Fonte: Jornal dos Sports / RJ

 

 

 
Batista Cortes, juiz da antiga Federação Alagoana de Desportos, hoje Federação Alagoana de Futebol, foi apitar um jogo entre Guarany do Poço e CSA, pelo Campeonato Alagoano da Primeira Divisão de 1963, no Mutange, Campo do CSA.O CSA, clube mais tradicional do futebol do Nordeste, era o favorito disparado. O Guarany do Poço, caçula na primeirona alagoana, era um time bem armado, mas com poucas chances de vencer. O jogo se arrastava para os momentos finais, e o 0 a 0 se mantinha. foi então que surgiu um lance aos 45 minutos do segundo tempo. Escanteio na área do Guarany e o artilheiro do CSA, Clóvis, meteu a cabeça na bola e marcou o gol da vitória. Alegria geral dos azulinos. Tristeza dos rubro-negros do Guarany. Neste momento, o árbitro apitou o final do jogo e simplesmente desmaiou.

Alguns afirmam que o desmaio se deveu à emoção de ver seu clube conquistar a vitória. Batista Cortes afirma que desmaiou porque o sol estava muito forte (o jogo começava às 15 horas) e o cinto que usava estava apertado.

Fonte: Futebol é uma caixinha de surpresas

 
Estas duas equipes existiram em meados dos anos 1920, em Cuiabá. Porém nada se sabe sobre elas, pela grande falta de fontes. Segue abaixo uma partida amistosa realizada no antigo Campo d’Ourique, onde também foi disputado o primeiro jogo que se tem notícia na capital de Mato Grosso.
 
Tupy Football Club 2 x 1 Commercial Football Club
Data: 14/09/1924
Validade: Amistoso
Local: Campo d’Ourique (Cuiabá)
Árbitro: Fabio Feitosa
Gols: Não divulgado
Tupy: Julião, Roberto, Pinto, José, Gregorio, Cancio, Lulú, Ponceano, Guerra, Lysandro e Perminio.
Commercial: Sylvio, Gastão, Nogueira, Coelho, Salgado, Antônio, Nestor, Marcondes, Rubens, Joaquim e Gôes.

 

Fonte: Jornal A Luz
 

 

Amistoso em 1910 – Corinthian-Casuals F.C. (Inglaterra) 2 x 0 A.A. das Palmeiras (São Paulo)

Partida realizada na data de 1º de setembro de 1910, no Velódromo Paulistano, na Consolação, em São Paulo-SP.

Juiz: H.Friese do S.C. Germania.

Gols: Day (2-Corinthian)

Corinthian-Casuals: Rodgers, Page e Timmis. Tuff, Morgan, Owen e Braddel. Snell, Day, Vidal, Brysley e Kerry.

AA das Palmeiras: Orlando, J. Rubião e Urbano. Gullo, Rubens e Octavio Egydio. Dédé, Mario Egydio, Irineu, Eurico Mendes e Godinho.

Fonte: Correio Paulistano

 

No dia 7 de setembro de 1924, feriado da Independência do Brasil, o Club Sportivo Paysandu recebeu na Praça de Esportes Coronel Carlos Renaux, em Brusque (SC), a visita do Operário Foot-Ball Club da vizinha cidade de Itajaí (na época, Itajahy) para a disputa de um amistoso. O quadro local se impôs com autoridade e venceu a partida pelo placar de 4 a 1.

Segundo o jornal Gazeta Brusquense, o espetáculo foi atrapalhado pela “chuva miúda e irritante”, que deixou  o campo “demasiadamente escorregadio em algumas partes e alagado em outras”. No jogos dos aspirantes ou “segundo quadro”, também deu Paysandu: 3 a 0.

C.S. PAYSANDU 4 x 1 OPERÁRIO F.B.C.

Data: 07/09/1924

Local: Coronel Carlos Renaux – Brusque (SC)

Árbitro: Henrique Bosco

Gols: não disponível

PAYSANDU: Sassy I; Rudy, Zanão, José, Pedro e Becker; Senador, Pedro II, Jacob, Appel e Sassy II.

OPERÁRIO: Adolpho; Mendonça, Pimenta, Coca e Cachopa; Lúcio, Emílio, Antonio, Alberto, Pedro e Canário.

FONTE

Gazeta Brusquense

 

 

Data: 20 de agosto de 1916
Local: Parque Antárctica, em São Paulo – SP

1º quadros  -  Santa Marina 2-0 Aliança
1º quadros  -  Corinthians 2-0 Internacional/Vicentino
1º quadros   – Ruggerone 2-0 União Lapa

Fonte: O Estado de São Paulo e Correio Paulistano – SP

 

 

 

 

 

 

 

 

Os confrontos entre Marcílio Dias e Figueirense remontam a 1930. Em 27 de julho daquele ano, houve o primeiro embate: vitória do Marinheiro por 3 a 0, em amistoso disputado no Estádio Dr. Hercílio Luz, em Itajaí. Os gols foram anotados por Guarino (duas vezes) e Zé Macaco.

Duas expressivas vitórias marcilistas por 4 a 0 ocorreram em outro amistoso realizado em Itajaí em 1933 e numa partida do Campeonato Catarinense de 1964. Mas foi em 16 de junho de 1946, em mais um amistoso em Itajaí, que se registrou a maior goleada do Marcílio sobre o rival alvinegro: 6 a 1.

Um fato curioso ocorreu no Campeonato Catarinense de 1958. Em 11 de janeiro de 1959, o Marcílio Dias venceu o primeiro jogo em Itajaí por 4 a 0 – gols de Cirilo, Idésio (duas vezes) e Zênio. O Figueirense precisava vencer o segundo jogo no tempo normal e na prorrogação para se classificar.

Página esportiva do jornal Libertador, de Itajaí, em 1959. Acervo FGML

No dia 18 de janeiro as duas equipes se enfrentaram no Estádio Adolpho Konder, em Florianópolis. O time da Capital venceu no tempo normal por 2 a 0, mas a prorrogação de 30 minutos terminou sem gols. Uma nova prorrogação de 15 minutos foi disputada, sem movimentação no placar.

Depois de mais duas prorrogações de 15 minutos cada, totalizando 165 minutos sem balançar as redes, o jogo finalmente foi finalizado, tornando-se o mais longo da história do futebol de Santa Catarina. A vaga seria decidida numa terceira partida, em Blumenau, campo neutro, no dia 22 de janeiro de 1959. Deu Marinheiro: 2 a 1, dois tentos do goleador Idésio.

Outro jogo marcante para os marcilistas ocorreu em 3 de novembro de 1963. Jogando em Florianópolis, o Marinheiro bateu o Figueirense por 2 a 1, gols de Renê e Dufles. Era a primeira rodada do Campeonato Catarinense de 1963 e iniciava ali a campanha que levaria o Marcílio Dias à conquista do seu primeiro e único título da principal competição estadual. “Peguei a bola fora da área e enchi o pé. Acertei um belo chute, uma bomba, o goleiro nem se mexeu”, detalhou o autor do gol em depoimento ao livro “Torneio Luiza Mello – Marcílio Dias Campeão Catarinense de 1963″.

Lelo vibra após gol da classificação no Orlando Scarpelli.
Foto: Reprodução

Uma partida especialmente guardada na memória da torcida rubro-anil foi a realizada em 3 de junho de 2000, pelas semifinais do Campeonato Catarinense. Depois do empate em 0 a 0 no jogo de ida em Itajaí, o Marinheiro precisava vencer no Orlando Scarpelli.

Marquinhos abriu o placar para o Marcílio, mas Fernandes empatou para o Figueirense. O jogo caminhava para o final quando o lateral-direito Lelo, numa cobrança de falta milimétrica, fez o gol que decretou a vitória por 2 a 1 e classificou o Marcílio Dias à final do Catarinão daquele ano.

18 de novembro de 2007 é outra data que entrou para a história deste confronto. Neste dia, o Marinheiro derrotou de virada o Figueirense por 3 a 1 no Orlando Scarpelli e sagrou-se campeão da Copa Santa Catarina. Os gols do Marcílio foram marcados por Felipe Oliveira, Dauri e Michel.

No jogo do primeiro turno, dia 28 de outubro, em Itajaí, outra vitória marcilista: 4 a 1 – gols de Dauri, Felipe Oliveira, Luís Ricardo e Márcio Alcides. O título da Copa Santa Catarina deu ao Marinheiro uma vaga na Recopa Sul-Brasileira, disputada em dezembro daquele mesmo ano e também vencida pelo Rubro-Anil.

Schwenck comemora gol contra o Figueirense em Camboriú.
Foto: Marcos Porto/ClicRBS/2015

No Campeonato Catarinense de 2015, outro jogo memorável. Jogando em Camboriú, debaixo de chuva e com apagões dos refletores durante a partida, o Marcílio Dias saiu na frente com Schwenck, mas o Figueirense virou para 3 a 1. Numa reação espetacular, o Marinheiro virou o placar para 4 a 3. Soares e Schwenck empataram e Rogélio, aos 45 do segundo tempo, fez de cabeça o gol da vitória, para delírio da apaixonada torcida rubro-anil que lotou a arquibancada do acanhado estádio Robertão.

FONTE

Baú do Marcílio - http://baudomarcilio.blogspot.com.br/

 
Participantes:
América Esporte Clube
Fortaleza Futebol Clube
Imperial Futebol Clube
Independência Futebol Clube
Rio Branco Football Club
Ypiranga Esporte Clube

 

 Data: 02/07/1950
Local: Estádio José de Melo

 

Rio Branco 4 x 0 América
Árbitro: Capitão Braga (Fortaleza F.C.)
Gols: Arigó (2), Dudu e Orsete
Rio Branco: Guedes, Jaime, Orsete, Adalberto, Edmundo, Valdo, Dudu, Edson, Arigó, Reinaldo e Elinio.
América: Fernandes, Aloizio, Vidal, Sabiá, Carioca, Caetano, Rivaldo, Elias, Osmede, Valdé e Pires.

 

Independência 1 x 0 Ypiranga
Árbitro: Sr. Queiroz (Imperial F.C.)
Gol: Paulo
Independência: Tinoco, Bararú, Souza, Ferreira, Leão, Gago, Paulo, Durval, Moreira, Onofre e Cleomenes.
Ypiranga: Barbosa, Sombra, Gilmar, Curitiba, Veado, Osvaldo, Vital, Passarinho, Cloter, Bacurau e Zelito.

 

Imperial 2 x 0 Fortaleza
Árbitro: Walter Felix
Gols: Borracha e Felix
Imperial: Assis, Almeida, Hildebrando, Calixto, Olavo, Barata, Felix, Souza, Gomes e Borracha.
Fortaleza: Mossoró, Popó, Rocha, Graça, Julio, Tina, Walter, Andrade, Piculino, Railton e Rubens.
Obs: O Imperial jogou com 10 atletas

 

Rio Branco 1 x 0 Independência
Árbitro: Sr. Waldemar (América E.C.)
Gol: Elinio
Rio Branco: Guedes, Jaime, Orsete, Adalberto, Edmundo, Valdo, Elinio, Edson, Arigó, Reinaldo e Dudu.
Independência: Tinoco, Bararú, Souza, Gomes, Leão, Gago, Paulo, Ferreira, Moreira, Onofre e Cleomenes.

 

Rio Branco 3 x 0 Imperial
Árbitro: Cap. Milton Braga (Fortaleza F.C.)
Gols: Arigó (2) e Dudu
Rio Branco: Guedes, Jaime, Orsete, Adalberto, Edmundo, Valdo, Elinio, Edson, Arigó, Reinaldo e Dudu.
Imperial: Assis, Almeida, Hildebrando, Calixto, Olavo, Barata, Sérgio, Borracha, Felix e Valdemar.
Obs: O Imperial jogou com 10 atletas

 

Com estes resultados o Rio Branco Sagrou-se campeão do Torneio Inicio de 1950, recebendo o Troféu Major Isidoro da Cunha Pereira

 

 Fonte: Jornal O Acre
 
Para a Semana da Patria a Federação Acreana de Desportos organizou um torneio com a participação de clubes do Acre, Amazonas e Rondônia. Todos jogaram contra todos entre os dias 03 e 09 de setembro:

 

Participante:
 Acre: Atlético, Independência e Rio Branco
Amazonas: Fast Clube
Rondônia: Flamengo

 

 Os jogos:

 

As partidas foram disputadas no Estádio José de Melo

 

Independência 3 x 1 Rio Branco
Data: 03/09/1959
Árbitro: Eduardo Lima
Gols: Léo (2) e Airton (Independência) e Trinta e Um (Rio Branco)

 

Fast 2 x 2 Flamengo (RO)
Data: 03/09/1959
Árbitro: Cezar Pontes
Gols: Wilson (contra) e Hugo (Fast); Bolô e Waldir (Flamengo)

 

Fast 4 x 1 Rio Branco
Data: 05/09/1959
Árbitro: Eduardo Lima
Gols: Português (2), Hugo e Dadá (Fast); Tião (Rio Branco)

 

Atlético 1 x 1 Independência
Data: 05/09/1959
Árbitro: Eduardo Lima
Gols: Roberto (Atlético); Gilito (Independência)

 

Flamengo 6 x 2 Rio Branco
Data: 06/09/1959
Árbitro: Anibal Tinoco
Gols: Mundinho (3), Juqinha (2) e Nezio (Flamengo; Trinta e Um e Touca (Rio Branco)

 

Atlético 3 x 1 Fast Clube
Data: 06/09/1959
Árbitro: Eduardo Lima
Gols: Moisés (2) e Roberto (Atlético); Português (Fast)

 

Atlético 1 x 1 Flamengo
Data: 07/09/1959
Árbitro: Israel Cavalcante
Gols: Moisés (Atlético); Bolô (Flamengo)

 

Independência 1 x 1 Fast Clube
Data: 07/09/1959
Árbitro: Walter Felix
Gols: Airton (Independência); Hugo (Fast)

 

Atlético 2 x 0 Rio Branco
Data: 09/09/1959
Árbitro: Walter Felix
Gols: Moisés e Roberto

 

Independência 3 x 1 Flamengo
Data: 09/09/1959
Árbitro: Walter Felix
Gols: Gilito, Zé Cláudio e Airton (Independência); Waldir (Flamengo)

 

Colocação dos Clubes
J
V
E
D
GP
GC
PTS
Independência
4
2
2
0
8
4
6
Atlético
4
2
2
0
7
3
6
Flamengo
4
1
2
1
10
8
4
Fast
4
1
2
1
8
7
4
Rio Branco
4
0
0
4
4
15
0
 Apesar de Independência e Atlético terem terminado o Torneio em primeiro lugar, não foi mencionado nada sobre quem foi o campeão.
 
 
Fonte: Jornal O Acre
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha