Antonio Mario Ielo

 

 Inaugurada a Estação de Pirambóia, em 20 de março de 1888, da  Estrada de Ferro Sorocabana, surgiu um pequeno povoado, no centro do Estado de São Paulo, na depressão periférica, antes da Serra de Botucatu, no lado norte do município de Rio Bonito (atual Bofete), proximo ao município de Capela da Ponte do Rio Tietê (atual Anhembi), tornando-se distrito em 1899. Em 20 de maio de 1934, passados 46 anos, o distrito de Pirambóia foi desmembrado de Bofete e passou a pertencer ao município de  Anhemby. Devido à importância regional de Pirambóia, em menos de um mês, acabou recebendo a sede do município, que passou a se chamar Município de Pirambóia em 12 de junho de 1934. A sede do município voltou para Anhemby no dia 24 de dezembro de 1948, antes mesmo da construção de nova Estação de Pirambóia no novo traçado da Estrada de Ferro Sorocabana, retirando os trilhos que passava na Estação antiga.

município de Pirambóia, neste pequeno período de 14 anos de existência, viveu grandes momentos econômicos, tanto com o embarque de toda produção agrícola dos dois municípios, como do desembarque de produtos oriundos da capital para consumo da região da “baixada”, somados ao embarque e desembarque de passageiros, gerando comercio local, e a produção do Laticínio Pirambóia, produzindo leite, queijos e derivados de excelente qualidade, gerando empregos diretos e indiretos estimulando a produção leiteira da região.

Pirambóia Futebol Clube, participou, sendo uma única vez, do Campeonato Paulista do Interior de 1942, na 5ª Região, com sede em Botucatu, com os demais clubes: AA Botucatuense , AA Ferroviária (Botucatu, campeã da 5a Região), Bandeirante FC (Botucatu), AA Sãomanuelense, EC Bandeirante (São Manuel), AA Avareense, Cerqueira Cesar FC.

 Municipio de Pirambóia, atual município de Anhembi, de 736,557 km2 com 6.400 habitantes. Do Tupi-Guarani: Pirambóia – “peixe cobra” e Anhembi – rio com muitas anhumas (atual rio Tietê).

Praça de Esportes Vereador Jacob Miguel / “Campo de Pirambóia“, Dist. de Pirambóia, Anhembi / SP

fontes:

Livro “Os Esquecidos” de Rodolfo Kussarev, fotos/dez2016 Antonio Mário Ielo, site Estações Ferroviárias, site Prefeitura de Anhembi/SP e fotos da equipe do acervo de Geraldo Zacarias (agradecimento especial).

 

O Esporte Clube Vera Cruz, do bairro Urupá de Ji-Paraná, foi o representante da Liga Desportiva de Ji-Paraná no Campeonato Estadual Rondoniense de 1983, disputado em fase eliminatórias. Embora tenha vencido o Rio Branco EC, seu primeiro jogo por 2 a zero,  na casa do adversário em Ariquemes, acabou sendo eliminado na primeira fase, ao ser derrotado no “jogo de volta”, em seu próprio Estádio Pedro Lyra Pessoa, por 5 a zero.

fonte: Blog Historia do Futebol, artigos do Sergio Mello, Julio Diogo e Gerson Rodrigues. e Google Maps Street View.

 

O Esporte Clube Nakashi de Londrina / PR, clube dos funcinários da Retifica Nakashi, foi campeão de 1953 da Liga Regional de Futebol de Londrina, e representou Londrina e região, no 1º Torneio dos Campeões do Interior do Paraná de 1953, que contou com a participação de 8 campeões regionais, organizado pela Federação  Paranaense de Futebol. Ficou na 1a fase, após perde para o Clube Atlético Pinhalense  de Ribeirão do Pinhal, campeão da Liga de Cornélio Procópio. O campeão do Torneio dos Campeões do Interior de 1953 foi o CA Seleto de Paranaguá.

 

fontes: site do Jornalista Jorge Jr. de Londrina, blog História do Futebol, comentários do membro Rodrigo Santana e anotações pessoais.

 

O Bandeirante Futebol Clube de Botucatu / SP foi  fundado em 1942 por Grupo de esportistas do município, para representar Botucatu e disputar o Campeonato Municipal de Botucatu da 1ª divisão e o Campeonato Paulista do Interior de 1942, sem ter sede ou campo próprio.

Em 20 março de 1943, foi fundado a Liga Botucatuense de Futebol, vinculada a Federação Paulista de Futebol, sendo o Bandeirante Futebol Clube, um dos fundadores junto com a Associação Atlética Botucatuense, a Associação Atlética Ferroviária, Flor da Madrugada Futebol Clube, Pardinho Futebol Clube e Blasi Futebol Clube.

Sua primeira partida oficial pelo campeonato municipal foi contra a Associação Atlética Botucatuense, no Estádio Antônio Delmanto, perdendo o caçula para a veterana por 4 a zero. O Jornal Correio de Botucatu demostrando exagerada simpatia, publicou: “Embora derrotado, o caçula foi superior ao seu adversário em entusiamo e técnica, pois dominou a partida do começo ao fim, e por falta de arremates, deixou escapar um triunfo  que seria mais que merecido, o Bandeirante for senhor absoluto da partida, dando autêntico baile na Veterana e só não venceu – que seria de justiça, foi por falta de um artilheiro, um só, e as estas horas o vencedor estaria curtindo a amarga derrota”. Seu técnico era o popular Zé Guimarães, e seus “pupilos”: Caricati, goleiro;  Avaré, Bento, Waldomiro e  Fê, defesa; Pedrinho, Paulo, João, Fernando, Cearense e Manézinho no meio campo e  ataque.

Em 1943, o primeiro campeonato oficial da 1a divisão promovido pela Liga Botucatuense de Futebol, realizado com a participação de 3 clubes, AA Botucatuense, AA Ferroviária e o Bandeirante FC que iniciou sua jornada de derrotas e goleadas sofridas; Torneio Inicio: Ferroviária 2×0 Bandeirante e Botucatuense 4×2 Bandeirante. No Campeonato Municipal, 1º turno: Ferroviária 7×0 Bandeirante e Botucatuense 4×0 Bandeirante; 2º turno: Ferroviária 4×0 Bandeirante e Botucatuense 4×2 Bandeirante. Em 1944, no Campeonato Municipal, os mesmos 3 participantes;  1º turno: Ferroviária 4×0 Bandeirante e Botucatuense 6×2 Bandeirante; 2º turno: Ferroviária 3×0 Bandeirante e Botucatuense 3×4 Bandeirante (1ª vitória). Em 1945, no Campeonato Municipal, os mesmos 3 participantes;  1º turno: Ferroviária 5×1 Bandeirante e Botucatuense 8×1 Bandeirante; 2º turno: Ferroviária 4×0 Bandeirante e Botucatuense 5×0 Bandeirante.

Em 1946, seu presidente era o escritor Hernani Donatto, que nesta oportunidade tinha 22 anos, descreve em documento em papel timbrado, enviado a prefeitura na tentativa de também receber verba da municipalidade como os demais clubes, com um clube modesto, exclusivamente de operários e pessoas de poucas posses.

Em 1946, no Campeonato Municipal, os mesmos 3 participantes; Bandeirante 0×7 e ?x?  Ferroviária, Bandeirante 2×8 e 0x6 Botucatuense.  Em 1947, no Campeonato Municipal, os mesmos 3 participantes;  1º turno: Ferroviária 7×0 Bandeirante e Botucatuense 7×0 Bandeirante; 2º turno: Ferroviária 13×0 Bandeirante e Botucatuense 6×1 Bandeirante. Em 1948, o Bandeirante não participou do Campeonato Municipal. Em 1949, no Campeonato Municipal, o Bandeirante volta a participar, totalizando 6 clubes na 1ª divisão; Bandeirante 1×3 e 1×2 Botucatuense, Bandeirante 1×6 e 1×2 EC Avenida, Bandeirante 1×1 e 1×2 AA Experimental, Bandeirante 5×4 (2ª vitoria) e 1×2 CA Fortaleza, Bandeirante 0×0 e 1×1 CA Brasil. Em 1950, no Campeonato Municipal, 4 clubes na 1ª divisão; Bandeirante 2×4 e 2×2 Botucatuense, Bandeirante 3×1  AC Lajeado, Bandeirante 3×1 CA Fortaleza  (3ª vitoria). Em 1951, no Campeonato Municipal, 9 clubes na 1ª divisão; Bandeirante 1×3 Botucatuense, Bandeirante 0×2  AC Lajeado, Bandeirante 1×1  CA Brasil, Bandeirante 0×6  União Operário, Bandeirante ?x?  CRE Bairro Alto, Bandeirante ?x?  Vila Antartica, Bandeirante ?x? CA Fortaleza. Em 1952 e 1953, o Bandeirante não participou do Campeonato Municipal. Em 1954, no Campeonato Municipal, o Bandeirante volta a participar, totalizando 8 clubes; Bandeirante ?x? e 1×2 AC Lageado, Bandeirante 1x1  e ?x? Rodoviário AC, Bandeirante 3×1 e 1×1 CA Brasil, Bandeirante 7×1 e ?x? CRE Bairro Alto, Bandeirante 1×0  e 3×3 EC Inca, Bandeirante 2×3 União Operário e Bandeirante 1×4 e 5×2 Sete de Setembro FC e Bandeirante 5×2 e ?x? Boa Vista FC; Bandeirante ficou em 4ª colocação. Em 1955, no Campeonato Municipal, o Bandeirante participar pela ultima vez, totalizando 10 clubes; Bandeirante 1×3 e 1×0 AC Lageado, Bandeirante ?x? Rodoviário AC, Bandeirante 0×4 e OxW CA Brasil, Bandeirante 2×4 e 0×4 CRE Bairro Alto, Bandeirante ?x? EC Inca, Bandeirante 2×0 União Operário e Bandeirante 1×7 e 1×4 Sete de Setembro FC, Bandeirante 2×2 e 1×1 Botucatuense; Bandeirante 1×13 e 0×3 Ferroviária; Bandeirante ficou em 9ª colocação (penúltimo).

A Ultima formação do Bandeirante FC em 1955: Chandrico, Júlio, Gaviúna, Bugre, Marreco, Ferreira, Lambari, Guto, Natal, Meneguim, Boaro.

Em muitos jornais era publicado erroneamente Bandeirantes, com “s”, no plural, mas como se comprova pelo papel timbrado do clube que o nome correto era Bandeirante Futebol Clube.

E sua ultima diretoria era assim constituída: Presidente de Hora, Emílio Peduti (Prefeito Municipal); Presidente, Paulo Paguozi; vice presidente, Narciso Mori; 1º Secretário, Amilcar Pupo Aiello; 2º Secretário, José Maurício de Oliveira; 1º Tesoureiro, Arlindo Durante; 2º Tesoureiro, Ulisses Rossi Grassi; Diretores Esportivos, Orlando Paguozi e Brasílio Paguozi; Diretores, Dr. Mário Rodrigues Torres (Procurador), Brasílio Damato, Francisco Lira BrandãoHélio DonatoAntônio Pinheiro Jr. e Antônio Calixto.

Muitos dos integrantes do Bandeirante Futebol Clube, foram cidadãos importantes para o município de Botucatu,  reconhecidos pelos botucatuenses sendo homenageados com logradouros públicos como ruas, avenidas, praças, biblioteca, complexo funerário e  escola.

Dedico este meu singelo artigo do Bandeirante Futebol Clube ao amigo Hélio Donatto, que tive o privilégio de frequentar sua casa e conviver com toda sua família.

Fonte: Livro “Os Esquecidos” da Datatoro de Rodolfo Kussarev e dos pesquisadores Eduardo Cacella, Julio Diogo, Fernando Martinez, Marcio Javaroni e Antonio Mario Ielo, Almanaque Futebolístico de 1957 da FPF de Nelson Martíns de Almeida e Thomaz Mazzoni, Jornal Correio de Botucatu, Os Campeões Amadores de Botucatu de Nivaldo Ceará e Arquivo do pesquisador e historiador Zulo e arquivo pessoal.

 

Asas Esporte Clube de Campo Grande, município que pertencia ao antigo Estado do Matto Grosso, foi fundado  em 1955, por funcionários da Base Aérea de Campo Grande, vinculados a aeronautica, com sede no bairro de Amambaí.

Disputou os campeonatos da Liga Esportiva Municipal Campograndense – LEMC em 1959 a 1965, sendo campeão em 1963. Foi extinto em 1972.

 

fontes: Livro ‘A História do Futebol Campo-grandense’, de autoria Reinaldo Alves de Araújo e artigo do Sergio Mello do Blog Historia do Futebol.

 Para mais detalhes do Asas EC, veja o artigo do Sergio Mello deste blog.

Com relação aos detalhes do escudo, foi utilizado o desenho das “asas” que são reproduzidas nos broches e brasões da aeronautica, que parecem ser como na foto da equipe, diferente do escudo da capa do livro fonte.

 

 

O Internacional Sport Club de Campo Grande, município que pertencia ao antigo Estado do Matto Grosso, foi fundado como Guarany SC por alguns dias, em 25 de agosto de 1929, sendo um dos fundadores da Aliança Sportiva Campograndense, e disputou o primeiro campeonato em 1930 e 1931, e provavelmente mais alguns anos subsequentes.

 fontes: site da Biblioteca Nacional – arquivos do Jornal do Commercio de Campo Grande.

 

Em 1931, no segundo campeonato da Aliança Sportiva Campograndense de Campo Grande,

o Sport Club Syrio conquistou o bi campeonato campograndense,

provavelmente com a participação dos mesmos clubes de 1930.

 

 

Neste ano a Federação Sportiva Matto-grossense de Corumbá, organizou  a seleção matogrossense

 e representou o Estado do Mato Grosso no 9º Campeonato brasileiro de Seleções de 1931, como nos anos anteriores.

Em 1933, o clube da comunidade siria e libanesa de Campo Grande, realiza o aportuguesamento e acrescenta ao nome a palavra “Libanez”, modificando para Esporte Clube Syrio-Libanez, provavelmente tornando um clube com mais atividades socio-culturais do que esportivas.

Hoje existe na rua D. Aquino, 1879, o Clube Libanês, alvi-verde, fundado em 1951,  com atividades socio-culturais e na avenida Mato Grosso, 1194, a Sociedade Beneficiente Surian, alvi-rubra, fundada em 29 de abril de 1951, com atividades beneficientes, sociais, culturais e esportivas, ambos da comunidade sirio-libanesa de Campo Grande.

fontes: site da Biblioteca Nacional – arquivos do Jornal do Commercio de Campo Grande e Google Maps.

 

 

 

Em 1930 ocorreu em Campo Grande, ainda pertencendo ao antigo Estado do Mato Grosso, a fundação da Aliança Sportiva Campograndense, filiando-se a Federeção Sportiva Matogrossense de Corumbá, sendo os clubes fundadores:

 Sociedade Sportiva Campograndense,  Internacional Sport Club e  Club Recreativo Amambahy.

 

Seu primeiro campeonato foi neste mesmo ano, com a participação dos fundadores e mais dois clubes,

do Sport Club Syrio, que foi o campeão  e do Democrata Football Club, campeão do Torneio Início.

 

 

Campeonato Campograndense

1930 / Aliança Sportiva Campograndense

1º campeão Sport Club Syrio Campo Grande
  Sociedade Sportiva Campograndense Campo Grande
campeão Torneio Início  Democrata Football Club Campo Grande
  Clube Recreativo Amambahy Amambay Campo Gde
  Internacional Sport Club Campo Grande

 

fontes: site da Biblioteca Nacional – arquivos do Jornal do Commercio de Campo Grande.

 

Ao pesquisar, analisar e entender os campeonatos estaduais, oficializados ou não, encontramos grande variedade de características próprias, devido as condições econômicas, geográficas e políticas de cada estado brasileiro. As riquezas estão na diversidade contida nas suas características diferentes e peculiares, deste grande “país continental” chamado Brasil. Os exemplos mais exóticos estão nos campeonatos do antigo “Estado do Rio” e do grande e antigo Estado do Matto Grosso e seus desmembramentos, incluindo também os estados do Piauí e de Minas Gerais, que já tiveram dois campeonatos oficiais em diferentes regiões, Parnaíba e Teresina; Belo Horizonte e Juiz de Fora, respectivamente.

O antigo Estado do Matto Grosso, um dos maiores em extensão territorial, com grandes distâncias entre suas cidades,  foi desmembrado em 3 Estados. Sua colonização aconteceu em várias frentes e formas, seja no extremo Oeste pela bacia do Prata, a leste por vários caminhos e rios, ou ao Norte pela bacia amazônica. Em 1943 no Governo de Getúlio Vargas, foram criados 2 territórios em áreas do Mato Grosso: O Território de Ponta Porã ao sul, que extinguiu após 3 anos, e o Território de Guaporé ao norte, atual Estado de Rondônia.  Em 1979 houve a divisão com a criação do Estado do Mato Grosso do Sul.

Ao pesquisarmos os campeonatos mato-grossense, deparamos com a Federação Matogrossense de Futebol ainda divulgando parcialmente a história do futebol de seu Estado, desconsiderando o que aconteceu em outros centros, tão importantes como da capital, Cuiabá. Esta desinformação está resultando que muitos, ou todos, a reproduzirem esta parcialidade, incluindo também a Federação de Futebol do Mato Grosso do Sul.

Vamos aqui, no blog Historia do Futebol, começar a esclarecer sua rica história ocultada e esquecida.

Os primórdios do futebol no antigo Estado do Matto Grosso aconteceram em várias cidades mato-grossenses, principalmente em Corumbá e Cuiabá, quase que simultaneamente, com times oriundos de estudantes representando seus colégios ou militares.

Em 1910 em Corumbá existia o FBC Sul América, Nacional Club e FBC Sete de Setembro.

Em 1913 na capital Cuiabá, o Cuyabá Foot-Ball Club da Escola Modelo (alvi-negro) e o Internacional da Escola Senador Azevedo (alvi-rubro).

Em 1914 a fundação do eterno Corumbaense Foot-Ball Club.

 As primeiras Ligas também quase surgiram simultaneamente.

Em 1921 a fundação da Liga Matto-grossense de Sportes Athleticos em Corumbá, com sub ligas em Miranda, Campo Grande e Aquidauana.

Ano que aconteceu o primeiro campeonato da LMSA em Corumbá, saindo-se campeão o Corumbaense Foot-Ball Club, com a participação do também eterno Riachuelo Foot-Ball Club, mais o Commercio Sport Club (alvi-verde). Outros campeonatos transcorreram com mais um clube de Ladário, o Ladário Sport Club (à confirmar, ser ou não, o “crusmaltino” Ladário Atlético Club, com escudo, uniforme e estádio publicado por Sergio Mello).

 Em 1924 a fundação da Liga de Cuiabá, com dados ainda desconhecidos.

Em 1928, Corumbá a Liga muda de nome e representatividade para Federação Sportiva Matto-grossense, filiando-se a Federação Nacional a época, a CBDA – Confederação Brasileira de Desportos Atheticos, representando o Estado do Mato Grosso e organizando a seleção mato-grossense nos campeonatos brasileiro de seleções todos os anos até 1942.

Neste ano a FMS de Corumbá organizou o primeiro campeonato estadual mato-grossense com os campeões citadinos ou representantes. O campeão foi o representante Corumbaense (Corumbá, Ladário e Miranda), sendo desconhecido até então seu nome, podendo ser um combinado dos clubes de Corumbá e disputou a final com a Sociedade Sportiva Campograndense, vencedor do Sul (Campo Grande, Aquidauana, Maracajú e Ponta Porã).

Em Campo Grande, surgiram os clubes da SS Campograndense, do Militar, do SC Americano, do Clube Recreativo Amambahy, do Commercial Sport Club (alvi-negro), do Democrata Foot-Ball Club (alvi-anil) e do Internacional FC (alvi-verde / ex-Guarany SC).

Em Aquidauana o time do 6 º Batalhão do Exercito, o Aquidauanense Foot-Ball Club e o Oriente Sport Club.

Em Maracajú, o Maracajú Sport Club.

Em Ponta Porã, o Ponta Porã Foot-Ball Club.

Em Miranda, o Imparcial Mirandense Foot-Ball Club, o Bela Vista Brasileira, o Bela Vista Paraguaya, o Universal Mirandense e o União Sportiva Mirandense.

Em Porto Martinho, a filiação da Liga Sportiva Martinhense a FMS de Corumbá, composta pelo Sport Club Martinhense e  o Commercio Foot-Ball Club.

Enquanto isto, em Cuiabá, surgiram: Clube Pátria, Bilac, Guarany (ex-Internacional), Tupy FC (rubro-negro), Sport Club Cuyabano (alvi-negro), Palmeiras (alvi-rubro), Americano Foot-Ball Club, Associação Atlética Typográphica e o eterno Mixto Sport Club. (não tenho registro dos campeonatos cuiabanos deste período)

Participantes do 2º campeonato estadual organizado pela FSM:

1929 / Federação Sportiva Matto-grossense  / Campeonato Corumbaense

Combinado de Corumbá Corumbá
Soc. Sportiva Campograndense Campo Grande
Liga Sportiva Mirandense Miranda
Aquidauana Foot-ball club Aquidauana
Ponta Porã Futebol Clube Ponta Porã
Maracajú Sport Club Maracajú

 Zona Norte: Corumbá e Miranda, foi disputado pelos combinados das cidades: A Liga Sportiva Mirandense e a seleção de Corumbá dos 4 clubes filiados a FSM.

Zona Sul: Campo Grande, Aquidauana e Ponta Porã. O SC Flamengo de Bela Vista desistiu antes de começar.

Em 1930 em Campo Grande a fundação da Aliança Sportiva Campograndense,  com filiação com a FSM de Corumbá: Sociedade Sportiva Campograndense, Internacional Sport Club e Clube Recreativo Amambay. O campeão de ano foi Sport Club Syrio, que alem da participação dos fundadores teve também o Democrata Foot-ball Club.

Filiados em 1931 na FEDERAÇÃO SPORTIVA MATOGROSSENSE
- Comércio Sport Club (Corumbá)

- Corumbaense Futebol Clube (Corumbá)
- Ladário Atlético Clube (Corumbá)
- Imparcial Mirandense Futebol Clube (Miranda)
- Universal Futebol Clube (Miranda)
- Comércio Futebol Clube (Porto Murtinho)
- Murtinhense Sport Club (Porto Murtinho)
- Sociedade Sportiva Campograndense (Campo Grande)
- Sport Club Flamengo (Bela Vista)
- Aquidauana Futebol Clube (Aquidauana)
- Maracajú Sport Club (Maracajú)

Em 1936 foi fundado a “Liga Esportiva Cuiabana” (LEC).

 1936 / Liga Esportiva Cuiabana / Campeonato Cuiabano

Commercio Sport Club Cuiabá
Americano Esporte Clube Cuiabá
Club Sportivo Dom Bosco Cuiabá
Paulistano Esporte Clube Cuiabá
Mixto Sport Club Cuiabá
6ºi Sport Club Destemido Cuiabá
Ass. Atlética Typográphica Cuiabá

1936 /  Federação Sportiva Matto-grossense / Campeonato Corumbaense

Corumbaense Foot-Ball Club Corumbá
Riachuelo Foot-Ball Club Corumbá
Ladário Athletico Club Corumbá
Mato Grosso Corumbá

Incompleto

1936 / Liga Esportiva Municipal Campograndense / Campeonato Campograndense

Esporte Clube Juventus Campo Grande
Soc. Sportiva Campograndense Campo Grande
Royal Futebol Clube Campo Grande
Estudantino Esporte Clube Campo Grande
Gremio Esportivo Renner Campo Grande

Em 1938 em Campo Grande o campeão foi o SS Campograndense, ano de fundação do grande e famoso Operário Futebol Clube.

 1938 / Liga Esportiva Cuiabana / Campeonato Cuiabano

Comércio Futebol Clube Cuiabá
Clube Esportivo Dom Bosco Cuiabá
Americano Esporte Clube Cuiabá
16º Batalhão de Caçadores (verde-anil) Cuiabá

Em 1939 em Campo Grande o campeão foi o Esporte Clube Juventus (alvi-anil)

1939 / Liga Sportiva Aquidauanense / Campeonato Aquidauanense

Operário Athletico Club Aquidauana
Centro Esp. Marechal Mallet Aquidauana
Sport Club Brasil Aquidauana
Palmeiras Foot-Ball Club Aquidauana
Sport Club XV de Agosto Aquidauana

SC Independente mudou de nome para XV de Agosto

Em 1939 em Cáceres foi fundado o Club Atlético Cacerense e o Rex Club .

1942 / Liga Esportiva de Corumbá / Campeonato Corumbaense

Corumbaense  Foot-Ball Club Corumbá

1942 / Liga Esportiva Municipal Campograndense / Campeonato Campograndense

Operário Futebol Clube Campo Grande
Andaraí Futebol Clube Campo Grande
Esporte Clube Juventus Campo Grande
Soc. Sportiva Campograndense Campo Grande

1942 / Liga Esportiva Cuiabana / Campeonato Cuiabano

Clube Esportivo Dom Bosco Cuiabá
Paulistano Esporte Clube Cuiabá
Americano Esporte Clube Cuiabá
Mixto Esporte Clube Cuiabá
Estado Novo Esporte Clube Cuiabá
Esporte Clube Terceiro Distrito Cuiabá

Em 26 de maio de 1942, a Liga Esportiva Cuiabana muda de nome e estatuto para Federação Matogrossense de Desportos, por obrigação de Lei Federal, que determinou que as capitais seriam sede da organização do Desporto do Estado pelos clubes e ligas, participando da fundação:

Americano Esporte Clube,

Clube Esportivo Dom Bosco,

Estado Novo Esporte Clube,

Paulistano Futebol Clube,

Terceiro Distrito Esporte Clube,

Liga Esportiva de Corumbá,

Liga Mirandense de Futebol,

Liga Esportiva Aquidauanense,

Liga Municipal de Amadores de Campo Grande e

Liga Três-lagoense de Desportos.

Mesmo com a nova federação na capital Cuiabá, as Ligas continuaram a organizarem os campeonatos citadinos, somados com surgimento de outros campeonatos citadinos importantes como de Dourados e Tres Lagoas, sem a realização de um campeonato verdadeiramente estadual.

Em setembro de 1943, o Presidente Getulio Vargas, criou 2 territórios federais no Estado do MT com intuito de proteger as fronteiras:

O Território Federal de Guaporé na região norte, incluindo o município amazonense de Porto Velho (capital). Nesta região do estado do Mato Grosso, já existia o campeonato citadino de Guajara Mirim, e recebia esporadicamente a visita para jogos amistosos de clubes de Cuiabá, Corumbá e Campo Grande.

O Território Federal de Ponta Porã na região sudoeste, formados pelos municípios de Ponta Porã (capital), Porto Murtinho, Bela Vista, Dourados, Miranda, Nioaque e Maracaju. A capital foi transferida para Maracaju em 31 de maio de 1944 voltando a Ponta Porã em de 17 de junho de 1946. O território foi extinto em 18 de setembro de 1946 e reincorporado ao então estado de Mato Grosso. Nestes municípios já existiam os campeonatos citadinos e as participações de seus clubes nos campeonatos mato-grossenses, realizados pela Federação sediada em Corumbá. Embora ainda não pesquisado detalhadamente nos jornais locais, os campeonatos citadinos de Ponta Porã e/ou de Maracaju foram os campeonatos principais do Território, neste curto periodo de 1943 a 1946, podendo ser considerando seus campeões, também como campeões territoriais. 

Autor: Antonio Mario Ielo

Fontes consultadas: site da Biblioteca Nacional nos arquivos do Jornal do Commecio de Campo Grande, Jornal A Tribuna de Corumbá, Jornal A Cruz de Cuiabá, Jornal o Estado do Mato Grosso de Cuiabá, Jornal O Progresso de Dourados, Jornal Fronteira de Ponta Porã, Revista Sport Ilustrado do RJ, livro Futebol, uma Fantástica Paixão, de Reginaldo Alves de Araújo, site do Wikipédia, RSSSF, Blog Futebol Cuiabano, arquivos publicados no Blog História do Futebol e arquivos pessoais.

Observação final: Estas breves achegas necessitam de muitas complementações e confirmações, e será muito importante as colaborações para acrescentar mais fatos e clubes e enriquecer este singelo artigo, de um caipira do interior paulista que admira esta imensidão chamada Mato Grosso.

 

A história de cada estado brasileiro e seus respectivos campeonatos estaduais, são a riqueza e a grandiosidade que explica a seleção brasileira de futebol ser a mais vitoriosa com 5 Copas mundiais.

O Brasil é um país continental, com milhões de praticantes e admiradores do futebol, não tendo nenhum outro país continental com clima favorável para a imensa prática esportiva. O Brasil é o 5º maior em extensão territorial, é o 5º mais populoso, é o 6º mais rico e a 7º maior economia do mundo. Os países continentais e ricos não praticam massivamente o futebol por questões culturais, como o EUA, a China e a Índia, enquanto a continental e rica Rússia tem um clima hostil em grande parte de seu território. O futebol é um esporte de verão, para áreas abertas, favorável aos países com temperatura agradável durante todo o ano.

  Maior Economia   Mais Rico   Mais Populoso   Maior Extensão   Mais Copas
EUA EUA China Rússia BRASIL
China China Índia Canadá Alemanha
Índia Japão EUA China Itália
Japão Alemanha Indonésia EUA Argentina
Alemanha França BRASIL BRASIL Uruguai
Rússia BRASIL Paquistão Austrália França
BRASIL Reino Unido Bangladesh Índia Inglaterra
França Itália Nigéria Argentina Espanha
Reino Unido Rússia Rússia Cazaquistão    
10º Indonésia 10º Índia 10º Japão 10º Argélia    

 

Como o nosso país e divido por ESTADOS, e organizou seu futebol por FEDERAÇÕES ESTADUAIS,  e somente na segunda metade do século XX, organizou seu campeonato nacional e continuou com suas bases nos campeonatos estaduais, que sempre multiplicou o numero de praticantes, mantendo a qualidade e grandeza do futebol brasileiro.

O monopólio da Rede Globo, proporcionado pela CBF que vende os direitos exclusivos de transmissão dos campeonatos brasileiros e estaduais, vem ao seu interesse próprio, ao longo das ultimas décadas, diminuindo a importância e o calendário dos campeonatos estaduais, valorizando e proporcionando aos grandes anunciantes a divulgação de suas marcas para todo o Brasil através do campeonato brasileiro, em detrimento das marcas regionais que geram mais empregos e distribui riqueza com os campeonatos estaduais.

Precisamos fazer voltar a importância dos campeonatos estaduais, devolvendo o calendário para ser realizado durante 5 meses, como antes, e diminuir o nacional para 5 meses, distribuindo com mais equilíbrio, antes que aconteça a ruptura final entre grandes e os médios e pequenos, acabando com o grande seleiro de jogadores e craques de futebol.

O Campeonato brasileiro deveria diminuir os participantes da 1ª divisão de 20 clubes para 16 clubes, e aumentar e valorizar a 2ª divisão para 32 clubes (2 grupos de 16 clubes, com títulos distintos Norte/Nordeste/Centro-Oeste e Sul/Sudeste) e a 3ª divisão para 64 clubes (4 grupos de 16 clubes, com títulos distintos Norte/Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul) com clubes classificados pelos Campeonatos Estaduais. Totalizando 112 clubes disputando 9 títulos.

 Distribuir melhor o calendário é distribuir melhor a economia gerada, mantendo e proporcionando o numero grande de praticantes de futebol, dos campinhos de bairro as grandiosas Arenas, por todos os cantos do continente chamado Brasil, sem ruptura entre os grandes, médios e pequenos.

Não queremos 4ª divisão ou 5ª divisão, “divisões abstratas” e sem “tradição”, e sim, o fortalecimento dos “tradicionais” campeonatos estaduais, com suas características próprias, conforme sua geografia, história e cultura esportiva.

 Com o aumento da temporada dos campeonatos estaduais, os clubes que não participarem do campeonato brasileiro (1a, 2a e 3a divisão) terão um semestre garantido de sustentabilidade com jogos com o “grandes” e poderá utilizar o segundo semestre para procurar, remontar e aprimorar, participando de torneios regionalizados, como por exemplo, Copas Estaduais com equipes de todas as divisões estaduais, ou mesmo, metropolitanos ou citadinos com clubes de menor expressão, com jogadores desconhecidos que podem interessar para equipes de nível superior. Enquanto os grandes poderão aprimorar suas equipes para o campeonato brasileiro, motivando suas torcidas com possiveis títulos estaduais.

 

Pelo FIM DO MONOPÓLIO e VENDA DE EXCLUSIVIDADE, que não são imprescindíveis e não proporcionam mais lucros para as federações e clubes, mas proporciona a possibilidade de corrupção para favorecimento e direcionamento. A CBF deve por força da “Lei contra monopólios” vender os direitos de transmissão com valor fixo e único como qualquer produto, para que toda emissora de TV que comprar, realize suas transmissões, atraindo seus anunciantes, grandes e regionais, distribuindo melhor a renda gerada e proporcionando a busca pela melhoria do trabalho, motivado pela concorrência.

 

Desculpe, Paulo André, Dida e amigos atletas profissionais, mas… Isto sim, é BOM SENSO.

© 2019 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha