Obs.: O torneio iniciou-se em dezembro de 1961 mas a maior parte da competição ocorreu no ano de 1962. Apesar de promovido pela Federação Mineira de Futebol, foi muito criticado pela desorganização.
 
PARTICIPANTES:
 
ARAGUARI Atlético Clube – Araguari
Associação Esportiva ITUIUTABANA – Ituiutaba
Esporte Clube MAMORÉ – Patos de Minas
FLUMINENSE Futebol Clube – Araguari
INDEPENDENTE Atlético Clube – Uberaba
NACIONAL Futebol Clube – Uberaba
OPERÁRIO Football Club – Araguari
UBERLÂNDIA Esporte Clube – Uberlândia
União Recreativa dos Trabalhadores URT – Patos de Minas
 
RESULTADOS:
______________________________________________________________________________
03/12/1961
Araguari 0×1 Nacional
Independente 2×0 Fluminense
Uberlândia 4×0 Mamoré
URT 2×0 Operário
______________________________________________________________________________
06/12/1961
Uberlândia 4×1 Independente
______________________________________________________________________________
08/12/1961
Araguari 3×1 URT
______________________________________________________________________________
10/12/1961
Ituiutabana x Operário
Nacional 2×2 Uberlândia
Mamoré x Araguari
Fluminense x URT
______________________________________________________________________________
13/12/1961
Araguari 5×2 Ituiutabana
Uberlândia 3×1 Fluminense
______________________________________________________________________________
17/12/1961
URT 3×3 Nacional
Operário 0×2 Mamoré
Uberlândia 2×1 Ituiutabana
______________________________________________________________________________
14/01/1962
Independente 0×2 Nacional
Fluminense 2×2 Araguari
Mamoré 4×0 URT
Uberlândia 12×0 Operário
______________________________________________________________________________
17/01/1962
Uberlândia 7×1 URT
Araguari 4×1 Independente
______________________________________________________________________________
21/01/1962
URT 3×0 Ituiutabana
Operário 1×3 Fluminense
Nacional 0×1 Mamoré
______________________________________________________________________________
24/01/1962
Araguari 3×1 Uberlândia
______________________________________________________________________________
28/01/1962
Mamoré 7×2 Independente
Araguari 1×1 Operário
Ituiutabana 4×2 Nacional
______________________________________________________________________________
04/02/1962
Fluminense 3×2 Nacional
Ituiutabana 2×1 Independente
______________________________________________________________________________
11/02/1962
URT 4×0 Independente
Fluminense 1×2 Mamoré
______________________________________________________________________________
18/02/1962
Ituiutabana x Fluminense
Operário x Nacional* (O Operário não compareceu e o Nacional venceu por WO)
______________________________________________________________________________
25/02/1962
Mamoré x Ituiutabana
Independente x Operário*
______________________________________________________________________________
18/03/1962
URT 4×4 Ituiutabana
Nacional x Araguari
Fluminense 6×2 Independente
______________________________________________________________________________
25/03/1962
Mamoré 1×0 Uberlândia
______________________________________________________________________________
01/04/1962
Uberlândia 4×2 Nacional
Araguari 0×0 Mamoré
URT 1×0 Fluminense
______________________________________________________________________________
08/04/1962
Ituiutabana 1×1 Araguari
Mamoré 2×0 Fluminense
Independente 0×0 URT**
______________________________________________________________________________
15/04/1962
Nacional 2×2 Independente
Araguari x Fluminense
URT x Mamoré
______________________________________________________________________________
22/04/1962
Independente 0×1 Araguari
Mamoré 2×0 Nacional
Fluminense 2×0 Ituiutabana
______________________________________________________________________________
29/04/1962
Uberlândia 3×0 Araguari
Nacional 1×0 URT
______________________________________________________________________________
06/05/1962
Nacional 0×1 Ituiutabana
Fluminense x Uberlândia
URT x Araguari
______________________________________________________________________________
13/05/1962
Mamoré 2×0 Independente***
Ituiutabana 0×0 Uberlândia
______________________________________________________________________________
20/05/1962
Independente 2×0 Ituiutabana
URT 1×1 Uberlândia
______________________________________________________________________________
27/05/1962
Nacional 4×2 Fluminense
Ituiutabana 3×1 Mamoré
______________________________________________________________________________
03/06/1962
Uberlândia 1×1 Independente*** (****)
 
*       Na semana da realização de sua partida contra o Independente, o Operário, que já havia faltado a um jogo em seu próprio estádio, contra o Nacional, comunicou seu afastamento do torneio.
**     O jogo foi encerrado aos 7 minutos do segundo tempo. A URT abandonou o gramado, revoltada com uma marcação do árbitro da partida.
***   Cansado dos prejuízos que tinha com os jogos da Copa, o Independente vendeu o mando de campo de dois de seus últimos jogos, contra Mamoré e Uberlândia.
**** O Uberlândia escalou três jogadores irregulares, ocasionando a perda do ponto conquistado, contando uma vitória para o Independente.
 
- Com esses resultados o Esporte Clube Mamoré, de Patos de Minas, sagrou-se campeão da Copa do Triângulo 1962, organizada pela Federação Mineira de Futebol.
 

PARTICIPANTES:

  • Independente Atlético Clube – Bairro Estados Unidos
  • Associação Esportiva Merceana – Bairro das Mercês
  • Clube Atlético Mineiro (Atual Clube Atlético Uberabense) – Bairro da Abadia
  • Esporte Clube Fabrício – Bairro do Fabrício
  • Sete de Setembro Futebol Clube – Bairro São Benedito
  • VR Futebol Clube – Chácara N. S. de Lourdes

RESULTADOS:

Primeiro turno:
31/03/46 Sete de Setembro 0×2 Fabrício

03/04/46 Independente 2×1 Atlético

07/04/46 Merceana 1×1 VR

10/04/46 Fabrício 2×3 Independente

14/04/46Atlético 4×1 Sete de Setembro

20/04/46 VR 2×0 Fabrício

21/04/46 Independente 2×1 Merceana

24/04/46 Sete de Setembro 0×1 VR

28/04/46 Atlético 1×1 Fabrício

01/05/46 Merceana 3×2 Sete de Setembro

05/05/46 VR 2×0 Independente

08/05/46 Fabrício 1×2 Merceana

12/05/46 VR 1×0 Atlético

15/05/46 Sete de Setembro 1×3 Independente

19/05/46 Atlético 2×2 Merceana

 

Segundo Turno:

29/05/46 Fabrício 1×3 Sete de Setembro

02/06/46 Atlético 1×4 Independente

05/06/46 VR 0×2 Merceana

09/06/46 Independente 5×2 Fabrício

12/06/46 Atlético 4×1 Sete de Setembro

16/06/46 Fabrício 0×2 VR

19/06/46 Merceana 1×2 Independente

23/06/46 VR 5×1 Sete de Setembro

26/06/46 Fabrício 1×4 Atlético

30/06/46 Merceana 3×2 Sete de Setembro

03/07/46 Independente 3×2 VR

07/07/46 Fabrício x Merceana (empate)

10/07/46 VR x Atlético (empate)

14/07/46 Independente 5×0 Sete de Setembro

21/07/46 Atlético x Merceana

Classificação Final:

1 – Independente
2 – VR
3 – Merceana
4 – Atlético
5 – Fabrício
6 – Sete de Setembro

Com esses resultados o Independente Atlético Clube sagrou-se Campeão Uberabense de 1946 (Primeiro título do aclamado penta-campeonato consecutivo conquistado pelo clube).

 

Em dezembro de 1922, Uberaba recebeu a visita de um Combinado Carioca, formado por jogadores filiados a clubes da Liga Metropolitana, para a disputa de duas partidas contra os principais clubes da cidade, o Uberaba Sport e a Associação Athlética do Triângulo (ex-Red and White Association). As partidas foram motivo de muita polêmica na imprensa brasileira, repercutindo por todo o final do ano de 1922. Segundo os jornais da época, o conjunto carioca foi formado às pressas e, por isso, não representava a força do futebol do então Distrito Federal. Diziam que os cariocas estavam em Uberaba a passseio, sem treino e cansados da viagem, para justificar os maus resultados que acabaram por colher na cidade.

A idéia da realização das partidas surgiu em uma visita de Oswaldo Gomes, então presidente da Confederação Brasileira de Desportos, a Uberaba. Oswaldo se comprometeu a reunir, se fosse possível, alguns dos mais renomados jogadores do futebol carioca e prometeu vir ele próprio chefiando a delegação. Foi o que bastou para se criar uma imensa expectativa em Uberaba. O Lavoura e Comércio, de 23/11/1922, noticiava que atletas como Kuntz, Palomone, Oswaldino, Almeida Netto, Brillhante e Welfare, além do uberabense Junqueira poderiam fazer parte do Selecionado Carioca.

Mas no Rio, a dificuldade para se conseguir jogadores que concordassem em fazer a excursão era enorme. Por fim, a organização do grupo coube ao velho esportista Antônio Carneiro de Campos, do Flamengo, aposentado dos gramados há cerca de dois anos, que foi obrigado a participar também como jogador, graças à desistência de última hora do meio campista Frederico, do Bangu. A embaixada Carioca contava ainda com o Dr. Souto Castagnino e Luiz Vianna, redator do Correio da Manhã, a quem coube fazer as matérias sobre a excursão, e que acabaria apitando o jogo do combinado carioca contra o Uberaba.

Não era, de fato, uma Seleção Carioca. Alguns bons jogadores, mas nenhum dos “cracks” sonhados pela imprensa uberabense.

Eis a relação dos jogadores do Combinado Carioca:
Waldemar – Goleiro do São Cristóvão
Antonico (Antônio Carneiro Campos) – Zagueiro do Flamengo
Bráulio – Bangu
Luiz Antonio (Luiz Antônio da Guia) – Zagueiro do Bangu e irmão mais velho de Domingos da Guia.
Joppert (Antenor Silva) – Meio campista do Bangu
Tatá (Oswaldo Silva) – Meio campista do Bangu
Gabriel (Gabriel Nascimento) – Mangueira
Zezé (José Carlos Guimarães) – Atacante do Fluminense
Chiquinho – Atacante do América
Simas – Atacante do América
Antenor (Antenor Vicente Correa) – Atacante do Bangu

O fato é que a viagem do Rio de Janeiro a Uberaba durou estafantes 32 horas, com escalas em São Paulo, Campinas e Ribeirão Preto. Enfim na cidade, os bravos atletas foram recepcionados na Estação da Mogiana e seguiram até o Hotel Toscano, muito criticado pela imprensa carioca pela precariedade das instalações.

Os dois clubes uberabenses, por sua vez, viviam um momento delicado de sua rivalidade. A Associação havia perdido o denominado “Jogo do Século” contra o Uberaba, mas ganhou os pontos por ter o rival escalado de maneira supostamente irregular o atleta Hildebrando de Moraes. Revoltados com a decisão do Comitê Disciplinar da Sub-Liga do Triângulo, que ajudaram a fundar, os dirigentes do Uberaba retiraram o clube do Campeonato do Triângulo, facilitando o caminho do rival rumo ao título.

O primeiro jogo foi disputado contra a Associação (RED). Extenuados pela longa viagem os cariocas foram presa fácil para o recém coroado “Campeão do Triângulo” e perderam por 3×1. O Uberaba, que acabara de vencer novamente ao RED em jogo amistoso realizado poucos dias antes, esperava também bater o combinado visitante. Nesse jogo, o árbitro escolhido pelos cariocas foi o jornalista Luiz Vianna, redator do jornal “Correio da Manhã”, que talvez previnido pelos recém conquistados amigos do “Red”, atuou, segundo ele próprio, de modo a impedir o jogo violento por parte dos jogadores do Uberaba. Enfrentando um adversário mais descansado e mais entrosado, o Uberaba não conseguiu vencer, empatando em dois gols.

Para Luiz Vianna, a imensa rivalidade entre os dois principais clubes de Uberaba extrapolava qualquer análise meramente esportiva. O redator opinou que não entendia como a Associação não conseguia vencer o Uberaba, coisa que só se explicaria pela violência com que o Uberaba disputava suas partidas. E Vianna foi além. Seus comentários sobre o médio uberabense Badu (Egydio Matheus Junior) acabariam, nos dias de hoje, em sua prisão, dado o imenso preconceito racial explícito em suas palavras:

..Um negrão boçal, narinas super dilatadas, voz cavernosa, chegou se ao juiz, e numa attitude francamente ameaçadora disse: – O que isso “sô” juiz? Ponha a mão na “conciença”moço. Foi “fisaide”…

O bate boca seguiu pelos maiores jornais do país à época. Em uma carta enviada à Folha da Noite, Badu se defendia das colocações de Vianna:

“De facto, não sou branco, mas isso não é uma desonra para mim. Quanto à minha “boçalidade”, parece que ella não é tão grande como disse o Sr. Vianna. Porque, afinal de contas, eu tenho a competência de defender a mim, à minha terra e ao meu club das calumnias assacadas por um cocaínomaníaco. Se essa defesa não é literatura fina, serve ao menos para provar que eu não sou tão burro como o Sr. Vianna”.

Os jornais fizeram também graves acusações contra o zagueiro uruguaio Villa, defensor do Uberaba, que teria visitado a delegação no Hotel e se insinuado para entregar o jogo e criticaram a indiferença com que foram tratados os cariocas pela diretoria do Uberaba Sport.

Um final de ano conturbado onde a rivalidade entre o Uberaba e o “RED” atingiu um alto nível de animosidade e fez com que as equipes crescessem juntas. Mas parece que o esforço foi grande demais. Já no ano seguinte, sucumbiu o “RED” e quase morreu o Uberaba Sport.

Fichas Técnicas:
10/12/1922
A.A. Triângulo 3×1 Combinado Carioca
Local: Estádio da AAT, Uberaba – MG
Árbitro: Aristides Cunha Campos
Red: Emile, Bado e Pereira; Luiz, Maurício e Américo; Ramid, Vinhola, Machado, Carnaval e Otacílio.
Cariocas: Waldemar, Antonico e Bráulio; Tatá, Joppert e Luiz Antônio; Gabriel, Zezé, Chiquinho, Simas e Antenor.
Gols: Machado (2) e Vinhola; Antenor.

12/12/1922
Uberaba 2×2 Combinado Carioca
Local: Estádio das Mercês
Árbitro: Luiz Vianna
Uberaba: Pino, Villa e Mário; Badú, Tango e Walter; Gumercindo, Targino, Walfredo, Salim e Fortes.
Cariocas: Waldemar, Antonico e Bráulio; Tatá, Joppert e Luiz Antônio; Gabriel, Zezé, Chiquinho, Simas e Antenor.
Gols: ? (1º T) e Walfredo (2º T); ? (1º T) e Simas (2º T)

Curiosidades:
Profissão dos jogadores do Uberaba em 1922:
Walter Fonseca, negociante
Badu, empregado da Casa Caldeira
Walfredo Vieira, empregado de Francisco Ricioppo e Cia.
Antônio Targino, Construtor e pedreiro
Generoso Fortes, Caixeiro do Bazar Modelo
De Marco, zagueiro, empregado da Livraria Seculo XX, de Osório Augusto de Mello
Francisco Villanova, empregado de Andrade & Oliveira,
Tango, Guarda livros da Casa Gabarra
Edson Pino, goleiro, pintor

Fontes:
- Jornal Correio da Manhã, edições dos dias 19/12/1922, 20/12/1922 e 09/01/1923.
- Jornal Lavoura e Comércio, edições dos dias 23 e 26/11/1922, 07, 10 e 14/12/1922.
- Folha da Noite, Acervo Folha, Dez/1922

 

PARTICIPANTES:

Associação Esportiva Merceana
Clube Atlético Mineiro (Atual Clube Atlético Uberabense)
Esporte Clube Fabrício
Independente Atlético Clube
Sete de Setembro Futebol Clube

 

Primeiro Turno:

30/05/1943 Atlético 2×2 Sete de Setembro

06/06/1943 Independente 2×0 Fabrício

13/06/1943 Sete de Setembro 1×2 Merceana

27/06/1943 Fabrício 1×4 Atlético

04/07/1943 Independente 2×1 Merceana*

11/07/1943 Fabrício 0×0 Sete de Setembro

25/07/1943 Merceana 2×2 Atlético

01/08/1943 Sete de Setembro 2×4 Independente

08/08/1943 Merceana 3×0 Fabrício

22/08/1943 Atlético 1×2 Independente

 

Segundo Turno:

12/09/1943 Independente 7×2 Atlético

19/09/1943 Sete de Setembro 2×1 Fabrício

26/09/1943 Merceana 2×2 Independente

03/10/2013 Atlético 2×1 Fabrício

10/10/1943 Merceana 4×1 Sete de Setembro

17/10/1943 Fabrício 1×4 Independente

24/10/1943 Atlético 2×4 Merceana

31/10/1943 Independente 5×3 Sete de Setembro

07/11/1943 Fabrício 1×3 Merceana

14/11/1943 Sete de Setembro 2×3 Atlético

 

Classificação Final:
1 – Merceana – 14 pg, 02 pp, 06 vitórias, 02 empates, 21 gols pró, 11 gols contra.
2 – Independente – 13 pg, 03 pp, 06 vitórias, 01 empate, 01 derrota, 28 gols pró, 12 gols contra.
3 – Atlético – 08 pg, 08 pp, 03 vitórias, 02 empates, 03 derrotas, 18 gols pró, 21 gols contra.
4 – Sete de Setembro – 04 pg, 12 pp, 01 vitória, 02 empates, 05 derrotas, 13 gols pró, 21 gols contra.
5 – Fabrício – 01 pg, 15pp, 01 empate, 07 derrotas, 05 gols pró, 20 gols contra.

Artilheiro:
Netinho (Ataliba Guaritá Neto) – 15 gols (Mais que a metade dos 28 anotados pelo Independente).

Com esses resultados a Associação Esportiva Merceana consagrou-se Campeã Uberabense de 1943 (Primeiro torneio organizado pela recém fundada Liga Uberabense de Futebol).

*O Independente perdeu os pontos da partida por ter escalado irregularmente o jogador Harry. A perda dos pontos foi decisiva e os “cadetes”, mesmo tendo terminado o torneio de forma invicta, tendo empatado apenas uma única vez, na outra partida contra a Merceana, ficaram sem o tão almejado título. Ao final do campeonato, o Independente tentou um recurso contra a Merceana, pela suposta escalação irregular do jogador Valtinho, em um caso semelhante ao de que fora protagonista, mas a Liga não tomou conhecimento dos fatos e declarou a Merceana a legítima campeã de 1943.

 

 

Participantes:

Andaraí Futebol Clube
Associação Esportiva Merceana
Clube Atlético Mineiro
Esporte Clube Fabrício
Independente Atlético Clube
Sete de Setembro Futebol Clube
Uberaba Sport Club

RESULTADOS:

Primeiro Turno:

02/04/44 Merceana 4×2 Fabrício

09/04/44 Andaraí 7×0 Sete de Setembro*

16/04/44 Uberaba 6×2 Atlético

07/05/44 Independente 2×2 Merceana

14/05/44 Andaraí 2×4 Fabrício

21/05/44 Atlético 3×7 Independente

28/05/44 Uberaba 2×0 Fabrício

04/06/44 Andaraí 1×3 Atlético

18/06/44 Uberaba 0×3 Merceana

25/06/44 Atlético 2×2 Fabrício

02/07/44 Andaraí 1×6 Uberaba

09/07/44 Independente 8×0 Fabrício

16/07/44 Merceana x Atlético ? (vitória Merceana)

23/07/44 Independente 7×0 Andaraí

30/07/44 Andaraí 1×2 Merceana

06/08/44 Uberaba 4×0 Independente

 

Segundo Turno: 

27/08/44 Fabrício 1×5 Merceana

03/09/44 Andaraí 1×15 Independente

10/09/44 Atlético 1×4 Uberaba

17/09/44 Merceana 5×0 Independente

24/09/44 Fabrício 2×0 Andaraí

01/10/44 Independente 5×2 Atlético

08/10/44 Fabrício 1×3 Uberaba

15/10/44 Atlético 4×1 Andaraí

22/10/44 Merceana 1×3 Uberaba

29/10/44 Fabrício 3×1 Atlético

12/11/44 Independente 5×1 Fabrício

15/11/44 Uberaba 18×0 Andaraí

19/11/44 Atlético 3×3 Merceana

03/12/44 Uberaba wo Independente**

08/12/44 Merceana 1×2*** Andaraí

 

CLASSIFICAÇÃO FINAL:

1 – Uberaba: 18pg, 02pp

2 – Merceana: 16pg, 04pp

3 – Independente: 13pg, 07pp

4 – Fabrício: 07pg, 13pp

5 – Atlético: 06pg, 14pp

6 – Andaraí: 0pg, 20pp

Com esses resultados o Uberaba Sport Club consagrou-se Campeão Uberabense de 1944 (O segundo organizado pela Liga Uberabense de Futebol e o único, em toda história, conquistado pelo clube mais tradicional da cidade, que sempre manteve times profissionais).

* Após sua primeira partida no torneio, uma derrota de 7×0 para o Andaraí, o Sete de Setembro resolveu abandonar o campeonato, e o resultado foi desconsiderado para efeito de classificação. 

** O Independente comunicou com antecedência que não participaria da partida, alegando desorganização de seu quadro, acarretando a entrega dos pontos ao oponente, e consequentemente o término do torneio, uma vez que o Merceana dependia de um tropeço do Uberaba para continuar sonhando com o título.

*** O Andaraí atuou com cinco jogadores do Independente e perdeu os pontos conquistados na partida.

 

 

Em 1957, foi realizada a COPA DO TRIÂNGULO. Após as polêmicas que marcaram as cinco edições do CAMPEONATO DO TRIÂNGULO, realizadas entre 1951 e 1955, as três ligas esportivas, de Araguari, Uberlândia e Uberaba resolveram realizar em conjunto mais uma edição do torneio regional.

PARTICIPANTES:

001 ARAGUARI ATLÉTICO CLUBE ARAGUARI – MG

002 FLUMINENSE FUTEBOL CLUBE ARAGUARI – MG

003 INDEPENDENTE ATLÉTICO CLUBE UBERABA – MG

004 NACIONAL FUTEBOL CLUBE UBERABA – MG

005 OPERÁRIO ESPORTE CLUBE ARAGUARI – MG

006 UBERABA SPORT CLUB UBERABA – MG

007 UBERLÂNDIA ESPORTE CLUBE UBERLÂNDIA – MG

 

RESULTADOS:

04/08/57 Operário 2×4 Uberaba

04/08/57 Independente 3×1 Araguari

08/08/57 Uberlândia 1×2 Fluminense

11/08/57 Fluminense 1×2 Nacional

18/08/57 Araguari 4×0 Uberlândia

18/08/57 Nacional 6×1 Operário

25/08/57 Independente 1×2 Uberaba

25/08/57 Operário 2×1 Araguari

01/09/57 Uberaba 4×0 Nacional

01/09/57 Araguari 1×0 Fluminense

08/09/57 Nacional 1×1 Independente

08/09/57 Operário 1×2 Fluminense

15/09/57 Araguari 1×0 Nacional

22/09/57 Uberaba 3×1 Araguari

22/09/57 Fluminense 1×0 Independente*

29/09/57 Nacional 2×1 Uberlândia

29/09/57 Operário 1×2 Independente

03/10/57 Uberlândia 2×0 Operário

06/10/57 Uberaba 0×0 Fluminense

06/10/57 Uberlândia 2×1 Independente

10/10/57 Uberlândia 1×3 Uberaba

27/10/57 Fluminense 3×2 Uberlândia

31/10/57 Uberaba 6×0 Operário

03/11/57 Uberaba 1×0 Uberlândia

03/11/57 Operário 2×1 Nacional

10/11/57

17/11/57 Uberlândia 1×3 Araguari

24/11/57

01/12/57 Araguari 0×0 Operário

08/12/57

15/12/57 Araguari 2×2 Uberaba

22/12/57 Nacional 0×3 Uberaba

22/12/57 Araguari x Fluminense

29/12/57 Fluminense 3×2 Uberaba

29/12/57 Nacional x Araguari

xx/01/58 Nacional x Fluminense

* O Fluminense se retirou de campo antes de uma cobrança de pênalti mas teve a vitória confirmada pelo JDD da LAF. O recurso do Independente não foi aceito, o que ocasionou a retirada do clube ao final do primeiro turno, juntamente com a Liga Uberabense, que ao lado das entidades de Araguari e Uberlândia, patrocinava a competição.

Com esses resultados, o Uberaba Sport Club sagrou-se campeão da Copa do Triângulo 1957.

 

EQUIPES PARTICIPANTES

EQUIPES

CIDADE

001

ARAGUARI ATLÉTICO CLUBE ARAGUARI – MG

002

FLUMINENSE FUTEBOL CLUBE UBERLÂNDIA – MG

003

FLUMINENSE FUTEBOL CLUBE ARAGUARI – MG

004

INDEPENDENTE ATLÉTICO CLUBE UBERABA – MG

005

NACIONAL FUTEBOL CLUBE UBERABA – MG

006

OPERÁRIO ESPORTE CLUBE ARAGUARI – MG

007

SAL TROPEIRO FUTEBOL CLUBE UBERLÂNDIA – MG

008

UBERABA SPORT CLUB UBERABA – MG

009

UBERLÂNDIA ESPORTE CLUBE UBERLÂNDIA – MG

1ª TURNO

24.07.1955

SAL TROPEIRO

2-1

INDEPENDENTE

31.07.1955

ARAGUARI

0-0

UBERLÂNDIA

07.08.1955

INDEPENDENTE

1-2

ARAGUARI

07.08.1955

UBERLÂNDIA

0-2

NACIONAL

07.08.1955

OPERÁRIO  4-2 SAL TROPEIRO

14.08.1955

OPERÁRIO

2-1

FLUMINENSE(A)

14.08.1955

SAL TROPEIRO

1-0

FLUMINENSE(U)

18.08.1955

UBERABA

3-1

INDEPENDENTE

21.08.1955

NACIONAL

3-2

FLUMINENSE(U)

21.08.1955

ARAGUARI

5-1

UBERABA

21.08.1955

UBERLÂNDIA

2-1

FLUMINENSE(A)

28.08.1955

INDEPENDENTE

0-0

UBERLÂNDIA

28.08.1955

OPERÁRIO

1-1

NACIONAL

28.08.1955

SAL TROPEIRO

3-2

ARAGUARI

04.09.1955

UBERABA  3-0 SAL TROPEIRO

04.09.1955

FLUMINENSE(A)  0-0 INDEPENDENTE

04.09.1955

FLUMINENSE(U)

1-0

OPERÁRIO

07.09.1955

FLUMINENSE(A)

1-0

NACIONAL

11.09.1955

UBERABA

3-1

NACIONAL

11.09.1955

ARAGUARI

1-1

FLUMINENSE(A)

11.09.1955

FLUMINENSE(U)

3-2

UBERLÂNDIA

18.09.1955

ARAGUARI

2-0

OPERÁRIO

18.09.1955

SAL TROPEIRO

0-1

NACIONAL

18.09.1955

UBERABA

0-0

FLUMINENSE(A)

25.09.1955

INDEPENDENTE

3-2

NACIONAL

25.09.1955

UBERLÂNDIA

5-1

OPERÁRIO

25.09.1955

FLUMINENSE(A)

2-0

SAL TROPEIRO

02.10.1955

UBERABA

3-0

UBERLÂNDIA

02.10.1955

FLUMINENSE(U)

1-5

INDEPENDENTE

02.10.1955

ARAGUARI

3-1

NACIONAL

09.10.1955

INDEPENDENTE

4-0

OPERÁRIO

09.10.1955

UBERLÂNDIA

4-0

SAL TROPEIRO

09.10.1955

ARAGUARI

5-2

FLUMINENSE(U)

11.10.1955

UBERABA

3-0

OPERÁRIO

16.10.1955

FLUMINENSE(A)

2-3

FLUMINENSE(U)

23.10.1955

UBERABA

4-0

FLUMINENSE(U)

2ª TURNO

30.10.1955

INDEPENDENTE

2-2

UBERABA

30.10.1955

FLUMINENSE(U)

4-1

SAL TROPEIRO

30.10.1955

FLUMINENSE(A)

1-1

UBERLÂNDIA

06.11.1955

UBERLÂNDIA

0-1

INDEPENDENTE

06.11.1955

ARAGUARI

6-2

SAL TROPEIRO

13.11.1955

UBERABA

4-0

FLUMINENSE(U)

13.11.1955

SAL TROPEIRO

2-2

OPERÁRIO

13.11.1955

ARAGUARI

0-0

INDEPENDENTE

20.11.1955

NACIONAL

1-2

UBERLÂNDIA

20.11.1955

FLUMINENSE(U)

1-2

FLUMINENSE(A)

20.11.1955

OPERÁRIO

0-3

UBERABA

27.11.1955

INDEPENDENTE

5-0

FLUMINENSE(U)

27.11.1955

UBERLÂNDIA

0-0

UBERABA

27.11.1955

FLUMINENSE(A)

2-0

NACIONAL

04.12.1955

NACIONAL

1-1

ARAGUARI

04.12.1955

SAL TROPEIRO

3-1

FLUMINENSE(A)

04.12.1955

OPERÁRIO

0-0

INDEPENDENTE

10.12.1955

INDEPENDENTE

1-0

SAL TROPEIRO

11.12.1955

NACIONAL

2-0

SAL TROPEIRO

11.12.1955

FLUMINENSE(U)

2-4

ARAGUARI

11.12.1955

FLUMINENSE(A)

1-1

UBERABA

17.12.1955

UBERTABA

6-1

SAL TROPEIRO

18.12.1955

UBERLÂNDIA

1-5

ARAGUARI

18.12.1955

OPERÁRIO

2-1

FLUMINENSE(U)

18.12.1955

NACIONAL

0-1

INDEPENDENTE

25.12.1955

FLUMINENSE(U) UBERLÂNDIA

25.12.1955

ARAGUARI

2-0

OPERÁRIO

01.01.1956

OPERÁRIO UBERLÂNDIA

08.01.1956

NACIONAL

3-0

OPERÁRIO

15.01.1956

UBERABA

2-0

NACIONAL

15.01.1956

SAL TROPEIRO UBERLÂNDIA

15.01.1956

FLUMINENSE(A)

0-1

ARAGUARI

22.01.1956

UBERABA

3-2

ARAGUARI

22.01.1956

FLUMINENSE(U) NACIONAL

22.01.1956

OPERÁRIO FLUMINENSE(A)

29.01.1956

INDEPENDENTE

3-1

FLUMINENSE(A)

 

CLAS

CLUBE

PP

01

UBERABA

06

02

ARAGUARI

08

03

INDEPENDENTE

11

04

UBERLÂNDIA

12

05

FLUMINENSE(A)

17

06

OPERÁRIO

17

07

NACIONAL

18

08

SAL TROPEIRO

21

09

FLUMINENSE(U)

24

CAMPEÃO – UBERABA SPORT CLUB (UBERABA-MG)

Obs. – Conto com a ajuda de amigos em especial do Ruy Trida no envio dos resultados faltantes.

 

Em 1922 foi disputado o primeiro campeonato de futebol no Triângulo Mineiro. Após alguns anos de intensa movimentação, vários clubes das principais cidades da região, Uberaba, Uberlândia, Araguari e Sacramento, liderados pelo Uberaba Sport, fundaram a primeira versão da Liga de Sports do Triângulo (várias vezes ressuscitada posteriormente) e esta organizou o torneio, que contou apenas com clubes de Uberaba e Araguari.

Curiosamente, o clube que mais se empenhou para a concretização da Liga, o Uberaba, abandonou o torneio e a Liga, ao final do primeiro turno, inconformado com a decisão do Conselho Divisional, que decretou a perda dos pontos da partida ganha pelo Uberaba contra a Associação Athlética do Triângulo, o famoso RED, naquele que até hoje é considerado, o “Jogo do Século” em Uberaba, pela escalação irregular do atleta Hildebrando de Moraes. Sem o principal rival, o caminho ficou livre para o “RED”, que conquistou seu primeiro título.

Essa história é apenas um dos vários capítulos da breve, mas intensa rivalidade entre o Uberaba e seu principal filho, o RED, que nasceu RED and WHITE, em homenagem ao clube que o hospedava, o Uberaba, e como que renegando todos os laços com seus antigos companheiros, adotou um novo nome, Associação Athlética do Triângulo, e novas cores, preto e branco.

Até hoje, cultiva-se em Uberaba, a lenda de que o “Jogo do Século” foi combinado para marcar o fim das atividades de quem fosse derrotado. Isso não é verdade. O RED ganhou os pontos da partida e ainda disputou outros jogos, no segundo turno, até chegar ao título. Depois ainda fez amistosos dentro e fora de Uberaba no ano de 1922 e também em 1923, mas foi extinto pouco tempo depois, em meados de 1923, o que pode ter alimentado a lenda. O RED morreu sem nunca ter vencido, em campo e com seus primeiros quadros, ao Uberaba Sport Club.

A seguir todos os resultados disponíveis nos jornais da época.

Campeonato do Triângulo 1922
Participantes:
Operário Football Club – Araguari-MG
Americano Futebol Clube – Araguari-MG
Associação Athlética do Triangulo – Uberaba-MG
13 de Maio Futebol Clube – Uberaba-MG
Uberaba Sport Club – Uberaba-MG

TABELA DE JOGOS:
09/04/1922
Operário 2×0 Uberaba
23/04/1922
Americano 5×1 13 de Maio
07/05/1922
13 de Maio 1×4 Triângulo
21/05/1922
Americano 1×0 Operário
04/06/1922
Uberaba 6×0 13 de Maio
18/06/1922
Triangulo 2×0 Americano
02/07/1922
13 de Maio x Operário (O 13 de Maio, sem jogadores para realizar a partida, entregou os pontos ao Operário).
16/07/1922
Uberaba 0×1 Americano*
*Jogo suspenso ao final do 1o tempo, quando o Americano vencia por 1×0, gol de Salim. O Uberaba, posteriormente, entregou os pontos da partida, que deveria ser retomada no dia 20/08/1922.
23/07/1922
Operário 1×3 Triângulo
13/08/1922
Triângulo 1×2 Uberaba*
* O Conselho Divisional da Liga de Sports do Triângulo não aceitou o boletim oficial, confeccionado pelo representante designado para a partida, pelo fato do jogador Hildebrando de Moraes não residir no Triângulo Mineiro. A Associação foi declarada vencedora do encontro, o que motivou o pedido de desligamento da LST por parte do Uberaba.
03/09/1922
Triângulo WOx Operário
17/09/1922
Operário 1×0 Americano
24/09/1922
Triângulo 6×0 13 de Maio
08/10/1922
Americano 1×1 Triângulo

Operário x 13 Maio e 13 de Maio x Americano, sem resultados conhecidos.

Fontes:
- Jornal Lavoura e Comércio, de Uberaba – MG, várias edições do ano de 1922.
- Jornal Iris de Araguari – MG, várias edições do ano de 1922.

 

Em 09/07/1931 foi fundada a Sub Liga do Triângulo Mineiro, com a finalidade de controlar e estimular o desenvolvimento do futebol na região. A iniciativa foi da Associação dos Empregados no Commercio em Uberaba.

Ficou definida a realização de um torneio de futebol com os mais importantes clubes da cidade de Uberaba, então a maior cidade da região, onde o entusiasmo com o futebol atingia enormes proporções, embora a Sub Liga pretendesse representar todo o Triângulo Mineiro.

Esperava-se, para o campeonato de 1932, a participação de representantes das cidades de Araguari, Uberlândia, Conquista e Araxá. E, além do futebol, já se cogitava a inserção de outras atividades esportivas, tais como Bola ao Cesto e Atletismo.

A diretoria ficou assim composta:

  • 1º Presidente: Sebastião Bráz
  • 2º Presidente: Carlos Biella
  • 1º vice presidente: Antônio Duarte da Silva
  • 2º vice presidente: Jeronymo de Oliveira
  • 1º Tesoureiro: Benedicto de Oliveira
  • 2º Tesoureiro: Carlos Bernardes Filho
  • 1º Secretário: José Descon
  • 2º Secretário: Antônio de Vasconcellos

Participantes (todos de Uberaba):

  1. América Football Club
  2. Associação Athletica Uberabense
  3. Corinthians Football Club
  4. Diocesano Football Club
  5. Ítalo Brasileiro Football Club
  6. Operário Football Club
  7. Uberaba Sport Club

Tabela:

Data

Mandante

1º Q

2º Q

Visitante

19/07/1931

América

1×6

2×1

Associação

26/07/1931

Uberaba

3×0

4×1

Operário

09/08/1931

Ítalo Brasileiro

2×2

2×2

Corinthians

15/08/1931

América

1×1

x

Operário

23/08/1931

Diocesano

4×2

x

Associação

30/08/1931

Uberaba

5×2

2×1

Corinthians

13/09/1931

Diocesano

1×5

1×1

Ítalo Brasileiro

20/09/1931

Associação

2×1

3×1

Operário

27/09/1931

Corinthians

1×1

3×1

América

04/10/1931

Operário

1×3

1×1

Ítalo Brasileiro

11/10/1931

Diocesano

0×9

3×3

Uberaba

18/10/1931

Corinthians

0×0

1×0

Associação

25/10/1931

Uberaba

10×0

5×2

América

01/11/1931

Ítalo Brasileiro

3×0

1×2

Associação

08/11/1931

Corinthians

1×3

1×2

Diocesano

19/11/1931

América

2×3

0×5

Diocesano

22/11/1931

Uberaba

4×2

5×1

Associação

29/11/1931

Operário

2×2

1×3

Diocesano

06/12/1931

Ítalo Brasileiro

4×2

3×2

América

08/12/1931

Operário

1×3

1×2

Corinthians

13/12/1931

Ítalo Brasileiro

1×2

0×0

Uberaba

 

Classificação – primeiros quadros:

Pos

Time

Pts

J

V

E

D

GP

GC

SG

1

Uberaba

12

6

6

0

0

33

5

28

2

Ítalo Brasileiro

9

6

4

1

1

18

8

10

3

Diocesano

7

6

3

1

2

13

21

-8

4

Associação

5

6

2

1

3

12

13

-1

5

Corinthians

5

6

1

3

2

9

12

-3

6

Operário

2

6

0

2

4

6

14

-8

7

América

2

6

0

2

4

7

25

-18

 

Classificação – segundos quadros:

Pos

Time

Pts

J

V

E

D

GP

GC

SG

1

Uberaba

10

6

4

2

0

19

8

11

2

Diocesano

8

5

3

2

0

14

6

8

3

Corinthians

7

6

3

1

2

10

8

2

4

Ítalo Brasileiro

6

6

1

4

1

8

8

0

5

Associação

4

5

2

0

3

7

10

-3

6

América

2

5

1

0

4

7

17

-10

7

Operário

1

5

0

1

4

5

13

-8

 

Com estes resultados, o Uberaba sagrou-se campeão uberabense de 1931 em ambos os quadros.

Fontes:

 

A Institución Atlética Sud América é um clube do futebol uruguaio com sede na capital, Montevidéu. Fundado em 15/02/1914 destaca-se sobretudo pelos títulos conquistados na segunda divisão uruguaia (seis no total).

Em 1931, convidado pelo Vasco da Gama, o Sud America fez uma longa e cansativa excursão ao Brasil. O clube veio ao nosso país reforçado por jogadores de outros clubes de Montevidéu, como o Wanderers, o Olympia Club e os poderosos Peñarol e Nacional.  Naquela época, até mesmo um clube sem expressão como o Sud America despertava grande interesse popular em nosso país, dada a supremacia do futebol uruguaio no mundo. O clube sequer disputava a primeira divisão uruguaia mas, em terras tupiniquins, enfrentou alguns grandes clubes da época, como o Vasco da Gama e o Santos.

Curiosamente a equipe excursionou ao país ao mesmo tempo em que o Bella Vista, esse sim um poderoso representante do futebol uruguaio que, voltando de uma excursão à Europa, e contando com elementos campeões olímpicos e mundiais, enfrentava boas equipes no Rio e em São Paulo.

Confira baixo os integrantes da delegação uruguaia:

Dirigentes:

  • Presidente – Leoncio Lucas
  • Tesoureiro – Alfredo Parada
  • Secretário – Antônio Gamberoni
  • Treinador – Manoel Cardenez

Jogadores:

  • Luiz Sposito – Goleiro (Olympia)
  • Pedro Casella – Goleiro (Sud America)
  • Julio Oddo – Zagueiro (Sud America)
  • Rodolpho Areco – Zagueiro (Central)
  • Luis Minoli – Zagueiro (Sud America)
  • Guido Laino – Zagueiro (Peñarol)
  • Juan C. Corazzo – Meio Campista (Sud America)
  • Oscar Delbono – Meio Campista (Wanderers)
  • Francisco Lema – Meio Campista (Sud America)
  • Norberto Rodriguez – Meio Campista
  • Guillermo Campos – Meio Campista (Sud America)
  • José Pedreira – Meio Campista (Sud America)
  • Felipe Longo – Atacante (Sud America)
  • Domingo Sevilla – Atacante (Sud America)
  • Francisco Aripe – Atacante (Nacional)
  • Clotardo Dendi – Atacante (Wanderers)
  • Mario Portugal – Atacante (Sud America)
  • Consuelo Piriz – Atacante (Nacional)
  • Luis Matta – Atacante
  • Luis Scarpinacchi – Atacante (Sud America)*
  • Arturo De León – Atacante (Sud America)
  • Eduardo Iturvide – Atacante (Wanderers)

* Scarpinacchi era também o jornalista responsável por enviar as notícias da excursão ao Uruguai.

Em sua primeira partida os uruguaios enfrentaram um combinado carioca que, sem nenhum treino, ainda se viu desfalcado de importantes jogadores do Vasco, Fluminense e Botafogo. Os brasileiros foram presas fáceis, mas a imprensa carioca não se deixou iludir, classificando o time uruguaio como apenas “regular’. Os confrontos seguintes confirmaram as análises iniciais. Com atuações irregulares, o time uruguaio mais perdeu que ganhou mas fez história: foi com ele que alguns de nossos principais clubes fizeram seu primeiro confronto internacional.

Contra o Bahia, ainda um jovem clube de Salvador, o Sudamerica aplicou sua maior goleada, que foi presenciada por inúmeras autoridades presentes ao Campo da Graça, como o Príncipe de Gales, herdeiro da Coroa Britânica, o Príncipe Jorge e o interventor Arthur Neiva.

Em sua longa estadia por Salvador o clube uruguaio enfrentou o Botafogo e o Ypiranga, tradicionais clubes daquela época. Este último jogo, por sinal, não terminou. Após a agressão do uruguaio Laino ao baiano Lago, ocorreu uma confusão generalizada que só terminou com intervenção policial.

Equipe uruguaia do Sud America em sua primeira partida no Brasil. (Foto: Jornal do Brasil de 17/03/1931)

 

Relação de jogos (Não há confirmação de que tenham sido somente estas partidas):

15/03/1931

Combinado Carioca 0×3 Sudamerica

Local: Estádio São Januário, Rio de Janeiro – RJ

Árbitro: Virgílio Fredrighi (América)

Combinado Carioca: Balthazar, Domingos e Zé Luiz (Telê); Hermógenes, Santa Anna e Ernesto; Vicente, Ladialao, Médio, Bahianinho (Carvalho Leite) e Cid.

Sudamerica: Sposito, Areco e Laino; Del Bono (Campos), Lema e Pedreira; Sevilla, Arispe (Portugal), Dendi, Matta e Iturbide. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: Lema (4’ do 1º tempo), Dendi (10’ do 2º tempo), Portugal (34’ do 2º tempo)

22/03/1931

Combinado Carioca 3×2 Sudamerica

Local: Estádio São Januário, Rio de Janeiro – RJ

Árbitro: Rubem Portocarrero (São Cristóvão)

Combinado Carioca: Velloso, Domingos e Itália; Hermogenes, Fausto e Molla; Ariza, Paulinho, Carlos, Nilo e Celso.

Sudamerica: Sposito, Areco e Laino; Del Bono, Rodriguez e Pedreira; Sevilla, Arispe, Dendi, Matta e De Léon. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: Nilo (23′ do 1º tempo), Carlos Leite (37′ do 1º tempo), Carlos (43′ do 2º tempo), Dendy (33′ do 1º tempo), Sevilla (25′ do 2º tempo).

24/03/1931

Vasco da Gama 4×2 Sudamerica

Local: Estádio São Januário, Rio de Janeiro – RJ

Árbitro: Jorge Marinho (Fluminense) (Substituído ao final do 2o tempo por Carlos Scapinachis (Jogador e jornalista uruguaio)

Vasco da Gama: Jaguaré, Brilhante e Itália; Tinoco, Fausto e Molla (Nevi); Bahianinho, Paes, Waldemar, Mattos e Sant’Anna.

Sudamerica: Sposito, Oddo e Laino; Del Bono (Campos), Corazzo e Rodriguez; Sevilla, Arispe (Portugal), Dendi, Matta e Delcono. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: Mattos (25’ do 1º tempo e 43’ do 2º tempo), Paes (26’ e 35’ do 1º tempo); Matta (2º tempo) e Sevilla (26’ do 2º tempo).

27/03/1931

Combinado Mineiro 1×1 Sud América

Local: Belo Horizonte – MG

29/03/1931

Atlético Mineiro 3×2 Sudamerica

Local: Estádio de Lourdes, Belo Horizonte – MG

Árbitro: Américo Pastor

Atlético: Armando, Maurílio e Nariz; Cordeiro, Brant e Mário Gomes; Naná, Jacyr (Said), Orlando Vaz, Chaffir (Cunha) e Murinha. Técnico: Marinetti

Sudamerica: Sposito, Arecco e Laino; Delbuono (Pedreira), Corazzo (Senna) e Rodriguez; Sevilla (Longo), Portugal, Dendi (Scarpinacchi), Matta e De Léon. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: Nana (2) e Orlando Vaz (Atlético); Portugal e Longo (Sudamerica)

31/03/1931

Santos 5×0 Sudamerica

Local: Vila Belmiro, Santos – SP

Árbitro: Sr. Wenceslau (ASEA)

Santos: Athiê, Pinheiro e Sylvio; Oswaldo, Floriano e Alfredo; Victor, Camarão, Mário Seixas, Feitiço e Evangelista.

Sudamerica: Casella, Areco e Guido; Del Bono, Lema e Pedreira; Longo, Sevilla, Scarpinacchi, Portugal e De Léon. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: Feitiço (3’ e 10’ do 1º tempo), Mário Seixas (20’ do 1º tempo e 3’ do 2º tempo) e Victor (2º  tempo).

09/04/1931

Botafogo BA 1×1 Sud America

Árbitro: Joel

Botafogo: Ulm, Alfredo e Belfiore; Maladu, Oscar e Leoncio; Jurico, Gamba, Paulo, Manteiga e Tango.

Sud America: Sposito, Areco e Laino; Del Bono, Corazzo e Rodriguez; Sevilla, Longo, Iturvide, Dendi e Matta. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: ? SA (5’ do 1º tempo); ? Bot (35’ do 1º tempo)

15/04/1931

Bahia 1×5 Sudamerica

Local: Campo da Graça

Bahia: Teixeira Gomes; Leônidas e Peltier; Milton, Canoa e Gia; Bayma, Guarany, Paulo Santos, Gambarrota e Sandoval.

Sud America: Sposito, Areco e Laino; Del Bono, Corazzo e Rodriguez; Sevilla, Longo, Ituvirde, Dendi e Matta. Técnico: Manoel Cardenez.

Gols: Guarany (Bahia)

17/04/1931

Royal 0×1 Sud America

Local: Salvador – BA

19/04/1931

Combinado Baiano 2×0 Sud America

Local: Salvador – BA

22/04/1931

Ypiranga 2×2 Sud America

Local: Salvador – BA

Nota: O jogo não terminou pois o jogador baiano Aloysio Lago foi agredido pelo uruguaio Laino, ao que se seguiu enorme confusão que teve que contar com a intervenção policial. Foi a última partida dos uruguaios em solo baiano.

25/04/1931

Ypiranga (Niterói) 3×5 Sud America

Local: Niterói – RJ

??/??/1931

Combinado do Espírito Santo 1 x 3 Sud America

Local: Vitória – ES

 Fontes:

  • Jornal do Brasil: Várias edições de março e abril de 1931
  • Acervo Folha: Folha da Manhã e Folha da Noite – Várias edições de março e abril de 1931.
  • História do Futebol no Brasil – Thomaz Mazzoni
  • Blog 1 Time por dia: umtimepordia.blogspot.com (Dados sobre a partida contra o Ypiranga de Niterói)
 

Durval Junqueira Machado, mais conhecido como Junqueira, foi um atacante do Flamengo que brilhou na década de 20. Nascido em 12 de junho de 1900 na cidade de Uberaba (MG), fazia parte do grupo de jovens que, em 1917, fundou o Uberaba Sport Club, equipe pela qual jogou por quase dois anos. Em 30 de março de 1919 fez seu ultimo jogo pelo Uberaba, marcando três gols na goleada de 5×0 sobre o arquirival de então, o Red and White Association.

Transferiu-se para o Flamengo, onde formou uma grande dupla com o artilheiro grandalhão Nonô. Fez o seu 1° jogo no dia 13/07/1919 (Flamengo 2 x 1 América-RJ). Pela equipe carioca disputou, no total, 103 partidas e anotou 82 gols, em sete temporadas. Ainda em 1920 foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira. Pelo Brasil atuou em quarto partidas mas não marcou gols. Participou do Campeonato Sul Americano de 1920 e 1922, sagrando-se campeão em 1922. Em 1925, emprestado pelo Flamengo, participou da vitoriosa excursão do Paulistano à Europa, quando os multicampeões paulistas foram aclamados como “Os reis do futebol”.

Formado em Medicina, na década de 30 radicou-se em Orlândia, pequena cidade do interior paulista, próxima a Ribeirão Preto, onde mantinha consultório em sua residência, na Rua 6. Casou-se com a Sra. Antonieta Carvalho Junqueira Machado.

 

Títulos pelo Flamengo:

  • 1919 - Campeão do Torneio Triangular do Rio de Janeiro (Troféu América Fabril).
  • 1920 - Campeão Carioca, Campeão do Torneio Início e da Taça Sport Club Mackenzie.
  • 1921 - Campeão Carioca e da Taça Ypiranga.
  • 1922 - Campeão do Torneio Início e do Torneio América Fabril.
  • 1923 - Campeão do Torneio América Fabril, Troféu Carioca Football Club e do Troféu Petropolitano.
  • 1925 - Campeão Carioca,  Troféu Torre Sport Club, Troféu Agência Hudson, Troféu Jornal do Commércio de Pernambuco e do Troféu Sérgio de Loreto.

 

Fontes:

 
Uberaba e América Mineiro  já protagonizaram confrontos memoráveis, em uma história que começou na década de 20. Mas nenhum jogo se compara em emoção, dramaticidade e importância para o Uberaba quanto o disputado pela última rodada do Campeonato Mineiro de 1982. O Uberaba precisava vencer o América, do cabeludo Paulinho Kiss, para garantir o terceiro lugar e classificar-se para o Campeonato Brasileiro. Após abrir 2×0 o Uberaba se acomodou, permitindo o empate do América. A torcida, que durante a maior parte do jogo, tranquila, pedia mais gols, se voltou contra o time, que deixou o América dominar todo o segundo tempo. Nas arquibancadas, o apoio dava lugar às vaias e vários torcedores deixaram o estádio antes do final da partida.
Esse resultado era uma tragédia para o Colorado, que cairia para o quinto lugar, sem a vaga no Brasileirão, que seria do Uberlândia, e sem nenhuma competição para disputar no primeiro semestre de 1983. E o América continuava a pressionar, tentando a virada, que lhe valeria o vice-campeonato e a sonhada vaga direta na Taça de Ouro. Emoção garantida até o final.

Mas no final do jogo, aos 41 minutos do segundo tempo, Walter Lobão, o folclórico zagueiro do Uberaba, sobe ao ataque e, na entrada da grande área, pega um rebote da defesa do América e chuta. A bola bate no defensor americano Luiz Carlos Hippie e sobe caprichosamente, encobrindo o goleiro Wellington. Loucura total no Uberabão. Depois do gol não houve mais jogo, pois os jogadores do Uberaba chutavam todas as bolas para fora, esperando pelo apito final.

Como sempre ocorreu em Minas Gerais a definição da classificação final foi uma verdadeira novela. O regulamento só previa critérios de desempate para a definição do campeão. Uberaba, América e Uberlândia terminaram o Hexagonal Final com os mesmos 16 pontos. O Uberaba pleiteava que as colocações abaixo do primeiro lugar utilizassem os mesmos critérios de desempate que uma eventual definição do campeão, enquanto o Uberlândia defendia o computo dos pontos obtidos na primeira fase, a Taça Minas Gerais, onde teve um desempenho irretocável.

Ocorre que o próprio regulamento já dizia, em um de seus artigos, que os pontos obtidos na Taça Minas Gerais não valeriam para a classificação final. Após muitas especulações, que obrigaram o então advogado uberabense José Raimundo Jardim Alves Pinto, a acionar a CBF, a Federação Mineira enfim confirmou, apenas 10 dias depois, em 15/12/1982, a classificação final do Campeonato Mineiro.

Uberaba Sport Club, 3º lugar, campeão mineiro do interior e classificado para a Taça de Prata.

Ficha Técnica:

USC 3 x 2 América (MG)
Data: 05/12/1982
Motivo: 14ª Rodada do Octogonal do Campeonato Mineiro 1982.
Local: Estádio Engenheiro João Guido, Uberabão
Árbitro: Ângelo Antônio Ferrari
Renda: Cr$ 2.921.000,00
Uberaba: Diron, Celso Sá, Walter Lobão, Alexandre Pimenta (Gilvan) e Aldeir; Joãozinho Maradona, Donizete Cabeça (Zé Roberto) e Toinzinho; Wilton, Binga e Simões. Técnico: Milton Buzetto.
América: Wellington; Cacau, Luíz Carlos Hippie, Dias e Vaner; Cláudio Barbosa, Gaúcho e Lúcio; Adílson, Paulinho Kiss e Luiz Alberto. Técnico: Jair Bala.
Gols: Simões (31’ do 1º T), Binga (6’ do 2º T) e Walter Lobão (41’ do 2º T); Gaúcho (15’ do 2º T), Cláudio Barbosa (30’ do 2º T).

 

 
Em 1922, o Paulistano era um dos maiores clubes de futebol do país, senão o maior. Quando, no final de 1929, a diretoria do clube resolveu acabar com o time, por discordar da era do profissionalismo no futebol, o Paulistano já havia conquistado 11 títulos paulistas, feito superado apenas pelos quatro grandes até hoje. Já o tetracampeonato estadual consecutivo, de 1916 a 1919, jamais foi igualado.E foi esse o esquadrão que se deslocou até Uberaba, em novembro de 1922, para enfrentar o jovem orgulho local, o Uberaba Sport Club. A comitiva foi recebida na fronteira de Minas com São Paulo, por diversas das mais proeminentes figuras da cidade de Uberaba na época.

Na rica, mas provinciana, Uberaba dos anos 20, foi construída uma instalação provisória, especialmente para abrigar a comitiva do famoso quadro paulistano. O Estádio das Mercês, cujo terreno havia sido adquirido apenas dois anos antes (posteriormente se tornaria o tradicional Estádio Boulanger Pucci), foi descrito pelo jornal “Folha da Noite” como confortável e construído com muito carinho.

O Paulistano trouxe todos os seus principais jogadores, que haviam acabado de derrotar um Combinado Argentino, incluindo o grande astro brasileiro da época, o inigualável Arthur Friedenreich. El Tigre, no entanto, não fez uma boa partida. Pelo Paulistano os destaques ficaram por conta de Formiga, Mário e Netinho. No Uberaba o destaque coube aos defensores Tango e Badu (Egídio Mateus Junior).
A edição da Folha da Noite de 03/11/1922 acabou por descrever assim o time do Uberaba:

“Embora vencido o quadro posto em campo pelo Uberaba é um conjunto de respeito; homogêneo e coheso nos seus movimentos; nota-se porém, ciosa que é, comtudo, muito commum, uma certa indecisão nos seus remates finaes, o que quasi sempre resulta mal. No mais, esteve plenamente satisfactoria a sua actuação, principalmente a defensiva”

 

Ficha Técnica:

Uberaba 0×2 Paulistano

Data: 02/11/1922

Local: Estádio das Mercês, Uberaba – MG

Motivo: Amistoso

Uberaba: Badu, Tango

Paulistano: Arnaldo, Clodoaldo e Orlando; Sérgio, Mestros e Abate; Formiga, Mário, Friedenreich, Netinho e Zecchi.

Gols: Formiga (1º Tempo) e Netinho (2º Tempo).

 

 

A revista Almanaque D’os Desportos em todo o mundo, informou, em sua edição do segundo semestre de 1959, que 720 especialistas de futebol, que assistiram a Copa do Mundo de 1958, disputada na Suécia, responderam a uma enquete sobre como formariam a equipe mundial do certame. O resultado final foi o seguinte:

- Harry Gregg, GREGG (Irlanda do Norte)
- Orvar Bergmark, BERGMARK (Suécia)
- Hideraldo Luis Bellini, BELLINI (Brasil)
- Nílton Reis dos Santos, NÍLTON SANTOS (Brasil)
- Juri Voinov, VOINOV (URSS)
- Horst Szymaniak, SZYMANIAK (Alemanha Ocidental)
- Manuel dos Santos, GARRINCHA (Brasil)
- Waldir Pereira, DIDI (Brasil)
- Raymond Kopaszewski, KOPA (França)
- Edson Arantes do Nascimento, PELÉ (Brasil)
- Lennart Skoglund, SKOGLUND (Suécia)

Nílton Santos foi o jogador que recebeu o maior número de votos: 619.

Fonte:
- Almanaque D’os Desportos em todo o mundo, Ano IV, Nº15, 2º semestre de 1959.

 

Em 23 de abril de 1938, um amistoso entre o Uberabinha (antigo nome do Uberlândia), que ainda mantinha seu antigo nome, nove anos após a mudança de nome da cidade, e o Uberaba, então o bicho papão da região, marcou a adoção do nome de Juca Ribeiro, aficcionado esportista e colaborador do Uberabinha, para o estádio do clube. A festa no intervalo ficou por conta da inauguração da Drogaria Alexandre e da homenagem a Juca Ribeiro, agora nome do estádio.

Os festejos ocorriam ao som da marcha do Uberaba Sport, mais tarde transformada no hino do clube, tocada nas arquibancadas por uma excelente banda de música. O fato curioso foi a recusa do árbitro, Saccadura, em continuar seu trabalho após o término do 1º tempo. Ele se incomodou com os insultos que vinham das arquibancadas. Após um intervalo que se estendeu por 45 minutos as partes concordaram com um novo nome, Zé Minhoca, que de maneira enérgica levou a partida até seu final, ocorrido antes dos 40 minutos, por falta de luz natural.

No fim, 2×1 para o Uberaba, que levou uma caravana de 150 veículos à cidade vizinha.

Ficha Técnica:
Uberabinha 1×2 Uberaba
Data: 23/04/1938
Local: Estádio Juca Ribeiro
Renda: 13.420$000
Árbitros: José Rodrigues (Saccadura) – 1º tempo, José Sabino Leonardo (Zé Minhoca) – 2º tempo.
Uberabinha: Balthazar, Maurício e Mexicano; Faride, Tião e Gustavo; Jabá, Tintias, Octávio, Wolney e Pinúcio.
Uberaba: Raymundo, Bile e Pepino; Piolin, Jorge e Bié; Juca Pato, Geraldino, Gabardo, Zé Velho e Nery (Quinca).
Técnico: Orlando Ferenzi.
Gols: Jabá (30’ do 1ºT); Gabardo (4’ do 1ºT e 15’ do 2ºT).

Fonte: Jornal O Triângulo Esportivo, edição n°13, de 27/04/1938, com a colaboração do Arquivo Público de Uberaba.

 

Em 1939, o Uberaba conseguiu fazer belas partidas contra algumas das mais importantes equipes mineiras. Daquelas que participavam do questionado Campeonato Mineiro, o Uberaba só não conseguiu vencer o Atlético, com quem empatou em uma memorável partida em Belo Horizonte. Os bons resultados desses amistosos deixam claro que o clube seria um sério candidato ao título mineiro se o torneio realmente tivesse, naquela época, uma dimensão estadual.

Resultados contra adversários mineiros:

06/01/1939 Uberaba 2×3 Sete de Setembro, em Uberaba
08/01/1939 Uberaba 4×2 Sete de Setembro, em Uberaba
15/01/1939 Uberaba 2×0 Uberlândia, em Uberaba
29/01/1939 Uberlândia 1×4 Uberaba, em Uberlândia
18/05/1939 Uberaba 3×2 Palestra (Cruzeiro), em Uberaba
22/05/1939 Uberaba 1×0 Palestra (Cruzeiro), em Uberaba
08/07/1939 Uberaba 1×4 Siderúrgica, em Uberaba
09/07/1939 Uberaba 2×1 Siderúrgica, em Uberaba
13/08/1939 Uberaba 2×0 Villa Nova, em Uberaba
15/08/1939 Uberaba 2×1 Villa Nova, em Uberaba
03/09/1939 Uberaba 3×1 América, em Uberaba
15/10/1939 Atlético 1×1 Uberaba, em Belo Horizonte
17/10/1939 Siderúrgica 2×2 Uberaba, em Sabará
29/10/1939 Uberaba 0×1 Palestra (Cruzeiro), em Uberaba
01/11/1939 Uberaba 2×2 Palestra (Cruzeiro), em Uberaba

Retrospecto contra clubes mineiros:
15 jogos, 09 vitórias, 03 empates, 03 derrotas, 29 gols marcados, 21 gols sofridos.

out 312007
 

Este post está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha