Escudo: XV de Novembro FC de Araraquara

O XV de Novembro Futebol Clube foi fundado no dia 7 de setembro de 1968, no bairro do Carmo, em Araraquara, congregando inicialmente quinze esportistas/atletas da Rua 15 e da Av. 15. Era tudo 15. Desenvolveu seu futebol na várzea, primeiramente na cidade e depois em usinas, fazendas e localidades próximas à “Morada do Sol”.

XV de Novembro FC de Araraquara

Seguiu com suas atividades durante cinco anos, até o início de 1973. Tinha o seu uniforme nas cores azul e branco. Realizou 86 partidas, vencendo 41, perdendo 27 e empatando 18. Assinalou 211 gols, sofrendo 195. Marcos, com 20 gols, foi o artilheiro maior. Geraldo, com 59 jogos, foi quem mais atuou.
O XV de Novembro F.C., de Araraquara, acabou virando livro. Sua história foi narrada em “XV – O Alviceleste do Carmo”, trabalho assinado pelo responsável por esta postagem.

XV de Novembro FC de Araraquara

Edição: Paulo Luís Micali

 

 

A Sociedade Desportiva Borborema foi um clube brasileiro da na cidade de Campina Grande, no estado da Paraíba. A equipe foi fundada em 11 de outubro de 1975 por dissidentes do Campinense, e em menos de um ano conseguiu o vice-campeonato estadual, em 1976, sendo derrotado pelo Botafogo, na grande final, no dia 11 de julho pelo placar mínimo (1 a 0).

 Desistência Menos de dois anos após ser fundada, a Desportiva Borborema, insatisfeita com os dirigentes da Federação Paraibana de Futebol, resolveu pedir afastamento do Campeonato Paraibano de 1977. Em nota, a diretoria do Gavião queixava-se de um suposto beneficiamento da Federação Paraibana de Futebol (FPF) ao Botafogo, sendo o engavetamento e rasuras de contratos seriam algumas das acusações.

 Entretanto, Genival Leal de Meneses, presidente da FPF à época, disse que as acusações não tinham fundamento e que a Desportiva desistiu de jogar o Campeonato por falta de verba para manter o elenco. A equipe continuou atuando de forma amadora até 1998, quando o Gavião deu o último voo rasante para nunca mais voltar.

 

 

O Felipense Futebol Clube é uma agremiação do município de Atílio Vivácqua, no Espírito Santos. O clube fundado no dia 14 de Julho de 1928, fica na Rua Joaquim Morais, s/n, no Bairro de Sede.

 

Estrela da Manhã foi um time fundado em 1954, na categoria infantil, no bairro do Macuco. Na época a garotada se reunia nas imediações da Avenida Pedro Lessa esquina com o Canal 6, local onde eram montados os parques de diversão e os circos que vinham se apresentar na cidade e que hoje é ocupada pelo ABOR, entidade beneficente. Quando da fundação, alem dos meninos , Salomão, Muniz, Esquerdinha, Jairo, Eurico e Zezéca , o Seu Muniz foi o adulto que participou e sempre foi o seu líder. Mais tarde se juntou a ele o Seu Simão e o Seu Rubens que acompanharam os meninos em todos os campos da cidade.A cor do seu uniforme era o azul e branco.

O primeiro jogo do infantil Estrela da Manhã foi contra o infantil Paulistano, time do técnico Ernesto Marques, no campo do Santa Cruz e o Estrela venceu por um a zero. O campo do Santa Cruz ficava situado onde hoje está o Colégio D. Pedro II.

Com o passar do tempo, a idade adulta chegando, o Estrela da Manhã passou a jogar como time juvenil. Nessa fase um grande feito alcançou o time. No ano de 1961 foram enfrentar o Praia F. C. no campo da Avenida Ana Costa. O Praia ostentava uma série de 58 partidas sem derrota, coisa difícil de ser alcançada, e o Estrela da Manhã numa atuação espetacular de todos os seus jogadores venceu o jogo e quebrou essas invictas.

ARTIGO DE JAIR SIQUEIRA

FONTE:

http://www.varzeasantista.com/equipes/estrela-da-manha-fc/estrela-da-manha-fc/

 

 

Em matéria de goleadas, quem leva a melhor nos clássicos, no eixo Rio-São Paulo? Quem, em todos os tempos, estabeleceu o maior placar contra os seus oponentes mais tradicionais? Considerando a maior diferença de gols (por exemplo: 5 a 0 é maior que 7 a 3), eis como se apresentam os clubes grandes do Rio de Janeiro e de São Paulo, nos clássicos:

A maior de todas as goleadas:

Dia 11.07.1920 – Corinthians 11 x 0 Santos (Campeonato Paulista)

Seguindo, em ordem decrescente de diferença de gols:

Dia 18.06.1944 – São Paulo 9 x 1 Santos (Campeonato Paulista)

Dia 05.11.1933 – Palmeiras 8 x 0 Corinthians (Campeonato Paulista e Torneio Rio-São Paulo)

Dia 13.05.1906 – Fluminense 8 x 0 Botafogo (Campeonato Carioca)

Dia 11.12.1932 – Palmeiras 8 x 0 Santos (Campeonato Paulista)

Dia 29.05.1927 – Botafogo 9 x 2 Flamengo (Campeonato Carioca)

Dia 03.08.1935 – Botafogo 9 x 2 Santos (Amistoso)

Dia 10.07.1940 – Botafogo 8 x 1 São Paulo (Torneio Rio-São Paulo)

Dia 26.04.1931 – Vasco 7 x 0 Flamengo (Campeonato Carioca)

Dia 29.04.2001 – Vasco 7 x 0 Botafogo (Campeonato Carioca)

Dia 10.06.1945 – Flamengo 7 x 0 Fluminense (Torneio Municipal)

Dia 17.04.1946 – São Paulo 7 x 1 Flamengo (Amistoso)

Dia 06.05.1931 – Botafogo 7 x 1 Corinthians (Amistoso)

Dia 11.03.1961 – Santos 7 x 1 Flamengo (Torneio Rio-São Paulo)

Dia 25.02.1951 – Palmeiras 7 x 1 Flamengo (Torneio Rio-São Paulo)

Dia 25.11.2001 – Vasco 7 x 1 São Paulo (Campeonato Brasileiro)

Dia 15.09.2002 – São Paulo 6 x 0 Fluminense (Campeonato Brasileiro)

Dia 09.11.1930 – Vasco 6 x 0 Fluminense (Campeonato Carioca)

Dia 06.11.1999 – Palmeiras 6 x 0 Botafogo (Campeonato Brasileiro)

Dia 03.05.1953 – Corinthians 6 x 0 Flamengo (Torneio Rio-São Paulo)

Dia 09.06.1918 – Fluminense 6 x 1 Santos (Amistoso)

Dia 10.11.1956 – São Paulo 5 x 0 Palmeiras (Campeonato Paulista)

Dia 12.03.1967 – Palmeiras 5 x 0 Vasco (Torneio Roberto Gomes Pedrosa)

Dia 10.03.1996 – Corinthians 5 x 0 São Paulo (Campeonato Paulista)

Dia 26.06.2011 – Corinthians 5 x 0 São Paulo (Campeonato Brasileiro)

Dia 15.04.1959 – Fluminense 5 x 1 Corinthians (Torneio Rio-São Paulo)

 

E em três clássicos acontece empate nos escores mais dilatados:

30.01.2000 – Palmeiras 6 x 2 Fluminense (Torneio Rio-São Paulo)

07.11.2001 – Fluminense 6 x 2 Palmeiras (Campeonato Brasileiro)

14.04.1928 – Vasco 5 x 0 Corinthians (Amistoso)

16.12.1934 – Vasco 5 x 0 Corinthians (Amistoso)

31.05.1995 – Corinthians 5 x 0 Vasco (Copa do Brasil)

02.03.1961 – Santos 5 x 1 Vasco (Torneio Rio-São Paulo)

01.12.1965 – Santos 5 x 1 Vasco (Taça Brasil)

17.10.1970 – Vasco 5 x 1 Santos (Torneio Roberto Gomes Pedrosa)

 

Vantagens em maiores goleadas nos clássicos do eixo Rio-São Paulo

1º) Palmeiras, 5

O alviverde leva a melhor sobre Corinthians, Santos, Flamengo, Botafogo e Vasco.

2º) Vasco, Botafogo e São Paulo, 4

O Vasco estabelece a maior diferença de gols contra Flamengo, Fluminense, Botafogo e São Paulo.

O Botafogo, contra Flamengo, Santos, São Paulo e Corinthians.

O São Paulo, contra Palmeiras, Santos, Flamengo e Fluminense

5º) Fluminense e Corinthians, 3

O Fluminense supera Botafogo, Santos e Corinthians.

O Corinthians leva a melhor sobre Santos, Flamengo e São Paulo.

7º) Santos e Flamengo, 1

O Santos teve a maior goleada no confronto com o Flamengo.

O Flamengo, no duelo com o Fluminense.

Fontes:

Arquivo pessoal
Texto: Vicente Henrique Baroffaldi
Edição: Paulo Luís Micali

 

 

Segundo relato do jogador Miro – Argemiro Antunes -, o Estrela do Marapé A.C de Santos, foi fundado em 1959, no final da rua Dom Duarte Leopoldo e Silva, e o principal responsável foi o Danilo (foto), que hoje é feirante. Depois o time se deslocou para a rua Dom Duarte Leopoldo e Silva com rua Alfredo Albertini. Muita gente doVila Atlântica FC, que não tinha vez no primeiro quadro, ia jogar no Estrela do Marapé.

FONTE:

http://www.giginarede.com.br/varzea/estrela-do-marape.asp

 

A presença de clubes do interior do estado, no Campeonato Paulista, se solidificou na década de 1950. A partir de então, o futebol interiorano foi ganhando corpo e as agremiações começaram a pregar peças nos grandes.

Este levantamento mostra, em décadas, os destaques do futebol do interior paulista, ao longo de 60 anos.

Interessante notar que os clubes de Campinas – Guarani e Ponte Preta – pontificam, destacando-se entre os demais e estabelecendo um número elevado de vezes em que se tornaram os melhores do interior no Paulistão.

Contudo, ironicamente, bugrinos e pontepretanos jamais levantaram um título paulista, proeza conseguida por quatro clubes interioranos: Internacional (de Limeira), Bragantino (de Bragança Paulista), Ituano (de Itu) e São Caetano (de São Caetano do Sul), em 1986, 1990, 2002 e 2004, respectivamente.

Década de 1950

O melhor time do interior de São Paulo, na década de 1950, foi o Guarani de Campinas, que se destacou nos anos de 1951, 53 e 55. O alvi-verde do Brinco de Ouro foi seguido de perto pelos dois XV de Novembro, o de Piracicaba e o de Jaú. O primeiro, sendo o “primeirão” do interior em 1952 e 1958; o segundo, liderando os interioranos em 1954 (ao lado da Ponte) e em 1956.

Guarani - 1955

Eis os melhores da década de 1950:
1951 – Guarani; 1952 – XV de Piracicaba; 1953 – Guarani; 1954 – XV de Jaú e Ponte Preta; 1955 – Guarani; 1956 – XV de Jaú; 1957 – Botafogo; 1958 – XV de Piracicaba; 1959 – Ferroviária; 1960 – Noroeste

Década de 1960

Em metade dos anos 60 a Ferroviária de Araraquara foi a melhor do interior: 1961, 62 (juntamente com o Botafogo de Ribeirão Preto), 67, 68 e 69. O São Bento de Sorocaba vem em seguida, mas bem aquém, com duas lideranças: 1963 e 65. A Ferroviária, porém, transcendeu, alçou-se à condição de melhor equipe do “interland” com sobras.

Ferroviária 1968

Os melhores dessa década:
1961 – Ferroviária; 1962 – Botafogo e Ferroviária; 1963 – São Bento de Sorocaba; 1964 – América e Guarani; 1965 – São Bento de Sorocaba; 1966 – Comercial de Ribeirão Preto; 1967 – Ferroviária; 1968 – Ferroviária; 1969 – Ferroviária; 1970 – Ponte Preta

Década de 1970

Ponte Preta e Guarani foram os melhores do interior nos anos 70, quase que de modo absoluto. Quatro vezes a Ponte e quatro vezes o Guarani  alcançaram o primeiro lugar do interior, em performances realmente notáveis.

Os melhores:
1971 – Ponte Preta; 1972 – Guarani; 1973 – Guarani; 1974 – Guarani; 1975 – América de São José do Rio Preto; 1976 – XV de Piracicaba; 1977 – Ponte Preta; 1978 – Guarani; 1979 – Ponte Preta; 1980 – Ponte Preta

Década de 1980

A ‘macaca” sobrou, exorbitou, esnobou no início dos anos 80. Quatro vezes melhor do interior, consecutivamente: de 1981 a 84. Internacional de Limeira e Guarani conseguiram o feito duas vezes cada.

Internacional campeã de 1986 / Bragantino campeão de 1990

Listagem dos melhores:
1981 – Ponte Preta; 1982 – Ponte Preta; 1983 – Ponte Preta; 1984 – Ponte Preta; 1985 – Guarani; 1986 – Internacional de Limeira (campeã paulista); 1987 – Internacional de Limeira; 1988 – Guarani; 1989 – São José (São José dos Campos); 1990 – Bragantino (Bragança Paulista), que se sagrou campeão paulista

Década de 1990

Disparadamente, o Guarani foi o “senhor” do futebol do interior bandeirante nos anos 90. Cinco vezes líder, o bugre extrapolou.

1994 – América (de São José do Rio Preto)

Os melhores:
1991 – Guarani; 1992 – Guarani; 1993 – Guarani; 1994 – América (de são José do Rio Preto); 1995 – Guarani; 1996 – Mogi Mirim; 1997 – União São João de Araras; 1998 – Guarani; 1999 – União Barbarense (de Santa Bárbara do Oeste); 2000 – Ponte Preta

Década de 2000

A primeira década do século 21 começou e terminou com o Botafogo de Ribeirão Preto liderando os interioranos: em 2001 e em 2010. Mas houve um equilíbrio extraordinário. Em dez anos, nove clubes na liderança do interior:

2004 – São Caetano (campeão paulista) / 2002 – Ituano (campeão paulista)

2001 – Botafogo; 2002 – Ituano (que se sagrou campeão paulista); 2003 – Portuguesa santista; 2004 – São Caetano (campeão paulista); 2005 – Santo André; 2006 – Noroeste; 2007 – Guaratinguetá; 2008 – Barueri; 2009 – Ponte Preta; 2010 – Botafogo

Resumindo, o melhor de cada década no Paulistão, entre os clubes do interior:

Década de 1950 – Guarani (Campinas)

Década de 1960 – Ferroviária (Araraquara)

Década de 1970 – Ponte Preta e Guarani (Campinas)

Década de 1980 – Ponte Preta (Campinas)

Década de 1990 – Guarani (Campinas)

Década de 2000 – Botafogo (Ribeirão Preto)

Clubes mais vezes “melhor do interior”, de 1951 a 2010:

1º) Guarani, 15

2º) Ponte Preta, 12

3º) Ferroviária, 6

4º) Botafogo, 4

5º) América e XV de Piracicaba, 3

 

Fontes:
RSSSF
O Caminho da Bola, de Rubens Ribeiro
Arquivo pessoal
Texto: Vicente Henrique Baroffaldi
Edição: Paulo Luís Micali
Fotos: Internet  (divulgação)

 

   

Esporte Clube Iguaçu, que no dia 17 de novembro deste ano completará 100 anos,, é uma agremiação da cidade de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense (RJ).  Atualmente, o time é verde e branco, mas mesmo assim ainda carrega a alcunha de ‘Alvinegro Iguaçuno’, quando ainda possuia as cores preta e branca.  Então para completar a matéria anterior posto o primeiro escudo do querido time de Nova Iguaçu.

 

Conforme pedido do nosso amigo Cicero Urbanski, segue escudo redesenhado…

 

FONTE:

http://cacellain.com.br/blog/?p=28715

 

O Anchieta Futebol Clube é uma agremiação do município de  Anchieta (ES). A equipe alvirrubra manda osseus jogos no Estádio Municipal Joaquim Viana Ramalheti, com capacidade para 5 mil pessoas. 

 

Foto: Site do clube

 

Catalogando o escudo do Esporte Clube Metalúrgico, participante do campeonato fluminense em 1942, 1944 e 1945, pesquisado pelo historiador Auriel de Almeida.

Fonte: Auriel de Almeida 

 

Catalogando o escudo do Esporte Clube Iguaçu, participante do campeonato Fluminense em 1944.

Fonte: Sergio Mello

 

Catalogando o escudo  do Tiradentes Atlético Clube, participante do campeonato fluminense de 1974, pesquisado pelo historiador Auriel de Almeida.

 

Fonte: Auriel de Almeida 

 

 

O Alvorada Futebol Clube é uma agremiação da capital mineira. O Clube, que foi  fundado no dia 3 de Agosto de 1937, fica localizado na Rua Vicente S. de Andrade, 146 – Bairro de Nova Gameleira, em Belo Horizonte (MG). O time manda os seus jogos no Estádio Alvorada Futebol Clube (foto abaixo).

Foto: Divulgação

 

Sport 14 X 0 Santo Amaro
Ilha do Retiro – 07/04/1976
Campeonato Pernambucano

Sport: Tião, Aranha, Silveira, Djalma, Cláudio, Luciano (Assis Paraense), Peres,Hamilton Rocha, Miltão, Dario e Lima. Técnico: Mário Travaglini.

Santo Amaro: Odair, Hílton, Edílson, Ramos (Lula Barbosa), Bicuda, Sagüim, Sabará, Lula Queirós, Ferreira, Oliveira e Eraldo (Banana).
Árbitro: Roberto Caúla, auxiliado por Aléssio Siqueira e Abelardo Lucena.

Gols: Miltão aos 12 e Dario aos 25 e 27´1ºtempo; Dario aos 4, Peres aos 9, Dario aos 11, 13, 15, 18 (pênalti), 24 e 31, Miltão aos 33, Lino aos 35 e Dario, 44 2º tempo.

Nesse jogo Dario o Dadá Maravilha marcou 10 gols e estabeleceu o recorde de gols marcados numa mesma partida, nem mesmo Pelé conseguiu tal feito.

Fonte: Acervo Dino Stefano

Protegido: CRUZEIRO DE LAVRAS (CE)

 03. Artigos Andre Martins  Digite sua senha para ver os comentários.
abr 072012
 

Este post está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


 

NOME: ATLÉTICO ESPORTE CLUBE

FUNDAÇÃO: 14/05/1944

CIDADE: PIAÚ

FONTE:

http://joseluciomarques.blogspot.com.br/2011/04/blog-post_20.html

 

 

 

Escudo dos anos 10-30

O América Football Club no começo do século XX se constituiu como um clube com o desejo de se tornar grande. Aliás, um belo exemplo para atual diretoria americana. Os seus estádios mostram como o clube sempre mirou à evolução num todo. 

O primeiro ‘estádio’ foi num terreno baldio, pertencente à Estrada de Ferro Rio D’Ouro, na Rua Pedro Alves. Dois anos depois, o clube se mudou para a Rua São Francisco Xavier, 78. Apesar de ser melhor do que o anterior, o lugar tinha um problema: o campo não tinha as medidas oficiais para que o time pudesse jogar lá. Durante sete anos, o América mandou os seus jogos, na Rua Ferrer (campo do Bangu) até 1908 e na Rua Guanabara (atual Estádio das Laranjeiras, pertencente ao Fluminense F.C.) até 1910. 

Esse foi a base do time nos anos 1910-12

A sua ‘primeira casa própria’, Campos Sales (foto abaixo) veio em 1911, quando os dirigentes rubros convenceriam os do Haddock Lobo a fazer uma fusão, mantendo as cores vermelha e branca, sem acrescentar o alvi-marrom, e também o nome de América F.C. A fusão entre os dois clubes, na prática, acabou sendo apenas uma aquisição dos terrenos e integração dos atletas do Haddock Lobo (entre eles o goleiro Marcos Carneiro de Mendonça), já que a identidade do América permaneceu inalterada.

Estádio Campos Sales, num ângulo privilegiado

O time também se reforçou com os jogadores do Riachuelo Football Club, em 1911, que fechou as suas portas. Além dos atletas, ex-sócios dessa agremiação se integraram ao clube rubro. Assim, o América fortalecia suas bases para em breve figurar entre os maiores clubes do Rio de Janeiro.

Estádio Campos Sales sendo demolido para a construção da sede social

Parecia que o Estádio da Campos Sales era abençoado, pois até o América mudar-se para o Estádio Wolney Braune (foto abaixo), no Andaraí, em 1962, o clube tinha conquistado sete títulos. Com o dinheiro da venda do cabeça-de-área Amaro para a Juventus de Turim, o América comprou o campo do Andarahy FC por  CR$ 60 milhões e Campos Sales foi demolido para se transformar na sede social.

Estádio Wolney Brauner, em 1982

A sua atual morada, o Estádio Giulitte Coutinho aconteceu há 12 anos. Depois de três décadas, o Estádio Wolney Braune foi vendido em 1993 para uma empresa que, no local, construiu o Shopping Iguatemi .

Estádio Giulitte Coutinho no processo final das obras, em 2000

Além da compensação financeira, o América ganhou o Estádio Giulitte Coutinho, no Distrito de Edson Passos, no município de Mesquita, Baixada Fluminense do Rio. O estádio foi inaugurado, no dia 23 de janeiro de 2000, com vitória do America por 3 a 1 sobre a Seleção Carioca. O atacante Sorato, do America, fez o primeiro gol no novo estádio.

 

Fotos: Arquivo JS

 

 

O União Bandeirante Futebol Clube é uma agremiação do município de Messejana, no Ceará. O time Alviverde disputa as competições amadoras da Liga Esportiva Messejanense (LEM). Mais informações é só passar!

 

Escudo Novo

Para comemorar a nova era do Ji-Paraná Futebol Clube, a diretoria do ‘Galo da BR’ lança o novo símbolo do time mais tradicional de Rondônia. Fundado em 22 de abril de 1991, o Ji-Paraná é o maior campeão profissional do estado de Rondônia, sendo consagrado como octacampeão estadual. Entretanto, por trás de tantas glórias sempre estiveram péssimos exemplos. Falta de pagamentos de jogadores, calotes em hotéis em cidades que o clube passava, falta de prestação de contas, inadimplência no comércio, entre outros fatos negativos…

Escudo anterior

Tudo isso contribuiu para que o prestígio do clube ficasse muito baixo, não apenas com os empresários e patrocinadores, mas também com a sua torcida, que se viu cada vez em menor número ano a ano, fato que se agravou após o rebaixamento da equipe no Campeonato Rondoniense, em 2007.

Entretanto, quando todos achavam que o clube estava fadado a extinção, surge um grupo de empresários e outras pessoas que queriam fazer o impossível acontecerem. E dessa forma, com a união de todos, o Ji-Paraná conseguiu sair de um buraco que se dizia ser sem fundo. Alexandre Dartiballi, um jovem e bem sucedido empresário ji-paranaense, presidente da Associação Comercial e Industrial de Ji-Paraná (ACIJIP); Selmo Castro, o famoso Pará, um dos maiores ídolos do clube, ex-goleiro e agora presidente do Ji-Paraná Futebol Clube; e Luciano de Almeida, um grande treinador e um revolucionário dentro do futebol rondoniense, revelou jogadores consagrados nacionalmente e internacionalmente e treinador das categorias de base do Ji-Paraná, foram os grandes responsáveis pela mudança da equipe fora das quatro linhas.

 Os resultados logo foram vistos: bicampeão rondoniense sub-18 (2010 e 2011), Campeão Rondoniense da Segunda Divisão 2011 (100% de vitórias) e com duas participações na Copa São Paulo de Futebol Júnior. Hoje o Ji-Paraná se firma como o maior clube de futebol do estado de Rondônia, oferecendo boa estrutura, realizando boas contratações e zelando pelo bem estar de seus jogadores.

E para coroar tudo isso, a nova diretoria lança um novo símbolo para o clube, sob a perspectiva da nova era pelo que o Ji-Paraná passa. O novo símbolo busca representar a cidade de Ji-Paraná, remetendo ao cidadão ji-paranaense, a tradição do clube e a símbolos marcantes da cidade, como a ponte sobre o Rio Machado.

Nas redes sociais, o novo símbolo foi recebido com surpresa e admiração, sendo aprovado pela maioria dos internautas. Essa é a primeira mudança do símbolo da equipe em seus 21 anos de história. Nada mais justo, afinal, o time mais glorioso de Rondônia voltou com tudo!

 Abaixo do escudo há uma descrição, explicando o porquê de cada item inserido: O Escudo do Ji-Paraná Futebol Clube, criado como uma síntese de âncora, relembrando pescadores da nossa ideográfica e dando sua forma de plano, em segundo plano as listras já lembradas nos uniformes da equipe, a síntese da ponte do Rio Machado dando suporte ao escudo, logo abaixo a cor azul celeste representando o rio.

  Fonte: Blog do Ji-Paraná

Protegido: JARDIM DE PARACURU (CE)

 03. Artigos Andre Martins  Digite sua senha para ver os comentários.
abr 072012
 

Este post está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


 

 

 O Nantes Futebol Clube é uma agremiação do bairro Veneza, no município de Ribeirão das Neves (MG). O clube foi fundado no dia 22 de março de 2002.

abr 062012
 

Este post está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


 

Funcionários da agência do Banco do Brasil, na cidade de Santos, fundaram a 7 de outubro de 1933, a ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL, uma das mais destacadas agremiações esportistas do nosso amadorismo, bastando citar o seu patrimônio compreendido pelo imóvel adquirido à Avenida Ana Costa, 442, onde foi construída a sua sede própria no valor de 4 milhões de cruzeiros.

O clube estava filiado à Liga de Futebol Amador de Santos, à Liga Santista de Bola ao Cesto e à Liga Santista de Voleibol. Disputou o certame oficial de voleibol da cidade de Santos, tendo por cartel o título de Vice-Campeão do Torneio de Praia, de 1954, da Liga Santista de Voleibol.

Ostenta, ainda, a , o título de Campeão Invicto do 1º Torneio de Tamboréu, promovido pela “Gazeta Esportiva”, tendo formado com a dupla Otávio Lopes Neves e Pavel Martins. No futebol, foi Campeão Bancário, em 1950, formando com a seguinte equipe: Moran, Teixeira, Simões, Bellet, , Berjon, Januário, Ministro, Dionísio, Gil, Sérgio, Abílio, Lousada, Antero, João e Macedo.

Em sua turma de xadrez, a  contou com a participação do Dr. Jair de Oliveira Freitas, ex-campeão paulista e brasileiro desta modalidade.

Num dos maiores acontecimentos de sua vida esportiva, a AABB-Santos venceu o Banco Brasileiro de Descontos por 2 a 1 (tentos de Berjon e Popo), no campo da A.A. Americanae sagrou-se campeã bancária de futebol, em torneio com 13 participantes patrocinado pela Liga Santista de Futebol Amador.

Diretoria: Presidente – Lício Guimarães Kolhy; Vice-Presidente – Hélio Silveira Cisne; 1º Secretário – Paulo Alambert; 2º Secretário – Ismário Mesquita Martins da Silva; 1º Tesoureiro – Umberto Garófalo; 2º Tesoureiro – Heitor Pedrosa Borges; Diretor do Patrimônio – Dionísio V. Eiroz; Diretor Social – José Ferreira; Bibliotecário – Floriano Oliva; Diretor da Revista A.A.B.B – Milton Teixeira; Secretário – Daniel de Castro; Diretor Geral de Esportes – Décio Alberto Simão.

ESCUDO ATUAL

FONTE:

http://www.giginarede.com.br/varzea/bbrasil.asp

 

Olá amigos,

Mais uma vez recorro aos amigos para solucionar alguns mistérios:

Que times são esses e de onde são?

Fonte:

http://joseluciomarques.blogspot.com.br/2009/12/intencao-de-colocar-este-blog-no-ar-vem.html

 

O Esporte Clube Vila Nova é uma agremiação do futebol amador paraense. O clube fica localizado na Rua Santos Dumont, 359 – Bairro: Cidade Nova – Município de Óbidos. A equipe disputa as competições da Liga Desportiva Obidense (LDO).

 

Associação Beneficente Recreativa Esportiva Santa Cruz

Disputa o campeonato municipal.

 

Pelas minhas andanças pela internet encontrei a equipe abaixo:

VILA URCA FUTEBOL CLUBE

FUNDAÇÃO: DESCONHECIDA

CIDADE: RIO NOVO

FONTE:

http://joseluciomarques.blogspot.com.br/2011/04/blog-post_20.html

 

*** SEREI GRATO SE ALGUÉM DESENHAR O ESCUDO***

 

O quase Centenário Esporte Clube Iguaçu é uma agremiação da cidade de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense (RJ). Um dos clubes mais antigos do estado, fundada a 17 de novembro de 1912, o Iguaçu disputou por longos anos o Campeonato da Liga de Nova Iguaçu, além do antigo Campeonato Fluminense, como por exemplo, em 1944.

Tendo sido por diversas vezes campeão iguaçuano, resolveu, em 2006, se filiar à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) para a disputa do Campeonato Carioca da Série C. Contudo, a equipe iguaçuana acabou eliminada na primeira fase ao ficar em quarto lugar no seu grupo. Depois dessa experiência, se licenciou das competições de âmbito profissional.

O clube no futsal tem se revelado uma grande força no estado. Foi campeão estadual juvenil masculino, categoria Sub-20, em 2008. Possui sede social e uma pequena praça de esportes que, no entanto, não se presta a jogos de âmbito profissional.

Ginásio de Esportes Nelson Soares

Abaixo fotos do Esporte Clube Iguaçu, num dos seus melhores momentos, nas décadas de 30 a 50, onde era uma referencia no esporte não só do Baixada, mas em todo o cenário esportivo estadual.

  

 

 

 

 

 

Fotos: Jornal Correio da Lavoura

 

 

 

APENAS PARA COMPLEMENTAR A POSTAGEM DO VICENTE H. BAROFFALDI, PUBLICO, A RESPEITO, UMA  MATÉRIA QUE GUARDO NO MEU ACERVO.

MATÉRIA PUBLICADA NO JORNAL POPULAR DA TARDE, DE SÃO PAULO-CAPITAL, NO MÊS DE OUTUBRO DE 1971, QUANDO DA MORTE DE UM DOS MAIORES GOLEIROS DA HISTÓRIA DA ASSOCIAÇÃO FERROVIÁRIA DE ESPORTES, DA CIDADE DE ARARAQUARA-SP.

 

No dia 9 de agosto de 1950, tinha fundação o SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE, da cidade de São Vicente, colaborando para o evento os esportistas locais: Orlando Spolaore, Doraciano M. Bensdorp, Antonio Gomes, Jaime Silva Borba, Galileu Pandozzi. Acácio Gomes e outros, seus naturais fundadores.

O clube era filiado à Liga Vicentina de Futebol Amador e à Federação Paulista de Futebol, disputando pela primeira vez o Campeonato da 2ª. Divisão de Amadores. Por este certame, classificou-se Vice-Campeão de Futebol, em 1952. Em atletismo, foi tri-campeão ao disputar as corridas de fundo dos anos de 1952, 1953 e 1954.

Diretoria: Presidente, Antonio Martins; Vice-Presidente, Euclides Viana; 1º. Secretário, Doraciano Bensdorp; 2º. Secretário, Rubens Guilherme Borba; Tesoureiro-Geral, Orlando Spalaone; Diretor-Geral de Esportes, Antonio Gomes; 1º. Diretor Esportivo, Aldemar da Silva; 2º. Diretor Esportivo, Milton Silva; Diretor Social, F. Barros.

Conselho: Presidente, Antonio Vitorino; Vice-Presidente, Mario Zucchi.

FONTE:

http://www.giginarede.com.br/varzea/saopaulo_sv.asp

 

São Paulo F.C. foi fundado em 15 de novembro de 1946 por amigos que moravam nas imediações das ruas Alfaia Rodrigues e Felipe Camarão. Entre seus fundadores estavam Durvalino de AbreuZeca de Abreu e Rubens (Guará). Jogava domingo de manhã descalço e tinha uniforme semelhante ao tricolor da capital.

Durante sua atividade até 1968, teve seu campo em dois locais diferentes. O primeiro ficava em terreno paralelo ao fundo das casas da Avenida Pedro Lessa, entre as ruas Guaibê e Lacerda Franco. Em meados dos anos 50, houve um grande deslizamento em um dos morros da cidade de Santos e a prefeitura construiu casas para os desabrigados do desmoronamento, onde se situava o campo. Por algum tempo o São Paulo passou a jogar no campo do Vila Liberdade, no canal 6.

Com a ajuda do prefeito Silvio Fernandes Lopes, que tinha como secretário de obras o engenheiro Mário Covas, que emprestou máquinário para limpar a área e caminhões com terra, foi preparado o segundo campo ao lado do 1º de Maio A.C., na rua Jurubatuba, que foi utilizado até 1968, ano que encerrou suas atividades, devido à construção do BNH no local. Atualmente, no dia 15 de novembro, data em que o São Paulo F.C. realizava o seu festival esportivo, os antigos jogadores e simpatizantes, se reencontram em uma festa no Brasil F.C., para lembrarem antigas histórias futebolísticas do tricolor do Macuco.

Artigo de Jair Siqueira

Fonte:

http://www.varzeasantista.com/equipes/sao-paulo/sao-paulo-fc/

 

G. R. BRASIL foi fundado no ano de 1963, no auge do futebol varzeano de Santos, época em que se iniciaram os famosos torneios promovidos pelo jornal O DIARIO. Sua origem foi dos componentes da Escola de Samba Brasil, tendo a frente o sempre presidente da escola, Vadico e seus diretores.

 

Usava em seus uniformes as cores branca e azul. Teve em suas equipes, grandes nomes do futebol varzeano, como Mandrake, Baianinho da frigideira, Landinho, Didi, Feijó, Mazinho, Quico, e o Didi , meia que se profissionalizou no Santos e teve muito sucesso no Fluminense do Rio de Janeiro e que hoje vive no México. Em 1967 foi campeão do Torneio Varzeano José Vaz.

Arte do escudo Ségio Mello

Artigo de Jair Siqueira

Fontes:

http://www.varzeasantista.com/equipes/gr-brasil/

http://www.giginarede.com.br/varzea/gremiobrasil.asp

Protegido: CHELSEA DE MURICI (AL)

 03. Artigos Andre Martins  Digite sua senha para ver os comentários.
abr 062012
 

Este post está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


Protegido: CRUZEIRO VERDE DE TAQUARANA (AL)

 03. Artigos Andre Martins  Digite sua senha para ver os comentários.
abr 062012
 

Este post está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:


 

Catalogando o escudo inédito do Barreto Football Club, duas vezes campeão fluminense, publicado pelo pesquisador e historiador Auriel de Almeida.

 

 Fonte: Auriel de Almeida 

 

 

Em 1929 o futebol paulista estava dividido entre duas associações, a ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESPORTES ATLÉTICOS e a LIGA DE AMADORES DE FUTEBOL. Abaixo a lista dos participantes das diversas competições organizada pela APEA neste ano:

 

DIVISÃO PRINCIPAL

 

EQUIPE

CIDADE

001

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTOS SÃO PAULO

002

CLUBE ATLÉTICO SILEX SÃO PAULO

003

CLUBE ATLÉTICO YPIRANGA SÃO PAULO

004

GUARANI FUTEBOL CLUBE CAMPINAS

005

PALESTRA ITÁLIA SÃO PAULO

006

SANTOS FUTEBOL CLUBE SANTOS

007

SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA SÃO PAULO

008

SPORT CLUB SÍRIO SÃO PAULO

 

1ª DIVISÃO

 

EQUIPE

CIDADE

001

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BARRA FUNDA SÃO PAULO

002

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ESTRELA DE OURO SÃO PAULO

003

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA REPÚBLICA SÃO PAULO

004

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SÃO PAULO ALPARGATAS SÃO PAULO

005

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA SCARPA SÃO PAULO

006

COTONIFÍCIO RODOLFO CRESPI FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

007

ROMA FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

008

UNIÃO LAPA FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

009

VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

 

2ª DIVISÃO

 

EQUIPE

CIDADE

001

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA CAMBUCY SÃO PAULO

002

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ORDEM E PROGRESSO SÃO PAULO

003

CLUBE ATLÉTICO PONTE GRANDE SÃO PAULO

004

ESTRELA DA SAÚDE FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

005

FLOR DE BELÉM FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

006

LUSÍADAS FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

007

ORIENTE FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

008

SÃO CAETANO ESPORTE CLUBE SÃO CAETANO DO SUL

009

UNIÃO BELÉM FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

010

UNIÃO DOS OPERÁRIOS FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

 

DIVISÃO MUNICIPAL

 

EQUIPE

CIDADE

001

CLUBE ATLÉTICO FRANCO BRASILEIRO SÃO PAULO

002

CLUBE ATLÉTICO PARQUE DA MOÓCA SÃO PAULO

003

ESPORTE CLUBE REPÚBLICA PAULISTA SÃO PAULO

004

ESTRELA DO PARI FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

005

JARDIM AMÉRICA FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

006

LAPA FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

007

LUSITANO FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

008

LUSO BRASILEIRO FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

009

REPÚBLICA HÚNGARA FUTEBOL CLUBE SÃO PAULO

010

SPORT CLUB HÚNGARO PAULISTANO SÃO PAULO

011

SPORT CLUB SAMPSON SÃO PAULO

 

Fonte: Jornal A Tribuna de Santos / SP e Folha da Noite / SP

 

 

 

Mineiros Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Mineiros (GO). A Águia do Vale (sua alcunha) foi fundado no dia 20 de janeiro de 1977. O Mineiros manda seus jogos no Estádio Odilon Flores (capacidade para 7 mil torcedores). A Águia do Vale já conquistou dois títulos: os campeonatos goianos da Série C (2003) e da Série B (2004). Atualmente, a equipe está na Série B de Goiás.

 

Por: Carlos Lima

O comandante mandou buscar a ficha do soldado Hemetério: Duas detenções, uma prisão em cela comum e uma prisão em cela separada. Uma ficha pesada. Na verdade o comandante já sabia que o soldado Hemetério fora o pior elemento que passara pelo Quartel da Artilharia, lá em Campinho, no início de Jacarepaguá.


Hemetério Fernandes de Almeida explicava sempre a sua conduta não muito simpática no quartel:

- O Bangu vai jogar e aí não deixam eu sair. Fujo.

- E quando você está preso?

Também fujo.
 
O comandante soube que no dia em que ele ficou em cela separada, um sargento, fanático torcedor do Bangu, “esqueceu” de passar a chave na cadeia. Não deu outra:

Hemetério se mandou e lá estava ele jogando pelo seu amor maior, o Bangu.

Hemetério era filho de Luis Fernandes de Almeida, um artesão da Casa da Moeda. Um homem pobre. Um homem humilde, Isto não impediu que ele criasse os 10 filhos que sobraram dos 13 que trouxe ao mundo. Criou um dos maiores pintores, Luíz Fernandes de Almeida, o mais velho, assistiu a formatura de Adelina, a mesma Adelina que meteu o guarda sol num bandeirinha, num jogo em Moça Bonita, quando este marcou uma falta contra o mano Hemetério.

Na pobreza de sua juventude Hemetério só tinha um prazer: o futebol. Sabia que não haveria problema de campos de futebol no seu Engenho de Dentro. Quanto mais no Engenho Novo. Hemetério jogou no Mackenzie, no Central e terminou sua carreira no Bangu.

Foi campeão em 1933. Começou ali em 1929.

Sua característica era a virilidade como atuava, seu destemor, seus chutes fortes, com as duas pernas, seus dribles curtos e seus lançamentos. Não fugia do pau. Enfrentava tudo, de igual para igual. Valente como ele só, passados 10 anos que deixara a bola e era fiscal da Viação Brasil, recolheu o dinheiro da féria e, na garage da praça Paris recebeu o convite de um chefe – ele e os demais fiscais – para visitarem o Cassino Atlântico, no seu último dia: o presidente Dutra mandara fechar todos os cassinos no dia 28 de fevereiro de 43.

Hemetério foi. Na entrada um bêbado gozou o grupo da Viação Brasil. Partiu para cima dele. Hemetério, valente como ele só, pediu que a gerência retirasse o incômodo cavalheiro. Foi atendido. Depois, na hora de sair do Cassino, “Canjica”, seu colega de trabalho, sentiu no ar algo diferente:

- Vamos sair pela porta do fundo, pessoal.

- Menos eu, disse Hemetério.

E todos foram pela porta principal.

Só viram o mesmo bêbado de arma em punho. Um 38 negro:

- Cadê os valentes?

Todos pararam. Hemetério disse ao cidadão:

- Não tenho medo de homem e muito menos de quem se esconde por trás de uma arma. Vou tomar esse revólver.

O tiro pegou na barriga de Hemetério.

Ele caminhou até o agressor e tomou-lhe a arma. Foi para o hospital. Teve peritonite. Não havia antibióticos. Morreu no dia 19 de março de 1943.

Hemetério foi exemplo de fibra no futebol.

Foi exemplo de macho na vida real.

Foi um grande pai para Paulinho, Hélio e Neide.

Foi um péssimo soldado. E sabia disto.

Hoje, porém, está redimido pela sua “má conduta”.

Luiz Paulo, seu filho mais velho, é o comandante da Escola de Educação Física do Exército. O caçula, Hélio, deixou o Exército no posto de tenente coronel.

Honraram a memória de Hemetério, o “praça” que fugia até da cadeia do quartel de Campinho para jogar pelo seu amor maior: o Bangu.

O tal soldado Buza, o campeão de 1933.


Fonte: Revista Bangu e Suas Glórias – Ano I – Novembro/1981

Foto: Revista Bangu e suas glórias

 

ABC Futebol Clube foi fundado em 01 de Maio de 1950 na Rua Santos Dumont, bairro do Macuco. Tinha a cor azul e branca no seu uniforme. Participou dos campeonatos promovidos pela Liga de Futebol Amador de Santos disputando as categorias principal e juvenil. Jogava sempre no campo do adversário.

Sua fundação deve-se aos esforços e à decisão dos senhores: Carlos da Silva Seixas, Adalberto de Almeida Filho, Francisco Taboada Ferreira, Adalto de Almeida, Laurival Lourenço Dias, Adair Maia, Otávio Taboada Fernandes e outros. Estes esportistas, após movimentada reunião realizada naquela data, estabeleceram os princípios sobre os quais passaria a atuar o A.B.C Futebol Clube.

Sua equipe de futebol disputou o campeonato da Divisão Principal da Liga Santista de Futebol Amador, nas categorias de: principal, misto, extra e juvenil. Além do futebol, o clube dedicava-se à atividade do voleibol e tamboréu.

Em 1956, conquistou o título de Campeão do Torneio Beneficente, realizado em benefício dos flagelados de Santos.

DIRETORIA: Presidente de Honra, Albino de Oliveira (Vereador); Presidente, Adalto de Almeida; Vice-Presidente, Laurival Lourenço Dias; Secretário-Geral, Adalberto de Almeida Filho; 1º Secretário, Carlos Duarte; 2º Secretário, José Carlos Dias Caldeira; 1º Tesoureiro, Herci Fidêncio da Costa; 2º Tesoureiro, Othelino Coelho; Diretor Geral de Esporte, Manuel Bargas; 1º Diretor Esportivo, Rubens de Almeida Peixoto; 2º Diretor Esportivo, Adair Maia; Diretor Social, Joaquim de Barros Filho.

ARTE DO ESCUDO SERGIO MELLO

FONTES:

http://www.varzeasantista.com/equipes/abc-f-c/

http://www.giginarede.com.br/varzea/abc.asp

© 2014 História do Futebol-Final Suffusion theme by Sayontan Sinha