Ricardo Amaral

 

A Copa do Nordeste de 2019 definiu o formato a competição com dois grupos de oito clubs. Ficando na chave A: Santa Cruz, Vitória, Fortaleza, CRB, Salgueiro, Sergipe, Sampaio Corrêa e Altos. Na chave B, Bahia, CSA, ABC, Confiança, Náutico, Ceará, Moto Club e Botafogo-PB. Cada time vai fazer oito partidas na primeira fase já que as partidas serão do grupo A contra os do grupo B e os quatro melhores de cada grupo avançam às quartas de final.

A segunda fase e as semifinais serão disputadas em jogo único. Na grande decisão, muda a configuração: partidas de ida e volta.

A competição que terá transmissão no canal aberto do SBT nas terça-feiras e sabado a tarde iniciaria dia 16 de janeiro de 2019.

A Primeira rodada da Copa tera:

Bahia x CRB
Moto Club x Altos
CSA x Vitória
Botafogo-PB x Santa Cruz
Náutico x Fortaleza
Confiança x Salgueiro
ABC x Sergipe
Ceará x Sampaio Corrêa

 

Concluído os jogos de ida do CAMPEONATO POTIGUAR LOTERIAS CAIXA 2º DIVISÃO 2018, dois clubes já despontam como matematicamente classificado para a segunda fase.  Alecrim no Grupo 1 e Mossoró EC no grupo 2.  Pelo regulamento os dois primeiros de cada grupo se classificam para disputar a semi final no cruzamento do 1º colocado de um grupo com o 2º colocado do outro grupo e dai sair os finalista para decisão e conhecer o campeão que ascenderá a primeira divisão em 2019.

OS JOGOS DE IDA:

15/09

Mossoró 2×1 Visão Celeste

Nogueirão,Mossoró

Gols: João Victor(2) /  Neriberg

 

Palmeira 0×3 Alecrim

Nazarenão, Goianinha

Gols:Igor Potiguar(2) e Ronaldo.

 

2ª rodada 
24/09
Alecrim 1×0 Cruzeiro de Macaíba

Frasqueirão, Natal

Gol: Pool
25/09
Visão Celeste 1×1 Atlético Potiguar

Arena das Dunas, Natal

Gols: Alex Gomes (VC) ;Luiz Henrique (A)

 

3ª  rodada 
29/09
Atlético Potiguar 1 x 3 Mossoro EC

Frasqueirão, Natal

Gols: Everton(a) :Radames, Romeu e Ketson

 

30/9

Palmeira 2×0 Cruziro

Frasqueirão, Natal

 

Col. GRUPO 1 PTS J V E D GP GC

1

Mossoró

6

2

2

0

0

5

2

2

Atlético

1

2

0

1

1

2

4

3

Visão Celeste

1

2

0

1

1

2

3

Col. GRUPO 2 PTS J V E D GP GC

1

Alecrim

6

2

2

0

0

4

0

2

Palmeira

3

2

1

0

1

2

3

3

Cruzeiro

0

2

0

0

2

0

3

 

 

Os clubes da 2º divisão Potiguar de 2018:

Alecrim de Natal é o principal clube da competição. Clube com 103 anos de historia, grande torcida e vários títulos da 1ª Divisão, entre eles os de 1924, 1963, 1964, 1968 (invicto), 1985 e 1986. Conhecido como Verdão e tem a torcida organziada mais antiga do estado, a FERA – Fieis Esmeraldinos Radicias com mais de 35 anos.

Atlético Potiguar de Natal tem 48 participações na primeira Divisão, entre 1941 e 1993. O Atlético teve como melhor colocação, o vice-campeonato de 1961, perdendo o título para o ABC. Foi vice-campeão da segunda divisão em 1980. Em novembro de 2018 completará 100 anos e é conhecido como Moleque Travesso.

Visão Celeste de Parnamirim nunca jogou a primeira divisão do futebol norte-rio-grandense, disputou apenas duas segunda divisão. A equipe tem apoio de uma igreja evangelica.

Cruzeiro de Macaiba, tradicional clube da Grande Natal, vai em busca do primeiro acesso. Por três anos seguidos ficou vice-campeão, em 2006, 2007 e 2008. Nunca participou da 1ª Divisão.

Mossoró EC, da cidade do mesmo nome, participou apenas uma vez da Primeira Divisão. Foi em 1996. Ficou na 9ª posição entre os 12 participantes. É conhecido como o Carcará do Oeste.

O Palmeira de Goianinha jogou a primeira divisão 6 vezes, entre 2011 e 2016. Sua melhor colocação foi o 4º lugar no campeonato de 2011. Foi vice-campeão da segunda divisão em 2010, porém herdou a vaga na primeira porque o campeão foi o ABC-B que que pelo regulamento não podia ascender de divisão.

 

 

 

Alecrim Futebol Clube de Natal, é tido como o mais simpático clube da cidade e tem em seu currículo sete titulo estaduais. Sua historia centenária começou com o primeiro titulo em 1924, do qual ganhou brilhante em campo entretanto os diretores que formavam a Liga Norte-rio-grandense de Desportos Terrestres não quis da o reconhecimento devido e protelou o quanto pode a proclamação do título, tendo inclusive a Liga se dissolvendo temporariamente, conforme noticiava os poucos jornais da época. E mesmo após o retorno das atividades não se tem registro da homologação. A alegação estapafúrdia foi que era um clube de subúrbio. O titulo foi requerido por muitos anos e assim ficou perdido na historia como ocorre outros títulos de campeonatos estaduais no Rio Grande do Norte.

ultimo título; estadual 1986

 O verdão, como é conhecido, já participou de todas quatros divisões nacionais, sendo uma vez na Serie A (1986),duas na Serie B (1972 e 1983), uma na Serie C (2010) e duas na Serie D (2009 e 2011) e também uma única vez na Copa do Brasil. Participou também da extinta Taça Brasil (1964-1965).

Atualmente o clube passa por um dos momentos mais difíceis da sua historia quando foi rebaixado pela primeira vez para Serie B do Estadual Potiguar e tentará a partir de 15 de setembro próximo conquistar o titulo da segunda divisão e retornar para a elite potiguar. Se conseguir este título será o primeiro depois de 32 anos, já que venceu o estadual pela ultima vez em 1986. O clube também esta tendo parte da sua sede campestre, mais uma vez, sendo leiloada para pagar dividas trabalhistas, esta oriundas de uma gestão sem planejamento (2009-2011) que não trouxe conquistas estaduais, apenas um acesso com terceiro lugar na Serie D 2009.

O clube fundado em 15 de agosto de 1915, completou hoje 103 anos, tendo como grande curiosidade que um dos seus fundadores foi o depois presidente da República, Café Filho,  e que também atou como goleiro na equipe esmeraldina.

Títulos: 

Estadual Potiguar: 1924,1925, 1963, 1964, 1968, 1985 e 1986
Torneio Início: 1926, 1961, 1966 e 1972
Taça Cidade do Natal: 1979, 1982 e 1986
Torneio Incentivo: 1976,1977 e 1978

 

Seletivo Taça de bronze 1981

Grupo A

28/1  Baraunas            2x0      Potyguar

01/2  Baraunas            1x0      Riachuelo (*1)

08/2  Potyguar            2x0      Riachuelo

??/2  Potyguar            2x1      Riachuelo

15/2  Baraunas           1x0      Riachuelo

21/2  Potyguar            0x2      Baraunas

  pg v e d gp gc
Baraunas 8 4 0 0 6 0
Potyguar 4 2 0 2 4 5
Riachuelo 0 0 0 4 1 6

Grupo B

01/2  Ferroviario         3x1      Atletico

04/2  Ferroviário         2x1      Alecrim

11/2  Alecrim             3x0      Atlético

15/2  Atletico             0x3      Alecrim

??/2  Atletico              0x2      Ferroviário

19/2  Alecrim             0x0      Ferroviário

  pg v e d gp gc
Ferroviario 7 3 1 0 7 2
Alecrim 5 2 1 1 7 2
Atletico 0 0 0 4 1 11

Decisão

 

22/2  Baraúnas            2-0      Ferroviário

25/2  Baraúnas            1-0      Ferroviário (*2)

Baraúnas Campeão, classificado para Taça de Bronze 81

 

(1) O Riachuelo vendeu os mando de campo dos jogos em casa.

(2) O Ferroviário vendeu o mando do 2º jogo.

 

 

Jogos em Maceio no Estadio rei Pele e Nelson Peixoto do Corinthians-AL

Grupo Jangada
1ª Rodada – 09/12

CSA (AL) 2 x 2 América (RN)

Corinthians (AL) 3 x 0 Sport (PE)

2ª Rodada – 10/12

Sport (PE) 0 x 0 América (RN)

Corinthians (AL) 2 x 0 CSA (AL)

3ª Rodada – 12/12

Corinthians (AL) 2×2 América (RN)
CSA (AL) 0×1 Sport (PE)

classificação
1. Corinthians (AL) 7
2. Sport (PE) 4
3. América (RN) 3
4. CSA (AL) 1

 

Grupo Sol e Mar
1ª Rodada – 09/12

13:30 – Real Deodorense (AL) 3 x 4 Fortaleza (CE)

15:10 – CRB (AL) 0 x 4 Náutico (PE)

2ª Rodada – 10/12

13:10 – Náutico (PE) 4 x 1 Real Deodorense (AL)

15:10 – CRB (AL) 4 x 0 Fortaleza (CE)

3ª Rodada – 12/12

13:10 – Fortaleza (CE) 1 x 1 Náutico (PE)

15:10 – CRB(AL) 3 x 0 Real Deodorense (AL)

 

classificação
1. Náutico (PE) 7
2. CRB (AL) 6
3. Fortaleza (CE) 4

4. Deodorense(AL) 0

 

Semifinais – 13/12/2008

Corinthians (AL) 3×3 CSA (AL) (Corinthians venceu por 3 a 2 nos pênaltis).
Náutico (PE) 1×3 Sport (PE)

Decisão do Terceiro Lugar – 14/12

Náutico (PE) 3×1 CRB (AL)
FINAL – 14/12/2008

Corinthians (AL) 3×3 Sport (PE) (Sport venceu nos pênaltis por 4 a 3)

Sport (PE) campeão da Copa Maceió Sub-17

f:site Corinthians Alagoano

 

 

 

 

A Liga Desportiva Mossoroense (LDM) reuniu representantes de clubes interessados em participar da 16ª edição da Copa Oeste. No total, 14 equipes confirmaram participação na competição. O campeonato terá inicio  no dia 18 de agosto.

Esta tradicional competição realizada pelos municipios da região oeste do estado teve a última edição disputada em 2010, tendo Apodi como campeão.Definida como uma competição regionalizada, a disputa terá quatro grupos, sendo dois com quatro equipes e dois com três. Os jogos acontecerão em sistema de ida e volta, jogando todos contra todos, dentro de cada grupo.

Os grupos:

Grupo 1 – Angicos, Paraú, Triunfo Potiguar e Seleção de Upanema

Grupo 2 – Upanema Futebol Clube , Felipe Guerra, Caraúbas e Apodi

Grupo 3 – Grossos, Tibau e Audax (de Mossoró)

Grupo 4 – Mossoró, Serra do Mel e Baraúna

 

A Liga Desportiva Mossoroense (LDM) reuniu representantes de clubes interessados em participar da 16ª edição da Copa Oeste. No total, 14 equipes confirmaram participação na competição. O campeonato terá inicio  no dia 18 de agosto.

Esta tradicional competição realizada pelos municipios da região oeste do estado teve a última edição disputada em 2010, tendo Apodi como campeão.Definida como uma competição regionalizada, a disputa terá quatro grupos, sendo dois com quatro equipes e dois com três. Os jogos acontecerão em sistema de ida e volta, jogando todos contra todos, dentro de cada grupo.

Os grupos:

Grupo 1 – Angicos, Paraú, Triunfo Potiguar e Seleção de Upanema

Grupo 2 – Upanema Futebol Clube , Felipe Guerra, Caraúbas e Apodi

Grupo 3 – Grossos, Tibau e Audax (de Mossoró)

Grupo 4 – Mossoró, Serra do Mel e Baraúna

 

Nome: Rio Grande Futebol Clube

Cidade: Natal

Endereço: Rua Prof. Olavo montenegro, 2963 – capim Macio

Fundação: 28 de Abril de 2017

Histórico: recentemente criado, estreou no Campeonato Potiguar de 2018 disputando o estadual sub-15, classificando para a segunda fase da competição em andamento.

Situação: Amador

Campanha na 1º fase do campeonato Estadual sub-17 – 2018

2 x 1 Natal SC

0 x 3 Santa Cruz de Natal

1 x 1 ABC

2 x 2 Globo

1 x 1 Comercial

(*)Classificado para segunda fase

 

 

Arruda, Cidade Tricolor, Ilha do Retiro, CT Wilson Campos, Frasqueirão, Barradão, Gigante do Agreste, Ninho do Gavião etc. Entre estádios, centros de treinamento e sede sociais, 15 clubes do Nordeste possuem patrimônios físicos milionários. Uma forma segura para conseguir mensurar este cenário é através dos balanços fiscais publicados anualmente. Geralmente, os bens (entre imóveis e móveis) são contabilizados como ativos, no tópico ‘imobilizado’. Aqui, listo os dados divulgados em 2018 – ao menos entre os acessíveis na internet, pois clubes como CSA e Campinense, donos de estádios de menor porte, não exibiram os relatórios.

O ranking, com quatro clubes pernambucanos nas quatro primeiras colocações, foi elaborado em duas linhas. Na primeira, o valor bruto do patrimônio, ou ‘valor de custo’, que considera o investimento dos clubes na aquisição ou construção. A ressalva é necessária porque o ativo exposto anualmente sofre uma depreciação, para estimar as vidas úteis de cada bem, com taxas de redução diferentes: 4% para imóveis, 10% para máquinas, móveis e utensílios e 20% para veículos. Na prática, nenhum clube se desfaz de imóveis (ou ao menos não deveria). Um ponto interessante sobre essa depreciação é o caráter meramente contábil, não relacionado, necessariamente, ao valor real de mercado. Como exemplo disso, o estádio do Santa Cruz.

Em 2017, a comissão patrimonial do tricolor encomendou uma avaliação independente do estádio, sem contar os terrenos do CT Waldomiro Silva, em Beberibe, e CT Ninho das Cobras, na Guabiraba (ambos sem estrutura). Nesta análise particular, o Mundão valeria R$ 274 milhões, num aumento de 330% em relação ao balanço oficial, com a cifra pregada há anos.

Pela falta de atualização, por decisão do próprio clube, o patrimônio coral ficou abaixo do Central – cujo estádio fica num bairro nobre de Caruaru, Maurício de Nassau, sendo avaliado em R$ 88 milhões e costumeiramente sondado por construtoras. Outro time do interior, o Sete de Setembro, aparece no top ten regional por causa do estádio – embora hoje dispute a Série A2 do Campeonato Pernambucano. Saindo do âmbito estadual, o Vitória não reavalia os seus imóveis desde 2006. O Barradão, por exemplo, aparece com o valor congelado de R$ 10,4 milhões, com as obras no CT do leão da barra estipuladas em 3,7 mi.

O patrimônio segundo o valor de custo (entre parênteses, os principais bens)*
1º) R$ 175.421.297 – Sport (Ilha do Retiro e clube, 110 mil m²)
2º) R$ 172.240.502 – Náutico (CT de 49 hectares, Aflitos e clube, 41 mil m²)
3º) R$ 96.400.000 – Central (Lacerdão e terreno)
4º) R$ 63.739.000 – Santa Cruz (Arruda e clube, 58 mil m²)
5º) R$ 38.391.000 – Bahia (CTs Fazendão e Cidade Tricolor)
6º) R$ 23.981.250 – Vitória (Barradão, CT e chácara da base)
7º) R$ 18.005.750 – Sete de Setembro (Gigante do Agreste e terreno)
8º) R$ 14.473.927 – América de Natal (terrenos e imóveis)
9º) R$ 10.386.613 – ABC (Frasqueirão e terreno)
10º) R$ 8.019.862 – Ceará (Cidade Vozão e imóveis)
11º) R$ 3.952.393 – Treze (PV e imóveis)
12º) R$ 3.297.760 – CRB (imóveis)
13º) R$ 2.990.648 – Porto (CT de 10 hectares)
14º) R$ 2.265.639 – Fortaleza (máquinas e benfeitorias em imóveis de terceiros)
15º) R$ 1.744.970 – América do Recife (sede)
* Entre os clubes acima de R$ 1 milhão, considerando os balanços na web entre 2013 e 2018

Considerando o G7 do Nordeste, formado pelos três grandes do Recife, os dois grandes de Salvador e os dois grandes de Fortaleza, chega-se a R$ 484.058.550. No entanto, o trio de ferro pernambucano representa 85% disso, com R$ 411.400.799 – os três possuem estádios centralizados. Já em Salvador o Bahia passou por um processo de incorporação em 2016, quando o patrimônio subiu 10 milhões, após um acordo com a OAS sobre a Cidade Tricolor.

Por outro lado, chama atenção a ausência dos centros de treinamento de Ceará e Fortaleza. No caso do vozão, o clube ainda está no processo de quitação do empreendimento – pagou 56 das 72 parcelas, ou R$ 4,4 mi dos R$ 5,7 mi. O blog considerou o CT no patrimônio do clube – com o valor total do CT na lista acima e o valor já pago na lista abaixo. A situação é incomum, mas não é exclusiva da capital alencarina. Em Pernambuco o Sport aparece à frente nos dois rankings mesmo sem citar o CT de Paratibe em seu patrimônio, pois o utiliza através de aluguel (R$ 2,1 mi por 90 anos) a uma organização ligada ao próprio clube rubro-negro.

O patrimônio segundo a depreciação acumulada até 2017*
1º) R$ 136.164.999 – Sport
2º) R$ 134.489.222 – Náutico
3º) R$ 63.739.000 – Santa Cruz
4º) R$ 37.083.000 – Bahia
5º) R$ 13.168.049 – Vitória
6º) R$ 9.985.781 – ABC
7º) R$ 6.596.598 – Ceará
8º) R$ 2.730.224 – Porto
9º) R$ 1.894.251 – Fortaleza
10º) R$ 1.699.669 – América do Recife
* Entre os clubes acima de R$ 1 milhão, considerando os balanços na web em 2018

Pesquisa de Cassio Zirpoli

© 2019 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha