verde estará mais presente do que nunca no uniforme do clube a partir deste ano. O motivo é simples. Com o retorno do Operário à elite do futebol sul-mato-grossense em 2016, cada vez mais o Novo quer forjar uma identidade própria e totalmente desvinculada da imagem do clube que inspirou sua criação, há sete anos. Então, adeus preto e branco. O uniforme titular do Novo será 100% verde, enquanto que o reserva terá listras horizontais verdes sobre fundo branco.

Criador versus criatura: Operário-MS e Novoperário fazem confronto inédito

Uniforme titular do Novo (Foto: Divulgação/Novo)Uniforme titular do Novo (Foto: Divulgação/Novo)

Mas por que verde? A diretoria diz que pretende prestar uma homenagem ao Pantanal e à natureza exuberante de Mato Grosso do Sul. Além disso, a cor está presente na bandeira do Estado. Os novos conjuntos já estarão em ação na estreia do clube na Copa São Paulo, contra o Atlético-MG, nesta terça-feira.

O nome oficial do clube, aquele que serve para preencher a papelada burocrática, permanece inalterado: Novoperário Futebol Clube. Mas na boca do povo, é Novo mesmo. O escudo passou por uma adaptação, e no lugar da palavra Novoperário, entra Campo Grande-MS. A diretoria de marketing do clube também investe na criação de novos elementos, como um mascote.

 

FONTES: Site do clube – GloboEsporte.Com

FOTO: Noé Faria/FFMS

 

O Portela Atlético Clube é uma agremiação Centenária da Cidade de Miguel Pereira, situado na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro. O Alvianil Miguelense foi Fundado na quinta-feira, do dia 29 de Junho de 1911. A sua Sede e o seu Estádio Fructuoso Fernandes, ficam localizados na Praça Joaquim Sobral, s/n, em Governador Portela, 2º Distrito de Miguel Pereira.

Na sua história, o Portela possui cinco títulos do Campeonato Citadino de Vassouras, organizado pela Liga Vassourense de Desportos (LVD): 1943, 1944, 1945, 1949  e 1953.

Venceu ainda o 1º Torneio de Futebol da Linha Auxiliar em 1953; campeão do Torneio da Amizade em 1966; campeão do Torneio Intermunicipal Miguel Pereira-Vassouras em 1986, bicampeão da 1ª Taça Miguel Pereira em 1986 e 1987 e campeão do Campeonato Regional da Liga de Desportos de Miguel Pereira em 1987.

Disputou o Campeonato Fluminense de Profissionais em 1943 e 1944, além de ter participado do Campeonato Carioca da 3ª Divisão, em 1989, organizado pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj). Na ocasião, o Portela terminou na 5ª colocação no seu Grupo, na fase inicial, e, conseqüentemente, não avançando para a fase final.

FONTES: Wikipédia – Página do clube no Facebook – Blog do Portela A.C.

 

Fundado no dia 20 de Outubro de 1928

 

FONTE: Correio de São Paulo – Mercado Livre

 

Cascavel Esporte Clube (conhecido como Cascavel e cujo acrônimo era CEC) foi um clube brasileiro de futebol, da cidade de Cascavel, no estado Paraná. Foi fundado em 19 de janeiro de 1979, sendo o segundo clube, de um total de seis até hoje, a levar o nome da cidade. A sua primeira casa foi o Ninho da Cobra; posteriormente a prefeitura municipal construiu o Estádio Olímpico Regional Arnaldo Busatto, com capacidade para 34 mil pessoas. Suas cores de fundação, eram o AzulVermelho e Branco, posteriormente no final da década de 80, adotou o Amarelo e o Preto. Foi, até os dias atuais, o time de futebol da cidade de Cascavel que obteve os melhores resultados, existiu por mais tempo e conquistou a maior tradição e o maior apoio e identificação do torcedor.

Considerado uma das agremiações mais tradicionais do estado, teve seu auge na década de 80, quando foi campeão paranaense e por três oportunidades campeão do interior, além disso figurou em competições nacionais como a Taça de Prata de 1981 e 1982e da Série C de 1995 e 1996. Em 17 de Dezembro de 2001, fundiu-se ao Cascavel S/A e com a SOREC, para fundar o Cascavel Clube Recreativo.

História

1979: Fundação

O município de Cascavel, iniciou sua participação em competições oficiais de futebol no fim da década de 60, quando o Tuiuti em 1968, e o Comercial em 1969, disputaram a Segunda Divisão do Paraná, sendo que ambos, obtiveram como resultado, o vice-campeonato da chamada “Zona Sul”. Posteriormente, é fundado o Cascavel Futebol Clube[2], que ganhou o primeiro título da cidade, a Segundona de 1970, entretanto não conseguiu dar seguimento as boas campanhas, ao longo de sua curta história, devido a dificuldades tanto dentro como fora de campo, encerrando suas atividades ao término do estadual de 1972.[3]

Após seis anos sem representante, o futuro do esporte bretão cascavelense era incerto, porém isso mudaria no dia 19 de janeiro de 1979, com o surgimento do Cascavel Esporte Clube, que nascia com a ambição de se firmar como um dos grandes no cenário paranaense. Além disso, um dos desafios da nova equipe, era unir os torcedores locais, já que estes estavam divididos na torcida por Inter e Grêmio em sua grande maioria, devido ao expressivo número de Gaúchos que migraram para a Região Oeste do Paraná, em épocas anteriores. Tal fato, ficava evidenciado na rivalidade dos clássicos Tuiciais[4], uma espécie de GreNal[5] , que eram disputados pelos já citados Comercial e Tuiuti, por isso, afim de agradar ambos os lados seus fundadores escolheram as cores AzulVermelha e Branca. Já o mando dos jogos, era no Estádio Municipal Amadores Theodoro Colombelli, mais conhecido Ninho da Cobra.

Dando início as atividades profissionais participa da Divisão de Acesso do Estadual de 1979[6], e aliando bons investimentos ao fundamental apoio de sua torcida, consegue ascender a elite do futebol paranaense.

1980: O surgimento de um Campeão

Em 1980, adentrava pela primeira vez na divisão especial do Paraná[7], a expectativa entre os torcedores era grande, já que após 7 anos de espera, finalmente o município tinha novamente um time na elite. Para a disputa do campeonato, foi montada uma equipe competitiva, que tinha como base o elenco de 1979, porém não era considerada favorita, sendo que o ColoradoLondrinaCoritibaAtléticoPinheiros e o Grêmio Maringá, eram os grandes postulantes ao título segundo a crítica da época.

Na primeira fase do torneio que contava com a presença de 20 clubes, o Cascavel, fez uma campanha mediana, porém suficiente para avançar à segunda fase, na 7ª colocação com 23 pontos, 9 vitórias, 5 derrotas e 5 empates. A estreia foi em casa na data de 5 de junho, com uma goleada sobre o Guarapuava pelo placar de 3 a 0. Os demais confrontos foram os seguintes: No dia 8 do mesmo mês, enfrentou o Londrina, vencendo por 1 a 0. Após o bom início teve uma sequência de quatro partidas fora de seus domínios, com três derrotas e um empate: Matsubara (15/06, 2-1), Operário (18/06, 0-0), Coritiba (21/06, 2-1) e Grêmio Maringá (25/06, 3-2). A recuperação veio com duas vitórias seguidas, sobre o Apucarana (29/06 4-2) e o União F. Beltrão (02/06 3-0). Em seguida, enfrentou o Pinheiros em 6 de julho, empatando em 0 a 0, e o Colorado em 09/07, perdendo por 1 a 0. No dia 13 de julho, vence o tradicional Clássico da Soja, contra o Toledo, pelo score de 2 a 1. Dando continuidade a primeira fase, perdeu para o União Bandeirante (20/07 por 1-0), venceu o Rio Branco (23/07 por 4-0) e empatou com o Pato Branco (27/07 por 0-0). No início de agosto, ganhou do Umuarama (03/07 por 2-0), empatou com o Atlético (03/07 por 0-0), ganhou do Iguaçu de União da Vitória (10/08 1-4) e do Paranavaí, (14/08 2-0). Na última rodada, empatou com o Agroceres em 0 a 0, no dia 17 de agosto.

Já na segunda fase, restavam apenas 8 equipes, e a Serpente encerrou na terceira colocação no geral, com 5 vitórias, 5 empates e 4 derrotas, tendo classificação garantida para o Quadrangular Final. Os confrontos foram os seguintes: No primeiro jogo enfrentou o Grêmio Maringá e venceu por 3 a 1 em 24/08. Posteriormente, empata com o Coxa (27/08 0-0), e perde para o Londrina (31/08 1-5). No feriado da Independência, vence o segundo Clássico da Soja do ano por 0 a 1, em seguida, venceu dois e empatou um: Colorado (10/09, 0-1), União Bandeirante (14/09, 3-0) e Pinheiros (21/09, 0-0). No 2º Turno, empatou com o Grêmio Maringá (28/09 1-1), foi derrotado pelo Coritiba (01/10 2-0), resultado de igualdade contra o Londrina (05/10 1-1), venceu o rival Toledo (12/10 1-0), perdeu para o Colorado (14/10 0-2), goleou o União Bandeirante (19/10 0-3) e encerrou com um empate contra o Pinheiros (22/10 2-2).

Na etapa derradeira do campeonato, chamada de Quadrangular Final, restavam os quatro melhores do estado naquele ano, e o Cascavel, surpreendeu não só o Paraná como o Brasil, já que foi um dos campeões da competição, com 3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. A campanha foi a seguinte: Nos dois primeiros jogos, venceu o Londrina (09/11 0-2), e perdeu para o Pinheiros (12/11 0-2). Depois, se impôs sobre o Colorado em um Ninho da Cobra completamente lotado, ganhando pelo placar de 3 a 0. Logo após, empatou com o Londrina (23/11 1-1) e venceu o Pinheiros (23/11 3-2). Na polêmica partida final em 30 de novembro, que enfrentou o então segundo colocado Colorado, e foi derrotado por 2 a 0, correu o risco de perder taça, na passagem que ficou conhecida como “Cai-Cai”, no entanto, em uma decisão inédita até então, ficou decretada há divisão do título entre as duas agremiações.

A conturbada partida final

A partida de 30 de novembro de 1980, entre Colorado e Cascavel, pela última rodada na Vila Olímpica, era decisiva, pois os dois clubes lideravam a fase final, com ampla vantagem em favor do último, que precisava apenas de um empate, e podia perder por até quatro gols. Dentro de campo, os curitibanos se mostraram superiores, abrindo 2 a 0, a arbitragem de Tito Rodrigues, expulsou dois atletas cascavelenses, Marcos e Maurinho. O time do Oeste voltou do intervalo com apenas 7 jogadores, pois segundo o médico Antônio Comatsu, Nelo e Dudu não tinham condições de jogo, quando a bola rolou, para o segundo tempo, o goleiro Zico, alegou estar lesionado e não pode prosseguir jogando, desta forma Tito encerra a partida, já que os visitantes não tinham o número mínimo regulamentar de jogadores. Os dois times comemoraram o título, que segundo a tabela pertencia apenas ao Cascavel, porém segundo decisão do TJD-PR, este deveria perder os pontos e assim ceder a taça ao Colorado. Entretanto o crivo final era do presidente da FPF, na época, Luiz Gonzaga da Motta Ribeiro, que declarou os dois clubes campeões paranaenses.[8][9]

Jogadores Notáveis

A história do Cascavel Esporte Clube foi marcada por grandes jogadores, principalmente na década de 80 época em que clube foi campeão paranaense, e participou de campeonatos em nível nacional, dentre alguns destacam-se : Paulinho Cascavel e Gustavo Roberto Dias artilheiro da equipe no Campeonato Paranaense de Futebol de 1980com 17 gols. Zico, goleiro famoso por marcar um gol da sua própria meta contra o Colorado em 16 de novembro de 1980[10][11], pelo quadrangular final do paranaense, Maizena[12], se destacou nacionalmente chegando a atuar em clubes como Internacional e São PauloCapitão[13] ganhou o mesmo destaque tornando-se ídolo na Portuguesa de Desportos. Já na década de 90 a base cascavelense mostrou-se muito produtiva revelando jogadores como Caio Júnior, Jean Carlo e Sidiclei.

Símbolos

Escudo

O escudo do Cascavel Esporte Clube passou por algumas mudanças, ao longo da história, a primeira mudança foi no desenho, e posteriormente, além do formato foram trocadas as tradicionais cores Vermelha, Azul e Branca pelo Amarelo e Preto.

 

FONTES & FOTOS: Wikipédia – Mercado Livre – Manula

  1.  «Cascavel Esporte Clube». arquivodeclubes.com. Consultado em 18 de agosto de 2013.
  2. Ir para cima↑ «Cascavel Futebol Clube». escudosonline.com. Consultado em 12 de julho de 2013.
  3. Ir para cima↑ FUTEBOL EM CASCAVEL: UM FRACASSO BEM- SUCEDIDO. BINDÉ, Carlos. Cascavel: Gráf. Universitária, 2001.
  4. Ir para cima↑ «Histórias dos Tuiciais ainda ecoam nas rodas de amigos». cgn.uol.com.br. 18 de Março de 2012. Consultado em 12 de julho de 2013.
  5. Ir para cima↑ «Como se fosse um GreNal do interior:o tempo do TuiCial». dihitt.com. 27 de julho de 2009. Consultado em 12 de julho de 2013.
  6. Ir para cima↑ «Paraná 1979 – 2ª Divisão» (em inglês). rsssfbrasil.com. outubro de 2005. Consultado em 11 de julho de 2013.
  7. Ir para cima↑ «Campeonato Paranaense 1980 – Participantes: Coritiba, Colorado, Cascavel, Atlético, Grêmio Maringá, Matsubara,União Bandeirante, Toledo, Londrina, Operário, Agroceres, Rio Branco, Guarapuava,Umuarama, Iguaçu, Apucarana, União de Beltrão, Pinheiros, Paranavaí, Pato Branco.» (em inglês). rsssfbrasil.com. 20 de outubro de 2004. Consultado em 11 de julho de 2013.
  8. Ir para cima↑ «Colorado e Cascavel dividiram o título de 80». noticiafc.com. 18 de agosto de 2009. Consultado em 11 de julho de 2013.
  9. Ir para cima↑ «Há 30 anos, cai-cai manchava futebol paranaense». gazetadopovo.com.br. 30 de novembro de 2010. Consultado em 11 de julho de 2013.
  10. Ir para cima↑ «Gol de goleiro faz parte do folclore do futebol paranaense» (em inglês). parana-online.com.br. 23 de agosto de 2008. Consultado em 11 de julho de 2013.
  11. Ir para cima↑ «Zico». terceirotempo.bol.uol.com.br. Consultado em 11 de julho de 2013.
  12. Ir para cima↑ «Maizena». terceirotempo.bol.uol.com.br. Consultado em 11 de julho de 2013.
  13. Ir para cima↑ «Capitão (Oleúde)». terceirotempo.bol.uol.com.br. Consultado em 11 de julho de 2013.
  14. Ir para cima↑ Este título foi dividido com o Colorado.
  15. Ir para cima↑ «Paraná – Qualifying Tournament for Brazil 2nd Level 1982» (em inglês). rsssfbrasil.com. 9 de agosto de 2007. Consultado em 18 de agosto de 2013.
  16. Ir para cima↑ «RANKING (1ª Divisão) do Campeonato Paranaense». campeoesdofutebol.com.br. 5 de agosto de 2008. Consultado em 18 de agosto de 2013.
 

FONTES: Blog Clubes de Itajaí – www.McNish.com.br

 

Esta postagem é apenas para complementar o artigo anterior e esclarecer que na cidade de Campo Mourão existem duas equipes com a mesma nomenclatura. Segue abaixo a história de cada uma.

SPORT CLUB CAMPO MOURÃO

Curiosidades:

- Para a disputa do seu primeiro campeonato, a 2ª divisão de 1989, a equipe foi inscrita com o nome de Cruzeiro. Na verdade foi utilizado apenas o CNPJ desta equipe. Podem verificar que a data de abertura do CNPJ é de 11/06/1975, sendo modificado posteriormente. Contudo a equipe que entrou em campo sempre foi o Sport.

- A fundação oficial da equipe é 31.07.1989, contudo seu primeiro jogo foi realizado em 01/05/1989. A estréia no campeonato da 2ª divisão ocorreu em 11/06/1989.

- A equipe foi promovida a 1ª divisão de 1990 graças a um convite da federação que aumentou o número de participantes da divisão principal do estadual.

 

SPORT CLUB DE CAMPO MOURÃO

Curiosidades:

- Da mesma for que seu antecessor o novo Sport utilizou a estrutura de uma equipe amadora para entrar no profissionalismo, porém com uma diferença, foi tirado um nono CNPJ. A equipe do E.C. Hawaí Campo Mourão ainda possui CNPJ ativo.

- Na tentativa de se identificar com o antigo Sport, nas temporadas 2013-2014 a equipe utilizou um escudo muito parecido com do seu antecessor e nele constava a data 31.07.1989 em referência a data de fundação do mesmo.

Fontes:

Site da Receita Federal

Livro Nos campos do Mourão de Raoni de Assis

Arquivos do autor.

 

O Sport Club Campo Mourão (SCCM) é uma agremiação da cidade de Campo Mourão (PR). Foi fundado no dia 31 de Julho de 1989 e suas cores são o grená e o branco. Seu mascote e símbolo é o Leão, e os torcedores chamam carinhosamente a equipe de Leão do Vale. Manda seus jogos no Estádio Municipal Roberto Brzezinski, que tem capacidade para 3.948 espectadores.

O Sport Club Campo Mourão disputou em seus primeiros anos competições em nível estadual, como os Paranaenses da Primeira Divisão de 1991 e de 1992, quando licenciou-se de suas atividades profissionais. Posteriormente em 22 de janeiro de 2007, o clube retornou as competições, pois com a fusão da Associação Desportiva Atlética do Paraná (ADAP), com o Galo Maringá, seu município estava sem representante no futebol, e para preencher esta lacuna desportistas locais resolveram refundar a agremiação.

Nos primeiros cinco anos após seu retorno, disputou a Divisão de Acesso, alçando o 6º lugar em 2007, o quinto lugar de 2008, e a 8ª posição de 2009 e a quarta colocação em 2010, sendo esta a melhor campanha de sua história, porém ao término do torneio o então presidente Luis Carlos Kehl, afirmou que a equipe encerraria as ações no futebol.

Entretanto, o fato não foi concretizado já que o clube disputou a Segunda Divisão do Campeonato Paranaense de 2011 onde foi rebaixado para a Terceira Divisão. No ano de 2012 não teve bom desempenho, sendo eliminado logo na primeira fase da mesma competição.

Em 2013, elegeu um novo mandatário o empresário, Fabio Gaspar Melo, como vice presidente Pedro Giuliani, diretor de futebol Pio Nogueira, marketing esportivo Tiago Costa, compondo uma nova Administração, integrada e efetiva, para que possa voltar a ser um time de peso no Campeonato Paranaense, juntamente com a Pivô Assessoria Desportiva especialista no desenvolvimento de novos atletas e uma metodologia ímpar para a administração do clube. Apostando em suas categorias de base para ter um bom desempenho na Terceirona.

FONTES: Wikipédia – Página do clube no Facebook

 

O Touring Football Club foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Touring Club é uma rede internacional de apoio e prestação de serviços aos veículos auto-motores e ao turismo difundida em vários países, com mais de 250 mil membros.

A empresa desde o seu surgimento sempre buscou incentivar a prática do esporte. Equipes de ciclismo sempre foram muito difundidas entre os Touring da Europa. O English Cyclist Touring Club foi o primeiro de todos, fundado em 1875 e em 1879 já contava com 25 mil associados.

Em 1890, foi fundado o Touring Club da França, detentor da primeira Taça Olímpica em 1906, tendo o Touring Club italiano conquistado igualmente esta honraria em 1911.

O Touring Club do Brasi foi instalado em São Paulo, em 1923. Neste mesmo ano, o Touring Football Club foi Fundado em 1923, por funcionários desta empresa. O Touring F.C. disputou o Campeonato Paulista da 3ª Divisão, em três ocasiões: 1923, 1924 e 1925. O Touring também teve uma participação no Campeonato Paulista da 2ª Divisão, em 1927.

 

FONTES & FOTOS: Arteauto.Com – Wikipédia – Rsssf Brasil – Mercado Livre – Blog Relíquias do Futebol

 

O Independente Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Casimiro de Abreu (RJ). Fundado em 1963, o clube Alvirrubro está situado na Rua Macaé, s/n, no Centro de Casimiro de Abreu. Filiado a Liga Desportiva Casimiro de Abreu (LDCA), o Independente disputa o Campeonato Citadino.

FONTES: Página do clube no Facebook – Site da LDCA

 

O Independente Futebol São Joseense é uma agremiação do Município de São José dos Pinhais (PR). Fundado no dia 22 de Maio de 2015, o clube será a novidade no Campeonato Paranaense da 3ª Divisão neste. O Independente é o primeiro time profissional que vai disputar o certame estadual de 2016, defendendo as cores da bandeira do Município de São José dos Pinhais.

O novo time é fruto da iniciativa de um grupo de atletas aficcionados por futebol que viu a necessidade de um time arrojado e disposto a entrar a disputar o estadual, jogando de igual para igual com os grandes. Para isso, uma parceria foi firmada com a Prefeitura de São José dos Pinhais, por meio da Secretaria de Esporte e Lazer, para que o novo time da Cidade tenha à sua disposição toda a estrutura necessária para a disputa do Campeonato Estadual.

O Estadual da 3ª Divisão é o passo mais importante para o acesso à Série B e está previsto para começar em agosto próximo. Até lá, atletas do Sub-15, 17 e 19 estarão treinando para a formação da nova equipe.

 

FONTES: Página do clube no Facebook – Prefeitura de São José dos Pinhais

 

Na cidade de  Itanhaém, localizada no litoral paulista, os campeonatos são promovidos pela Liga Itanhaense de Futebol Amador (LIFA) em três divisões, possuindo 47 equipes filiadas, conforme abaixo:

1ª Divisão (16 clubes)

2ª Divisão (16 clubes – 12 clubes + 4 clubes que subiram da 3ª divisão de 2016)

3ª Divisão (19 clubes – 04 subiram para 2ª divisão de 2016)

Fonte:

Comunidade no Facebook do Programa É Hora de Esporte da Rádio Anchieta 1390 khz.

 

Em São José dos Campos no Estado de São Paulo Existem duas entidades que organizam o futebol local: Liga Municipal de Futebol de São José dos Campos (LMFSJC), que é filiada a Federação Paulista de Futebol; e a Associação de Clubes Amadores de Futebol (ACAF). Sendo assim, mais de cem equipes se dividem entre as entidades. Para quem gosta de escudos e cores é um prato cheio. Segue abaixo a divisão:

LMFSJC – 2015 – 50 Filiados (Séries A e B)

 

ACAF – 2015 – 58 filiados (03 divisões – Especial, Primeira e Segunda divisão).

Fontes: Facebook da LMFSJC e ACAF

 

O BARE (Boleiros Araguarienses Recreações e Esportes) é uma agremiação do Município de Ferreira Gomes (AP). O clube Ferreirense foi Fundado em 2010. Atualmente o BARE disputa o Campeonato Amapaense Sub-17, organizado pela Federação Amapaense de Futebol (FAF).

O Município Ferreira Gomes, que fica a 137 km da capital Macapá, se emancipou em 17 de dezembro de 1987, e conta com uma pequena população de 6.714 habitantes (segundo o Censo do IBGE/2014).

 

FONTE: Wikipédia – Futebol Amapaense no Facebook

 

FONTE: Revista Sport Ilustrado

 

A Patrocinense, herdeira do antigo Clube Atlético Patrocinense, não consegue firmar sua identidade. Desde sua fundação (2010), já teve quatro escudos diferentes. Em 2016, estreou o quarto e atual escudo. Seguem os escudos da equipe:

Primeiro escudo da Patrocinense, tendo como base o brasão municipal (2010-2011)

Segundo escudo da Patrocinense, igual ao do antigo CAP mas com as iniciais do clube novo (2012-2014)

Terceiro escudo da Patrocinense, mais elaborado (2015)

Quarto e atual escudo da Patrocinense, pra mim o mais bem elaborado (2016). A camisa do clube, sem nenhum patrocínio, estampa a cruz amarela em tamanho bem grande.

Fontes:

  • Prefeitura de Patrocínio
  • Blog da Patrocinense
  • Facebook não-oficial da Patrocinense
  • Wikipédia
  • Um Grande Escudeiro
  • Facebook oficial do Uberaba Sport Club
 

O Marumby de Futebol foi uma agremiação efêmera da cidade de Curitiba (PR). O Tricolor (nas cores azul, amarelo e vermelho) foi Fundado no dia 02 de Setembro de 1975, a sua Sede ficava na Rua Dr. Falvre, 1.330/ 1º andar / Sl. 208, no Centro de Curitiba. A escolha das cores foi por meio de um estudo com parecer de técnicos de programação visual e as cores assinaladas são as que mais se destacam na TV a cores e em publicações.

HISTÓRIA

Com a participação de três equipes, o Marumby disputou o Torneio de Acesso de 1976, onde se definiria o 14º clube que iria integrar a Elite do Futebol Paranaense naquele ano.

Contudo, acabou derrotado, no dia 25 de janeiro,  pelo Arapongas Esporte Clube por 2 a 0, em Curitiba. EC 9 de Julho e Arapongas empataram em 0 a 0, em Londrina. Depois, nova derrota, desta vez por goleada de 6 a 0, aplicada pelo Esporte Clube 9 de Julho, de Cornélio Procópio, em Bandeirantes, em 28 de janeiro.

CLASSIFICAÇÃO FINAL – TORNEIO DE ACESSO 1976

PARTICIPANTES

PG

J

V

E

D

GP

GC

SG

EC 9 de Julho

3

2

1

1

0

6

0

6

Arapongas EC

3

2

1

1

0

2

0

2

Marumby de Futebol

0

2

0

0

2

0

8

-8

Sem obter êxito, o Marumby, ainda no ano de 1976, disputou o Campeonato Paranaense da Segunda Divisão. Porém, mais uma vez a campanha foi aquém do esperado. Então, com menos de um ano de existência a diretoria tomou a decisão radical e encerrou as atividades do Marumby de Futebol.

FONTE: Diário do Paraná

 
Nome: São Jorge Futebol Clube
Fundação: 23/04/1946
Situação: Amador
Bairro: Vila Isabel
Cidade: Rio de Janeiro/RJ
 
Agremiação nascida em 23 de abril de 1946, no bairro de Vila Isabel, tendo como presidente (in memorian) o Sr. Nicomedes dos Santos, atualmente disputa o campeonato da zona Leopoldinense.
 
PS: Alguém sabe mais sobre essa equipe?
 
Fontes:
http://orkut.google.com/c116295834.html
https://www.facebook.com/saojorge.futebolclube

 

 
Nome: Associação Atlética Felicidade
Fundação: 15/10/1941
Situação: Amador
Bairro: Jardim Felicidade/ Regional Norte
Cidade: Belo Horizonte/MG

Fontes:
http://www.futebolbh.com.br
http://pt-br.amadormg.wikia.com/wiki/Setor_de_Futebol_Amador_da_Capital
 

NOME: IX DE MARÇO FUTEBOL CLUBE
FUNDAÇÃO: 09/03/1986
ENDEREÇO: RUA CORONEL CLAUDIONOR,  145 – BAIRRO NOVA GAMELEIRA – CEP 30510-680
CIDADE: BELO HORIZONTE/MG
SITUAÇÃO: AMADOR


ARTE DO ESCUDO SÉRGIO MELLO
 
FONTES:
http://www.futebolbh.com.br/
https://www.facebook.com/ixdemarco.ixdemarco
 
 
Nome: Associação Atlética Bahia
Fundação: 04/10/1992
Situação: Amador
Endereço: Rua guido leao 06 – Serra Verde – CEP 31630570 - (031) 9691-6538
Cidade: Belo Horizonte/MG
 

ESCUDO PINTADO NO CAMPO

 
Fontes:
Escudo redesenhado por Sérgio Mello
http://www.futebolbh.com.br
 

O Mixto Futebol Clube é uma agremiação da cidade de São José dos Pinhais (PR). Fundado no dia 19 de Agosto de 1988, tem a sua Sede na Rua Joaquim Nabuco, Nº 2.067, no Centro da cidade.

O Mixto esteve presente em duas edições na esfera profissional. Primeiro, no Campeonato Paranaense da Terceira Divisão em 2000 e no último, no Campeonato Paranaense da Quarta Divisão em 2001. A equipe mandava os seus jogos no Estádio Municipal Tancredo Neves (do Pinhão/ Xingu).

FONTE & FOTOS: Divonsir Andrade – “Mussun”

 

A Associação Paranaguá Esporte Clube foi uma agremiação da Cidade de Paranaguá (PR). Fundado em 1998, possuía a Sede na Rua Júlio Groth Elias, 15 – Cx Postal 001 – Labra, em Paranaguá. Na esfera profissional, o clube esteve presente numa edição. Na única vez em que aconteceu o Campeonato Paranaense da Quarta Divisão em 2001, a Associação Paranaguá Esporte Clube participou.

FONTE & FOTO: Jeff Martins

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha