Michel McNish

 

O CIP Foot-ball Club foi um clube de futebol da cidade de Itajaí, cidade do litoral norte de Santa Catarina. Foi campeão do Campeonato Catarinense em 1938 e pertencia à Companhia Itajaiense de Phosforos. Na época, a palavra fósforo era escrita com “ph” no lugar do “f”. Daí o porquê da sigla “CIP”. O CIP tinha como cores o vermelho e o preto. Fundado em 27 de outubro de 1936 e desativado em 1944.

Para chegar à final do Campeonato Catarinense de 1938, o CIP foi campeão da fase regional do Vale do Itajaí e, na etapa estadual, eliminou o Avaí, de Florianópolis, na semifinal. Venceu a primeira partida por 4-0, depois perdeu por 2-3 e, no jogo-desempate, ganhou por 3-2.

A decisão, disputada em 16 de abril de 1939, foi contra o Atlético de São Francisco do Sul, vencida pelo CIP por 2-0. O time campeão tinha: Geninho; Lico e Humaitá; Fateco, Humberto e Soto; Vitório, Couceiro, Pavan, Nanga e Armando.

Jogador Soto, campeão pelo CIP em 1938

A edição de 1938 do Campeonato Catarinense foi a única que o CIP disputou em sua história.

Fonte: Acervo Fernando Alécio/ Wikipédia

 

Este é o time do Clube Atlético Operário, campeão da Liga Joinvilense de Futebol em 1956. O último jogo foi contra o São Luiz, e terminou empatado em 0 a 0. O título ficou com a equipe da usina metalúrgica, cuja escalação era: Clecir, Baixinho, Bazoca, Neide, Bentevi, Mário José, Vadinho, Brandão, Den, Carriço e Bia.

Fonte: Acervo Mário Nascimento e Mário José.

 

Além do Campeonato Catarinense de 2015, que foi decidido nos tribunais, listamos sete casos em que o Campeonato Catarinense teve um campeão por motivos extracampo:

1931
O primeiro campeão por W.O
O clube Lauro Müller, de Itajaí, durou apenas 19 anos. O maior feito da equipe foi chegar à final do Catarinense de 1931. Com apenas um ano de história o clube do Itajaí conseguiu tal feito e o duelo prometia ser quente com o Atlético Catarinense, equipe de Florianópolis. A data da decisão foi 24 de janeiro de 1932, porém a Federação Catarinense de Desportos decidiu adiar o jogo por mais uma semana e isso irritou os cartolas do time da Capital. Insatisfeitos, os dirigentes proibiram os jogadores de entrar no campo do Estádio Adolfo Konder, no dia 31 de janeiro, e assim a FCD declarou o Lauro Müller campeão catarinense por W.O.

1942
Exército atrapalha a final
A decisão do Estadual de 1942, teve como finalistas América, de Joinville, e Avaí. Porém, o jogo final nunca aconteceu e o Leão ficou com a taça por conta de um decreto. Os jogadores do time joinvilense foram impedidos de jogar pelo batalhão do exército de viajar para a partida decisiva porque o América tinha no elenco atletas que faziam partida do 13º Batalhão de Caçadores. Assim, o time do Norte do Estado tentou realizar a partida em outra data, ou mesmo em Joinville — onde os jogadores que serviam o exército poderiam jogar —, mas a FCF não cedeu e decretou o Avaí campeão.

1956
Amador campeão profissional
Em 1956, 10 dos principais clubes do Estado criaram a Liga Especial de Futebol Profissional e organizaram seu campeonato Estadual, vencido pelo Paysandu, de Brusque. A Federação Catarinense de Futebol (FCF), embora reconhecesse a iniciativa da Liga, também promoveu a sua competição. O melhor time foi o Operário, time da Usina Metalúrgica de Joinville, uma equipe praticamente amadora. A FCF decidiu unificar os títulos e ainda com protestos do Paysandu, que já tinha dispensado boa parte de seu elenco, realizou uma grande final. Com um plantel remendado, o alviverde brusquense perdeu as duas partidas pra o tricolor de Joinville. O título ficou com o Operário, que mesmo sendo amador tem um troféu profissional na estante.

1963
Marinheiro campeão 20 anos depois de vencer a partida final
O Campeonato Catarinense de 1962 se estendeu até maio de 1963 e consagrou o Metropol, de Criciúma, como tricampeão do Estado. Logo depois do triunfo, a equipe viajou para Europa, onde disputou 23 jogos. Como o Estadual de 1962 se estendeu até 63, a Federação decidiu não fazer Campeonato Catarinense em 1963. Para os clubes não ficarem parados criou o torneio Luiza de Mello — então primeira dama do futebol catarinense, por ser casada com o presidente da FCF, Osni Mello. Com a vitória sobre o Carlos Renaux, de Brusque, o Marcílio Dias garantiu o primeiro lugar e ficou com a taça. Em 1983, a FCF decidiu homologar o Marinheiro como campeão do Estadual de 63 por ter vencido o único torneio organizado em Santa Catarina naquele ano.

1978
Campeonato do artigo 50
O Avaí ficou tão irritado com um pênalti marcado a favor do Joinville, que decidiu abandonar o Catarinense de 1978. O artigo 50 do regulamento do torneio, que tratava do assunto, não esclarecia o que aconteceria com os pontos das partidas que o Leão ainda iria disputar. O JEC terminou em primeiro, porém, a Chapecoense considerou os pontos ganhou do jogo que não teve contra o Avaí e também se proclamou campeã. O caso foi acabar no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Depois de quatro meses de disputa o advogado Waldomiro Falcão conseguiu levar o título para o Tricolor do Norte.

1994
O jogo que terminou com invasão
O Figueirense voltou a ser campeão do Catarinense depois de 20 anos. A ansiedade da torcida era tanta que aos 32 minutos do segundo tempo da partida final contra o Criciúma invadiram o gramado do Estádio Orlando Scarpelli. O Alvinegro vencia por 2 a 0 quando o árbitro Dalmo Bozzano decidiu acabar o jogo, afinal, os torcedores fizeram tanta festa que levaram para casa inclusive as traves do estádio. Depois de uma disputa nos tribunais, o título foi confirmado para o Furacão.

1996
Final em três atos
Campeão do primeiro turno, o JEC precisava vence o jogo final do returno contra a Chapecoense por uma diferença de dois gols para ficar com o título antecipado, caso contrário o título seria definido em dois jogos finais. A partida estava empatada até os 42 minutos do segundo tempo, quando o zagueiro Lucio, do Verdão do Oeste, foi expulso. Depois de muita confusão, o Joinville desempatou. Aos 56, o árbitro João Paulo Araújo não viu o bandeirinha sinalizar a bola da cobrança de escanteio tricolor tinha passado por fora. O JEC marcou o quarto gol, fazendo o Ernestão explodir de alegria. No vestiário, pressionado pelo time visitante o árbitro voltou atrás e a partida terminou 3 a 2 para o Joinville.
Na primeira final, o JEC venceu por 2 a 0. Na véspera da decisão no Regional Índio Condá ninguém dormiu na delegação tricolor. Um foguetório acordou os jogadores do Joinville. Os dirigentes do time do Norte do Estado irritados decidiram voltar para casa. Os torcedores da Chape comemoraram o título, porém, o JEC conseguiu, depois de uma árdua batalha nos tribunais, remarcar o jogo para dezembro de 1996.

Com gols de Marquito e Gilmar Fontana o Verdão foi campeão catarinense pela segunda vez em sua história.

Fonte: DIÁRIO CATARINENSE

 

O Sport Club Corinthians USA é um clube de futebol estadunidense da cidade de Fontana, no estado da Califórnia. O clube foi fundado em 15 de dezembro de 2010, no ano do centenário do Corinthians Paulista. O clube entrou em competições oficiais em 2013, com o brasileiro Palhinha como técnico. O clube manda suas partidas no Citrus College Stadium, na cidade de Glendora, com capacidade para 10.000 pessoas. Atualmente disputa a Coast Soccer League, liga de futebol sediada na Califórnia para equipes adultas, sub-23 e sub-19. Em março de 2014, o Corinthians disputa a US Open Cup, a mais tradicional competição de futebol dos EUA. Em 2 de agosto de 2015, anunciou oficialmente o rompimento de laços com a matriz brasileira e torna-se independente. Nesse mesmo ano fez sua primeira excursão internacional para Dubai e Catar, nos Emirados Árabes Unidos.

Fontes:
https://soundcloud.com/pretinhobasico/pretinho-04012016-18h
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sport_Club_Corinthians_USA
http://www.meutimao.com.br/noticia/183360/corinthians_usa_rompe_vinculo_com_o_timao
https://www.facebook.com/CorinthiansUSA

 

Na tarde desta segunda-feira, dia 2 de novembro, o Grêmio Esportivo Metropolitano não tomou conhecimento do fator local, derrotou o Guarani em plena casa do adversário e fez a festa de campeão do Estadual de Amadores da Federação Catarinense de Futebol.

Foi o primeiro título da história do Metropolitano de Nova Veneza em nível estadual. Em 2008, quando chegou mais perto, o Metropolitano foi vice-campeão, perdendo a finalíssima para o Juventude, de Lindóia do Sul.

Desta vez, porém, o Metropolitano brilhou e forte. Fez 3 a 1 na decisão eletrizante contra o Guarani de São Miguel d´Oeste, no estádio Padre Aurélio Canzi, lotado com duas mil pessoas. Foram duas vitórias em dois jogos do Metro no Estadual, já que na estreia, no sábado dia 1º de novembro, havia vencido o Atlético Itoupava, de Blumenau, por 2 a 1.

É o quarto título consecutivo do sul do Estado no Estadual. Em 2012, foi com o Mãe Luzia. Em 2013, o Caravaggio levantou a taça. Em 2014, deu Rui Barbosa.

TABELA DA COMPETIÇÃO
Primeira Eliminatória
31/out
Guarani 5×2 Grêmio Cachoeira

Semifinais
01/nov
Metropolitano 2×1 Atlético Itoupava
Guarani 2×0 América

Final
02/nov
Guarani 1×3 Metropolitano

Fonte: Rádio Eldorado / Tá No Filó!

 
Atual escudo

Atual escudo

O Flamengo Esporte Clube tem sua sede no bairro Capoeiras na parte continental de Florianópolis. O clube foi fundado em 10 de junho de 1937 mas só se profissionalizou em 1986 para a disputa da primeira edição da Segundona Catarinense.

Antigos escudos do Flamengo de Capoeiras

Antigos escudos do Flamengo de Capoeiras

Disputou a Segunda Divisão nas seguintes edições: 1986, 1987 e 1994. Para o ano de 1995 o clube foi convidado a disputar a Primeira Divisão pois não haveria Segunda Divisão nesse ano, mas o clube acabou desistindo por falta de recursos.

Clássico com o Figueirense no Scarpelli em 1986: confusão

Clássico com o Figueirense no Scarpelli em 1986: confusão

O clube possui atualmente uma sede localizado na Rua Prefeito Dib Cherem, 2789 em Capoeiras.

Sede social em Capoeiras

Sede social em Capoeiras

O Flamenguinho de Capoeiras, como é conhecido, mandava seus jogos nos estádios Orlando Scarpelli e Ressacada. Realizava seus treinos no antigo “Saco da Lama”, atual Parque de Coqueiros em Florianópolis.

O Maior ídolo do clube foi João Carlos da Silva, o Balduíno. No clube Balduíno foi meia, diretor, técnico e até motorista do Flamengo de Capoeiras. Ele também era o motivo da rivalidade com o Figueirense, equipe em que encerrou a carreira em 1984, depois de passar por Avaí, Joinville e Grêmio.

João Carlos da Silva, o Balduíno, ídolo do Rubro-negro de Capoeiras

João Carlos da Silva, o Balduíno, ídolo do Rubro-negro de Capoeiras

Atualmente, aposentado como professor, Balduíno é comentarista da Rádio Regional FM de Florianópolis e do programa Clube da Bola da RIC TV Florianópolis, que tem exibição todos os sábados antes do meio-dia.

Fonte: Site do Clube, Revista Placar, Wikipédia, Google Maps, RSSSF Brasil e Acervo Pessoal

 

O Minerasil Futebol Clube foi fundado em 1º de maio de 1945, na localidade de Santana em Urussanga. Iniciou sua trajetória disputando campeonatos amadores no vale de Braço do Norte, e em 1955 conseguiu sua filiação na Liga Atlética da Região Mineira (LARM). Atendendo as exigências da Liga, o Minerasil promoveu vários melhoramento sem seu campo, sendo o primeiro clube da região a construir um túnel dando acesso ao vestiário.

O time de Santana disputou o torneio da LARM até 1960, e mesmo não tendo conquistado nenhum título nessa competição conseguiu montar equipes invejáveis. Destacaram-se craques como Camanga e Geovane, e  as pratas da casa Marinho e Pedrinho.

Depois de sair da LARM, o Minerasil passou a disputar a Liga Lauro Muller de Futebol, e foi aí que conheceu seus dias de maior glória. Foi campeão em 1960, 1962 e 1963. Disputou o Campeonato Catarinense nos anos de: 1960, 1962 e 1964.

Em 1967, a Minerasil foi adquirida pela Cia. Carbonífera Urussanga, e o time entrou em franca decadência, deixando de ostentar as cores branca e vermelha nas grandes competições da região.

Fonte: Jornal Vanguarda / Facebook do Minerasil

 

Imbituba Atlético Clube foi fundado em 10 de setembro de 1924. Na maior parte de sua existência participou da divisão principal do campeonato catarinense somente vindo a participar da segunda divisão nos últimos anos.

Sua cores eram o Vermelho , Azul e Branco.

O Imbituba, graças ao punho firme de Osni Melo, presidente da Federação Catarinense de Futebol e ao dinamismo de Gilberto Soledade, seu presidente, conseguiu filiar-se à Federação Catarinense de Futebol, disputando o certame de 1953 entre os Florianópolitanos.

Disputou o Campeonato Catarinense nos anos: 1953, 1954, 1955, 1957, 1959, 1964, 1965, 1966 e 1995.
Pela Segunda Divisão disputou nos anos de: 1989, 1990 e 1998.

Atualmente o clube exerce somente a atividade de clube social. Sua sede está localizada na Rua Alcíno da Fonseca, s/nº, Centro, Imbituba (SC).

 

Em 1961, o Paysandu, de Brusque, conseguiu montar um bom time, no qual o craque era o zagueiro Di, que, mais tarde, foi parar no Metropol, de Criciúma.
Na foto
Em pé: Aurélio, Di, Valdir Montibeller, Walace, Nego Kühn e Ivo.
Agachados: Nelsinho, Leba, Julinho, Godeberto e Bossinha.

Fonte: Valdir Appel / Diário Catarinense 17/01/2009

 

Esse é o escudo do União Garimpeira Esporte Clube de Nortelândia (MT). Fundado em 1989 o clube disputou o Campeonato Mato-grossense da Segunda Divisão no mesmo ano, conquistando o vice campeonato. No ano seguinte ficou em sétimo no Campeonato Mato-grossense da Primeira Divisão. Anos depois, retornou a competição ficando em penúltimo lugar entre dez clubes no estadual de 1995.

Fonte: Roberto Pypcak Junior / Youtube / RSSSF Brasil / Wikipédia

 

A Sociedade Recreativa Indaial foi fundada em 21 de março de 1875 com a denominação Schutzenverein zu Indayal, sendo que em 23 de março de 1942 mudou de nome para Esporte Clube Indaial. Com essa denominação, disputou as competições de futebol da Liga Blumenauense de Desportos dos anos de 1940.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Governo Federal, através do Conselho Nacional de Desportos, baixou a circular 01/1944, determinando que as associações, clubes e entidades esportivas não poderiam mais utilizar nomes de cidades, estados e países. Então em 1944 o clube passou a se chamar Esporte Clube Internacional.

Com o fim da Segunda Guerra o clube muda novamente de nome para Sociedade Recreativa Indaial, mas com a profissionalização do futebol, o clube, por se tratar de uma sociedade civil sem fins lucrativos, abandona essa modalidade passando a existir somente como clube social.

Sua sede fica na Rua dos Atiradores 152, Centro, Indaial, CEP 89130-000.

Fonte: Almanaque do Vale / Site oficial da Sociedade Recreativa Indaial

 


Este foi o primeiro escudo utilizado pelo Brusque Futebol Clube entre os anos de 1987 e 1991, o escudo nada mais é do que o brasão da cidade. Segue abaixo a foto da camisa.

Acervo: Paulo Guse
Foto: Lucas Gabriel Dos Santos Cardoso

 

O Club Vasco da Gama foi um dos primeiros clubes do Futebol Amazonense. Foi fundado em 11 de outubro de 1913 na cidade de Manaus e não teve nenhuma relação com o primo rico do Rio de Janeiro. Participou dos Campeonatos Amazonenses de 1914 e 1915.

Fonte: Portal Amazônia/ Wikipédia/ Gaspar Vieira Neto

 

Esse é o Cobrazil Football Club da Cidade de Itajaí (SC). O clube foi fundado no mês de agosto de 1940 (não há registro do dia). Foi campeão do Torneio Início e do Campeonato Municipal de Itajaí de 1942. Mandava seus jogos no Estádio Doutor Haroldo Cintra.

Era o time da Companhia de Mineração e Metalurgia do Brasil. Extinguiu-se com o fim das atividades da fábrica no porto em 1943.

Fonte: Gustavo Melim Gomes

 

Blumenau Esporte Clube no final dos anos 80 em registro fotográfico no agora extinto estádio Aderbal Ramos da Silva. O repórter é o Mirandinha (falecido) ao lado do goleiro Éverton Palha. Ainda na fileira de cima, os zagueiro Léo, Mauro Ovelha e Colonetti. Agachado está o atacante Chicão (cabelo enrolado), folclórico e artilheiro.

Fonte: Polidoro Junior

 

O itinerário do Esporte Clube Biguaçu não para. Fundado em 16 de junho de 2011, o clube, no mesmo ano conquistou o Campeonato Catarinense da Segunda Divisão. Em 2012, já na Segunda Divisão, o clube realiza uma campanha mediana ficando em 6º lugar.

Em 2013, alegando falta de investimento da região, o clube muda-se para a cidade de Canoinhas, reativando o nome fantasia do extinto Clube Atlético Canoinhas. Na disputa da Segundona o Canoinhas acaba ficando na 9º colocação entre 10 clubes.

Ainda na Segundona, em 2014, o Clube Atlético Canoinhas realiza novamente uma péssima campanha, ficando em 9º lugar, ficando apenas a frente da Caçadorense, que perdeu 3 pontos na competição.

Utilizando o mesmo CNPJ do ano de fundação (08.766.329/0001-70), o Canoinhas muda muda para a cidade de Mafra, agora com uma nova razão social Esporte Clube Operário de Mafra, herdando assim a torcida do Clube Atlético Operário. Com essa dominação o clube irá disputar a Segunda Divisão do Catarinense (Série B).

Fonte: Wooki / Infoplex / receita.fazenda.gov.br / rsssfbrasil.com / https://www.facebook.com/groups/SerieBCatarinense / fcf.com.br / https://www.facebook.com/pages/EC-Operário-Mafra / https://www.facebook.com/pages/Canoinhas-Atletico-Clube / https://www.facebook.com/ECBiguacu

 

A fundação do Clube Náutico Almirante Barroso, originou-se de um descontentamento de cerca de 40 membros da diretoria do Clube Náutico Marcílio Dias, que não concordaram com a eleição da madrinha dos dois primeiros barcos (Yoles) adquiridos pelo Marcílio Dias.
Este grupo de descontentes se reuniu em um dos salões do então Grande Hotel, e acabaram fundando o Clube Náutico Almirante Barroso. Esta reunião aconteceu às 18 horas do dia 11 de maio de 1919. Neste mesmo dia foi homologada sua primeira diretoria oficial com o Presidente de Honra o Comandante Carlos N. Abreu.

Remo
Desde a fundação do clube até 1940, a atividade principal da entidade era o remo, que teve uma trajetória brilhante, obtendo expressivas conquistas, dentre elas destaca-se os campeonatos estaduais de 1920, 1921,1927 e 1928.

Futebol
O futebol entrou na historia do clube por volta de 1940, em 1949 foi feita uma fusão com o time do Lauro Müller (que havia sido campeão estadual em 1931). Neste mesmo ano o Clube Náutico Almirante Barroso conquistou o titulo de campeão Itajaiense. Esta fusão foi desfeita alguns anos depois. (O futebol encerrou suas atividades profissionais em 1971).

Estádio
Em 1956, na administração do presidente Camilo Mussi foi inaugurado o Estádio no terreno adquirido no período da gestão do Dr. Camilo. (Hoje denominado Estádio Dr. Camilo Mussi), onde foi construída a sede social.

Fonte: http://itajaifc.blogspot.com.br

 

Este era o antigo estádio Municipal (que não existe mais) de Porto União. No terreno onde ficava a praça esportiva foi construída a sede da Universidade do Contestado. A cidade teve representantes no campeonato catarinense de futebol: Juventus, Botafogo e Tamandaré.

Foto: ondeficaportouniao.blogspot.com

 

No dia 27 de julho de 1958, o Almirante Barroso realizou um amistoso contra o Vasco da Gama. Para fazer frente ao time carioca, o time de Itajaí enxertou o time, formando quase uma seleção catarinense: Brandão (Carlos Renaux), Hélio (Barroso), Aduci (Olímpico), Jorge (M. Dias), Darci e Nilson (Olímpico); Nilo (Paysandu), Teixeirinha (Carlos Renaux), Dico, Godeberto (Paysandu) e Agenor (Carlos Renaux).

Fonte: Acervo Valdir Appel

 

A decisão do campeonato catarinense de 1952 teve a participação de 10 equipes. Depois de superar Dom Pedro II de Corupá e Ipiranga de Canoinhas, o América de Joinville chegou na decisão contra o Carlos Renaux de Brusque.

Vitórias de 4 a 2 no jogo de ida e o empate de 2 a 2 em casa garantiu o título de bicampeão estadual.

Fonte: Relíquias do Futebol

 

Na foto alguns dos craques do Barriga Verde F.C. que muitas alegrias trouxeram aos torcedores de Laguna. Irapuã, Darci, Oto, Beneval, Luiz (marona), Djalma Campos, Mengálvio, Antônio (tuíco), Vitoldo Borges, Luiz Paulo Carneiro, Eutálio.
O estádio de futebol do Barriga Verde foi demolido em 1975. O Barriga Verde acabou-se nessa época e a cidade sem o time mais tradicional de futebol de campo do sul do estado.
E o Estádio Municipal, construído no Governo de Mário José Remor (1977-1982) está hoje abandonado, servindo de depósito para obras da Casan.

Fonte: Blog do Valmir

 

Em 1954, o Figueirense Futebol Clube foi campeão de Florianópolis. Em 12 jogos, obteve oito vitórias, um empate e perdeu três vezes.Foto: Acervo Osny Meira

 

1920 - O mesquita Futebol Clube é fundado no dia 9 de maio.

1981 - Sagra-se campeão da Terceira Divisão de Profissionais do Rio de Janeiro, a primeira organizada pela Federação.

1985 - É vice-campeão da Segunda Divisão, perdendo o título para o Campo Grande Atlético Clube, subindo para a Primeira Divisão.

1987 - O clube é rebaixado para a Segunda Divisão.

2003 - De volta à Terceira, é vice-campeão, conseguindo o acesso de volta à Segundona com o campeão Bonsucesso Futebol Clube.

2007 – O Mesquita Futebol Clube formado por jovens entre 17 e 22 anos, retornou para a Primeira divisão.

2008 - Depois de 21 anos de ser rebaixado, o Tubarão retorna à Primeira Divisão Carioca, conseguindo se manter na elite carioca em 2009.

2009 – Após ter permanecido na elite, o clube promete tudo em busca da afirmação e solidificação na Divisão Principal do Estado. Após uma Taça Guanabara boa para o time da Baixada, chegando inclusive a disputar a final do Troféu Moisés Mathias de Andrade, onde foi vice-campeão. Porém após 8 derrotas seguidas na Taça Rio, sendo a última para o Duque de Caxias por 4×2, o Tubarão da Baixada acabou sendo rebaixado mais uma vez.

Em 2010 , 2011 e 2012 ficou no Grupo X da Segunda Divisão.

Atualmente o clube encontra-se licenciado.

Fonte: Marcos Manso / Guia dos Curiosos

 

Hoje completa-se 82 anos do Ferroviário Atlético Clube. No dia 9 de Maio de 1933 humildes trabalhadores capitaneados por Valdemar Cabral Caracas, no setor de locomoção da Rede de Viação Cearense, nascia a maior expressão esportiva de raízes operárias do Brasil. Nascia o Ferroviário Atlético Clube, símbolo da democratização do futebol nacional e precursor do futebol profissional no Estado do Ceará.

Foram inúmeros confrontos contra grandes times nacionais e até contra a Seleção Brasileira, em amistoso preparatório para os Jogos Olímpicos de 1968. Por falar em Seleção, pertenceu ao Ferroviário o primeiro cearense a vestir a camisa amarelinha: Zé de Melo, em 1959. Depois dele, vieram mais, como Mirandinha e Jardel, ambos formados nas vitoriosas categorias de base do clube, a mesma fábrica que produziu, dentre tantos outros, o craque Iarley, bicampeão mundial interclubes.Há dois anos, em inédita eleição na história tricolor, o clube elegeu o seu “Time dos Sonhos”, através de uma votação na internet a partir de uma criteriosa pré-lista que contemplava 5 indicações por posição. Ficou assim a escalação oficial: Marcelino; Nasa, Luis Paes, Celso Gavião e Marcelo Veiga; Lima, Coca Cola e Acássio; Mazinho Loyola, Pacoti e Jorge Veras. Técnico: César Moraes.

A galeria coral já contabiliza mais de 100 conquistas oficiais, entre campeonatos, copas, torneios e taças. São 9 títulos estaduais, incluindo um invicto em 1968 e o bi de 94/95, e 21 vices. No Nordeste, foi também vice em 1971. Foi o primeiro, e até então único, clube de futebol do estado do Ceará a disputar uma competição internacional fora do território brasileiro, em 2007. Com 27 participações na principal competição nacional, o Ferroviário esteve por 6 anos seguidos disputando a Série A do Campeonato Brasileiro, com outras 8 participações na Série B, 12 na Série C e 1 na Série D, além de mais 4 presenças na Copa do Brasil, incluindo a edição inaugural em 1989, como principal representante cearense.

Fonte: Almanaque do Ferrão/ Guia dos Curiosos

 

O clássico Paysandu e Carlos Renaux, de Brusque, é um dos mais antigos do futebol de Santa Catarina. O primeiro confronto ocorreu em 1919. A foto desta postagem registra cena de um confronto em 1976 no lotado estádio Cônsul Carlos Renaux.
Fonte: Diplomata FM

 

Uma das melhores formações do América Futebol Clube de Joinville no inicio da década de 1970.
Em pé: Bebeco, Djalma, Nelinho, Paulo Cesar, Ladinho e Geraldo. Agachados: Jairzinho, Veneza, Chico Samara, Romualdo e Lico (campeão Mundial com o Flamengo-RJ em 1981).

Fonte: Marcelo Dieguez.

 

Equipe do Figueirense que no dia 22 de julho de 1923 venceu o Internato pro 2 a 1, no campo do Colégio Catarinense.
A equipe: Boos, Zequinha, Asteróide, Egydio, Frota, Manbrini, Pires, Victor, Maneca, Campos e Raymundo.

Foto: Acervo família de Egydio Dutra
Fonte: Caros ouvintes

 

Apresento o escudo do São Bernardo Futebol Clube, fundado em 4 de junho de 1946 em União da Vitória (PR).
Partiam da fábrica para o Estádio de futebol. Essa era a rotina de uma comunidade de operários da Industria Bernardo Stam e cuja paixão era o São Bernardo FC o Clube de futebol que surgiu dentro da fábrica com o patrocinio do industrial, os próprios operários faziam a manutenção do estádio que recebeu o nome de seu patrono Estádio Bernardo Stam. Que por circunstâncias do terreno foi apelidado de Lagoa Preta, sendo assim o clube era chamado de São Bernardo o Jacaré da Lagoa Preta.
Fonte: http://saobernardofc.blogspot.com/

 

Esse é o escudo do União Esporte Clube de União da Vitória (PR), utilizado na década de 1960 quando o clube disputava a Liga Esportiva Regional Iguaçu (Leri), sendo campeão em 1964.
Fonte: vvale.com.br

 

Clube Náutico Almirante Lamego, de Laguna, fundado em 1920, foi um dos mais tradicionais do sul do Estado. Aqui a foto do belo estádio do clube, na época um dos melhores de Santa Catarina, em 1933.
Fonte: ARQUIVOS DO FUTEBOL BRASILEIRO

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha