O Esporte Clube Cubatão é uma agremiação da Cidade de Cubatão (SP). O clube foi Fundado no dia 18 de Janeiro de 1931. A sua Sede fica localizada na Rua Belarmino do Amaral, 812 – no Bairro Jardim São Francisco, em Cubatão.

 

 

O Campeonato Sergipano de 1947 foi decidido entre o campeão da Capital (Olímpico) e o campeão do Interior (Riachuelo). Após as disputas de quatro partidas para se conhecer o campeão, o título ficou com o OLÍMPICO FUTEBOL CLUBE de Aracaju. Abaixo os resultados:

 

RIACHUELO

4

OLÍMPICO

1

DATA: 15 de fevereiro de 1948 LOCAL: Aracaju / SE
JUIZ: Sr. Bandinha
GOLS: Eliezer (3) e Tião / Sinhô
     

 

OLÍMPICO

1

RIACHUELO

1

DATA: 28 de fevereiro de 1948 LOCAL: Aracaju / SE
JUIZ: Sr. Português
GOLS: Teleco / Ubaldino
     

 

OLÍMPICO

3

RIACHUELO

0

DATA: 07 de março de 1948 LOCAL: Aracaju / SE
JUIZ: Sr. Humberto
GOLS: Gomes (2) e Anastácio
     

 

OLÍMPICO

1

RIACHUELO

0

DATA: 21 de março de 1948 LOCAL: Aracaju / SE
JUIZ: Sr. Português
GOL: Dunga
 

O Sport Club Santa Luzia é uma agremiação do Município de Santa Luzia (MG). O clube foi Fundado no dia 26 de Maio de 1926. A sua Sede fica localizada na Rua José Antunes, 193 – no Bairro de São João Batista, em Santa Luzia.

A sua mascote é a Arara Vermelha. O S.C. Santa Luzia manda os seus jogos no Estádio Municipal Doutor Ary Teixeira da Costa, La Bombonera Luziense (Possui Iluminação).

O Santa Luzia é o maior vencedor do Campeonato Citadino com 9 conquistas: 1973, 1975, 1977, 1979, 1980, 1981, 1982, 1983 e 1984. O Time é o Clube Mais Antigo de Santa Luzia, Além de Ser o Maior Campeão Luziense de Todos os Tempos, a Liga de Santa Luzia Foi Fundada em 1971, e Seu Primeiro Campeonato só foi Realizado em 1972.

A Final Foi Entre os Dois Clubes mais Antigos de Santa Luzia, e Vencido Pelo Santa Cruz que Fora Fundado em 1930, Antes de 1972 os Clubes Frimisa, Santa Cruz e Santa Luzia que Têm  Campos Gramados.

 

 

O Clube Atlético Itabirano é uma agremiação da Cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia 27 de Agosto de 1931. A sua Sede fica localizado na Rua Tiradentes, 95 – no Centro de Itabira. O C.A. Itabirano participa o Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

 

 O Manganês Futebol Clube é uma agremiação da Cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia 12 de Agosto de 1946. A sua Sede fica localizada na Rua dos Ingleses, s/n – no Bairro Vila Conceição de Baixo, em Itabira. O Manganês F.C., que disputa a Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA), foi campeão Citadino em 2007. 

 

O São Cristóvão Futebol Clube é uma agremiação da Cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia Primeiro de Maio de 1972. A sua Sede e o Estádio (Humberto Perereira Duarte) ficam localizados na Rua José Basílio Caetano, s/n – no Bairro de São Cristóvão, em Itabira.

 

 

A Associação Atlética Ferroviária é uma agremiação da Cidade de Itabira (MG).  A Águia Rubra fica localizada na Rua Turmalina, s/n – no Bairro Areião, em Itabira. O Estádio da Ferroviária tem capacidade para 1.200 pessoas. A A.A. Ferroviária é outra que disputa o Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

 

O Ivipa Atlético Clube  é uma agremiação da Cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia 15 de Dezembro de 1965. A sua Sede e o Estádio (Clóvis Humberto da Silva) fica localizada na Avenida France de Paula Andrade, 37, no Bairro Vila Paciência, em Itabira. O Ivipa A.C. disputa o Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

O Gabiroba Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Itabira (MG). O clube completará, nesta quinta-feira, 29 anos de existência (Fundado no dia 5 de Julho de 1983). A sua Sede e campo ficam localizados na Rua w6, número 55 – no Bairro Gabiroba, em Itabira. O Gabiroba E.C. disputa o Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

 

O Grêmio Esporte Clube é uma agremiação de cidade de Itabira (MG). O clube Alvi-grená foi Fundado no dia 19 de Janeiro de 1954. A sua Sede fica localizada na Rua João Camilo de Oliveira Torres, 21 – no Bairro da Vila Piedade, em Itabira. O Grêmio E.C. manda os seus jogos no Campeonato Itabirano, no Estádio Prudêncio Silva com capacidade para 2 mil pessoas.

 

O Pedreira Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia 21 de Janeiro de 1979. A sua Sede fica localizada na Avenida Luiz Lott, s/n, no Bairro da Pedreira, em Itabira. Filiado à Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA), o Pedreira F.C. participa do Campeonato Citadino Itabirense.

 

 

O Boa Esperança Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia Primeiro de Agosto de 1993. A sua Sede fica localizada na Avenida Contorno, s/n, no Bairro de Boa Esperança, Itabira. O Boa Esperança E.C. é outro que disputa o Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

O River Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Itabira (MG). O clube foi Fundado no dia 15 de Novembro de 1975, e a sua Sede e campo ficam localizados na Rua Manoel Bandeira, s/n , no Bairro Machado, em Itabira. O River disputa o Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

 O Campestre Futebol Clube é uma agemiação do Município de Itabira (MG). O Clube Tricolor (verde, vermelho e branco) foi Fundado no dia 06 de Janeiro de 1961. A sua Sede e o seu Estádio Belacamp ficam localizados na Avenida Cauê, s/n – no Bairro Campestre, em Itabira. O Campestre F.C. participa do Campeonato Citadino Municipal, organizado pela Liga Itabirana de Futebol Amador (LIFA).

 

O Paulistano Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Muriaé (MG). O Rubro-negro da Barra foi Fundado em junho de 1920, e a sua Sede fica na Avenida Coronel Monteiro de Castro, S/N  – no Bairro da Barra, em Muriaé.

O clube muriaeense é um dos times mais antigos e tradicionais de Muriaé. Possui uma torcida apaixonada, que sempre lotou os estádios para acompanhar a equipe.

O resultado é uma das equipes mais vitoriosas da região. Seu último grande título foi o de 1983, conquistado em casa, no antigo campo da Barra. Mas em 1986 esta história foi interrompida.

O poder público municipal transformou o antigo Estádio Waldemar Alpoim na atual Praça Carlos Drummond de Andrade, a “Praça do Trabalhador”. No bairro José Cirilo, no Campo “Lagoa Seca”, o clube trabalha com as suas categorias de base.

 
Fonte: Orkut e Facebook do clube

 

HISTÓRIA DE UM CLUBE VENCEDOR

Atlético Futebol Clube, fundado em 30 de setembro de 1973 em Santo Antônio do Aventureiro, MG, conforme publicação no Diário Oficial, tendo como primeira diretoria os senhores: Presidente Aroldo Regázio; Vice-Presidente Darcy Carlos da Cunha; Primeiro Secretário José Ângelo Trece Madeira; Segundo Secretário Sebastião de Paula Pereira; Primeiro Tesoureiro Antônio Trece Madeira; Segundo Tesoureiro Manoel Alves do Vale, ainda participaram da reunião de fundação os senhores José Ferreira da Cunha, Crineu dos Santos Teixeira e José Gonçalves Talho.

O Atlético é filiado à LDAP (Liga de Desportos de Além Paraíba) e à FMF (Federação Mineira de Futebol).

Talvez até imitando o Clube Atlético Mineiro foram escolhidas as cores Preto e Branco para o uniforme do clube, o que se mantém até hoje.

Ao longo de toda sua existência o Atlético Futebol Clube procurou fazer grandes times, tendo em seu elenco grandes jogadores, como um grande time também uma grande torcida, que vai aos jogos e torce com paixão.

Quem não se lembra daqueles campeonatos municipais jogados no antigo Campo de Futebol, onde mesmo quando o campo estava alagado, jogavam grandes jogos.

Durante sua história, passou pelo Atlético alguns Presidentes como: Aroldo Regázio, Gilson de Sá Ferreira, Lenildo Ferreira e atualmente Amaury de Sá Ferreira.

Como toda grande equipe de futebol o Atlético participou e participa de campeonatos Municipais, Intermuicipais (Senador Cortes e Argirita) e Rio Minas (Além Paraíba, Carmo, Spucaia) e etc., ganhando alguns campeonatos municipais, alguns intermunicipais, e tendo uma boa participação no Torneio Rio Minas.

Respeitando sempre os organizadores e equipes participantes destes campeonatos, o Atlético sempre teve um grande nome em toda nossa região.

Alguns comerciantes já participaram do patrocínio do uniforme do clube, bem como: A Novidade Calçados (Além Paraíba), Padaria Pires, Clézio Agropecuária, Nelore Santa Walma, SG Transportes, Sucata Gomes, Honuli Dance Clube e Auto Posto Aventureiro (Santo Antônio do Aventureiro).

E hoje, devido às dificuldades financeiras, estamos a procura de algum patrocinador que possa nos ajudas nos uniformes do clube.

Atualmente é na Padaria Pires a nossa Sala de Troféus, vindo a Santo Antônio do Aventureiro, venha nos visitar.

 

Fontes:

http://www.paixaoporescudos.com/ 

https://aventureiro.wordpress.com/2009/11/27/atletico-um-clube-vencedor/

 

O Esporte Clube Santo Ângelo é uma agremiação da cidade de Santo Ângelo (RS). O  Clube foi Fundado no dia 02 de Fevereiro de 1976. O E.C. Santo Ângelo participou da Copa Governador do Estado em 1976 e 1977; da Copa Cícero Soares em 1977; Copa Presidente Rubens Freire Hoffmeister, em 1978;  e o Campeonato Gaúcho da Primeira Divisão de 1978. 

 

 

 

 O Esporte Clube 14 de Julho é uma agremiação do Município de Ibirubá (RS). O clube ibirubense foi Fundado no dia 14 de Julho de 1970. O Município de Ibirubá, com cerca de 19 mil habitantes, fica a 296 km de Porto Alegre.

 

A paixão do torcedor é algo que nem Sigmund Freud conseguiria explicar com exatidão. O site Arquibancada Colorada fez uma matéria sobre a “Seleção” do Internacional de Porto Alegre de todos os tempos. Nessa ânsia, montaram quatro escalações. Veja abaixo a narrativa genuinamente colorada!

 Que Tesourinha, Falcão e Fernandão foram craques ninguém discute. E quem não gostaria de tê-los visto jogar juntos. No plano físico e material impossível tal conjugação, simplesmente por que atuaram em épocas distintas, com décadas de diferença. Mas esta possibilidade passa a se concretizar quando tratada no campo da imaginação. E partindo desse princípio imaginativo volta e meia vê-se divulgado o INTER DOS SONHOS, constituído pelos melhores jogadores de várias épocas.

 

Inter dos sonhos nº 1

A primeira ideia do gênero que vi estampada no papel foi através da Revista Placar, em princípio dos anos 80, conforme desenho exposto que compõe a figura ao lado (nº1). Nele pode ser vista uma seleção de jogadores que atuaram entre as décadas 40 e 70: Manga, Paulinho, Figueroa, Nena e Oreco – Salvador, Carpeggiani e Falcão – Tesourinha, Larry e Carlitos.  Afora os jogadores da última década referida (de Manga, Figueroa, Carpeggiani e Falcão) ainda tive o privilégio de acompanhar pelo rádio quando guri: Larry e Oreco. O 1° pude ver ainda em imagens preto e branco (TV Piratini) que eram enviadas ao interior do Estado, ao passo que o 2º pelas transmissões de rádio, nas vozes de Leonel Silveira, Euclides Prado e Mendes Ribeiro e depois vim a vê-lo já como jogador do Corinthians e pela Seleção Brasileira. Craques na verdadeira acepção da palavra.

 Inter dos sonhos nº 2

O outro quadro caricaturado é o que compõe a imagem nº2, cuja cópia foi extraída da Sala Consular do Estádio Beira-Rio, basicamente constitui uma reprise do anterior, abrangendo jogadores até os anos 90, com apenas duas modificações no elenco: Gamarra no lugar de Nena e Claudiomiro no de Carlitos.

 Inter dos sonhos nº 3

Mais recentemente, por ocasião do Centenário do S.C. INTERNACIONAL compilei mais duas novas montagens, a da Revista GOOL, que constitui o desenho nº3 e traz em seu bojo a inclusão de Cláudio Duarte na lateral direita no lugar de Paulinho, ingressando Valdomiro com a saída de Salvador e no lugar de Larry aparece como centroavante o nome de Fernandão, o grande ídolo participante das grandes e recentes conquistas do Mundial FIFA, 1º Libertadores, 1ª Recopa e Copa Dubai.

 Inter dos sonhos nº 4

E, por fim, o Time dos Sonhos apresentado pela Revista do INTER, em edição especial do Centenário, conforme a demonstração de nº 4. Eis o timaço: Manga, Paulinho, Figueroa, Gamarra, Oreco e Salvador – Tesourinha, Carpeggiani, Falcão, Valdomiro e Fernandão.

 É evidente, pois, que para colocar tantos craques juntos nem sempre foi possível considerar a posição original de cada um, a exemplo de Valdomiro e Tesourinha, eis que ambos foram ponteiros-direitos de ofício. Não resta dúvida, inclusive, que a seleção apresentada foi constituída por jogadores até o Centenário do Clube e no futuro teremos prováveis alterações pelo surgimento de novos craques.

 Para o meu time dos sonos, formado por jogadores que vi jogar ou pelo menos acompanhei pelo rádio, mas que não me esqueci de suas atuações, apenas substituiria Paulinho por Cláudio Duarte; retiraria Tesourinha e Salvador, com o respectivo ingresso de Nilmar no ataque e de Batista na composição do meio de campo. E como Técnico escolheria Rubens Minelli ou Enio Andrade.

 Mais uma vez enfatizo que minha escolha é de jogadores que vi jogar ou, pelo menos, acompanhei pelo rádio, sempre respeitando a escolha original que está estampada na revista. Meu pai, se ainda estivesse vivo, certamente não aceitaria a retirada de Paulinho, Salvador e Tesourinha. Tampouco de Nena, contida no 1º anexo.

 Na tentativa de apresentar outro (s) INTER (espécie de B), dada tamanha dificuldade em selecionar tantos craques ou bons jogadores e carregadores de piano que acompanhei em décadas (especialmente na era Beira-Rio), vestindo a gloriosa camisa Colorada, optei em colocar diversas alternativas. Minha sugestão recai para os seguintes nomes (excluídos os anteriormente citados, integrantes das seleções apresentadas):

 Goleiros: Benitez e Clemer (*);

Laterais direitos: Ceará, Luis Carlos Winck e Laurício;

Zagueiros: Scala, Célio Silva, Pontes, Pinga, Aloísio, Marinho Peres, Índio, Lúcio e Mauro Galvão;

Laterais esquerdos: Vacaria, Cláudio Mineiro, Kléber, Sadi, Jorge Andrade, Jorge Wagner e Rodrigues Neto;

Volantes: Caçapava, Carbone, Edinho, Tovar, Tinga, Guiñazu, Sandro e Ademir Kaeffer;

Meias (atacantes): Dorinho, Bráulio, Mário Sérgio, Rubem Paz, Jair e D’Alessandro;

Atacantes (**): Escurinho, Rafael Sóbis, Maurício, Fabiano, Lula, Alex, Iarley, Silvinho, Edu Lima e Alexandre Pato;

Centroavantes: Flávio Minuano, Dario, Geraldão, Gerson, Nilson e Christian (***).

Vejam bem, só ali estão relacionados 52 (cinquenta e dois) jogadores (****). É provável e possível que não tenha lembrado todos os grandes nomes que assisti jogar com a gloriosa camiseta Colorada, especialmente na era Beira-Rio. Além do mais, a análise tem o enfoque particularizado que, para alguns, não tiveram tanto destaque assim ou outros nomes deveriam estar inclusos e foram omitidos no rol supracitado.

 

Fonte: Arquibancada Colorada

Foto montagem: Revista Placar / Revista GOOL

 

O América Futebol Clube é uma agremiação do município de Três Rios, no Sul Fluminense (RJ). O clube Alvirrubro Trirriense foi Fundado Na terça-feira do dia 14 de Maio de 1929. A sua Sede fica na Rua Engenheiro Walcrueze Meirelles, 532 – no Bairro do Puris, em Três Rios.

O América de Três Rios manda os seus jogos no Estádio Arthur Sebastião de Toledo Ribas, o Tiezão, que tem capacidade para 5 mil pessoas, localizado no Bairro Alto Purys. Seu uniforme é idêntico ao do América do Rio. Atualmente disputa a Terceirona do Rio.

 HISTÓRIA

Antes disso, o América F.C. iniciou no futebol profissional em 1987, quando participou do Campeonato Carioca da Série C. Ao fim da primeira fase, terminou como líder de sua chave à frente de Olímpico Futebol Clube, de Bom Jesus de Itabapoana; Paduano Esporte Clube e Cantagalo Esporte Clube.

Porém, na segunda fase acabou eliminado ao ficar em penúltimo lugar no grupo, à frente apenas do União Nacional Futebol Clube e atrás de Paduano Esporte Clube, Olímpico Futebol Clube, Rio das Ostras Futebol Clube e Associação Esportiva XV de Novembro.

Em 1988, o Alvirrubro Trirriense era novamente líder de seu grupo ao término da primeira fase, superando Frigorífico Atlético Clube, Itaguaí Atlético Clube e Tupy Sport Club. Na segunda fase foi novamente primeiro ao superar o Tamoio Futebol Clube, de Duque de Caxias e o Heliópolis Atlético Clube.

Classificados às semifinais, os comandados do técnico Ricardo Barreto derrotaram o Itaguaí em dois jogos e avançaram à final contra o União Nacional Futebol Clube, sendo derrotados.

Era o começo de uma trajetória que levaria o clube à estância máxima do futebol fluminense. O América, no segundo ano de participação em âmbito profissional, já se sagrava campeão da Terceira Divisão, em título dividido com o União Nacional.

Em 1989, a cidade se motivou em ver o clube disputar a Segunda Divisão, um passo rumo à elite. Após o fim do primeiro turno, o América se sagrou campeão ao vencer o São Cristóvão de Futebol e Regatas.

No segundo turno, o clube foi apenas o nono colocado, mas como vencedor do primeiro, se classificara para o turno final. Neste, sagrou-se o campeão ao bater São Cristóvão de Futebol e Regatas e Campo Grande Atlético Clube.

 Acontecera o inevitável, o caçula América fora o campeão da Segunda Divisão, deixando o Campo Grande na segunda colocação. Ricardo Barreto novamente conquistara o acesso para a equipe trirriense.

 ANOS DOURADOS: DÉCADA DE 90

A melhor fase do Alvirrubro Trirriense foi na década de 1990, quando se sagrou campeão do Campeonato Carioca da Série B de 1989. Depois participou da elite do futebol carioca por quatro anos seguidos: 1990 (terminou na 8ª colocação), 1991 (melhor campanha, ficando na 6ª posição), 1992 (ficou em 9º lugar) e 1993 (acabou na 12ª e última colocação).

 1990: MECÃO VENCE, EM CASA, O BOTAFOGO (CAMPEÃO CARIOCA) E O VASCO

Em 1990, o time-base foi: Milagres, Murilo, Ari, Marcelo (Ricardo Balbino) e Carlinhos; Simão, Maurício (Paulo Roberto) e Delei (Sidnei); Pião, Denílson e Gino (Leonardo). O debutante não fez feio.

Contando com a experiência do meia Delei (ex-Fluminense) e dois jovens jogadores (Leonardo e Denílson) que depois foram negociação com o Tricolor das Laranjeiras, o América arrancou um empate em 1 a 1 com o Fluminense (21 de março de 1990), nas Laranjeiras. J

ogando no Tiezão duas vitórias marcantes: venceu o Botafogo por 1 a 0 (11 de abril) com um gol de Pião aos 44 minutos do 2º tempo; e o Vasco por 2 a 1 (26 de abril).

 1991: MECÃO PAROU O CAMPEÃO FLAMENGO

Em 1991, o time-base foi: Victor II, Edvaldo, Cleomar (Marcelo), Édson Luís e César Diniz; Simão, Vitor, Leonardo (Juarez / Renato) e Mario Alexandre (Édson Paulo); Quarentinha (Pião) e Edmílson.

Jogando no Tiezão, o América arrancou empate em 2 a 2 com o Flamengo (25 de agosto), que acabou como o  campeão Estadual daquele ano. Marquinhos abriu o placar para o Mengão logo aos 9 minutos. Aos 34, Leonardo deixou tudo igual e nove minutos depois veio à virada com o atacante Edvaldo. Na etapa final, o atacante Gaúcho empatou a 15 minutos do fim.  

 1992: TRIUNFOS DIANTE DE FLU, BANGU E EMPATES COM O FLA E FOGO

Em 1992, o time-base foi: Júnior (André), Marcelinho (Sidnei), Simão (Ari), Vagner e César Diniz; Evandro, Gaúcho Lima, Adílio e Júnior (Daniel); Flávio (Fábio) e Leonardo (Serginho). C

omandado pelo meia Adílio (ex-Flamengo), o América venceu, em casa, o Fluminense por 3 a 2 (16 de novembro) e Bangu por 1 a 0 (25 de outubro); além de um empate com o Flamengo em 2 a 2 (16 de setembro). Fora, conquistou um empate em 1 a 1 com o Botafogo (22 de outubro).

 1993: O INÉDITO CLÁSSICO TRIRRIENSE NA PRIMEIRONA

Em 1992, o time-base foi: Gomes, Cestinha (Serginho), Luís Marcelo, Édson Luís e Baby (Marcelo Vidal); Simão, Mendonça, Juarez e Pião; Quarentinha e Gino.

Após três temporadas fazendo boas campanhas, dessa vez o América não repetiu a dose. O resultado foi um doloroso rebaixamento. O momento marcante foi que, pela primeira vez na sua história, o Clássico de Trirriense entre América e Entrerriense aconteceu na Primeira Divisão do Rio. No dia 14 de março de 1993, no Estádio Odair Gama, o jogo muito truncado terminou sem gols (0 a 0).

O RETORNO

 No ano de 2011, após anos fora das disputas, o América disputou a Terceira divisão do Campeonato Estadual e ficou em 4º lugar fazendo uma excelente campanha. Na semifinal perdeu para o Goytacaz Futebol Clube, no Tiezão, nos pênaltis.

Se ganhasse a partida teria voltado à Série B e disputaria a final da competição. Teria ainda mais uma chance de conseguir o acesso na disputa pela terceira vaga, mas capitulou diante da Associação Atlética Carapebus.

A equipe comandada por Ricardo Barreto ficou marcada por ser a mais disciplinada, além de ter o artilheiro da competição, o atacante Dudu. Alguns outros destaques foram Da Silva (ex-Madureira Esporte Clube) e Iuri.

 

RENATO: A REVELAÇÃO

Uma das façanhas foi revelar o jogador Renato (Laércio Leandro da Silva) que atuou pelo América Football Club, Botafogo de Futebol e Regatas, Clube de Regatas do Flamengo e depois jogou no futebol suíço.

 

Fotos: Jornal dos Sports / Paulo Roberto Rodrigues

Fonte: Jornal dos Sports

 

A Liga do Nordeste já está cuidando de todos os detalhes da edição 2013 do Campeonato do Nordeste. A competição está confirmada para ter início no dia 19 de janeiro e contará com a participação de 16 equipes da região Nordeste. A organização da competição contacom o apoio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), utilizará 12 datas do calendário nacional e irá oferecer ao campeão um prêmio de, aproximadamente, R$700 mil.

De acordo com o presidente da Liga do Nordeste, Eduardo Rocha, o Campeonato do Nordeste 2013 terá início com uma partida entre o Vitória-BA, campeão de 2010,e um time a ser definido a partir de sorteio, com a definição da tabela. Já o encerramento será realizado em Natal. “Iremos realizar uma grande festa para entrega das premiações ao time campeão, artilheiro, melhor jogador, atletarevelação, entre outros”, explicou.

O presidente da Liga ainda confirmou que haverá um evento de lançamento da competição no Centro de Convenções de Fortaleza-CE, mas ainda há confirmação da data. “Tínhamos marcado o lançamento para o dia 23 de julho, mas teremos que adiar devido a agenda dos presidentes das Federações do Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, que estarão em viagem oficial. Devemos confirmar a data nos próximos dias”, esclareceu Eduardo Rocha.

O evento contará com a presença de jogadores de renome nacional dos estados participantes da competição. Além disso, os 16 clubes fundadores da Liga do Nordeste: ABC-RN, América-RN, Ceará-CE, Fortaleza-CE, Botafogo-PB, Treze-PB, CSA-AL, CRB-AL, Sergipe-SE, Confiança-SE, Sport-PE, Náutico-PE, Santa Cruz-PE,
Bahia-BA, Vitória-BA e Fluminense de Feira de Santana-BA, irão participar do evento, assim como autoridades e convidados. Na ocasião será realizado o sorteio das chaves para a competição.

Sobre a transmissão para TV, o dirigente confirmou que as partidas serão exibidas em rede aberta e em TV por assinatura. A Globo Nordeste irá transmitir o jogo da quarta-feira, às 21h50, para toda a região. Na quinta-feira será a vez da SporTV transmitir um jogo a partir das 19h30. Já o Esporte Interativo, que transmitiu toda a competição de 2010, com exclusividade, fará a transmissão da partida da quinta-feira, às 21h30 e ainda exibirá uma partida no sábado, ao vivo, à noite, mas ainda sem horário confirmado pela emissora. Em ambos os casos, a exibição será em rede nacional.

“Estou esperançoso que nos próximos dias iremos anunciar o patrocinadormáster da competição. Além disso, estamos firmando contratos e parcerias que  vão valorizar ainda mais o campeonato”, exaltou Eduardo Rocha. O dirigente ainda confirmou que os casos disciplinares serão julgados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e os árbitros serão designados por escala formulada pela Confederação.

A competição de 2013 irá contar com a participação dos seguintes clubes: América-RN, ABC-RN, Souza-PB, Campinense-PB, Sport-PE, Santa Cruz-PE, Salgueiro-PE, ASA-AL, CRB-AL, Ceará-CE, Fortaleza-CE, Itabaiana-SE, Confiança-SE, Bahia-BA, Vitória-BA e Feirense-BA.

 

O Esporte Clube 11 Unidos é uma agremiação da cidade de Canoas (RS). O Clube Áureo-anil foi Fundado no dia 11 de Março de 1974. A sua Sede fica localizada na Rua Bartolomeu de Gusmão, 1.939, no Bairro de Fátima, em Canoas. O E.C. 11 Unidos disputa as competições, organizada pela Liga Canoense de Futebol (LCF).

 

 

O Esporte Clube 11 Canarinhos é uma agremiação da Cidade de Gramado, na Serra Gaúcha (RS). O clube foi Fundado no dia 20 de Março de 1968, tem a sua Sede localizada na Rua Vera Cruz, 615 – no Bairro de Piratini, em Gramado.

O time sedia seus jogos no campo da Vila Olímpica do Bairro Piratini, na qual administra há muitos anos, depois de acordo firmado com a administração municipal de Gramado.

Depois de se tornar uma das principais equipes do esporte municipal, o Esporte Clube 11 Canarinhos, do Bairro Piratini, se afastou das competições oficiais no ano de 2008.

 

 

Outro escudo encontrado pelo amigo André Luiz Pereira Nunes (pesquisador e historiador do futebol carioca) foi: o Sport Club Itacuruçá é uma agremiação do Município de Mangaratiba (RJ). O Clube, que foi Fundado no sábado, do dia 12 de Julho de 1913, fica localizado na Rua Igualdade, 71 – Galpão, no Bairro de Itacuruçá (onde há uma bela praia), em Mangaratiba.  

O S.C. Itacuruçá disputa os campeonatos da Liga Desportiva de Mangaratiba, onde manda os seus jogos no Estádio Municipal Hélio Rodrigues de Siqueira, com capacidade para 2 mil pessoas.

O estádio foi inteiramente reformado pela prefeitura de Mangaratiba e já abriga partidas de âmbito profissional. A reinauguração e ampliação do Estádio Municipal Hélio Rodrigues de Siqueira, aconteceu no dia 8 de março de 2009.

O município possui outra praça esportiva: o Estádio Municipal José Maria de Brito Barros. O Município de Mangaratiba (fundado em 11 de novembro de 1831), fica na Região Metropolitana. Com cerca de 36 mil habitantes, a localidade fica a 85 km da capital do Rio.

 

Foto: Prefeitura de Mangaratiba

 

O Entrerriense Futebol Clube é uma agremiação do Município de Três Rios, no Sul Fluminense (RJ). O Galo Carijó foi Fundado na segunda-feira, do dia 14 de Dezembro de 1925. A sua Sede  (foto abaixo) fica na Rua Carlos Ribas, 98 – no Centro de Três Rios.

O Entrerriense manda os seus jogos no Estádio Odair Gama, inaugurado em 14 de dezembro de 1969, com capacidade para 10.000 pessoas. O seu maior rival é o América, que divide Três Rios em Alvinegros e Alvirrubros, um grande Derby local, que por décadas agita a cidade e região.

 

HISTÓRIA

A história do Entrerriense Futebol Clube se remete a fatos históricos, que antecedem à própria história da emancipação político-administrativa do Município de Três Rios (com 78 mil habitantes; e fica a 125 km da capital do Rio), fundado em 1938. E logo de cara, percebe-se o sentimento da cidadania trirriense, registrado no nome da entidade esportivo-social, criada na época em que esta terra era então o Distrito Entre-Rios, pertencente à Paraíba do Sul.

Daí o nome Entrerriense Futebol Clube. Constatação que reflete a importância social da instituição na própria história do surgimento da cidade, com a qual antecipadamente se mescla. Ao relembrar a trajetória dos 80 anos de existência do Entrerriense FC, nos deparamos com acontecimentos e personalidades de grande importância na formação do nosso povo, da nossa história (vale repetir), e da nossa cultura.

A convivência social é uma característica humana. São os relacionamentos que formam as famílias, as comunidades e a sociedade como um todo. Sem que grupos e indivíduos percam suas características próprias, até mesmo pelo direito de individualidade das pessoas.

Por isso afirmam que quem aprende a conviver com as diferenças, além de praticar a correta postura civil da democracia, do respeito ao cidadão, ao semelhante, conquista o equilíbrio necessário para evoluir e alcançar a eternidade.

Na elite do futebol carioca, o Entrerriense Futebol Clube participou em três oportunidades: 1993 (terminou na 11ª posição); 1995 (fez a sua melhor campanha, ficando em 8º lugar); e 2002 (quando acabou na 12ª colocação).  No total, foram 61 jogos, com 11 vitórias, 15 empates e 35 derrotas; marcando 57 gols e sofrendo 124.

1993: O GALO CARIJÓ VENCE O CAMPEÃO ESTADUAL   

Em 1993, o time-base foi: Nilton, Claudinei, Cadão, Paulo Ramos e Mazinho; Murilo, Zanon, Luciano (Júnior) e Pintinho; Ânderson e Ricardo (Silas). O resultado marcante aconteceu no dia 4 de abril de 1993, quando venceu o Vasco da Gama (foi o campeão daquele ano) por 2 a 1, em pleno Estádio de São Januário. Ânderson abriu o placar aos 12 minutos do 1º tempo. Bismarck empatou aos 25 minutos do 2º tempo e Silas marcou o gol da vitória aos 41 minutos da etapa final. 

1995: EMPATE, FORA DE CASA, CONTRA O CAMPEÃO BRASILEIRO

Em 1995, o time-base foi: Jefferson, Claudinei, Simão, Brasília e Mazinho; Cadão, Flavinho, Renatinho (Carlinhos) e Joãozinho (Nil); Alexandre e Quarentinha. Nesse ano, o resultado marcante foi o empate com o Botafogo em 1 a 1 (no dia 6 de fevereiro de 1995), em pleno Estádio Caio Martins, em Niterói. Vale lembrar que meses depois o Botafogo se sagraria campeão Brasileiro em cima do Santos.

2002: EMPATES CONTRA O FOGÃO E MENGÃO

Em 2002, o time-base foi: Fábio Carvalho (João Paulo), Raimundo (Nielsen), Paulo Roberto, Júnior (Roni) e Maciel (Fabrício / Alex); Valdemir (Da Silva), Vagner Vizzotto (Fábio), Dorgival (Rafael / Rodrigo) e Wilson Surubim (André); Reginaldo (Marcelinho / Marcão) e Vagner Carioca (Zé Carlos). Técnico: Ricardo Barreto. Os melhores resultados foram os empates contra o Flamengo e Botafogo, ambos por 1 a 1, em Três Rios, nos dias 7 de março e 8 de maio, respectivamente. 

TÍTULOS

Poucos sabem, mas o Entrerriense possui uma conquista internacional. O caneco aconteceu no Torneio de Inverno Pablo Hierro (ESP) de 1959, que contou com a participação do Las Palmas/ESP (vice), FC Heirnburg/ALE (3º), Seixas EC/BRA (4º), Huracán/URU, Recreativo Nuñes/ESP, Estrela/BRA e Deportivo Luna/URU. Além do título teve também o artilheiro da competição Semir.

O time de 1959 sendo homenageado pela conquista internacional

No Campeonato Citadino de Três Rios, o Entrerriense já conquistou 23 títulos: 1942, 1943, 1944, 1945 (invicto), 1945 (invicto), 1947 (invicto), 1950, 1951, 1952, 1953, 1954, 1955, 1957, 1958, 1960, 1961, 1964, 1966, 1967, 1973 (invicto), 1987, 1992 e 1994.

No âmbito estadual, o Entrerriense faturou os Campeonatos Cariocas da Série C (2001), Campeão do Torneio Seletivo à Primeira Divisão Carioca (2002); e da Série B (2002), que manteve praticamente o mesmo time que conquistou a seletiva carioca.

Foram seis longos anos de sofrimento para a cidade de Três Rios. O departamento de futebol profissional chegou a fechar as portas com o rebaixamento do Entrerriense em 1995. Mas essa triste mudou em 2002, quando o Entrerriense derrotou o Serrano, em Petrópolis, por 2 a 1, faturando título da Seletiva para a Primeira Divisão estadual. A guerra foi árdua.  Foram quase 270 dias de disputas, fase em que o Entrerriense jogou 40 vezes e enfrentou 18 adversários diferentes.

Destaque para os jogadores Zé Carlos e Reginaldo. O Galo Carijó foi formado com: William, Givanildo, Paulo Roberto, Júnior e Maciel; Da Silva, Wagner, Amarildo (Marcelinho) e Nielsen (Raphael); Reginaldo (Lima) e Zé Carlos. Técnico: Ricardo Barreto.

Fonte: Jornal dos Sports (JS)

 Fotos: Luana Lazarini / Só Futebol / JS

 

 

 O Esporte Clube Bonfim é uma agremiação da cidade de São João Del Rei (MG). O clube foi Fundado no domingo, do dia 15 de Março de 1953. A sua Sede fica localizada na Rua Tenente Mário César Lopes, 297 - no Centro de São João Del Rei. Abaixo, a foto do time posado no início dos anos 60.

Em pé: Ocimar, Morilo, Zé Antero, Felisberto, Rato, Carmélio e Zotinho. Agachados: Rubens, Charoto, Márcio, Pavão e Véio

 

Foto: Jornal Gazeta de São João Del Rei

 

 

O Jaborandi Futebol Clube é uma agremiação do município de Jaborandi (SP). O clube jaborandiense foi Fundado num domingo, do dia 29 de Setembro de 1946, quando Jaborandi ainda era um distrito de Colina. A sua Sede fica localizada na Rua Inácio Máximo Diniz Junqueira, 481 – no Centro de Jaborandi.

O pequeno Município de Jaborandi foi fundado no dia 18 de Março de 1949. A sua população é de 6.592 habitantes (Censo IBGE/2010), fica a 417 km da capital de São Paulo.

 

 

Já que o amigo e membro André Martins postou a foto da Sede do Palestina Futebol Clube, para acrescentar segue o escudo. O clube foi Fundado em 1957, e fica localizado na Avenida da Saudade, 1.356 – no Centro da Palestina.

O pequeno município da Palestina foi fundado em 2 de janeiro de 1926. Com cerca de 11 mil habitantes (Censo IBGE/2010), o local fica a 490 km da capital paulistana.

 

 

Buscando sempre poder contar com o conhecimento dos amigos, gostaria de saber se alguém possui mais informações sobre o Paulistano Futebol Clube, da cidade de Jaú (SP). O que foi apurado até o momento é que o time foi campeão do Campeonato Amador de Jaú em 1971, organizado pela Liga Jauense de Futebol (LJF). O amigo e membro André Martins agregou a postagem com a Fundação: o Paulistano surgiu no dia em 15 de março de 1963. Mais dados sempre serão de bom grado.

 

 
Resultado da escolha do artigo da semana 022/2012,
 referente ao periodo de 25 de junho a 2 de julho de 2012.
  1. Ramos Football Club – Sérgio Mello 4
  2. E.C.São Bento de Sorocaba – A evolução do Escudo – Toninho Sereno
    3
  3. Excursão America MG em 1960 - Julio Diogo;  Excursão do América (MG) em 1986 – Julio Diogo;  ABC, 29 de junho, 97 anos de História – Ricardo Amaral;  Pressão, manobras e o objetivo alcançado. Goytacaz estreia noBrasileirão de 1977 – Ségio Mello  e   Campeonato Brasileiro1975 – Americano de Campos vence Santos na estréia e ocarnaval chega mais cedo em Campos – Sérgio Mello. 2
  4. FUCASA de Adrianópolis/PR – Rodrigo Santana ; Ibís volta pra assumir seu reinado – Ricardo Amaral ;  AEC de Adrianópolis/PR – Rodrigo Santana ;  O Grande Servílio de Jesus Filho – Toninho Sereno ; Excursão do América(mg) em 1961 – Júlio Diogo.; Excursão do América(MG) em 1956 – Júlio Diogo ; Abatiaense – Abatiá – PR – Rodrigo Santana;  São José FC – Cantagalo – Sérgio Mello ; Miguel Pereira AC – Júlio Diogo  e Jogadores cariocas – Gilvanir Alves. 1
 

Mais um achado do amigo Leonardo Silva de Souza, que encontrou na Liga Campista de Desportos (LCD):  o Flamenguinho Futebol Clube é uma agremiação do Município de São João da Barra (RJ).

A sua Sede fica localizada na Rua Roças Velhas, s/n – 6º Distrito de Barcelos (fundado em 1956) – São João da Barra. O município do Norte Fluminense está a  334 km de distancia da capital do Rio de Janeiro.

 

 

Após tantas postagens sobre clube profissionais e amadores, gostaria de relembrar a equipe que difundiu o futebol feminino no Brasil. O Esporte Clube Radar é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O clube (nas cores azul e ouro) foi Fundado há 80 anos (1932), no bairro de Copacabana, zona sul do Rio.

 APÓS REVOGADA A LEI DE PROIBIÇÃO, SURGE O RADAR

No futebol feminino, o EC Radar foi um dos pioneiros do desenvolvimento desse esporte no Brasil, após o fim da Lei que proibia a prática de futebol por mulheres em 1979.

Há 31 anos, em 1981, foi revogada a proibição do futebol feminino no Brasil. Naquele mesmo ano, o futebol feminino começou por iniciativa do empresário e presidente do clube Eurico Lira, grande incentivador desse esporte.

Eurico Lira também foi o técnico da equipe. Equivocadamente, algumas fontes informam ser o Radar fundado em 1981, ano da fundação do departamento de futebol feminino, porém o clube foi fundado em 1932.

Atualmente o clube funciona apenas como uma academia de musculação e possui equipes de luta. Além do time feminino, o clube já teve equipes de futebol de areia (masculino e feminino). Valendo ressaltar que o futebol feminino surgiu do time feminino que jogava na praia.

 

TÍTULOS E RECORDES

O clube conquistou o I Campeonato Estadual Feminino do Rio de Janeiro, organizado pela Divisão Feminina da Federação de Futebol do estado do Rio de Janeiro (Ferj), e a I Taça Brasil de Futebol Feminino da CBF, ambos em 1983.

O E.C. Radar não se cansou de colecionar títulos e marcas de se tirar o chapéu. Como a antiga Taça Brasil, onde conquistou todas as edições, sendo Hexacampeão: 1983, 1984, 1985, 1986, 1987 e 1988.

Outro Hexa foi no Campeonato Carioca: 1983, 1984, 1985, 1986, 1987 e 1988. Em 1989, conquistou o Torneio Brasileiro de Clubes.

Durante esse período (entre 1983 a 1988), o Radar realizou 71 jogos; vencendo 66, empatando três, e sofrendo apenas duas derrotas.

 

 RADAR & SELEÇÃO BRASILEIRA JÁ FOI UMA SÓ

Em 1982, O Esporte Clube Radar, equipe que ganhou projeção ao divulgar o futebol feminino no Brasil, onde conquistou o título da Women’s Cup of Spain, derrotando seleções como Portugal, França e Espanha. Já em 1989 a equipe inteira do Radar representou a Seleção Brasileira de Futebol Feminino no Campeonato Mundial.

No entanto, os campeonatos femininos, que não tinham retorno de público e imprensa, vinham perdendo cada vez mais participantes, até deixarem de ser organizados. E no início dos anos 90, o Esporte Clube Radar desmanchou a equipe, colocando um ponto final no clube mais vencedor da história do futebol feminino no Brasil.

 

 Fonte: Acervo do E.C. Radar

 

 

O Clube Recreativo Dores é uma agremiação da cidade de Santa Maria (RS). Fundado em 1980, a sua bela Sede fica localizada na Rua Bento Gonçalves, 400 – no Centro de Santa Maria.

 

Por: Carlos Zamith

No jogo principal, na decisão do Campeonato Amazonense de 1962, o clássico entre Nacional e Rio Negro transcorria dentro do previsto. O jogo tenso, nervoso, muita rivalidade e jogadas rispídas. E, aos 16 minutos do primeiro tempo, quando houve uma jogada violenta envolvendo o jogador Lacinha, do Nacional.

O árbitro Dorval Medeiros (Guarda) não pensou duas vezes e expulsou o jogador de campo. Contudo, o jogador não aceitou a decisão do árbitro. Jogo ficou paralisado. O Presidente do Nacional também não concordava com a expulsão e bradava que seu time só continuaria jogando se fosse com onze jogadores.

 Josué Pai, do Rio Negro, assistia a tudo da cabine da ACLEA. O presidente Plínio Coelho, do Nacional, estava na pista do campo questionando com o árbitro e os dirigentes do espetáculo.

Finalmente veio uma solução: Lacinha deixa o campo mas entra outro em seu lugar. Todos aceitaram a fórmula: juiz, presidente da FADA (Federação Amazonense de Desportos Atléticos), Josué Pai, cronistas mesmo sob protestos, e torcedores dos dois lados.

Entrou Luizinho (irmão de Quisso que também jogava no Nacional) no lugar de Lacinha expulso. Depois de 15 minutos de paralisação, o jogo foi reiniciado, terminando o primeiro tempo sem abertura de contagem.

 No segundo tempo, Thomaz, aos 4 minutos, abriu o placar para o Rio Negro e aos 26 minutos, Jaime Basilio deixou tudo igual. Nessa jogada, outra confusão que durou pouco.

A bola deu a impressão de não ter ultrapassado a linha de gol, mas o juiz validou a jogada. Finalmente, aos 35 minutos, o rionegrino Dermilsom, o melhor jogador em campo, marca o gol da vitória, que assegurou a conquista do título de 1962.                                                                             

                                                                                    

O Juiz Dorval Medeiros (foto) encerrou o jogo aos 41 minutos, no exato momento em que fazia gestos para expulsar o ponteiro nacionalino Caíca que se desentendeu com o zagueiro Catita, após uma entrada violenta deste.

 

 

 

Foto: Acervo de Carlos Zamith

 

A Associação Atlética Vila Boyes foi uma agremiação da Cidade de Piracicaba (SP). ‘O Azulão da Vila’ foi Fundado no dia 21 de Março de 1946, por um grupo de amigos e funcionários da empresa de tecidos de algodão Boyes e Companhia, situada à margem esquerda do Rio Piracicaba, bem no centro da Cidade. O seu campo fica na Rua Dona Eugenia – Bairro da Vila Progresso, em Piracicaba.

O seu campo era um dos mais bonitos da várzea piracicabana, pois era todo cercado de cedrinho que ao se tornarem adultos transformou o lugar em um espaço ecologicamente correto e bonito, hoje é a área verde do bairro. A A.A. Vila Boyes foi campeão da Liga Piracicabana de Futebol (LPF), em 1959.

 

O União Porto Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Piracicaba (SP). O clube foi Fundado no dia 25 de Agosto de 1927. A sua Sede fica localizada na Rua do Porto, 174 – no Bairro do Parque da Rua do Porto,  em Piracicaba. O União Porto F.C. é filiado à Liga Piracicabana de Futebol (LPF)

 

O Luzitano Futebol Clube é uma agremiação da cidade Piracicaba, no Interior Paulista. O clube foi Fundado no dia 25 de Maio de 1956, e a sua Sede fica localizada na Rua Luiz de Camões, 2.616 – no Bairro de Vila Monteiro, em Piracicaba.

 Liderados por Roque Artur, moradores do bairro Vila Monteiro, de origem portuguesa, formaram o Luzitano F.C. com as cores da bandeira de Portugal. O rubro-verde, ao completar 40 anos de vida (1996), recebeu do então jornalista Miguel Célio Hipólito, do jornal Gazeta do Bairro Alto, o título de “O Xerife do Vale Vermelho“.

Fontes: Luiz Nascimento – Memórias do Bairro Alto / Instituto e Geográfico de Piracicaba, 2009

 

 

 

A Sociedade Recreativa Social e Cultural Aventureiro é uma agremiação da cidade de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense (RJ). O Clube Alvianil foi Fundado num domingo, do dia 7 de Junho de 1931. A sua Sede fica localizada na Rua Severiano Lessa, 88 – no Bairro de Turfe Clube, em Campos. Atualmente, o clube se encontra licenciado.

 

Colaborou: Leonardo Silva de Souza

 

 

PRESSÃO NOS BASTIDORES

Após a estreia a diretoria não parou. Afinal, se disputar o Campeonato Carioca era uma realidade faltava consolidar a vaga do Goytacaz no Campeonato Brasileiro do ano seguinte (1977). O Clube Alvianil não sossegou enquanto o Goytacaz não foi relacionado pela CBD entre os participantes do Campeonato Brasileiro, o que não aconteceu em 1976, para desespero e até revolta de grande parte da cidade, com reflexos no Rio de Janeiro, onde o jornalista Miro Teixeira, na edição do O Dia de 26 de julho daquele ano escreveu:

Apesar das promessas do Almirante Heleno Nunes, Presidente da Confederação Brasileira de Desportos, o Goytacaz, um dos mais queridos clubes de Campos, estará mesmo ausente do Campeonato Nacional que este ano terá 54 concorrentes. Interrogados sobre as causas da não inclusão do valente time campista, os donos da CBD usaram como argumento o fato de não possuir ele um bom campo de futebol. A desculpa é esfarrapada, porque tais razões não valeram para, pelo menos, uma dezena de times estaduais que vão participar do maior torneio do mundo. Para não ir mais longe, vale lembrar que aqui mesmo, no Rio, o Botafogo não possui um campo e nem por isso foi afastado. E ninguém, em sã consciência, poderia admitir um campeonato de âmbito nacional sem a participação do alvinegro carioca.

É grande a revolta entre os esportistas e toda a população campista contra a discriminação da CBD, injusta e injustificável. Mesmo porque, além de ter feito uma excelente figura no atual Campeonato Fluminense, enfrentando de igual para igual os grandes clubes, o Goytacaz já tinha conseguido a promessa de seu grande rival, o Americano, para usar o seu campo sempre que necessário. Na hora de defender o prestígio do futebol campista, os dois grandes clubes se irmanaram, dando um grande exemplo de solidariedade esportiva.
A Confederação Brasileira de Desportos está na obrigação de justificar a sua atitude. Se é que ela tem justificativa
“.

 

MANOBRA SURTE EFEITO E GOYTACAZ É CONFIRMADO

No início de setembro de 1977, Rafael Martins, então presidente do Goytacaz, combinou com Eduardo Augusto Viana da Silva, que se encontrava no exercício da presidência da FFD, uma estratégia para colocar o Goytacaz no Campeonato Nacional. O encontro dos dois ocorreu num barzinho da Praia de Grussaí. Da tal estratégia fazia parte todo o tipo de pressão, inclusive emocional, sobre o Almirante Heleno Nunes que, aproximadamente num prazo de dez dias começou por promessa solene ao próprio Eduardo Viana, que se fazia acompanhar de Rafael Martins e José Carlos Maciel.

Da mesma forma que o Olaria havia cedido lugar ao Americano, dessa vez coube ao Bangu, obviamente bastante contrariado, abrir mão da sua possível vaga em favor do Goytacaz que, a bem da verdade, só participou do Nacional de 1977 porque Eduardo Augusto Viana da Silva, mais uma vez, foi convincente na tese que defendeu junto ao então presidente da CBD.

 

TABELA DO BRASILEIRÃO É DIVULGADA

No dia 27 de setembro de 1977 o Jornal dos Sports divulgava, em sua primeira página, a relação dos 62 participantes do Campeonato Brasileiro e o Goytacaz aparecia no Grupo D, juntamente com o Vasco da Gama, o Botafogo e mais Americano, Goiás, Vila Nova, Goiânia, Brasília, Atlético Paranaense e Londrina.

DIRETORIA DO GOYTACAZ HOMENAGEA PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DO RIO

Antes do jogo de estreia no Campeonato Brasileiro, o Conselho e a Diretoria do Goytacaz homenagearam o Presidente da FCF, Otávio Pinto Guimarães, com um banquete no Pálace Hotel. Dessa homenagem também participaram, entre outros, o Prefeito Raul Linhares, o ex-Prefeito Rockfeler de Lima e o Presidente da Liga Campista de Desportos, Danilo Knifis. Na ocasião, o dirigente carioca, de improviso, declarava:

Reitero o meu agradecimento ao Goytacaz por essas gentilezas todas que seguidamente me cumula. De fato, o título de padrinho do Goytacaz é sumamente honroso para mim, embora o Goytacaz mereça muito mais do que aquilo que, dentro das minhas humildes forças eu possa realizar e fazer por ele. O Goytacaz tem méritos, porque um padrinho não pode ajudar um afilhado se esse afilhado não tiver méritos e as condições necessárias para que possa ser ajudado. Portanto, eu acho que devemos capitalizar todo esse êxito, todo esse sucesso e comemorar o ingresso do Goytacaz, nesta noite memorável de 20 de outubro de 1977, no Campeonato Nacional de Clubes. Devemos creditar tudo isso à força e à pujança do Goytacaz, ao idealismo e ao dinamismo de seus homens, seus dirigentes, aos quais homenageio simbolizando no nome da pessoa do ilustre Presidente Rafael Martins. E enfim, a essa maravilhosa torcida que faz do Goytacaz um clube extremamente querido não só em Campos, mas também em todo o Rio de Janeiro e até em muitos rincões do Brasil. Portanto, é uma festa de todos nós. Eu me sinto honrado, me sinto realizado por estar aqui participando desta festa, da inauguração dos refletores do Estádio Ari de Oliveira e Souza, sobretudo do ingresso tão almejado e tão justo do Goytacaz no maior certame de futebol do mundo. Por tudo isso, muito agradecido ao Goytacaz e parabéns ao Goytacaz.

José Carlos Maciel, presidente do Conselho Deliberativo, dizia, em rápidas palavras, que “nesta data se guarda para sempre a lembrança de que se solidifica, neste momento, o esporte campista com a inclusão do Goytacaz no Campeonato Brasileiro. Destaque para uma cidade do interior, como poucas que até hoje têm mais de um clube participando deste certame de tanta envergadura. E que o nosso clube possa honrar a confiança que lhe foi depositada pelo Presidente da Confederação Brasileira de Desportos, Almirante Heleno Nunes; pelo nosso querido amigo Otávio Pinto Guimarães; pelo nosso amigo particular Eduardo Augusto Viana da Silva; pelo nosso irmão Danilo Assad Knifis; por todos aqueles que, enfim, notadamente a imprensa e o rádio campistas, muito batalharam para que o nosso clube também participasse desse campeonato. A todos aqueles que de qualquer forma colaboraram para que nós pudéssemos chegar a esta noite, os agradecimentos do Conselho e da Diretoria do Goytacaz“.

 

GOYTACAZ ESTREIA COM EMPATE

Após um esforço em conjunto, enfim, chegou o grande dia tão aguardado pela torcida do Alvianil Campista. A sua estreia nessa competição foi na noite de uma quinta-feira, do dia 20 de outubro de 1977, no Ari de Oliveira e Souza. Contudo, o resultado não foi o esperado, com o Goytacaz empatado em 1 a 1 com o Goiás.

 

GOYTACAZ             1          X         1          GOIÁS

Local: Ari de Oliveira e Souza, Aryzão, em Campos (RJ)

Público e Renda:  5.301 pagantes / Cr$ 152.720,00

Árbitro: Almir Ricci Peixoto Laguna (SP)

Cartões amarelos: Folha (Goytacaz); Alencar (Goiás)

GOYTACAZ: Augusto; Totonho, Folha (Serginho), Marcus Vinícius e Neneca; Ricardo Batata, Wílson e Coca (Jocimar); Joadir, Rogério Vescovis e Edu. Técnico: Paulo Henrique

GOIÁS: Marcos; Triel, Macalé, Alexandre e Donizetti; Alencar, Pastoril e Lucinho; Rubinho (Píter), Humberto (Maizena) e Reinaldo. Técnico: Paulo Gonçalves

Gols: Coca aos 18 minutos do 1º tempo; Pastoril, de pênalti, aos 6 minutos do 2º tempo

 

 

O GLOBO CHAMA OS JOGADORES DO GOYTA DE ‘HERÓIS DE CAMPOS’

Sob o título “Goytacaz, a vitória da teimosia“, o jornal O Globo, edição de 27 de novembro de 1977, publicava matéria assinada por Celso Cordeiro Filho, na qual se lia: “Sem dinheiro, formado por ex-juvenis que ganham, em média, Cr$ 5 mil mensais, mas que acreditam no seu futuro, o Goytacaz foi a grande surpresa – com o Confiança – da primeira fase do Campeonato Brasileiro. Perdeu um jogo só, para o Brasília, no último minuto, e seus jogadores – cinco vieram do Atlético Mineiro e dois do futebol do Espírito Santo – são os heróis da cidade de Campos“.

Fontes: Jornal dos Sports / O Globo

Fotos: Acervo do Goytacaz / Tribuna do Botão

 

Após muito esforço, chegou o dia tão aguardado pela diretoria e torcedores do Goytacaz. Fechado para obras em fevereiro do ano anterior, no dia 7 de agosto de 1977, o Estádio Ari de Oliveira e Souza, foi reinaugurado.

 Antes dessas obras, em 1976, dois jogos foram realizados: um deles, a 29 de janeiro, com o Goytacaz empatando em 1 a 1 com o Americano; outro, a 4 de fevereiro, com o Americano vencendo o Cambaíba por 1 a 0.

Também nesse longo período de ano e meio, o Goytacaz havia trocado de presidente, com Rafael Martins assumindo no lugar de Jorge Fernandes de Sousa e, claro, daquela data de fevereiro de 1976 a agosto de 1977, muita coisa bonita aconteceu e disso tomou conhecimento o público de quase 10 mil pessoas que assistiu ao jogo Goytacaz x Botafogo, na reabertura da praça de esportes Alvianil.

E o que essa gente viu não foi pouco, pois ali, como que num passe de mágica, agigantavam-se dois grandes lances de arquibancadas ao fundo dos gols, sobre os quais foram colocados dois bonitos placares. Nova saída foi dada ao túnel fronteiro às sociais e outros três foram construídos, um deles para os juízes, que ganharam um vestiário sob as populares. Nas sociais foram feitas mais quatro cabines para as emissoras de rádio e nelas ainda colocadas 697 cadeiras em fibra de vidro nas cores branco e azul.

Novas bilheterias, roletas e até o sistema de iluminação, mais a casa de força com dois novos transformadores além das luminárias conseguidas junto ao Jóquei Clube de Campos passaram a fazer parte do patrimônio do clube, como o moderno sistema de drenagem com 19 valas com 40 centímetros cúbicos cada uma no comprimento das laterais do campo e outra em toda a sua volta se escondia sob o novo gramado plantado de pé em pé sob a orientação do pessoal técnico da Fundenor.

Naquela tarde de 7 de agosto de 1977 as rádios lembraram alguns nomes aos quais o Goytacaz deveria render homenagens. Entre eles, Jorge Fernandes de Sousa, Jacinto Simões e Fernando Freitas que, arriscando até mesmo o prestígio pessoal, deram início à empreitada, mais José Gabriel, Nilson Cardoso de Souza, o veterano Vavá que temeu o coração apaixonado e ficou em Grussaí na hora da festa de reabertura do estádio e o mestre de obras Acácio que, antes, havia ajudado o Americano a ampliar o Godofredo Cruz.

Rafael Martins, nem sempre compreendido e até mesmo criticado por alguns, também teve parte importante na realização de tantas obras ali mostradas com a ajuda da enorme torcida Alvianil. Antes da partida, o então Prefeito de Campos, Raul Linhares hasteou a Bandeira Nacional ao lado de Otávio Pinto Guimarães, Presidente da Federação Carioca de Futebol, daquele ano.

 GOYTACAZ             0          X         1          BOTAFOGO

Local: Estádio Ary de oliveira e Souza, Aryzão, em Campos (RJ)

Público / Renda: 9.624 pagantes / Cr$ 285.900,00

Árbitro: Giese do Couto

GOYTACAZ: Acácio, Totonho, Paulo Marcos, Zé Rios e Tita; Wílson, Ricardo Batata e Jocimar; Vivinho (Santana), Albéris (Chico) e Piscina.

BOTAFOGO: Zé Carlos, China, Osmar, Renê e Jorge Luís; Ademir, Dé e Mário Sérgio; Gil, Nílson Dias e Tiquinho.

Gol: Nilson Dias, aos 5 minutos do 2º tempo

 

Fonte: Jornal dos Sports

Fotos: Liga Campista de Desportos / O Diário / JS 

© 2016 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha